O mundo e a filosofia

14.362 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
14.362
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
94
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O mundo e a filosofia

  1. 1. A partir do momento em que o homem passou a questionar o por quê de sua existência e do mundo, este já estava caminhando para o filosofar. Filosofar é pensar sobre o que nos acontece, sobre o sentido do que nos acontece ou sobre o significado da vida humana ou da vida biológica como tal. Diz-se assim que se tem uma “filosofia de vida”. Mas este significado do termo certamente é muito amplo e vago. Até mesmo pensar não é a mesma coisa para todos. Desde a Pré-História, o mundo já provocava espanto e admiração nos homens, enchendo-os de curiosidade e dúvidas que, com já sabemos, seria os responsáveis pelo surgimento dosmitos e da Filosofia. De lá para cá, o mundo continuou girando, cheio de mistério a serem desvendados. Abusca por explicações levou a descobertas incríveis. Hoje, sabemos, por exemplo, que nossoplaneta é azul, composta principalmente de água, que há bilhões de anos flutua no espaço,girando sem derramar-se. Os encantos do mundo não param aí. Além da infinidade de paisagens que a naturezaconstrói em nosso planeta, existem outros detalhes mágicos: o tempo, o movimento da terra,o dia e a noite, as estações do ano, os seres vivos, os astros que giram em torno do nossoplaneta. Esse mundo é uma nave, que conduz viajantes pelo espaço. Certamente, nenhumdos foguetes e satélites que criamos para desvendar os segredos do universo é tãointeressante e complexo quanto ele. Questionamento para discussão - O que sabemos e o que não desejamos saber sobre o mundo? - O que podemos e o que não podemos saber sobre o mundo? - Como percebemos o nosso planeta? - Que ligação temos com ele? - Que relação existe entre o mundo e a vida? - O que você entende pela palavra mundo? Quando se fala em instrumentos para conhecer o mundo, hoje, provavelmente aspessoas imaginem máquinas fantásticas (formadas por estruturas metálicas, cheias de lentes,fios e até chips) sob o controle de complexos computadores. Muito antes de criá-las, porém, o ser humano já contava com o cérebro e os órgãos dossentidos nas investigações a respeito do mundo. Mesmo com as novas ferramentastecnológicas, eles tecnológicas, eles continuam desempenhando importante papel nainterpretação das descobertas dos pesquisadores sobre a realidade que nos cerca. Esse tipo de investigação tem momentos: a experiência e o raciocínio. Experiência: um modo de conhecer e transformar o mundo Experimentamos o mundo de diferentes maneiras: audição, visão, olfato, tato e paladar. Em cada uma delas, temos sensações diferentes. Por sua vez essas sensações podemdespertar sentimentos (alegria, medo, raiva...) e até pensamentos. É assim que conhecemos
  2. 2. o mundo. De certo modo, experimentar também é participar do mundo, do jeito que ele é. Aexperiência sobre o mundo também pode ajudar na criação de coisas novas, que otransformam. As experiências que vivemos nos estimulam a desvendar o mundo em que estamos.Como nós também somos parte desse mundo, sempre há coisas que nos escapam. Assim como as experiências vividas pelas pessoas dependem de fatores diversos,também a maneira de interpretar e avaliar uma experiência pode ser influenciada por:  Experiências anteriores;  Condições físicas;  Valores;  Educação;  Modo de pensar. Questões para discussão - Realizar várias experiências diferentes ajuda a eliminar o engano dos sentidos? Explique sua resposta. - A experiência ajuda no conhecimento? Explique sua resposta. - É importante pensar sobre as experiências que vivemos? Por quê? - A mesma experiência pode trazer sensações diferentes para pessoas diferentes? Explique. - A mesma experiência pode ter significado diferentes para pessoas diferentes? Explique e dê exemplos. É com vocêFormule, com suas palavras, o conceito de experiência. O MITO DA CAVERNA de Platão Platão imaginou um caminho que passava entre uma caverna e uma montanha. Havia uma muro ao longo do caminho, uma fogueira sobre a montanha e uma grupo de prisioneiros na caverna. Cada um deles estava de costa para a entrada e tinha correntes nas mãos, nos pés e no pescoço. Sempre que alguém passava atrás do muro, trazendo objetos sobre a cabeça, a luz da fogueira refletia a sombra desse objeto e os prisioneirospodiam vê-la na pare de do fundo da caverna. Lá dentro, a ausência de luz e o eco provocadopelos sons faziam com que tivesses dificuldade para ver e compreender uns aos outros. Como passa do tempo, alguns se especializaram em interpretar as sombras e prever suassequências. Devido a essa habilidade foram considerados os mais sábios. Certo dia, um dos prisioneiros foi liberto das correntes e arrastado para a entrada dacaverna, onde lhe mostraram alguns dos objetos que provocavam as sombras maisconhecidas. Sem poder compreendê-los, sentindo muito medo e com os olhos irritados peloprimeiro contato com a luz, prisioneiro foi arrastado para o lado de fora. Tanto luminosidade odeixou cego por algum tempo. Gradualmente, foi acostumando-se a ela e passou a enxergar
  3. 3. as sombras quando olhava para o chão. Também viu reflexos na água, depois encarou a lua eas estrelas durante a noite, até que conseguiu olhar diretamente para o sol. Encantado comas luzes, cores, formas, sons, texturas e sabores do mundo que acabava de conhecer, oantigo prisioneiro lembrou-se dos amigos e decidiu ajudá-los a chegar onde havia chegado. Quando voltou à caverna, porém, já desacostumado à escuridão, passou por novomomento de cegueira. Contou aos outros tudo o que havia lá fora, mas eles não acreditaram.Os sábios da caverna, tendo medo de perder seu lugar, disseram a todos que o prisioneiroliberto estava louco. Seus olhos nem eram capazes de enxergar a realidade que conheciam e,portanto, jamais poderiam enxergar nada maior e mais complexo como ele afirmava.Convenceram o grupo de que sair da caverna era perigoso e de que o prisioneiro liberto nãodeveria permanecer entre eles e acabam por matá-lo. A busca de um conhecimento cada vez mais amplo pede ousadia, curiosidade ecoragem para repensar constantemente o que já se conhece, corrigindo enganos eacrescentando novos detalhes. Admitir que não sabemos tudo e cometemos enganos podeser uma experiência difícil, gerando angústia e insegurança. Más é um desafio necessáriopara chegar a novas descobertas sobre coisas que pensamos já conhecer muito bem. Algumas pessoas têm medo de ampliar os conhecimentos, porque todos somos maisresponsáveis pelos nossos atos quando conhecemos mais. Há também aqueles que usam oque sabem para dominar os outros, assim como faziam os sábios das cavernas. O problema éque nem sempre elas sabem tanto quanto imaginam. Os prisioneiros do mito de Platão, porexemplo, acreditavam saber muito sobre a realidade, mas se enganavam ao concluir que elanão ia além das sombras. Pensar que se conhece tudo é uma ilusão comum. E seria possívelalguém conhecer tudo? Essa é uma questão difícil de responder. As coisas mudam constantemente e, alémdisso, cada um de nós tem o próprio modo de perceber o mundo, contribuindo para aexistência de vários tipos de conhecimento: técnico, científicos, filosóficos, artísticos e outros. Nem todos se interessam pelos mesmos assuntos e alguns são mais preocupados queoutros em ampliar e corrigir seus conhecimentos. Adquirir novos conhecimentos pode ser algomuito prazeroso e útil à vida. Quanto mais conhecemos maiores são as chances até deencontrar novas formas de diversão e realizar melhor o trabalho. O filósofo sabe disso e avaliacom cuidado o conhecimento que possui, esforçando-se para corrigir enganos cada vez mais. Nem todas essas atitudes são bem vistas. Assim como aconteceu com os prisioneirosque saiu da caverna, muitos acham que a busca sem fim pelo conhecimento é uma loucura.Existem ainda os sentimentos do medo e fracasso quando tentamos adquirir conhecimentosmais complexos. Questões para discussão - O que podemos e o que não podemos conhecer? - O que atrapalha o conhecimento? - Como avaliar o conhecimento que temos? - Todo conhecimento muda? - Quais as consequências de não buscar novos conhecimentos? E as de não repensaros antigos? - Quando podemos confiar no conhecimento? Reflexão sobre o texto “Mito da Caverna”1) Na sua opinião , o que a caverna simboliza? Nos dias de hoje o que poderíamos chamar decaverna?2) Na sua opinião, o que a luz do sol simboliza?
  4. 4. 3) As informações que recebemos pela televisão ou pela Internet são plenamente confiáveis?Será que elas não podem nos deixar mais alienados?4) De que forma nós podemos nos libertar da nossa caverna da alienação?5) O que você faria se fosse o prisioneiro da caverna que conseguiu se libertar? E o que fariase fosse o prisioneiro que não conseguiu se libertar? É com vocêReescreva o mito da caverna, inventando um novo final para ele. Pessoas comuns, cientistas, religiosos, poetas e filósofos, cada um tem uma hipótese para responder à grande questão que há século, envolve a humanidade: qual é a origem do mundo? Essas respostas, entretanto, não são consideradas verdades definitivas e sim, teorias, ou seja, hipóteses razoáveis, mas não totalmente comprovada. Assim, a pergunta permanece bastante filosófica, porque faz pensar, levanta opiniões diferentes e exige argumentos para sustentá-las diante de outras opiniões. Conheça algumas explicações para respondê-la. Explicação mitológica Um mito indiano do século VII a.C. conta que o universo foi criado sob a forma de umhomem que, por viver solitário, dividiu-se em suas partes: uma masculina e outra feminina. Daunião dessas duas partes surgiram os seres humanos. Continuando a construção do mundo,os sois seres humanos originais transformaram-se num casal de animais que gerou todas asformas animais existentes no planeta terra. Explicação religiosa No princípio Deus criou os céus e a terra. Disse Deus: “Haja Luz!”. E a luz apareceu.Deus chamou a luz de “dia” e a escuridão de “noite”. E assim foi o primeiro dia da Criação. Deus fez uma separação entre as águas. A parte de cima chamou “céu” (onde ficam asnuvens e a chuva). A parte de baixo, “mar”. Este foi o segundo dia da Criação. Deus ordenou: “Ajuntem-se as águas num só lugar e apareça a terra seca”. E quando aterra apareceu, Deus ordenou a ela: “Terra, produza plantas e árvores!”. E foi assim o terceirodia da Criação. Deus criou os astros. A luz maior, chamou de “Sol”, que clareia o dia. A luz menor, quechamou de “Lua”, para clarear a noite. E fez também as estrelas para poder assim marcardias, anos e as estações. E assim foi o quarto dia da Criação. Disse Deus: ”Que existam nas águas seres vivente!”. E naquele instante passaram aexistir os peixes e outras criaturas marinhas. Criou pela sua palavra também as aves. A assimfoi o quinto dia da Criação. A terra Deus também povoou de animais de várias espécies. Criou répteis, animaisdomésticos e selvagens, cada um segundo a sua espécie. Depois, Deus, com suas própriasmãos, pegou o barro e formou o homem parecido com ele e deu-lhe a vida. Esse foi o sextodia da Criação. Deus olhou tudo o que fez, viu que era bom e bonito. Assim, bem satisfeito, no sétimodia Ele descansou.
  5. 5. Explicação científica A origem do Universo é como um enorme quebra-cabeça. Os cientistas juntam umapeça aqui, outra ali, e assim vão montando uma teoria para explicar como começou oUniverso. Para os cientistas, tudo o que existe no Universo veio de uma bolha que, há cercade 10 ou 20 bilhões de anos, surgiu num tipo de “sopa” muito, muito quente e começou acrescer e se expandir, originando tudo o que conhecemos. É a teoria do Big-Bang. Mascertamente absoluta disso eles ainda não têm. A teoria do Big-Bang é só uma das teoriaspara explicar a origem do Universo. Eles dizem também que a Terra não tinha água líquida quando se formou. Foramnecessários milhões de anos para que se resfriasse. Isso permitiu a formação dos rios eoceanos, nos quais os cientistas acreditam que surgiram as primeiras formas de vida. E, apartir delas, vieram os bichos, as plantas e o homem. O que você pensa sobre essas explicações? Você conhece outra? Critério par escolha de uma hipótese A teoria do Big-Bang é apenas uma das hipóteses levantadas pela ciência a respeitoda origem do mundo – existem outras teorias religiosas e milhares de mitos diferentes, cadaum explicando esse fato a seu modo. Há, também, diversos critérios utilizados para comprovar cada uma dessas teorias,com dificuldades específicas. Veja alguns exemplos. Pessoas Critério Exemplo DificuldadeCientista Realiza observações e Pode observar Nenhum cientista experiências para explosões no espaço ou vive bilhões de anos demonstrar a transformações na Terra para ver o resultado possibilidade de sua ao longo dos anos. das explosões e as teoria estar correta. transformações que um planeta pode sofrer.Pessoa religiosa Tem fé nos princípios Os cristãos aceitam a Pessoas de crenças de sua doutrina. teoria bíblica; as hindus religiosas diferentes têm outras explicações, acreditam em teorias envolvendo suas distintas. próprias divindades.Pessoa que crê Considera a Os indígenas aceitam as Tribos diferentes temem mitos autoridade de quem explicações que o pajé explicações conta o mito. ouviu de seus diferentes. ancestrais. É possível usar mais de um critério? Entre os filósofos, ao logo da história, houve os que questionaram os mitos, os quebuscaram argumentos para defender teorias religiosas e os que tiveram idéias novas. Assim,contribuíram para o surgimento de reflexões e pesquisas, principalmente as científicas, sobrea origem do mundo. Nem sempre os filósofos concordavam. Enquanto alguns diziam, por exemplo, que omundo surgiu do nada, outros achavam isso loucura. Enquanto uns diziam que o mundosempre existiu, outros respondiam que isso seria impossível, pois tudo tem um começo, eassim por diante.
  6. 6. É claro que tantas opiniões diferentes podem gerar confusão, mas, num assunto difícilcomo esse, todas as hipóteses devem ser consideradas. Afinal, nenhum de nós estava lá, noprimeiro instante do mundo. A origem do mundo é, de certo modo, a nossa própria origem. Questões para discussão - É possível que uma ou mais teoria já criadas para explicar a origem do mundoestejam correta? Explique sua resposta. - É possível comprovar uma teoria sobre a origem do mundo? Por quê? - Que critérios podemos usar para avaliar o valor de uma teoria sobre a origem domundo? Justifique sua resposta. - É possível que o mundo sempre tenha existido? Explique. - É possível descobrir a verdade sobre a origem do mundo? Por quê?

×