SlideShare uma empresa Scribd logo
Motor
Motor D13C
Esta descrição pode diferir dependendo das diferentes necessidades de mercado.
O motor D13C é um desenvolvimento adicional do motor D13A de 13 litros que foi introduzido durante 2009. O motor
tem seis cilindros retos, motor a diesel com injeção direta, com turbocompressor, arrefecedor intermediário e Módulo
de Controle do Motor (ECM). O motor estará disponível em cinco variantes de saída de potência: 380 hp, 420 hp, 460
hp, 500 hp e 540 hp.
O modelo de motor D13C satisfaz as exigências de emissão Euro 5 e está de acordo com a norma EEV (Enhanced
Environmental friendly Vehicle- Veículo Ecológico Avançado) para as potências de saída de 420 hp, 460 hp e 500 hp.
A norma EEV foi introduzida devido às exigências de determinados mercados em que os níveis de emissão fossem
menores que a Euro 5. A norma EEV tem exigências mais rigorosas para particulados e fumaça do que a Euro 5.
As principais mudanças no D13C comparado com o D13A são:
Controle variável da válvula de escape usando a chamada borboleta ao invés de um regulador AT.
Alojamento do filtro de óleo modificado com válvulas controladas eletricamente.
Nova bomba de líquido de arrefecimento de dois estágios controlada eletricamente.
Olhal de elevação fixado permanentemente na extremidade dianteira do motor.
Adaptação do novo sistema elétrico.
TREINATEC - Qualificação Profissional
Motor FH D13C 1
"Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
Além disso, o D13C foi fabricado baseado no conceito básico com engrenagens da distribuição na parte traseira,
cabeçote único, árvore de comando de válvulas suspensa, unidades injetoras e freio motor dos tipos EPG, VEB, ou
VEB+.
O primeiro cilindro deste motor está localizado próximo ao amortecedor do eixo da manivela.
A designação completa do motor (D13C460) significa:
D = Diesel
13 = Volume do cilindro em litros
C = Geração
460 = Variante (potência de saída em cavalo-vapor)
Identificação do motor
Para a identificação das diferentes variantes de motor, há duas etiquetas (1 e 2) fixadas no lado esquerdo da tampa
das válvulas. Os dados do sistema de controle do motor (incluindo o número da peça) são também gravados em uma
etiqueta (3) na parte traseira da unidade de controle. O número de série do motor (4) está gravado perto da parte
superior do bloco de cilindros, no lado esquerdo, enquanto que a data de fundição do bloco do motor e outros dados
(5) estão gravados abaixo desta gravação, no mesmo lado.
A etiqueta 1 contém, entre outras informações:
TREINATEC - Qualificação Profissional
2 Motor FH D13C
"Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
Modelo do motor (por ex. D13C460)
Nível de emissão (por ex. EUV=Euro 5, EEV)
Determinados dados do motor
Tipo de freio de escape (por ex. EPG, VEB, VEB+)
A etiqueta 2 contém, entre outras informações:
Número do chassi (veículo).
Número de série do motor e seus códigos de barra
Cabeçote
O cabeçote é em ferro fundido em uma única peça, o que garante uma base estável para o mancal da árvore de
comando de válvulas suspensa.
A árvore de comando de válvulas é fabricada com sete mancais divididos horizontalmente equipados com bronzinas
substituíveis. A bronzina do mancal traseiro é também designada como um mancal axial.
A carcaça do termostato do líquido de arrefecimento é fresada diretamente no cabeçote na parte dianteira no lado
direito (1).
Cada cilindro possui canais de admissão separados em um lado do cabeçote, e canais de escape separados no outro
lado, o chamado (2).
fluxo cruzado
O canal de combustível das unidades injetoras é perfurado através do cabeçote no sentido longitudinal e tem um
rebaixo fresado no formato de anel em torno de cada unidade injetora (3).
TREINATEC - Qualificação Profissional
Motor FH D13C 3
"Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
Há um bujão (4) na parte dianteira que conduz a um canal para medir a pressão de óleo do mecanismo dos balancins.
O canal (5) conduz óleo lubrificante para a árvore de comando de válvulas e para os balancins. É um furo centralizado
no lado esquerdo do cabeçote.
As unidades injetoras são colocadas verticalmente acima do centro de cada cilindro, entre as quatro válvulas, e são
fixadas com um grampo (2). A parte inferior da unidade injetora é mantida encostada no revestimento do líquido de
arrefecimento por uma camisa de cobre, que é vazada na parte inferior e vedada por um anel "O" na parte superior. O
espaço no formato de anel em torno de cada injetor é vedado por dois anéis "O" assentados no injetor.
Para arrefecimento máximo, os espaços do líquido de arrefecimento no cabeçote são equipados com uma parede
horizontal que força a passagem do líquido de arrefecimento pelas partes inferiores e mais quentes do cabeçote.
O mecanismo de válvulas é equipado com válvulas de admissão e de escape duplas. As válvulas de escape têm
molas de válvulas duplas (1), enquanto que as válvulas de admissão têm molas simples (3). As válvulas são
conectadas em pares com os calibradores flutuantes das válvulas, o que transfere o movimento dos balancins da
árvore de comando de válvulas para os pares de válvulas. As válvulas são de um novo tipo com três ranhuras e as
pinças de válvulas combinando. O formato das pinças das válvulas permite que as válvulas girem em seus assentos.
Para uma melhor resistência ao calor e condução há mais material nos discos das válvulas de escape e as mesmas
têm um diâmetro um pouco menor do que as válvulas de admissão.
As guias de válvula são fabricadas de liga de ferro fundido e todas as válvulas têm retentores eficientes de óleo/gás
nas hastes.
As sedes de válvulas são fabricadas em aço temperado especial e são substituíveis, mas não podem ser fresadas.
Bloco de cilindros
TREINATEC - Qualificação Profissional
4 Motor FH D13C
"Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
O bloco de cilindros é fabricado em ferro fundido e em uma só peça.
O bloco contém dois canais perfurados longitudinais para o sistema de óleo de lubrificação. No lado esquerdo do
bloco está a galeria principal de óleo de lubrificação, e no lado direito está a galeria de arrefecimento dos pistões. Os
dois canais são ligados na borda dianteira do bloco por bujões equipados com os anéis "O". Na borda traseira, a
galeria de arrefecimento dos pistões é coberta pela tampa da distribuição, e a galeria principal do óleo de lubrificação
abre dentro do canal compartilhado que fornece óleo às engrenagens da distribuição do motor.
TREINATEC - Qualificação Profissional
Motor FH D13C 5
"Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
A forma abaulada do bloco em cada cilindro fornece ao bloco de motor boa rigidez torsional e boa isolação acústica.
A vista em corte vertical mostra a camisa de cilindro e a posição do revestimento de arrefecimento no bloco.
Para evitar que as capas dos mancais principais sejam instaladas incorretamente, as mesmas são guiadas para a
posição correta através das abas fundidas (1), com entalhes (2) equivalentes no bloco do motor. As capas dos
mancais principais são fabricadas em ferro nodular e são instaladas individualmente. Para evitar a instalação
TREINATEC - Qualificação Profissional
6 Motor FH D13C
"Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
incorreta, as capas são numeradas e marcadas 1, 2, 3, 5 e 6, da frente para a traseira do motor. As capas dos
mancais principais traseira e central têm formas exclusivas e não necessitam ser marcadas.
Quadro de reforço e cárter de óleo
Para reduzir as vibrações no bloco de cilindros e consequentemente reduzir o ruído do motor, há um quadro de
reforço (1) instalado por baixo do bloco. O quadro de reforço é fabricado em chapa de aço de 6 mm e parafusado na
superfície inferior do bloco (3).
O cárter de óleo padrão (2) é de plástico moldado (composto), mas para aplicações especiais há uma variante de aço
moldado.
A junta para o cárter de plástico consiste de um cordão de borracha, fabricada em uma só peça e instalada em uma
ranhura na borda superior. O cárter é preso por 22 parafusos de aço acionados por mola (4). O bujão de drenagem de
óleo (5) do cárter de plástico é parafusado em um reforço de aço substituível.
O cárter de aço é vedado na parte inferior do bloco do motor por uma junta de borracha lisa que é mantida no lugar
pelas garras de borracha. O cárter de aço é fixado pelo mesmo tipo de parafusos acionados por mola como no cárter
de plástico, mas um pouco menores.
Junta de vedação
TREINATEC - Qualificação Profissional
Motor FH D13C 7
"Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
O motor D13C tem camisas de cilindro úmidas para a transferência eficaz de calor. As camisas são vedadas contra o
bloco de cilindros por anéis de borracha. O anel superior está localizado logo abaixo do colar da camisa (1). A
superfície de vedação da camisa contra a junta do cabeçote é convexa. No motor D13C, os guias da camisa de
cilindro estão sobre o ressalto da camisa.
A vedação inferior consiste em três anéis "O" localizados nas ranhuras do bloco de cilindros (2). Estes anéis são
fabricados de diferentes compostos de borracha e são codificados por cor, para evitar a instalação incorreta. Os dois
anéis "O" (pretos) superiores são fabricados em borracha EPDM e, são portanto, resistentes ao líquido de
arrefecimento, enquanto que o inferior (violeta) é de borracha de flúor e resistente ao óleo.
A junta (3) entre o cabeçote, o bloco de cilindros e as camisas de cilindro é fabricada em aço e possui insertos de
borracha vulcanizada para vedar os canais de óleo lubrificante e de líquido de arrefecimento. Para proteger as
vedações de borracha durante a instalação do cabeçote, as mesmas têm várias áreas em relevo convexas nas quais
o cabeçote pode deslizar. Estas áreas em relevo são niveladas quando o cabeçote é apertado.
Cabeçote, guias na direção do bloco
TREINATEC - Qualificação Profissional
8 Motor FH D13C
"Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
A instalação do cabeçote não requer nenhuma ferramenta especial. Para facilitar a instalação e obter o assentamento
correto do cabeçote no bloco do motor há três arruelas guias no lado esquerdo do motor - duas no bloco do motor (1)
e uma no cabeçote (2). Estas arruelas determinam a posição lateral do cabeçote, enquanto que a tampa da
distribuição (3) determina a posição longitudinal. Desta maneira o cabeçote pode ser posicionado exatamente tanto na
lateral como longitudinalmente.
O relevo convexo na junta do cabeçote significa que o cabeçote pode ser deslocado sobre a junta sem danificar os
insertos de borracha da vedação.
Pistão, camisa de cilindro e biela
TREINATEC - Qualificação Profissional
Motor FH D13C 9
"Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
O D13C tem pistões de aço sólido forjado. Os pistões são arrefecidos a óleo. O pistão (A) tem dois anéis de
compressão e um anel raspador de óleo. O anel de compressão superior (1) tem uma seção transversal trapezoidal (
). O anel de compressão inferior (2) tem uma seção transversal retangular. O anel raspador de óleo (3)
Tipo Keystone
na parte inferior é acionado por mola.
Todos os anéis de pistão são instalados com as marcações voltadas para cima, e igualmente as marcações para cima
também é válido durante a instalação do anel raspador de óleo.
As camisas de cilindro (B) são substituíveis. São fundidas por centrifugação de liga de aço fundido. A parte interna de
cada camisa é polida no padrão cruzado (4). A fresagem final de acabamento da superfície da camisa é realizada
utilizando um método chamado de polimento de placa (5), onde as pontas mais afiadas da fresagem inicial são
removidas.
As bielas (C) são forjadas e divididas na parte inferior (a extremidade maior) por um método chamado curvatura. A
extremidade superior (extremidade menor) tem uma bucha prensada (6) para o pino do pistão, que é lubrificado
através de um canal perfurado (7). As duas partes da extremidade maior são fixadas por quatro parafusos, e cada
biela é marcada de 007 a 999 em ambas as peças (8). As bielas são marcadas para garantir que sejam
FRONT
montadas corretamente.
Árvore de comando de válvulas e mecanismo de válvulas
TREINATEC - Qualificação Profissional
10 Motor FH D13C
"Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
O D13C tem uma árvore de comando de válvulas suspensa e um sistema de quatro válvulas.
A árvore de comando de válvulas é temperada por indução e apoiada em sete mancais, onde o mancal traseiro é
também um rolamento de encosto axial. Tanto as bronzinas como os mancais são substituíveis. Entre cada colo do
mancal há quatro cames (com freios motores VEB e VEB+), ou alternativamente três cames (com freio motor EPG):
came de admissão, came de injeção, came de escape e came de freio (VEB e VEB+) (contado a partir da frente). A
árvore de comando de válvulas é acionada por engrenagem (1) nas engrenagens da distribuição. Para minimizar o
ruído e a vibração, um amortecedor hidráulico de vibração (2) é fixado na parte externa da engrenagem. Há também
marcações de regulagem ( ) no amortecedor de vibração do sensor indutivo da árvore de comando de válvulas.
dentes
A ilustração A mostra uma vista em corte do mecanismo de válvulas de um par de válvulas de escape. Há um
princípio similar para as válvulas de admissão.
Motores com VEB/VEB+ (Freio Motor Volvo) têm uma função hidráulica incorporada no balancim. Cada balancim
opera um chamado grampo flutuante de válvulas (3) que abre as válvulas. O balancim (4) é montado nos rolamentos
no eixo dos balancins (5) com uma bucha (6). O contato com a árvore de comando de válvulas é através de um rolete
(7) e com o grampo de válvulas através de uma cavidade esférica (8).
A ilustração B mostra as marcações da árvore de comando de válvulas para a regulagem básica (TDC) e para a
abertura das válvulas e regulagens do injetor. Estão marcadas na extremidade dianteira da árvore de comando de
válvulas (9), na frente do bloco do mancal dianteiro(10). As marcações variam de acordo com o tipo do freio motor
instalado no motor.
Versão EPG: TDC e os dígitos 1-6.
Projeto VEB: TDC e marcações V1-V6.
Projeto VEB +: TDC e marcações E1-E6.
TREINATEC - Qualificação Profissional
Motor FH D13C 11
"Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
Árvore de manivelas, amortecedor de vibrações, volante do motor
A árvore de manivelas é forjada a martelo e possui superfícies de mancais temperadas por indução e moldagens
vazadas. A árvore de manivelas está apoiada sobre sete mancais principais com bronzinas substituíveis (1). O mancal
principal central (B) também possui um mancal axial composto por quatro arruelas em forma de meia-lua (2).
A vedação na extremidade dianteira (A) é realizada por meio de vedadores de teflon (3) contra o flange dianteiro da
árvore de manivelas. Na parte traseira (C) encontra-se outro vedador de teflon (4) que faz a vedação contra uma
superfície retificada na engrenagem da árvore de manivelas (5). A engrenagem está fixada à árvore de manivelas com
um pino guia (6) e dois parafusos (7). Há uma ranhura no flange traseiro da árvore de manivelas para um anel "O" (8)
que forma uma vedação entre o flange e a engrenagem.
TREINATEC - Qualificação Profissional
12 Motor FH D13C
"Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
A lubrificação da árvore de manivelas é através de canais individuais no bloco do motor para cada mancal principal
(1). Os colos dos mancais principais possuem canais de lubrificação completamente perfurados (2), e de cada apoio
do mancal principal, com exceção do apoio central, há um canal perfurado (3) para o próximo mancal do excêntrico.
O amortecedor de vibrações é do tipo hidráulico e é parafusado diretamente ao flange dianteiro da árvore de
manivelas. O amortecedor também sustenta a polia para a correia em V que aciona o compressor do ar condicionado
(AC) e o alternador. No alojamento do amortecedor (4) há um peso de inércia sob a forma de um anel em ferro
fundido (5) que pode girar livremente sobre as buchas (6). O espaço entre o peso de inércia e o alojamento é
preenchido com óleo de silicone de alta viscosidade. À medida que a árvore de manivelas gira, pulsos de torção são
gerados na mesma pelos cursos de potência dos pistões. O óleo de silicone de alta viscosidade suaviza os
movimentos entre a rotação pulsante da árvore de manivelas e a rotação uniforme do peso de inércia, que reduz as
tensões torsionais.
O volante do motor (7) e a engrenagem intermediária (8) estão presos ao flange traseiro da árvore de manivelas por
14 parafusos M16 (9). O volante do motor está localizado na árvore de manivelas com o mesmo pino guia (10) que a
engrenagem. Há ranhuras retificadas (12) na borda externa para o sensor indutivo da posição do volante do motor do
sistema de comando do motor. A cremalheira do volante (11) está recuada no volante do motor e pode ser substituída.
Transmissão do motor
TREINATEC - Qualificação Profissional
Motor FH D13C 13
"Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
1.
2.
3.
4.
5.
6.
7.
As engrenagens da distribuição estão localizadas na parte traseira do motor, em uma placa de aço espessa de 6 mm
(1).
A placa da distribuição é mantida no lugar por vários parafusos e vedada contra o bloco do motor e cabeçote. A nova
junta de borracha é colada em uma ranhura na placa de distribuição, por isso ela não pode ser substituída.
Há um furo na placa de distribuição que é utilizado em conjunto com as marcações na engrenagem da árvore de
comando de válvulas (A) para a instalação correta da engrenagem da árvore de comando de válvulas.
A engrenagem da árvore de comando de manivelas e as engrenagens intermediárias duplas possuem marcações de
alinhamento (B) para a sua instalação correta.
Nota! Antes de remover a placa da distribuição, instalar uma ferramenta especial, consultar as instruções de reparo.
Placa da distribuição
Engrenagem da árvore de manivelas
Engrenagem intermediária, dupla
Engrenagem da tomada de força (equipamento extra)
Engrenagem intermediária, regulável
Engrenagem da árvore de comando de válvulas
Engrenagem motora, compressor de ar
TREINATEC - Qualificação Profissional
14 Motor FH D13C
"Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
7.
8.
9.
10.
11.
Engrenagem motora, direção hidráulica e bomba de alimentação de combustível
Engrenagem intermediária, direção hidráulica e bomba de alimentação de combustível
Engrenagem motora, bomba de óleo
Amortecedor do volante do motor com para o sensor indutivo da árvore de comando de válvulas
dentes
Engrenagem intermediária da transmissão do motor
A: A engrenagem intermediária pequena que aciona o servo da direção hidráulica e a bomba de combustível é
apoiada em um rolamento de esferas de duas fileiras (1) e está presa por parafuso (2).
B: A engrenagem intermediária inferior é composta por duas engrenagens parafusadas juntas. As engrenagens são
pré-fixadas em um cubo (3) e apoiadas em dois rolamentos de rolos cônicos (4). A luva guia (5) guia a engrenagem
TREINATEC - Qualificação Profissional
Motor FH D13C 15
"Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
intermediária na placa da distribuição.
Esta engrenagem intermediária com as suas duas engrenagens, rolamentos e cubo representa conjunto completo
um
que não deve ser desmontado, mas .
substituído como uma só peça
C: A engrenagem intermediária regulável é apoiada em uma bucha (6) no cubo (7). A bucha e a arruela de encosto (8)
são lubrificadas por pressão através do canal (9), que estende-se entre o bloco de cilindros e a placa da distribuição.
O pino guia (10), na parte inferior do cubo, mantém a folga entre dentes constante entre as duas engrenagens
intermediárias. Portanto, durante a regulagem, somente a folga entre dentes da engrenagem da árvore de comando
de válvulas precisa ser regulada.
Tampas
Há duas tampas para as engrenagens da distribuiçao. A tampa superior da distribuição (A) é feita de plástico e tem
um coletor de óleo embutido para ventilação do cárter. A tampa inferior (B) é feita de alumínio fundido e é uma tampa
combinada da transmissão e do volante do motor, incluindo também pontos de fixação para as bases traseiras do
motor. A tampa do volante do motor tem duas luvas-guia que a posicionam com relação à placa de distribuição.
TREINATEC - Qualificação Profissional
16 Motor FH D13C
"Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
A tampa inferior (B) é vedada contra a placa da distribuição por um composto vedante. A vedação entre as tampas é
feita com uma tira de borracha (1) colocada em uma ranhura na tampa superior. Essa junta vem montada de fábrica
na tampa do cárter. A tampa superior da distribuição também é vedada com composto vedante na junção entre a tira
de borracha e a placa da distribuição.
Há dois furos com bujões de borracha na tampa do volante do motor. Um dos furos é para uma ferramenta de
acionamento (2) para girar o motor e, através do outro furo, é possível ler uma marcação que indica a posição do
volante do motor (3).
A tampa (C) inclui a conexão para a tomada de força acionada pelo motor.
Tomada de força acionada pelo motor
TREINATEC - Qualificação Profissional
Motor FH D13C 17
"Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
Como um equipamento extra, uma tomada de força acionada pelo motor pode ser instalada na parte traseira da
carcaça do volante do motor. A tomada de força é acionada a partir da engrenagem externa da engrenagem
intermediária inferior e os dentes da engrenagem são lubrificados através de um furo na placa da extremidade do
rolamento da engrenagem intermediária.
Diversas variantes de tomada de força estão disponíveis, tal como uma tomada de força com bomba hidráulica ou
tomada de força mecânica. A ilustração mostra uma bomba hidráulica instalada.
Se for necessário instalar uma tomada de força com torque maior do que 650 Nm (máximo 1000 Nm), é necessário
que a engrenagem da tomada de força extra, a engrenagem da árvore de manivelas e a engrenagem intermediária
dupla sejam substituídas por engrenagens com dentes de carcaças temperadas.
Sistema de óleo e lubrificação
O motor é lubrificado por pressão por uma bomba de engrenagens localizada na parte traseira e acionada pela árvore
de manivelas. Dois canais de óleo longitudinais atravessam o bloco de cilindros — o canal principal de lubrificação
(galeria de óleo) e o canal de óleo de arrefecimento dos pistões. A galeria principal de óleo vai para um canal fundido
que leva o óleo lubrificante para as engrenagens da distribuição. Um canal passante localizado centralmente no bloco
de cilindros e no cabeçote leva o óleo lubrificante até a válvula VCB/carcaça de conexão e ao eixo dos balancins
vazado que, através dos canais de óleo, lubrifica os mancais da árvore de comando de válvulas e os rolamentos dos
balancins. Através de toda a engrenagem regulável há um canal que lubrifica o acoplamento entre a engrenagem
e a (o canal não está mostrado na ilustração).
motora da tomada de força engrenagem intermediária dupla regulável
O alojamento do filtro de óleo está fixado por parafusos no lado direito do motor e possui dois filtros de fluxo total e um
TREINATEC - Qualificação Profissional
18 Motor FH D13C
"Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
1.
2.
3.
4.
5.
6.
7.
filtro bypass. O resfriador de óleo está localizado no revestimento de arrefecimento do bloco do motor no mesmo lado.
O fluxo de óleo através do motor é regulado por seis válvulas localizadas dentro do bloco de cilindros, bomba e
alojamento do filtro de óleo.
Válvula redutora
Válvula de segurança
Válvula controlada eletricamente para arrefecimento dos pistões
Válvula controlada eletricamente para o resfriador de óleo
Saída de pressão para arrefecimento dos pistões
Sensor de pressão, arrefecimento dos pistões
Válvula de alívio de pressão do filtro de fluxo total
A válvula redutora (1) está integrada na bomba de óleo e não pode ser substituída como um item separado.
Sistema de lubrificação, princípio
TREINATEC - Qualificação Profissional
Motor FH D13C 19
"Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
O óleo é extraído através de um filtro de tela (1) por um tubo de plástico (2) do cárter de óleo para a bomba de óleo
(3), que força o óleo através do tubo de pressão (4) para os canais no bloco de cilindros. O óleo passa então pelo
resfriador de óleo (5) para o alojamento do filtro (6). Depois de ser filtrado pelos dois filtros de fluxo total (7), o óleo
passa por um tubo de conexão para a galeria principal de lubrificação (8) do bloco de cilindros, para a distribuição por
todos os pontos de lubrificação e para a turbina separadora (9), nos casos onde estiver instalado o respiro fechado do
cárter (CCV-C) ou o respiro parcialmente fechado do cárter (CCV-OX). A lubrificação do mecanismo de válvulas
ocorre através de um canal perfurado até a válvula VCB (10). Nos motores EPG, a válvula VCB é substituída por uma
carcaça de conexão.
O tubo externo é utilizado para lubrificar o compressor de ar (11) e o turbocompressor (12) com o óleo que foi filtrado
pelo filtro de fluxo total (7).
O óleo finamente filtrado do filtro bypass (13) é misturado com o óleo de arrefecimento dos pistões, que é alimentado
para a galeria de arrefecimento dos pistões no bloco de cilindros. Daqui, o óleo é pulverizado dos bicos de
arrefecimento dos pistões (14) em direção às faces inferiores dos pistões.
A: Válvula redutora — mantém a pressão do óleo no nível correto.
B: Válvula de segurança — protege a bomba de óleo, filtro e resfriador de óleo contra a pressão excessiva
quando a viscosidade do óleo está alta
C: Válvula elétrica do resfriador de óleo — controla a temperatura do óleo para o valor ideal
D: Válvula de alívio de pressão do filtro de fluxo total — abre e permite que o óleo passe, desviando-se do filtro
de óleo, se este estiver obstruído
E: Válvula reguladora de arrefecimento dos pistões — controla o fluxo de óleo para o canal de arrefecimento
dos pistões
Bomba de óleo e resfriador de óleo
TREINATEC - Qualificação Profissional
20 Motor FH D13C
"Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
A bomba de óleo é uma bomba de engrenagens localizada na extremidade traseira do motor e fixada por quatro
parafusos à capa traseira do mancal principal. É acionada por uma engrenagem (1) diretamente da engrenagem da
árvore de manivelas. A bomba possui uma engrenagem helicoidal para reduzir o ruído, e os seus eixos são montados
em rolamentos diretamente na carcaça da bomba, que é fabricada em alumínio. A válvula redutora de pressão (2)
está instalada na bomba de óleo e controla a pressão no sistema de lubrificação através de um canal de óleo (3) no
mancal principal traseiro.
O sistema de sucção é dividido em duas partes e é composto por um tubo de plástico (4) com um filtro de tela no
cárter de óleo e um tubo (5) de aço ou alumínio. O tubo de plástico está parafusado ao quadro de reforço. O tubo de
metal está vedado em cada uma das extremidades por vedações de borracha e está disponível em dois
comprimentos, dependendo do tipo de cárter de óleo utilizado e da sua instalação. O tubo de pressão (6) é fabricado
em aço e fixado ao bloco de cilindros e vedado por vedações de borracha.
Um tubo de conexão do alojamento do filtro de óleo transporta o óleo para a galeria de óleo lubrificante.
TREINATEC - Qualificação Profissional
Motor FH D13C 21
"Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
O resfriador de óleo (7) é parafusado à tampa do resfriador de óleo (9) e é completamente envolvido pelo líquido de
arrefecimento devido à placa de fluxo (8).
Sistema de arrefecimento dos pistões
Aqui é mostrado o fluxo de óleo para o sistema de arrefecimento dos pistões, onde a válvula (3) estabiliza o fluxo de
óleo para o canal de arrefecimento dos pistões. A válvula (3) é controlada pelo Módulo de Controle do Motor (ECM),
que recebe os sinais do sensor de pressão (6). O bico de arrefecimento do pistão é direcionado de forma que o jato de
óleo atinja o furo de entrada na câmara de arrefecimento do pistão.
Sistema de combustível
TREINATEC - Qualificação Profissional
22 Motor FH D13C
"Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
1.
2.
3.
4.
5.
6.
7.
8.
9.
10.
O sistema de combustível D13C é controlado eletronicamente pelo Módulo de Controle do Motor (ECM). A injeção de
combustível é feita por unidades injetoras, uma para cada cilindro, em alta pressão. A alta pressão é criada
mecanicamente por meio do eixo-comando superior e dos balancins. A regulagem da quantidade de combustível e do
ponto de injeção é controlada eletronicamente através do Módulo de Controle do Motor (ECM), que recebe sinais de
vários sensores.
A ilustração mostra os componentes principais do sistema de combustível.
Filtro de tela, medidor do nível do tanque
Bomba de alimentação
Alojamento do filtro de combustível
Pré-filtro com separador de água
Válvula de sangria
Filtro de combustível
Válvulas de alívio de pressão
Unidade injetora
Canal de combustível no cabeçote
Circuito de arrefecimento da unidade de controle eletrônico do motor
O D13C está equipado com uma bomba manual localizada no alojamento do filtro de combustível.
Sistema de alimentação de combustível, princípio
TREINATEC - Qualificação Profissional
Motor FH D13C 23
"Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
O combustível é retirado por meio da bomba de alimentação (1) através de um filtro de tela (2) no inserto do tanque,
até o circuito de arrefecimento (6) que resfria a unidade de controle eletrônico do motor (16) e, em seguida, até o
alojamento do filtro de combustível (3). Lá, o combustível passa pela válvula de retenção (11) e um pré-filtro (4) com
um separador de água (13). A tarefa da válvula de retenção é evitar que o combustível retorne para o tanque quando
o motor é desligado, ou durante o bombeamento manual.
A bomba de alimentação (1) envia o combustível para o alojamento do filtro de combustível (3) e através do filtro
principal (5) até o canal longitudinal de combustível (9) no cabeçote. Este canal fornece combustível para cada
unidade injetora (8) através de uma ranhura em forma de anel ao redor de cada injetor no cabeçote. A válvula de
alívio de pressão (7) controla a pressão de alimentação de combustível para os injetores.
O combustível de retorno do canal de combustível do cabeçote (9) segue através da válvula de alívio de pressão (7)
de volta ao alojamento do filtro de combustível (3). O canal no alojamento do filtro de combustível mistura o
combustível de retorno com o combustível do tanque, que é retirado para a entrada da bomba de alimentação (lado de
sucção).
Há duas válvulas na bomba de alimentação. A válvula de segurança (14) permite que o combustível retorne para o
lado de sucção quando a pressão se torna muito alta, por exemplo, quando o filtro de combustível está obstruído. A
válvula de retenção (15) abre quando a bomba manual de combustível (12) é utilizada, para que o combustível possa
ser bombeado de maneira mais fácil, manualmente.
O alojamento do filtro de combustível (3) também possui uma válvula de sangria embutida (10). O sistema de
combustível é sangrado automaticamente quando o motor é iniciado. Qualquer ar no sistema flui, juntamente com
uma pequena quantidade de combustível, de volta para o tanque (2) através de um tubo.
Durante a troca de filtros, os cones de válvulas (18 e 19) se fecham para evitar vazamento de combustível quando o
filtro de combustível está desparafusado. A sangria de ar do filtro durante a troca de filtros é controlada pelas válvulas
TREINATEC - Qualificação Profissional
24 Motor FH D13C
"Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
(18 e 20) no alojamento do filtro e pela válvula de sangria (10).
No alojamento do filtro de combustível há um sensor de pressão de combustível (21) que mede a pressão de
alimentação depois do filtro de combustível. Um código de falha é apresentado no painel de instrumentos se a
pressão de alimentação for menor do que o valor fornecido no manual de código de falhas. A saída tampada (22) no
alojamento do filtro de combustível é utilizada para medir a pressão de alimentação com um sensor ou medidor de
pressão externo.
Há um sensor de nível (23) dentro do separador de água (13), que envia um sinal para o motorista se houver água no
sistema. A drenagem é realizada por meio de botões (24) no volante de direção. Isso abre uma válvula de drenagem
elétrica (25) via um comando da unidade de controle eletrônica do motor.
Para que o processo de drenagem seja ativado, as condições a seguir devem ser satisfeitas:
sensor de nível (3) no separador de água deve indicar nível alto de água
o motor deve estar desligado/chave de partida na posição de condução
o veículo deve estar parado
O freio de estacionamento deve estar aplicado
Se o motor for ligado durante o processo de drenagem, o processo será interrompido. Uma advertência no painel de
instrumentos permanece se o indicador estiver acima do nível de advertência.
água no combustível
Como um acessório extra, também há um aquecedor de combustível (26) que está instalado na parte inferior do
separador de água.
A bomba manual (12) está localizada no alojamento do filtro de combustível e é utilizada para bombear combustível
para frente (com o motor parado) caso o sistema de combustível tenha sido esvaziado.
Nota! A bomba manual não deve ser utilizada enquanto o motor estiver funcionando.
Sistema de combustível, componentes
TREINATEC - Qualificação Profissional
Motor FH D13C 25
"Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
Vários dos componentes do sistema de combustível são os mesmos ou semelhantes aos utilizados no motor D13A.
A: As unidades injetoras são do tipo (E3) com duas válvulas solenóides, para uma injeção mais precisa.
B: No suporte do filtro de combustível está uma bomba manual (1), que é utilizada para bombear o combustível para a
frente se o sistema foi esvaziado, e uma válvula de retenção para evitar que o combustível retorne ao tanque quando
o motor é desligado.
As conexões elétricas (2) são para o sensor de nível (3) e a válvula de drenagem (4) no separador de água (5).
O pré-filtro (6) filtra o combustível que este passe pela bomba de alimentação, isto é, ele se encontra no lado de
antes
sucção. O filtro principal (7) filtra o combustível que este passa pela bomba de alimentação, isto é, ele se
depois
encontra no lado de pressão.
C: A bomba de alimentação de combustível é do tipo de engrenagens e está montada na bomba da direção hidráulica
(8). A bomba de alimentação é acionada pela bomba da direção hidráulica através de um eixo comum (9). A vedação
entre as duas bombas utiliza um anel "O" (10) posicionado em uma ranhura no flange da bomba de direção hidráulica.
A transmissão de potência entre as bombas é através de um flange flutuante (11).
A carcaça da bomba (12) e a tampa (13) são fabricadas em ferro fundido. O eixo da engrenagem motora e a
engrenagem da bomba funcionam em rolamentos de agulhas (14 e 15 respectivamente). A válvula de segurança da
bomba (16) está localizada na carcaça da bomba e a válvula de retenção (17) na extremidade flangeada da bomba.
O combustível que vaza após o eixo motor da bomba é escoado de volta para o lado de sucção na bomba através de
um canal (18).
D: O circuito de arrefecimento no lado esquerdo do motor resfria o Módulo de Controle do Motor (ECM) usando
combustível do lado de sucção da bomba de alimentação.
E: A válvula de alívio de pressão (19) no cabeçote controla a pressão no sistema de baixa pressão, que fornece
combustível para as unidades injetoras e ao mesmo tempo as resfria. O sistema de combustível tem uma válvula de
sangria (20) localizada no suporte do filtro de combustível.
Unidades injetoras
TREINATEC - Qualificação Profissional
26 Motor FH D13C
"Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
TREINATEC - Qualificação Profissional
Motor FH D13C 27
"Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
As unidades injetoras são colocadas verticalmente no centro de cada cilindro, entre as quatro válvulas, e fixadas no
lugar com grampos (1). A parte inferior do injetor é apoiada contra o revestimento do líquido de arrefecimento pela
camisa de cobre (2) e o anel "O" (3). A câmara em forma de anel, para a alimentação de combustível (4), ao redor de
cada injetor é vedada por dois anéis "O" (5 e 6).
Uma unidade injetora é composta basicamente por três partes:
A. Seção de bombeamento
B. Seção da válvula (Atuador)
C. Seção do pulverizador
Dentro da seção da válvula estão duas válvulas solenóides — a válvula de descarga (7) e a válvula de agulha (10)
com bobinas solenóides (8 e 9 respectivamente) e molas de retorno.
Na o pistão da bomba movimenta-se para cima e o combustível do canal de combustível do
fase de enchimento
cabeçote é forçado para dentro da unidade injetora.
Na o pistão da bomba movimenta-se para baixo e o combustível é forçado de volta para o canal de
fase de descarga
combustível do cabeçote. Durante este tempo, as bobinas das válvulas solenóides não têm corrente e a válvula de
descarga está aberta, de modo que nenhuma pressão pode ser formada no canal de combustível para o pulverizador.
Na a bobina solenóide da válvula de descarga é energizada por uma corrente elétrica e
fase de formação de pressão
a válvula de descarga se fecha. Isto permite a formação de uma alta pressão no canal de combustível (13). A pressão
também aumenta na câmara (14) atrás da válvula de agulha, que afeta o êmbolo da válvula de agulha (11) e evita que
a válvula de agulha (10) abra o pino do bico injetor (12).
Quando é atingida a pressão desejada de combustível, a se inicia. A bobina da válvula solenóide de
fase de injeção
agulha recebe corrente elétrica e abre a válvula de agulha (10). Isto libera o combustível sob alta pressão para o
êmbolo da válvula de agulha e o pino do bico injetor (12) se abre. O combustível pulverizado é borrifado para fora a
uma pressão extremamente alta para dentro da câmara de combustão do motor.
A injeção de combustível é interrompida abrindo-se a válvula de descarga novamente, o que leva a pressão no pistão
(11) a cair rapidamente e o pino do bico injetor (12) se fecha.
O processo completo de injeção é controlado pelo sistema de gerenciamento do motor (ECM).
Há três marcações no conector elétrico do injetor (15) — número de peça (16), código de ajuste (17) e número de
fabricação (18). Ao trocar um ou mais injetores, a unidade de controle do motor deve ser programada com o código de
ajuste do novo injetor, pois cada injetor é único e o motor é ajustado para obter injeção de combustível ideal, bem
como o mínimo possível de emissões. O código de ajuste é programado usando a seção de programação de
parâmetros do TechTool.
Sistema de admissão e escape
Elemento de partida
TREINATEC - Qualificação Profissional
28 Motor FH D13C
"Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
Para mercados com invernos severos, há um preaquecedor elétrico (1) como um acessório opcional. Este é ativado
quando o motorista gira a chave de partida para a posição de preaquecimento e a temperatura do líquido de
arrefecimento do motor está mais baixa do que +10º C. O tempo de preaquecimento e pós-aquecimento é controlado
pela unidade de controle eletrônico do motor. Quando o elemento é ligado, o símbolo de preaquecimento é mostrado
no painel de instrumentos.
No diagrama, os tempos de conexão são mostrados em segundos em relação à temperatura do líquido de
arrefecimento do motor. A vantagem é uma partida mais fácil e menos fumaça branca do escape.
O relé de operação do elemento de preaquecimento está localizado no coletor de admissão.
Intercooler
TREINATEC - Qualificação Profissional
Motor FH D13C 29
"Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
O D13C está equipado com um intercooler ar-a-ar. O intercooler está localizado em frente ao radiador e abaixa a
temperatura do ar de entrada em aproximadamente 150°C. O ar de entrada do motor tem, portanto, a sua temperatura
reduzida o que garante uma combustão mais limpa. Isto produz pequenas quantidades de NO — o que é
x
absolutamente necessário para satisfazer as exigências de baixa emissão de escape.
A redução da temperatura do ar de entrada também aumenta a sua densidade, o que significa que mais ar entra no
motor, permitindo a injeção de uma quantidade maior de combustível. O resultado é uma potência mais alta do motor.
O intercooler também reduz as fadigas nos pistões e válvulas.
Coletor de escape e turbocompressor
TREINATEC - Qualificação Profissional
30 Motor FH D13C
"Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
O coletor de escape é fabricado em três seções de ferro fundido resistente ao calor. As juntas são do tipo deslizante
com vedações tipo luva. Entre o cabeçote e os flanges do coletor encontram-se juntas revestidas de grafite.
O turbocompressor é do formato MWE (Map Width Enhancement), o que significa que a entrada de ar está dividida
em duas áreas — uma área interna e uma área externa — conectadas por um espaço em formato de anel. Este
formato do turbocompressor garante eficiência tanto em baixas como em altas velocidades.
Válvula bypass
TREINATEC - Qualificação Profissional
Motor FH D13C 31
"Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
A válvula by-pass (1) está localizada na carcaça do turbo e tem a função de reduzir a velocidade do turbocompressor
em altas potências de saída. Se necessário, a válvula by-pass abre para que parte dos gases de escape flua para o
tubo de escape sem passar pelo rotor do turbo.
O atuador (2) regula o movimento da válvula by-pass. O atuador é controlado pelo ar comprimido através da válvula
AVU alimentada com ar comprimido do sistema pneumático do veículo. O tubo de entrada possui um sensor de
pressão que mede a pressão do ar de carga. Se a pressão do ar de carga não estiver dentro dos valores corretos, a
unidade de controle do motor transmite um sinal PWM (Modulação da Largura de Pulso) para a válvula AVU que, por
sua vez, regula o atuador.
Identificação
TREINATEC - Qualificação Profissional
32 Motor FH D13C
"Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
Há uma plaqueta (1) no turbocompressor que o identifica. O turbocompressor vem em duas versões:
com ou sem a válvula by-pass (2).
Válvula de escape (borboleta)
O motor D13C tem uma válvula de escape acionada a ar comprimido (Borboleta) localizada na carcaça do êmbolo.
A válvula de escape é usada como um retentor de calor ao funcionar em marcha lenta e como um freio motor — EPG
(Regulador de Pressão dos Gases de Escape).
A válvula pode ser regulada de forma variável por um cilindro de ar comprimido alimentado com ar comprimido via
válvula AVU, que é, por sua vez, controlada pelo Módulo de Controle do Motor (ECM). A nova carcaça do acelerador
tem um desenho reto, o que oferece menor resistência de exaustão.
TREINATEC - Qualificação Profissional
Motor FH D13C 33
"Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
1.
2.
3.
4.
Carcaça do êmbolo
Válvula de escape
Cilindro de ar comprimido
Válvula AVU
Válvula AVU
O freio motor EPG e a válvula bypass do turbocompressor são controlados por ar comprimido vindo do sistema
pneumático do veículo e regulados por uma válvula pneumática chamada de válvula AVU (Unidade de Válvulas
Pneumáticas).
A válvula AVU consiste basicamente por uma válvula solenóide, uma válvula pneumática e um cartão de circuito
impresso. A válvula regula a pressão de maneira variável e possui válvulas redutoras embutidas, que liberam
diferentes pressões para as respectivas potências de frenagem.
TREINATEC - Qualificação Profissional
34 Motor FH D13C
"Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
Em condições normais de condução, a válvula AVU é desenergizada.
A válvula AVU está disponível em duas variantes - para turbocompressores com e sem uma válvula bypass:
A) Válvula AVU com saída dupla: regula tanto o EPG como a válvula bypass do turbocompressor.
B) Válvula AVU com saída simples: regula somente o EPG (nos motores onde o turbocompressor não tem uma
válvula bypass).
A válvula AVU é controlada pelo Módulo de Controle do Motor (ECM). A válvula AVU é alimentada com ar do sistema
de pressão de ar através de mangueira (1) e libera ar para o EPG por meio da mangueira (2) e o atuador do
turbo-compressor (válvula de passagem) através da mangueira (3).
Freio motor
O D13C pode ser equipado com três tipos diferentes de freio motor, dependendo de qual potência de frenagem do
motor é desejada.
Freio motor EPG
Freio motor VEB
Freio motor VEB+
A potência do freio motor depende das configurações do motorista. O efeito de frenagem varia com as diferentes
combinações de freios motor.
Freio motor EPG
O freio do motor EPG (Regulador de Pressão dos Gases de Escape) é composto de uma carcaça do êmbolo (1) e
TREINATEC - Qualificação Profissional
Motor FH D13C 35
"Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
1.
2.
uma válvula de escape (2) posicionada depois do turbocompressor e um cilindro operado a ar comprimido (borboleta)
(3). O ar comprimido é retirado do sistema pneumático do veículo e é controlado pela válvula AVU (4).
O EPG tem duas funções:
Em marcha lenta, o EPG mantém o motor aquecido gerando uma contrapressão no coletor de escape.
Quando o pedal do acelerador é liberado, o EPG age como um freio de escape.
Freio motor VEB
O VEB (Freio Motor Volvo) é composto por dois sistemas:
EPG = Regulador de Pressão dos Gases de Escape
O VCB (Freio de Compressão Volvo) com um balancim especial para as válvulas de escape, uma árvore de
comando de válvulas especial com cames extras e uma válvula reguladora (válvula VCB) para a pressão do
óleo no eixo dos balancins.
A capacidade de frenagem do motor é obtida através:
As válvulas de escape se abrem e permitem a entrada de mais ar durante o curso de admissão, o que fornece
mais ar para ser comprimido durante o curso de compressão.
A válvula de escape se abre imediatamente antes do ponto de giro no curso de compressão e fura a
compressão, reduzindo, desta forma, a potência do curso de potência.
O EPG gera uma contrapressão no sistema de escape. A contrapressão aumenta o efeito do freio de
compressão (VCB).
Freio motor VEB+
O freio motor VEB+ é um novo desenvolvimento do sistema de frenagem do motor VEB. Comparado com o freio
motor VEB, as cargas mecânicas são agora compartilhadas por dois balancins, o que significa que a potência de
frenagem pode ser aumentada sem que a tensão mecânica fique muito alta. O freio motor VEB+ é composto por dois
sistemas:
EPG = Regulador de Pressão dos Gases de Escape
O VCB (Freio de Compressão Volvo) com balancins especiais para as válvulas de escape, uma árvore de
dois
comando de válvulas especial com um came extra e uma válvula reguladora (válvula VCB) para a pressão do
óleo no eixo dos balancins.
O freio motor VEB+ funciona da mesma forma que o freio motor VEB.
Variante de freio motor EPGC
Nos veículos com caixas de mudanças I-shift, é usada a variante de freio motor EPGC quando não se deseja as
variantes VEB ou VEB+ de freio motor.
O EPGC é idêntico ao EPG no que diz respeito ao funcionamento do freio motor. A letra "C" na designação significa
que o motor está equipado com um freio de compressão (VCB) — a mesma árvore de comando de válvulas e
balancins que o VCB — mas que este só é utilizado para reduzir a rotação do motor durante a mudança de marchas.
Válvula VCB
TREINATEC - Qualificação Profissional
36 Motor FH D13C
"Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
A válvula VCB é alimentada com pressão máxima de óleo da galeria e está conectada ao eixo dos balancins.
A válvula reguladora regula a pressão de óleo para o mecanismo dos balancins e é controlada pela Unidade de
Controle do Motor (ECM) através da válvula solenoide da válvula VCB.
Com , o VCB reduz a pressão do óleo para o eixo dos balancins que é suficiente para lubrificar os
condução normal
mancais da árvore de comando de válvulas e o mecanismo das válvulas.
Quando o a válvula VCB fornece pressão máxima de óleo ao eixo dos balancins e o freio de
VEB/VEB+ é ativado
compressão é ativado.
Nos motores sem VEB/VEB+, a válvula VCB é substituída por uma carcaça de conexão.
Abertura da válvula durante a frenagem de compressão do motor
TREINATEC - Qualificação Profissional
Motor FH D13C 37
"Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
O princípio de como ocorre a abertura da válvula quando o VEB/VEB+ é ativado, é apresentado aqui.
A: Quando o motor está funcionando e a pressão de óleo está baixa no eixo dos balancins, nenhuma pressão atua no
pistão hidráulico. A folga da válvula de escape é de aproximadamente 1 mm, mas já que a aba da mola mantém o
balancim em contato com a ponte da válvula, o rolete do balancim está acima dos ressaltos inferiores nos cames de
escape. Assim, os cames inferiores não afetam a abertura de nenhuma válvula.
B: Aqui o VEB/VEB+ está ativado. A pressão de óleo forçou o pistão hidráulico para baixo e eliminou a folga da
válvula. O rolete do balancim está agora em contato com o came de escape.
C: É assim que se parece quando o ressalto de carga está empurrando o rolete do balancim. O ressalto inferior abre a
válvula, rápida e brevemente. Uma abertura de uma válvula rápida semelhante ocorre enquanto o ressalto de
descompressão passa por baixo do rolete do balancim.
Respiro do cárter
Já que parte dos produtos da combustão entra no cárter após passar pelos pistões e anéis dos pistões (escape de
), o cárter deve ser ventilado.
combustão
O motor D13C está disponível com três variantes diferentes de respiro do cárter:
Respiro aberto do cárter (CCV-O)
Respiro fechado do cárter (CCV-C)
Respiro do cárter parcialmente aberto (CCV-OX) (para mercados de clima frio)
Respiro do cárter
TREINATEC - Qualificação Profissional
38 Motor FH D13C
"Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
O motor D13C possui dois defletores de óleo localizados na tampa superior da distribuição (1) e na tampa das
válvulas (2), e também um tubo externo (3) para remover os gases do cárter.
O captador de óleo na engregagem de sincronismo foi projetado como um labirinto que permitirá a passagem de
gases mas não de óleo. A rotação da engrenagem intermediária gera uma área relativamente livre de óleo.
O defletor de óleo na tampa dos balancins é composto por um canal fundido (5) com três drenos (6) para o óleo
separado.
Respiro aberto do cárter (CCV-O)
TREINATEC - Qualificação Profissional
Motor FH D13C 39
"Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
Respiro aberto do cárter significa que os gases do cárter, após passarem através dos defletores de óleo na tampa da
distribuição e na tampa das vpalvulas, são removidos através de uma conexão de mangueira (1).
Respiro fechado do cárter (CCV)
TREINATEC - Qualificação Profissional
40 Motor FH D13C
"Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
O componente principal no sistema fechado de respiro do cárter é um separador (A) montado diretamente no lado
esquerdo do bloco de cilindros. O separador é acionado pelo óleo vindo do sistema de lubrificação do motor através
de um canal de óleo que aciona um turbo (3). O turbo está conectado a um eixo de acionamento (4) com vários discos
(5) que giram a aproximadamente 8000 rpm durante o funcionamento normal do motor. No lado do separador está um
regulador de pressão (6) com um diafragma (7), que fecha a saída para o turbo se a queda de pressão for muito alta.
Depois de passar pelos defletores de óleo na tampa superior da distribuição e na tampa das válvula, os gases do
cárter são levados para a entrada na parte superior do separador através da conexão de mangueira (1) e entram no
separador acima do centro dos discos rotativos. O óleo e partículas mais pesadas são arremessadas pela força
centrífuga em direção à borda e, de lá, são levadas de volta ao cárter de óleo juntamente com o óleo que aciona o
turbo.
Os gases limpos são levados do separador para o lado de admissão do turbocompressor através de um conector (2).
Respiro do cárter parcialmente aberto (CCV-OX)
TREINATEC - Qualificação Profissional
Motor FH D13C 41
"Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
O respiro do cárter parcialmente aberto é idêntico ao respiro do cárter fechado, exceto que os gases purificados do
separador são removidos para a atmosfera através do tubo (1).
Sistema de arrefecimento
TREINATEC - Qualificação Profissional
42 Motor FH D13C
"Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
1.
2.
3.
4.
5.
6.
7.
8.
9.
10.
11.
12.
13.
14.
15.
16.
Os detalhes externos do sistema de arrefecimento e a circulação do liquido de arrefecimento estão apresentados aqui.
A carcaça do termostato do líquido de arrefecimento é moldada diretamente dentro do cabeçote.
Radiador
Tanque de expansão
Tampa de abastecimento superior incluindo a válvula de pressão
Tampa dianteira de abastecimento
Sensor de nível
Aquecedor na cabina
Conexão do termostato do líquido de arrefecimento para o radiador
Sensores de temperatura
Bomba do líquido de arrefecimento
Compressor de ar
Conexão para o aquecedor do motor (acionado a diesel)
Conexão para o aquecedor do motor (220 V, soquete)
Conexão para o aquecimento do tanque de uréia
Bujão de drenagem do líquido de arrefecimento
Bujão de drenagem do radiador
Conexão de arrefecimento da caixa de mudanças
TREINATEC - Qualificação Profissional
Motor FH D13C 43
"Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
O líquido de arrefecimento é bombeado pela bomba do líquido de arrefecimento (1) através do resfriador de óleo (3),
que está parafusado à tampa do líquido de arrefecimento (tampa do resfriador de óleo). Parte do líquido de
arrefecimento segue então para o revestimento inferior de arrefecimento da camisa de cilindro através do furo (2),
enquanto que a maior parte deste continua através do furo (4) para o revestimento superior de arrefecimento da
camisa de cilindro. Dali o líquido de arrefecimento vai para o cabeçote através dos canais (5).
O cabeçote possui uma parede divisória horizontal que força o líquido de arrefecimento para as áreas mais quentes
para uma transferência de calor eficiente.
O líquido de arrefecimento circula então pelo termostato (6) que retorna o mesmo para a bomba do líquido de
arrefecimento através do radiador ou do tubo bypass (7). A rota tomada pelo líquido de arrefecimento depende da
temperatura do motor.
O compressor de ar (8) e o arrefecimento da caixa de mudanças estão conectados por tubos e mangueiras externas,
com o retorno para o lado de sucção da bomba.
Bomba do líquido de arrefecimento e termostato
Bomba do líquido de arrefecimento
TREINATEC - Qualificação Profissional
44 Motor FH D13C
"Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
Foi introduzida uma bomba de líquido de arrefecimento de duas velocidade com embreagem eletromagnética no
D13C. Devido à embreagem eletromagnética, a bomba de líquido de arrefecimento pode operar em duas velocidades
diferentes. Em velocidade normal onde o motor necessita de alto arrefecimento e em baixas velocidades onde a
exigência de arrefecimento do motor é menor.
Em velocidades normais da bomba do líquido de arrefecimento, a embreagem eletromagnética é ativada (alimentada
pela tensão da bateria) e o rotor dentro da bomba gira na mesma velocidade que a polia na parte externa. Assim que
as exigências de arrefecimento são reduzidas, a embreagem eletromagnética é desativada (alimentação de tensão é
zero) e através de uma função de movimentação magnética, a velocidade do rotor fica reduzida em relação à
velocidade da polia. Como a função de movimentação da embreagem é magnética, não há nenhum desgaste nas
peças da embreagem.
A bomba do líquido de arrefecimento está disponível em dois tamanhos diferentes de polias:
Uma polia pequena que fornece um alto efeito na bomba nos veículos com retardador (onde a exigência de
arrefecimento é maior).
Uma polia grande para veículos sem retardador.
A bomba do líquido de arrefecimento — que é acionada pela polia externa do motor — é do tipo centrífuga e equipada
TREINATEC - Qualificação Profissional
Motor FH D13C 45
"Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
com uma embreagem eletromagnética. A bomba do líquido de arrefecimento é regulada pela Unidade de Controle do
Motor (ECM).
A bomba do líquido de arrefecimento possui uma tampa de alumínio. Na parte traseira da bomba encontram-se os
canais para a distribuição do líquido de arrefecimento, enquanto a parte dianteira contém um rotor de plástico, um
retentor de eixo, rolamento e polia com uma embreagem eletromagnética. O rolamento do eixo é um rolamento
combinado de rolos permanentemente lubrificado.
Nota! Resíduos secos de líquido de arrefecimento podem formar-se ao redor do orifício de drenagem. O acúmulo de
resíduos de líquido de arrefecimento é uma função normal da bomba de líquido de arrefecimento e não requer a
substituição do seu motor.
Termostato
TREINATEC - Qualificação Profissional
46 Motor FH D13C
"Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
O termostato de circulação do líquido de arrefecimento é do tipo pistão e possui um corpo de cera sensível à
temperatura que controla a abertura e fechamento. O termostato começa a abrir quando o líquido de arrefecimento
atinge 82ºC.
A posição do termostato depende se o veículo tem ou não um retardador.
No cabeçote (1) para veículos sem um retardador.
Na carcaça do termostato (2) para veículos retardador (RET-TH).
com
Correias de transmissão
TREINATEC - Qualificação Profissional
Motor FH D13C 47
"Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
O D13C possui duas correias de transmissão, ambas do tipo multi-ranhuras V (Poly-V).
A correia interna aciona o compressor do ar condicionado (AC) e o alternador (A). A correia externa aciona o
ventilador (F) e a bomba do líquido de arrefecimento (WP). As duas correias possuem tensionadores automáticos de
correia (T). Para obter o alinhamento correto da correia externa com a polia da bomba do líquido de arrefecimento
também há uma polia traseira (I).
Sistema de controle
Sistema de controle do motor
TREINATEC - Qualificação Profissional
48 Motor FH D13C
"Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
1.
2.
3.
4.
5.
6.
7.
8.
9.
10.
11.
12.
O sistema de combustível do D13C é controlado eletronicamente em relação ao volume e tempo de injeção. O
sistema é chamado de ECM (Módulo de Controle do Motor). O sistema de gerenciamento do motor é descrito
brevemente aqui.
A parte central do sistema é o Módulo de Controle do Motor (ECM), que fica localizado no lado esquerdo do motor e é
montado em bases de borracha para amortecimento de vibrações. A unidade de controle requer informações
contínuas do pedal do acelerador e sinais de uma série de sensores do motor para controlar a quantidade de
combustível e a regulagem da injeção. Todas as conexões de cabos dos sensores do motor têm conectores padrão
DIN.
Os sensores do sistema de comando do motor (alguns possuem funções duplas):
Sensor de nível para o separador de água — localizado no suporte do separador de água.
Sensor de temperatura/nível do óleo — localizado no cárter de óleo lubrificante. Sensor combinado com o seu
conector fixado no lado esquerdo do cárter.
Sensor de pressão do combustível — localizado no alojamento do filtro.
Sensor do eletroímã do ventilador de arrefecimento e da velocidade de rotação — localizado no cubo do
ventilador de arrefecimento.
Sensor de nível do líquido de arrefecimento — localizado no tanque de expansão.
Sensor de temperatura/pressão do ar de carga — sensor combinado localizado no tubo de entrada.
Sensor de posição da árvore de comando de válvulas — localizado na tampa superior da distribuição.
Sensor de subpressão de ar — é um sensor localizado no lado limpo do alojamento do filtro de ar de entrada.
Sensor de posição e velocidade do volante do motor — localizado na parte superior da carcaça do volante do
motor.
Sensor de pressão do óleo — localizado no canal de lubrificação principal do bloco do motor.
Sensor de pressão do cárter - localizado no bloco de cilindros.
TREINATEC - Qualificação Profissional
Motor FH D13C 49
"Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
12.
13.
14.
Sensor de temperatura do líquido de arrefecimento — localizado na borda dianteira do cabeçote.
Sensor de pressão de arrefecimento dos pistões — localizado no suporte do filtro de óleo.
Sensor de contrapressão de escape — localizado em um suporte na parte traseira no lado direito da tampa das
válvulas.
Na unidade de controle há um sensor de pressão atmosférica e um sensor de temperatura.
Função de partida controlada eletronicamente
Motor de partida
TREINATEC - Qualificação Profissional
50 Motor FH D13C
"Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
Motor de partida controlado pelo ECM
O motor de partida do D13C é controlado pela Unidade de Controle do Motor (ECM) através da unidade de controle
do veículo (VECU) e de um relé de partida. Também detecta informações de outras unidades de controle e só
permitirá a partida se todas as unidades de controle envolvidas permitirem.
Instalação elétrica e aterramento do motor
TREINATEC - Qualificação Profissional
Motor FH D13C 51
"Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
Todas as conexões elétricas entre os sensores e a instalação elétrica do motor estão agrupadas no esquema elétrico
do motor.
TREINATEC - Qualificação Profissional
52 Motor FH D13C
"Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
Há dois pontos de aterramento — no suporte do motor no lado direito traseiro e no lado esquerdo do alternador.
TREINATEC - Qualificação Profissional
Motor FH D13C 53
"Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
Motor
Nota! Como as ilustrações utilizadas nas Publicações de Serviço são válidas para diversas variantes, certos detalhes
podem ser diferentes da variante em questão. Entretanto, as informações essenciais apresentadas nas ilustrações
são precisas.
Índice
Motor
Cabeçote
Parafuso do cabeçote
Bloco de cilindros
Camisa de cilindro
Pistão
Anéis de pistão
Sistema de válvulas
Válvulas
Balancim do freio VEB+
Sedes de válvulas
Posição da sede de válvula
Guias de válvulas
Balancins
Molas das válvulas
Transmissão do motor
Engrenagens da distribuição
Árvore de comando de válvulas
Mancais da árvore de comando de válvulas
Sistema da árvore de manivelas
Árvore de manivelas
Colos dos mancais principais
Arruelas de encosto (arruelas axiais)
Bronzinas dos mancais principais
Colo do mancal principal
Biela
Volante do motor, instalado
Carcaça do volante do motor, instalada
Torques de aperto e seqüência
Suporte do motor
Mancal principal - e tampa da biela
TREINATEC - Qualificação Profissional
54 Motor FH D13C
"Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
Quadro de reforço
Placa da distribuição
Engrenagens da distribuição
Volante do motor e carcaça da transmissão
Tampa da distribuição, superior
Volante do motor
Tampa, retentor da árvore de manivelas
Amortecedor de vibrações
Cabeçote
Capas dos mancais, eixo dos balancins/árvore de comando de válvulas
Tampa das válvulas
Válvulas/calibrador/balancim do freio VEB
Motor
Cabeçote
Empeno máximo (na superfície da base) 0,1 mm
.....
Voltar para .
Índice
Parafuso do cabeçote
Quantidade/cabeçote 38
.....
Dimensão da rosca M16
.....
Comprimento 200 mm
.....
Voltar para .
Índice
Bloco de cilindros
Comprimento 1.052 mm
.....
Altura, face superior do bloco - centro da árvore de manivelas 422 mm
.....
Altura, face inferior do bloco - centro da árvore de manivelas 120 mm
.....
Voltar para .
Índice
Camisa de cilindro
Tipo Úmida, substituível
.....
Altura da superfície de vedação acima da face do bloco 0,18 ± 0,03 mm
.....
Quantidade de anéis de vedação por camisa de cilindro 1 + 2
.....
TREINATEC - Qualificação Profissional
Motor FH D13C 55
"Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
Voltar para .
Índice
Pistão
Altura acima da face do bloco de cilindros:
Pistão de aço 0,1 (mín) - 0,7 (máx) mm
.....
Pistão de alumínio 0,1 (mín) -0,5 (máx) mm
.....
Quantidade de canaletas para anéis 3
.....
Marcação frontal Seta apontando para frente
.....
Voltar para .
Índice
Anéis de pistão
Anéis de compressão
Quantidade 2
.....
Identificação Na parte superior (marcação
.....
colorida para a esquerda da abertura)
Anel raspador de óleo
Quantidade 1
.....
Identificação Na parte superior (marcação
.....
colorida para a esquerda da abertura)
Voltar para .
Índice
Sistema de válvulas
Válvulas
TREINATEC - Qualificação Profissional
56 Motor FH D13C
"Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
Disco de válvula, diâmetro:
Admissão 42 mm
.....
Escape 40 mm
.....
Haste da válvula, diâmetro:
Admissão/Escape 8 mm
.....
Ângulo da sede de válvula (A):
Admissão 24,5°±0,2°
.....
Escape 39,5°
.....
Ângulo da sede no cabeçote (B):
Admissão 25°
.....
Escape 40°
.....
Medida (A) entre o disco de válvula e a face do cabeçote:
Admissão Max. 1,6 mm
.....
TREINATEC - Qualificação Profissional
Motor FH D13C 57
"Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
Escape Max. 2,0 mm
.....
Folgas das válvulas, motor frio, valores de configuração:
Admissão 0,2 ± 0,05 mm
.....
Escape 0,8 ± 0,05 mm
.....
Escape, VEB 1,6 ± 0,05 mm
.....
Escape, VEB+ 0,8 ± 0,05 mm
.....
Folga da válvula, motor frio, valor de verificação:
Admissão 0,15-0,25 mm
.....
Escape 0,75-0,85 mm
.....
Escape, VEB 1,55-1,65 mm
.....
Escape, VEB+ 0,75 -0,85 mm
.....
Voltar para .
Índice
Balancim do freio VEB+
Controle e configuração padrão
Esta configuração ou controle da folga do freio é medida no rolete e enquanto usa um medidor apalpador para
eliminar totalmente a folga da válvula de escape.
Balancim do freio VEB+, valor de configuração.....
2,85 mm
Balancim do freio VEB+, valor de verificação1
.....
2,80 -2,90 mm
1
As verificações de controle só são válidas para motores que funcionam perfeitamente ou logo após a carga durante a
regulagem.
Controle de falha
TREINATEC - Qualificação Profissional
58 Motor FH D13C
"Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
Esta verificação de falha não substitui a verificação acima que é realizada sem utilizar um medidor apalpador para
eliminara folga da válvula de escape.
Espessura do medidor apalpador 3,20 mm
.....
Deve ser muito fácil inserir o medidor apalpador.
Nota! Esta dimensão não pode ser usada para regulagem!
Voltar para .
Índice
Sedes de válvulas
Especificações
Diâmetro externo (A):
Admissão 45,1 mm
.....
Escape 43,1 mm
.....
Altura (B):
Admissão 7,5 mm
.....
Escape 7,5 mm
.....
Para qualquer componente sobremedida, consultar o Catálogo de Peças.
Voltar para .
Índice
Posição da sede de válvula
Especificações
Diâmetro (C):
Admissão 45,0 mm
.....
Escape 43,0 mm
.....
Profundidade (D):
Admissão 11,8 mm
.....
Escape 11,2 mm
.....
Raio de curvatura da sede (R):
Admissão/Escape máx. 0,8 mm
.....
TREINATEC - Qualificação Profissional
Motor FH D13C 59
"Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
Voltar para .
Índice
Guias de válvulas
Comprimento:
Admissão/Escape 83,5 mm
.....
Diâmetro interno:
Admissão/Escape 8 mm
.....
Altura acima da face da mola do cabeçote:
Admissão/Escape 24,5 ± 0,2 mm
.....
Valor de desgaste
Folga, haste da válvula - guia:1
Admissão máx. 0,7 mm
.....
Escape máx. 0,7 mm
.....
1
As medições são calculadas para o método de medição descrito na literatura de serviço, consultar o grupo 214.
Voltar para .
Índice
Balancins
TREINATEC - Qualificação Profissional
60 Motor FH D13C
"Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
1. Folga do rolamento máx. 0,1 mm
.....
2. Rolete dos balancins, folga máx. 0,1 mm
.....
Voltar para .
Índice
Molas das válvulas
Admissão
Comprimento, sem carga 73,5-74,0 mm
.....
Escape
Mola externa da válvula:
Comprimento, sem carga 73,5-74,0 mm
.....
Mola interna da válvula:
Comprimento, sem carga 70,0-71,0 mm
.....
Engrenagens da distribuição do motor
Engrenagens da distribuição
TREINATEC - Qualificação Profissional
Motor FH D13C 61
"Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
Engrenagem:
1. Engrenagem motora, árvore de manivelas
2. Engrenagem intermediária: engrenagem externa
engrenagem interna
3. Engrenagem intermediária, regulável
4. Engrenagem motora e amortecedor de
vibrações, árvore de comando de válvulas
5. Engrenagem intermediária, bomba hidráulica
6. Engrenagem motora, direção hidráulica e bomba
de alimentação de combustível
7. Engrenagem motora, compressor de ar
8. Engrenagem motora, bomba de óleo
9. Tomada de força no motor (equipamento extra)1
1
Para torques da tomada de força maiores que 650 Nm, as engrenagens 1, 2 e 9 devem ser substituídas por versões
TREINATEC - Qualificação Profissional
62 Motor FH D13C
"Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
de carcaça temperadas.
Folga entre dentes entre a engrenagem
intermediária regulável e a engrenagem motora da
árvore de comando de válvulas 0,05 -0,15 mm
.....
Folga entre dentes, bomba de óleo 0,05 -0,40
.....
mm
Folga entre dentes, outros 0,05 -0,17 mm
.....
Folga de desgaste da engrenagem intermediária.....
máx. 0,05 mm
Voltar para .
Índice
Árvore de comando de válvulas
Verificação das configurações da árvore de comando de válvulas, motor frio e folga da válvula para a válvula
de admissão do cilindro 1 = 0
A válvula de admissão do cilindro 1 deve estar aberta 1,6±0,3 mm, com o volante do motor posicionado a 6°
depois do PMS.
Durante a verificação, as engrenagens da distribuição devem ser giradas no sentido correto (sentido horário,
visto de frente) para absorver todas as folgas entre dentes.
Acionamentos engrenagem
.....
Número de mancais 7
.....
Diâmetro, colos dos mancais, padrão 70,0 mm
.....
Para qualquer componente sobremedida, consultar o Catálogo de Peças.
Deslocamento da válvula em folga 0:
Admissão 13,1 mm
.....
Escape (EPG) 12,3 mm
.....
Escape (VEB) 13,1 mm
.....
Escape (VEB+) 12,3 mm
.....
Desgaste permitido, todo o contorno do came máx. 0,1 mm
.....
Unidade injetora, curso 17 mm
.....
Valor de desgaste
Folga axial máx 0,2 mm
.....
Mancal, empenamento máximo permitido 0,1 mm
.....
Voltar para .
Índice
Mancais da árvore de comando de válvulas
Espessura dos mancais da árvore de comando de válvulas, padrão 1,9 mm
.....
Para qualquer componente sobremedida, consultar o Catálogo de Peças.
TREINATEC - Qualificação Profissional
Motor FH D13C 63
"Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
Sistema da árvore de manivelas
Árvore de manivelas
Valor de desgaste
Árvore de manivelas, folga axial máx. 0,4 mm
1
.....
Valores de fresagem
Ovalização nos colos dos mancais principais e de
biela máx. 0,01 mm
.....
Conicidade nos colos dos mancais principais e de
biela máx. 0,02 mm
.....
Empenamento do mancal central máx. 0,15 mm
.....
1
As dimensões referem-se às peças lubrificadas.
Voltar para .
Índice
Colos dos mancais principais
Diâmetro , padrão 108,0 mm
(Ø) .....
Para qualquer componente subdimensionado, consultar o Catálogo de Peças.
Acabamento da superfície, colo do mancal principal Ra 0,25
.....
Acabamento da superfície, curvatura Ra 0,4
.....
Largura, superfície de apoio , padrão 47,0 mm
(A) .....
Para qualquer componente sobremedida, consultar o Catálogo de Peças.
Raio de curvatura 4,0 mm
(R).....
Voltar para .
Índice
TREINATEC - Qualificação Profissional
64 Motor FH D13C
"Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
Arruelas de encosto (arruelas axiais)
Largura , padrão 3,2 mm
(B) .....
Para qualquer componente sobremedida, consultar o Catálogo de Peças.
Voltar para .
Índice
Bronzinas dos mancais principais
Espessura standard 2,4 mm
(B) .....
Para qualquer componente sobremedida, consultar o Catálogo de Peças.
Espessura , padrão 2,5 mm
(C) .....
Para qualquer componente sobremedida, consultar o Catálogo de Peças.
Mancal principal, empenamento máximo permitido 0,1 mm
.....
Voltar para .
Índice
Colo do mancal principal
Diâmetro 99 mm
(Ø).....
Para qualquer componente subdimensionado,
consultar o Catálogo de Peças.
Acabamento da superfície, colo do mancal de biela
Ra 0,25
.....
Acabamento da superfície, curvatura Ra 0,4
.....
TREINATEC - Qualificação Profissional
Motor FH D13C 65
"Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
Largura 57 mm
(A).....
Raio de curvatura 4 mm
(R).....
Voltar para .
Índice
Biela
Folga axial, biela - árvore de manivelas máx. 0,3 mm
1
.....
Mancais de biela, folga radial máx. 0,1 mm
1
.....
1
As dimensões referem-se às peças lubrificadas.
Marcação:
no eixo voltado para frente.
FRONT
A biela e a capa são marcadas em pares com um número de série de três dígitos (ver a ilustração).  
Voltar para .
Índice
Volante do motor, instalado
Desgaste axial (caixa de mudanças manual) no raio de medição de 150 mm máx. 0,2 mm
.....
Voltar para .
Índice
Carcaça do volante do motor, instalada
Desigualdade axial da superfície de contato em relação à carcaça da embreagem máx. 0,2 mm
.....
Desigualdade radial do guia em relação à carcaça da embreagem máx. 0,2 mm
.....
Voltar para .
Índice
Torques de aperto
Suporte do motor
TREINATEC - Qualificação Profissional
66 Motor FH D13C
"Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
Coxim dianteiro do motor torque para parafuso padrão M14
.....
Suporte dianteiro do motor torque para parafuso padrão M16
.....
Suporte traseiro do motor, carcaça do volante do motor torque para parafuso padrão M16
.....
Suporte traseiro do motor, coxim traseiro do motor torque para parafuso padrão M20
.....
Coxim traseiro do motor torque para parafuso padrão M14
.....
Voltar para .
Índice
Mancal principal - e tampa da biela
Capa do mancal principal:
Fase de aperto 1 150±20 Nm
.....
Fase de aperto 2 (aperto angular) 120°±5°
.....
Capa da biela:
Fase de aperto 1 20±3 Nm
.....
Fase de aperto 2 60±3 Nm
.....
Fase de aperto 3 (aperto angular) 90°±5°
.....
Voltar para .
Índice
Quadro de reforço
Quadro de reforço:
Fase de aperto 1: Apertar os parafusos 1-24 na sequência numérica 45 ± 5 Nm
.....
Fase de aperto 2: Apertar os parafusos 1-24 na sequência numérica (aperto angular) 60°±5°
.....
Nota! Apertar os parafusos na seqüência numérica mostrada na ilustração. Os parafusos devem ser
não
reutilizados.
Voltar para .
Índice
Placa da distribuição
TREINATEC - Qualificação Profissional
Motor FH D13C 67
"Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
Placa da distribuição:
Apertar todos os parafusos na sequência numérica com seguintes torques:
Parafusos M8 28±4 Nm
.....
Voltar para .
Índice
Engrenagens da distribuição
TREINATEC - Qualificação Profissional
68 Motor FH D13C
"Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
1. Engrenagem motora, árvore de manivelas 24±4 Nm
.....
2. Engrenagens intermediárias duplas:
Fase de aperto 1 25±3 Nm
.....
Fase de aperto 2 (aperto angular) 110°±5°
.....
Nota! Apertar na seqüência mostrada na ilustração.
3. Engrenagem intermediária, regulável:
Fase de aperto 1 35±4 Nm
.....
Fase de aperto 2 (aperto angular) 120°±5°
.....
Nota! Apertar na seqüência mostrada na ilustração.
4. Engrenagem motora, árvore de comando de válvulas:
Fase de aperto 1 45 ± 5 Nm
.....
Fase de aperto 2 (aperto angular) 90°±5°
.....
Nota! Apertar na seqüência mostrada na ilustração.
5. Engrenagem intermediária:
parafuso soquete sextavado 140±10 Nm
.....
6. Engrenagem motora, direção hidráulica e bomba de alimentação de combustível 100 ± 10 Nm
.....
TREINATEC - Qualificação Profissional
Motor FH D13C 69
"Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
7. Engrenagem motora, compressor de ar 200+50/-0 Nm
.....
Voltar para .
Índice
Volante do motor e carcaça da transmissão
Carcaça do volante do motor:
Fase de aperto 1: Apertar todos os parafusos na sequência numérica com seguintes torques:
Parafusos M14 140 ± 20 Nm
.....
Parafusos M10 48 ± 8 Nm
.....
Parafusos M8 24±4 Nm
.....
Nota! Aplicar silicone em um cordão de 2 mm de espessura como ilustrado abaixo.
TREINATEC - Qualificação Profissional
70 Motor FH D13C
"Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
Voltar para .
Índice
Tampa da distribuição, superior
TREINATEC - Qualificação Profissional
Motor FH D13C 71
"Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
Aplicar silicone em um cordão de 2 mm de espessura como mostrado nas ilustrações acima, no máximo 20
minutos antes da montagem.
Instalar a tampa em duas etapas:
Fase de aperto 1: Fixar a tampa com os parafusos 1 e 2 (utilizar a ferramenta especial para pressionar a
tampa no lugar). 4±1 Nm
.....
Fase de aperto 2: Apertar os parafusos na seqüência numérica como mostrada na ilustração 27±3 Nm
..........
Voltar para .
Índice
Volante do motor
TREINATEC - Qualificação Profissional
72 Motor FH D13C
"Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
Volante do motor:
Fase de aperto 1 60±5 Nm
.....
Fase de aperto 2 (aperto angular) 120°±10°
.....
Nota! Certificar-se de que o flange está seco e limpo. Apertar os parafusos na seqüência numérica mostrada
na ilustração.
Voltar para .
Índice
Tampa, retentor da árvore de manivelas
TREINATEC - Qualificação Profissional
Motor FH D13C 73
"Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
Retentor da tampa da árvore de manivelas
Fase de aperto 1: Apertar os parafusos 1 e 2 (furo guia) 24±4 Nm
.....
Fase de aperto 2: Apertar os demais parafusos 1-8 24±4 Nm
.....
Nota! Aplicar silicone como mostrado na ilustração.
Voltar para .
Índice
Amortecedor de vibrações
TREINATEC - Qualificação Profissional
74 Motor FH D13C
"Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
Amortecedor de vibrações na árvore de manivelas
Fase de aperto 1 35±5Nm
.....
Fase de aperto 2 90 ± 10 Nm
.....
Nota! Apertar os parafusos na seqüência numérica mostrada na ilustração.
Os parafusos 8.8 do amortecedor de vibrações devem ser reutilizados.
não
Voltar para .
Índice
Cabeçote
TREINATEC - Qualificação Profissional
Motor FH D13C 75
"Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
Cabeçote:
Nota! O cabeçote deve ser instalado como descrito nas instruções, consultar .
21124-1 Cabeçote, instalação
Fase de aperto 1 100±5 Nm
.....
Fase de aperto 2 (aperto angular) 120°±5°
.....
Fase de aperto 3 (aperto angular) 90°±5°
.....
Voltar para .
Índice
Capas dos mancais, eixo dos balancins/árvore de comando de válvulas
TREINATEC - Qualificação Profissional
76 Motor FH D13C
"Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
Árvore de comando de válvulas: (árvore de comando de válvulas e capas dos mancais no lugar)
Instalar um mandril no mancal número 7, para proteger a luva guia.
Fase de aperto 1: Apertar os parafusos 1-7 25±3 Nm
.....
Fase de aperto 2: (com parafusos adicionais menores) Apertar os parafusos 8-13 e 20 60±5 Nm
.....
Fase de aperto 3: Apertar com aperto angular os parafusos 1-7 90°±5°
.....
Fase de aperto 4: Remover os parafusos extras 8-13 e 20
Remover o mandril do mancal número 7.
(eixo dos balancins no lugar)
Eixo dos balancins:
Fase de aperto 5: Apertar os parafusos 8-13 e 20 na sequência 11, 10, 12, 9, 13, 8, 20 60±5 Nm
em etapas .....
Fase de aperto 6: Apertar os parafusos 14-19 25±3 Nm
.....
Fase de aperto 7: Apertar com aperto angular os parafusos 14-19 120°±5°
.....
Fase de aperto 8: Soltar os parafusos 8–13
Fase de aperto 9: Apertar os parafusos 8-13 25±3 Nm
.....
Fase de aperto 10: Apertar com aperto angular os parafusos 8-13 e 20 120°±5°
.....
Voltar para .
Índice
TREINATEC - Qualificação Profissional
Motor FH D13C 77
"Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
Tampa das válvulas
Tampa das válvulas 24±4 Nm
.....
Nota! Apertar os parafusos na seqüência numérica mostrada na ilustração.
Voltar para .
Índice
Válvulas/calibrador/balancim do freio VEB
TREINATEC - Qualificação Profissional
78 Motor FH D13C
"Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
Porca trava , válvula 38 ± 4 Nm
(A) .....
Parafuso trava , grampo 38 ± 4 Nm
(B) .....
Porca trava , balancim do freio VEB+ 52±4 Nm
(C) .....
Lingüeta da mola
TREINATEC - Qualificação Profissional
Motor FH D13C 79
"Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
Lingueta da mola, 25 ± 3 Nm
VEB.....
TREINATEC - Qualificação Profissional
80 Motor FH D13C
"Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
Lingueta da mola, 25 ± 3 Nm
VEB+.....
Voltar para .
Índice
TREINATEC - Qualificação Profissional
Motor FH D13C 81
"Qualificando e especializando profissionais desde 2007"

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

MANUAL DO MOTOR MWM SPRINT 4.07 6.07
MANUAL DO MOTOR MWM SPRINT 4.07 6.07MANUAL DO MOTOR MWM SPRINT 4.07 6.07
MANUAL DO MOTOR MWM SPRINT 4.07 6.07
Elson Dorigon
 
Codigos falha vw constelation
Codigos falha vw constelationCodigos falha vw constelation
Codigos falha vw constelation
Geraldo Sebastian
 
Motor Scania DC 12
Motor Scania DC 12 Motor Scania DC 12
Motor Scania DC 12
Luiz Antonio da Silva
 
Manual de manutenção de caminhões eletrônicos
Manual de manutenção de caminhões eletrônicosManual de manutenção de caminhões eletrônicos
Manual de manutenção de caminhões eletrônicos
Marcelo Auler
 
Componentes Elétricos Motor Scania
Componentes Elétricos Motor Scania Componentes Elétricos Motor Scania
Componentes Elétricos Motor Scania
Luiz Antonio da Silva
 
Sistema de combustível PDE e S6 Motor scania
Sistema de combustível PDE e S6 Motor scaniaSistema de combustível PDE e S6 Motor scania
Sistema de combustível PDE e S6 Motor scania
Luiz Antonio da Silva
 
Manual caixa zf astronic
Manual caixa zf astronicManual caixa zf astronic
Manual caixa zf astronic
Fernando (Formando C Cruz
 
Torques y controles serie 10 mwm
Torques y controles serie 10   mwmTorques y controles serie 10   mwm
Torques y controles serie 10 mwm
Carlos Eduardo Silva
 
Regulagem de Valvulas e Unid. Injet Motor Scania
Regulagem de Valvulas e Unid. Injet  Motor ScaniaRegulagem de Valvulas e Unid. Injet  Motor Scania
Regulagem de Valvulas e Unid. Injet Motor Scania
Luiz Antonio da Silva
 
204406142 sistema-electrico-p-r-y-t
204406142 sistema-electrico-p-r-y-t204406142 sistema-electrico-p-r-y-t
204406142 sistema-electrico-p-r-y-t
andre1765
 
Manual scania-edc-inyectores-bomba (1)
Manual scania-edc-inyectores-bomba (1)Manual scania-edc-inyectores-bomba (1)
Manual scania-edc-inyectores-bomba (1)
Fredy Muñoz
 
Manual serviço biz125 ks es 00 x6b-kss-001 embreagem
Manual serviço biz125 ks es   00 x6b-kss-001 embreagemManual serviço biz125 ks es   00 x6b-kss-001 embreagem
Manual serviço biz125 ks es 00 x6b-kss-001 embreagem
Thiago Huari
 
Manualdeesquemaeltricoscania 140115191538-phpapp01 (1)
Manualdeesquemaeltricoscania 140115191538-phpapp01 (1)Manualdeesquemaeltricoscania 140115191538-phpapp01 (1)
Manualdeesquemaeltricoscania 140115191538-phpapp01 (1)
Angelo Silva
 
Ddec pin dat
Ddec pin datDdec pin dat
Ddec pin dat
eckardguendel
 
Manual scania-motores-11-12-litros (1)
Manual scania-motores-11-12-litros (1)Manual scania-motores-11-12-litros (1)
Manual scania-motores-11-12-litros (1)
Fredy Muñoz
 
Sistema de controle do motor Scania
Sistema de controle do motor ScaniaSistema de controle do motor Scania
Sistema de controle do motor Scania
Luiz Antonio da Silva
 
Manual de serviço shadow 750 00 x6b-meg-001 manutencao
Manual de serviço shadow 750   00 x6b-meg-001 manutencaoManual de serviço shadow 750   00 x6b-meg-001 manutencao
Manual de serviço shadow 750 00 x6b-meg-001 manutencao
Thiago Huari
 
70 c16 euro3
70 c16 euro370 c16 euro3
70 c16 euro3
Geraldo Sebastian
 
Manual de sintomas e falhas
Manual de sintomas e falhasManual de sintomas e falhas
Manual de sintomas e falhas
Robson Cavalheiro
 
Manual de serviço cg125 titan ks es kse cg125 cargo (2002) cabecote
Manual de serviço cg125 titan  ks es kse cg125 cargo (2002) cabecoteManual de serviço cg125 titan  ks es kse cg125 cargo (2002) cabecote
Manual de serviço cg125 titan ks es kse cg125 cargo (2002) cabecote
Thiago Huari
 

Mais procurados (20)

MANUAL DO MOTOR MWM SPRINT 4.07 6.07
MANUAL DO MOTOR MWM SPRINT 4.07 6.07MANUAL DO MOTOR MWM SPRINT 4.07 6.07
MANUAL DO MOTOR MWM SPRINT 4.07 6.07
 
Codigos falha vw constelation
Codigos falha vw constelationCodigos falha vw constelation
Codigos falha vw constelation
 
Motor Scania DC 12
Motor Scania DC 12 Motor Scania DC 12
Motor Scania DC 12
 
Manual de manutenção de caminhões eletrônicos
Manual de manutenção de caminhões eletrônicosManual de manutenção de caminhões eletrônicos
Manual de manutenção de caminhões eletrônicos
 
Componentes Elétricos Motor Scania
Componentes Elétricos Motor Scania Componentes Elétricos Motor Scania
Componentes Elétricos Motor Scania
 
Sistema de combustível PDE e S6 Motor scania
Sistema de combustível PDE e S6 Motor scaniaSistema de combustível PDE e S6 Motor scania
Sistema de combustível PDE e S6 Motor scania
 
Manual caixa zf astronic
Manual caixa zf astronicManual caixa zf astronic
Manual caixa zf astronic
 
Torques y controles serie 10 mwm
Torques y controles serie 10   mwmTorques y controles serie 10   mwm
Torques y controles serie 10 mwm
 
Regulagem de Valvulas e Unid. Injet Motor Scania
Regulagem de Valvulas e Unid. Injet  Motor ScaniaRegulagem de Valvulas e Unid. Injet  Motor Scania
Regulagem de Valvulas e Unid. Injet Motor Scania
 
204406142 sistema-electrico-p-r-y-t
204406142 sistema-electrico-p-r-y-t204406142 sistema-electrico-p-r-y-t
204406142 sistema-electrico-p-r-y-t
 
Manual scania-edc-inyectores-bomba (1)
Manual scania-edc-inyectores-bomba (1)Manual scania-edc-inyectores-bomba (1)
Manual scania-edc-inyectores-bomba (1)
 
Manual serviço biz125 ks es 00 x6b-kss-001 embreagem
Manual serviço biz125 ks es   00 x6b-kss-001 embreagemManual serviço biz125 ks es   00 x6b-kss-001 embreagem
Manual serviço biz125 ks es 00 x6b-kss-001 embreagem
 
Manualdeesquemaeltricoscania 140115191538-phpapp01 (1)
Manualdeesquemaeltricoscania 140115191538-phpapp01 (1)Manualdeesquemaeltricoscania 140115191538-phpapp01 (1)
Manualdeesquemaeltricoscania 140115191538-phpapp01 (1)
 
Ddec pin dat
Ddec pin datDdec pin dat
Ddec pin dat
 
Manual scania-motores-11-12-litros (1)
Manual scania-motores-11-12-litros (1)Manual scania-motores-11-12-litros (1)
Manual scania-motores-11-12-litros (1)
 
Sistema de controle do motor Scania
Sistema de controle do motor ScaniaSistema de controle do motor Scania
Sistema de controle do motor Scania
 
Manual de serviço shadow 750 00 x6b-meg-001 manutencao
Manual de serviço shadow 750   00 x6b-meg-001 manutencaoManual de serviço shadow 750   00 x6b-meg-001 manutencao
Manual de serviço shadow 750 00 x6b-meg-001 manutencao
 
70 c16 euro3
70 c16 euro370 c16 euro3
70 c16 euro3
 
Manual de sintomas e falhas
Manual de sintomas e falhasManual de sintomas e falhas
Manual de sintomas e falhas
 
Manual de serviço cg125 titan ks es kse cg125 cargo (2002) cabecote
Manual de serviço cg125 titan  ks es kse cg125 cargo (2002) cabecoteManual de serviço cg125 titan  ks es kse cg125 cargo (2002) cabecote
Manual de serviço cg125 titan ks es kse cg125 cargo (2002) cabecote
 

Semelhante a Doc motor volvo fh d13 c 3

Manual opala
Manual opalaManual opala
Manual opala
Sergio Barros
 
Manual de Servico CG 125 Titan KS-ES-Cargo 2004 (1).pdf
Manual de Servico CG 125 Titan KS-ES-Cargo 2004 (1).pdfManual de Servico CG 125 Titan KS-ES-Cargo 2004 (1).pdf
Manual de Servico CG 125 Titan KS-ES-Cargo 2004 (1).pdf
WellingtonVictor8
 
Manual de serviço cr250 00 caracter
Manual de serviço cr250 00 caracterManual de serviço cr250 00 caracter
Manual de serviço cr250 00 caracter
Thiago Huari
 
Manaul de serviço cbr900 rr fireblade_(3)_(2002~) arvore_manivelas
Manaul de serviço cbr900 rr fireblade_(3)_(2002~) arvore_manivelasManaul de serviço cbr900 rr fireblade_(3)_(2002~) arvore_manivelas
Manaul de serviço cbr900 rr fireblade_(3)_(2002~) arvore_manivelas
Thiago Huari
 
Manaul de serviço cbr1100 xx (2)_(1999~) carcaca
Manaul de serviço cbr1100 xx (2)_(1999~) carcacaManaul de serviço cbr1100 xx (2)_(1999~) carcaca
Manaul de serviço cbr1100 xx (2)_(1999~) carcaca
Thiago Huari
 
Manaul de serviço cbr1100 xx (1)_(~1998) carcaca
Manaul de serviço cbr1100 xx (1)_(~1998) carcacaManaul de serviço cbr1100 xx (1)_(~1998) carcaca
Manaul de serviço cbr1100 xx (1)_(~1998) carcaca
Thiago Huari
 
Manaul de serviço cbr1100 xx (2)_(1999~) manutenc
Manaul de serviço cbr1100 xx (2)_(1999~) manutencManaul de serviço cbr1100 xx (2)_(1999~) manutenc
Manaul de serviço cbr1100 xx (2)_(1999~) manutenc
Thiago Huari
 
Manual de serviço cbr600 f(1) (~1997) cilindro
Manual de serviço cbr600 f(1) (~1997) cilindroManual de serviço cbr600 f(1) (~1997) cilindro
Manual de serviço cbr600 f(1) (~1997) cilindro
Thiago Huari
 
CATALOGO DE PEÇAS XLX250R CARBURAÇÃO SIMPLES
CATALOGO DE PEÇAS XLX250R CARBURAÇÃO SIMPLESCATALOGO DE PEÇAS XLX250R CARBURAÇÃO SIMPLES
CATALOGO DE PEÇAS XLX250R CARBURAÇÃO SIMPLES
GeraldoFappi1
 
Carros
CarrosCarros
Manaul de serviço cbr900 rr fireblade (~1999) carcaca
Manaul de serviço cbr900 rr fireblade (~1999) carcacaManaul de serviço cbr900 rr fireblade (~1999) carcaca
Manaul de serviço cbr900 rr fireblade (~1999) carcaca
Thiago Huari
 
Manual de serviço cr250 99 manutenc
Manual de serviço cr250 99 manutencManual de serviço cr250 99 manutenc
Manual de serviço cr250 99 manutenc
Thiago Huari
 
Sistema de embreagem caminhoes e onibus
Sistema de embreagem caminhoes e onibusSistema de embreagem caminhoes e onibus
Sistema de embreagem caminhoes e onibus
Jupira Silva
 
Manaul de serviço cbr900 rr fireblade (2000~2001) carcaca
Manaul de serviço cbr900 rr fireblade (2000~2001) carcacaManaul de serviço cbr900 rr fireblade (2000~2001) carcaca
Manaul de serviço cbr900 rr fireblade (2000~2001) carcaca
Thiago Huari
 
Manual de serviço ch125 spacy (1993) mskv8931 p informac
Manual de serviço ch125 spacy (1993)   mskv8931 p informacManual de serviço ch125 spacy (1993)   mskv8931 p informac
Manual de serviço ch125 spacy (1993) mskv8931 p informac
Thiago Huari
 
Manual de serviço spacy informac
Manual de serviço spacy informacManual de serviço spacy informac
Manual de serviço spacy informac
Thiago Huari
 
Manual serviço biz125 ks es 00 x6b-kss-001 inform-gerais
Manual serviço biz125 ks es   00 x6b-kss-001 inform-geraisManual serviço biz125 ks es   00 x6b-kss-001 inform-gerais
Manual serviço biz125 ks es 00 x6b-kss-001 inform-gerais
Thiago Huari
 
Manual de serviço c 100 dream - 00 x6b-gn5-710 lubrific
Manual de serviço c 100 dream - 00 x6b-gn5-710 lubrificManual de serviço c 100 dream - 00 x6b-gn5-710 lubrific
Manual de serviço c 100 dream - 00 x6b-gn5-710 lubrific
Thiago Huari
 
Manual de servço dream lubrific
Manual de servço dream lubrificManual de servço dream lubrific
Manual de servço dream lubrific
Thiago Huari
 
Manual de serviço cg150 titan ks es esd informac
Manual de serviço cg150 titan ks es esd informacManual de serviço cg150 titan ks es esd informac
Manual de serviço cg150 titan ks es esd informac
Thiago Huari
 

Semelhante a Doc motor volvo fh d13 c 3 (20)

Manual opala
Manual opalaManual opala
Manual opala
 
Manual de Servico CG 125 Titan KS-ES-Cargo 2004 (1).pdf
Manual de Servico CG 125 Titan KS-ES-Cargo 2004 (1).pdfManual de Servico CG 125 Titan KS-ES-Cargo 2004 (1).pdf
Manual de Servico CG 125 Titan KS-ES-Cargo 2004 (1).pdf
 
Manual de serviço cr250 00 caracter
Manual de serviço cr250 00 caracterManual de serviço cr250 00 caracter
Manual de serviço cr250 00 caracter
 
Manaul de serviço cbr900 rr fireblade_(3)_(2002~) arvore_manivelas
Manaul de serviço cbr900 rr fireblade_(3)_(2002~) arvore_manivelasManaul de serviço cbr900 rr fireblade_(3)_(2002~) arvore_manivelas
Manaul de serviço cbr900 rr fireblade_(3)_(2002~) arvore_manivelas
 
Manaul de serviço cbr1100 xx (2)_(1999~) carcaca
Manaul de serviço cbr1100 xx (2)_(1999~) carcacaManaul de serviço cbr1100 xx (2)_(1999~) carcaca
Manaul de serviço cbr1100 xx (2)_(1999~) carcaca
 
Manaul de serviço cbr1100 xx (1)_(~1998) carcaca
Manaul de serviço cbr1100 xx (1)_(~1998) carcacaManaul de serviço cbr1100 xx (1)_(~1998) carcaca
Manaul de serviço cbr1100 xx (1)_(~1998) carcaca
 
Manaul de serviço cbr1100 xx (2)_(1999~) manutenc
Manaul de serviço cbr1100 xx (2)_(1999~) manutencManaul de serviço cbr1100 xx (2)_(1999~) manutenc
Manaul de serviço cbr1100 xx (2)_(1999~) manutenc
 
Manual de serviço cbr600 f(1) (~1997) cilindro
Manual de serviço cbr600 f(1) (~1997) cilindroManual de serviço cbr600 f(1) (~1997) cilindro
Manual de serviço cbr600 f(1) (~1997) cilindro
 
CATALOGO DE PEÇAS XLX250R CARBURAÇÃO SIMPLES
CATALOGO DE PEÇAS XLX250R CARBURAÇÃO SIMPLESCATALOGO DE PEÇAS XLX250R CARBURAÇÃO SIMPLES
CATALOGO DE PEÇAS XLX250R CARBURAÇÃO SIMPLES
 
Carros
CarrosCarros
Carros
 
Manaul de serviço cbr900 rr fireblade (~1999) carcaca
Manaul de serviço cbr900 rr fireblade (~1999) carcacaManaul de serviço cbr900 rr fireblade (~1999) carcaca
Manaul de serviço cbr900 rr fireblade (~1999) carcaca
 
Manual de serviço cr250 99 manutenc
Manual de serviço cr250 99 manutencManual de serviço cr250 99 manutenc
Manual de serviço cr250 99 manutenc
 
Sistema de embreagem caminhoes e onibus
Sistema de embreagem caminhoes e onibusSistema de embreagem caminhoes e onibus
Sistema de embreagem caminhoes e onibus
 
Manaul de serviço cbr900 rr fireblade (2000~2001) carcaca
Manaul de serviço cbr900 rr fireblade (2000~2001) carcacaManaul de serviço cbr900 rr fireblade (2000~2001) carcaca
Manaul de serviço cbr900 rr fireblade (2000~2001) carcaca
 
Manual de serviço ch125 spacy (1993) mskv8931 p informac
Manual de serviço ch125 spacy (1993)   mskv8931 p informacManual de serviço ch125 spacy (1993)   mskv8931 p informac
Manual de serviço ch125 spacy (1993) mskv8931 p informac
 
Manual de serviço spacy informac
Manual de serviço spacy informacManual de serviço spacy informac
Manual de serviço spacy informac
 
Manual serviço biz125 ks es 00 x6b-kss-001 inform-gerais
Manual serviço biz125 ks es   00 x6b-kss-001 inform-geraisManual serviço biz125 ks es   00 x6b-kss-001 inform-gerais
Manual serviço biz125 ks es 00 x6b-kss-001 inform-gerais
 
Manual de serviço c 100 dream - 00 x6b-gn5-710 lubrific
Manual de serviço c 100 dream - 00 x6b-gn5-710 lubrificManual de serviço c 100 dream - 00 x6b-gn5-710 lubrific
Manual de serviço c 100 dream - 00 x6b-gn5-710 lubrific
 
Manual de servço dream lubrific
Manual de servço dream lubrificManual de servço dream lubrific
Manual de servço dream lubrific
 
Manual de serviço cg150 titan ks es esd informac
Manual de serviço cg150 titan ks es esd informacManual de serviço cg150 titan ks es esd informac
Manual de serviço cg150 titan ks es esd informac
 

Último

Teoria de redes de computadores redes .doc
Teoria de redes de computadores redes .docTeoria de redes de computadores redes .doc
Teoria de redes de computadores redes .doc
anpproferick
 
Gestão de dados: sua importância e benefícios
Gestão de dados: sua importância e benefíciosGestão de dados: sua importância e benefícios
Gestão de dados: sua importância e benefícios
Rafael Santos
 
Orientações para utilizar Drone no espaço Brasil
Orientações para utilizar Drone no espaço BrasilOrientações para utilizar Drone no espaço Brasil
Orientações para utilizar Drone no espaço Brasil
EliakimArajo2
 
PRATICANDO O SCRUM Scrum team, product owner
PRATICANDO O SCRUM Scrum team, product ownerPRATICANDO O SCRUM Scrum team, product owner
PRATICANDO O SCRUM Scrum team, product owner
anpproferick
 
Por que escolhi o Flutter - Campus Party Piauí.pdf
Por que escolhi o Flutter - Campus Party Piauí.pdfPor que escolhi o Flutter - Campus Party Piauí.pdf
Por que escolhi o Flutter - Campus Party Piauí.pdf
Ian Oliveira
 
Como fui de 0 a lead na gringa em 3 anos.pptx
Como fui de 0 a lead na gringa em 3 anos.pptxComo fui de 0 a lead na gringa em 3 anos.pptx
Como fui de 0 a lead na gringa em 3 anos.pptx
tnrlucas
 
Ferramentas e Técnicas para aplicar no seu dia a dia numa Transformação Digital!
Ferramentas e Técnicas para aplicar no seu dia a dia numa Transformação Digital!Ferramentas e Técnicas para aplicar no seu dia a dia numa Transformação Digital!
Ferramentas e Técnicas para aplicar no seu dia a dia numa Transformação Digital!
Annelise Gripp
 

Último (7)

Teoria de redes de computadores redes .doc
Teoria de redes de computadores redes .docTeoria de redes de computadores redes .doc
Teoria de redes de computadores redes .doc
 
Gestão de dados: sua importância e benefícios
Gestão de dados: sua importância e benefíciosGestão de dados: sua importância e benefícios
Gestão de dados: sua importância e benefícios
 
Orientações para utilizar Drone no espaço Brasil
Orientações para utilizar Drone no espaço BrasilOrientações para utilizar Drone no espaço Brasil
Orientações para utilizar Drone no espaço Brasil
 
PRATICANDO O SCRUM Scrum team, product owner
PRATICANDO O SCRUM Scrum team, product ownerPRATICANDO O SCRUM Scrum team, product owner
PRATICANDO O SCRUM Scrum team, product owner
 
Por que escolhi o Flutter - Campus Party Piauí.pdf
Por que escolhi o Flutter - Campus Party Piauí.pdfPor que escolhi o Flutter - Campus Party Piauí.pdf
Por que escolhi o Flutter - Campus Party Piauí.pdf
 
Como fui de 0 a lead na gringa em 3 anos.pptx
Como fui de 0 a lead na gringa em 3 anos.pptxComo fui de 0 a lead na gringa em 3 anos.pptx
Como fui de 0 a lead na gringa em 3 anos.pptx
 
Ferramentas e Técnicas para aplicar no seu dia a dia numa Transformação Digital!
Ferramentas e Técnicas para aplicar no seu dia a dia numa Transformação Digital!Ferramentas e Técnicas para aplicar no seu dia a dia numa Transformação Digital!
Ferramentas e Técnicas para aplicar no seu dia a dia numa Transformação Digital!
 

Doc motor volvo fh d13 c 3

  • 1. Motor Motor D13C Esta descrição pode diferir dependendo das diferentes necessidades de mercado. O motor D13C é um desenvolvimento adicional do motor D13A de 13 litros que foi introduzido durante 2009. O motor tem seis cilindros retos, motor a diesel com injeção direta, com turbocompressor, arrefecedor intermediário e Módulo de Controle do Motor (ECM). O motor estará disponível em cinco variantes de saída de potência: 380 hp, 420 hp, 460 hp, 500 hp e 540 hp. O modelo de motor D13C satisfaz as exigências de emissão Euro 5 e está de acordo com a norma EEV (Enhanced Environmental friendly Vehicle- Veículo Ecológico Avançado) para as potências de saída de 420 hp, 460 hp e 500 hp. A norma EEV foi introduzida devido às exigências de determinados mercados em que os níveis de emissão fossem menores que a Euro 5. A norma EEV tem exigências mais rigorosas para particulados e fumaça do que a Euro 5. As principais mudanças no D13C comparado com o D13A são: Controle variável da válvula de escape usando a chamada borboleta ao invés de um regulador AT. Alojamento do filtro de óleo modificado com válvulas controladas eletricamente. Nova bomba de líquido de arrefecimento de dois estágios controlada eletricamente. Olhal de elevação fixado permanentemente na extremidade dianteira do motor. Adaptação do novo sistema elétrico. TREINATEC - Qualificação Profissional Motor FH D13C 1 "Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
  • 2. Além disso, o D13C foi fabricado baseado no conceito básico com engrenagens da distribuição na parte traseira, cabeçote único, árvore de comando de válvulas suspensa, unidades injetoras e freio motor dos tipos EPG, VEB, ou VEB+. O primeiro cilindro deste motor está localizado próximo ao amortecedor do eixo da manivela. A designação completa do motor (D13C460) significa: D = Diesel 13 = Volume do cilindro em litros C = Geração 460 = Variante (potência de saída em cavalo-vapor) Identificação do motor Para a identificação das diferentes variantes de motor, há duas etiquetas (1 e 2) fixadas no lado esquerdo da tampa das válvulas. Os dados do sistema de controle do motor (incluindo o número da peça) são também gravados em uma etiqueta (3) na parte traseira da unidade de controle. O número de série do motor (4) está gravado perto da parte superior do bloco de cilindros, no lado esquerdo, enquanto que a data de fundição do bloco do motor e outros dados (5) estão gravados abaixo desta gravação, no mesmo lado. A etiqueta 1 contém, entre outras informações: TREINATEC - Qualificação Profissional 2 Motor FH D13C "Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
  • 3. Modelo do motor (por ex. D13C460) Nível de emissão (por ex. EUV=Euro 5, EEV) Determinados dados do motor Tipo de freio de escape (por ex. EPG, VEB, VEB+) A etiqueta 2 contém, entre outras informações: Número do chassi (veículo). Número de série do motor e seus códigos de barra Cabeçote O cabeçote é em ferro fundido em uma única peça, o que garante uma base estável para o mancal da árvore de comando de válvulas suspensa. A árvore de comando de válvulas é fabricada com sete mancais divididos horizontalmente equipados com bronzinas substituíveis. A bronzina do mancal traseiro é também designada como um mancal axial. A carcaça do termostato do líquido de arrefecimento é fresada diretamente no cabeçote na parte dianteira no lado direito (1). Cada cilindro possui canais de admissão separados em um lado do cabeçote, e canais de escape separados no outro lado, o chamado (2). fluxo cruzado O canal de combustível das unidades injetoras é perfurado através do cabeçote no sentido longitudinal e tem um rebaixo fresado no formato de anel em torno de cada unidade injetora (3). TREINATEC - Qualificação Profissional Motor FH D13C 3 "Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
  • 4. Há um bujão (4) na parte dianteira que conduz a um canal para medir a pressão de óleo do mecanismo dos balancins. O canal (5) conduz óleo lubrificante para a árvore de comando de válvulas e para os balancins. É um furo centralizado no lado esquerdo do cabeçote. As unidades injetoras são colocadas verticalmente acima do centro de cada cilindro, entre as quatro válvulas, e são fixadas com um grampo (2). A parte inferior da unidade injetora é mantida encostada no revestimento do líquido de arrefecimento por uma camisa de cobre, que é vazada na parte inferior e vedada por um anel "O" na parte superior. O espaço no formato de anel em torno de cada injetor é vedado por dois anéis "O" assentados no injetor. Para arrefecimento máximo, os espaços do líquido de arrefecimento no cabeçote são equipados com uma parede horizontal que força a passagem do líquido de arrefecimento pelas partes inferiores e mais quentes do cabeçote. O mecanismo de válvulas é equipado com válvulas de admissão e de escape duplas. As válvulas de escape têm molas de válvulas duplas (1), enquanto que as válvulas de admissão têm molas simples (3). As válvulas são conectadas em pares com os calibradores flutuantes das válvulas, o que transfere o movimento dos balancins da árvore de comando de válvulas para os pares de válvulas. As válvulas são de um novo tipo com três ranhuras e as pinças de válvulas combinando. O formato das pinças das válvulas permite que as válvulas girem em seus assentos. Para uma melhor resistência ao calor e condução há mais material nos discos das válvulas de escape e as mesmas têm um diâmetro um pouco menor do que as válvulas de admissão. As guias de válvula são fabricadas de liga de ferro fundido e todas as válvulas têm retentores eficientes de óleo/gás nas hastes. As sedes de válvulas são fabricadas em aço temperado especial e são substituíveis, mas não podem ser fresadas. Bloco de cilindros TREINATEC - Qualificação Profissional 4 Motor FH D13C "Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
  • 5. O bloco de cilindros é fabricado em ferro fundido e em uma só peça. O bloco contém dois canais perfurados longitudinais para o sistema de óleo de lubrificação. No lado esquerdo do bloco está a galeria principal de óleo de lubrificação, e no lado direito está a galeria de arrefecimento dos pistões. Os dois canais são ligados na borda dianteira do bloco por bujões equipados com os anéis "O". Na borda traseira, a galeria de arrefecimento dos pistões é coberta pela tampa da distribuição, e a galeria principal do óleo de lubrificação abre dentro do canal compartilhado que fornece óleo às engrenagens da distribuição do motor. TREINATEC - Qualificação Profissional Motor FH D13C 5 "Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
  • 6. A forma abaulada do bloco em cada cilindro fornece ao bloco de motor boa rigidez torsional e boa isolação acústica. A vista em corte vertical mostra a camisa de cilindro e a posição do revestimento de arrefecimento no bloco. Para evitar que as capas dos mancais principais sejam instaladas incorretamente, as mesmas são guiadas para a posição correta através das abas fundidas (1), com entalhes (2) equivalentes no bloco do motor. As capas dos mancais principais são fabricadas em ferro nodular e são instaladas individualmente. Para evitar a instalação TREINATEC - Qualificação Profissional 6 Motor FH D13C "Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
  • 7. incorreta, as capas são numeradas e marcadas 1, 2, 3, 5 e 6, da frente para a traseira do motor. As capas dos mancais principais traseira e central têm formas exclusivas e não necessitam ser marcadas. Quadro de reforço e cárter de óleo Para reduzir as vibrações no bloco de cilindros e consequentemente reduzir o ruído do motor, há um quadro de reforço (1) instalado por baixo do bloco. O quadro de reforço é fabricado em chapa de aço de 6 mm e parafusado na superfície inferior do bloco (3). O cárter de óleo padrão (2) é de plástico moldado (composto), mas para aplicações especiais há uma variante de aço moldado. A junta para o cárter de plástico consiste de um cordão de borracha, fabricada em uma só peça e instalada em uma ranhura na borda superior. O cárter é preso por 22 parafusos de aço acionados por mola (4). O bujão de drenagem de óleo (5) do cárter de plástico é parafusado em um reforço de aço substituível. O cárter de aço é vedado na parte inferior do bloco do motor por uma junta de borracha lisa que é mantida no lugar pelas garras de borracha. O cárter de aço é fixado pelo mesmo tipo de parafusos acionados por mola como no cárter de plástico, mas um pouco menores. Junta de vedação TREINATEC - Qualificação Profissional Motor FH D13C 7 "Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
  • 8. O motor D13C tem camisas de cilindro úmidas para a transferência eficaz de calor. As camisas são vedadas contra o bloco de cilindros por anéis de borracha. O anel superior está localizado logo abaixo do colar da camisa (1). A superfície de vedação da camisa contra a junta do cabeçote é convexa. No motor D13C, os guias da camisa de cilindro estão sobre o ressalto da camisa. A vedação inferior consiste em três anéis "O" localizados nas ranhuras do bloco de cilindros (2). Estes anéis são fabricados de diferentes compostos de borracha e são codificados por cor, para evitar a instalação incorreta. Os dois anéis "O" (pretos) superiores são fabricados em borracha EPDM e, são portanto, resistentes ao líquido de arrefecimento, enquanto que o inferior (violeta) é de borracha de flúor e resistente ao óleo. A junta (3) entre o cabeçote, o bloco de cilindros e as camisas de cilindro é fabricada em aço e possui insertos de borracha vulcanizada para vedar os canais de óleo lubrificante e de líquido de arrefecimento. Para proteger as vedações de borracha durante a instalação do cabeçote, as mesmas têm várias áreas em relevo convexas nas quais o cabeçote pode deslizar. Estas áreas em relevo são niveladas quando o cabeçote é apertado. Cabeçote, guias na direção do bloco TREINATEC - Qualificação Profissional 8 Motor FH D13C "Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
  • 9. A instalação do cabeçote não requer nenhuma ferramenta especial. Para facilitar a instalação e obter o assentamento correto do cabeçote no bloco do motor há três arruelas guias no lado esquerdo do motor - duas no bloco do motor (1) e uma no cabeçote (2). Estas arruelas determinam a posição lateral do cabeçote, enquanto que a tampa da distribuição (3) determina a posição longitudinal. Desta maneira o cabeçote pode ser posicionado exatamente tanto na lateral como longitudinalmente. O relevo convexo na junta do cabeçote significa que o cabeçote pode ser deslocado sobre a junta sem danificar os insertos de borracha da vedação. Pistão, camisa de cilindro e biela TREINATEC - Qualificação Profissional Motor FH D13C 9 "Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
  • 10. O D13C tem pistões de aço sólido forjado. Os pistões são arrefecidos a óleo. O pistão (A) tem dois anéis de compressão e um anel raspador de óleo. O anel de compressão superior (1) tem uma seção transversal trapezoidal ( ). O anel de compressão inferior (2) tem uma seção transversal retangular. O anel raspador de óleo (3) Tipo Keystone na parte inferior é acionado por mola. Todos os anéis de pistão são instalados com as marcações voltadas para cima, e igualmente as marcações para cima também é válido durante a instalação do anel raspador de óleo. As camisas de cilindro (B) são substituíveis. São fundidas por centrifugação de liga de aço fundido. A parte interna de cada camisa é polida no padrão cruzado (4). A fresagem final de acabamento da superfície da camisa é realizada utilizando um método chamado de polimento de placa (5), onde as pontas mais afiadas da fresagem inicial são removidas. As bielas (C) são forjadas e divididas na parte inferior (a extremidade maior) por um método chamado curvatura. A extremidade superior (extremidade menor) tem uma bucha prensada (6) para o pino do pistão, que é lubrificado através de um canal perfurado (7). As duas partes da extremidade maior são fixadas por quatro parafusos, e cada biela é marcada de 007 a 999 em ambas as peças (8). As bielas são marcadas para garantir que sejam FRONT montadas corretamente. Árvore de comando de válvulas e mecanismo de válvulas TREINATEC - Qualificação Profissional 10 Motor FH D13C "Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
  • 11. O D13C tem uma árvore de comando de válvulas suspensa e um sistema de quatro válvulas. A árvore de comando de válvulas é temperada por indução e apoiada em sete mancais, onde o mancal traseiro é também um rolamento de encosto axial. Tanto as bronzinas como os mancais são substituíveis. Entre cada colo do mancal há quatro cames (com freios motores VEB e VEB+), ou alternativamente três cames (com freio motor EPG): came de admissão, came de injeção, came de escape e came de freio (VEB e VEB+) (contado a partir da frente). A árvore de comando de válvulas é acionada por engrenagem (1) nas engrenagens da distribuição. Para minimizar o ruído e a vibração, um amortecedor hidráulico de vibração (2) é fixado na parte externa da engrenagem. Há também marcações de regulagem ( ) no amortecedor de vibração do sensor indutivo da árvore de comando de válvulas. dentes A ilustração A mostra uma vista em corte do mecanismo de válvulas de um par de válvulas de escape. Há um princípio similar para as válvulas de admissão. Motores com VEB/VEB+ (Freio Motor Volvo) têm uma função hidráulica incorporada no balancim. Cada balancim opera um chamado grampo flutuante de válvulas (3) que abre as válvulas. O balancim (4) é montado nos rolamentos no eixo dos balancins (5) com uma bucha (6). O contato com a árvore de comando de válvulas é através de um rolete (7) e com o grampo de válvulas através de uma cavidade esférica (8). A ilustração B mostra as marcações da árvore de comando de válvulas para a regulagem básica (TDC) e para a abertura das válvulas e regulagens do injetor. Estão marcadas na extremidade dianteira da árvore de comando de válvulas (9), na frente do bloco do mancal dianteiro(10). As marcações variam de acordo com o tipo do freio motor instalado no motor. Versão EPG: TDC e os dígitos 1-6. Projeto VEB: TDC e marcações V1-V6. Projeto VEB +: TDC e marcações E1-E6. TREINATEC - Qualificação Profissional Motor FH D13C 11 "Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
  • 12. Árvore de manivelas, amortecedor de vibrações, volante do motor A árvore de manivelas é forjada a martelo e possui superfícies de mancais temperadas por indução e moldagens vazadas. A árvore de manivelas está apoiada sobre sete mancais principais com bronzinas substituíveis (1). O mancal principal central (B) também possui um mancal axial composto por quatro arruelas em forma de meia-lua (2). A vedação na extremidade dianteira (A) é realizada por meio de vedadores de teflon (3) contra o flange dianteiro da árvore de manivelas. Na parte traseira (C) encontra-se outro vedador de teflon (4) que faz a vedação contra uma superfície retificada na engrenagem da árvore de manivelas (5). A engrenagem está fixada à árvore de manivelas com um pino guia (6) e dois parafusos (7). Há uma ranhura no flange traseiro da árvore de manivelas para um anel "O" (8) que forma uma vedação entre o flange e a engrenagem. TREINATEC - Qualificação Profissional 12 Motor FH D13C "Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
  • 13. A lubrificação da árvore de manivelas é através de canais individuais no bloco do motor para cada mancal principal (1). Os colos dos mancais principais possuem canais de lubrificação completamente perfurados (2), e de cada apoio do mancal principal, com exceção do apoio central, há um canal perfurado (3) para o próximo mancal do excêntrico. O amortecedor de vibrações é do tipo hidráulico e é parafusado diretamente ao flange dianteiro da árvore de manivelas. O amortecedor também sustenta a polia para a correia em V que aciona o compressor do ar condicionado (AC) e o alternador. No alojamento do amortecedor (4) há um peso de inércia sob a forma de um anel em ferro fundido (5) que pode girar livremente sobre as buchas (6). O espaço entre o peso de inércia e o alojamento é preenchido com óleo de silicone de alta viscosidade. À medida que a árvore de manivelas gira, pulsos de torção são gerados na mesma pelos cursos de potência dos pistões. O óleo de silicone de alta viscosidade suaviza os movimentos entre a rotação pulsante da árvore de manivelas e a rotação uniforme do peso de inércia, que reduz as tensões torsionais. O volante do motor (7) e a engrenagem intermediária (8) estão presos ao flange traseiro da árvore de manivelas por 14 parafusos M16 (9). O volante do motor está localizado na árvore de manivelas com o mesmo pino guia (10) que a engrenagem. Há ranhuras retificadas (12) na borda externa para o sensor indutivo da posição do volante do motor do sistema de comando do motor. A cremalheira do volante (11) está recuada no volante do motor e pode ser substituída. Transmissão do motor TREINATEC - Qualificação Profissional Motor FH D13C 13 "Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
  • 14. 1. 2. 3. 4. 5. 6. 7. As engrenagens da distribuição estão localizadas na parte traseira do motor, em uma placa de aço espessa de 6 mm (1). A placa da distribuição é mantida no lugar por vários parafusos e vedada contra o bloco do motor e cabeçote. A nova junta de borracha é colada em uma ranhura na placa de distribuição, por isso ela não pode ser substituída. Há um furo na placa de distribuição que é utilizado em conjunto com as marcações na engrenagem da árvore de comando de válvulas (A) para a instalação correta da engrenagem da árvore de comando de válvulas. A engrenagem da árvore de comando de manivelas e as engrenagens intermediárias duplas possuem marcações de alinhamento (B) para a sua instalação correta. Nota! Antes de remover a placa da distribuição, instalar uma ferramenta especial, consultar as instruções de reparo. Placa da distribuição Engrenagem da árvore de manivelas Engrenagem intermediária, dupla Engrenagem da tomada de força (equipamento extra) Engrenagem intermediária, regulável Engrenagem da árvore de comando de válvulas Engrenagem motora, compressor de ar TREINATEC - Qualificação Profissional 14 Motor FH D13C "Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
  • 15. 7. 8. 9. 10. 11. Engrenagem motora, direção hidráulica e bomba de alimentação de combustível Engrenagem intermediária, direção hidráulica e bomba de alimentação de combustível Engrenagem motora, bomba de óleo Amortecedor do volante do motor com para o sensor indutivo da árvore de comando de válvulas dentes Engrenagem intermediária da transmissão do motor A: A engrenagem intermediária pequena que aciona o servo da direção hidráulica e a bomba de combustível é apoiada em um rolamento de esferas de duas fileiras (1) e está presa por parafuso (2). B: A engrenagem intermediária inferior é composta por duas engrenagens parafusadas juntas. As engrenagens são pré-fixadas em um cubo (3) e apoiadas em dois rolamentos de rolos cônicos (4). A luva guia (5) guia a engrenagem TREINATEC - Qualificação Profissional Motor FH D13C 15 "Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
  • 16. intermediária na placa da distribuição. Esta engrenagem intermediária com as suas duas engrenagens, rolamentos e cubo representa conjunto completo um que não deve ser desmontado, mas . substituído como uma só peça C: A engrenagem intermediária regulável é apoiada em uma bucha (6) no cubo (7). A bucha e a arruela de encosto (8) são lubrificadas por pressão através do canal (9), que estende-se entre o bloco de cilindros e a placa da distribuição. O pino guia (10), na parte inferior do cubo, mantém a folga entre dentes constante entre as duas engrenagens intermediárias. Portanto, durante a regulagem, somente a folga entre dentes da engrenagem da árvore de comando de válvulas precisa ser regulada. Tampas Há duas tampas para as engrenagens da distribuiçao. A tampa superior da distribuição (A) é feita de plástico e tem um coletor de óleo embutido para ventilação do cárter. A tampa inferior (B) é feita de alumínio fundido e é uma tampa combinada da transmissão e do volante do motor, incluindo também pontos de fixação para as bases traseiras do motor. A tampa do volante do motor tem duas luvas-guia que a posicionam com relação à placa de distribuição. TREINATEC - Qualificação Profissional 16 Motor FH D13C "Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
  • 17. A tampa inferior (B) é vedada contra a placa da distribuição por um composto vedante. A vedação entre as tampas é feita com uma tira de borracha (1) colocada em uma ranhura na tampa superior. Essa junta vem montada de fábrica na tampa do cárter. A tampa superior da distribuição também é vedada com composto vedante na junção entre a tira de borracha e a placa da distribuição. Há dois furos com bujões de borracha na tampa do volante do motor. Um dos furos é para uma ferramenta de acionamento (2) para girar o motor e, através do outro furo, é possível ler uma marcação que indica a posição do volante do motor (3). A tampa (C) inclui a conexão para a tomada de força acionada pelo motor. Tomada de força acionada pelo motor TREINATEC - Qualificação Profissional Motor FH D13C 17 "Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
  • 18. Como um equipamento extra, uma tomada de força acionada pelo motor pode ser instalada na parte traseira da carcaça do volante do motor. A tomada de força é acionada a partir da engrenagem externa da engrenagem intermediária inferior e os dentes da engrenagem são lubrificados através de um furo na placa da extremidade do rolamento da engrenagem intermediária. Diversas variantes de tomada de força estão disponíveis, tal como uma tomada de força com bomba hidráulica ou tomada de força mecânica. A ilustração mostra uma bomba hidráulica instalada. Se for necessário instalar uma tomada de força com torque maior do que 650 Nm (máximo 1000 Nm), é necessário que a engrenagem da tomada de força extra, a engrenagem da árvore de manivelas e a engrenagem intermediária dupla sejam substituídas por engrenagens com dentes de carcaças temperadas. Sistema de óleo e lubrificação O motor é lubrificado por pressão por uma bomba de engrenagens localizada na parte traseira e acionada pela árvore de manivelas. Dois canais de óleo longitudinais atravessam o bloco de cilindros — o canal principal de lubrificação (galeria de óleo) e o canal de óleo de arrefecimento dos pistões. A galeria principal de óleo vai para um canal fundido que leva o óleo lubrificante para as engrenagens da distribuição. Um canal passante localizado centralmente no bloco de cilindros e no cabeçote leva o óleo lubrificante até a válvula VCB/carcaça de conexão e ao eixo dos balancins vazado que, através dos canais de óleo, lubrifica os mancais da árvore de comando de válvulas e os rolamentos dos balancins. Através de toda a engrenagem regulável há um canal que lubrifica o acoplamento entre a engrenagem e a (o canal não está mostrado na ilustração). motora da tomada de força engrenagem intermediária dupla regulável O alojamento do filtro de óleo está fixado por parafusos no lado direito do motor e possui dois filtros de fluxo total e um TREINATEC - Qualificação Profissional 18 Motor FH D13C "Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
  • 19. 1. 2. 3. 4. 5. 6. 7. filtro bypass. O resfriador de óleo está localizado no revestimento de arrefecimento do bloco do motor no mesmo lado. O fluxo de óleo através do motor é regulado por seis válvulas localizadas dentro do bloco de cilindros, bomba e alojamento do filtro de óleo. Válvula redutora Válvula de segurança Válvula controlada eletricamente para arrefecimento dos pistões Válvula controlada eletricamente para o resfriador de óleo Saída de pressão para arrefecimento dos pistões Sensor de pressão, arrefecimento dos pistões Válvula de alívio de pressão do filtro de fluxo total A válvula redutora (1) está integrada na bomba de óleo e não pode ser substituída como um item separado. Sistema de lubrificação, princípio TREINATEC - Qualificação Profissional Motor FH D13C 19 "Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
  • 20. O óleo é extraído através de um filtro de tela (1) por um tubo de plástico (2) do cárter de óleo para a bomba de óleo (3), que força o óleo através do tubo de pressão (4) para os canais no bloco de cilindros. O óleo passa então pelo resfriador de óleo (5) para o alojamento do filtro (6). Depois de ser filtrado pelos dois filtros de fluxo total (7), o óleo passa por um tubo de conexão para a galeria principal de lubrificação (8) do bloco de cilindros, para a distribuição por todos os pontos de lubrificação e para a turbina separadora (9), nos casos onde estiver instalado o respiro fechado do cárter (CCV-C) ou o respiro parcialmente fechado do cárter (CCV-OX). A lubrificação do mecanismo de válvulas ocorre através de um canal perfurado até a válvula VCB (10). Nos motores EPG, a válvula VCB é substituída por uma carcaça de conexão. O tubo externo é utilizado para lubrificar o compressor de ar (11) e o turbocompressor (12) com o óleo que foi filtrado pelo filtro de fluxo total (7). O óleo finamente filtrado do filtro bypass (13) é misturado com o óleo de arrefecimento dos pistões, que é alimentado para a galeria de arrefecimento dos pistões no bloco de cilindros. Daqui, o óleo é pulverizado dos bicos de arrefecimento dos pistões (14) em direção às faces inferiores dos pistões. A: Válvula redutora — mantém a pressão do óleo no nível correto. B: Válvula de segurança — protege a bomba de óleo, filtro e resfriador de óleo contra a pressão excessiva quando a viscosidade do óleo está alta C: Válvula elétrica do resfriador de óleo — controla a temperatura do óleo para o valor ideal D: Válvula de alívio de pressão do filtro de fluxo total — abre e permite que o óleo passe, desviando-se do filtro de óleo, se este estiver obstruído E: Válvula reguladora de arrefecimento dos pistões — controla o fluxo de óleo para o canal de arrefecimento dos pistões Bomba de óleo e resfriador de óleo TREINATEC - Qualificação Profissional 20 Motor FH D13C "Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
  • 21. A bomba de óleo é uma bomba de engrenagens localizada na extremidade traseira do motor e fixada por quatro parafusos à capa traseira do mancal principal. É acionada por uma engrenagem (1) diretamente da engrenagem da árvore de manivelas. A bomba possui uma engrenagem helicoidal para reduzir o ruído, e os seus eixos são montados em rolamentos diretamente na carcaça da bomba, que é fabricada em alumínio. A válvula redutora de pressão (2) está instalada na bomba de óleo e controla a pressão no sistema de lubrificação através de um canal de óleo (3) no mancal principal traseiro. O sistema de sucção é dividido em duas partes e é composto por um tubo de plástico (4) com um filtro de tela no cárter de óleo e um tubo (5) de aço ou alumínio. O tubo de plástico está parafusado ao quadro de reforço. O tubo de metal está vedado em cada uma das extremidades por vedações de borracha e está disponível em dois comprimentos, dependendo do tipo de cárter de óleo utilizado e da sua instalação. O tubo de pressão (6) é fabricado em aço e fixado ao bloco de cilindros e vedado por vedações de borracha. Um tubo de conexão do alojamento do filtro de óleo transporta o óleo para a galeria de óleo lubrificante. TREINATEC - Qualificação Profissional Motor FH D13C 21 "Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
  • 22. O resfriador de óleo (7) é parafusado à tampa do resfriador de óleo (9) e é completamente envolvido pelo líquido de arrefecimento devido à placa de fluxo (8). Sistema de arrefecimento dos pistões Aqui é mostrado o fluxo de óleo para o sistema de arrefecimento dos pistões, onde a válvula (3) estabiliza o fluxo de óleo para o canal de arrefecimento dos pistões. A válvula (3) é controlada pelo Módulo de Controle do Motor (ECM), que recebe os sinais do sensor de pressão (6). O bico de arrefecimento do pistão é direcionado de forma que o jato de óleo atinja o furo de entrada na câmara de arrefecimento do pistão. Sistema de combustível TREINATEC - Qualificação Profissional 22 Motor FH D13C "Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
  • 23. 1. 2. 3. 4. 5. 6. 7. 8. 9. 10. O sistema de combustível D13C é controlado eletronicamente pelo Módulo de Controle do Motor (ECM). A injeção de combustível é feita por unidades injetoras, uma para cada cilindro, em alta pressão. A alta pressão é criada mecanicamente por meio do eixo-comando superior e dos balancins. A regulagem da quantidade de combustível e do ponto de injeção é controlada eletronicamente através do Módulo de Controle do Motor (ECM), que recebe sinais de vários sensores. A ilustração mostra os componentes principais do sistema de combustível. Filtro de tela, medidor do nível do tanque Bomba de alimentação Alojamento do filtro de combustível Pré-filtro com separador de água Válvula de sangria Filtro de combustível Válvulas de alívio de pressão Unidade injetora Canal de combustível no cabeçote Circuito de arrefecimento da unidade de controle eletrônico do motor O D13C está equipado com uma bomba manual localizada no alojamento do filtro de combustível. Sistema de alimentação de combustível, princípio TREINATEC - Qualificação Profissional Motor FH D13C 23 "Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
  • 24. O combustível é retirado por meio da bomba de alimentação (1) através de um filtro de tela (2) no inserto do tanque, até o circuito de arrefecimento (6) que resfria a unidade de controle eletrônico do motor (16) e, em seguida, até o alojamento do filtro de combustível (3). Lá, o combustível passa pela válvula de retenção (11) e um pré-filtro (4) com um separador de água (13). A tarefa da válvula de retenção é evitar que o combustível retorne para o tanque quando o motor é desligado, ou durante o bombeamento manual. A bomba de alimentação (1) envia o combustível para o alojamento do filtro de combustível (3) e através do filtro principal (5) até o canal longitudinal de combustível (9) no cabeçote. Este canal fornece combustível para cada unidade injetora (8) através de uma ranhura em forma de anel ao redor de cada injetor no cabeçote. A válvula de alívio de pressão (7) controla a pressão de alimentação de combustível para os injetores. O combustível de retorno do canal de combustível do cabeçote (9) segue através da válvula de alívio de pressão (7) de volta ao alojamento do filtro de combustível (3). O canal no alojamento do filtro de combustível mistura o combustível de retorno com o combustível do tanque, que é retirado para a entrada da bomba de alimentação (lado de sucção). Há duas válvulas na bomba de alimentação. A válvula de segurança (14) permite que o combustível retorne para o lado de sucção quando a pressão se torna muito alta, por exemplo, quando o filtro de combustível está obstruído. A válvula de retenção (15) abre quando a bomba manual de combustível (12) é utilizada, para que o combustível possa ser bombeado de maneira mais fácil, manualmente. O alojamento do filtro de combustível (3) também possui uma válvula de sangria embutida (10). O sistema de combustível é sangrado automaticamente quando o motor é iniciado. Qualquer ar no sistema flui, juntamente com uma pequena quantidade de combustível, de volta para o tanque (2) através de um tubo. Durante a troca de filtros, os cones de válvulas (18 e 19) se fecham para evitar vazamento de combustível quando o filtro de combustível está desparafusado. A sangria de ar do filtro durante a troca de filtros é controlada pelas válvulas TREINATEC - Qualificação Profissional 24 Motor FH D13C "Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
  • 25. (18 e 20) no alojamento do filtro e pela válvula de sangria (10). No alojamento do filtro de combustível há um sensor de pressão de combustível (21) que mede a pressão de alimentação depois do filtro de combustível. Um código de falha é apresentado no painel de instrumentos se a pressão de alimentação for menor do que o valor fornecido no manual de código de falhas. A saída tampada (22) no alojamento do filtro de combustível é utilizada para medir a pressão de alimentação com um sensor ou medidor de pressão externo. Há um sensor de nível (23) dentro do separador de água (13), que envia um sinal para o motorista se houver água no sistema. A drenagem é realizada por meio de botões (24) no volante de direção. Isso abre uma válvula de drenagem elétrica (25) via um comando da unidade de controle eletrônica do motor. Para que o processo de drenagem seja ativado, as condições a seguir devem ser satisfeitas: sensor de nível (3) no separador de água deve indicar nível alto de água o motor deve estar desligado/chave de partida na posição de condução o veículo deve estar parado O freio de estacionamento deve estar aplicado Se o motor for ligado durante o processo de drenagem, o processo será interrompido. Uma advertência no painel de instrumentos permanece se o indicador estiver acima do nível de advertência. água no combustível Como um acessório extra, também há um aquecedor de combustível (26) que está instalado na parte inferior do separador de água. A bomba manual (12) está localizada no alojamento do filtro de combustível e é utilizada para bombear combustível para frente (com o motor parado) caso o sistema de combustível tenha sido esvaziado. Nota! A bomba manual não deve ser utilizada enquanto o motor estiver funcionando. Sistema de combustível, componentes TREINATEC - Qualificação Profissional Motor FH D13C 25 "Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
  • 26. Vários dos componentes do sistema de combustível são os mesmos ou semelhantes aos utilizados no motor D13A. A: As unidades injetoras são do tipo (E3) com duas válvulas solenóides, para uma injeção mais precisa. B: No suporte do filtro de combustível está uma bomba manual (1), que é utilizada para bombear o combustível para a frente se o sistema foi esvaziado, e uma válvula de retenção para evitar que o combustível retorne ao tanque quando o motor é desligado. As conexões elétricas (2) são para o sensor de nível (3) e a válvula de drenagem (4) no separador de água (5). O pré-filtro (6) filtra o combustível que este passe pela bomba de alimentação, isto é, ele se encontra no lado de antes sucção. O filtro principal (7) filtra o combustível que este passa pela bomba de alimentação, isto é, ele se depois encontra no lado de pressão. C: A bomba de alimentação de combustível é do tipo de engrenagens e está montada na bomba da direção hidráulica (8). A bomba de alimentação é acionada pela bomba da direção hidráulica através de um eixo comum (9). A vedação entre as duas bombas utiliza um anel "O" (10) posicionado em uma ranhura no flange da bomba de direção hidráulica. A transmissão de potência entre as bombas é através de um flange flutuante (11). A carcaça da bomba (12) e a tampa (13) são fabricadas em ferro fundido. O eixo da engrenagem motora e a engrenagem da bomba funcionam em rolamentos de agulhas (14 e 15 respectivamente). A válvula de segurança da bomba (16) está localizada na carcaça da bomba e a válvula de retenção (17) na extremidade flangeada da bomba. O combustível que vaza após o eixo motor da bomba é escoado de volta para o lado de sucção na bomba através de um canal (18). D: O circuito de arrefecimento no lado esquerdo do motor resfria o Módulo de Controle do Motor (ECM) usando combustível do lado de sucção da bomba de alimentação. E: A válvula de alívio de pressão (19) no cabeçote controla a pressão no sistema de baixa pressão, que fornece combustível para as unidades injetoras e ao mesmo tempo as resfria. O sistema de combustível tem uma válvula de sangria (20) localizada no suporte do filtro de combustível. Unidades injetoras TREINATEC - Qualificação Profissional 26 Motor FH D13C "Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
  • 27. TREINATEC - Qualificação Profissional Motor FH D13C 27 "Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
  • 28. As unidades injetoras são colocadas verticalmente no centro de cada cilindro, entre as quatro válvulas, e fixadas no lugar com grampos (1). A parte inferior do injetor é apoiada contra o revestimento do líquido de arrefecimento pela camisa de cobre (2) e o anel "O" (3). A câmara em forma de anel, para a alimentação de combustível (4), ao redor de cada injetor é vedada por dois anéis "O" (5 e 6). Uma unidade injetora é composta basicamente por três partes: A. Seção de bombeamento B. Seção da válvula (Atuador) C. Seção do pulverizador Dentro da seção da válvula estão duas válvulas solenóides — a válvula de descarga (7) e a válvula de agulha (10) com bobinas solenóides (8 e 9 respectivamente) e molas de retorno. Na o pistão da bomba movimenta-se para cima e o combustível do canal de combustível do fase de enchimento cabeçote é forçado para dentro da unidade injetora. Na o pistão da bomba movimenta-se para baixo e o combustível é forçado de volta para o canal de fase de descarga combustível do cabeçote. Durante este tempo, as bobinas das válvulas solenóides não têm corrente e a válvula de descarga está aberta, de modo que nenhuma pressão pode ser formada no canal de combustível para o pulverizador. Na a bobina solenóide da válvula de descarga é energizada por uma corrente elétrica e fase de formação de pressão a válvula de descarga se fecha. Isto permite a formação de uma alta pressão no canal de combustível (13). A pressão também aumenta na câmara (14) atrás da válvula de agulha, que afeta o êmbolo da válvula de agulha (11) e evita que a válvula de agulha (10) abra o pino do bico injetor (12). Quando é atingida a pressão desejada de combustível, a se inicia. A bobina da válvula solenóide de fase de injeção agulha recebe corrente elétrica e abre a válvula de agulha (10). Isto libera o combustível sob alta pressão para o êmbolo da válvula de agulha e o pino do bico injetor (12) se abre. O combustível pulverizado é borrifado para fora a uma pressão extremamente alta para dentro da câmara de combustão do motor. A injeção de combustível é interrompida abrindo-se a válvula de descarga novamente, o que leva a pressão no pistão (11) a cair rapidamente e o pino do bico injetor (12) se fecha. O processo completo de injeção é controlado pelo sistema de gerenciamento do motor (ECM). Há três marcações no conector elétrico do injetor (15) — número de peça (16), código de ajuste (17) e número de fabricação (18). Ao trocar um ou mais injetores, a unidade de controle do motor deve ser programada com o código de ajuste do novo injetor, pois cada injetor é único e o motor é ajustado para obter injeção de combustível ideal, bem como o mínimo possível de emissões. O código de ajuste é programado usando a seção de programação de parâmetros do TechTool. Sistema de admissão e escape Elemento de partida TREINATEC - Qualificação Profissional 28 Motor FH D13C "Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
  • 29. Para mercados com invernos severos, há um preaquecedor elétrico (1) como um acessório opcional. Este é ativado quando o motorista gira a chave de partida para a posição de preaquecimento e a temperatura do líquido de arrefecimento do motor está mais baixa do que +10º C. O tempo de preaquecimento e pós-aquecimento é controlado pela unidade de controle eletrônico do motor. Quando o elemento é ligado, o símbolo de preaquecimento é mostrado no painel de instrumentos. No diagrama, os tempos de conexão são mostrados em segundos em relação à temperatura do líquido de arrefecimento do motor. A vantagem é uma partida mais fácil e menos fumaça branca do escape. O relé de operação do elemento de preaquecimento está localizado no coletor de admissão. Intercooler TREINATEC - Qualificação Profissional Motor FH D13C 29 "Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
  • 30. O D13C está equipado com um intercooler ar-a-ar. O intercooler está localizado em frente ao radiador e abaixa a temperatura do ar de entrada em aproximadamente 150°C. O ar de entrada do motor tem, portanto, a sua temperatura reduzida o que garante uma combustão mais limpa. Isto produz pequenas quantidades de NO — o que é x absolutamente necessário para satisfazer as exigências de baixa emissão de escape. A redução da temperatura do ar de entrada também aumenta a sua densidade, o que significa que mais ar entra no motor, permitindo a injeção de uma quantidade maior de combustível. O resultado é uma potência mais alta do motor. O intercooler também reduz as fadigas nos pistões e válvulas. Coletor de escape e turbocompressor TREINATEC - Qualificação Profissional 30 Motor FH D13C "Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
  • 31. O coletor de escape é fabricado em três seções de ferro fundido resistente ao calor. As juntas são do tipo deslizante com vedações tipo luva. Entre o cabeçote e os flanges do coletor encontram-se juntas revestidas de grafite. O turbocompressor é do formato MWE (Map Width Enhancement), o que significa que a entrada de ar está dividida em duas áreas — uma área interna e uma área externa — conectadas por um espaço em formato de anel. Este formato do turbocompressor garante eficiência tanto em baixas como em altas velocidades. Válvula bypass TREINATEC - Qualificação Profissional Motor FH D13C 31 "Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
  • 32. A válvula by-pass (1) está localizada na carcaça do turbo e tem a função de reduzir a velocidade do turbocompressor em altas potências de saída. Se necessário, a válvula by-pass abre para que parte dos gases de escape flua para o tubo de escape sem passar pelo rotor do turbo. O atuador (2) regula o movimento da válvula by-pass. O atuador é controlado pelo ar comprimido através da válvula AVU alimentada com ar comprimido do sistema pneumático do veículo. O tubo de entrada possui um sensor de pressão que mede a pressão do ar de carga. Se a pressão do ar de carga não estiver dentro dos valores corretos, a unidade de controle do motor transmite um sinal PWM (Modulação da Largura de Pulso) para a válvula AVU que, por sua vez, regula o atuador. Identificação TREINATEC - Qualificação Profissional 32 Motor FH D13C "Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
  • 33. Há uma plaqueta (1) no turbocompressor que o identifica. O turbocompressor vem em duas versões: com ou sem a válvula by-pass (2). Válvula de escape (borboleta) O motor D13C tem uma válvula de escape acionada a ar comprimido (Borboleta) localizada na carcaça do êmbolo. A válvula de escape é usada como um retentor de calor ao funcionar em marcha lenta e como um freio motor — EPG (Regulador de Pressão dos Gases de Escape). A válvula pode ser regulada de forma variável por um cilindro de ar comprimido alimentado com ar comprimido via válvula AVU, que é, por sua vez, controlada pelo Módulo de Controle do Motor (ECM). A nova carcaça do acelerador tem um desenho reto, o que oferece menor resistência de exaustão. TREINATEC - Qualificação Profissional Motor FH D13C 33 "Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
  • 34. 1. 2. 3. 4. Carcaça do êmbolo Válvula de escape Cilindro de ar comprimido Válvula AVU Válvula AVU O freio motor EPG e a válvula bypass do turbocompressor são controlados por ar comprimido vindo do sistema pneumático do veículo e regulados por uma válvula pneumática chamada de válvula AVU (Unidade de Válvulas Pneumáticas). A válvula AVU consiste basicamente por uma válvula solenóide, uma válvula pneumática e um cartão de circuito impresso. A válvula regula a pressão de maneira variável e possui válvulas redutoras embutidas, que liberam diferentes pressões para as respectivas potências de frenagem. TREINATEC - Qualificação Profissional 34 Motor FH D13C "Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
  • 35. Em condições normais de condução, a válvula AVU é desenergizada. A válvula AVU está disponível em duas variantes - para turbocompressores com e sem uma válvula bypass: A) Válvula AVU com saída dupla: regula tanto o EPG como a válvula bypass do turbocompressor. B) Válvula AVU com saída simples: regula somente o EPG (nos motores onde o turbocompressor não tem uma válvula bypass). A válvula AVU é controlada pelo Módulo de Controle do Motor (ECM). A válvula AVU é alimentada com ar do sistema de pressão de ar através de mangueira (1) e libera ar para o EPG por meio da mangueira (2) e o atuador do turbo-compressor (válvula de passagem) através da mangueira (3). Freio motor O D13C pode ser equipado com três tipos diferentes de freio motor, dependendo de qual potência de frenagem do motor é desejada. Freio motor EPG Freio motor VEB Freio motor VEB+ A potência do freio motor depende das configurações do motorista. O efeito de frenagem varia com as diferentes combinações de freios motor. Freio motor EPG O freio do motor EPG (Regulador de Pressão dos Gases de Escape) é composto de uma carcaça do êmbolo (1) e TREINATEC - Qualificação Profissional Motor FH D13C 35 "Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
  • 36. 1. 2. uma válvula de escape (2) posicionada depois do turbocompressor e um cilindro operado a ar comprimido (borboleta) (3). O ar comprimido é retirado do sistema pneumático do veículo e é controlado pela válvula AVU (4). O EPG tem duas funções: Em marcha lenta, o EPG mantém o motor aquecido gerando uma contrapressão no coletor de escape. Quando o pedal do acelerador é liberado, o EPG age como um freio de escape. Freio motor VEB O VEB (Freio Motor Volvo) é composto por dois sistemas: EPG = Regulador de Pressão dos Gases de Escape O VCB (Freio de Compressão Volvo) com um balancim especial para as válvulas de escape, uma árvore de comando de válvulas especial com cames extras e uma válvula reguladora (válvula VCB) para a pressão do óleo no eixo dos balancins. A capacidade de frenagem do motor é obtida através: As válvulas de escape se abrem e permitem a entrada de mais ar durante o curso de admissão, o que fornece mais ar para ser comprimido durante o curso de compressão. A válvula de escape se abre imediatamente antes do ponto de giro no curso de compressão e fura a compressão, reduzindo, desta forma, a potência do curso de potência. O EPG gera uma contrapressão no sistema de escape. A contrapressão aumenta o efeito do freio de compressão (VCB). Freio motor VEB+ O freio motor VEB+ é um novo desenvolvimento do sistema de frenagem do motor VEB. Comparado com o freio motor VEB, as cargas mecânicas são agora compartilhadas por dois balancins, o que significa que a potência de frenagem pode ser aumentada sem que a tensão mecânica fique muito alta. O freio motor VEB+ é composto por dois sistemas: EPG = Regulador de Pressão dos Gases de Escape O VCB (Freio de Compressão Volvo) com balancins especiais para as válvulas de escape, uma árvore de dois comando de válvulas especial com um came extra e uma válvula reguladora (válvula VCB) para a pressão do óleo no eixo dos balancins. O freio motor VEB+ funciona da mesma forma que o freio motor VEB. Variante de freio motor EPGC Nos veículos com caixas de mudanças I-shift, é usada a variante de freio motor EPGC quando não se deseja as variantes VEB ou VEB+ de freio motor. O EPGC é idêntico ao EPG no que diz respeito ao funcionamento do freio motor. A letra "C" na designação significa que o motor está equipado com um freio de compressão (VCB) — a mesma árvore de comando de válvulas e balancins que o VCB — mas que este só é utilizado para reduzir a rotação do motor durante a mudança de marchas. Válvula VCB TREINATEC - Qualificação Profissional 36 Motor FH D13C "Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
  • 37. A válvula VCB é alimentada com pressão máxima de óleo da galeria e está conectada ao eixo dos balancins. A válvula reguladora regula a pressão de óleo para o mecanismo dos balancins e é controlada pela Unidade de Controle do Motor (ECM) através da válvula solenoide da válvula VCB. Com , o VCB reduz a pressão do óleo para o eixo dos balancins que é suficiente para lubrificar os condução normal mancais da árvore de comando de válvulas e o mecanismo das válvulas. Quando o a válvula VCB fornece pressão máxima de óleo ao eixo dos balancins e o freio de VEB/VEB+ é ativado compressão é ativado. Nos motores sem VEB/VEB+, a válvula VCB é substituída por uma carcaça de conexão. Abertura da válvula durante a frenagem de compressão do motor TREINATEC - Qualificação Profissional Motor FH D13C 37 "Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
  • 38. O princípio de como ocorre a abertura da válvula quando o VEB/VEB+ é ativado, é apresentado aqui. A: Quando o motor está funcionando e a pressão de óleo está baixa no eixo dos balancins, nenhuma pressão atua no pistão hidráulico. A folga da válvula de escape é de aproximadamente 1 mm, mas já que a aba da mola mantém o balancim em contato com a ponte da válvula, o rolete do balancim está acima dos ressaltos inferiores nos cames de escape. Assim, os cames inferiores não afetam a abertura de nenhuma válvula. B: Aqui o VEB/VEB+ está ativado. A pressão de óleo forçou o pistão hidráulico para baixo e eliminou a folga da válvula. O rolete do balancim está agora em contato com o came de escape. C: É assim que se parece quando o ressalto de carga está empurrando o rolete do balancim. O ressalto inferior abre a válvula, rápida e brevemente. Uma abertura de uma válvula rápida semelhante ocorre enquanto o ressalto de descompressão passa por baixo do rolete do balancim. Respiro do cárter Já que parte dos produtos da combustão entra no cárter após passar pelos pistões e anéis dos pistões (escape de ), o cárter deve ser ventilado. combustão O motor D13C está disponível com três variantes diferentes de respiro do cárter: Respiro aberto do cárter (CCV-O) Respiro fechado do cárter (CCV-C) Respiro do cárter parcialmente aberto (CCV-OX) (para mercados de clima frio) Respiro do cárter TREINATEC - Qualificação Profissional 38 Motor FH D13C "Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
  • 39. O motor D13C possui dois defletores de óleo localizados na tampa superior da distribuição (1) e na tampa das válvulas (2), e também um tubo externo (3) para remover os gases do cárter. O captador de óleo na engregagem de sincronismo foi projetado como um labirinto que permitirá a passagem de gases mas não de óleo. A rotação da engrenagem intermediária gera uma área relativamente livre de óleo. O defletor de óleo na tampa dos balancins é composto por um canal fundido (5) com três drenos (6) para o óleo separado. Respiro aberto do cárter (CCV-O) TREINATEC - Qualificação Profissional Motor FH D13C 39 "Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
  • 40. Respiro aberto do cárter significa que os gases do cárter, após passarem através dos defletores de óleo na tampa da distribuição e na tampa das vpalvulas, são removidos através de uma conexão de mangueira (1). Respiro fechado do cárter (CCV) TREINATEC - Qualificação Profissional 40 Motor FH D13C "Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
  • 41. O componente principal no sistema fechado de respiro do cárter é um separador (A) montado diretamente no lado esquerdo do bloco de cilindros. O separador é acionado pelo óleo vindo do sistema de lubrificação do motor através de um canal de óleo que aciona um turbo (3). O turbo está conectado a um eixo de acionamento (4) com vários discos (5) que giram a aproximadamente 8000 rpm durante o funcionamento normal do motor. No lado do separador está um regulador de pressão (6) com um diafragma (7), que fecha a saída para o turbo se a queda de pressão for muito alta. Depois de passar pelos defletores de óleo na tampa superior da distribuição e na tampa das válvula, os gases do cárter são levados para a entrada na parte superior do separador através da conexão de mangueira (1) e entram no separador acima do centro dos discos rotativos. O óleo e partículas mais pesadas são arremessadas pela força centrífuga em direção à borda e, de lá, são levadas de volta ao cárter de óleo juntamente com o óleo que aciona o turbo. Os gases limpos são levados do separador para o lado de admissão do turbocompressor através de um conector (2). Respiro do cárter parcialmente aberto (CCV-OX) TREINATEC - Qualificação Profissional Motor FH D13C 41 "Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
  • 42. O respiro do cárter parcialmente aberto é idêntico ao respiro do cárter fechado, exceto que os gases purificados do separador são removidos para a atmosfera através do tubo (1). Sistema de arrefecimento TREINATEC - Qualificação Profissional 42 Motor FH D13C "Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
  • 43. 1. 2. 3. 4. 5. 6. 7. 8. 9. 10. 11. 12. 13. 14. 15. 16. Os detalhes externos do sistema de arrefecimento e a circulação do liquido de arrefecimento estão apresentados aqui. A carcaça do termostato do líquido de arrefecimento é moldada diretamente dentro do cabeçote. Radiador Tanque de expansão Tampa de abastecimento superior incluindo a válvula de pressão Tampa dianteira de abastecimento Sensor de nível Aquecedor na cabina Conexão do termostato do líquido de arrefecimento para o radiador Sensores de temperatura Bomba do líquido de arrefecimento Compressor de ar Conexão para o aquecedor do motor (acionado a diesel) Conexão para o aquecedor do motor (220 V, soquete) Conexão para o aquecimento do tanque de uréia Bujão de drenagem do líquido de arrefecimento Bujão de drenagem do radiador Conexão de arrefecimento da caixa de mudanças TREINATEC - Qualificação Profissional Motor FH D13C 43 "Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
  • 44. O líquido de arrefecimento é bombeado pela bomba do líquido de arrefecimento (1) através do resfriador de óleo (3), que está parafusado à tampa do líquido de arrefecimento (tampa do resfriador de óleo). Parte do líquido de arrefecimento segue então para o revestimento inferior de arrefecimento da camisa de cilindro através do furo (2), enquanto que a maior parte deste continua através do furo (4) para o revestimento superior de arrefecimento da camisa de cilindro. Dali o líquido de arrefecimento vai para o cabeçote através dos canais (5). O cabeçote possui uma parede divisória horizontal que força o líquido de arrefecimento para as áreas mais quentes para uma transferência de calor eficiente. O líquido de arrefecimento circula então pelo termostato (6) que retorna o mesmo para a bomba do líquido de arrefecimento através do radiador ou do tubo bypass (7). A rota tomada pelo líquido de arrefecimento depende da temperatura do motor. O compressor de ar (8) e o arrefecimento da caixa de mudanças estão conectados por tubos e mangueiras externas, com o retorno para o lado de sucção da bomba. Bomba do líquido de arrefecimento e termostato Bomba do líquido de arrefecimento TREINATEC - Qualificação Profissional 44 Motor FH D13C "Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
  • 45. Foi introduzida uma bomba de líquido de arrefecimento de duas velocidade com embreagem eletromagnética no D13C. Devido à embreagem eletromagnética, a bomba de líquido de arrefecimento pode operar em duas velocidades diferentes. Em velocidade normal onde o motor necessita de alto arrefecimento e em baixas velocidades onde a exigência de arrefecimento do motor é menor. Em velocidades normais da bomba do líquido de arrefecimento, a embreagem eletromagnética é ativada (alimentada pela tensão da bateria) e o rotor dentro da bomba gira na mesma velocidade que a polia na parte externa. Assim que as exigências de arrefecimento são reduzidas, a embreagem eletromagnética é desativada (alimentação de tensão é zero) e através de uma função de movimentação magnética, a velocidade do rotor fica reduzida em relação à velocidade da polia. Como a função de movimentação da embreagem é magnética, não há nenhum desgaste nas peças da embreagem. A bomba do líquido de arrefecimento está disponível em dois tamanhos diferentes de polias: Uma polia pequena que fornece um alto efeito na bomba nos veículos com retardador (onde a exigência de arrefecimento é maior). Uma polia grande para veículos sem retardador. A bomba do líquido de arrefecimento — que é acionada pela polia externa do motor — é do tipo centrífuga e equipada TREINATEC - Qualificação Profissional Motor FH D13C 45 "Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
  • 46. com uma embreagem eletromagnética. A bomba do líquido de arrefecimento é regulada pela Unidade de Controle do Motor (ECM). A bomba do líquido de arrefecimento possui uma tampa de alumínio. Na parte traseira da bomba encontram-se os canais para a distribuição do líquido de arrefecimento, enquanto a parte dianteira contém um rotor de plástico, um retentor de eixo, rolamento e polia com uma embreagem eletromagnética. O rolamento do eixo é um rolamento combinado de rolos permanentemente lubrificado. Nota! Resíduos secos de líquido de arrefecimento podem formar-se ao redor do orifício de drenagem. O acúmulo de resíduos de líquido de arrefecimento é uma função normal da bomba de líquido de arrefecimento e não requer a substituição do seu motor. Termostato TREINATEC - Qualificação Profissional 46 Motor FH D13C "Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
  • 47. O termostato de circulação do líquido de arrefecimento é do tipo pistão e possui um corpo de cera sensível à temperatura que controla a abertura e fechamento. O termostato começa a abrir quando o líquido de arrefecimento atinge 82ºC. A posição do termostato depende se o veículo tem ou não um retardador. No cabeçote (1) para veículos sem um retardador. Na carcaça do termostato (2) para veículos retardador (RET-TH). com Correias de transmissão TREINATEC - Qualificação Profissional Motor FH D13C 47 "Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
  • 48. O D13C possui duas correias de transmissão, ambas do tipo multi-ranhuras V (Poly-V). A correia interna aciona o compressor do ar condicionado (AC) e o alternador (A). A correia externa aciona o ventilador (F) e a bomba do líquido de arrefecimento (WP). As duas correias possuem tensionadores automáticos de correia (T). Para obter o alinhamento correto da correia externa com a polia da bomba do líquido de arrefecimento também há uma polia traseira (I). Sistema de controle Sistema de controle do motor TREINATEC - Qualificação Profissional 48 Motor FH D13C "Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
  • 49. 1. 2. 3. 4. 5. 6. 7. 8. 9. 10. 11. 12. O sistema de combustível do D13C é controlado eletronicamente em relação ao volume e tempo de injeção. O sistema é chamado de ECM (Módulo de Controle do Motor). O sistema de gerenciamento do motor é descrito brevemente aqui. A parte central do sistema é o Módulo de Controle do Motor (ECM), que fica localizado no lado esquerdo do motor e é montado em bases de borracha para amortecimento de vibrações. A unidade de controle requer informações contínuas do pedal do acelerador e sinais de uma série de sensores do motor para controlar a quantidade de combustível e a regulagem da injeção. Todas as conexões de cabos dos sensores do motor têm conectores padrão DIN. Os sensores do sistema de comando do motor (alguns possuem funções duplas): Sensor de nível para o separador de água — localizado no suporte do separador de água. Sensor de temperatura/nível do óleo — localizado no cárter de óleo lubrificante. Sensor combinado com o seu conector fixado no lado esquerdo do cárter. Sensor de pressão do combustível — localizado no alojamento do filtro. Sensor do eletroímã do ventilador de arrefecimento e da velocidade de rotação — localizado no cubo do ventilador de arrefecimento. Sensor de nível do líquido de arrefecimento — localizado no tanque de expansão. Sensor de temperatura/pressão do ar de carga — sensor combinado localizado no tubo de entrada. Sensor de posição da árvore de comando de válvulas — localizado na tampa superior da distribuição. Sensor de subpressão de ar — é um sensor localizado no lado limpo do alojamento do filtro de ar de entrada. Sensor de posição e velocidade do volante do motor — localizado na parte superior da carcaça do volante do motor. Sensor de pressão do óleo — localizado no canal de lubrificação principal do bloco do motor. Sensor de pressão do cárter - localizado no bloco de cilindros. TREINATEC - Qualificação Profissional Motor FH D13C 49 "Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
  • 50. 12. 13. 14. Sensor de temperatura do líquido de arrefecimento — localizado na borda dianteira do cabeçote. Sensor de pressão de arrefecimento dos pistões — localizado no suporte do filtro de óleo. Sensor de contrapressão de escape — localizado em um suporte na parte traseira no lado direito da tampa das válvulas. Na unidade de controle há um sensor de pressão atmosférica e um sensor de temperatura. Função de partida controlada eletronicamente Motor de partida TREINATEC - Qualificação Profissional 50 Motor FH D13C "Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
  • 51. Motor de partida controlado pelo ECM O motor de partida do D13C é controlado pela Unidade de Controle do Motor (ECM) através da unidade de controle do veículo (VECU) e de um relé de partida. Também detecta informações de outras unidades de controle e só permitirá a partida se todas as unidades de controle envolvidas permitirem. Instalação elétrica e aterramento do motor TREINATEC - Qualificação Profissional Motor FH D13C 51 "Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
  • 52. Todas as conexões elétricas entre os sensores e a instalação elétrica do motor estão agrupadas no esquema elétrico do motor. TREINATEC - Qualificação Profissional 52 Motor FH D13C "Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
  • 53. Há dois pontos de aterramento — no suporte do motor no lado direito traseiro e no lado esquerdo do alternador. TREINATEC - Qualificação Profissional Motor FH D13C 53 "Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
  • 54. Motor Nota! Como as ilustrações utilizadas nas Publicações de Serviço são válidas para diversas variantes, certos detalhes podem ser diferentes da variante em questão. Entretanto, as informações essenciais apresentadas nas ilustrações são precisas. Índice Motor Cabeçote Parafuso do cabeçote Bloco de cilindros Camisa de cilindro Pistão Anéis de pistão Sistema de válvulas Válvulas Balancim do freio VEB+ Sedes de válvulas Posição da sede de válvula Guias de válvulas Balancins Molas das válvulas Transmissão do motor Engrenagens da distribuição Árvore de comando de válvulas Mancais da árvore de comando de válvulas Sistema da árvore de manivelas Árvore de manivelas Colos dos mancais principais Arruelas de encosto (arruelas axiais) Bronzinas dos mancais principais Colo do mancal principal Biela Volante do motor, instalado Carcaça do volante do motor, instalada Torques de aperto e seqüência Suporte do motor Mancal principal - e tampa da biela TREINATEC - Qualificação Profissional 54 Motor FH D13C "Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
  • 55. Quadro de reforço Placa da distribuição Engrenagens da distribuição Volante do motor e carcaça da transmissão Tampa da distribuição, superior Volante do motor Tampa, retentor da árvore de manivelas Amortecedor de vibrações Cabeçote Capas dos mancais, eixo dos balancins/árvore de comando de válvulas Tampa das válvulas Válvulas/calibrador/balancim do freio VEB Motor Cabeçote Empeno máximo (na superfície da base) 0,1 mm ..... Voltar para . Índice Parafuso do cabeçote Quantidade/cabeçote 38 ..... Dimensão da rosca M16 ..... Comprimento 200 mm ..... Voltar para . Índice Bloco de cilindros Comprimento 1.052 mm ..... Altura, face superior do bloco - centro da árvore de manivelas 422 mm ..... Altura, face inferior do bloco - centro da árvore de manivelas 120 mm ..... Voltar para . Índice Camisa de cilindro Tipo Úmida, substituível ..... Altura da superfície de vedação acima da face do bloco 0,18 ± 0,03 mm ..... Quantidade de anéis de vedação por camisa de cilindro 1 + 2 ..... TREINATEC - Qualificação Profissional Motor FH D13C 55 "Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
  • 56. Voltar para . Índice Pistão Altura acima da face do bloco de cilindros: Pistão de aço 0,1 (mín) - 0,7 (máx) mm ..... Pistão de alumínio 0,1 (mín) -0,5 (máx) mm ..... Quantidade de canaletas para anéis 3 ..... Marcação frontal Seta apontando para frente ..... Voltar para . Índice Anéis de pistão Anéis de compressão Quantidade 2 ..... Identificação Na parte superior (marcação ..... colorida para a esquerda da abertura) Anel raspador de óleo Quantidade 1 ..... Identificação Na parte superior (marcação ..... colorida para a esquerda da abertura) Voltar para . Índice Sistema de válvulas Válvulas TREINATEC - Qualificação Profissional 56 Motor FH D13C "Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
  • 57. Disco de válvula, diâmetro: Admissão 42 mm ..... Escape 40 mm ..... Haste da válvula, diâmetro: Admissão/Escape 8 mm ..... Ângulo da sede de válvula (A): Admissão 24,5°±0,2° ..... Escape 39,5° ..... Ângulo da sede no cabeçote (B): Admissão 25° ..... Escape 40° ..... Medida (A) entre o disco de válvula e a face do cabeçote: Admissão Max. 1,6 mm ..... TREINATEC - Qualificação Profissional Motor FH D13C 57 "Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
  • 58. Escape Max. 2,0 mm ..... Folgas das válvulas, motor frio, valores de configuração: Admissão 0,2 ± 0,05 mm ..... Escape 0,8 ± 0,05 mm ..... Escape, VEB 1,6 ± 0,05 mm ..... Escape, VEB+ 0,8 ± 0,05 mm ..... Folga da válvula, motor frio, valor de verificação: Admissão 0,15-0,25 mm ..... Escape 0,75-0,85 mm ..... Escape, VEB 1,55-1,65 mm ..... Escape, VEB+ 0,75 -0,85 mm ..... Voltar para . Índice Balancim do freio VEB+ Controle e configuração padrão Esta configuração ou controle da folga do freio é medida no rolete e enquanto usa um medidor apalpador para eliminar totalmente a folga da válvula de escape. Balancim do freio VEB+, valor de configuração..... 2,85 mm Balancim do freio VEB+, valor de verificação1 ..... 2,80 -2,90 mm 1 As verificações de controle só são válidas para motores que funcionam perfeitamente ou logo após a carga durante a regulagem. Controle de falha TREINATEC - Qualificação Profissional 58 Motor FH D13C "Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
  • 59. Esta verificação de falha não substitui a verificação acima que é realizada sem utilizar um medidor apalpador para eliminara folga da válvula de escape. Espessura do medidor apalpador 3,20 mm ..... Deve ser muito fácil inserir o medidor apalpador. Nota! Esta dimensão não pode ser usada para regulagem! Voltar para . Índice Sedes de válvulas Especificações Diâmetro externo (A): Admissão 45,1 mm ..... Escape 43,1 mm ..... Altura (B): Admissão 7,5 mm ..... Escape 7,5 mm ..... Para qualquer componente sobremedida, consultar o Catálogo de Peças. Voltar para . Índice Posição da sede de válvula Especificações Diâmetro (C): Admissão 45,0 mm ..... Escape 43,0 mm ..... Profundidade (D): Admissão 11,8 mm ..... Escape 11,2 mm ..... Raio de curvatura da sede (R): Admissão/Escape máx. 0,8 mm ..... TREINATEC - Qualificação Profissional Motor FH D13C 59 "Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
  • 60. Voltar para . Índice Guias de válvulas Comprimento: Admissão/Escape 83,5 mm ..... Diâmetro interno: Admissão/Escape 8 mm ..... Altura acima da face da mola do cabeçote: Admissão/Escape 24,5 ± 0,2 mm ..... Valor de desgaste Folga, haste da válvula - guia:1 Admissão máx. 0,7 mm ..... Escape máx. 0,7 mm ..... 1 As medições são calculadas para o método de medição descrito na literatura de serviço, consultar o grupo 214. Voltar para . Índice Balancins TREINATEC - Qualificação Profissional 60 Motor FH D13C "Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
  • 61. 1. Folga do rolamento máx. 0,1 mm ..... 2. Rolete dos balancins, folga máx. 0,1 mm ..... Voltar para . Índice Molas das válvulas Admissão Comprimento, sem carga 73,5-74,0 mm ..... Escape Mola externa da válvula: Comprimento, sem carga 73,5-74,0 mm ..... Mola interna da válvula: Comprimento, sem carga 70,0-71,0 mm ..... Engrenagens da distribuição do motor Engrenagens da distribuição TREINATEC - Qualificação Profissional Motor FH D13C 61 "Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
  • 62. Engrenagem: 1. Engrenagem motora, árvore de manivelas 2. Engrenagem intermediária: engrenagem externa engrenagem interna 3. Engrenagem intermediária, regulável 4. Engrenagem motora e amortecedor de vibrações, árvore de comando de válvulas 5. Engrenagem intermediária, bomba hidráulica 6. Engrenagem motora, direção hidráulica e bomba de alimentação de combustível 7. Engrenagem motora, compressor de ar 8. Engrenagem motora, bomba de óleo 9. Tomada de força no motor (equipamento extra)1 1 Para torques da tomada de força maiores que 650 Nm, as engrenagens 1, 2 e 9 devem ser substituídas por versões TREINATEC - Qualificação Profissional 62 Motor FH D13C "Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
  • 63. de carcaça temperadas. Folga entre dentes entre a engrenagem intermediária regulável e a engrenagem motora da árvore de comando de válvulas 0,05 -0,15 mm ..... Folga entre dentes, bomba de óleo 0,05 -0,40 ..... mm Folga entre dentes, outros 0,05 -0,17 mm ..... Folga de desgaste da engrenagem intermediária..... máx. 0,05 mm Voltar para . Índice Árvore de comando de válvulas Verificação das configurações da árvore de comando de válvulas, motor frio e folga da válvula para a válvula de admissão do cilindro 1 = 0 A válvula de admissão do cilindro 1 deve estar aberta 1,6±0,3 mm, com o volante do motor posicionado a 6° depois do PMS. Durante a verificação, as engrenagens da distribuição devem ser giradas no sentido correto (sentido horário, visto de frente) para absorver todas as folgas entre dentes. Acionamentos engrenagem ..... Número de mancais 7 ..... Diâmetro, colos dos mancais, padrão 70,0 mm ..... Para qualquer componente sobremedida, consultar o Catálogo de Peças. Deslocamento da válvula em folga 0: Admissão 13,1 mm ..... Escape (EPG) 12,3 mm ..... Escape (VEB) 13,1 mm ..... Escape (VEB+) 12,3 mm ..... Desgaste permitido, todo o contorno do came máx. 0,1 mm ..... Unidade injetora, curso 17 mm ..... Valor de desgaste Folga axial máx 0,2 mm ..... Mancal, empenamento máximo permitido 0,1 mm ..... Voltar para . Índice Mancais da árvore de comando de válvulas Espessura dos mancais da árvore de comando de válvulas, padrão 1,9 mm ..... Para qualquer componente sobremedida, consultar o Catálogo de Peças. TREINATEC - Qualificação Profissional Motor FH D13C 63 "Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
  • 64. Sistema da árvore de manivelas Árvore de manivelas Valor de desgaste Árvore de manivelas, folga axial máx. 0,4 mm 1 ..... Valores de fresagem Ovalização nos colos dos mancais principais e de biela máx. 0,01 mm ..... Conicidade nos colos dos mancais principais e de biela máx. 0,02 mm ..... Empenamento do mancal central máx. 0,15 mm ..... 1 As dimensões referem-se às peças lubrificadas. Voltar para . Índice Colos dos mancais principais Diâmetro , padrão 108,0 mm (Ø) ..... Para qualquer componente subdimensionado, consultar o Catálogo de Peças. Acabamento da superfície, colo do mancal principal Ra 0,25 ..... Acabamento da superfície, curvatura Ra 0,4 ..... Largura, superfície de apoio , padrão 47,0 mm (A) ..... Para qualquer componente sobremedida, consultar o Catálogo de Peças. Raio de curvatura 4,0 mm (R)..... Voltar para . Índice TREINATEC - Qualificação Profissional 64 Motor FH D13C "Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
  • 65. Arruelas de encosto (arruelas axiais) Largura , padrão 3,2 mm (B) ..... Para qualquer componente sobremedida, consultar o Catálogo de Peças. Voltar para . Índice Bronzinas dos mancais principais Espessura standard 2,4 mm (B) ..... Para qualquer componente sobremedida, consultar o Catálogo de Peças. Espessura , padrão 2,5 mm (C) ..... Para qualquer componente sobremedida, consultar o Catálogo de Peças. Mancal principal, empenamento máximo permitido 0,1 mm ..... Voltar para . Índice Colo do mancal principal Diâmetro 99 mm (Ø)..... Para qualquer componente subdimensionado, consultar o Catálogo de Peças. Acabamento da superfície, colo do mancal de biela Ra 0,25 ..... Acabamento da superfície, curvatura Ra 0,4 ..... TREINATEC - Qualificação Profissional Motor FH D13C 65 "Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
  • 66. Largura 57 mm (A)..... Raio de curvatura 4 mm (R)..... Voltar para . Índice Biela Folga axial, biela - árvore de manivelas máx. 0,3 mm 1 ..... Mancais de biela, folga radial máx. 0,1 mm 1 ..... 1 As dimensões referem-se às peças lubrificadas. Marcação: no eixo voltado para frente. FRONT A biela e a capa são marcadas em pares com um número de série de três dígitos (ver a ilustração).   Voltar para . Índice Volante do motor, instalado Desgaste axial (caixa de mudanças manual) no raio de medição de 150 mm máx. 0,2 mm ..... Voltar para . Índice Carcaça do volante do motor, instalada Desigualdade axial da superfície de contato em relação à carcaça da embreagem máx. 0,2 mm ..... Desigualdade radial do guia em relação à carcaça da embreagem máx. 0,2 mm ..... Voltar para . Índice Torques de aperto Suporte do motor TREINATEC - Qualificação Profissional 66 Motor FH D13C "Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
  • 67. Coxim dianteiro do motor torque para parafuso padrão M14 ..... Suporte dianteiro do motor torque para parafuso padrão M16 ..... Suporte traseiro do motor, carcaça do volante do motor torque para parafuso padrão M16 ..... Suporte traseiro do motor, coxim traseiro do motor torque para parafuso padrão M20 ..... Coxim traseiro do motor torque para parafuso padrão M14 ..... Voltar para . Índice Mancal principal - e tampa da biela Capa do mancal principal: Fase de aperto 1 150±20 Nm ..... Fase de aperto 2 (aperto angular) 120°±5° ..... Capa da biela: Fase de aperto 1 20±3 Nm ..... Fase de aperto 2 60±3 Nm ..... Fase de aperto 3 (aperto angular) 90°±5° ..... Voltar para . Índice Quadro de reforço Quadro de reforço: Fase de aperto 1: Apertar os parafusos 1-24 na sequência numérica 45 ± 5 Nm ..... Fase de aperto 2: Apertar os parafusos 1-24 na sequência numérica (aperto angular) 60°±5° ..... Nota! Apertar os parafusos na seqüência numérica mostrada na ilustração. Os parafusos devem ser não reutilizados. Voltar para . Índice Placa da distribuição TREINATEC - Qualificação Profissional Motor FH D13C 67 "Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
  • 68. Placa da distribuição: Apertar todos os parafusos na sequência numérica com seguintes torques: Parafusos M8 28±4 Nm ..... Voltar para . Índice Engrenagens da distribuição TREINATEC - Qualificação Profissional 68 Motor FH D13C "Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
  • 69. 1. Engrenagem motora, árvore de manivelas 24±4 Nm ..... 2. Engrenagens intermediárias duplas: Fase de aperto 1 25±3 Nm ..... Fase de aperto 2 (aperto angular) 110°±5° ..... Nota! Apertar na seqüência mostrada na ilustração. 3. Engrenagem intermediária, regulável: Fase de aperto 1 35±4 Nm ..... Fase de aperto 2 (aperto angular) 120°±5° ..... Nota! Apertar na seqüência mostrada na ilustração. 4. Engrenagem motora, árvore de comando de válvulas: Fase de aperto 1 45 ± 5 Nm ..... Fase de aperto 2 (aperto angular) 90°±5° ..... Nota! Apertar na seqüência mostrada na ilustração. 5. Engrenagem intermediária: parafuso soquete sextavado 140±10 Nm ..... 6. Engrenagem motora, direção hidráulica e bomba de alimentação de combustível 100 ± 10 Nm ..... TREINATEC - Qualificação Profissional Motor FH D13C 69 "Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
  • 70. 7. Engrenagem motora, compressor de ar 200+50/-0 Nm ..... Voltar para . Índice Volante do motor e carcaça da transmissão Carcaça do volante do motor: Fase de aperto 1: Apertar todos os parafusos na sequência numérica com seguintes torques: Parafusos M14 140 ± 20 Nm ..... Parafusos M10 48 ± 8 Nm ..... Parafusos M8 24±4 Nm ..... Nota! Aplicar silicone em um cordão de 2 mm de espessura como ilustrado abaixo. TREINATEC - Qualificação Profissional 70 Motor FH D13C "Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
  • 71. Voltar para . Índice Tampa da distribuição, superior TREINATEC - Qualificação Profissional Motor FH D13C 71 "Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
  • 72. Aplicar silicone em um cordão de 2 mm de espessura como mostrado nas ilustrações acima, no máximo 20 minutos antes da montagem. Instalar a tampa em duas etapas: Fase de aperto 1: Fixar a tampa com os parafusos 1 e 2 (utilizar a ferramenta especial para pressionar a tampa no lugar). 4±1 Nm ..... Fase de aperto 2: Apertar os parafusos na seqüência numérica como mostrada na ilustração 27±3 Nm .......... Voltar para . Índice Volante do motor TREINATEC - Qualificação Profissional 72 Motor FH D13C "Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
  • 73. Volante do motor: Fase de aperto 1 60±5 Nm ..... Fase de aperto 2 (aperto angular) 120°±10° ..... Nota! Certificar-se de que o flange está seco e limpo. Apertar os parafusos na seqüência numérica mostrada na ilustração. Voltar para . Índice Tampa, retentor da árvore de manivelas TREINATEC - Qualificação Profissional Motor FH D13C 73 "Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
  • 74. Retentor da tampa da árvore de manivelas Fase de aperto 1: Apertar os parafusos 1 e 2 (furo guia) 24±4 Nm ..... Fase de aperto 2: Apertar os demais parafusos 1-8 24±4 Nm ..... Nota! Aplicar silicone como mostrado na ilustração. Voltar para . Índice Amortecedor de vibrações TREINATEC - Qualificação Profissional 74 Motor FH D13C "Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
  • 75. Amortecedor de vibrações na árvore de manivelas Fase de aperto 1 35±5Nm ..... Fase de aperto 2 90 ± 10 Nm ..... Nota! Apertar os parafusos na seqüência numérica mostrada na ilustração. Os parafusos 8.8 do amortecedor de vibrações devem ser reutilizados. não Voltar para . Índice Cabeçote TREINATEC - Qualificação Profissional Motor FH D13C 75 "Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
  • 76. Cabeçote: Nota! O cabeçote deve ser instalado como descrito nas instruções, consultar . 21124-1 Cabeçote, instalação Fase de aperto 1 100±5 Nm ..... Fase de aperto 2 (aperto angular) 120°±5° ..... Fase de aperto 3 (aperto angular) 90°±5° ..... Voltar para . Índice Capas dos mancais, eixo dos balancins/árvore de comando de válvulas TREINATEC - Qualificação Profissional 76 Motor FH D13C "Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
  • 77. Árvore de comando de válvulas: (árvore de comando de válvulas e capas dos mancais no lugar) Instalar um mandril no mancal número 7, para proteger a luva guia. Fase de aperto 1: Apertar os parafusos 1-7 25±3 Nm ..... Fase de aperto 2: (com parafusos adicionais menores) Apertar os parafusos 8-13 e 20 60±5 Nm ..... Fase de aperto 3: Apertar com aperto angular os parafusos 1-7 90°±5° ..... Fase de aperto 4: Remover os parafusos extras 8-13 e 20 Remover o mandril do mancal número 7. (eixo dos balancins no lugar) Eixo dos balancins: Fase de aperto 5: Apertar os parafusos 8-13 e 20 na sequência 11, 10, 12, 9, 13, 8, 20 60±5 Nm em etapas ..... Fase de aperto 6: Apertar os parafusos 14-19 25±3 Nm ..... Fase de aperto 7: Apertar com aperto angular os parafusos 14-19 120°±5° ..... Fase de aperto 8: Soltar os parafusos 8–13 Fase de aperto 9: Apertar os parafusos 8-13 25±3 Nm ..... Fase de aperto 10: Apertar com aperto angular os parafusos 8-13 e 20 120°±5° ..... Voltar para . Índice TREINATEC - Qualificação Profissional Motor FH D13C 77 "Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
  • 78. Tampa das válvulas Tampa das válvulas 24±4 Nm ..... Nota! Apertar os parafusos na seqüência numérica mostrada na ilustração. Voltar para . Índice Válvulas/calibrador/balancim do freio VEB TREINATEC - Qualificação Profissional 78 Motor FH D13C "Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
  • 79. Porca trava , válvula 38 ± 4 Nm (A) ..... Parafuso trava , grampo 38 ± 4 Nm (B) ..... Porca trava , balancim do freio VEB+ 52±4 Nm (C) ..... Lingüeta da mola TREINATEC - Qualificação Profissional Motor FH D13C 79 "Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
  • 80. Lingueta da mola, 25 ± 3 Nm VEB..... TREINATEC - Qualificação Profissional 80 Motor FH D13C "Qualificando e especializando profissionais desde 2007"
  • 81. Lingueta da mola, 25 ± 3 Nm VEB+..... Voltar para . Índice TREINATEC - Qualificação Profissional Motor FH D13C 81 "Qualificando e especializando profissionais desde 2007"