Arquitetura e Urbanismo 
Acadêmicos: Enio, Gabriel, Jamur, João 
Pedro, Erick, Vinicius, Vitor e Kelvin 
Professora: Caira
Foi um arquiteto alemão 
naturalizado americano, 
considerado um dos principais 
nomes da arquitetura do século XX, 
sendo...
Foi professor da Bauhaus e um dos criadores do 
que ficou conhecido por International style, 
onde deixou a marca de uma a...
Os edifícios da sua maturidade criativa fazem uso 
de materiais modernos, como o aço industrial e 
o vidro para definir os...
Também é famoso pelas várias frases cridas por ele, 
algumas delas são conhecidas praticamente no mundo 
todo, como é o ca...
Quando jovem, trabalhou na empresa de 
cantaria do seu pai, antes de se mudar para 
Berlim onde começou a trabalhar com o ...
Começou a sua carreira profissional 
independente projectando casas para 
clientes de classes baixas. Seguia então 
estilo...
Depois da Primeira Guerra Mundial, Mies 
começa, a afastar-se dos estilos tradicionais 
e a receber influências do neoplas...
A arquitetura de Mies tornou-se estrutura e membrana 
externa, ou, como ele mesmo dizia, uma arquitetura 
de “pele e osso”...
Já identificado com as novas tendências da arquitetura, 
Mies é convidado a lecionar na escola vanguardista de 
arquitectu...
Pavilhão de Barcelona
Mies estava no auge de sua carreira na Alemanha, quando 
foi convidado para projetar o pavilhão alemão para a Feira 
Mundi...
Alguns deslocamentos no volume do pavilhão foram criados a 
partir de leituras ilusórias de superfície, como a obtida pelo...
O contraste de ônix polido, e a parede que 
flanqueia o terraço principal com sua 
piscina refletora- onde a água distorce...
Após a exposição o pavilhão foi demolido, 
mas sua importância foi tal que voltou a ser 
construído na década de 1990, com...
Casa Farnsworth
Entre 1946 e 1951, Mies projetou e construiu a icónica Casa 
Farnsworth, uma casa de fim de semana que deveria servir 
de ...
A casa concretiza a visão amadurecida de Mies para o que 
deveria ser a arquitectura da sua época: uma estrutura 
minimali...
O suporte estrutural rigorosamente concebido e as paredes 
totalmente de vidro definem um espaço interior cúbico simples, ...
Neue Nationalgalerie 
O último trabalho de relevo de Mies foi 
a Neue Nationalgalerie em Berlim, que 
é considerado uma da...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Trabalho teoria e historia da arquitetura frank lloyd wright.

1.314 visualizações

Publicada em

Trabalho sobre a vida e obras de Frank Lloyd Wright.

Publicada em: Arte e fotografia
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.314
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
34
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Trabalho teoria e historia da arquitetura frank lloyd wright.

  1. 1. Arquitetura e Urbanismo Acadêmicos: Enio, Gabriel, Jamur, João Pedro, Erick, Vinicius, Vitor e Kelvin Professora: Caira
  2. 2. Foi um arquiteto alemão naturalizado americano, considerado um dos principais nomes da arquitetura do século XX, sendo geralmente colocado no mesmo nível de Le Corbusier ou de Frank Lloyd Wright.
  3. 3. Foi professor da Bauhaus e um dos criadores do que ficou conhecido por International style, onde deixou a marca de uma arquitetura que prima pelo racionalismo, pela utilização de uma geometria clara e pela sofisticação.
  4. 4. Os edifícios da sua maturidade criativa fazem uso de materiais modernos, como o aço industrial e o vidro para definir os espaços interiores, e a aparência exterior de suas obras.
  5. 5. Também é famoso pelas várias frases cridas por ele, algumas delas são conhecidas praticamente no mundo todo, como é o caso das frases "less is more " ("menos é mais") e "God is in the details" ("Deus está nos detalhes").
  6. 6. Quando jovem, trabalhou na empresa de cantaria do seu pai, antes de se mudar para Berlim onde começou a trabalhar com o designer de interiores Bruno Paul. O seu talento foi rapidamente reconhecido e começou desde cedo a receber encomendas apesar de não ter graduação académica formal.
  7. 7. Começou a sua carreira profissional independente projectando casas para clientes de classes baixas. Seguia então estilos medievais da tradição alemã, demonstrando profundas influências do mestre do neoclassicismo prussiano, Karl Friedrich Schinkel, de quem admirava as grandes proporções e os volumes complexos e radiais.
  8. 8. Depois da Primeira Guerra Mundial, Mies começa, a afastar-se dos estilos tradicionais e a receber influências do neoplasticismo, e do construtivismo russo, que nele fazem germinar o espírito modernista, em busca de um novo estilo arquitectónico para a era industrial.
  9. 9. A arquitetura de Mies tornou-se estrutura e membrana externa, ou, como ele mesmo dizia, uma arquitetura de “pele e osso”. A perfeição técnica dos detalhes viria apenas a apoiar este sentimento de vazio do espaço, que segundo Mies, deveria ser preenchido pela vida.
  10. 10. Já identificado com as novas tendências da arquitetura, Mies é convidado a lecionar na escola vanguardista de arquitectura Bauhaus, fundada pelo seu colega - e crítico - Walter Gropius. Pertencem a este seu período algumas peças de mobília medieval, onde aplica antigas tecnologias artesanais, que viriam a se tornar particularmente populares até os dias de hoje, como a Cadeira Barcelona (e mesa) ou a Cadeira Brno. Na década de 1930, depois de Hannes Meyer, Mies foi por um breve período de tempo, o último diretor da Bauhaus.
  11. 11. Pavilhão de Barcelona
  12. 12. Mies estava no auge de sua carreira na Alemanha, quando foi convidado para projetar o pavilhão alemão para a Feira Mundial de Barcelona em 1929, hoje ícone da modernidade. O pavilhão de Barcelona é estruturado simplesmente em oito colunas cruciformes que suportam sua cobertura horizontal.
  13. 13. Alguns deslocamentos no volume do pavilhão foram criados a partir de leituras ilusórias de superfície, como a obtida pelo uso de biombos de vidro verde, que emergem com os equivalentes especulares dos principais planos confinantes; e esses planos revestidos por mármore verde, refletem os realces das barras verticais, cromadas e vitrificadas, que sustentam o vidro.
  14. 14. O contraste de ônix polido, e a parede que flanqueia o terraço principal com sua piscina refletora- onde a água distorce a imagem espelhada do edifício-, são os termos de textura e cor encontrados no projeto.
  15. 15. Após a exposição o pavilhão foi demolido, mas sua importância foi tal que voltou a ser construído na década de 1990, como homenagem ao arquiteto e como símbolo do modernismo.
  16. 16. Casa Farnsworth
  17. 17. Entre 1946 e 1951, Mies projetou e construiu a icónica Casa Farnsworth, uma casa de fim de semana que deveria servir de retiro, nos arredores de Chicago, para a médica Edith Farnsworth e que se tornaria uma das principais obras de referência da arquitectura moderna. Nesta Obra Mies explorou a relação entre o indivíduo, o seu abrigo e a natureza.
  18. 18. A casa concretiza a visão amadurecida de Mies para o que deveria ser a arquitectura da sua época: uma estrutura minimalista limitada à pele e esqueleto do edifício, usando materiais que representavam os novos tempos, permitindo a definição de um espaço ordenado de forma clara, simples, inteligível e fluida, com uma disposição que sugerisse liberdade de utilização.
  19. 19. O suporte estrutural rigorosamente concebido e as paredes totalmente de vidro definem um espaço interior cúbico simples, permitindo que a natureza e a luz o envolvam de facto. Este pavilhão de vidro ergue-se cerca de 1,5 m acima da planície aluvial do rio Fox e é rodeado por florestas e prados. A casa tem sido descrita por muitos como "sublime", "um templo pairando entre a terra e o céu", "um poema", "uma obra de arte". A influência desta obra pode verificar-se pela quantidade de "casas de vidro" modernistas
  20. 20. Neue Nationalgalerie O último trabalho de relevo de Mies foi a Neue Nationalgalerie em Berlim, que é considerado uma das mais perfeitas expressões da sua abordagem arquitetonica. O pavilhão superior é constituído por uma estrutura precisa de aço com invólucro de vidro, que na sua simplicidade revela perfeitamente a força estética e funcional das ideias de espaço interior flexível, aberto e sem cargas desnecessárias impostas pela ordem estrutural externa.

×