A Nova Geopolítica da Energia1
Gilberto M Jannuzzi2
Geopolítica da Energia é um tema importante nas negociações internacio...
importância dos combustíveis fósseis na matriz energética dos países que iniciaram
esse processo de desenvolvimento econôm...
estão conseguindo se tornar cada vez mais competitivas, além de se alinharem a
políticas de clima e desenvolvimento susten...
porte. O grupo de tecnologias que estamos nos referindo são de uma natureza
radicalmente diferente. Elas permitem também q...
Em resumo, penso que passaremos a valorizar no conceito de geopolítica de energia
a relação entre países e regiões que ter...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

20140321 geopolítica da energia

2.700 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.700
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
908
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
18
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

20140321 geopolítica da energia

  1. 1. A Nova Geopolítica da Energia1 Gilberto M Jannuzzi2 Geopolítica da Energia é um tema importante nas negociações internacionais, e bastante centrado nas discussões e estratégias de comércio, acesso, domínio e controle de recursos naturais como petróleo e gás natural principalmente. No entanto, a geopolítica da energia começa a adquirir novas dimensões onde eficiência energética, o maior domínio de tecnologias das energias renováveis e as políticas de criação de novos mercados para as mesmas. Penso que essa tendência se acentuará no futuro. Vou esclarecer essa visão seguir. Nos últimos quarenta anos três componentes passaram a desempenhar maior relevância no desenvolvimento do setor energético. São eles: o progresso tecnológico possibilitando a conversão cada vez mais eficiente de fontes primárias renováveis em combustíveis e eletricidade; importantes mudanças nas políticas de energia considerando impactos sócio-ambientais e mudanças climáticas globais; e finalmente o conceito de segurança energética privilegiando alternativas locais de produção de energia. Esses fatores possibilitaram o avanço de alternativas tecnológicas e instrumentos de políticas públicas que se integram paulatinamente aos sistemas convencionais de geração, distribuição e usos de energia baseados largamente em combustíveis fósseis. Esses fatos são fundamentais, ao meu ver, para explicar porque já começa a fazer pouco sentido falar-se em geopolítica da energia baseada em recursos naturais exclusivamente. Como sabemos, uma das importantes características do sistema energético atual e que nasceu juntamente com a chamada revolução industrial do século 18 foi a 1 Apresentado no painel temático “A Nova Geopolítica da Energia”, durante evento Diálogos sobre Política Externa, promovido pelo MRE, Palácio do Itamaraty 21/03/2014 2 Professor Titular em Sistemas Energéticos, Universidade de Campinas UNICAMP. Email: jannuzzi@fem.unicamp.br
  2. 2. importância dos combustíveis fósseis na matriz energética dos países que iniciaram esse processo de desenvolvimento econômico. Inicialmente o carvão e depois, especialmente após a segunda guerra mundial, o petróleo foram combustíveis importantes para geração de calor e eletricidade, situação que ainda prevalece em mundial, por sinal. A economia baseada nos recursos naturais de carvão e petróleo possibilitaram a formação de grandes empresas e bloco políticos que se organizaram para manter políticas de preços e regulação do mercado internacional. Outra característica importante é que essa indústria se organizou através de grandes unidades centralizadas seja de produção de derivados de petróleo e petroquímicos como de eletricidade. Mesmo no caso da hidroeletricidade países com esses recursos naturais embarcaram em grandes projetos de usinas. Esse modelo se beneficiava de economias de escala e de necessidades de grandes montantes de investimentos para viabilizar os empreendimentos e as tecnologias de energia envolvidas, em particular a geração de eletricidade. A instabilidade de preços internacionais e vulnerabilidade de acesso a reservas conhecidas de petróleo e gás natural fez com que o conceito de segurança energética incorporasse o desenvolvimento de alternativas locais e mesmo o esforço de prospecção de combustíveis fósseis dentro de fronteiras nacionais e o desenvolvimento de novas tecnologias de extração. Esse esforço desconcentrou em certa medida a localização geográfica das reservas de petróleo e gás conhecidas até então. Foi o que aconteceu com novas descobertas de petróleo e gás natural em países como o Brasil, Colômbia, Leste da África, e agora a utilização em escala comercial de gás de xisto nos Estados Unidos e Canadá. Esse fato fez com que se diluísse a concentração regional de reservas de combustíveis fósseis e relativizasse o poder entre países tradicionalmente produtores e os grandes consumidores. Paralelamente a esses fatos, tem ocorrido um extraordinário avanço nas tecnologias baseadas em fontes renováveis, como energia eólica e solar aliadas a políticas públicas que buscam fomentar uma economia de baixo carbono. Essas tecnologias
  3. 3. estão conseguindo se tornar cada vez mais competitivas, além de se alinharem a políticas de clima e desenvolvimento sustentável. A relação de importância que se confere às regiões que concentram as importantes fontes fósseis deverá ceder lugar aos países que terão expertise tanto na produção de tecnologias renováveis e descentralizadas de energia. O conhecimento de como desenvolver seus mercados de energia, integrar e operar essas tecnologias com as redes de distribuição existentes com segurança e confiabilidade serão elementos de uma nova indústria de serviços de energia. O avanço das tecnologias de comunicação e informação possibilitam que edifícios super-eficientes e mesmo pequenos consumidores comecem não somente a produzir sua própria energia como também vender seu excedente para a rede. Maior eficiência energética possibilitará ainda maiores quantidades de energia a serem ofertadas para a rede compartilhada com outros consumidores. É uma nova realidade que se desenha onde a escala das tecnologias e investimentos unitários é menor, a descentralização da geração é maior e mais próxima aos centros de consumo. No entanto, esses avanços requerem maior integração, armazenamento de energia e coordenação entre muitos agentes, além disso , e como consequência surgem novos modelos de negócios que necessitam de novas regras e nova regulamentação. Disponibilidade de recursos naturais é ainda relevante, no entanto as novas oportunidades para o desenvolvimento do setor energético incluem a necessidade de uma população melhor informada e instruída, novos instrumentos de mercado e regulatórios, novos padrões técnicos, sistemas de controle e armazenamento de energia. A valorização da expertise e domínio tecnológico como elementos-chave de geopolítica da energia, não é novidade, é verdade. O caso da energia nuclear é um exemplo notável. Só que essa é ainda um tipo de tecnologia de natureza centralizada que necessita de concentração de recursos, alto grau de especialização, recursos financeiros, complexo industrial associado e está baseado em sistemas de grande
  4. 4. porte. O grupo de tecnologias que estamos nos referindo são de uma natureza radicalmente diferente. Elas permitem também que pequenos usuários sejam capazes de gerar sua própria energia a partir de fontes primárias que se encontram distribuídas na natureza, portanto de maneira mais descentralizada, como é o caso da energia solar, energia eólica, da própria biomassa. Hoje em dia já não é crucial a escala de produção para que um quilovate gerado por um gerador eólico ser competitivo. Foi necessário sim que a tecnologia se desenvolvesse melhorando sua eficiência e reduzisse seus custos unitários sendo apoiada por políticas públicas e subsídios em países que enxergaram oportunidades de inovação e novo tipo de desenvolvimento industrial. Esse esforço teve como consequência a possiblidade que empreendedores de menor porte pudesse participar como produtores de eletricidade e competissem no mercado juntamente com a indústria tradicional de eletricidade. Sistemas fotovoltaicos, por exemplo, aliado a políticas de incentivo possibilitaram que os sistemas instalados em residências na Alemanha pudesse gerar, juntamente com sistemas eólicos, o equivalente a 25% da eletricidade consumida naquele país em 2013 e representassem um desafio aos grandes conglomerados do setor daquele país como a E.On e KfW. O desenvolvimento da indústria de fontes renováveis possibilitou o desenvolvimento de uma grande quantidade de empregos em empresas de base tecnológica de pequeno e médio portes, o que não foi o caso das de geração de eletricidade convencional baseada em combustíveis fosseis e mesmo energia nuclear. A capacidade de integrar grandes montantes de energia renovável de maneira segura e confiável no sistema energético existente de certo modo liberta países da dependência de fornecimento de energia fóssil importada e muda o conceito de geopolítica conforme estabelecido no início. Embora diferentes regiões ainda tenham diferentes potenciais de energia renovável (solar, eólica, etc), o que se vê é que o desenvolvimento tecnológico pode viabilizar sua utilização em praticamente todos locais.
  5. 5. Em resumo, penso que passaremos a valorizar no conceito de geopolítica de energia a relação entre países e regiões que terão sucesso em : 1) desenvolver a infra- estrutura de redes capazes de integrar e operar diversas fontes com alta participação de renováveis; 2) desenvolver o pro-sumidor (o consumidor capaz de produzir parte de sua energia; e 3) ter instituições e marcos regulatórios capazes de desenvolver novos mercados e novos negócios de energia.

×