Antologia poética

2.806 visualizações

Publicada em

Gabriela Rovani n°08 2°EMC

Publicada em: Arte e fotografia
0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.806
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
67
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Antologia poética

  1. 1. E E Professor João Cruz Gabriela Rovani n°08 2°EMC Disciplina: Língua Portuguesa
  2. 2. Introdução  Por que ler, hoje, poesia do século passado?  Ela tem um papel muito importante em nossas vidas, pois amplia nossos conhecimentos sobre o século passado. Os poemas da época faziam os leitores se identificarem com suas ideias. A importância dessas poesias está no fato de que estamos tendo contato com uma seleção de poemas feita pelo próprio autor.
  3. 3. Amor Realizado  “Amar e Ser Amado Amar e ser amado! Com que anelo Com quanto ardor este adorado sonho Acalentei em meu delírio ardente Por essas doces noites de desvelo! Ser amado por ti, o teu alento A bafejar-me a abrasadora frente! Em teus olhos mirar meu pensamento, Sentir em mim tu’alma, ter só vida Pra tão puro e celeste sentimento Ver nossas vidas quais dois mansos rios, Juntos, juntos perderem-se no oceano, Beijar teus labios em delírio insano Nossas almas unidas, nosso alento, Confundido também, amante, amado Como um anjo feliz... que pensamento!?” Castro Alves
  4. 4. Amor não correspondido  “Quando fazemos tudo para que nos amem e não conseguimos, resta-nos um último recurso: não fazer mais nada. Por isso, digo, quando não obtivermos o amor, o afeto ou a ternura que havíamos solicitado, melhor será desistirmos e procurar mais adiante os sentimentos que nos negaram. Não fazer esforços inúteis, pois o amor nasce, ou não, espontaneamente, mas nunca por força de imposição. Às vezes, é inútil esforçar-se demais, nada se consegue; outras vezes, nada damos e o amor se rende aos nossos pés. Os sentimentos são sempre uma surpresa. Nunca foram uma caridade mendigada, uma compaixão ou um favor concedido. Quase sempre amamos a quem nos ama mal, e desprezamos quem melhor nos quer. Assim, repito, quando tivermos feito tudo para conseguir um amor, e falhado, resta-nos um só caminho...o de mais nada fazer.”  Clarice Lispector
  5. 5. Juventude  “...A lenda pessoal é aquilo que você sempre desejou fazer. Todas as pessoas, no começo da juventude, sabem qual é sua lenda pessoal. Nesta altura da vida, tudo é claro, tudo é possível, e não temos medo de sonhar e de desejar tudo aquilo que gostaríamos de fazer. Entretanto, à medida em que o tempo vai passando, uma misteriosa força começa a tentar provar que é impossível realizar a Lenda Pessoal. Esta força que parece ruim, na verdade está ensinando a você como realizar sua Lenda Pessoal. Está preparando seu espírito e sua vontade, porque existe uma grande verdade neste planeta: seja você quem for, quando quer com vontade alguma coisa, é porque este desejo nasceu na alma do Universo. É sua missão na Terra. (O Alquimista)”  Paulo Coelho
  6. 6. Mulher  “A mulher perfeita Nasrudin conversava com um amigo: – Então, Mullah, nunca pensaste em casamento? – Muito. – respondeu Nasrudin – Em minha juventude, resolvi conhecer a mulher perfeita. Atravessei o deserto, estive em Damasco e conheci uma mulher espiritualizada e linda; mas ela não sabia nada das coisas do mundo. Continuei a viagem e fui a Isfahan; lá encontrei uma mulher que conhecia o reino da matéria e do espírito, mas não era bonita. Então resolvi ir até o Cairo, onde, finalmente, jantei na casa de uma moça bonita, religiosa e conhecedora da realidade material. – E por que não casaste com ela? – Ah, meu companheiro! Infelizmente ela também procurava um homem perfeito.”  Paulo Coelho
  7. 7. Morte  “De manhã escureço De dia tardo De tarde anoiteço De noite ardo. A oeste a morte Contra quem vivo Do sul cativo O este é meu norte. Outros que contem Passo por passo: Eu morro ontem Nasço amanhã Ando onde há espaço: – Meu tempo é quando.”  Vinicius de Moraes
  8. 8. Liberdade  “A arte consiste em fazer os outros sentir o que nós sentimos, em os libertar deles mesmos, propondo-lhes a nossa personalidade para especial libertação.”  Fernando Pessoa
  9. 9. Pátria  Ama, com fé e orgulho, a terra em que nasceste! Criança! não verás nenhum país como este! Olha que céu! que mar! que rios! que floresta! A Natureza, aqui, perpetuamente em festa, É um seio de mãe a transbordar carinhos. Vê que vida há no chão! vê que vida há nos ninhos, Que se balançam no ar, entre os ramos inquietos! Vê que luz, que calor, que multidão de insetos! Vê que grande extensão de matas, onde impera Fecunda e luminosa, a eterna primavera! Boa terra! jamais negou a quem trabalha O pão que mata a fome, o teto que agasalha… Quem com seu suor a fecunda e umedece, Vê pago o sue esforço, e é feliz, e enriquece! Criança! não verás país nenhum como este: Imita na grandeza a terra em que nasceste!  Otavio Bilac
  10. 10. Deus e religião  O SOMNO DE ANJO  ”Quando ella dorme como dorme a estrella Nos vapores da timida alvorada, E a sua doce fronte extasiada, Mais perfeita que um lirio e tão singella, Tão serena, tão lucida, tão bella Como dos anjos, a cabeça amada, Repousa na cambraia perfumada, Eu velo absorto o casto somno della. E rogo a Deus emquanto a estrella brilha, Deus que protege a planta e a flor abscura E nos indica do futuro a trilha, Deus por quem toda a creação se humilha, Que tenha pena dessa creatura, Desse botão de flor - que é minha filha.”  Luiz Guimarães
  11. 11. Infância  “As falsas Recordações Se a gente pudesse escolher a infância que teria vivido, com enternecimento eu não recordaria agora aquele velho tio de perna de pau, que nunca existiu na família, e aquelearroio que nunca passou aos fundos do quintal, e onde íamos pescar e sestear nas tardes de verão, sob o zumbido inquietante dos besouros.”  Mario Quintana
  12. 12. Poesia  “No ultimo mês sinto ter vivido uma década e, na próxima semana, quero viver pelo menos meio século! Quero que tudo seja intenso, exagerado, louco, porque só assim fico satisfeita”  Clarice Lispector
  13. 13. Índio  “NO MEIO DAS TABAS DE AMENOS VERDORES, CERCADAS DE TRONCOS - COBERTOS DE FLORES, ALTEIAM-SE OS TETOS D’ALTIVA NAÇÃO; SÃO MUITOS SEUS FILHOS, NOS ÂNIMOS FORTES, TEMÍVEIS NA GUERRA, QUE EM DENSAS COORTES ASSOMBRAM DAS MATAS A IMENSA EXTENSÃO. SÃO RUDOS, SEVEROS, SEDENTOS DE GLÓRIA, JÁ PRÉLIOS, INCITAM, JÁ CANTAM VITÓRIA, JÁ MEIGOS ATENDEM À VOZ DO CANTOR: SÃO TODOS VALENTES TIMBIRAS, GUERREIROS VALENTES! SEU NOME LÁ VOA NA BOCA DAS GENTES, CONDÃO DE PRÓDIGOS, DE GLÓRIA E TERROR!”  Casimiro de Abreu
  14. 14. Eu  “Renda-se, como eu me rendi. Mergulhe no que você não conhece como eu mergulhei. Não se preocupe em entender, viver ultrapassa qualquer entendimento.”  Clarice Lispector
  15. 15. Poetas  Castro Alves  Clarice Lispector  Paulo Coelho  Vinicius de Moraes  Fernando Pessoa  Otavio Bilac  Luiz Guimarães  Mario Quintana  Casimiro de Abreu
  16. 16. Castro Alves  Castro Alves (1847-1871) foi um poeta brasileiro. O último grande poeta da terceira geração romântica no Brasil. Expressou em suas poesias a indignação aos graves problemas sociais de seu tempo. Denunciou a crueldade da escravidão e clamou pela liberdade, dando ao romantismo um sentido social e revolucionário que o aproxima do realismo. Foi também o poeta do amor, sua poesia amorosa descreve a beleza e a sedução do corpo da mulher. É patrono da cadeira nº7 da Academia Brasileira de Letras.
  17. 17. Clarice Lispector  Clarice Lispector (1920-1977) nasceu em Tchetchelnik na Ucrânia, no dia 10 de dezembro de 1920. Filha de família de origem judaica, Pinkouss e Mania Lispector. Sua família veio para o Brasil em março de 1922, para a cidade de Maceió, Alagoas, onde morava Zaina, irmã de sua mãe. Nascida Haia Pinkhasovna Lispector, por iniciativa do seu pai, todos mudam de nome, e Haia passa a se chamar Clarice.  Foi escritora e jornalista brasileira, de origem judia, reconhecida como uma das mais importantes escritoras do século XX. "A Hora da Estrela" foi seu último romance, publicado em vida.
  18. 18. Paulo Coelho  Paulo Coelho (1947) é um escritor brasileiro, autor de romances, ficções, investigação policial, temas místicos e autoajuda, é um dos autores mais vendidos no mundo. Ocupa a cadeira nº 21 da Academia Brasileira de Letras.  Paulo Coelho de Souza nasceu na cidade do Rio de Janeiro, no dia 24 de agosto de 1947, foi um adolescente problemático, chegando a ser internado várias vezes entre os anos de 1965 e 1967. Ingressou na Faculdade de Direito Cândido Mendes, mas abandonou o curso para viver como hippie, época em que fez várias viagens pelo mundo
  19. 19. Vinicius de Moraes  Vinicius de Moraes (1913-1980) foi um poeta e compositor brasileiro. "Garota de Ipanema", feita em parceria com Antonio Carlos Jobim, é um hino da música popular brasileira. Foi também diplomata e dramaturgo.  Vinicius de Morais (1913-1980) nasceu no Rio de Janeiro, no dia 19 de outubro de 1913. Filho de funcionário público e poeta Clodoaldo Pereira da Silva e da pianista Lídia Cruz. Desde cedo, já mostrava interesse por poesia. Ingressou no colégio jesuíta, Santo Inácio, onde fez os estudos secundários. Entrou para o coral da igreja, onde desenvolveu suas habilidades musicais. Em 1929, iniciou o curso de Direito da Faculdade Nacional do Rio de Janeiro.
  20. 20. Fernando Pessoa  Fernando Pessoa (1888-1935) foi poeta português. Um dos mais importantes poetas da língua portuguesa. "Mensagem" foi um dos poucos livros de poesias publicado em vida. Fernando Pessoa ocupou diversas profissões, foi editor, astrólogo, publicitário, jornalista, empresário, crítico literário e crítico político.  Fernando Pessoa (1888-1935) nasceu em Lisboa, Portugal, no dia 13 de junho de 1888. Ficou órfão de pai aos 5 anos de idade. Seu padastro era o comandante João Miguel Rosa. Foi nomeado cônsul de Portugal em Durban, na África do Sul. Acompanhou a família para a África e lá recebeu educação inglesa. Estudou em colégio de freiras e na Durban High School.
  21. 21. Otavio Bilac  Olavo Bilac (1865-1918) foi um poeta e jornalista brasileiro. Escreveu a letra do Hino à Bandeira brasileira. É membro fundador da Academia Brasileira de Letras, ocupou a cadeira nº 15. Foi um dos principais representantes do Movimento Parnasiano que valorizou o cuidado formal do poema, em busca de palavras raras, rimas ricas e rigidez das regras da composição poética.  Olavo Bilac (1865-1918) nasceu no Rio de janeiro, no dia 16 de dezembro de 1865. Era filho do cirurgião militar, Brás Martins dos Guimarães e de Delfina Belmira Gomes de Paula. Estudou Medicina e Direito, sem concluir nenhum dos cursos. Dedicou-se ao jornalismo e à poesia. Foi noivo de Amélia de Oliveira, irmã de seu amigo Alberto de Oliveira, que foi impedida de casar por outro irmão que não aceitava a vida de poeta boêmio que Bilac levava.
  22. 22. Luiz Guimarães  Luiz Caetano Pereira Guimarães Junior nasceu no Rio de Janeiro, em 17 de fevereiro de 1845 e morreu em Lisboa, em 20 de maio de 1898. Filho de Luiz Caetano Pereira Guimarães, português, e de Albina de Moura, brasileira. Poeta, diplomata, romancista e teatrólogo. Seus primeiros estudos foram no Rio de Janeiro, depois em São Paulo e, finalmente, foi para Recife onde fez o curso de Direito, entre 1864 e 1869.
  23. 23. Mario Quintana  Mario Quintana (1906-1994) nasceu na cidade de Alegrete, no Rio Grande do Sul. Filho de Celso de Oliveira Quintana, farmacêutico e de Virgínia de Miranda Quintana. Iniciou seus estudos na escola do português Antônio Cabral Beirão, em sua cidade natal. Estudou francês e já mostrava interesse pela escrita. Em 1919 mudou-se para Porto Alegre, onde estudou, em regime de internato, no Colégio Militar de Porto Alegre. Nessa época publica seus primeiros trabalhos na revista Hyloea, da Sociedade Cívica e Literária dos Alunos do Colégio Militar.
  24. 24. Casimiro de Abreu  Casimiro de Abreu (1837-1860) foi um poeta brasileiro. Autor de "Meus Oito Anos", um dos poemas mais populares da literatura brasileira. Pertence a segunda geração do romantismo. Enviado para Lisboa, com apenas 16 anos, inicia sua vida literária. É nesse período que escreve a maior parte dos poemas de seu único livro "Primaveras". Escreve a peça "Camões e o Jau", que é aplaudida no Teatro D. Fernando, em Lisboa. Casimiro é patrono da cadeira nº 6 da Academia Brasileira de Letras.

×