GAZETA DO SANTA CÂNDIDA - MAIO 2014

180 visualizações

Publicada em

Jornal com 10 anos de circulação gratuita nos bairros: Santa Cândida, Boa Vista, Ahú, Barreirinha, Atuba, Bacacheri, Tingui.
Se você mora num destes Bairros, faça a sua Assinatura Gratuita e receba em seu endereço residência ou comercial basta confirmar dados no e mail adilsongazeta@gmail.com

Publicada em: Notícias e política
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
180
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

GAZETA DO SANTA CÂNDIDA - MAIO 2014

  1. 1. Diretor: Adilson da Costa Moreira - Fones 8433-7462 e 3328-0176 Dep. comercial: Sharon Simão Zunino Rua Canadá, 2108 - Ap. 32 - Bloco A3 - Bacacheri - Curitiba E-mail: gazetasantacandida@gmail.com Tiragem: 10.000 exemplares www.gazetasantacandida.com.br / www.gazetasantacandida.blogspot.com As matérias assinadas não refletem necessariamente a opinião do jornal. EXPEDIENTE O projeto Nosso Canto, nascido na Rua da Cidadania do Boqueirão, em 1998, foi uma das iniciativas da Fundação Cultural de Curitiba que ti- veram grande aprovação das comu- nidades. Neste mesmo período foi criado também na Rua da Cidadania Boa Vista. Com o sucesso obtido ao longo dos anos levou à proposta de introduzir o canto coral em todas as Regionais de Curitiba. No objetivo de oferecer a opor- tunidade de conhecimentos básicos sobre técnica vocal, fisiologia da voz, impostação vocal e dicção, propor- cionou a descoberta de novos talen- tos, e foi amplamente alcançado com um número de participante com pou- co mais de 70 coralistas na regional Boa Vista do total de 300 em toda Curitiba. Mas a partir deste mês, de forma abrupta, foram encerradas as atividades do Coral e dos cursos de Musicalização dentre outros ligados a Fundação Cultural de Curitiba. “Ti- vemos muitos esforços como grupo de trabalho para manter o coral em espaço cedido pela Escola Estadual Leôncio Correia, por inadequação ficamos somente 4 meses. Ocupamos por mais um período o salão da Igreja Santo Antônio com a esperança que voltaríamos para a Rua da Cidadania Boa Vista mas, mal começamos e fo- mos alijados”, diz Iris Ribeiro, coralista soprano. “Transformaram as salas de mú- sicas em escritórios, elitizaram a cul- tura local, não oportunizando as pes- soas que podem desenvolver seu ta- lento, a exemplo minha filha que ini- ciou com 11 anos de idade e hoje é convidada para estudar na França” afirma Jorge Luiz de Oliveira, "O Projeto Nosso Canto calou. Os instrumentos musicais também ficaram mudos", na Regional Boa Vista coralista, “Ficamos na expectativa e colocamos a disposição nosso tem- po para que dessem uma resposta po- sitiva em uma reunião e escolhemos o dia de sábado, numa das salas da Rua da Cidadania, mas, ninguém da Fundação apareceu e assistimos o fi- nal de nossa permanência na Rua da Cidadania Boa Vista”, complementa, Oliveira. Por mais de 16 anos, cursos de artes e música eram ministradas nas salas do andar superior, disponibilizados com professores vo- luntários a um custo popular e, 10% eram repassados a FCC, com um contrato que era renovado a cada 6 meses. Luiz Carlos, músico com 2 experiência de mais de 30 anos, pro- fessor, calcula que mais de mil e du- zentos alunos passaram por suas au- las e que no ano 2013 foram pouco mais de duzentas e quarenta inscri- tos. ''Até dezembro do ano 2013, tudo estava bem e sem aviso o pro- jeto foi encerrado. Muitos pais não ficaram sabendo e a culpa foi jogada sobre nós", afirma. Sheron de Melo foi informada que o curso de violão não estaria mais disponível e que a FCC da Re- gional Boa Vista estaria avisando uma nova programação no segun- do semestre, mesmo assim não de- sanimou sua filha, tendo que matri- cular no Centro Cultural São Lourenço para que ela pu- desse continuar, diz: " Já estou avisada que ali também não haverá estes cursos ". Em nota ao jor- nal, a Fundação Cultural de Curitiba respon- de: “A Fundação Cultural de Curitiba vai reto- mar no segundo se- mestre a oferta de cursos de música e arte na Rua da Cidadania da Boa Vis- ta. Os cursos estavam suspensos para reavaliação do projeto e busca de um local mais adequado para as aulas, uma vez que a Rua da Cidadania abri- ga serviços de diversas secretarias e o barulho dos instrumentos causava reclamações de usuários. Na impossibilidade de encon- trar outro local adequado nas ime- diações, e com o intuito de manter o atendimento ao público já acos- tumado ao projeto, os cursos se- rão mantidos nas instalações da Rua da Cidadania. O modelo a ser adotado está sendo estudado.”
  2. 2. Entre os Bairros Santa Cân- dida, Boa Vista e Tingui haverá alterações de sentidos das ruas próxima do CAUR Boa Vista (Centro de Atendimento Urbano Regional Boa Vista) mais co- nhecida como: Rua da Cidada- nia Boa Vista. Na Rua Fernando de Noronha, o trecho entre a Rua João Gbur e a Avenida Paraná passa a ter sentido único de cir- culação da João Gbur para a Paraná. Na Rua Arary Souto, o trecho entre a Av. Paraná e a Rua Canadá passa a ter senti- do único de circulação da Paraná para a Canadá. Processo contra jovem que furtou duas aves avaliadas em R$ 40 chega à instância máxima da Justiça Brasi- leira. O ministro Fux decidiu negar pedido para arquivar o caso. Em 2013, furto de chocolates também chegou ao Supremo Um homem acusado de roubar um galo e uma galinha, avaliados em R$ 40, aguarda decisão do Supremo Tri- bunal Federal para saber se será con- denado. Isso porque tramita na corte uma ação movida pela Defensoria Pública que pede o arquivamento do caso, por considerá-lo enquadrado no princípio da insignificância. Se não for aceito, o crime pode resultar em uma pena de prisão de até quatro anos. Na sexta-feira, o ministro Luiz Fux negou o habeas corpus que poderia anular provisoriamente a ação, sob o argumento de que ela se confunde com a matéria e não é admissível nes- sa situação específica. O ministro pe- diu um parecer do Ministério Públi- co Federal para embasar a decisão de- Mudanças no trânsito na região norte de Curitiba Na Rua Guilherme Ihlenfeldt, o trecho entre Rua São João e a Av. Paraná passa a ter senti- do único de circulação da São João para a Paraná. Na Rua Osvaldo Portugal Lobato, o tre- cho entre Av. Paraná e a Rua João Gbur passa a ter sentido único de circulação da Paraná para a João Gbur. A mudança de sentido de cir- culação dos veículos melhora a segurança dos motoristas e de quem trafega na região. Agen- tes do Detran estarão na região durante alguns dias orientando os motoristas sobre as mudan- ças no trânsito. LADRÃO DE GALINHA SEM DIREITO A HABEAS CORPUS finitiva, que deverá ser tomada pela Primeira Turma do Supremo. A ação está pulando de instância para outra na Justiça desde setembro do ano passado, embora o roubo te- nha ocorrido no primeiro semestre de 2013. Em uma madrugada de maio, o estudanteAfanásio Maximinano Gui- marães, morador de Rochedo de Mi- nas, no interior de Minas Gerais, in- vadiu o galinheiro do vizinho Raimundo Gomes Miranda e levou as duas aves. Quatro meses depois, o juiz de São João Nepomuceno, Júlio César Silveira de Castro, aceitou a denún- cia de furto. Desde então, a defensora pública Rena- ta da Cunha Martins tenta arquivar o caso, sob o ar- gumento de que o crime tem menor potencial ofen- sivo.Adefensora alega ain- da que o ladrão de galinhas devolveu os animais ao vi- zinho. Mas, o mês passado, o Superior Tribunal de Jus- tiça (STJ) negou o arquiva- mento do caso. Na avaliação do advogado, mestre e doutor em Direito Constitucional ErickWilson Pereira, esse tipo de caso deveria, no máximo, parar no STJ, mas acaba seguindo para a Suprema Corte por uma peculiaridade no sistema ju- diciário brasileiro. "O STJ tem um ri- gor muito grande no direito coletivo e o Supremo prestigia o individual", jus- tifica. Ele explica que o STJ avalia o dano coletivo à sociedade e vê na san- ção um fator pedagógico. Ou seja, a punição funciona como exemplo para que o crime não seja repetido. O advogado destaca, porém, que o furto é um tipo penal que não cos- tuma fazer parte do leque do STF, o que dificulta a análise do caso. Ele, entretanto, esclarece que o princípio da insignificância gera um grau ele- vado de subjetividade para o julgador. "Não é verificado apenas o valor do produto do furto, mas a con- duta e uma série de requisitos que poderá definir se o caso se enquadra no crime de bagatela", justifica. Em 2012, o STF negou a redução da pena de 1 ano e 3 meses de prisão para uma pessoa acusada de furtar seis barras de chocolate, no valor de R$ 31,80, para comprar drogas. O recur- so foi indeferido porque, apesar do valor irrisório, o autor era reinciden- te. "Embora essa análise tenha que ser feita nas instâncias infraconstitucionais, o fim dos casos acaba sendo o STJ e o STF. A inter- pretação do julgador, no caso, é determinante para o desfecho, pois não há parâmetros claros", pontua. Correio Braziliense 3
  3. 3. GAZETA DO SANTACÂNDIDA Atingindo a maioria dos bairros da nossa região. Anuncie 8433-7462 3328-0176 Não há nada que se assemelhe mais a um jogo universal do que o futebol. Como resultado, nenhum evento, nem mesmo os Jogos Olím- picos de Inverno, chamará tanto a atenção em todo o mundo como o torneio quadrienal da Copa do Mun- do da Federação Internacional de Futebol, a ser realizado no Brasil, de 12 de junho a 13 de julho de 2014. Os céticos destacam que tais en- contros muito frequentemente fazem sobressair o pior, tanto nos jogado- res como nos espectadores, e que o ônus financeiro é muito grande, es- pecialmente para os países anfitriões. Os organizadores talvez recuperem os altos investimentos feitos ao lon- go de vários anos de planejamento, preparação e construção de estádi- os, mas será que vale a pena? Além disso, quem precisa da tensão cau- sada pelos riscos que representa à se- gurança? Mas, existem muitos outros as- pectos relacionados a eventos inter- nacionais dessa magnitude. Para mui- tos de nós, eles trazem instantanea- mente à mente qualidades espiritu- ais que todos são chamados a expres- sar, dentro e fora do campo: força, habilidade, concentração e trabalho de equipe. Poderíamos acrescentar honestidade, altruísmo, autodisciplina e receptividade a cul- turas, idiomas e história de outras pessoas. Essas são qualidades que vão muito além dos campos de fute- bol e alcançam todas as facetas do dia a dia. Para aqueles que compreendem o papel da Mente divina no bom fun- cionamento e na proteção de tais em- preendimentos, haverá oportunida- des infinitas para a expressão de har- monia entre jogadores, funcionários e torcedores de 32 países, os quais se reunirão durante cinco semanas de UMA PERSPECTIVA ESPIRITUAL SOBRE A COPA DO MUNDO competição em 12 cidades espalha- das pelo país sede. Jogar na Copa do Mundo exige um preparo físico e mental extraor- dinário. Em um jogo típico, exige- se que os jogadores de meio campo corram mais de 14 quilômetros, sem descanso e com pouquíssimas inter- rupções, enquanto usam os pés e a cabeça para controlar a bola. Eventos internacionais, como a Copa do Mundo, oferecem uma oportunidade ideal para que nos tor- nemos mais conscientes da natureza espiritual do mundo e de todos os povos. Para a sobrevivência de uma equi- pe nesse torneio, os atletas devem encontrar seu ritmo, manter a dinâ- mica durante vários jogos com inter- valos de poucos dias um do outro e não sofrer contusões. Os jogadores necessitarão de “asas como águias” e a força e a re- sistência do “eterno Deus” (ver Isaías 40:28-31). Eles necessitarão da firmeza da “ligeireza das corças” e que o caminho seja “alargado” sob seus passos, para que não “vacilem” (ver Salmos 18:33, 36). As equipes que ganham com frequência também conhecem o va- lor de outros fatores. Uma partida disputada em espírito de amizade, com respeito às regras e aos outros jogadores, traz profunda satisfação e pode se constituir em uma força poderosa na preservação da paz. Ela se eleva acima das fronteiras políti- cas e cura atritos. Muitas comunidades religiosas es- tão orando pela segurança e pelo êxi- to desse torneio, confiantes em que ele será caracterizado pela interação harmoniosa entre jogadores e todos os povos, por uma organização e uma arbitragem fundamentadas em elevados princípios morais e pelo talento criativo que deixa os espec- tadores boquiabertos e cheios de admiração. Seja qual for nossa herança cul- tural e esportiva, eventos internaci- onais, como a Copa do Mundo, ofe- recem uma oportunidade ideal para que nos tornemos mais conscientes da natureza espiritual do mundo e de todos os povos, para celebrar a bon- dade imaculada da criação de Deus e para atender prontamente ao cha- mado de Cristo Jesus: “Que vos ameis uns aos outros, assim como eu vos amei” (João 13:34). Kim Shippey , O Arauto da Ciên- cia Cristã, edição junho 2014 4
  4. 4. As pessoas que amam seus ani- mais de estimação querem vê-los sempre felizes, confortáveis e sadi- os. E com o grande crescimento do mercado pet, que a cada dia lança uma infinidade de produ- tos de higiene e es- tética, muitos donos não seguram a eufo- ria para ver seus bi- chinhos sempre mais cheirosos. Mesmo com a facilidade de levar os animais de estimação ao petshop, ainda é bas- tante comum quem prefere dar banho e fazer a higiene dos bichinhos em casa. Filhotes que ainda não foram va- Uma iniciativa de mobilização po- pular está embelezando e conscientizando os moradores do bairro Boa Vista, aAssociação Mãos Amigasquesurgiuemjaneirode2014 no conjuntoAbaeté, envolveu alguns moradores e em parceria com comer- cio local e prefeitura, empenharam- se na recuperação de uma parte da margem do Rio Bacacheri. “O lugar que servia de acumulo de resíduos ratos e outros bichos peçonhentos foi revitalizado com fo- lhagens e flores em pneus coloridos que viraram vasos. ”O projeto Zela- dores do Planeta” tem como objeti- vo de mobilizar os moradores com ações práticas e conscientizar sobre Associação e moradores em parceria transformam lixão em jardim no Bairro Boa Vista a recuperação do meio ambiente de- gradado”. “Este local serve como passagem diária dos moradores que utilizam as linhas de ônibus: Abaeté, Laranjeiras, Fernando de Noronha devendo ser um lugar agradável para todos “diz Sandra, Presidente da As- sociação. MUNDO PET: BANHO DEMAIS FAZ MAL! cinados devem evitar banhos em pet shops. O ideal é que o primeiro ba- nho seja dado em casa, a partir dos dois meses de vida. Banhos em pets só devem acontecer após o término do es- quema de vacinação e vermifugação. Para os cães é indicado banhos a cada 15 dias no ve- rão, e a cada 30 dias no inverno, e devem ser escovados diariamente para que sejam retira- das as células mortas e para que evitemos o cheiro forte do animal. Os gatos podem seguir o mesmo esquema: ba- nhos a cada 15 ou 30 dias; porém a escovação do pelo deve ser feita toda semana. Aquelas pessoas que acreditam que cães e gatos podem tomar banhos diários devem ficar atentas, pois es- tão deixando seus melhores amigos expostos a alergias e outras doenças. Ou seja: se você der muito banho, vai tirar a proteção natural da pele do animal e deixá-la mais exposta à aler- gias e doenças como fungos, por exemplo.Além disso, ele vai fabricar mais sebo e vai ter mais cheiro do que se você der menos banho. Se o banho for dado em casa de preferência a produtos indicados para animais. Os produtos para animais são desenvolvidosespecialmenteparaeles e devem ter preferência. E sobre o cheiro, é preciso lembrar que os cães possuem um olfato infinitamente mais sensível que o nosso. Então evite pro- dutos que tenham cheiro forte. Na dúvida, compre xampu neutro. Con- dicionadores pode sim ser usado, mas, se ele não for removido da for- ma adequada, pode prejudicar o pelo e o processo de secagem do seu ani- mal. Pode secá-lo com toalha e, de preferência, num dia de sol. Seque ao máximo.Animais com pelos mais densos precisam da ajuda de um se- cador. Não tenha preguiça. Seque direito para que ele não desenvolva doenças de pele. Do que adianta eco- nomizar dinheiro dando banho em casa e depois ter que gastar com veterinário por causa de um proble- ma de saúde que você mesmo cau- sou no animal? Cuide bem do seu amiguinho!! Dra. Juliane Seixas – Médica Ve- terinária - CRM 11 430 5
  5. 5. 6
  6. 6. Governo combate a criminalidade com planejamento e investimentos O governador Beto Richa afirmou nesta quinta-feira , em Maringá, que o Governo do Paraná combate a criminalidade com pla- nejamento e maciços investimentos. “Assu- mi a prioridade que me foi colocada pela própria população e estamos respondendo com muitas ações, que já apresentam resul- tados”, afirmou Richa. Em Maringá, o governador recepcionou os 362 novos policiais militares o 3o Co- mando Regional da Polícia Militar (CRPM). Eles integram uma turma de 2.500 novos policiais e bombeiros militares, contratados no ano passado e que concluíram a forma- ção acadêmica e agora já saem às ruas. Du- rante cerca de três meses eles atuarão acom- panhados por policiais já formados. Na quarta-feira o governador recebeu 917 militares que atuarão em Curitiba, Re- gião Metropolitana de Curitiba (RMC) e Litoral. Os demais foram destacados para o interior. Além de Maringá, também as regi- ões de Ponta Grossa, Cascavel e Londrina recebem reforços nos efetivos. OUTRA CARA - Para o prefeito de Maringá, Carlos Roberto Pupin, os 362 no- vos policiais representam reforço significa- tivo. “A Segurança Pública já tem outra cara, com o governador prestigiando o interior do Estado. Tivemos outros governantes que não deram tanta atenção para a área, mas o atu- al governo tem essa sensibilidade”, disse ele. Dos 362 novos profissionais, 192 são para Maringá e os demais irão atuar nas unidades militares de Cianorte, Paranavaí, Campo Mourão, Umuarama e Cruzeiro do Oeste. Além de 126 viaturas, a região já rece- beu outros 356 policiais militares desde 2011. “É um numero bom, porque estáva- mos defasados há muitos anos. Trata-se de uma política correta”, afirmou o prefeito. O comandante do 3º Comando Regio- nal da Polícia Militar, coronel Nerino Mariano de Brito, disse que os concursos públicos da PM têm cada vez mais inscri- tos, interessados em ingressar na corporação. “Os investimentos na Polícia Militar foram maciços e a qualidade das vi- aturas é incontestável. Isso valoriza a corporação e garante boas condições de tra- balho aos nossos policiais”, afirmou. PARANÁ SEGURO – O aumento do efetivo faz parte das ações do programa Paraná Seguro, que envolve aumento do efe- tivo, valorização dos profissionais com au- mento de salários, aquisição de 1.500 viatu- ras, investimentos em inteligencia e opera- ções sistemáticas das polícias que resultam em apreensão de grande volume de drogas. MAIOR CONTRATAÇÃO – De 2011 até o fim de 2014, o governo estadual terá contratado 10 mil novos policiais, a maior contratação da história do Estado. São pro- fissionais para as polícias Militar, Civil e Científica. Cerca de 8.500 são policiais e bombeiros militares. Também estão sendo contratados mais 536 profissionais para a Polícia Civil, entre os quais 75 delegados. Pela primeira vez, todas as comarcas paranaenses contarão com a atuação de um delegado. O governador ressaltou que as ações do Paraná Seguro já resultam em redução de criminalidade. Em média, o índice de homi- cídios caiu de 20% no Estado no ano passado. QUALIDADE - O secretário estadual da Segurança Pública, Leon Grupenmacher, explicou que os novos policiais e bombeiros militares receberam formação pela Acade- mia da Polícia Militar no Guatupê, que é referência no Brasil. Iniciada em novembro do ano passado, o curso inclui conteúdos de ética, moral, psicologia, treinamentos táti- cos e de salvamento e preparação física. Ele disse que os policiais são treina- dos a trabalhar primeiro com prevenção e diálogo e, caso haja necessidade, com ações efetivas, sempre buscando a melhor forma de agir com a população”, comple- tou o secretário. “Toda essa preparação contribui para o aumento da segurança no Estado, afirmou o secretário. 7
  7. 7. Este livro um grande sucesso no Japão do Renomado médico e cien- tista prova, com mais de 20 anos de pesquisa, que o equilíbrio do siste- ma imunológico pode curar doenças crônicas como câncer e doenças autoimunes sem recorres a procedi- mentos e medicamento que podem vir a agravá-las. Dr.Toru Abo diz em seu livro de- clara, “existe um consenso na comu- nidade científica de que é o estresse um dos grandes causadores das do- enças contemporâneas, seja ele físi- co, mental, social, laboral ou ambiental”. “Não resta a menor dú- vida que são o estresse e o erro ali- mentar os maiores responsáveis pelo desvio catabólico (morte celular) que leva à degeneração do organismo”. É uma obra que desmistifica os Revolução Imunológica procedimentos terapêuticos das me- dicinas naturais e complementares. Essas práticas têm sido no Oriente a melhor maneira de se prevenir e de se obter a cura de inúmeras doenças, além de se promover saúde e longevidade. O autor cientista afir- ma com convicção que não há qual- quer base científica e lógica que sus- tente a tese de que é possível o adoecimento de apenas uma parte do organismo. O adoecimento, portanto, permeia o organismo como um todo e a lesão orgânica é apenas parte do adoecimento e não o adoecimento em si, em oposição ao pregado e prati- cado pela medicina convencional. Encontre esta publicação na Li- vraria do Chain, na rua General Car- neiro, 441. Requião diz que vai mandar Gleisi de volta para Brasília Está mais acirrada a disputa en- tre o PT e o PMDB para vaga no segundo turno contra o governador Beto Richa (PSDB). O senador Roberto Requião (PMDB) deixou de usar intermediários para fustigar Gleisi Hoffmann (PT). “Que seria da tia Dilma sem a Gleisi?”, indagou o irônico Requião no Twitter, para, na sequência, avisar que pretende der- rotar as pretensões da petista de dis- putar o segundo turno com Richa. “Vamos mandá-la de volta à Brasília”, escreveu. As relações de Gleisi com Requião há muito não vão bem. Requião já avisou pelas redes soci- ais, através de seus colaboradores, que está de posse de documento demonstrando que Gleisi fora alertada pelo Gabinete de Seguran- ça Institucional da Presidência que não poderia contratar o pedófilo Eduardo Gaievski como assessor na Casa Civil, porque o mesmo era in- vestigado pela prática de três deze- nas de estupros de menores no Paraná. Gleisi teria ignorado o aler- ta e nomeou Gaievski para cuidar de políticas federais dedicadas a meno- res, mas a polícia acabou entrando no Palácio do Planalto para tentar capturar o delinquente sexual. A turma de Gleisi, por sua vez, tem dado o troco à altura. Tem mi- rado os escândalos de corrupção que marcaram os governos de Requião, em especial o caso dos dólares de Eduardo Requião. Irmão do senador e conhecido no Paraná como “Vovó Naná”, Eduardo Requião comandou o Porto de Paranaguá. “ A senadora petista também tem atacado o estilo de vida luxuoso do adversário, que volta e meia alega em seus discursos ser um adepto confesso da Carta de Puebla, que prega a preferência pelos mais po- bres. De acordo com os aliados de Gleisi, a opção do senador peemedebista é pela mordomia e o desfrute do luxo, tudo regiamente bancado com o suado dinheiro do contribuinte. Requião costuma via- jar mundo afora sempre na primeira classe e sob as expensas do Senado. Fora isso, enquanto governador do Paraná, Roberto Requião vivia como verdadeiro aristocrata rural na Granja do Canguiri, residência ofi- cial do chefe do Executivo paranaense. Copa do Mundo e a brincadeira da mídia É inacreditável o nível de autossuficiência atingido pelos gru- pos de mídia, na fase mais crítica da sua história. Meses e meses batendo nos gastos da Copa, ajudando a criar essa barafunda informacional, de misturarinvestimentosemes- tádios com gastos orçamen- tários, criticando os "elefan- tes brancos", anotando cada detalhe incompleto de obras que ainda não estavam pron- tas, ignorando o enorme in- vestimento na imagem do país. De repente, como num passe de mágica, fazem uma pausa e, em conjunto, passam a enxergar as virtudes da Copa - maior evento publicitário do ano para eles. O Estadão solta enorme matéria so- bre "a Copa das Copas", lembra o óbvio - vai ser o evento de maior visibilidade para o Brasil, em sua história. 14 mil jor- nalistas levando a imagem do país para todos os cantos, o maior público de tele- visão para um evento. A Folha dá o óbvio incompleto: a in- formação de que os gastos com a Copa representamumnacodosgastoscomedu- cação. Não ousou explicar que são re- cursos diferentes, que financiamentos não podem ser confundidos com gastos orça- mentários, que gastos com obras são per- manentes. Mas vá lá! O que é impressionante é supor que se pode brincar dessa ma- neira com a opinião de seus leitores, levá-las para onde quiser, ao sabor da manchete do momento, da estratégia de ocasião. Será que não há uma cabeça es- tratégica para explicar que essa desconsideração para com o leitor é veneno na veia da credibilidade? Dia desses o Ministro Aldo Rabello ao que parece assimilou as críticas contra sua ausência dos debates da Copa e deu uma boa entrevista a TV Brasil, com números e argumentos sólidos. Aexplicação para a anomia do gover- nocomotemafoichocante.Omarqueteiro do Palácio desaconselhou qualquer cam- panha de esclarecimento porque, segundo ele, as pessoas não estavam associando Copa com governo e a campanha poderia estabelecer essa associação. Luis Nassif, no Jornal GGN 8
  8. 8. Percebendo a dificuldade de ami- gos e conhecidos, devido a compro- missos profissionais e acadêmicos, tanto do bairro para o centro ou de outros lugares da Cidade, foi criado o Motorista disponível levando em consideração que o ‘Tempo’e a ma- téria prima irrecuperável. O transporte e a locomoção é um problema constante na agenda das Cidades. Se por um lado o trânsito é caótico e o custo de manter um carro é desanimador, por outro, a malha de ônibus não atendem de Rua que margeia o rio Bacacheri Mirim entres as transversais : Reinaldo Jacob Von Muhlen e Enge- nheiro Luiz Augusto Leão Fonseca. Já foi considerada como uma es- trada d o bairro Santa Cândida com muitos buracos e sem drenagem pro- vocando enchentes. Morador protocolou um dos abaixo - assina- dos das reivindicações p elas melhorias. Nesta Segunda quinzena de Maio começaram revitalizar com a passagem de trator patrola do dis- trito da Regional Boa Vista. Nascido em Campos Novos Es- tado de Santa Catarina em 10 de ju- nho de 1934, filho de Etelvina Maria Aguida, sempre solidário com as pes- soas da comunidade, dedicou gran- de parte de sua vida catequizando cri- anças na Igreja Católica. Foi instrutor na Cruzada Eucarística Viva Cristo Rei, no (bair- ro) Vila Tingui da Paróquia Santa Cândida, morador na Vila Tingui até o ano de 1965, quando adquiriu um terreno na Rua: Engº Luiz Augusto Leão Fonseca (lote n°77 da planta Vila Juvita do Sr. Ivan Frota Cordei- ro) Foi um dos fundadores da Paró- Serviço de Locomoção atende a região norte de Curitiba forma adequada e eficiente as de- mandas dos cidadãos. Agora um serviço essencial para acompanhar crianças e idosos a con- sulta, exames, fisioterapia, igrejas, compras, esportes, cursos, CNH suspensa entre outros. Atendimento com exclusividade e conforme a ne- cessidade do cliente. Por ser freelance o preço é mais acessível, do que táxi e motorista particular, por exemplo! Confira: 9616-95 99 e 9178-8761 motoristadisponivel@gmail.com N O S S A R U A , N O S S O S P E R S O N A G E N S Dia 06 de julho com início as 14 horas, no Salão de Festa da Igreja Ucraniana. Rua Carmelina Cavassin nº 6, Bairro Abranches. Cartela R$ 2.00. Na compra de 5 cartelas, ganhe um brinde. Premiação 1º Prêmio: R$ 500,00 em vale compra, mais 18 rodadas duplas com ótimos prêmios Rua Antônio Oliveira dos Santos quia São João Batista, organizou vá- rios campeonatos esportivos. Sua luta social e conhecimentos foram voltados para o desenvolvi- mento das comunidades vizinhas que ainda não eram bairros dentre eles: Tingui, boa vista e Santa Cândida.Discotecário, fotografo que registrou muitos eventos religiosos e sociais. Organizou varias Excursões para que as pessoas conhecessem as atra- ções turísticas do Paraná, em especi- al as praias em nosso litoral. Estimu- lou a criação de Festivais e campeo- natos de Futebol, com animação de serviço de auto Falante, próximo à rua, que leva o seu nome. Em 1973 sofreu um acidente de automóvel (como passageiro) fican- do com sequelas nas mãos, pés, olho e boca, mas, não teve limitação, an- dava pelo bairro de muletas cumpri- mentando a todos. No ano de 1996, a Câmara Mu- nicipal de Curitiba através do Verea- dor Jairo Marcelino deu o reconhe- cimento através das lideranças locais e religiosas, com o nome de umas das ruas do bairro Santa Cândida. BINGO DA ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES E AMIGOS DO ABRANCHES 9
  9. 9. 10
  10. 10. Marido aposentado no hipermercado Depois que me aposentei, minha mulher insiste que eu a acompanhe quando vai fazer compras no supermercado. Infelizmente, como a maioria dos homens, eu acho que fazer compras é chato e ela fica horas nisso, então nada mais justo do que eu ficar inventando formas de passar o tempo. Resultado: Ontem, minha querida esposa recebeu a seguinte carta do Hipermercado: Prezada Sra. Silva, Durante os últimos seis meses, seu marido tem causado grandes transtornos em nossa loja. Não podemos mais tolerar o comportamento dele e, portanto, somos obrigados a proibir-lhe a entrada. Nossas queixas contra seu marido estão listadas abaixo e documentadas através de nossas câmeras do circuito interno. 1. Dia 15: Pegou 24 caixas de preservativos e colocou-as nos carrinhos de compra de outros consumidores enquanto não prestavam atenção. 2. Dia 20: Acertou TODOS os alarmes da seção de relógios para tocarem a intervalos de 5 minutos. 3. Dia 23: Fez uma trilha de molho de tomate pelo chão da loja indo até o banheiro feminino. 4. Dia 25: Moveu o aviso de “Cuidado – Piso Molhado” para a seção de carpetes. Dia 28: Disse para as crianças que acompanhavam os clientes que elas poderiam brincar nas barracas da seção de camping se trouxessem travesseiros e cobertores da seção de cama, mesa e banho. 7. Dia 30: Quando um funcionário perguntou se ele precisava de alguma ajuda, ele começou a chorar e gritar: “Porque vocês não me deixam em paz?” O resgate foi chamado. 8. Dia 01: Usou uma de nossas câmeras de segurança como espelho para tirar caca do nariz. 9. Dia 4: Enquanto examinava armas no departamento de caça, perguntava insistentemente à atendente onde ficavam os anti-depressivos. 10. Dia 7: Movia-se pela loja de forma suspeita, enquanto cantarolava alto o tema do filme “Missão Impossível”. 11. Dia 10: No departamento automotivo, ficou imitando o gestual da Madonna usando diferentes tamanhos de funis. 12. Dia 12: Escondeu-se atrás de um rack de roupas e quando as pessoas procuravam algum artigo, gritava: “Você me achou, você me achou!” 13. Dia 15: Cada vez que era dado algum aviso no sistema de som da loja, colocou- se em posição fetal e gritava: “Ah não, aquelas vozes de novo!” E por fim: 14. Dia 18: Foi a um dos provadores, fechou a porta, esperou um momento e então gritou: “Ei, não tem papel higiênico aqui.” Uma de nossas atendentes desmaiou. Atenciosamente, Hipermercado O azarado Um sujeito encontra um amigo que não via há muito tempo e, querendo ser simpático, inicia a conversa: - E aí Fonseca, tudo bem? - Péssimo - responde o outro. - Mas como péssimo? Com aquela Ferrari que você tem? - Deu perda total num acidente... E o pior é que o seguro tinha acabado de vencer. - Bem, vão-se os anéis, mas ficam os dedos. E aquele filhão inteligente? - Estava dirigindo a Ferrari. Morreu. O cara tenta fugir daquele assunto tão trágico: - E aquela sua filha que mais parecia uma modelo? - Pois é... Estava junto com o irmão. Só a minha mulher não estava no carro. - Graças a Deus! Como ela vai? - Fugiu com o meu sócio. - Bem... Pelo menos a empresa ficou só para você. - Ela fugiu com ele porque me roubaram tudo. Deixaram a firma falida. Estou devendo milhões! - Pôxa vida, então, vamos mudar de assunto, e seu time? - SOU PALMEIRENSE - Pelo amor de Deus, Fonseca! Você não tem nada de positivo ? - Sim. HIV. O ginecologista Fim de tarde, um ginecologista aguarda sua última paciente que não chega. Depois de 45 minutos, ele supõe que ela não virá mais e resolve tomar um gin tônica para relaxar, antes de voltar para casa. Ele se instala confortavelmente numa poltrona e começa a ler o jornal quando toca a campainha. É a tal paciente, que chega toda sem graça e pede mil desculpas pelo atraso. - Não tem importância, imagine (responde o médico). - Olhe, eu estava tomando um gin tônica enquanto a esperava. Quer um também para relaxar ? - Aceito com prazer - responde a paciente aliviada. Ele lhe serve um copo, senta-se na sua frente e começam a bater papo. De repente ouve-se um barulho de chave na porta do consultório. O médico tem um sobressalto, levanta-se bruscamente e diz: - É minha mulher! Rápido, tire a roupa, deite na cama e abra as pernas, senão ela pode pensar bobagem ! 11
  11. 11. Entrevista com Bebeto: segredo para ganhar a Copa é jogar fechado e confiar no ataque Falar de futebol é um prazer para Bebeto. Mesmo após uma manhã can- sativa. Na última terça-feira, o tetracampeão prestigiou a exposição da taça da Copa do Mundo em Brasília. Acordou cedo, discursou na cerimônia de abertura, ergueu o troféu, posou para fotos, distribuiu autógrafos. E ainda atendeu, de pé e durante quase duas horas, cerca de 50 profissionais de im- prensa. Ao final, decidiu sentar-se e compartilhar suas expectativas para o Mundial com o Portal da Copa. Bebeto acredita no sucesso da Sele- ção Brasileira, mas adverte. “Copa das Confederações é uma coisa. Copa do Mundo é totalmente diferente”, afirma, em referência à conquista de 2013 so- bre a Espanha. Segundo o ex-craque, a caminhada rumo ao hexa passa, a exem- plo de 1994, pela solidez defensiva. “Uma defesa que tem Thiago Silva é a melhor defesa do mundo. O Brasil vai ter um time de muita marcação. E, lá na frente, Neymar, Oscar, Hulk e Fred vão decidir”. O tetracampeão falou também a Tetracampeão em 1994 acredita que a Seleção Brasileira terá um time de muita marcação e que o quarteto ofensivo garantirá as vitórias respeito das mudanças do futebol mundial nos últimos 20 anos, da pres- são sobre os jogadores e da impor- tância da união do grupo de atletas. Bebeto ainda enumerou seus favori- tos ao título - apenas campeões do mundo. “Itália, Alemanha, Argentina, Uruguai, Brasil. Você pode ter certe- za de que são esses os candidatos. França e Espanha, que pegaram o gostinho de ganhar, também.” Confi- ra a abaixo a íntegra da entrevista. Mudanças no futebol O futebol, hoje, é muita correria. A parte física tem se sobressaído sobre a parte técnica. Na minha época, a quali- dade era muito maior. O futebol mu- dou bastante com essa correria desen- freada. Veja o quanto um jogador corre durante uma partida. É coisa de doido. Mas também temos muitos talentos atu- almente. No Brasil mesmo eu vejo mui- tos. E em outros países também, como o Cristiano Ronaldo (Portugal) e o Messi (Argentina). Defesa brasileira O Brasil vai ter um time muito competitivo, de muita marcação. E, lá na frente, o Neymar, o Oscar, o Hulk e o Fred vão decidir. Mas, com certeza, teremos essa preocupação de jogar certinho, fechadinho. E em Copa do Mundo isso pesa muito. É muito difícil ganhar a Copa. Thiago Silva Fazer gol na gente era muito difícil em 1994. E você pode ter certeza de que, com o trabalho do Felipão e do Parreira, vai ser difícil fazer gol na gente agora. A nossa defesa é a melhor do mundo. Uma defesa que tem Thiago Silva, em minha opinião, é a melhor defesa do mundo. Esse moleque é o melhor zagueiro do planeta. Pressão A partir do momento em que você veste a camisa da Seleção Brasileira, já sofre pressão. E quando você a veste jovem, aos 16, 17 anos, já fica acostu- mado. Chega à seleção principal já sa- bendo que vai estar todo mundo cobran- do você. Então, os jogadores estão pre- parados. Esses meninos, apesar de se- rem jovens, vêm jogando pela Seleção há muito tempo (A média de idade da Seleção não é baixa: 27,7 anos. Mas apenas seis jogadores do grupo têm experiência em Copa do Mundo). Ra- paz, eu sou um cara que pensa positivo sempre. Acredito muito nesse time. Favoritos Copa das Confederações é uma coi- sa. Copa do Mundo é totalmente dife- rente. O que pesa muito em Copa do Mundo são as seleções de tradição. Itá- lia,Alemanha,Argentina, Uruguai, Bra- sil. Você pode ter certeza de que são esses os candidatos. A França e a Espanha, que pegaram o gostinho de ganhar, também. Essas coisas vão pe- sar muito, não tem jeito. A Itália empa- ta aqui, perde aqui, ganha ali e daqui a pouco chega à final. E ninguém acredi- ta (risos). Mas eu acredito. Tiro curto São sete jogos, cara. E tem aque- les três primeiros jogos (fase de gru- pos). O primeiro é o mais difícil. É importante essa vitória para o Brasil começar bem, sabe? Dar a largada bem. Se largar bem, aí, meu irmão, você vai pegando entrosamento den- tro de campo e cada partida é uma história. Mas eu acredito muito nessa dupla aí, Parreira e Felipão. Os dois têm história, são vencedores. Craque da Copa Espero que seja um jogador do Brasil. Se for, já vou ficar super feliz. E que o Brasil ganhe a Copa. Que bote o nome ali: 2014, Brasil, hexacampeão mundial. União Não se ganha nada sozinho. Eu e o Romário somos muito falados por- que fazíamos os gols. O Parreira di- zia: “O importante é não levar gol, porque o Bebeto e o Romário vão decidir na frente.” Graças a Deus, a gente decidiu. Fomos importantes. Mas, se você não tiver um grupo, um todo, fica difícil. Com certeza, não vai ganhar nada. O Mauro Silva é um dos caras que foi importante pra gen- te. Ele, Dunga, Raí, Mazinho, Leo- nardo, o time todo. Todos os joga- dores e a comissão técnica. 12

×