Ozonio aplicacoes gerais

762 visualizações

Publicada em

  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Ozonio aplicacoes gerais

  1. 1. Eaglesat - Biblioteca científica APLICAÇÕES DO OZÔNIO NA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS E AGRICULTURA Neste artigo, citaremos as possibilidades de uma rápida e eficiente destruição, em uma atmosfera de ozônio, de vários microorganismos não patogênicos, incluindo esporos, fungos e outros organismos de células únicas. A grande gama de aplicações do uso de ozônio na indústria de alimentos, agricultura e outras, são criadas semelhantemente pela sua capacidade de matar germes e bactérias; ele atua não somente como germicida mas também como agente eliminador de esporos. Frutas e diversos alimentos, expostos aos seus efeitos, apresentam uma maior ou menor pronunciada mudança como conseqüência da sua ação no processo vital das células, particularmente no metabolismo, pela inatividade do produto metabólico. Simultaneamente, o ozônio reage com outros materiais presentes que podem ser oxidados, e assim é capaz de destruir fragrâncias e odores. A utilização destas propriedades tornam o ozônio eminentemente adequado para aumentar a vida de produtos perecíveis em locais refrigerados. Seu uso é econômico e, tanto o investimento, como o custo operacional estão em níveis compatíveis com os do locais refrigerados. Sua aplicação elimina o risco de deixar odores desagradáveis ou traços de antisépticos usados na preservação de produtos alimentares. A utilização do ozônio para aumentar a vida de produtos estocados, particularmente em baixas temperaturas começou em 1909 quando, na cidade de Colônia, verificou-se a redução da contagem de germes na superfície da carne estocada, após ter sido instalado um gerador de ozônio no duto de ar que ventilava o depósito. Muito mais exames e testes devem ser efetuados antes que se decida se o tratamento com ozônio possa ou não ser favorável, em virtude de diferentes requisitos impostos pela armazenagem de frutos diversos. Embora poucas pesquisas e relatórios sejam do domínio público, o uso do ozônio vem aumentando na Europa. Van Laer e Troquet descreveram, em 1928, o uso do ozônio em cervejarias. R.J.Tenny colocou em foco novamente em 1972 a possibilidade do seu uso. As deficiências técnicas dos geradores de ozônio na década de 40 foram responsáveis pelo atraso naquela época. PRESERVAÇÃO E ESTOCAGEM Praticamente a preservação de alimentos começa com a esterilização do ar de tal modo que o local de estocagem contenha quantidade suficiente de ozônio para destruir os microorganismos. Simultaneamente, altas taxas de decomposição de ozônio são esperadas devido à necessidade de elevada umidade nos locais de armazenagem e também à reação de oxidação que se inicia imediatamente nas paredes do local de estocagem, no material de embalagem e na absorção dos produtos. Estes fatores exigem a necessidade da mais perfeita distribuição do ar ozonizado dentro do local de estocagem e tornam imperativo o uso de um gerador de ozônio cuja capacidade seja suficiente para manter a concentração de ozônio em toda a massa de ar. Caso não seja, corre-se o perigo de que o ozônio não alcance os produtos estocados. Para atingir o objetivo, recomenda-se uma forte movimentação do ar. A câmara de estocagem não precisa ser hermeticamente selada, como exemplo, no caso de aplicações de atmosfera estática de gás carbônico. Deve-se procurar um equilíbrio, mesmo nos locais fechados, entre a quantidade de ozônio consumida pelo ambiente, pelas embalagens, pelas paredes, etc. através da absorção, pelos produtos armazenados, para a destruição dos germens superficiais, para a oxidação dos produtos metabólicos, etc. de um lado e a quantidade de ozônio introduzida no outro Depois de introduzir o ozônio a decomposição continua, razão pela qual um excesso do 1
  2. 2. Eaglesat - Biblioteca científica mesmo deve ser introduzido, assegurando a quantidade suficiente para a destruição dos microorganismos, oxidação dos odores e dos produtos metabólicos. EFEITO GERMICIDA O efeito do ozônio já foi coberto em termos gerais. Para a aplicação na indústria de alimentos, devemos colocar grande ênfase nas mudanças de qualidade que tem lugar após o tratamento com ozônio, junto aos efeitos específicos, diferentes para cada produto. O poder germicida do ozônio é geralmente específico em relação a determinada espécie. A ação inicial do ozônio é no fungo, impedindo seu crescimento rapidamente principalmente se estiver no estágio inicial de ataque a superfície do produto. Depois, destrói as culturas formadas. O ozônio ataca imediatamente as células da superfície e tem pequeno poder de penetração. Kolodyaznaya e Sponina investigaram a micro flora causadora da deterioração da batata. Culturas puras de fungos Fusarium Solani, Rhisoctonia Solani e Phytophtora Solani foram expostas à ação do ozônio. Destas espécies, a Fusarium Solani provou ser resistente ao ozônio. A ozonização aplicada em carne refrigerada estocada destruiu os microorganismos superficiais, particularmente os da família Pseudomonas, responsáveis pela deterioração Aumentando-se o teor de umidade da câmara, eleva-se, favoravelmente, o efeito germicida. Isto é conseguido pôr causar "cansaço" aos micróbios e torná-los mais susceptível à destruição. Testes realizados com carne mostraram que o ozônio é mais eficiente se a superfície tem uma umidade de cerca de 60 %.(sessenta pôr cento). EFEITOS SOBRE ODORES O ozônio tem um cheiro característico, mas, apesar disto, ele não mascara o cheiro de uma aplicação. O oxigênio atômico, formado na decomposição do ozônio, oxida, imediatamente, as substâncias causadoras do cheiro. De todos os odores, o cheiro característico da putrefação é o mais difícil de ser eliminado, mesmo com o emprego do ozônio. De um modo geral, quanto mais baixa é a temperatura e quanto maiores as moléculas envolvidas, mais difícil é a oxidação. A umidade do ar não tem efeito algum sobre o processo. Em concentrações muito baixas de ozônio, digamos entre 0,01 e 0,04 ppm, o ar dentro da câmara de refrigeração é fresco e agradável e nenhum mau cheiro é sentido. É um fato consumado que o odor de frutas aromáticas como os morangos é aumentado na presença de ozônio. É possível que a formação da fragrância e perfumes que dão aos frutos sabores característicos seja ajudada pela presença do ozônio. A esterilização do ar com ozônio, em locais de venda de frutas, impede que o odor dos materiais de embalagem sejam transferidos às frutas, fenômeno freqüentemente observado particularmente, quando caixas de madeira são utilizadas em locais refrigerados, com umidade entre 85% a 90%. EFEITOS SOBRE O METABOLISMO O efeito sobre o metabolismo também é uma conseqüência do poder oxidante do ozônio. Nenhuma deterioração de fruta foi observada, mas a razão disto é que o ozônio somente afeta a superfície das mesmas, onde compostos de difícil oxidação estão presentes na maioria dos casos. Durante a estocagem, o processo de respiração das frutas é acelerado, o mesmo acontecendo com o amadurecimento. No caso de um amadurecimento mais rápido do que o desejado, etileno é produzido o que afeta as outras frutas e inicia um amadurecimento ainda mais rápido. Os sinais externos deste processo são manchas de cor amarelo escuro ou marrom na superfície das mesmas e o amolecimento, resultando daí o apodrecimento das frutas. Este processo é controlado pela presença de ozônio porque ele oxida os produtos metabólicos criados inicialmente, reduzindo, 2
  3. 3. Eaglesat - Biblioteca científica portanto, a ação acima descrita sobre as outras frutas. Ainda mais, os pontos de deterioração são fechados e cria-se uma resistência contra infecções futuras. DESINFECÇÃO E REMOÇÃO DE ODORES Armazéns de estocagem, de distribuição e lojas refrigeradas de venda, podem ser desinfectadas, na maioria dos casos, pela introdução de ar ozonizado. Isto, independente da ação direta do ozônio exercida sobre o alimento, frutas, bebidas, etc., estocados no local. O processo, entretanto, além de desinfectar, remove odores desagradáveis, freqüentemente encontrados nos materiais de embalagens, de tal modo que os produtos podem reter seu cheiro e sabor original. A oxidação de compostos geradores de cheiro em tais locais resulta numa atmosfera agradável, parecendo ar fresco das montanhas e, sendo necessário para isto, uma concentração muito baixa de ozônio: somente 0,01 a 0,04 ppm. O ozônio em concentrações de 0,1 ppm é capaz de destruir microorganismos e remover odores após uma exposição de 48 horas. Um tempo de exposição maior, em menor concentração, é equivalente em efeito bactericida, contudo é falho na eliminação de odores. APLICAÇÃO DE OZÔNIO EM PRODUTOS • CARNE Para a estocagem de carne é suficiente a aplicação de ozônio em um ou dois períodos diários, com duração de duas horas e concentração de 6 mg pôr metro cúbico de ar. A aplicação de ozônio provou ser particularmente benéfica no processo de amaciamento da carne (tenderização). Neste processo, a carne é conservada durante 42 a 44 horas em um espaço fechado, na temperatura de 293 º K e numa umidade de 85%. O processo de amaciamento consiste, na verdade, na ação digestiva das enzimas para amaciar músculos e cartilagens. O processo, entretanto, pode ser feito em 20 dias numa temperatura de 279 º K. O efeito acelerador da temperatura no amaciamento promove a formação de solo fértil para a multiplicação de bactérias nocivas e esporos de natureza danosa. O objetivo a ser atingido com o emprego do ozônio, é a destruição destes organismos na superfície dos produtos. Nas câmaras de amaciamento de carne (tenderização), concentrações de 0,1 ppm, umidade relativa de 60% a 90% devem ser mantidas de acordo com Ewell. De acordo com outros autores, concentrações de ozônio da ordem de 0,04 ppm, embora seja falha para a completa esterilização, retarda o crescimento de bactérias. A ação germicida do ozônio é restrita somente à superfície também no caso da carne, tendo uma pequena profundidade de penetração. Fungos em forma de esporos podem ser destruídos somente se atacados pôr uma alta concentração de ozônio. A vida de estocagem da carne, no estado refrigerado, pode ser aumentada de 30% a 40% se a mesma for conservada numa atmosfera de 10 a 20 miligramas pôr metro cúbico de ar, e se a saturação micro biológica de sua superfície, não for maior do que 10 bactéria cm. Uma investigação detalhada sobre o tempo de vida de estocagem para carnes de vaca, vitelas, porcos, carneiros, frangos e coelhos em atmosfera ozonizada foi feita pôr Billion. No caso de diversas variedades de carnes, estocadas em atmosfera normal, encontrou-se importante contaminação microbiana após sete dias. Com o uso do ozônio, contaminação do mesmo nível foi encontrada somente após quatorze dias. Pode se afirmar que em uma atmosfera refrigerada e com a presença de ozônio, o crescimento da micro flora (famílias pseudomonas, esporos, salmonelas, estafilococus) é retardado, contudo, nenhum efeito é exercido pelo ozônio na micro flora se a extensão de contaminação já for grande. Apesar do ozônio falhar na produção de um efeito anti-séptico em carnes estocadas, ele ainda faz com que a atmosfera de câmaras refrigeradas seja fresca e saudável. Peixes frescos 3
  4. 4. Eaglesat - Biblioteca científica podem ser estocados pôr períodos mais longos, se lavados com água ozonizada, e, se preservado com o gelo produzido com água contendo ozônio, um tempo maior de estocagem pode ser obtido. • QUEIJOS Testes bem sucedidos com o uso de ozônio foram realizados durante o processo de cura e estocagem de queijos. Esporos criados nas superfícies dos queijos, durante o período de cura, foram destruídos e o tempo de estocagem aumentado para onze semanas pela aplicação de ozônio numa pequena concentração de 0.02 ppm na temperatura de 288 º K e numa umidade relativa de 80% à 85%. Os testes foram realizados com queijos do tipo Cheddar, indicando que, odores outrora presentes nos locais de estocagem, foram também eliminados pela ação oxidante do ozônio. • OVOS O ozônio tem sido utilizado, com sucesso, na estocagem de ovos, e desde o fim da década de trinta, mais de oitenta pôr cento dos locais refrigerados para estocagem de ovos nos Estados Unidos já eram equipados com geradores de ozônio para aumentar o tempo de estocagem. • BEBIDAS O tratamento de ozônio acelera o envelhecimento dos vinhos, evita turbidez e refina o seu bouquet, o qual é mantido pôr um tempo maior. A estocagem de leite, sucos e refrigerantes, é aumentada pelo ozônio, evitando sua deterioração. A esterilização de água, necessária a produção de bebidas, é importante devido à crescente demanda de água de boa qualidade. Muitas vezes, águas de poços artesianos são usadas em escala industrial na produção de refrigerantes. Embora perfeitas nos requisitos biológicos, (sabor, odor) elas podem apresentar uma indesejável cor marrom clara proveniente do solo e que pode ser retirada pelo ozônio. O principal requisito é a retenção, durante o período de 4 a 8 semanas, entre o enchimento e o consumo. O ozônio provou ser o mais eficiente método para esterilização, suplantando processos convencionais usados previamente como UV, irradiação, tratamento com cloro, prata, e filtragem. Uma das mais comuns bebidas é a água mineral. Muitas, entretanto, contém manganês e ferro. Aplicando-se os métodos usuais para a remoção de manganês e ferro, o dióxido de carbono dissolvido, naturalmente existente, será grandemente consumido. O uso do ozônio, neste caso, apresenta a vantagem de total oxidação do ferro e manganês, junto com a retenção de alta concentração do dióxido de carbono dissolvido. O ozônio também é usado na indústria do leite, para evitar a sua deterioração. Tal esterilização aumenta grandemente o tempo de estocagem. Em cervejarias, o ozônio pode ser usado com vantagem, na desinfecção de tubulações, filtros, garrafas, etc. Se existirem resíduos fenólicos, e for usado cloro, eles serão transformados em clorofenóis que possuem sabores e odores intoleráveis para as cervejas. O ozônio cria pontos de especial interesse para fabricantes de cervejas, e utilizadores de outros processos semelhantes, porque ele representa um biocida sem resíduos persistentes ou tóxicos. APLICAÇÃO DE OZÔNIO NA AGRICULTURA 4
  5. 5. Eaglesat - Biblioteca científica O ozônio é eminentemente adequado para o processamento de vários subprodutos e produtos secundários agrícolas e da indústria de alimentos. Sua aplicação já foi provada, no branqueamento da cera de abelha, amidos, farináceos produtos de palhas, ossos, penas e banhas, entre outros. A maioria destes produtos tem o odor melhorado e tornam-se mais brancos, após o tratamento com ozônio. O tratamento com ozônio, do algodão e da lã, decompõe a graxa e cera das superfícies das fibras, o que aumenta, significativamente, o tempo de armazenagem da fibra de algodão e melhora a possibilidade de tingimento da lã, com uma simultânea ação de branqueamento. A ozonização de sementes de linho acelera o amadurecimento, facilitando o processamento posterior. Para a remoção de odores de grandes currais, o ozônio tem sido usado há muito tempo nos Estados Unidos, União Soviética e Canadá. OUTROS CAMPOS DE APLICAÇÃO DO OZÔNIO Vejamos, agora, outros campos de aplicação do ozônio. Os processos e métodos descritos anteriormente servirão como exemplo para uma variedade de aplicações, onde cada uma delas usa o alto poder oxidante do ozônio de alguma forma. A indústria têxtil usa o ozônio para branquear materiais básicos como, fios e tecidos. Na área medicinal, a ação desinfetante e bactericida do ozônio, tem sido pesquisada há muito tempo e dentro deste contexto, testes bem sucedidos foram feitos para o branqueamento de roupas hospitalares. Orlowski reportou a desinfecção de bandagem e instrumentos cirúrgicos, onde a ação de ozônio foi usada, em substituição ao convencional efeito de temperatura. A indústria química e metalúrgica utiliza processo descrito anteriormente, para a neutralização de gases de exaustão, com o intuito de remover odores industriais, os quais, freqüentemente, são prejudiciais à saúde. A retirada de odores ou purificação do ar, em espaços acomodando grande número de pessoas, como teatro, cinemas, assembléias, etc., o ozônio tem sido largamente usado, junto com o sistema de ar condicionado, reduzindo, deste modo, a necessidade de tratamento do ar já que o sistema fornece ar de pureza adequada. Regulamentos limitam a concentração de ozônio permitida no ar que, normalmente, não excedem alguns ppm. Ao mesmo tempo, ficou provado que a eficácia do ozônio, mesmo em pequenas quantidades, pode eliminar vários efeitos desagradáveis como, fumaça de cigarro, odores de suor, etc. • PISCINAS No clássico campo de tratamento de água e de efluentes, cada vez mais são encontradas novas aplicações para o ozônio. O ozônio, como um poderoso desinfetante, não é somente eficiente no recondicionamento da água das piscinas, devido à destruição de esporos e vírus, como também na decomposição da urina, mas também porque o seu uso gera economia, pela redução da necessidade do tratamento da água. Na Suíça, centenas de piscinas, em ambientes abertos ou fechados, são equipadas com o tratamento de ozônio. O uso do ozônio em certas áreas, ainda não é inteiramente competitivo com métodos há muito tempo estabelecidos. Assim, o ozônio não representa a cura de todos os males, mas tem vantagens definidas em muitos casos, fazendo com que mereça a pesquisa para seu uso econômico. • REAÇÕES QUÍMICAS DO OZÔNIO As reações químicas do ozônio estão relacionadas com sua estrutura molecular já que um de seus átomos de oxigênio pode se soltar relativamente fácil, gerando oxigênio nascente, o que torna o ozônio praticamente o mais poderoso agente oxidante. Em outras reações, a molécula inteira de ozônio pode ser adicionada ao reagente. O ozônio participa de reações 5
  6. 6. Eaglesat - Biblioteca científica inorgânicas, como excepcional e poderoso agente oxidante. Este comportamento resulta, também, de seu alto potencial de redução excedido somente pelo flúor. Ele oxida metais com exceção do ouro, platina e iridium. Oxida metais em óxidos ou em peróxidos, sulfitos em sulfatos, carbono em dióxido de carbono, mesmo em temperaturas normais. O ozônio não reage com sais de amônio. Na maioria das reações de oxidação ele é reduzido a oxigênio molecular, perdendo somente um átomo de oxigênio. A oxidação, particularmente em altas concentrações de ozônio, pode chegar a formação de dióxido de carbono e água. Concentrações usuais, contudo, causam a formação de substâncias contendo mais oxigênio ou menos hidrogênio de sua molécula original. INTERAÇÃO ENTRE O OZÔNIO E VÁRIAS SUBSTÂNCIAS A maioria dos metais é fortemente oxidada pelo ozônio. Ações corrosivas podem ser facilmente encontradas em concentrações acima de 2 a 3 ppm, particularmente na presença de umidade. Laqueamento ou outros tratamentos superficiais aplicados para a proteção da corrosão podem ser benéficos até um certo grau, os metais facilitam na maioria dos casos a decomposição do ozônio sendo algumas das reações catalíticas bons catalisadores são pôr exemplo, ferro particularmente se enferrujados, zinco, mercúrio, platina e prata. De acordo com Yemelyanova, metais nobres são os melhores catalisadores em baixas temperaturas. Kastanova descobriu que de todos os metais tem o menor efeito catalisador em baixas concentrações e a 373º K. Aço inoxidável, além de alumínio anodizado, é sugerido como o material metálico ideal para construção particularmente para aplicações envolvendo baixas temperaturas e altas concentrações de ozônio. Em termos de resistência química e estabilidade de ozônio o vidro seria o material ideal para vasos e tubos, devido à sua baixa resistência e sua falta de elasticidade o uso de vidro é extremamente limitado. Para elevadas cargas mecânicas devido a pressão pôr exemplo, e grandes concentrações de ozônio o uso de vidro revestido com metal é proposto. Waller e McTurk concluíram que garrafas feitas de aço inoxidável com a superfície interna fosfatada seriam tão boas quanto vidro, mínimo efeitos de parede e máxima vida para a decomposição térmica do ozônio foi verificada com tais garrafas. Devido à sua grande superfície todos os adsorventes tais como carvão ativado, zeólitos, sílica gel, alumínio ativado, etc., atuam como fortes catalisadores na decomposição do ozônio na temperatura ambiente. No caso de carvão ativado, também acontece a oxidação enquanto o efeito de pura adsorção prevalece em zeólitos porque o efeito catalisador cessa com a saturação. O efeito catalisador de peneiras moleculares para evitar a decomposição de ozônio pode muito bem ser utilizado na prática, como pôr exemplo, na retirada de ozônio dos gases de escapamentos. A borracha que é usada na prática como material para selos, tubos e outros componentes, à semelhança de material orgânico em geral reage ativamente com ozônio. A borracha sintética é mais resistente ao ozônio. Entre os plásticos, aqueles na base de flúor, podem ser usados com vantagens como materiais para vedação, tubos e até como material de construção devido a sua resistência à ação do ozônio e não servir como catalisador para a decomposição do mesmo. Para altas concentrações de ozônio o uso do PTFE e do polidiclorodifluoretileno é recomendado. Esses plásticos podem ser utilizados em revestimento de vasos de aço usados para conter ozônio em alta concentração. EFEITOS BACTERICIDAS ESTERILIZADORES EM MICROORGANISMOS O uso de ozônio durante décadas, deve-se principalmente sob sua ação em microorganismos encontrados na água os quais ultrapassam e muito os de qualquer outro 6
  7. 7. Eaglesat - Biblioteca científica desinfetante. Testes demonstraram que ele destrói com grande eficiência, esporos, fungos, amebas, vírus, bactérias assim como, vários germes patogênicos e saprofíticos, esses microorganismos representam uma grande variedade de espécies, gêneros e famílias. Holluta e Unger mostraram que a taxa de destruição de germes não dependia do pH este fato constitui uma das maiores vantagens do ozônio sobre outros desinfetantes. Na purificação de água o ozônio residual é o fator crítico que controla a destruição de microorganismos, no começo da década de sessenta a opinião era unânime de que o ozônio teria um efeito mais rápido sobre vírus do que aquele obtido sob a ação do cloro. Os vírus provaram ser resistentes ao cloro sob certas circunstâncias mas é extremamente difícil destruí-los mesmo quando expostos ao ozônio. Katzenelson pôs grande ênfase no efeito sobre vírus durante suas investigações desde que eles são sabidamente mais resistentes à desinfecção do que às bactérias. Um fenômeno notável nas suas investigações foi o processo em duas etapas para a inatividade do vírus. No período um, com duração de 10 segundos conseguiu-se matar 99%. O período dois consumiu muitos minutos para a destruição completa. Aplicou-se o ozônio em sete níveis intermediários entre 0,07 e 2,5 ppm, mas o fenômeno não dependia das mudanças na concentração, de acordo com Berg a maior resistência dos vírus é causada pela formação de blocos, para estabelecer a teoria a preparação do vírus da pólio foi submetida a ultra som de 100W pôr 2 minutos na freqüência de 20mhz o ultra som causou a quebra dos tais blocos de vírus, os quais se tornaram então, extremamente, suscetíveis ao ozônio. A transmissão pôr vírus podem ocorrer na água, assim, as possibilidades de inatividade devem ser determinadas com maior precisão para poder prevenir a infeção pôr vírus. Coin investigou a inatividade do vírus da poliomielite pôr ozônio, tendo conseguido matar 99,99% mantendo um residual de 0,3 à 0,4 ppm na água no tempo de três a quatro minutos. Gevaudan determinou que substâncias orgânicas e inorgânicas na água reduzem o efeito do ozônio, no restante suas conclusões foram idênticas àquelas de Coin. Pesquisadores americanos estudaram uma variedade de microorganismos entre eles o Bacillus Anthracites, os quais causam antrac (espécies de furúnculos em bovinos, ovinos, suínos até mesmo seres humanos) o Clostridium Botulinum cujas toxinas paralisam o sistema nervoso central, encontrado em alimentos e carnes, a Influenza vírus, o Bacillus Subtilis (o bacilo do feno) que decompõe matéria orgânica. As experiências usaram concentração de ozônio de 100 à 200ppm. Miller conseguiu uma esterilização completa dos esporos do Bacillus Subtilis expondo-os a 100ppm de ozônio pôr 45minutos. Ratos foram inoculados com a toxina, tipo A, que continha a bactéria causadora do botulismo e ovos com o vírus da influenza. A cultura continha o máximo de 10 bacilos causadores de botulismo a qual representa exatamente a dose letal para ratos, uma exposição ao ozônio pôr 30 minutos foi em geral suficiente para animais inoculados sobreviverem, no caso do vírus influenza as culturas permaneceram negativas durante os exames de verificação. Foi também demonstrado que outros microorganismos poderiam ser destruídos pela aplicação de 1,5 à 2,0ppm de ozônio entre eles estava incluído o Typhus Abdominalis que se propagam tipicamente infectando a água causando o tifo. FRUTAS, GÊNEROS ALIMENTÍCIOS E BEBIDAS Na estocagem de frutas, cuidados especiais devem ser tomados para que cada peça tenha a sua volta espaço suficiente não oferecendo resistência à passagem de ar assegurando, assim, uma ventilação adequada. Ao mesmo tempo em que o ozônio previne a formação de colônias de fungos nas paredes dos locais de estocagem, nos materiais de embalagem e nos engradados de madeira, estes fungos, mesmo não sendo nocivos ao produto, rapidamente imprimem um odor desagradável às frutas. Em ambientes de estocagem refrigerados, a proliferação do chamado 7
  8. 8. Eaglesat - Biblioteca científica "blue mold rot" causador do apodrecimento é extremamente rápida e o crescimento não é retardado mesmo em temperaturas tão baixas quanto 273º K. Devido à rápida decomposição do ozônio, pessoas podem penetrar nos locais de estocagem, imediatamente após a interrupção da injeção de ozônio, sem prejuízo à sua saúde. Esta característica, junto ao rápido efeito de desinfecção, são de grande importância, particularmente para a troca de produtos estocados. • BANANAS Altas concentrações de ozônio intensificam o metabolismo das bananas. Danos fisiológicos podem ser induzidos, contudo, pôr pequenas concentrações, da ordem de 1.5 ppm pôr exemplo. Depois de 8 dias, manchas pretas aparecem na casca se a concentração de ozônio é mantida entre 25 e 30 ppm; se mantido entre 30 e 90 ppm o processo de respiração é acelerado apesar do amadurecimento não ser afetado. O fenômeno pode ser atribuído à destruição, imediatamente após à sua formação, de substâncias produzidas pôr outras frutas mais maduras as quais aceleram o processo de amadurecimento. Uma concentração de ozônio entre 1,5 e 7 ppm e uma temperatura de 285º K comprovaram ser as melhores condições para a estocagem de bananas onde nem a taxa de amadurecimento nem a intensidade de respiração mudam significativamente. Atualmente, bons resultados são obtidos aumentando-se o tempo de estocagem durante o transporte. • LARANJAS As laranjas são insensíveis mesmo em relativamente a altas concentrações de ozônio, pôr exemplo, 40 ppm durante a estocagem. Entretanto seu amadurecimento é retardado pela oxidação do etileno e outros produtos metabólicos. • MORANGOS, AMORAS E UVAS Estas frutas tendem a desenvolver colônias de fungos durante a estocagem. Esta tendência pode facilmente ser eliminada com ozônio numa concentração de 2 a 3 ppm sem que seja afetada a qualidade ou sabor das mesmas, conseguindo-se, assim, dobrar-se o tempo de estocagem. É importante que o método de embalagem não interfira com o contato entre o ozônio e as frutas. • MAÇÃS Dependendo da espécie, um efeito indicando distúrbio biológico pode ser detectado durante a estocagem, somente se o ozônio estiver acima de 2 a 11 ppm. Experiências feitas nos USA mostraram que a maioria das espécies não mostraram sinais de deterioração mesmo após 5 meses de estocagem em ambiente refrigerado e sob uma concentração de ozônio de 2 ppm. Com concentrações levemente maiores, foi observada uma diminuição do odor em algumas espécies. A remoção do etileno gerado tem um efeito significativo no aumento do tempo de estocagem. A inatividade dos produtos metabólicos também retarda o aparecimento das manchas marrons na casca. • PERAS 8
  9. 9. Eaglesat - Biblioteca científica • Para a específica espécie pesquisada, nenhuma deterioração foi observada num período de 17 dias a 3 ppm de concentração de ozônio, numa temperatura de 278º K. Sob estas condições, nenhum aumento foi detectado nas taxas de respiração. VEGETAIS Vantagens semelhantes às da estocagem de frutas puderam ser observadas. Na União Soviética, a couve-flor, entre outros vegetais, foram estocados com sucesso após o tratamento com ozônio. • BATATAS Durante a estocagem sob determinado processo houve mudança nos valores nutricionais do tubérculo, sendo o mais importante a mudança do complexo carboidrato, do conteúdo de vitamina e da respiração do tubérculo. Em batatas ozonizadas, o conteúdo de amido e vitamina C aumentou e o de açúcar diminuiu, tendo a respiração mostrada somente uma pequena mudança. Ficou estabelecido que uma exposição de ozônio com concentração de 15 a 18 ppm pôr 6 a 10 horas eliminou completamente o crescimento de fungos do tipo Phytophitora. A cor, sabor e consistência não mudaram durante o processo. EXTRAIDO DO "OZONE", DE AUTORIA DE L.BILITZKY, J..HUTTNER, M.HOVARTH, BUDAPEST,HUNGRY, 1985 9
  10. 10. Eaglesat - Biblioteca científica • Para a específica espécie pesquisada, nenhuma deterioração foi observada num período de 17 dias a 3 ppm de concentração de ozônio, numa temperatura de 278º K. Sob estas condições, nenhum aumento foi detectado nas taxas de respiração. VEGETAIS Vantagens semelhantes às da estocagem de frutas puderam ser observadas. Na União Soviética, a couve-flor, entre outros vegetais, foram estocados com sucesso após o tratamento com ozônio. • BATATAS Durante a estocagem sob determinado processo houve mudança nos valores nutricionais do tubérculo, sendo o mais importante a mudança do complexo carboidrato, do conteúdo de vitamina e da respiração do tubérculo. Em batatas ozonizadas, o conteúdo de amido e vitamina C aumentou e o de açúcar diminuiu, tendo a respiração mostrada somente uma pequena mudança. Ficou estabelecido que uma exposição de ozônio com concentração de 15 a 18 ppm pôr 6 a 10 horas eliminou completamente o crescimento de fungos do tipo Phytophitora. A cor, sabor e consistência não mudaram durante o processo. EXTRAIDO DO "OZONE", DE AUTORIA DE L.BILITZKY, J..HUTTNER, M.HOVARTH, BUDAPEST,HUNGRY, 1985 9

×