Um grande pesquisador há anos tinha o sonho
de comprovar a existência de uma planta
muito rara, cuja flor, segundo uma civ...
Essa flor só poderia ser encontrada em
latitude e longitude, ou seja, em um local
também muito específico. Mesmo
conhecend...
Após vários anos de pesquisa, o cientista acreditou
que, finalmente, tinha todas as informações necessárias
e, portanto, a...
Até que depararam com um abismo.
Depois de tanto caminhar, acreditando
que estavam muito perto, aparecia
aquele abismo. Nã...
Nesse retorno foram surpreendidos por um nativo, que depois souberam, há muito
os vinha seguindo. Pararam então e puseram-...
Puseram-se a caminhar. Passaram por um vale cortado por um riacho de águas cristalinas,
onde puderam matar a sede e se ref...
Por volta da meia-noite, puderam ver a flor mais linda que jamais haviam
visto e ficaram maravilhados com o brilho de suas...
O cientista, percebendo a inquietação do companheiro o cientista disse:
- Sinto agora um grande vazio. Meu sonho, agora qu...
ATIVIDADE ADAPTADA A EDUCAÇÃO AMBIENTAL
Agora, com os materiais disponíveis, desenhe uma árvore, aquela que melhor
puder r...
Parábola a flor e o sonho de João Henrique Ribeiro dos Santos
Parábola a flor e o sonho de João Henrique Ribeiro dos Santos
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Parábola a flor e o sonho de João Henrique Ribeiro dos Santos

1.593 visualizações

Publicada em

2 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.593
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
18
Comentários
2
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Parábola a flor e o sonho de João Henrique Ribeiro dos Santos

  1. 1. Um grande pesquisador há anos tinha o sonho de comprovar a existência de uma planta muito rara, cuja flor, segundo uma civilização muito antiga e já desaparecida, possuía alguns poderes mágicos. A flor só desabrochava em condições muito especiais: solo com nutrientes específico; umidade abundante, porem não demasiada; exposição equilibrada aos raios solares equilibrada pois não poderia desabrochar se fosse permanentemente exposta ao sol ou totalmente encoberta pelas sombras.
  2. 2. Essa flor só poderia ser encontrada em latitude e longitude, ou seja, em um local também muito específico. Mesmo conhecendo tudo isso era semelhante a outras espécies. Somente sua flor, de raríssima beleza, poderia distingui-la das demais plantas. Entretanto a flor aparecia de forma imprevisível. Os antigos acreditavam que o desabrochar daquela flor estava relacionado a condições muito especiais, à conjugação de alguns astros. Nessas condições, a beleza dessa flor era tão grande que seria praticamente impossível não reconhecê-la em meio às demais. Acreditavam que suas pétalas cintilavam como diamantes na escuridão.
  3. 3. Após vários anos de pesquisa, o cientista acreditou que, finalmente, tinha todas as informações necessárias e, portanto, a condição de identificar o local para encontrar a tão cobiçada flor. Angariou fundos para financiar uma expedição, adquiriu equipamentos sofisticados e contratou um especialista em florestas tropicais para lhe servir de guia. Após vários dias de marcha por uma densa vegetação, identificaram uma trilha, ao que parecia, muito antiga. Seguiram- na então e depararam com diversas ameaças e perigos. As dificuldades eram muitas e os obstáculos que se interpunham entre eles e seu objetivo tornavam-se cada vez mais desafiadores. Mas a cada obstáculo "intransponível", sua superação proporcionava a renovação das forças e dos ânimos. Isso os fazia prosseguir na jornada.
  4. 4. Até que depararam com um abismo. Depois de tanto caminhar, acreditando que estavam muito perto, aparecia aquele abismo. Não podiam aceitar o fracasso, por isso, permaneceram um longo tempo pensando em alternativas para superar aquele derradeiro obstáculo. Por fim, deram-se por vencidos, e abatidos, puseram-se a fazer o caminho de volta.
  5. 5. Nesse retorno foram surpreendidos por um nativo, que depois souberam, há muito os vinha seguindo. Pararam então e puseram-se a conversar. Fizeram juntos uma refeição e o professor quis saber sobre a lenda da flor mágica. De início o nativo quis despistar, dizendo que era uma estória muito antiga e que os homens civilizados jamais acreditaram nela. Mas o cientista insistiu, dizendo acreditaria em suas palavras pois, era um sonho muito antigo, de sua juventude, encontrar aquela flor rara. O nativo, então, decidiu colaborar. Disse então que conhecia um outro caminho para o outro lado do abismo e que os levaria até lá, com a condição que não levassem, que não arrancassem nenhuma muda da planta.
  6. 6. Puseram-se a caminhar. Passaram por um vale cortado por um riacho de águas cristalinas, onde puderam matar a sede e se refrescar, depois percorreram um terreno alagadiço onde afundaram, o que os fez temer por não ter um solo firme sob seus pés. Até que chegaram a um penhasco muito alto, que tiveram que escalar. Chegando ao topo, depararam-se com uma vegetação densa e com muitos espinhos. Ao entrarem na mata puderam avistar alguns arbustos que se destacavam dos outros pela exuberância de suas folhas e riqueza de suas cores. . O nativo apontou-os dizendo estar ali o objetivo de nossa expedição. Os três homens acamparam então e começaram a se preparar porque, naquela noite, sob a luz da lua cheia, uma única flor de um único arbusto iria se abrir
  7. 7. Por volta da meia-noite, puderam ver a flor mais linda que jamais haviam visto e ficaram maravilhados com o brilho de suas pétalas ao refletirem a luz do luar. Quando o guia pegou os equipamento para registrar aquele espetáculo e revelá-lo ao mundo o cientista fez sinal para que não o fizesse. Sem entender o porquê, o guia permanecia calado. Durante anos o cientista acalentou o sonho de mostrar ao mundo aquela planta e provar seu valor ao meio acadêmico e agora, diante de seu triunfo, permanecia ali, calado e imóvel ?
  8. 8. O cientista, percebendo a inquietação do companheiro o cientista disse: - Sinto agora um grande vazio. Meu sonho, agora que está concretizado; já não me move mais, já não é importante. Ao mesmo tempo em que estou feliz por tê-lo realizado, sinto-me como alguém que perdeu um companheiro de jornada. Antes não o tivesse realizado, assim ele ainda estaria comigo. O que eu preciso agora é de um novo sonho, novos desafios, algo que dê novo sentido à minha existência.
  9. 9. ATIVIDADE ADAPTADA A EDUCAÇÃO AMBIENTAL Agora, com os materiais disponíveis, desenhe uma árvore, aquela que melhor puder retratar sua vida profissional. Você tem 10 minutos para fazê-lo. Passo a passo, escreva ao lado de cada parte da árvore suas reflexões sobre os seguintes itens: •RAÍZES: Refletem suas atitudes em relação ao meio ambiente (como lido com a vida?) •SOLO:Refletem suas atitudes em relação ao ambiente (como lido com o ambiente geral que me cerca?) •TRONCO: Demonstram suas atitudes em relação ao trabalho de conscientização que você realiza (o que tenho feito para conscientizar as pessoas sobre a preservação do meio ambiente?O que pretendo fazer?) •RAMOS / COPA: Demonstram seus conhecimentos, capacidades desenvolvidas, habilidades, competências adquiridas para o desenvolvimento da sua vida em sociedade e para auxiliar na construção de um ambiente mais saudável para todos.

×