1. TRATAMENTO DE VARIÁVEIS

As variáveis são os elementos que, em última análise transportam as informações das
interfaces...
Tabela 1.1 – Formas de acesso à memória de acordo com a resolução.
Tipo de Dado*

Resolução

Bit

1 Bit

Byte

8 Bits

Wor...
1.2. ENDEREÇAMENTO
Para as diversas áreas de memória da CPU S7–200, com exceção das tabelas de pontos
analógicos (entradas...
Fonte – Ilustração do autor

A Figura 1.2 mostra um exemplo de acesso ao sexto bit do byte 1 na tabela imagem das
entradas...
V0.0
V1.0
V2.0
V3.0
V4.0
V5.0
V6.0
V7.0

V0.1
V1.1
V2.1
V3.1
V4.1
V5.1
V6.1
V7.1

V0.2
V1.2
V2.2
V3.2
V4.2
V5.2
V6.2
V7.2
...
Cabe destacar que existe sobreposição das operandos, isto é, um mesmo conjunto de
dados (bits) pode fazer parte de vários ...
A retentividade é a característica de certas áreas de manter o valor mesmo quando o
CLP for desligado. Forçar um operando,...
Tabela 1.5 – Áreas de memória 3.
Área

Bit

Byte

Word

Dword

I

Booleano

Inteiro sem sinal

Inteiro sem sinal

Inteiro ...
2. SYMBOL TABLE

A tabela símbolos (symbol table) pode ser utilizada para definir tags – nomes para
variáveis ou endereços...
Existe uma área para comentários, estes podem ser exibidos nas lógicas, ou não,
dependendo das preferências setadas.
Há ta...
3. STATUS Chart

Trata-se de uma ferramenta extremamente simples e de grande valor. Permite monitorar
e forçar o valor das...
4. INSTRUÇÕES DE PROGRAMAÇÃO

4.1. COMPARAÇÃO
As expressões estão contidas no menu “Compare” do “Instruction”. Todos
os bl...
Compara e ativa a saída do bloco se os Inteiros (Word) dos
Operandos são diferentes.
Compara e ativa a saída do bloco se o...
Compara e ativa a saída do bloco se o Byte do OP1 for maior a
OP2.
Compara e ativa a saída do bloco se o Inteiro (Word) do...
Quando a entrada “EN” for acionada, o Byte contido em “IN”
(pode ser um endereço ou uma constante) é movido para
“OUT” (de...
4.3. MATEMÁTICA DE INTEIROS
As instruções do “Integer Math” permitem que sejam realizadas
operações matemáticas (fundament...
Quando “EN” recebe energia, executa a operação “OUT” =
“IN1” - “IN2”.
OUT => Inteiro (Double Word), obrigatoriamente variá...
Quando “EN” recebe energia, executa a operação “OUT” =
“IN1” / “IN2”. (Divide uma Double por uma Word e obtém
uma Word)
OU...
Quando “EN” recebe energia, executa a operação “OUT” =
“IN” + 1.
OUT => Inteiro (Word), obrigatoriamente variável.
IN => I...
5. CONFIGURANDO A IHM TD 200
Tanto as mensagens que serão exibidas, quanto as definições dos flags de controle
serão envia...
Na segunda tela, será selecionado o tipo de IHM a ser programado. No caso presente,
trata-se da Versão 2.1.
A tela seguint...
A quinta etapa consiste em selecionar quais bits de memória (Mx.y) serão responsáveis
por transferir ao programa o nível l...
O ultimo campo deve conter a posição de memória em que os caracteres das
mensagens serão armazenados.
Na oitava tela é efe...
Desta maneira, quando o bit V14.7 é setado, a Mensagem 1 é exibida no display. Se
mais de uma for mensagem habilitada será...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Apostila siemens s7

379 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
379
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
15
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apostila siemens s7

  1. 1. 1. TRATAMENTO DE VARIÁVEIS As variáveis são os elementos que, em última análise transportam as informações das interfaces de entrada para o programa; de uma parte do programa para outra, e do programa para as interfaces de saída. O conteúdo das variáveis, processado de forma adequada, determina o fluxo de todo o programa, controlando as ações a serem executadas e gerando resultados de saída. Hoje em dia os processos de uma maneira geral trabalham, afora pontos binários, com uma grande gama de valores numéricos e alfa-numericos, estes por sua vez devem ser lidos, comparados e manipulados pelo controlador. Além do mais, as facilidades apresentadas pelos recursos básicos do Ladder, em controles combinacionais, desaparecem rapidamente quando processo controlado exige lógicas seqüenciais com um mínimo de sofisticação. Dada tais circunstancias, uma abordagem mais ampla, que vá além do “bobina / contado”, torna-se necessária. Antes, porém, vale rever ou conhecer alguns conceitos relativos a forma como o CLP reconhece e trata os dados da memória de aplicação. 1.1. TIPOS DE DADOS Os valores são armazenados na no controlador – assim como em qualquer equipamento digital – sob forma binária. Dependendo da ordem grandeza ou do contexto, estes dados são trados de forma distinta. Na série S7-200, memória do controlador pode ser acessada de quatro formas básicas. A Tabela 1.1 contém tais formas e a quantidade de informação abrangida em cada forma de acesso.
  2. 2. Tabela 1.1 – Formas de acesso à memória de acordo com a resolução. Tipo de Dado* Resolução Bit 1 Bit Byte 8 Bits Word 16 Bits Double Word 32 Bits * Existem, ainda dados não numéricos que são tratados com seqüência de caracteres “Char” Ou seja, cada tipo de dado está associado basicamente à quantidade de memória ocupada por um operador. Assim, este critério serve apenas para indicar o tamanho do dado. Existem, ainda, outras convenções (como, por exemplo, Nible que é um conjunto de quatro bits) que não são adotadas pelo fabricante do equipamento. Outro parâmetro importante é o tipo de operador, este define a classe numérica do dado. A Tabela 1.2 fornece os ranges provenientes das relações entre os dois parâmetros. Tabela 1.2 – Tipos de Operador e Ranges. Tipo de operador Precisão Range Booleano Bit 0~1 Byte 0 ~ 255 Word 0 ~ 65535 Double word 0 ~ 4294967296 Byte* (-)127 ~ 127 Word (-) 32677 ~ 32677 Double word (-) 2147483647 ~ 2147483647 Real Ponto Flutuante Double word (FLOAT IEEE) (+) 1.175495E-38 ~ 3.402823E+38 (-) 1.175495E-38 ~ 3.402823E+38 Seqüência de Caracteres (CHAR) 1 + N.de Caracteres x 8 Bits ASCII (1~255 Caracteres) Inteiro sem sinal Inteiro * Nos controladores da serie S7-200 os dados do tipo Byte são sempre tratados como inteiro com sinal.
  3. 3. 1.2. ENDEREÇAMENTO Para as diversas áreas de memória da CPU S7–200, com exceção das tabelas de pontos analógicos (entradas e saídas), dos contadores e timers, a forma de endereçamento obedece a seguinte lógica: Bit => [Área][Byte].[Bit] (Exemplo Q0.0, S34.6 ....) Byte => [Área][B][Byte] (Exemplo IB10, VB10 ....) Word => [Área][W][Byte inicial] (Exemplo SW4, VW6 ....) Double Word => [Área][D] [Byte inicial] (Exemplo VD0, ID20 ....) As tabelas de pontos analógicos são acessadas somente como Word. O endereço é definido pelo número da entrada “AI” ou saída “AQ” (Exemplo AQ0, AI4...). Os timers e contadores possuem duas áreas de memória distintas, um bit de staus e uma Word contendo o valor. O endereçamento utiliza o “T” ou “C” mais número do dispositivo. Tanto o bit quanto a Word possuem o mesmo endereço o programa diferencia-os pelo contexto ou pela instrução utilizada (Exemplo C0, T32...). Os contadores rápidos são tratados sempre como Double Word. O endereço e formado por “HC” mais o número do contador (Exemplo HC0, HC1...). Existem algumas particularidades que devem ser observadas quando do acesso aos endereços de memória. As figuras a seguir, podem ajudar a entendê-las. Mem Byte 0 Byte 1 Byte 2 Byte 3 Byte 4 Byte 5 Byte 6 . Byte N Bit 0 0.0 1.0 2.0 3.0 4.0 5.0 6.0 . N.0 Bit 1 0.1 1.1 2.1 3.1 4.1 5.1 6.1 . N.1 Bit 2 0.2 1.2 2.2 3.2 4.2 5.2 6.2 . N.2 Bit 3 0.3 1.3 2.3 3.3 4.3 5.3 6.3 . N.3 Figura 1.1 - Exemplo de um mapa memória genérico. Bit 4 0.4 1.4 2.4 3.4 4.4 5.4 6.4 . N.4 Bit 5 0.5 1.5 2.5 3.5 4.5 5.5 6.5 . N.5 Bit 6 0.6 1.6 2.6 3.6 4.6 5.6 6.6 . N.6 Bit 7 0.7 1.7 2.7 3.7 4.7 5.7 6.7 . N.7
  4. 4. Fonte – Ilustração do autor A Figura 1.2 mostra um exemplo de acesso ao sexto bit do byte 1 na tabela imagem das entradas digitais. I0.0 I1.0 I2.0 I3.0 I4.0 I5.0 I6.0 I7.0 I8.0 I9.0 I0.1 I1.1 I2.1 I3.1 I4.1 I5.1 I6.1 I7.1 I8.1 I9.1 I0.2 I1.2 I2.2 I3.2 I4.2 I5.2 I6.2 I7.2 I8.2 I9.2 I0.3 I1.3 I2.3 I3.3 I4.3 I5.3 I6.3 I7.3 I8.3 I9.3 I0.4 I1.4 I2.4 I3.4 I4.4 I5.4 I6.4 I7.4 I8.4 I9.4 I0.5 I1.5 I2.5 I3.5 I4.5 I5.5 I6.5 I7.5 I8.5 I9.5 I0.6 I1.6 I2.6 I3.6 I4.6 I5.6 I6.6 I7.6 I8.6 I9.6 I0.7 I1.7 I2.7 I3.7 I4.7 I5.7 I6.7 I7.7 I8.7 I9.7 Figura 1.2 - Exemplo endereço tipo Bit. Fonte – Ilustração do autor Figura 1.3 mostra a estrutura da variável VB0. V0.0 V1.0 1.0 V2.0 V3.0 V4.0 V5.0 V0.1 V1.1 V2.1 V3.1 V4.1 V5.1 V0.2 V1.2 V2.2 V3.2 V4.2 V5.2 V0.3 V1.3 V2.3 V3.3 V4.3 V5.3 V0.4 V1.4 V2.4 V3.4 V4.4 V5.4 V0.5 V1.5 V2.5 V3.5 V4.5 V5.5 V0.6 V1.6 V2.6 V3.6 V4.6 V5.6 V0.7 V1.7 V2.7 V3.7 V4.7 V5.7 V6.0 V7.0 V6.1 V7.1 V6.2 V7.2 V6.3 V7.3 V6.4 V7.4 V6.5 V7.5 V6.6 V7.6 V6.7 V7.7 LSB V1.0 -- -- -VB1 -- -- -- Figura 1.3 - Exemplo endereço tipo Byte. Fonte – Ilustração do autor A Figura 1.4 mostra a estrutura da variável VW4 MSB V1.7
  5. 5. V0.0 V1.0 V2.0 V3.0 V4.0 V5.0 V6.0 V7.0 V0.1 V1.1 V2.1 V3.1 V4.1 V5.1 V6.1 V7.1 V0.2 V1.2 V2.2 V3.2 V4.2 V5.2 V6.2 V7.2 V0.3 V1.3 V2.3 V3.3 V4.3 V5.3 V6.3 V7.3 LSB V0.5 V1.5 V2.5 V3.5 V4.5 V5.5 V6.5 V7.5 V5.7 V0.6 V1.6 V2.6 V3.6 V4.6 V5.6 V6.6 V7.6 V0.7 V1.7 V2.7 V3.7 V4.7 V5.7 V6.7 V7.7 MSB -- -- -VW4 VB5 -- -- -- V5.0 V0.4 V1.4 V2.4 V3.4 V4.4 V5.4 V6.4 V7.4 VB4 -- -- -- V4.0 V4.7 Figura 1.4 - Exemplo endereço tipo Word. Fonte – Ilustração do autor. Figura 1.5 mostra a estrutura da variável VD0. V0.0 V1.0 V2.0 V3.0 V4.0 V5.0 V6.0 V0.1 V1.1 V2.1 V3.1 V4.1 V5.1 V6.1 V0.2 V1.2 V2.2 V3.2 V4.2 V5.2 V6.2 V0.3 V1.3 V2.3 V3.3 V4.3 V5.3 V6.3 V0.4 V1.4 V2.4 V3.4 V4.4 V5.4 V6.4 V0.5 V1.5 V2.5 V3.5 V4.5 V5.5 V6.5 V0.6 V1.6 V2.6 V3.6 V4.6 V5.6 V6.6 V0.7 V1.7 V2.7 V3.7 V4.7 V5.7 V6.7 V7.0 V7.1 V7.2 V7.3 V7.4 V7.5 V7.6 V7.7 V8.0 V8.0 V8.0 V8.0 V8.0 V8.0 V8.0 V8.7 V9.0 V9.0 V9.0 V9.0 V9.0 V9.0 V9.0 V9.0 -- -- -VD0 LSB VW2 V3.0 VB3 -- V3.7 V2.0 VB2 -- V2.7 Figura 1.5 - Exemplo endereço tipo Doube Word. Fonte – Ilustração do autor. V1.0 MSB VW0 VB1 -- V1.7 V0.0 VB0 -- V0.7
  6. 6. Cabe destacar que existe sobreposição das operandos, isto é, um mesmo conjunto de dados (bits) pode fazer parte de vários operandos. Este particularidade confere grande flexibilidade ao sistema, porem, exige atenção na definição dos endereços. Por exemplo, VB4 é a parte alta de VW4, assim sendo, um incremento de simples (somar mais um ao conteúdo) em VB4, implicará em um incremento 256 no valor de VW4. Outro ponto importante, Words consecutivas terão sempre um Byte em comum. De forma análoga Double Words compartilharão três Bytes. 1.3. ÁREAS DA MEMÓRIA DE APLICAÇÃO As Tabelas 1.3, 1.4 e 1.5 contém detalhes da memória da CPU 224, estes podem esclarecer alguns pontos que por ventura tenham ficado obscuros nos tópicos anteriores. Tabela 1.3 – Áreas de memória 1 CPU 224 V2.00 Área Descrição TIPO DE ACESSO Bit Byte Word Dword I Entradas Digitais Leitura|Escrita Leitura|Escrita Leitura|Escrita Registradores da imagem Leitura|Escrita Q Saídas Digitais Leitura|Escrita Leitura|Escrita Leitura|Escrita Registradores da imagem Leitura|Escrita M Memória interna Leitura|Escrita Leitura|Escrita Leitura|Escrita Leitura|Escrita SM Memória Especial SM0 ~ SM29 -> Só Leitura Leitura|Escrita Leitura|Escrita Leitura|Escrita Leitura|Escrita V Variáveis Leitura|Escrita Leitura|Escrita Leitura|Escrita Leitura|Escrita T Timers T - Bit Leitura|Escrita Não T - Valor Leitura|Escrita Não C Contadores C - Bit Leitura|Escrita Não C - Valor Leitura|Escrita Não HC Contadores Rápidos Não Não Não Leitura apenas AI Entradas Analógicas Não Não Leitura apenas Não AQ Saídas Analógicas Não Não Escrita apenas Não L Variáveis Locais Leitura|Escrita Leitura|Escrita Leitura|Escrita Leitura|Escrita
  7. 7. A retentividade é a característica de certas áreas de manter o valor mesmo quando o CLP for desligado. Forçar um operando, significa alterar seu valor através do canal de comunicação serial. As propriedades como a retentividade e a permissão de forçar valores bem como range de cada uma das áreas de memória são descritas na Tabela 1.4. Tabela 1.4 – Áreas de memória 2. CPU 224 V2.00 PODE SER Área Range Descrição Retentiva Forçada I I0.0 ~ I15.7* Entradas Digitais Registradores da imagem Não Sim Q Q0.0 ~ Q15.7* Saídas Digitais Registradores da imagem Não Sim M** M0.0 ~ M31.7 Memória interna Sim Sim SM SM0.0 ~ SM549.7 Memória Especial SM0 ~ SM29 -> Só Leitura Não Não V** V0.0 ~ V8191.7 Variáveis Sim Sim T T0 ~ T255 Timers Valor-> Sim Bit -> Não Não C C0 ~ C255 Contadores Valor-> Sim Bit -> Não Não HC HC0 ~ HC5 Contadores Rápidos Não Não AI AI0 ~AI15 Entradas Analógicas Não Sim AQ AQ0 ~AQ15 Saídas Analógicas Não Sim L 0 ~ 59 Variáveis Locais Não Não * O número de pontos nas tabelas de entradas e saídas digitais é significativamente maior do que a quantidade de pontos físicos, mesmo que sejam usadas todas as expansões possíveis. Este espaço pode ser usado como memória adicional. ** Pode armazenar operandos do tipo CHAR. O fabricante do equipamento definiu que cada área de memória sendo acessada com certo tipo de dado somente aceitará determinado operado. A Tabela 1.5 mostra tais convenções.
  8. 8. Tabela 1.5 – Áreas de memória 3. Área Bit Byte Word Dword I Booleano Inteiro sem sinal Inteiro sem sinal Inteiro sem sinal Q Booleano Inteiro sem sinal Inteiro sem sinal Inteiro sem sinal M Booleano Inteiro sem sinal Inteiro sem sinal Inteiro sem sinal V Booleano Inteiro sem sinal Inteiro Real (ponto flutuante) T T - Bit -> Booleano Não T - Valor - > Inteiro Não C C - Bit -> Booleano Não C - Valor - > Inteiro Não HC Não Não Não Inteiro sem sinal AI Não Não Inteiro sem sinal Inteiro sem sinal AQ Não Não Inteiro sem sinal Não
  9. 9. 2. SYMBOL TABLE A tabela símbolos (symbol table) pode ser utilizada para definir tags – nomes para variáveis ou endereços – e definir constantes. A utilização de tags auxilia a organização do programa e permite ao programador associar os endereços a termos mais amigáveis. Figura 2.1 – Tela com exemplo Fonte – S7 MicroWin.
  10. 10. Existe uma área para comentários, estes podem ser exibidos nas lógicas, ou não, dependendo das preferências setadas. Há também campos para indicar tags ou endereços repetidos e inválidos, além disto, os endereços inválidos aparecerão em vermeho. Para definir constantes, deve–se saber que: Os valores alfanuméricos (tipo CHAR) devem ficar entre aspas Números sem indicação de base são decimais. Números sem ponto serão tratados como INTEIROS. Números com ponto serão tratados como FLOAT. Para utilizar outras bases: BASE#VALOR por exemplo, 2#1011, 16#3EF. Para forçar operadores booleanos deve-se usar base dois com um digito apenas.
  11. 11. 3. STATUS Chart Trata-se de uma ferramenta extremamente simples e de grande valor. Permite monitorar e forçar o valor das variáveis em tempo real. Figura 3.1 – Tela com exemplo Fonte – S7 MicroWin.
  12. 12. 4. INSTRUÇÕES DE PROGRAMAÇÃO 4.1. COMPARAÇÃO As expressões estão contidas no menu “Compare” do “Instruction”. Todos os blocos têm comportamento de um contato NA, que é ativando quando a expressão lógica for verdadeira. As operações aceitas são igual, igual ou maior, igual ou menor, maior, menor e diferente. As comparações utilizam sempre dois elementos, que serão chamados Operando 1 e Operando 2. Somente podem ser comparados operandos de mesma classe de dados – Bytes (Inteiro sem Sinal), Inteiros (Word), Inteiros (Double Word) e Reais (Float). Vale lembrar que o OP1 deve ser necessariamente um endereço de memória, isto é, uma variável. Já o OP2 pode ser variável ou constante. Compara e ativa a saída do bloco, se os Bytes dos Operandos são iguais. Compara e ativa a saída do bloco se os Inteiros (Word) dos Operandos são iguais. Compara e ativa a saída do bloco se os Inteiros (Double Word) dos Operandos são iguais. Compara e ativa a saída do bloco se os Reais dos Operandos são iguais. Compara e ativa a saída do bloco se os Bytes dos Operandos são diferentes.
  13. 13. Compara e ativa a saída do bloco se os Inteiros (Word) dos Operandos são diferentes. Compara e ativa a saída do bloco se os Inteiros (Double Word) dos Operandos são diferentes. Compara e ativa a saída do bloco se os Reais dos Operandos são diferentes. Compara e ativa a saída do bloco se o Byte do OP1 for maior ou igual a OP2. Compara e ativa a saída do bloco se o Inteiro (Word) do OP1 for maior ou igual a OP2. Compara e ativa a saída do bloco se o Inteiro (Double Word) do OP1 for maior ou igual a OP2. Compara e ativa a saída do bloco se o Real do OP1 for maior ou igual a OP2. Compara e ativa a saída do bloco se o Byte do OP1 for menor ou igual a OP2. Compara e ativa a saída do bloco se o Inteiro (Word) do OP1 for menor ou igual a OP2. Compara e ativa a saída do bloco se o Inteiro (Double Word) do OP1 for menor ou igual a OP2. Compara e ativa a saída do bloco se o Real do OP1 for menor ou igual a OP2.
  14. 14. Compara e ativa a saída do bloco se o Byte do OP1 for maior a OP2. Compara e ativa a saída do bloco se o Inteiro (Word) do OP1 for maior a OP2. Compara e ativa a saída do bloco se o Inteiro (Double Word) do OP1 for maior a OP2. Compara e ativa a saída do bloco se o Real do OP1 for maior a OP2. Compara e ativa a saída do bloco se o Byte do OP1 for menor a OP2. Compara e ativa a saída do bloco se o Inteiro (Word) do OP1 for menor a OP2. Compara e ativa a saída do bloco se o Inteiro (Double Word) do OP1 for menor a OP2. Compara e ativa a saída do bloco se o Real do OP1 for menor a OP2. 4.2. ESCRITA NA MEMÓRIA As instruções de escrita na memória ou de movimentação de dados estão contidas no menu “Move” do “insruction”.
  15. 15. Quando a entrada “EN” for acionada, o Byte contido em “IN” (pode ser um endereço ou uma constante) é movido para “OUT” (deve ser obrigatoriamente uma variável – endereço). Quando a entrada “EN” for acionada, o Word contido em “IN” (pode ser um endereço ou uma constante) é movido para “OUT” (deve ser obrigatoriamente uma variável – endereço). Quando a entrada “EN” for acionada, o Double Word contido em “IN” (pode ser um endereço ou uma constante) é movido para “OUT” (deve ser obrigatoriamente uma variável – endereço). Quando a entrada “EN” for acionada, os “N” ((“N” é um byte, pode ser variável ou constante) Bytes contidos a partir do endereço “IN” são movido para os “N” endereços iniciando em “OUT”. Quando a entrada “EN” for acionada, os “N” (“N” é um byte, pode ser variável ou constante) Word contidos a partir do endereço “IN” são movido para os “N” endereços iniciando em “OUT”. Quando a entrada “EN” for acionada, os “ N” ((“N” é um byte,pode ser variável ou constante) Double Word contidos a partir do endereço “IN” são movido para os “N” endereços iniciando em “OUT”.
  16. 16. 4.3. MATEMÁTICA DE INTEIROS As instruções do “Integer Math” permitem que sejam realizadas operações matemáticas (fundamentais: adição, subtração, multiplicação, divisão, incremento e decremento) com números inteiros. Quando “EN” recebe energia, executa a operação “OUT” = “IN1” + “IN2”. OUT => Inteiro (Word), obrigatoriamente variável. IN1 => Inteiro (Word), constate ou variável. IN2 => Inteiro (Word), obrigatoriamente variável. Quando “EN” recebe energia, executa a operação “OUT” = “IN1” + “IN2”. OUT => Inteiro (Double Word), obrigatoriamente variável. IN1 => Inteiro (Double Word), constate ou variável. IN2 => Inteiro (Double Word), obrigatoriamente variável. Quando “EN” recebe energia, executa a operação “OUT” = “IN1” - “IN2”. OUT => Inteiro (Word), obrigatoriamente variável. IN1 => Inteiro (Word), constate ou variável. IN2 => Inteiro (Word), obrigatoriamente variável.
  17. 17. Quando “EN” recebe energia, executa a operação “OUT” = “IN1” - “IN2”. OUT => Inteiro (Double Word), obrigatoriamente variável. IN1 => Inteiro (Double Word), constate ou variável. IN2 => Inteiro (Double Word), obrigatoriamente variável. Quando “EM” recebe energia, executa a operação “OUT” = “IN1” x “IN2”. (Multipica duas Words e obtém uma Double Word). OUT => Inteiro (Double Word), obrigatoriamente variável. IN1 => Inteiro (Word), constate ou variável. IN2 => Inteiro (Word), obrigatoriamente variável. Quando “EN” recebe energia, executa a operação “OUT” = “IN1” x “IN2”. OUT => Inteiro (Word), obrigatoriamente variável. IN1 => Inteiro (Word), constate ou variável. IN2 => Inteiro (Word), obrigatoriamente variável. Quando “EN” recebe energia, executa a operação “OUT” = “IN1” x “IN2”. OUT => Inteiro (Double Word), obrigatoriamente variável. IN1 => Inteiro (Double Word), constate ou variável. IN2 => Inteiro (Double Word), obrigatoriamente variável.
  18. 18. Quando “EN” recebe energia, executa a operação “OUT” = “IN1” / “IN2”. (Divide uma Double por uma Word e obtém uma Word) OUT => Inteiro (Word), obrigatoriamente variável. IN1 => Inteiro (Double Word), constate ou variável. IN2 => Inteiro (Word), obrigatoriamente variável. Quando “EN” recebe energia, executa a operação “OUT” = “IN1” / “IN2”. OUT => Inteiro (Word), obrigatoriamente variável. IN1 => Inteiro (Word), constate ou variável. IN2 => Inteiro (Word), obrigatoriamente variável. Quando “EN” recebe energia, executa a operação “OUT” = “IN1” / “IN2”. OUT => Inteiro (Double Word), obrigatoriamente variável. IN1 => Inteiro (Double Word), constate ou variável. IN2 => Inteiro (Double Word), obrigatoriamente variável. Quando “EN” recebe energia, executa a operação “OUT” = “IN” + 1. OUT => Byte, obrigatoriamente variável. IN => Byte, obrigatoriamente variável.
  19. 19. Quando “EN” recebe energia, executa a operação “OUT” = “IN” + 1. OUT => Inteiro (Word), obrigatoriamente variável. IN => Inteiro (Word), obrigatoriamente variável. Quando “EN” recebe energia, executa a operação “OUT” = “IN” + 1. OUT => Inteiro (Double Word), obrigatoriamente variável. IN => Inteiro (Double Word), obrigatoriamente variável. Quando “EN” recebe energia, executa a operação “OUT” = ““IN” - 1. OUT => Byte, obrigatoriamente variável. IN => Byte, obrigatoriamente variável. Quando “EN” recebe energia, executa a operação “OUT” = “IN” - 1. OUT => Inteiro (Word), obrigatoriamente variável. IN => Inteiro (Word), obrigatoriamente variável. Quando “EN” recebe energia, executa a operação “OUT” = “IN” - 1. OUT => Inteiro (Double Word), obrigatoriamente variável. IN => Inteiro (doubleWord), obrigatoriamente variável.
  20. 20. 5. CONFIGURANDO A IHM TD 200 Tanto as mensagens que serão exibidas, quanto as definições dos flags de controle serão enviados ao controlador como parte integrante do programa. Para realizar tal tarefa, o Step7–MicroWin utiliza um tutorial, esse é acessado pelo menu “Tools” opção “Text Display Wizard ...” 1 2 3 Após iniciar o tutorial, receberemos uma tela de boas vindas, basta clicar na opção “next”.
  21. 21. Na segunda tela, será selecionado o tipo de IHM a ser programado. No caso presente, trata-se da Versão 2.1. A tela seguinte diz respeito à seleção do idioma (inglês, alemão, francês, italiano, chinês ou espanhol) e do tipo de fonte (letra). 4 4 No quarto passo existem três CheckBox a opção “A” permite visualizar e setar o relógio de tempo real no menu da IHM. A opção “B” permite alterar o conteúdo das variáveis exibidas na tela. E, a opção “C” pode habilitar o uso de senha para realizar tais tarefas, note que quanto a senha é desabilitada o campo para digita-la desaparece. 5 6
  22. 22. A quinta etapa consiste em selecionar quais bits de memória (Mx.y) serão responsáveis por transferir ao programa o nível lógico das teclas F1 ~ F8. Assim, se a opção for o byte de memória 31, M31.0 fica vinculado à tecla F1, M31.1 à tecla F2 e assim sucessivamente. Neste todos os contados de M31.3 existentes no programa, serão invertidos quando a tecla F4 for pressionada. O display da TD 200 possui duas linhas com vinte colunas cada. A primeira CheckBox da sexta tela possibilita escolher entre mensagens com vinte caracteres (duas por tela) ou quarenta caracteres (uma por tela). No campo seguinte, deve-se declarar o número total de mensagens que serão utilizadas. Lembre-se que cada mensagem ocupará quarenta bytes (vinte words) da memória de trabalho. 7 8 Na sétima tela serão configurados os endereços de memória que controlam a exibição das mensagens, bem como o endereço inicial onde elas serão armazenadas. São necessários quatorze bytes para a inicializar a IHM. O primeiro campo define o endereço inicial. No campo seguinte define-se o endereço inicial dos flags que controlam a exibição das mensagens na tela. Este endereço precisa distar quatorze bytes daquele definido no campo acima. Cada mensagem possui um único flag, portando, esta área da memória terá o tamanho igual ao numero de mensagens dividido por oito (se o resto da divisão não for nulo, ele ocupará mais um byte)
  23. 23. O ultimo campo deve conter a posição de memória em que os caracteres das mensagens serão armazenados. Na oitava tela é efetuado o preenchimento do texto a ser exibido. Para passar a mensagem seguinte basta clicar em “Next Message”. 8 9 Em cada caixa são exibidos o endereço do bit de controle e o byte inicial donde os caracteres são armazenados. Caso tenha sido selecionada, na tela 7, a posição VB14 como inicial para os flags de controle, o endereçamento seguirá a tabela abaixo. V14.7 MSG 1 V14.6 MSG 2 V14.5 MSG 3 V14.4 MSG 4 V14.3 MSG 5 V14.2 MSG 6 V14.1 MSG 7 V14.0 MSG 8 V15.7 MSG 9 V15.6 MSG 10 V15.5 MSG 11 V15.4 MSG 12 V15.3 MSG 13 V15.2 MSG 14 V15.1 MSG 15 V15.0 MSG 16 V16.7 MSG 17 V16.6 MSG 18 V16.5 MSG 19 V16.4 MSG 20 V16.3 MSG 21 V16.2 MSG 22 V16.1 MSG 23 V16.0 MSG 24 V17.7 MSG 25 V17.6 MSG 26 V17.5 MSG 27 V17.4 MSG 28 V17.3 MSG 29 V17.2 MSG 30 …
  24. 24. Desta maneira, quando o bit V14.7 é setado, a Mensagem 1 é exibida no display. Se mais de uma for mensagem habilitada será exibida a de menor índice. Para visualizar as outras use as teclas direcionais. Por exemplo, se o programa em questão necessitar de nove mensagens e o primeiro campo for definido com “byte 0” (VB0). O segundo campo deve ser definido como quatorze. Se existem nove mensagens, os “bytes 14 e 15” (VB14 e VB15) ficam reservados para esta função. O terceiro campo deve ser dezesseis, serão necessários trezentos sessenta bytes (9 x 40) para armazenar os caracteres, ou seja, VB16 até VB375. Para este exemplo, as variáveis de programa devem começar na posição VB376.

×