SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 71
Baixar para ler offline
Aula 1.
Infinite Cursos
 O solo é uma camada mais superficial da crosta
terrestre,onde se desenvolve muitas plantas e
vive uma grande variedade de animais.
Esta camada,o solo, não é muito
profunda;tem,em média, trinta centímetros de
espessura.
Ela vem se formando há milhões de anos, com o
acúmulo de pequeníssimas partículas, formadas
pelo desgaste das rochas, que formam se
misturando com os restos de animais e plantas.
 O solo é constituído de duas partes:
A primeira é uma camada geralmente escura,
que fica bem em cima e é composta pela
mistura de restos de animais e vegetais,
formando a parte orgânica do solo ou húmus;
a outra, contendo areia, calcário e argila,
forma a parte mineral do solo, juntamente
com a água e o ar.
 Muitos solos podem ser formados pelo
transporte de sedimentos levados pelo vento,
chuva
ou pela águas do rios, como as dunas e as
terras de aluvião.
Quando o solo é originado da própria rocha
matriz é chamada de autóctone e quando é
formado através do transporte de sedimentos
é chamado de alóctone.
 O solo é originado de uma rocha matriz, pois
inicialmente na crosta terrestre só havia rocha.
Com o tempo e sob a ação do calor, do vento e
da água, ela foi se desgastando e formando uma
parte mineral(areia, calcário e argila) e uma outra
parte orgânica(húmus restos de animais e
vegetais em decomposição.
Quando um certo elemento, que compõe o solo,
existe em maior quantidade que os demais,
caracteriza o tipo do solo.
 Solo arenoso
 O solo chamado arenoso possui uma
quantidade maior de areia do que outros
componentes. Este solo, por ser formado em
grande parte de grãos de areia, deixa espaços
entre os grãos, proporciona uma passagem
maior de água e circulação de ar, sendo assim
muito permeável.
Os solos arenosos, sendo bastante permeável,
são pobres em vegetação, pois não fornece as
substâncias necessárias à maioria das plantas,
como principalmente a água.
 Já os solos argilosos, onde os grãos são bem
menores que os grãos de areia, retêm mais água,
isto é, são pouco permeáveis e bem menos
arejados, porque os espaços são menores
dificultando o escoamento de água e a entrada
de ar.
Quando estes solos secam, racham-se e
arrebentam as raízes das plantas,
consequentemente matando-as. O solo argiloso
não é bom para o cultivo de determinados
vegetais, mas alguns se desenvolvem bem, como
o cafeeiro.
 Outro tipo de solo é o Humífero, que tem um
aspecto escuro, o que demonstra a existência de
matéria orgânica, o húmus, tornando este solo
fértil. No solo humífero vivem seres vivos
microscópicos, quer dizer, tão pequeno que só
podem ser vistos pelo microscópio, que
transformam os nutrientes, ou melhor,
substâncias presentes no solo, para serem
utilizadas pelos vegetais na sua nutrição. O
Húmus é muito bom para o cultivo de plantas em
geral e para a jardinagem. Além de seres vivos
microscópio, podemos encontrar outros
pequenos animais, como minhoca, tatuzinhos de
jardim e outros.
 Na construção de um imóvel, um engenheiro
geólogo é de fundamental importância, tanto
quanto a equipe de engenheiros civis e
arquitetos.
 Ao término de uma obra bem-sucedida, o
resultado do trabalho, normalmente, é
creditado aos arquitetos, engenheiros e,
quando muito, aos operários. No entanto,
profissionais de outras áreas participam do
processo com a mesma importância de quem
desenha a planta e executa o projeto. Há uma
área da construção civil que pode até não ser
notada, mas produz resultados
imprescindíveis: a análise ambiental.
 Neste meio estão inclusos pesquisas e
estudos detalhados sobre diversos fatores e
resultados ligados ao impacto causado pela
obra no meio ambiente. Dentre eles, a análise
do solo torna-se fundamental para que a
construção civil não traga desdobramentos
inesperados para a sociedade e, logicamente,
para a natureza. Afinal, o chão é a base sobre
a qual o projeto será erguido.
 O engenheiro florestal e técnico em
geoprocessamento Marcos Paulo Ribeiro Kern, da
Ecotech Consultoria Ambiental, destaca que
verificar previamente o solo é indispensável para
obras de qualquer tamanho. “Para as de pequeno
porte e de caráter passageiro, muitas vezes a
avaliação primária já identifica se é possível ou
não construir naquela área. Em construções de
casas e obras que não transferem muita carga
para o solo, a análise não é imprescindível, mas
recomendada para garantir a estabilidade de
qualquer empreendimento”, destaca.
 As grandes obras são atividades de maior
cobrança e aos envolvidos atribui-se
responsabilidade maior. Marcos Paulo
ressalva que, para empreendimentos maiores,
é de suma importância avaliar a qualidade do
solo e sua resistência, pois este deverá
suportar uma enorme transferência de carga
sem romper ou escoar.
 Marcos explica o processo e os riscos de uma
análise mal feita ou não realizada. “No solo as
estacas são cravadas para dar sustentação a toda
a obra. É o receptor final da carga dividida por
elas, que nas obras maiores são chamadas
fundações. Não analisá-lo traz um risco muito
grande e o esforço que ele requer para suportar
cargas, somado às variações de umidade que
suporta, precisa ser avaliado sempre. Deve-se
conhecer bem os limites de resistência do solo e
a que ponto de umidade ele perde sua
resistência”, resume.
 Ele ressalva a importância de se observar a
inclinação dos terrenos. “Solos de encostas
tendem a escorregar ao perder resistência. Já
em locais planos eles tendem a ceder. Isso
acontece devido à má impermeabilização e
compactação que permitem à água ocupar os
espaços vazios do solo, aumentando sua
umidade e tornando-o menos resistente”.
 Neuza Tavares, 46 anos, tem um prédio com
14 salas, construído em 1996, em Taguatinga
Sul. Na época, ouviu da empresa de
engenharia contratada que a construção de
três andares poderia afetar o córrego e o solo
de regiões próximas. Com o laudo em mãos,
foi atrás de especialista em recursos hídricos.
 A análise do solo é essencial antes de uma
obra de qualquer dimensão. Um caso recente
que ficou nacionalmente conhecido
aconteceu em uma obra do governo federal:
o desabamento do teto do túnel Cuncas I,
localizado entre a Paraíba e o Ceará, o qual
integra as obras do Programa de Aceleração
do Crescimento (PAC) no Nordeste relativas à
transposição do rio São Francisco.
 O incidente ocorreu no último mês de abril
em Fortaleza e provocou a publicação, por
parte do Ministério de Integração Nacional,
de uma nota de esclarecimento na qual o
órgão dizia que o solo possui consistência
não uniforme nos arredores do desabamento.
O governo garantiu que a análise do solo foi
previamente realizada.
 Dickran Berberian, engenheiro, professor da
Universidade de Brasília (UnB) e presidente da
empresa Infrasolo, estabelece uma ligação
interessante que ajuda a entender a
importância da análise do solo.
 “As chamadas sondagens de terreno estão
hoje para a engenharia na mesma proporção
que os exames clínicos preliminares
apresentam-se para a medicina. Da mesma
forma que um médico não opera o paciente
sem examiná-lo, não deve haver obra sem
sondagem”, compara.
 “As chamadas sondagens de terreno estão
hoje para a engenharia na mesma proporção
que os exames clínicos preliminares
apresentam-se para a medicina. Da mesma
forma que um médico não opera o paciente
sem examiná-lo, não deve haver obra sem
sondagem”, compara.
 O professor lembra que a relação custo-
benefício da análise do solo é alta, pois a
falta desta etapa em um processo de
construção aumenta o nível de instabilidade
da obra. “Deve-se realizar os furos de
sondagem na proporção de um furo para
cada 200 m² de área de projeção para que se
avalie corretamente a estabilidade das
escavações”, resume.
 Trata se de um estudo muito importante pois se
inicia a obra com a documentação fundamental e
básica para desenvolver uma obra sem surpresas,
com a segurança de ter projetado o sistema
fundação justo e conveniente, baseado na
experiência dos engenheiros especialistas de
solos.
- Porque de acordo as características de
resistência e deformação de solos analisados se
determinam os tipos de fundações tecnicamente
possíveis, elegendo a mais econômica e simples
para a obra em questão
 Esse tipo de estudo deve ser feito
imprescindivelmente em obras de médio a
grande porte, tais como:
 Casas ou prédios a partir de dois pavimentos
 Estradas
 Barragens
 Ferrovias etc..
 Através dos estudos podemos conhecer o
tipo de solo e suas respectivas camadas, a
presença , vestígio de água ou umidade entre
outros.
 Os três tipos principais de solo são:
 Areia
 Argila
 Silte
 São aqueles em que a areia predomina. Esta
compõe-se de grãos grossos, médios e finos,
mas todos visíveis a olho nu. Como
característica principal a areia não tem
coesão, ou seja, os seus grãos são facilmente
separáveis uns dos outros.
 Note-se que esta é uma situação clássica, e
acontece diariamente na cidade de Santos, SP,
onde são muito conhecidos os prédios inclinados
na beira da praia. Estes foram feitos com
fundação superficial que afundou quando mais e
mais construções surgiram ao lado pois estas,
além de aumentarem as cargas no solo, ajudaram
a abaixar o nível do lençol freático que, por sua
vez, já vinha diminuindo devido à crescente
pavimentação das ruas.
 O terreno argiloso caracteriza-se pelos grãos
microscópicos, de cores vivas e de grande
impermeabilidade. Como consequência do
tamanho dos grãos, as argilas:
• São fáceis de serem moldadas com água;
• Têm dificuldade de desagregação.
• Formam barro plástico e viscoso quando
úmido.
• Permitem taludes com ângulos praticamente na
vertical. É possível achar terrenos argilosos
cortados assim onde as marcas das máquinas
que fizeram o talude duraram dezenas de anos.
 O Silte está entre a areia e a argila e é o “primo
pobre” destes dois materiais nobres. É um pó
como a argila, mas não tem coesão apreciável.
Também não tem plasticidade digna de nota
quando molhado.
Estradas feitas com solo siltoso formam barro na
época de chuva e muito pó quando na seca.
Cortes feitos em terreno siltoso não têm
estabilidade prolongada, sendo vítima fácil da
erosão e da desagregação natural precisando de
mais manutenção e cuidados para se manter.
 O reconhecimento do tipo de solo pode ser
complicado. Em geral, os solos estão
misturados, é difícil achar um solo que seja
100% argila ou 100% areia. Por isto, usa-se
denominações como “argila silto-arenosa”,
“silte argiloso”, “areia argilosa” e similares. A
determinação do tipo de solo é fundamental
para a construção civil, em especial para o
cálculo da movimentação de terra e para a
escolha das fundações.
 O solo ao sofrer solicitações se deforma,
modificando o seu volume e forma iniciais. A
magnitude das deformações apresentadas pelo
solo irá depender de suas propriedades elásticas
e plásticas e do carregamento a ele imposto. O
conhecimento das tensões atuantes em um
maciço de terra, sejam elas devido ao peso
próprio ou provenientes de um carregamento em
superfície (alívio de cargas provocado por
escavações) é de vital importância no
entendimento do comportamento de
praticamente todas as obras de Engenharia
geotécnica. Nos solos ocorrem tensões devidas
ao seu peso próprio e a carregamentos externos
 Para obtermos as tensões em um
determinado tipo de solo desconsiderando as
tensões de cisalhamento, para um solo com
camadas horizontais, utilizamos a seguinte
fórmula.
 Onde
 Sigma = Tensão Total vertical
 Gama = Tensão exercida pelo solo
 Z = Cota Vertical
1 Com base nas informações acima, calcule a
tensão Total exercida pelo solo abaixo
 Os poços de inspeção são executados em
terrenos que permitam a sua escavação, sem
escoramento, atingindo usualmente até 2,00
m a 3,00 m de profundidade.
Objetivo
Conhecer o perfil do terreno , grau de
compactação das camadas e coletas de
amostras deformadas e indeformadas
 São Valas longas com profundidade máxima
de 2 metros, para uma investigação linear das
primeiras camadas do terreno, em situações
específicas.
 A sondagem a trado é feita manualmente,
tem por objetivo coletar amostras
deformadas para a execução de ensaios de
laboratório, determinar o perfil estratigráfico
do solo em pequenas profundidades, sem a
obtenção dos índices de resistências, e
observação nível do lençol freático. No Brasil
possui metodologia normatizada pela NBR-
9603/86 - "
 Para a execução da sondagem utiliza-se o
equipamento denominado como trado,
podendo ele ser no formato cavadeira e
Helicoidal, ponteira constituída por peça de
aço.
 A sondagem deve ser iniciada com o trado
cavadeira, utilizando a ponteira para
desagregação de terrenos duros e
compactos, sempre que necessário. Quando
o avanço do trado cavadeira se tornar difícil,
deve ser utilizado o trado helicoidal.
 As amostras são coletadas a cada metro,
sendo que, quando ocorrer mudança de
material no mesmo metro deve ser separado
as amostras identificando de acordo com a
profundidade de cada uma. Amostras com
finalidades especificas para obtenção de
umidade natural, são acondicionada em
recipientes com tampa hermética, parafinada
ou selada com fita adesiva, para manter as
propriedades de origem do material
 As demais amostras são acondicionas em
sacos de lona ou plásticos devidamente
identificados e encaminhados ao laboratório
de solos. Ao se atingir o nível do lençol
freático, é interrompida a perfuração, anota-
se a profundidade e passa-se a observar o
mesmo, efetuando-se leituras a cada 5
minutos, durante 30 minutos. O nível
também é anotado após 24hs da conclusão
do furo.
 Também conhecido como sondagem
à percussão ou sondagem de simples
reconhecimento, é um processo de
exploração e reconhecimento do subsolo,
largamente utilizado na engenharia civil para
se obter subsídios que irão definir o tipo e
o dimensionamento das fundações que
servirão de base para umaedificação.
 O ensaio consiste na cravação vertical no solo, de
um cilindro amostrador padrão, através de
golpes de um martelo com massa padronizada
de 65 kg, solto em queda livre de uma altura de
75 cm. São anotados os números de golpes
necessários à cravação do amostrador em três
trechos consecutivos de 15 cm sendo que o valor
da resistência à penetração (NSPT) consiste no
número de golpes aplicados na cravação dos 30
cm finais. Após a realização de cada ensaio, o
amostrador é retirado do furo e a amostra é
coletada, para posterior classificação
 A sondagem rotativa é o método mais utilizado
na exploração mineral, na definição de jazidas,
necessária em praticamente todas as obras de
grande porte. Conhecida como sondagem mista
quando executada junto com SPT, o equipamento
avança em solos alterados e rochas, obtendo
diretamente as amostras (testemunhos),
exatamente sobre a rocha a ser explorada
proporcionando oportunidade para uma série de
ensaios mineralógicos, petrofísicos,
petroquímicos, etc.
 O obstáculo encontrado é perfurado por
meio de um amostrador (barrilete) com uma
broca rotativa acoplada na extremidade de
uma haste oca. As brocas são estruturas
metálicas muito resistentes, constituídas em
aço nas quais estão incrustados pequenos
diamantes industriais ou pedra de vídia. As
brocas são escolhidas em função da dureza
da rocha a perfurar, e do diâmetro do furo
que se pretende abrir.
 O movimento rotativo é produzido por um
motor (elétrico ou a combustão) transmitindo
torque à broca por meio de uma combinação
de redutor e hastes protegidas por uma
sequência de tubos de aço (revestimento); à
medida que a perfuração vai avançando, mais
hastes e revestimentos vão sendo
adicionados ao conjunto por enroscamento
 Objetivo
Conhecer a natureza das camadas do solo
sobre o embasamento rochoso.
Natureza estado de Sanidade e aspectos
estruturais
Contato entre diferentes tipos de rochas
Presença de água subterrânea
Presença de espaços Vazios nas rochas etc..
 Técnica indireta que está baseada na
propagação de ondas mecânicas em
subsuperfícies, capaz de identificar diferentes
estratos através da diferença de velocidade,
por meio de um abalo produzido
artificialmente. Ver ilustração na página 46
apostila.
Caracterização Geológica para conhecimento
das diversas litologias que compõem a
estrutura do solo, topo rochoso e perfil
geológico de certa região, que inclui área e
profundidade;
Mapeamento pré-implantação de Leito de
Anoto para busca de áreas de resistividade
ideal de solo para aplicações específicas;
 Estudo para Perfuração de Poços –
Localização de melhor local para perfuração.
 A partir de injeções de corrente elétrica
artificial em pontos da área investigada (por
eletrodos metálicos), realiza-se a
determinação da resistividade elétrica
aparente dos materiais em pontos da
subsuperfície (pela resposta elétrica das
diferentes camadas).
 É de suma importância que haja uma boa
observação das normas e serviços em relação
a execução de obras em solo, tendo em vista
o comportamento físico do mesmo, que
poderá até mesmo inviabilizar a execução de
uma determinada obra. E um dos principais
pontos que também devem ser observados e
a compactação do solo.
 A compactação é um método de
estabilização e melhoria do solo através de
processo manual ou mecânico, visando
reduzir o volume de vazios do solo. A
compactação tem em vista estes dois
aspectos: aumentar a intimidade de contato
entre os grãos e tornar o aterro mais
homogêneo melhorando as suas
características de resistência,
deformabilidade e permeabilidade
 1 Qual os possíveis ganhos com a
compactação do solo?
 2 Quais as vantagens de se fazer uma
sondagem do solo?
 3 Descreva Sucintamente, como é feita a
compactação dos solos?
 4 O que é recalque? E quais suas possíveis
causas?
 http://sondagensoeste.pt/geot.php
 http://www.brasfond.com.br/fundacoes/mso
lo.html
 http://www.fugroinsitu.com.br/servicos.php?i
d=5
 http://www.apostilasgratuitas.info/construca
o/76-casa-eletrica-hidraulica-etc/297-
compactacao-dos-solos

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

9 ano método ciêntífico
9 ano método ciêntífico9 ano método ciêntífico
9 ano método ciêntíficoJane Jeiza
 
Contituicao geral do planeta terra e sua história de formaçao
Contituicao geral do planeta terra e sua história de formaçaoContituicao geral do planeta terra e sua história de formaçao
Contituicao geral do planeta terra e sua história de formaçaoWendell Fabrício
 
Trabalho de biologia - especiação simpatrica
Trabalho de biologia  - especiação simpatricaTrabalho de biologia  - especiação simpatrica
Trabalho de biologia - especiação simpatricaTharlysonConta1
 
Aula 1 nutrição mineral
Aula 1 nutrição mineralAula 1 nutrição mineral
Aula 1 nutrição mineralPbsmal
 
Estudo da Célula
Estudo da CélulaEstudo da Célula
Estudo da Célulajoana71
 
Ciclos Biogeoquímicos
Ciclos BiogeoquímicosCiclos Biogeoquímicos
Ciclos Biogeoquímicosprofatatiana
 
SEMANA 07 - BIOLOGIA - 2ª SÉRIE – MICRORGANISMOS
SEMANA 07 - BIOLOGIA - 2ª SÉRIE – MICRORGANISMOSSEMANA 07 - BIOLOGIA - 2ª SÉRIE – MICRORGANISMOS
SEMANA 07 - BIOLOGIA - 2ª SÉRIE – MICRORGANISMOSGernciadeProduodeMat
 
Fungos resumão principais características
Fungos resumão principais característicasFungos resumão principais características
Fungos resumão principais característicasAlberto Fruck
 
Origem e formação do solo
Origem e formação do soloOrigem e formação do solo
Origem e formação do soloFabíola Mello
 

Mais procurados (20)

9 ano método ciêntífico
9 ano método ciêntífico9 ano método ciêntífico
9 ano método ciêntífico
 
Contituicao geral do planeta terra e sua história de formaçao
Contituicao geral do planeta terra e sua história de formaçaoContituicao geral do planeta terra e sua história de formaçao
Contituicao geral do planeta terra e sua história de formaçao
 
Trabalho de biologia - especiação simpatrica
Trabalho de biologia  - especiação simpatricaTrabalho de biologia  - especiação simpatrica
Trabalho de biologia - especiação simpatrica
 
Aula 1 nutrição mineral
Aula 1 nutrição mineralAula 1 nutrição mineral
Aula 1 nutrição mineral
 
Fósseis....
Fósseis....Fósseis....
Fósseis....
 
Biogeografia 1
Biogeografia 1Biogeografia 1
Biogeografia 1
 
Celula procarionte
Celula procarionte Celula procarionte
Celula procarionte
 
Estudo da Célula
Estudo da CélulaEstudo da Célula
Estudo da Célula
 
Ciclos Biogeoquímicos
Ciclos BiogeoquímicosCiclos Biogeoquímicos
Ciclos Biogeoquímicos
 
Buracos negros
Buracos negrosBuracos negros
Buracos negros
 
SEMANA 07 - BIOLOGIA - 2ª SÉRIE – MICRORGANISMOS
SEMANA 07 - BIOLOGIA - 2ª SÉRIE – MICRORGANISMOSSEMANA 07 - BIOLOGIA - 2ª SÉRIE – MICRORGANISMOS
SEMANA 07 - BIOLOGIA - 2ª SÉRIE – MICRORGANISMOS
 
Especiação Natural
Especiação NaturalEspeciação Natural
Especiação Natural
 
Biodiversidade: preservação das espécies para o equilíbrio do planeta
Biodiversidade: preservação das espécies para o equilíbrio do planeta Biodiversidade: preservação das espécies para o equilíbrio do planeta
Biodiversidade: preservação das espécies para o equilíbrio do planeta
 
1 introdução à botânica
1 introdução à botânica1 introdução à botânica
1 introdução à botânica
 
Fungos resumão principais características
Fungos resumão principais característicasFungos resumão principais características
Fungos resumão principais características
 
Os Cinco Reinos
Os Cinco ReinosOs Cinco Reinos
Os Cinco Reinos
 
Seminario micro solo_macrofauna
Seminario micro solo_macrofaunaSeminario micro solo_macrofauna
Seminario micro solo_macrofauna
 
Briófitas
BriófitasBriófitas
Briófitas
 
Origem e formação do solo
Origem e formação do soloOrigem e formação do solo
Origem e formação do solo
 
Terra sistema
Terra sistemaTerra sistema
Terra sistema
 

Destaque

Trabalhos em solos aula 02
Trabalhos em solos aula 02  Trabalhos em solos aula 02
Trabalhos em solos aula 02 Sérgio Peixoto
 
COMUNIDADE BARRA DO SÃO LOURENÇO: PANTANAL COM O HOMEM PANTANEIRO - JOSEMAR D...
COMUNIDADE BARRA DO SÃO LOURENÇO: PANTANAL COM O HOMEM PANTANEIRO - JOSEMAR D...COMUNIDADE BARRA DO SÃO LOURENÇO: PANTANAL COM O HOMEM PANTANEIRO - JOSEMAR D...
COMUNIDADE BARRA DO SÃO LOURENÇO: PANTANAL COM O HOMEM PANTANEIRO - JOSEMAR D...1sested
 
Os solos e seus usos - Aulas 6 e 7 Geografia 2º Ano
Os solos e seus usos - Aulas 6 e 7 Geografia  2º AnoOs solos e seus usos - Aulas 6 e 7 Geografia  2º Ano
Os solos e seus usos - Aulas 6 e 7 Geografia 2º AnoFellipe Prado
 
O espaço Geografico Rural e a Prorpiedade da Terra - Aulas 1, 2, 3, 4, e 5 Ge...
O espaço Geografico Rural e a Prorpiedade da Terra - Aulas 1, 2, 3, 4, e 5 Ge...O espaço Geografico Rural e a Prorpiedade da Terra - Aulas 1, 2, 3, 4, e 5 Ge...
O espaço Geografico Rural e a Prorpiedade da Terra - Aulas 1, 2, 3, 4, e 5 Ge...Fellipe Prado
 
Recalque (Fundações)
Recalque (Fundações)Recalque (Fundações)
Recalque (Fundações)Thayris Cruz
 

Destaque (8)

Trabalhos em solos aula 02
Trabalhos em solos aula 02  Trabalhos em solos aula 02
Trabalhos em solos aula 02
 
COMUNIDADE BARRA DO SÃO LOURENÇO: PANTANAL COM O HOMEM PANTANEIRO - JOSEMAR D...
COMUNIDADE BARRA DO SÃO LOURENÇO: PANTANAL COM O HOMEM PANTANEIRO - JOSEMAR D...COMUNIDADE BARRA DO SÃO LOURENÇO: PANTANAL COM O HOMEM PANTANEIRO - JOSEMAR D...
COMUNIDADE BARRA DO SÃO LOURENÇO: PANTANAL COM O HOMEM PANTANEIRO - JOSEMAR D...
 
Solos
SolosSolos
Solos
 
Rochas e solos
Rochas e solosRochas e solos
Rochas e solos
 
Os solos e seus usos - Aulas 6 e 7 Geografia 2º Ano
Os solos e seus usos - Aulas 6 e 7 Geografia  2º AnoOs solos e seus usos - Aulas 6 e 7 Geografia  2º Ano
Os solos e seus usos - Aulas 6 e 7 Geografia 2º Ano
 
O espaço Geografico Rural e a Prorpiedade da Terra - Aulas 1, 2, 3, 4, e 5 Ge...
O espaço Geografico Rural e a Prorpiedade da Terra - Aulas 1, 2, 3, 4, e 5 Ge...O espaço Geografico Rural e a Prorpiedade da Terra - Aulas 1, 2, 3, 4, e 5 Ge...
O espaço Geografico Rural e a Prorpiedade da Terra - Aulas 1, 2, 3, 4, e 5 Ge...
 
Recalque (Fundações)
Recalque (Fundações)Recalque (Fundações)
Recalque (Fundações)
 
Rochas – 5º ano
Rochas – 5º anoRochas – 5º ano
Rochas – 5º ano
 

Semelhante a Trabalhos em solos aula 01 infinit

Semelhante a Trabalhos em solos aula 01 infinit (20)

Tensoes no solo (recuperado)
Tensoes no solo (recuperado)Tensoes no solo (recuperado)
Tensoes no solo (recuperado)
 
Conheça os três tipos principais de solo
Conheça os três tipos principais de solo  Conheça os três tipos principais de solo
Conheça os três tipos principais de solo
 
Conheça os três tipos principais de solo areia, silte e argila fórum da co...
Conheça os três tipos principais de solo  areia, silte e argila   fórum da co...Conheça os três tipos principais de solo  areia, silte e argila   fórum da co...
Conheça os três tipos principais de solo areia, silte e argila fórum da co...
 
Drenagem
DrenagemDrenagem
Drenagem
 
Apostila 2006 completa
Apostila 2006 completaApostila 2006 completa
Apostila 2006 completa
 
Apostila de Ciências: Água, Solo, Ar, Clima, Poluição
Apostila de Ciências: Água, Solo, Ar, Clima, PoluiçãoApostila de Ciências: Água, Solo, Ar, Clima, Poluição
Apostila de Ciências: Água, Solo, Ar, Clima, Poluição
 
Ciencias 6ano
Ciencias 6anoCiencias 6ano
Ciencias 6ano
 
Projeto objetivos e metas
Projeto objetivos e metasProjeto objetivos e metas
Projeto objetivos e metas
 
Mec solo ms
Mec solo msMec solo ms
Mec solo ms
 
8 - A. A. Meio Terrestre - 23-11 (1).ppt
8 - A. A. Meio Terrestre - 23-11 (1).ppt8 - A. A. Meio Terrestre - 23-11 (1).ppt
8 - A. A. Meio Terrestre - 23-11 (1).ppt
 
Solos
SolosSolos
Solos
 
Taipa de pilão
Taipa de pilãoTaipa de pilão
Taipa de pilão
 
Slide trabahlo hidraulica
Slide trabahlo hidraulicaSlide trabahlo hidraulica
Slide trabahlo hidraulica
 
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃOSOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
 
Modulo 02 - O uso dos solos
Modulo 02 - O uso dos solosModulo 02 - O uso dos solos
Modulo 02 - O uso dos solos
 
Aula 7
Aula 7Aula 7
Aula 7
 
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃOSOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
 
O solo
O soloO solo
O solo
 
Solos
SolosSolos
Solos
 
1geo15
1geo151geo15
1geo15
 

Último

AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024
AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024
AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024Consultoria Acadêmica
 
AE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docx
AE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docxAE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docx
AE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docxConsultoria Acadêmica
 
Aulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdf
Aulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdfAulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdf
Aulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdfMateusSerraRodrigues1
 
Banco Sul-Americano do Brasil -2023.pptx
Banco Sul-Americano do Brasil -2023.pptxBanco Sul-Americano do Brasil -2023.pptx
Banco Sul-Americano do Brasil -2023.pptxTherionAkkad2
 
Gestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais Privados
Gestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais PrivadosGestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais Privados
Gestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais PrivadosGuilhermeLucio9
 
Patrimonio Edificado da Ilha de Moçambique.pptx
Patrimonio Edificado da Ilha de Moçambique.pptxPatrimonio Edificado da Ilha de Moçambique.pptx
Patrimonio Edificado da Ilha de Moçambique.pptxAssimoIovahale
 
Resistencias dos materiais I - Tensao.pptx
Resistencias dos materiais I - Tensao.pptxResistencias dos materiais I - Tensao.pptx
Resistencias dos materiais I - Tensao.pptxjuliocameloUFC
 

Último (7)

AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024
AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024
AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024
 
AE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docx
AE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docxAE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docx
AE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docx
 
Aulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdf
Aulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdfAulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdf
Aulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdf
 
Banco Sul-Americano do Brasil -2023.pptx
Banco Sul-Americano do Brasil -2023.pptxBanco Sul-Americano do Brasil -2023.pptx
Banco Sul-Americano do Brasil -2023.pptx
 
Gestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais Privados
Gestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais PrivadosGestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais Privados
Gestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais Privados
 
Patrimonio Edificado da Ilha de Moçambique.pptx
Patrimonio Edificado da Ilha de Moçambique.pptxPatrimonio Edificado da Ilha de Moçambique.pptx
Patrimonio Edificado da Ilha de Moçambique.pptx
 
Resistencias dos materiais I - Tensao.pptx
Resistencias dos materiais I - Tensao.pptxResistencias dos materiais I - Tensao.pptx
Resistencias dos materiais I - Tensao.pptx
 

Trabalhos em solos aula 01 infinit

  • 2.  O solo é uma camada mais superficial da crosta terrestre,onde se desenvolve muitas plantas e vive uma grande variedade de animais. Esta camada,o solo, não é muito profunda;tem,em média, trinta centímetros de espessura. Ela vem se formando há milhões de anos, com o acúmulo de pequeníssimas partículas, formadas pelo desgaste das rochas, que formam se misturando com os restos de animais e plantas.
  • 3.  O solo é constituído de duas partes: A primeira é uma camada geralmente escura, que fica bem em cima e é composta pela mistura de restos de animais e vegetais, formando a parte orgânica do solo ou húmus; a outra, contendo areia, calcário e argila, forma a parte mineral do solo, juntamente com a água e o ar.
  • 4.  Muitos solos podem ser formados pelo transporte de sedimentos levados pelo vento, chuva ou pela águas do rios, como as dunas e as terras de aluvião. Quando o solo é originado da própria rocha matriz é chamada de autóctone e quando é formado através do transporte de sedimentos é chamado de alóctone.
  • 5.
  • 6.  O solo é originado de uma rocha matriz, pois inicialmente na crosta terrestre só havia rocha. Com o tempo e sob a ação do calor, do vento e da água, ela foi se desgastando e formando uma parte mineral(areia, calcário e argila) e uma outra parte orgânica(húmus restos de animais e vegetais em decomposição. Quando um certo elemento, que compõe o solo, existe em maior quantidade que os demais, caracteriza o tipo do solo.
  • 7.  Solo arenoso  O solo chamado arenoso possui uma quantidade maior de areia do que outros componentes. Este solo, por ser formado em grande parte de grãos de areia, deixa espaços entre os grãos, proporciona uma passagem maior de água e circulação de ar, sendo assim muito permeável. Os solos arenosos, sendo bastante permeável, são pobres em vegetação, pois não fornece as substâncias necessárias à maioria das plantas, como principalmente a água.
  • 8.  Já os solos argilosos, onde os grãos são bem menores que os grãos de areia, retêm mais água, isto é, são pouco permeáveis e bem menos arejados, porque os espaços são menores dificultando o escoamento de água e a entrada de ar. Quando estes solos secam, racham-se e arrebentam as raízes das plantas, consequentemente matando-as. O solo argiloso não é bom para o cultivo de determinados vegetais, mas alguns se desenvolvem bem, como o cafeeiro.
  • 9.  Outro tipo de solo é o Humífero, que tem um aspecto escuro, o que demonstra a existência de matéria orgânica, o húmus, tornando este solo fértil. No solo humífero vivem seres vivos microscópicos, quer dizer, tão pequeno que só podem ser vistos pelo microscópio, que transformam os nutrientes, ou melhor, substâncias presentes no solo, para serem utilizadas pelos vegetais na sua nutrição. O Húmus é muito bom para o cultivo de plantas em geral e para a jardinagem. Além de seres vivos microscópio, podemos encontrar outros pequenos animais, como minhoca, tatuzinhos de jardim e outros.
  • 10.
  • 11.  Na construção de um imóvel, um engenheiro geólogo é de fundamental importância, tanto quanto a equipe de engenheiros civis e arquitetos.
  • 12.
  • 13.  Ao término de uma obra bem-sucedida, o resultado do trabalho, normalmente, é creditado aos arquitetos, engenheiros e, quando muito, aos operários. No entanto, profissionais de outras áreas participam do processo com a mesma importância de quem desenha a planta e executa o projeto. Há uma área da construção civil que pode até não ser notada, mas produz resultados imprescindíveis: a análise ambiental.
  • 14.  Neste meio estão inclusos pesquisas e estudos detalhados sobre diversos fatores e resultados ligados ao impacto causado pela obra no meio ambiente. Dentre eles, a análise do solo torna-se fundamental para que a construção civil não traga desdobramentos inesperados para a sociedade e, logicamente, para a natureza. Afinal, o chão é a base sobre a qual o projeto será erguido.
  • 15.
  • 16.  O engenheiro florestal e técnico em geoprocessamento Marcos Paulo Ribeiro Kern, da Ecotech Consultoria Ambiental, destaca que verificar previamente o solo é indispensável para obras de qualquer tamanho. “Para as de pequeno porte e de caráter passageiro, muitas vezes a avaliação primária já identifica se é possível ou não construir naquela área. Em construções de casas e obras que não transferem muita carga para o solo, a análise não é imprescindível, mas recomendada para garantir a estabilidade de qualquer empreendimento”, destaca.
  • 17.  As grandes obras são atividades de maior cobrança e aos envolvidos atribui-se responsabilidade maior. Marcos Paulo ressalva que, para empreendimentos maiores, é de suma importância avaliar a qualidade do solo e sua resistência, pois este deverá suportar uma enorme transferência de carga sem romper ou escoar.
  • 18.  Marcos explica o processo e os riscos de uma análise mal feita ou não realizada. “No solo as estacas são cravadas para dar sustentação a toda a obra. É o receptor final da carga dividida por elas, que nas obras maiores são chamadas fundações. Não analisá-lo traz um risco muito grande e o esforço que ele requer para suportar cargas, somado às variações de umidade que suporta, precisa ser avaliado sempre. Deve-se conhecer bem os limites de resistência do solo e a que ponto de umidade ele perde sua resistência”, resume.
  • 19.
  • 20.  Ele ressalva a importância de se observar a inclinação dos terrenos. “Solos de encostas tendem a escorregar ao perder resistência. Já em locais planos eles tendem a ceder. Isso acontece devido à má impermeabilização e compactação que permitem à água ocupar os espaços vazios do solo, aumentando sua umidade e tornando-o menos resistente”.
  • 21.
  • 22.  Neuza Tavares, 46 anos, tem um prédio com 14 salas, construído em 1996, em Taguatinga Sul. Na época, ouviu da empresa de engenharia contratada que a construção de três andares poderia afetar o córrego e o solo de regiões próximas. Com o laudo em mãos, foi atrás de especialista em recursos hídricos.
  • 23.  A análise do solo é essencial antes de uma obra de qualquer dimensão. Um caso recente que ficou nacionalmente conhecido aconteceu em uma obra do governo federal: o desabamento do teto do túnel Cuncas I, localizado entre a Paraíba e o Ceará, o qual integra as obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) no Nordeste relativas à transposição do rio São Francisco.
  • 24.
  • 25.  O incidente ocorreu no último mês de abril em Fortaleza e provocou a publicação, por parte do Ministério de Integração Nacional, de uma nota de esclarecimento na qual o órgão dizia que o solo possui consistência não uniforme nos arredores do desabamento. O governo garantiu que a análise do solo foi previamente realizada.
  • 26.  Dickran Berberian, engenheiro, professor da Universidade de Brasília (UnB) e presidente da empresa Infrasolo, estabelece uma ligação interessante que ajuda a entender a importância da análise do solo.
  • 27.  “As chamadas sondagens de terreno estão hoje para a engenharia na mesma proporção que os exames clínicos preliminares apresentam-se para a medicina. Da mesma forma que um médico não opera o paciente sem examiná-lo, não deve haver obra sem sondagem”, compara.
  • 28.  “As chamadas sondagens de terreno estão hoje para a engenharia na mesma proporção que os exames clínicos preliminares apresentam-se para a medicina. Da mesma forma que um médico não opera o paciente sem examiná-lo, não deve haver obra sem sondagem”, compara.
  • 29.  O professor lembra que a relação custo- benefício da análise do solo é alta, pois a falta desta etapa em um processo de construção aumenta o nível de instabilidade da obra. “Deve-se realizar os furos de sondagem na proporção de um furo para cada 200 m² de área de projeção para que se avalie corretamente a estabilidade das escavações”, resume.
  • 30.
  • 31.  Trata se de um estudo muito importante pois se inicia a obra com a documentação fundamental e básica para desenvolver uma obra sem surpresas, com a segurança de ter projetado o sistema fundação justo e conveniente, baseado na experiência dos engenheiros especialistas de solos. - Porque de acordo as características de resistência e deformação de solos analisados se determinam os tipos de fundações tecnicamente possíveis, elegendo a mais econômica e simples para a obra em questão
  • 32.  Esse tipo de estudo deve ser feito imprescindivelmente em obras de médio a grande porte, tais como:  Casas ou prédios a partir de dois pavimentos  Estradas  Barragens  Ferrovias etc..
  • 33.  Através dos estudos podemos conhecer o tipo de solo e suas respectivas camadas, a presença , vestígio de água ou umidade entre outros.  Os três tipos principais de solo são:  Areia  Argila  Silte
  • 34.  São aqueles em que a areia predomina. Esta compõe-se de grãos grossos, médios e finos, mas todos visíveis a olho nu. Como característica principal a areia não tem coesão, ou seja, os seus grãos são facilmente separáveis uns dos outros.
  • 35.
  • 36.  Note-se que esta é uma situação clássica, e acontece diariamente na cidade de Santos, SP, onde são muito conhecidos os prédios inclinados na beira da praia. Estes foram feitos com fundação superficial que afundou quando mais e mais construções surgiram ao lado pois estas, além de aumentarem as cargas no solo, ajudaram a abaixar o nível do lençol freático que, por sua vez, já vinha diminuindo devido à crescente pavimentação das ruas.
  • 37.
  • 38.  O terreno argiloso caracteriza-se pelos grãos microscópicos, de cores vivas e de grande impermeabilidade. Como consequência do tamanho dos grãos, as argilas: • São fáceis de serem moldadas com água; • Têm dificuldade de desagregação. • Formam barro plástico e viscoso quando úmido. • Permitem taludes com ângulos praticamente na vertical. É possível achar terrenos argilosos cortados assim onde as marcas das máquinas que fizeram o talude duraram dezenas de anos.
  • 39.
  • 40.  O Silte está entre a areia e a argila e é o “primo pobre” destes dois materiais nobres. É um pó como a argila, mas não tem coesão apreciável. Também não tem plasticidade digna de nota quando molhado. Estradas feitas com solo siltoso formam barro na época de chuva e muito pó quando na seca. Cortes feitos em terreno siltoso não têm estabilidade prolongada, sendo vítima fácil da erosão e da desagregação natural precisando de mais manutenção e cuidados para se manter.
  • 41.
  • 42.  O reconhecimento do tipo de solo pode ser complicado. Em geral, os solos estão misturados, é difícil achar um solo que seja 100% argila ou 100% areia. Por isto, usa-se denominações como “argila silto-arenosa”, “silte argiloso”, “areia argilosa” e similares. A determinação do tipo de solo é fundamental para a construção civil, em especial para o cálculo da movimentação de terra e para a escolha das fundações.
  • 43.  O solo ao sofrer solicitações se deforma, modificando o seu volume e forma iniciais. A magnitude das deformações apresentadas pelo solo irá depender de suas propriedades elásticas e plásticas e do carregamento a ele imposto. O conhecimento das tensões atuantes em um maciço de terra, sejam elas devido ao peso próprio ou provenientes de um carregamento em superfície (alívio de cargas provocado por escavações) é de vital importância no entendimento do comportamento de praticamente todas as obras de Engenharia geotécnica. Nos solos ocorrem tensões devidas ao seu peso próprio e a carregamentos externos
  • 44.  Para obtermos as tensões em um determinado tipo de solo desconsiderando as tensões de cisalhamento, para um solo com camadas horizontais, utilizamos a seguinte fórmula.  Onde  Sigma = Tensão Total vertical  Gama = Tensão exercida pelo solo  Z = Cota Vertical
  • 45. 1 Com base nas informações acima, calcule a tensão Total exercida pelo solo abaixo
  • 46.
  • 47.  Os poços de inspeção são executados em terrenos que permitam a sua escavação, sem escoramento, atingindo usualmente até 2,00 m a 3,00 m de profundidade. Objetivo Conhecer o perfil do terreno , grau de compactação das camadas e coletas de amostras deformadas e indeformadas
  • 48.
  • 49.  São Valas longas com profundidade máxima de 2 metros, para uma investigação linear das primeiras camadas do terreno, em situações específicas.
  • 50.  A sondagem a trado é feita manualmente, tem por objetivo coletar amostras deformadas para a execução de ensaios de laboratório, determinar o perfil estratigráfico do solo em pequenas profundidades, sem a obtenção dos índices de resistências, e observação nível do lençol freático. No Brasil possui metodologia normatizada pela NBR- 9603/86 - "
  • 51.  Para a execução da sondagem utiliza-se o equipamento denominado como trado, podendo ele ser no formato cavadeira e Helicoidal, ponteira constituída por peça de aço.  A sondagem deve ser iniciada com o trado cavadeira, utilizando a ponteira para desagregação de terrenos duros e compactos, sempre que necessário. Quando o avanço do trado cavadeira se tornar difícil, deve ser utilizado o trado helicoidal.
  • 52.  As amostras são coletadas a cada metro, sendo que, quando ocorrer mudança de material no mesmo metro deve ser separado as amostras identificando de acordo com a profundidade de cada uma. Amostras com finalidades especificas para obtenção de umidade natural, são acondicionada em recipientes com tampa hermética, parafinada ou selada com fita adesiva, para manter as propriedades de origem do material
  • 53.  As demais amostras são acondicionas em sacos de lona ou plásticos devidamente identificados e encaminhados ao laboratório de solos. Ao se atingir o nível do lençol freático, é interrompida a perfuração, anota- se a profundidade e passa-se a observar o mesmo, efetuando-se leituras a cada 5 minutos, durante 30 minutos. O nível também é anotado após 24hs da conclusão do furo.
  • 54.
  • 55.  Também conhecido como sondagem à percussão ou sondagem de simples reconhecimento, é um processo de exploração e reconhecimento do subsolo, largamente utilizado na engenharia civil para se obter subsídios que irão definir o tipo e o dimensionamento das fundações que servirão de base para umaedificação.
  • 56.  O ensaio consiste na cravação vertical no solo, de um cilindro amostrador padrão, através de golpes de um martelo com massa padronizada de 65 kg, solto em queda livre de uma altura de 75 cm. São anotados os números de golpes necessários à cravação do amostrador em três trechos consecutivos de 15 cm sendo que o valor da resistência à penetração (NSPT) consiste no número de golpes aplicados na cravação dos 30 cm finais. Após a realização de cada ensaio, o amostrador é retirado do furo e a amostra é coletada, para posterior classificação
  • 57.
  • 58.  A sondagem rotativa é o método mais utilizado na exploração mineral, na definição de jazidas, necessária em praticamente todas as obras de grande porte. Conhecida como sondagem mista quando executada junto com SPT, o equipamento avança em solos alterados e rochas, obtendo diretamente as amostras (testemunhos), exatamente sobre a rocha a ser explorada proporcionando oportunidade para uma série de ensaios mineralógicos, petrofísicos, petroquímicos, etc.
  • 59.  O obstáculo encontrado é perfurado por meio de um amostrador (barrilete) com uma broca rotativa acoplada na extremidade de uma haste oca. As brocas são estruturas metálicas muito resistentes, constituídas em aço nas quais estão incrustados pequenos diamantes industriais ou pedra de vídia. As brocas são escolhidas em função da dureza da rocha a perfurar, e do diâmetro do furo que se pretende abrir.
  • 60.  O movimento rotativo é produzido por um motor (elétrico ou a combustão) transmitindo torque à broca por meio de uma combinação de redutor e hastes protegidas por uma sequência de tubos de aço (revestimento); à medida que a perfuração vai avançando, mais hastes e revestimentos vão sendo adicionados ao conjunto por enroscamento
  • 61.
  • 62.  Objetivo Conhecer a natureza das camadas do solo sobre o embasamento rochoso. Natureza estado de Sanidade e aspectos estruturais Contato entre diferentes tipos de rochas Presença de água subterrânea Presença de espaços Vazios nas rochas etc..
  • 63.  Técnica indireta que está baseada na propagação de ondas mecânicas em subsuperfícies, capaz de identificar diferentes estratos através da diferença de velocidade, por meio de um abalo produzido artificialmente. Ver ilustração na página 46 apostila.
  • 64.
  • 65. Caracterização Geológica para conhecimento das diversas litologias que compõem a estrutura do solo, topo rochoso e perfil geológico de certa região, que inclui área e profundidade; Mapeamento pré-implantação de Leito de Anoto para busca de áreas de resistividade ideal de solo para aplicações específicas;  Estudo para Perfuração de Poços – Localização de melhor local para perfuração.
  • 66.  A partir de injeções de corrente elétrica artificial em pontos da área investigada (por eletrodos metálicos), realiza-se a determinação da resistividade elétrica aparente dos materiais em pontos da subsuperfície (pela resposta elétrica das diferentes camadas).
  • 67.
  • 68.  É de suma importância que haja uma boa observação das normas e serviços em relação a execução de obras em solo, tendo em vista o comportamento físico do mesmo, que poderá até mesmo inviabilizar a execução de uma determinada obra. E um dos principais pontos que também devem ser observados e a compactação do solo.
  • 69.  A compactação é um método de estabilização e melhoria do solo através de processo manual ou mecânico, visando reduzir o volume de vazios do solo. A compactação tem em vista estes dois aspectos: aumentar a intimidade de contato entre os grãos e tornar o aterro mais homogêneo melhorando as suas características de resistência, deformabilidade e permeabilidade
  • 70.  1 Qual os possíveis ganhos com a compactação do solo?  2 Quais as vantagens de se fazer uma sondagem do solo?  3 Descreva Sucintamente, como é feita a compactação dos solos?  4 O que é recalque? E quais suas possíveis causas?
  • 71.  http://sondagensoeste.pt/geot.php  http://www.brasfond.com.br/fundacoes/mso lo.html  http://www.fugroinsitu.com.br/servicos.php?i d=5  http://www.apostilasgratuitas.info/construca o/76-casa-eletrica-hidraulica-etc/297- compactacao-dos-solos