Carlos Drummond de Andrade
POETA BRASILEIRO

PROFESSORA: LANY
BIOGRAFIA
 1902 - Nasce em Itabira do Mato Dentro, Estado de

Minas Gerais; nono filho de Carlos de Paula
Andrade, fazend...
DRUMMOND
Carlos Drummond de Andrade nasceu em Itabira do
Mato Dentro - MG, em 31 de outubro de 1902.
BIOGRAFIA
 1928 - Nasce, no dia 4 de março, sua filha Maria

Julieta, quem se tornará sua grande companheira ao
longo da ...
No meio do caminho
tinha uma pedra
Tinha uma pedra no
meio do caminho
Tinha uma pedra
No meio do caminho
tinha uma pedra.
...
POEMAS
FAMOSOS
CIDADEZINHA
QUALQUER
casas entre bananeiras
mulheres entre
laranjeiras
pomar amor cantar.
Um homem vai
deva...
POEMAS FAMOSOS: QUADRILHA
JOSÉ
PARA SEMPRE
PARA SEMPRE
 Por que Deus permite

que as mães vão-se
embora?
Mãe não tem limite,
é tempo sem hora,
luz que não apaga
qua...
CONFIDÊNCIA DO ITABIRANO
POEMA DE SETE FACES
“VAI CARLOS! SER GAUCHE
NA VIDA.”
Quando nasci, um anjo torto
desses que vivem na sombra
disse: Vai, C...
POEMA: MÃOS DADAS
 “Não serei o poeta de um

mundo caduco.
Também não cantarei o mundo
futuro.
Estou preso à vida e olho ...
FINAL DA VIDA:
 1987 -

É homenageado pela escola de samba
Estação Primeira de Mangueira, com o samba
enredo "No reino da...
NASCIMENTO: 31/10/1902

MORTE: 17/8/1987
Drummond foi
seguramente, por
muitas décadas, o
poeta
mais
influente
da
literatura brasileira
em
seu
tempo,
tendo
também p...
DRUMMOND: ETERNO, EM SUAS OBRAS
FIM
Carlos drummond de andrade
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Carlos drummond de andrade

1.546 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.546
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
72
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Carlos drummond de andrade

  1. 1. Carlos Drummond de Andrade POETA BRASILEIRO PROFESSORA: LANY
  2. 2. BIOGRAFIA  1902 - Nasce em Itabira do Mato Dentro, Estado de Minas Gerais; nono filho de Carlos de Paula Andrade, fazendeiro, e D. Julieta Augusta Drummond de Andrade;  1925 - Casa-se com a senhorita Dolores Dutra de Morais, a primeira ou segunda mulher a trabalhar num emprego (como contadora numa fábrica de sapatos), em Belo Horizonte;  1927 - Nasce, no dia 22 de março, mas vive apenas meia hora, seu filho Carlos Flávio.
  3. 3. DRUMMOND
  4. 4. Carlos Drummond de Andrade nasceu em Itabira do Mato Dentro - MG, em 31 de outubro de 1902.
  5. 5. BIOGRAFIA  1928 - Nasce, no dia 4 de março, sua filha Maria Julieta, quem se tornará sua grande companheira ao longo da vida. Publica na Revista de Antropofagia de São Paulo, o poema "No meio do caminho", que se torna um dos maiores escândalos literários do Brasil.  1930 - Publica seu primeiro livro, "Alguma Poesia", em edição de 500 exemplares paga pelo autor, sob o selo imaginário "Edições Pindorama", criado por Eduardo Frieiro.
  6. 6. No meio do caminho tinha uma pedra Tinha uma pedra no meio do caminho Tinha uma pedra No meio do caminho tinha uma pedra. Nunca me esquecerei desse acontecimento Na vida de minhas retinas tão fatigadas. Nunca me esquecerei que no meio do caminho Tinha uma pedra Tinha uma pedra no meio do caminho No meio do caminho tinha uma pedra. NO MEIO DO CAMINHO
  7. 7. POEMAS FAMOSOS CIDADEZINHA QUALQUER casas entre bananeiras mulheres entre laranjeiras pomar amor cantar. Um homem vai devagar. Um cachorro vai devagar. Um burro vai devagar. Devagar... as janelas olham. Eta vida besta, meu Deus.
  8. 8. POEMAS FAMOSOS: QUADRILHA
  9. 9. JOSÉ
  10. 10. PARA SEMPRE
  11. 11. PARA SEMPRE  Por que Deus permite que as mães vão-se embora? Mãe não tem limite, é tempo sem hora, luz que não apaga quando sopra o vento e chuva desaba, veludo escondido na pele enrugada, água pura, ar puro, puro pensamento.  Morrer acontece com o que é breve e passa sem deixar vestígio. Mãe, na sua graça, é eternidade. Por que Deus se lembra - mistério profundo de tirá-la um dia? Fosse eu Rei do Mundo, baixava uma lei: Mãe não morre nunca, mãe ficará sempre junto de seu filho e ele, velho embora, será pequenino feito grão de milho.
  12. 12. CONFIDÊNCIA DO ITABIRANO
  13. 13. POEMA DE SETE FACES “VAI CARLOS! SER GAUCHE NA VIDA.” Quando nasci, um anjo torto desses que vivem na sombra disse: Vai, Carlos! ser gauche na vida.  As casas espiam os homens que correm atrás de mulheres. A tarde talvez fosse azul, não houvesse tantos desejos.  O bonde passa cheio de pernas: pernas brancas pretas amarelas. Para que tanta perna, meu Deus, pergunta meu coração. Porém meus olhos não perguntam nada.  O homem atrás do bigode é sério, simples e forte. Quase não conversa. Tem poucos, raros amigos o homem atrás dos óculos e do bigode,   “...MAIS VASTO É O MEU CORAÇÃO...” Meu Deus, por que me abandonaste se sabias que eu não era Deus se sabias que eu era fraco.  Mundo mundo vasto mundo, se eu me chamasse Raimundo seria uma rima, não seria uma solução. Mundo mundo vasto mundo, mais vasto é meu coração.  Eu não devia te dizer mas essa lua mas esse conhaque botam a gente comovido como o diabo. 
  14. 14. POEMA: MÃOS DADAS  “Não serei o poeta de um mundo caduco. Também não cantarei o mundo futuro. Estou preso à vida e olho meus companheiros. Estão taciturnos mas nutrem grandes esperanças. Entre eles, considero a enorme realidade. O presente é tão grande, não nos afastemos. Não nos afastemos muito, vamos de mãos dadas.”
  15. 15. FINAL DA VIDA:  1987 - É homenageado pela escola de samba Estação Primeira de Mangueira, com o samba enredo "No reino das palavras", que vence o Carnaval 87. No dia 5 de agosto, depois de 2 meses de internação, falece sua filha Maria Julieta, vítima de câncer. "E assim vai-se indo a família Drummond de Andrade" - comenta o poeta. Seu estado de saúde piora. 12 dias depois falece o poeta, de problemas cardíacos e é enterrado no mesmo túmulo que a filha, no Cemitério São João Batista do Rio de Janeiro.
  16. 16. NASCIMENTO: 31/10/1902 MORTE: 17/8/1987
  17. 17. Drummond foi seguramente, por muitas décadas, o poeta mais influente da literatura brasileira em seu tempo, tendo também publicado diversos livros em prosa. . "E assim vai-se indo a família Drummond de Andrade" - comenta o poeta.
  18. 18. DRUMMOND: ETERNO, EM SUAS OBRAS
  19. 19. FIM

×