SlideShare uma empresa Scribd logo

Profissional do futuro

Profissional do Futuro

1 de 11
Baixar para ler offline
O ENSINO DE CONTABILIDADE E O PROFISSIONAL DO FUTURO
I. Introdução
Quando estudei contabilidade, há 10 anos atrás, me ensinaram que a função do contabilista era registrar
os fatos econômicos e financeiros. Falaram-me de débitos e créditos, leis e impostos. Ensinaram-me
sobre inflação e depreciação, ativos e passivos. Saí para o mundo orgulhosa e confiante com o meu
diploma.
Chegando ao mundo real, na contabilidade de uma grande empresa, foi exigido muito mais de mim.
Entendi rapidamente que o que eu sabia era muito pouco para enfrentar as necessidades do mercado, que
eu era uma contadora ainda por ser formada. Meus estudos haviam me dado uma base de raciocínio
contábil, de conhecimento específico, mas não havia me preparado para enfrentar o mundo real, para
satisfazer as necessidades que o mundo de hoje tem.
Foi essencial complementar minha formação básica com cursos de pós graduação e mestrados, no Brasil
e no exterior, pois as exigências do mercado iam muito além do que eu me sentia preparada para
oferecer.
Ao longo de minha carreira profissional, como responsável pelas áreas de contabilidade inicialmente, e
controle de gestão, nos últimos anos, contratei muitos estudantes de contabilidade ou profissionais recém
formados e me deparei com outros tantos. Neste convívio, comecei a perceber que outras pessoas
estavam enfrentando o mesmo problema que eu enfrentei quando sai da faculdade. Percebi que havia
uma grande distância entre a preparação dos profissionais pelas universidades e as necessidades do
mercado de trabalho.
II. Objetivos do trabalho:
Identificar o perfil do profissional de contabilidade requerido pelo mercado de trabalho atual e futuro, e
os impactos que isto traz para o ensino superior de contabilidade.
II. Metodologia:
Este trabalho teve como base dois instrumentos de investigação, junto a profissionais já no mercado e
estudantes.
O primeiro instrumento constitui-se de entrevistas informais junto a contabilistas de nível superior,
formados ou cursando o último semestre de curso, já colocados no mercado de trabalho, na cidade de
Porto Alegre. Esta investigação teve como objetivo identificar as dificuldades encontradas por estes
profissionais quando se depararam com o mercado de trabalho.
O segundo instrumento consiste de uma investigação feita pelo Serviço de Orientação Profissional do
Instituto de Psicologia da UFRGS, com estudantes de meio de curso e formandos, que teve como objetivo
identificar o nível de satisfação dos estudantes e a relação desta com a escolha profissional.
Estes dois instrumentos proporcionaram subsídios para identificar as deficiências básicas da formação
acadêmica, as dificuldades que os profissionais encontram para ingressar no mercado de trabalho e
permitiram identificar medidas corretivas a serem tomadas.
IV. Investigação
Entrevistas
Estão apresentadas a seguir o resultado da investigação junto aos profissionais formados por diversas
instituições de ensino da cidade de Porto Alegre e já colocados no mercado. Encontra-se abaixo uma
síntese dos comentários ouvidos.
Para este trabalho, somente foram consideradas as observações levantadas por um número significativo
de profissionais e que abrange diversas entidades de ensino. Não é o objetivo deste estudo apontar
deficiências particulares a algumas instituições, mas sim identificar uma tendência geral do ensino
superior de contabilidade e da preparação para o mercado de trabalho atual.
• Teoria versus prática: Foi consenso entre os entrevistados que o curso de contabilidade tem caráter
excessivamente teórico. Os entrevistados manifestaram não se sentirem preparados tecnicamente
para enfrentar o mercado de trabalho, pois os conceitos aprendidos em sala de aula não têm a
necessária dimensão prática.
Houveram significativas reclamações referente a não exposição concreta a assuntos importantes, tais
como sistemas de contabilidade modernos, modelos de razão ou balancete, conciliações, LALUR’s.
Todos estes tópicos foram estudados teoricamente, mas por não fazerem parte do dia a dia dos
estudantes, foram de difícil assimilação. Quando o profissional chegou ao mercado de trabalho não
tinha condições de reconhecer na prática o que havia estudado.
Os estudantes que antes do curso de nível superior haviam cursado o curso técnico em contabilidade se
sentiram mais preparados, pois ao que parece, os cursos de nível técnico propiciaram mais trabalho
de laboratório e maior experimentação prática do que os cursos de nível superior.
• Contabilidade gerencial: Foi unânime a apreciação de que o curso de contabilidade tem um
enfoque mais voltado para a contabilidade fiscal, e que o mercado exige sólidos conhecimentos de
contabilidade gerencial, principalmente no que se refere a análise de dados contábeis e financeiros.
Nesta mesma linha, manifestaram uma carência de desenvolvimento de ferramentas de fundamentação
contábil e de utilização na gestão das empresas como orçamentos, fluxos de caixa, e outros
acompanhamentos de caráter gerencial.
• Ramo de atuação: Os profissionais manifestaram dificuldade em aplicar os conceitos aprendidos
para outros setores econômicos que não a manufatura. Empresas de comércio e serviços não foram
estudadas em profundidade e alguns conceitos específicos para estes setores não foram abordados.
• Informática: os profissionais sentiram-se despreparados tecnologicamente quando chegaram ao
mercado de trabalho. Alguns tiveram exposição a conceitos básicos de informática, mas não todos.
Chegando nas empresas, foi exigido dos profissionais conhecimento de softwares específicos de
contabilidade, os quais não foram estudados durante a graduação.
Além disso, o mercado exige a capacidade de pensar em termos de sistemas, já que as empresas estão,
cada vez mais, sendo governadas por sistemas de informação que gerem o negócio e
automaticamente fazem os registros contábeis.
O profissional de contabilidade precisa ser capaz de se comunicar com os profissionais de informática e
entender o processo de contabilização automática por sistemas descentralizados. Os entrevistados
não se sentiram capazes de assumir tal papel com o ensino formal.
• Ultrapassados: Os entrevistados expressaram um sentimento generalizado de desadequação para o
mercado, sentindo que seus conhecimentos estavam ultrapassados, apesar de estarem recém saídos
da universidade. Os profissionais sentem-se inseguros com relação à própria capacitação.
• Trabalhar ou estudar: Os profissionais entrevistados manifestaram um dilema que se coloca para o
estudante brasileiro: trabalhar enquanto estuda para adquirir experiência ou dedicar-se aos estudos
integralmente, afim de tirar melhor proveito dos bancos escolares?
Se o estudante trabalha, não consegue estudar além das aulas e preparar-se adequadamente. Se não
trabalha, não consegue aprender o conteúdo e trabalhar depois de formado, pois o mercado não vê
com bons olhos os “estudantes profissionais”. O profissional de contabilidade precisa trabalhar
2
desde cedo, enquanto estuda. Isto impossibilita um aprofundamento teórico durante os estudos e um
nível maior de exigência em sala de aula.
• Resolução de problemas reais: Os entrevistados manifestaram não se sentirem preparados para
resolver problemas e criar soluções, pois o curso não desenvolveu o pensamento, análise e criação.
O curso de contabilidade ainda está voltado a absorção de conceitos e não há utilização deles.
• Ensino multi-disciplinar: O ensino de outras disciplinas como administração, economia e direito
não foi adequado. Apesar de o número de cadeiras nestas áreas serem relevantes, o ensino não
propiciou a integração destes conceitos no universo de atuação do profissional de contabilidade.
• Estrutura do curso: Os entrevistados mostraram-se insatisfeitos com relação a forma como o curso
está estruturado. Manifestaram que nos primeiros semestres não conseguiam entender o que
estavam estudando pois os conceitos teóricos estava distante da realidade deles. A partir do meio do
curso, quando seria o momento de iniciar análises mais profundas e aprender novos conceitos, os
requisitos de conhecimento básico prévio não estavam satisfeitos para grande maioria dos alunos.
Então, as cadeiras mais avançadas ocuparam-se de cobrir as deficiências de ensino básico.
Aqueles que fizeram curso técnico previamente pensaram que os primeiros semestres não acrescentaram
valor além do que já era conhecido, e que as expectativas de aprofundar conhecimento nos
semestres finais de curso foram frustradas porque grande parte dos alunos não tinha os pré-
requisitos básicos.
• Qualidade na execução da proposta atual: Não é objetivo deste trabalho identificar problemas na
implementação da proposta atual, mas sim identificar possíveis melhorias na proposta per se. No
entanto, é necessário registrar que houveram muitas reclamações quanto ao despreparo dos
professores, à quantidade de material ultrapassado apresentado em sala de aula, à incorreção de
conteúdo lecionado e à omissão de conteúdo básico e fundamental.
Instrumento de pesquisa UFRGS
Este instrumento foi aplicado pelo SOP do Instituto de Psicologia da UFRGS a 792 estudantes
universitários de diversos cursos, no ano de 1999. Para fim deste trabalho, está sendo avaliado a
pesquisa feita a 40 alunos formandos em contabilidade e 20 estudantes em meio de curso. Abaixo, segue
tabulação dos resultados obtidos.
Instrumento:
UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL
INSTITUTO DE PSICOLOGIA
SERVIÇO DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL
1) Sexo:
Meio de Curso Formandos Total
Masculino 7 18 25
Feminino 13 22 35
2) Idade:
Idade média
Meio de Curso 23,3
Formandos 26,0
3) Curso: Ciências Contábeis
3
4) Ano em que iniciou o curso:
Intervalo
Meio de Curso entre 95 e 98
Formandos entre 88 e 95
5) Das atividades relacionadas, de quais você participa?
Meio de Curso Formandos Total
Monitoria 0 0 0
Bolsa de iniciação
científica
0 0 0
Estágio
Extracurricular
5 9 14
Nenhuma 15 31 46
6) Possui outra atividade remunerada?
Meio de Curso Formandos Total
Sim 10 29 39
Não 10 11 21
7) Se a resposta 6 foi afirmativa: A atividade exercida está relacionada ao curso?
Meio de Curso Formandos Total
Sim 4 25 29
Não 6 4 10
8) Quantas vezes você prestou vestibular?
média
Meio de Curso 2,4
Formandos 2,3
9) Todas as tentativas foram para o mesmo curso?
Meio de Curso Formandos Total
Sim 8 7 15
Não 12 33 35
10) Em que ano e para que curso você prestou vestibular?
Os alunos, antes de prestar vestibular para Ciências Contábeis, prestaram vestibular para outros 16
cursos. Abaixo as principais ocorrências (número de estudantes interessados no curso):
• Direito: 7
• Informática: 7
• Engenharia (não especificada a área): 5
• Medicina: 4
• Arquitetura: 3
11) Você está cursando ou já concluiu, algum outro curso superior?
Meio de Curso Formandos Total
Sim 3 7 10
Não 17 33 50
4
12)Como você se sente em relação à profissão escolhida?
Meio de Curso Formandos Total
Muito Satisfeito 6 5 11
Satisfeito 12 24 36
Pouco satisfeito 1 5 6
Insatisfeito 1 6 7
Observações:
• campo de trabalho bom 9
• campo de trabalho ruim 7
• falta experiência prática 4
• gosta muito do curso 3
• já trabalha na área 3
• permite realização de concursos 2
• trabalhar e estudar é muito difícil 2
• falta outras qualificações 1
13) Em algum momento você já pensou em desistir ou mudar de profissão? (Aplicado somente para
estudantes em meio de curso)
Meio de curso
Sim 7
Não 13
14) Você considera essa hipótese atualmente? (Aplicado somente para estudantes em meio de curso)
Meio de curso
Sim 3
Não 17
13) Você pretende seguir carreira nesta profissão? (Aplicado somente para Formandos)
Formandos
Sim 31
Não 9
14) Você identifica alguma área na profissão em que gostaria de atuar? (Aplicado somente para
Formandos)
Formandos
Sim 32
Não 8
15) Se a resposta 14 foi afirmativa: dentro dessa área de interesse você identifica: (Aplicado
somente para Formandos)
• Atividades que gostaria de realizar?
Formandos
5
Sim 26
Não 4
• Locais em que gostaria de trabalhar?
6
Formandos
Sim 28
Não 2
16) Se a resposta 14 foi negativa: que dificuldades você está encontrando para identificar áreas na
profissão em que gostaria de atuar? (Aplicado somente para Formandos)
• poucas oportunidades 3
• falta de experiência 1
Você tem planos de realizar outros cursos após a graduação? (Aplicado somente para Formandos)
Formandos
Sim 34
Não 6
18) Que dificuldades você identifica para sua inserção no mercado de trabalho? (Aplicado somente
para Formandos)
• falta de experiência prática 17
• mercado competitivo e retraído 16
• conhecimento língua estrangeira 4
19) Em termos de instrumentalização para busca de trabalho: (Aplicado somente para Formandos)
• Você sabe organizar seu currículo?
Formandos
Sim 30
Não 10
• Você se sente preparado para participar de processos seletivos?
Formandos
Sim 23
Não 17
20) Você acredita que poderia se beneficiar de um Programa de Orientação Profissional?
Meio de Curso Formandos Total
Sim 9 34 43
Não 11 6 17
21) Se a resposta 20 foi afirmativa: que opções atenderiam a seus objetivos? (Aplicado somente para
Formandos)
Formandos
Reorientação
profissional
11
Construção de um
projeto profissional
19
Instrumentalização
para busca de
trabalho
13
7
Outros
22) Descreva seus sentimentos e expectativas quanto a sua futura atuação como profissional:
(Aplicado somente para Formandos)
• Inseguro, despreparado para enfrentar o mercado 12
• As coisas estão difíceis, mas tenho esperança de superar as dificuldades 7
• Conciliar vida pessoal e profissional 2
V. Análise de dados: O ensino de contabilidade e o profissional do futuro
Com base na análise dos dados dos instrumentos de investigação apresentados, podemos perceber que,
para atender as necessidades do mercado e formar profissionais de contabilidade capazes de atender as
demandas e exigências que a realidade atual faz, os cursos de Ciências Contábeis precisam ser revisados
e atualizados. Entre as mudanças que se fazem necessárias, poderíamos salientar:
• Experiência prática durante o curso: Os estudante e os profissionais já graduados e colocados no
mercado enfatizaram o caráter teórico do ensino superior. É preciso inserir mecanismos de
convivência com a prática do conteúdo ao longo do estudo da matéria.
Isto poderia ser atingido através da inserção de trabalhos de laboratório nos primeiros semestres do
curso, onde os alunos tenham a possibilidade de tomar contato com os sistemas, documentos e
rotina da contabilidade.
A medida que o curso avança, este trabalho poderia ser complementado com estágios obrigatórios,
visitas a organizações públicas e privadas que ofereçam oportunidades de atuação aos profissionais
de contabilidade, convênios da universidade com empresas para permitir estudos de casos reais,
exposição constante a novas ferramentas de trabalho e necessidades gerenciais que se manifestem.
Os estudantes devem graduar-se com plena consciência do que consiste sua profissão, com vivência da
realidade, e capacidade para aplicar o conteúdo teórico em situações reais.
• Incentivo a aprendizagem extracurricular: os instrumentos de levantamento de dados utilizado
para este trabalho trouxeram a tona uma preocupação do profissional de adquirir outras habilidades,
exigidas pelo mercado e não fornecidas pela Universidade, como línguas e informática.
A universidade deveria incentivar o aprendizado destas habilidades, mesmo que não as incorpore no
currículo obrigatório. Os alunos devem ter exposição ao tema e sentirem-se motivados e
instrumentados a perseguir estes conhecimentos.
A universidade deveria oferecer cursos complementares, opcionais, que permitam aos interessados
aprimorar-se. Deveria, ao mesmo tempo, exigir dos alunos tal conhecimento, assim como o mercado
de trabalho o exige, de forma a incentivar que o aluno busque seu próprio aprimoramento.
• Administração de carreira: além de formar os indivíduos no conteúdo de sua profissão, a
universidade precisa formar o profissional. E isto passa por ensinar o aluno a apresentar-se, montar
seu currículo, identificar áreas de atuação que ofereçam oportunidades que se encaixem no perfil do
indivíduo.
Os alunos saem da universidade sem saberem ao certo as oportunidades que o aguardam. Percebe-se
que alguns alunos manifestaram muita esperança com relação ao mercado de trabalho, lhes parece
que o mercado é promissor, enquanto outros manifestaram que o mercado está muito retraído e não
oferece oportunidades. Esta contradição de opiniões tem relação direta com a falta de informação
sobre a realidade do mercado em que eles vão atuar.
As universidades devem ter à disposição dos alunos centros de administração de carreira, ao molde
das universidades americanas, onde o aluno se instrumentaliza para busca de trabalho, conhece suas
reais possibilidades e têm acesso a um banco de empresas e suas vagas profissionais. A universidade
deveria, além de formar o indivíduo, auxiliá-lo na sua colocação profissional.
• Integração Multidisciplinar: as cadeiras de outras disciplinas precisam ser ministradas em uma
perspectiva integradora, explicitando o relacionamento destas com as de cunho contábil.
O estudante deve sair da Universidade capaz de atuar em grupos multidisciplinares, capaz de se
relacionar com outras áreas da organização e entender como elas se relacionam. É fundamental que
o contabilista reconheça seu papel dentro de um todo para que possa acrescentar valor.
8
• Atualização constante: a universidade precisa ser dinâmica e flexível, deve mudar na velocidade
em que muda o mundo, as organizações, a natureza do trabalho. A universidade deve ser capaz de
se atualizar com o mercado, para evitar formar profissionais que já estão ultrapassados no dia da
graduação.
Isso implica em constante atualização por parte do corpo docente, atuação proativa frente ao mercado,
através da criação de seminários, centros de pesquisa, convênio com as empresas.
A universidade não pode se tornar obsoleta em um momento onde informação é fundamental e acontece
mais rápido do que sempre aconteceu.
• Divulgação da profissão para alunos em pré-vestibular: os alunos em fase de decisão
profissional precisam conhecer a profissão contábil antes de decidirem se este é o curso adequado
para seu perfil. A universidade deve propiciar a difusão deste conhecimento para evitar que alunos
iniciem o curso sem saber ao certo o que estão fazendo.
9
VI. Conclusões
O perfil do profissional de contabilidade do futuro
Muito se tem falado sobre as exigências do mercado atual com relação aos profissionais em geral. O
mundo moderno exige, além da capacitação técnica e de um conjunto de habilidades essenciais (como
domínio de tecnologias, conhecimento de línguas estrangeiras, informação e atualização), outras
características que tem relação com a pessoa e sua forma de se relacionar e agir. Neste item entram as
capacidades de liderar, trabalhar em equipe, motivar a si próprio e aos outros, comunicar, negociar,
resolver problemas, criar alternativas, buscar soluções, gerenciar a própria carreira, ser flexível. O
mundo moderno exige que os profissionais busquem melhorar a cada dia, quer tecnicamente, quer
pessoalmente. Os contadores não se excluem deste grupo e passam a ser exigidos estas mesmas
características, além do conhecimento técnico.
Cada vez mais o profissional de contabilidade se torna um prestador de serviços, tendo como clientes
internos todas as áreas da empresa, principalmente aqueles que tomam decisões com base em
informação, e como clientes externos, a sociedade que utiliza as demonstrações contábeis para decidir
investimentos e para identificar os impactos que a empresa está trazendo a comunidade. Sendo assim, o
contabilista precisa estar ciente de sua audiência, que muda conforme o propósito e precisa saber
comunicar-se adequadamente com todas elas.
É comum situações em que as informações contábeis caem no descrédito internamente e não são
utilizadas como deveriam porque a linguagem de apresentação não é entendida pelos usuários finais. É
fundamental que o contabilista seja um indivíduo de boa circulação, capaz de comunicar-se com as
diversas áreas da empresa e de passar seu conhecimento de forma clara e simples, transformando os
dados disponíveis em informação utilizável para a melhor gestão do negócio. Para isto o profissional
precisa sair detrás da mesa e dos documentos e conhecer seus clientes. Precisa reunir-se com os gestores
de outras áreas e ouvir seus problemas, suas dificuldades, suas necessidades.
Com a propagação da informação as disciplinas começam a se misturar, se integrar. As especializações
baseadas em disciplina não mais satisfazem as necessidades do mundo moderno onde é preciso saber
mais de tudo. O contabilista que conhece muito bem sua área mas não desenvolveu conhecimentos
mínimos sobre as demais áreas ligadas a ele de alguma forma, como operações, marketing, recursos
humanos e outras, não conseguirá obter sucesso pois não conseguirá fazer seu trabalho útil a seus
clientes.
Além dissto, os contabilistas precisam ser criativos, precisam buscar alternativas para a resolução de
problemas, tais como atender as demandas de clientes diferentes, ou buscar informações, entendimento
além dos registros - ler os números, entender o que eles significam e traduzi-los para qualquer
audiência.
O contabilista deve participar ativamente dos processos de mudança que, nos tempos modernos, são
constantes. Para isso, precisa estar atento para identificar mudanças na necessidade da geração de
informações, para os impactos nos resultados e na forma de olhar os registros.
O contabilista também tem que ser um educador. Foi-se o tempo em que os registros se davam todos em
uma sala, todos os documentos em cima de uma mesa. Agora os processos são decentralizados, entrada
de dados automática e pelas pontas, feitas por pessoas de diversos níveis e formação. E o contador
precisa motivar, ensinar, treinar pessoas de diferentes backgrounds, para garantir a integridade dos
registros, o que implica visão para criar mecanismos que diminuam a possibilidade de erro, para criar
alternativas que se expandam do centro para as pontas.
O profissional de contabilidade precisa fazer-se útil dentro das empresas, não pode tornar-se “um mal
necessário”, um burocrata que não agrega valor. A contabilidade é uma fonte de informações
fundamental e deve ser utilizada de forma a trazer benefícios ao negócio. E isto depende
fundamentalmente da capacidade do profissional de relacionar-se e comunicar-se com seus clientes e
fornecedores.
Impactos no ensino de contabilidade
10
A fim de formar profissionais capacitados a agregar valor no mercado de trabalho a universidade deve
expandir sua intervenção para além dos aspectos técnicos. O ensino deve propiciar o aprendizado da
contabilidade, quer a nível teórico, quer a nível prático. Além disso, deve preparar o profissional para
enfrentar a realidade, através do desenvolvimento de aptidões humanas, tais como criatividade,
flexibilidade, capacidade de relacionar-se, trabalhar em equipe, e outras já citadas no decorrer deste
trabalho.
Os profissionais devem deixar os bancos escolares sentido-se seguros do próprio potencial, capazes de
atuar profissionalmente e agregar valor, fazer alguma diferença. Os indivíduos têm necessidade de
serem úteis, de ter um propósito maior do que eles próprios. Isto é o que traz alegria, dinamismo, força,
energia, capacidade criativa, capacidade de trabalho e segurança. E a universidade deve auxiliar os
indivíduos a encontrarem seu próprio caminho, a estarem cientes de suas capacidades e oportunidades e
incentivar o seu constante desenvolvimento.
11

Recomendados

DOCÊNCIA NO ENSINO SUPERIOR_ estudo crítico da formação profissional para o m...
DOCÊNCIA NO ENSINO SUPERIOR_ estudo crítico da formação profissional para o m...DOCÊNCIA NO ENSINO SUPERIOR_ estudo crítico da formação profissional para o m...
DOCÊNCIA NO ENSINO SUPERIOR_ estudo crítico da formação profissional para o m...Bruna Helena Souza Teixeira de Barros
 
Matéria especial no Jornal Folha Dirigida
Matéria especial no Jornal Folha DirigidaMatéria especial no Jornal Folha Dirigida
Matéria especial no Jornal Folha DirigidaMonique Mansur
 
Aula 00-apu-afrfb-organizacao-do-estado-e-da-adm-publica-f (1)
Aula 00-apu-afrfb-organizacao-do-estado-e-da-adm-publica-f (1)Aula 00-apu-afrfb-organizacao-do-estado-e-da-adm-publica-f (1)
Aula 00-apu-afrfb-organizacao-do-estado-e-da-adm-publica-f (1)Denilson Brandão
 
A formação do Administrador e o mercado de trabalho - Adm. Carlos Augusto Mat...
A formação do Administrador e o mercado de trabalho - Adm. Carlos Augusto Mat...A formação do Administrador e o mercado de trabalho - Adm. Carlos Augusto Mat...
A formação do Administrador e o mercado de trabalho - Adm. Carlos Augusto Mat...CRA - MG
 
Impasses para o desenvolvimento do mercado de capitais para empresas de peque...
Impasses para o desenvolvimento do mercado de capitais para empresas de peque...Impasses para o desenvolvimento do mercado de capitais para empresas de peque...
Impasses para o desenvolvimento do mercado de capitais para empresas de peque...James Wright
 
Formação do profissional em administração e o mercado de trabalho
Formação do profissional em administração e o mercado de trabalhoFormação do profissional em administração e o mercado de trabalho
Formação do profissional em administração e o mercado de trabalhoCRA-BA
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Os Coordenadores dos Cursos de Graduação em Administração e o Desafio para a ...
Os Coordenadores dos Cursos de Graduação em Administração e o Desafio para a ...Os Coordenadores dos Cursos de Graduação em Administração e o Desafio para a ...
Os Coordenadores dos Cursos de Graduação em Administração e o Desafio para a ...CRA-BA
 
Projetos de administração
Projetos de administraçãoProjetos de administração
Projetos de administraçãoFelipe Leo
 
Lançamentos em razonetes seguros
Lançamentos em razonetes segurosLançamentos em razonetes seguros
Lançamentos em razonetes segurosapostilacontabil
 
Desafio profissional cco 7.8
Desafio profissional cco 7.8Desafio profissional cco 7.8
Desafio profissional cco 7.8Marcelo Antonio
 
2 edicao referencial_formacao_pedagogica_inicial_formadores_21_03_2013
2 edicao referencial_formacao_pedagogica_inicial_formadores_21_03_20132 edicao referencial_formacao_pedagogica_inicial_formadores_21_03_2013
2 edicao referencial_formacao_pedagogica_inicial_formadores_21_03_2013Paula Fernandes
 

Mais procurados (8)

Trabalho lan house
Trabalho lan houseTrabalho lan house
Trabalho lan house
 
Os Coordenadores dos Cursos de Graduação em Administração e o Desafio para a ...
Os Coordenadores dos Cursos de Graduação em Administração e o Desafio para a ...Os Coordenadores dos Cursos de Graduação em Administração e o Desafio para a ...
Os Coordenadores dos Cursos de Graduação em Administração e o Desafio para a ...
 
Aula 1
Aula 1Aula 1
Aula 1
 
Projetos de administração
Projetos de administraçãoProjetos de administração
Projetos de administração
 
Lançamentos em razonetes seguros
Lançamentos em razonetes segurosLançamentos em razonetes seguros
Lançamentos em razonetes seguros
 
Calendário 2011.2
Calendário 2011.2Calendário 2011.2
Calendário 2011.2
 
Desafio profissional cco 7.8
Desafio profissional cco 7.8Desafio profissional cco 7.8
Desafio profissional cco 7.8
 
2 edicao referencial_formacao_pedagogica_inicial_formadores_21_03_2013
2 edicao referencial_formacao_pedagogica_inicial_formadores_21_03_20132 edicao referencial_formacao_pedagogica_inicial_formadores_21_03_2013
2 edicao referencial_formacao_pedagogica_inicial_formadores_21_03_2013
 

Destaque

하루동안 마술사되기
하루동안 마술사되기하루동안 마술사되기
하루동안 마술사되기문용 장
 
Cuento Infantil: ¡Que te calles, Bartolo!
Cuento Infantil: ¡Que te calles, Bartolo!Cuento Infantil: ¡Que te calles, Bartolo!
Cuento Infantil: ¡Que te calles, Bartolo!maravillapinolandia
 
하루동안대학생되기 슬라이드
하루동안대학생되기 슬라이드하루동안대학생되기 슬라이드
하루동안대학생되기 슬라이드문용 장
 
App Piece 002 Copy
App Piece 002 CopyApp Piece 002 Copy
App Piece 002 CopyPhil Shelp
 
How to establish an Archtiecture capability
How to establish an Archtiecture capabilityHow to establish an Archtiecture capability
How to establish an Archtiecture capabilityAdrian Cristian Grigoras
 
하루동안대학생되기 슬라이드
하루동안대학생되기 슬라이드하루동안대학생되기 슬라이드
하루동안대학생되기 슬라이드문용 장
 
Software architect - roles & responsabilities
Software architect - roles & responsabilitiesSoftware architect - roles & responsabilities
Software architect - roles & responsabilitiesAdrian Cristian Grigoras
 
Diarrea infecciosa
Diarrea infecciosaDiarrea infecciosa
Diarrea infecciosaDennis Effio
 
Building Wireless Futures 2012 Le Edit
Building Wireless Futures 2012 Le EditBuilding Wireless Futures 2012 Le Edit
Building Wireless Futures 2012 Le Editsteddington
 
Farmacologia aplicada 1
Farmacologia aplicada 1Farmacologia aplicada 1
Farmacologia aplicada 1Dennis Effio
 
La població i léconomia d’europa i les d’espanya
La població i léconomia d’europa i les d’espanyaLa població i léconomia d’europa i les d’espanya
La població i léconomia d’europa i les d’espanyajuliabertolin
 
Altics : Maximiser votre potentiel de conversion en soignant le couple objet/...
Altics : Maximiser votre potentiel de conversion en soignant le couple objet/...Altics : Maximiser votre potentiel de conversion en soignant le couple objet/...
Altics : Maximiser votre potentiel de conversion en soignant le couple objet/...Alain Planger
 
Primo @ ULg : formation à destination du personnel des Bibliothèques de l'Uni...
Primo @ ULg : formation à destination du personnel des Bibliothèques de l'Uni...Primo @ ULg : formation à destination du personnel des Bibliothèques de l'Uni...
Primo @ ULg : formation à destination du personnel des Bibliothèques de l'Uni...François Renaville
 
34 Mots de html pour créer sa Newsletter
34 Mots de html pour créer sa Newsletter34 Mots de html pour créer sa Newsletter
34 Mots de html pour créer sa NewsletterAlain Planger
 
Medias sociaux & pme
Medias sociaux & pme Medias sociaux & pme
Medias sociaux & pme Hugo Vicard
 

Destaque (20)

하루동안 마술사되기
하루동안 마술사되기하루동안 마술사되기
하루동안 마술사되기
 
Cuento Infantil: ¡Que te calles, Bartolo!
Cuento Infantil: ¡Que te calles, Bartolo!Cuento Infantil: ¡Que te calles, Bartolo!
Cuento Infantil: ¡Que te calles, Bartolo!
 
하루동안대학생되기 슬라이드
하루동안대학생되기 슬라이드하루동안대학생되기 슬라이드
하루동안대학생되기 슬라이드
 
App Piece 002 Copy
App Piece 002 CopyApp Piece 002 Copy
App Piece 002 Copy
 
Tema 11
Tema 11Tema 11
Tema 11
 
How to establish an Archtiecture capability
How to establish an Archtiecture capabilityHow to establish an Archtiecture capability
How to establish an Archtiecture capability
 
하루동안대학생되기 슬라이드
하루동안대학생되기 슬라이드하루동안대학생되기 슬라이드
하루동안대학생되기 슬라이드
 
0328 Presentation
0328 Presentation0328 Presentation
0328 Presentation
 
靜坐 (Music2)
靜坐 (Music2)靜坐 (Music2)
靜坐 (Music2)
 
Tema 11 power point
Tema 11 power pointTema 11 power point
Tema 11 power point
 
EPF Brochure
EPF BrochureEPF Brochure
EPF Brochure
 
Software architect - roles & responsabilities
Software architect - roles & responsabilitiesSoftware architect - roles & responsabilities
Software architect - roles & responsabilities
 
Diarrea infecciosa
Diarrea infecciosaDiarrea infecciosa
Diarrea infecciosa
 
Building Wireless Futures 2012 Le Edit
Building Wireless Futures 2012 Le EditBuilding Wireless Futures 2012 Le Edit
Building Wireless Futures 2012 Le Edit
 
Farmacologia aplicada 1
Farmacologia aplicada 1Farmacologia aplicada 1
Farmacologia aplicada 1
 
La població i léconomia d’europa i les d’espanya
La població i léconomia d’europa i les d’espanyaLa població i léconomia d’europa i les d’espanya
La població i léconomia d’europa i les d’espanya
 
Altics : Maximiser votre potentiel de conversion en soignant le couple objet/...
Altics : Maximiser votre potentiel de conversion en soignant le couple objet/...Altics : Maximiser votre potentiel de conversion en soignant le couple objet/...
Altics : Maximiser votre potentiel de conversion en soignant le couple objet/...
 
Primo @ ULg : formation à destination du personnel des Bibliothèques de l'Uni...
Primo @ ULg : formation à destination du personnel des Bibliothèques de l'Uni...Primo @ ULg : formation à destination du personnel des Bibliothèques de l'Uni...
Primo @ ULg : formation à destination du personnel des Bibliothèques de l'Uni...
 
34 Mots de html pour créer sa Newsletter
34 Mots de html pour créer sa Newsletter34 Mots de html pour créer sa Newsletter
34 Mots de html pour créer sa Newsletter
 
Medias sociaux & pme
Medias sociaux & pme Medias sociaux & pme
Medias sociaux & pme
 

Semelhante a Profissional do futuro

Apresentação de Finanças 2 - Valuation
Apresentação de Finanças 2 - ValuationApresentação de Finanças 2 - Valuation
Apresentação de Finanças 2 - ValuationFelipe Pontes
 
Experiências com um ensino mais ativo em contabilidade e finanças
Experiências com um ensino mais ativo em contabilidade e finançasExperiências com um ensino mais ativo em contabilidade e finanças
Experiências com um ensino mais ativo em contabilidade e finançasFelipe Pontes
 
Mpim iii log_2012 (2)(2)
Mpim iii log_2012 (2)(2)Mpim iii log_2012 (2)(2)
Mpim iii log_2012 (2)(2)Jose Rudy
 
Apresentação do curso de valuation
Apresentação do curso de valuationApresentação do curso de valuation
Apresentação do curso de valuationFelipe Pontes
 
Licenciatura em Marketing Management
Licenciatura em Marketing ManagementLicenciatura em Marketing Management
Licenciatura em Marketing ManagementIMF Portugal
 
ESTÁGIO SUPERVISIONADO – CIÊNCIAS CONTÁBEIS - VLR: r$ 100,00 WHATS APP: (92) ...
ESTÁGIO SUPERVISIONADO – CIÊNCIAS CONTÁBEIS - VLR: r$ 100,00 WHATS APP: (92) ...ESTÁGIO SUPERVISIONADO – CIÊNCIAS CONTÁBEIS - VLR: r$ 100,00 WHATS APP: (92) ...
ESTÁGIO SUPERVISIONADO – CIÊNCIAS CONTÁBEIS - VLR: r$ 100,00 WHATS APP: (92) ...Acade Consultoria
 
Atps custos
Atps   custosAtps   custos
Atps custossi-2012
 
ORIENTAÇÕES PARA PRÁTICA DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO IORIENTAÇÕES PARA PRÁTICA ...
ORIENTAÇÕES PARA PRÁTICA DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO IORIENTAÇÕES PARA PRÁTICA ...ORIENTAÇÕES PARA PRÁTICA DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO IORIENTAÇÕES PARA PRÁTICA ...
ORIENTAÇÕES PARA PRÁTICA DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO IORIENTAÇÕES PARA PRÁTICA ...MALVINA EUFRAZIO DA SILVA
 
Curso 4164-aula-00
Curso 4164-aula-00Curso 4164-aula-00
Curso 4164-aula-00maiguita
 
Apresentação Finanças 2 - Valuation
Apresentação Finanças 2 - ValuationApresentação Finanças 2 - Valuation
Apresentação Finanças 2 - ValuationFelipe Pontes
 
Introdução às finanças
Introdução às finançasIntrodução às finanças
Introdução às finançasFelipe Pontes
 
Contabilidade comercial contabilidade-ifsul (1)
Contabilidade comercial contabilidade-ifsul (1)Contabilidade comercial contabilidade-ifsul (1)
Contabilidade comercial contabilidade-ifsul (1)Neto Mendes Mendes
 
Material desafio profissional 1º bimestre 2016 (1)
Material   desafio profissional 1º bimestre 2016 (1)Material   desafio profissional 1º bimestre 2016 (1)
Material desafio profissional 1º bimestre 2016 (1)jujufr
 
Gestão publica grupo_1_semestre
Gestão publica grupo_1_semestreGestão publica grupo_1_semestre
Gestão publica grupo_1_semestreRonaldo Oliveira
 
Mpim iii pg_2012_revisado_23_ago2012(1)
Mpim iii pg_2012_revisado_23_ago2012(1)Mpim iii pg_2012_revisado_23_ago2012(1)
Mpim iii pg_2012_revisado_23_ago2012(1)Jose Rudy
 
Mpim iii pg_2012_revisado_23_ago2012(1) (1)
Mpim iii pg_2012_revisado_23_ago2012(1) (1)Mpim iii pg_2012_revisado_23_ago2012(1) (1)
Mpim iii pg_2012_revisado_23_ago2012(1) (1)Jose Rudy
 
Apresentação de finanças 2 2016.1
Apresentação de finanças 2 2016.1Apresentação de finanças 2 2016.1
Apresentação de finanças 2 2016.1Felipe Pontes
 
Introdução às finanças
Introdução às finançasIntrodução às finanças
Introdução às finançasFelipe Pontes
 
Apresentação em powerpoint do curso de gestão
Apresentação  em powerpoint do curso de gestãoApresentação  em powerpoint do curso de gestão
Apresentação em powerpoint do curso de gestãoadeliamota
 

Semelhante a Profissional do futuro (20)

Apresentação de Finanças 2 - Valuation
Apresentação de Finanças 2 - ValuationApresentação de Finanças 2 - Valuation
Apresentação de Finanças 2 - Valuation
 
1º módulo
1º módulo1º módulo
1º módulo
 
Experiências com um ensino mais ativo em contabilidade e finanças
Experiências com um ensino mais ativo em contabilidade e finançasExperiências com um ensino mais ativo em contabilidade e finanças
Experiências com um ensino mais ativo em contabilidade e finanças
 
Mpim iii log_2012 (2)(2)
Mpim iii log_2012 (2)(2)Mpim iii log_2012 (2)(2)
Mpim iii log_2012 (2)(2)
 
Apresentação do curso de valuation
Apresentação do curso de valuationApresentação do curso de valuation
Apresentação do curso de valuation
 
Licenciatura em Marketing Management
Licenciatura em Marketing ManagementLicenciatura em Marketing Management
Licenciatura em Marketing Management
 
ESTÁGIO SUPERVISIONADO – CIÊNCIAS CONTÁBEIS - VLR: r$ 100,00 WHATS APP: (92) ...
ESTÁGIO SUPERVISIONADO – CIÊNCIAS CONTÁBEIS - VLR: r$ 100,00 WHATS APP: (92) ...ESTÁGIO SUPERVISIONADO – CIÊNCIAS CONTÁBEIS - VLR: r$ 100,00 WHATS APP: (92) ...
ESTÁGIO SUPERVISIONADO – CIÊNCIAS CONTÁBEIS - VLR: r$ 100,00 WHATS APP: (92) ...
 
Atps custos
Atps   custosAtps   custos
Atps custos
 
ORIENTAÇÕES PARA PRÁTICA DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO IORIENTAÇÕES PARA PRÁTICA ...
ORIENTAÇÕES PARA PRÁTICA DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO IORIENTAÇÕES PARA PRÁTICA ...ORIENTAÇÕES PARA PRÁTICA DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO IORIENTAÇÕES PARA PRÁTICA ...
ORIENTAÇÕES PARA PRÁTICA DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO IORIENTAÇÕES PARA PRÁTICA ...
 
Curso 4164-aula-00
Curso 4164-aula-00Curso 4164-aula-00
Curso 4164-aula-00
 
Apresentação Finanças 2 - Valuation
Apresentação Finanças 2 - ValuationApresentação Finanças 2 - Valuation
Apresentação Finanças 2 - Valuation
 
Introdução às finanças
Introdução às finançasIntrodução às finanças
Introdução às finanças
 
Contabilidade comercial contabilidade-ifsul (1)
Contabilidade comercial contabilidade-ifsul (1)Contabilidade comercial contabilidade-ifsul (1)
Contabilidade comercial contabilidade-ifsul (1)
 
Material desafio profissional 1º bimestre 2016 (1)
Material   desafio profissional 1º bimestre 2016 (1)Material   desafio profissional 1º bimestre 2016 (1)
Material desafio profissional 1º bimestre 2016 (1)
 
Gestão publica grupo_1_semestre
Gestão publica grupo_1_semestreGestão publica grupo_1_semestre
Gestão publica grupo_1_semestre
 
Mpim iii pg_2012_revisado_23_ago2012(1)
Mpim iii pg_2012_revisado_23_ago2012(1)Mpim iii pg_2012_revisado_23_ago2012(1)
Mpim iii pg_2012_revisado_23_ago2012(1)
 
Mpim iii pg_2012_revisado_23_ago2012(1) (1)
Mpim iii pg_2012_revisado_23_ago2012(1) (1)Mpim iii pg_2012_revisado_23_ago2012(1) (1)
Mpim iii pg_2012_revisado_23_ago2012(1) (1)
 
Apresentação de finanças 2 2016.1
Apresentação de finanças 2 2016.1Apresentação de finanças 2 2016.1
Apresentação de finanças 2 2016.1
 
Introdução às finanças
Introdução às finançasIntrodução às finanças
Introdução às finanças
 
Apresentação em powerpoint do curso de gestão
Apresentação  em powerpoint do curso de gestãoApresentação  em powerpoint do curso de gestão
Apresentação em powerpoint do curso de gestão
 

Profissional do futuro

  • 1. O ENSINO DE CONTABILIDADE E O PROFISSIONAL DO FUTURO I. Introdução Quando estudei contabilidade, há 10 anos atrás, me ensinaram que a função do contabilista era registrar os fatos econômicos e financeiros. Falaram-me de débitos e créditos, leis e impostos. Ensinaram-me sobre inflação e depreciação, ativos e passivos. Saí para o mundo orgulhosa e confiante com o meu diploma. Chegando ao mundo real, na contabilidade de uma grande empresa, foi exigido muito mais de mim. Entendi rapidamente que o que eu sabia era muito pouco para enfrentar as necessidades do mercado, que eu era uma contadora ainda por ser formada. Meus estudos haviam me dado uma base de raciocínio contábil, de conhecimento específico, mas não havia me preparado para enfrentar o mundo real, para satisfazer as necessidades que o mundo de hoje tem. Foi essencial complementar minha formação básica com cursos de pós graduação e mestrados, no Brasil e no exterior, pois as exigências do mercado iam muito além do que eu me sentia preparada para oferecer. Ao longo de minha carreira profissional, como responsável pelas áreas de contabilidade inicialmente, e controle de gestão, nos últimos anos, contratei muitos estudantes de contabilidade ou profissionais recém formados e me deparei com outros tantos. Neste convívio, comecei a perceber que outras pessoas estavam enfrentando o mesmo problema que eu enfrentei quando sai da faculdade. Percebi que havia uma grande distância entre a preparação dos profissionais pelas universidades e as necessidades do mercado de trabalho. II. Objetivos do trabalho: Identificar o perfil do profissional de contabilidade requerido pelo mercado de trabalho atual e futuro, e os impactos que isto traz para o ensino superior de contabilidade. II. Metodologia: Este trabalho teve como base dois instrumentos de investigação, junto a profissionais já no mercado e estudantes. O primeiro instrumento constitui-se de entrevistas informais junto a contabilistas de nível superior, formados ou cursando o último semestre de curso, já colocados no mercado de trabalho, na cidade de Porto Alegre. Esta investigação teve como objetivo identificar as dificuldades encontradas por estes profissionais quando se depararam com o mercado de trabalho. O segundo instrumento consiste de uma investigação feita pelo Serviço de Orientação Profissional do Instituto de Psicologia da UFRGS, com estudantes de meio de curso e formandos, que teve como objetivo identificar o nível de satisfação dos estudantes e a relação desta com a escolha profissional. Estes dois instrumentos proporcionaram subsídios para identificar as deficiências básicas da formação acadêmica, as dificuldades que os profissionais encontram para ingressar no mercado de trabalho e permitiram identificar medidas corretivas a serem tomadas.
  • 2. IV. Investigação Entrevistas Estão apresentadas a seguir o resultado da investigação junto aos profissionais formados por diversas instituições de ensino da cidade de Porto Alegre e já colocados no mercado. Encontra-se abaixo uma síntese dos comentários ouvidos. Para este trabalho, somente foram consideradas as observações levantadas por um número significativo de profissionais e que abrange diversas entidades de ensino. Não é o objetivo deste estudo apontar deficiências particulares a algumas instituições, mas sim identificar uma tendência geral do ensino superior de contabilidade e da preparação para o mercado de trabalho atual. • Teoria versus prática: Foi consenso entre os entrevistados que o curso de contabilidade tem caráter excessivamente teórico. Os entrevistados manifestaram não se sentirem preparados tecnicamente para enfrentar o mercado de trabalho, pois os conceitos aprendidos em sala de aula não têm a necessária dimensão prática. Houveram significativas reclamações referente a não exposição concreta a assuntos importantes, tais como sistemas de contabilidade modernos, modelos de razão ou balancete, conciliações, LALUR’s. Todos estes tópicos foram estudados teoricamente, mas por não fazerem parte do dia a dia dos estudantes, foram de difícil assimilação. Quando o profissional chegou ao mercado de trabalho não tinha condições de reconhecer na prática o que havia estudado. Os estudantes que antes do curso de nível superior haviam cursado o curso técnico em contabilidade se sentiram mais preparados, pois ao que parece, os cursos de nível técnico propiciaram mais trabalho de laboratório e maior experimentação prática do que os cursos de nível superior. • Contabilidade gerencial: Foi unânime a apreciação de que o curso de contabilidade tem um enfoque mais voltado para a contabilidade fiscal, e que o mercado exige sólidos conhecimentos de contabilidade gerencial, principalmente no que se refere a análise de dados contábeis e financeiros. Nesta mesma linha, manifestaram uma carência de desenvolvimento de ferramentas de fundamentação contábil e de utilização na gestão das empresas como orçamentos, fluxos de caixa, e outros acompanhamentos de caráter gerencial. • Ramo de atuação: Os profissionais manifestaram dificuldade em aplicar os conceitos aprendidos para outros setores econômicos que não a manufatura. Empresas de comércio e serviços não foram estudadas em profundidade e alguns conceitos específicos para estes setores não foram abordados. • Informática: os profissionais sentiram-se despreparados tecnologicamente quando chegaram ao mercado de trabalho. Alguns tiveram exposição a conceitos básicos de informática, mas não todos. Chegando nas empresas, foi exigido dos profissionais conhecimento de softwares específicos de contabilidade, os quais não foram estudados durante a graduação. Além disso, o mercado exige a capacidade de pensar em termos de sistemas, já que as empresas estão, cada vez mais, sendo governadas por sistemas de informação que gerem o negócio e automaticamente fazem os registros contábeis. O profissional de contabilidade precisa ser capaz de se comunicar com os profissionais de informática e entender o processo de contabilização automática por sistemas descentralizados. Os entrevistados não se sentiram capazes de assumir tal papel com o ensino formal. • Ultrapassados: Os entrevistados expressaram um sentimento generalizado de desadequação para o mercado, sentindo que seus conhecimentos estavam ultrapassados, apesar de estarem recém saídos da universidade. Os profissionais sentem-se inseguros com relação à própria capacitação. • Trabalhar ou estudar: Os profissionais entrevistados manifestaram um dilema que se coloca para o estudante brasileiro: trabalhar enquanto estuda para adquirir experiência ou dedicar-se aos estudos integralmente, afim de tirar melhor proveito dos bancos escolares? Se o estudante trabalha, não consegue estudar além das aulas e preparar-se adequadamente. Se não trabalha, não consegue aprender o conteúdo e trabalhar depois de formado, pois o mercado não vê com bons olhos os “estudantes profissionais”. O profissional de contabilidade precisa trabalhar 2
  • 3. desde cedo, enquanto estuda. Isto impossibilita um aprofundamento teórico durante os estudos e um nível maior de exigência em sala de aula. • Resolução de problemas reais: Os entrevistados manifestaram não se sentirem preparados para resolver problemas e criar soluções, pois o curso não desenvolveu o pensamento, análise e criação. O curso de contabilidade ainda está voltado a absorção de conceitos e não há utilização deles. • Ensino multi-disciplinar: O ensino de outras disciplinas como administração, economia e direito não foi adequado. Apesar de o número de cadeiras nestas áreas serem relevantes, o ensino não propiciou a integração destes conceitos no universo de atuação do profissional de contabilidade. • Estrutura do curso: Os entrevistados mostraram-se insatisfeitos com relação a forma como o curso está estruturado. Manifestaram que nos primeiros semestres não conseguiam entender o que estavam estudando pois os conceitos teóricos estava distante da realidade deles. A partir do meio do curso, quando seria o momento de iniciar análises mais profundas e aprender novos conceitos, os requisitos de conhecimento básico prévio não estavam satisfeitos para grande maioria dos alunos. Então, as cadeiras mais avançadas ocuparam-se de cobrir as deficiências de ensino básico. Aqueles que fizeram curso técnico previamente pensaram que os primeiros semestres não acrescentaram valor além do que já era conhecido, e que as expectativas de aprofundar conhecimento nos semestres finais de curso foram frustradas porque grande parte dos alunos não tinha os pré- requisitos básicos. • Qualidade na execução da proposta atual: Não é objetivo deste trabalho identificar problemas na implementação da proposta atual, mas sim identificar possíveis melhorias na proposta per se. No entanto, é necessário registrar que houveram muitas reclamações quanto ao despreparo dos professores, à quantidade de material ultrapassado apresentado em sala de aula, à incorreção de conteúdo lecionado e à omissão de conteúdo básico e fundamental. Instrumento de pesquisa UFRGS Este instrumento foi aplicado pelo SOP do Instituto de Psicologia da UFRGS a 792 estudantes universitários de diversos cursos, no ano de 1999. Para fim deste trabalho, está sendo avaliado a pesquisa feita a 40 alunos formandos em contabilidade e 20 estudantes em meio de curso. Abaixo, segue tabulação dos resultados obtidos. Instrumento: UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE PSICOLOGIA SERVIÇO DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL 1) Sexo: Meio de Curso Formandos Total Masculino 7 18 25 Feminino 13 22 35 2) Idade: Idade média Meio de Curso 23,3 Formandos 26,0 3) Curso: Ciências Contábeis 3
  • 4. 4) Ano em que iniciou o curso: Intervalo Meio de Curso entre 95 e 98 Formandos entre 88 e 95 5) Das atividades relacionadas, de quais você participa? Meio de Curso Formandos Total Monitoria 0 0 0 Bolsa de iniciação científica 0 0 0 Estágio Extracurricular 5 9 14 Nenhuma 15 31 46 6) Possui outra atividade remunerada? Meio de Curso Formandos Total Sim 10 29 39 Não 10 11 21 7) Se a resposta 6 foi afirmativa: A atividade exercida está relacionada ao curso? Meio de Curso Formandos Total Sim 4 25 29 Não 6 4 10 8) Quantas vezes você prestou vestibular? média Meio de Curso 2,4 Formandos 2,3 9) Todas as tentativas foram para o mesmo curso? Meio de Curso Formandos Total Sim 8 7 15 Não 12 33 35 10) Em que ano e para que curso você prestou vestibular? Os alunos, antes de prestar vestibular para Ciências Contábeis, prestaram vestibular para outros 16 cursos. Abaixo as principais ocorrências (número de estudantes interessados no curso): • Direito: 7 • Informática: 7 • Engenharia (não especificada a área): 5 • Medicina: 4 • Arquitetura: 3 11) Você está cursando ou já concluiu, algum outro curso superior? Meio de Curso Formandos Total Sim 3 7 10 Não 17 33 50 4
  • 5. 12)Como você se sente em relação à profissão escolhida? Meio de Curso Formandos Total Muito Satisfeito 6 5 11 Satisfeito 12 24 36 Pouco satisfeito 1 5 6 Insatisfeito 1 6 7 Observações: • campo de trabalho bom 9 • campo de trabalho ruim 7 • falta experiência prática 4 • gosta muito do curso 3 • já trabalha na área 3 • permite realização de concursos 2 • trabalhar e estudar é muito difícil 2 • falta outras qualificações 1 13) Em algum momento você já pensou em desistir ou mudar de profissão? (Aplicado somente para estudantes em meio de curso) Meio de curso Sim 7 Não 13 14) Você considera essa hipótese atualmente? (Aplicado somente para estudantes em meio de curso) Meio de curso Sim 3 Não 17 13) Você pretende seguir carreira nesta profissão? (Aplicado somente para Formandos) Formandos Sim 31 Não 9 14) Você identifica alguma área na profissão em que gostaria de atuar? (Aplicado somente para Formandos) Formandos Sim 32 Não 8 15) Se a resposta 14 foi afirmativa: dentro dessa área de interesse você identifica: (Aplicado somente para Formandos) • Atividades que gostaria de realizar? Formandos 5
  • 6. Sim 26 Não 4 • Locais em que gostaria de trabalhar? 6
  • 7. Formandos Sim 28 Não 2 16) Se a resposta 14 foi negativa: que dificuldades você está encontrando para identificar áreas na profissão em que gostaria de atuar? (Aplicado somente para Formandos) • poucas oportunidades 3 • falta de experiência 1 Você tem planos de realizar outros cursos após a graduação? (Aplicado somente para Formandos) Formandos Sim 34 Não 6 18) Que dificuldades você identifica para sua inserção no mercado de trabalho? (Aplicado somente para Formandos) • falta de experiência prática 17 • mercado competitivo e retraído 16 • conhecimento língua estrangeira 4 19) Em termos de instrumentalização para busca de trabalho: (Aplicado somente para Formandos) • Você sabe organizar seu currículo? Formandos Sim 30 Não 10 • Você se sente preparado para participar de processos seletivos? Formandos Sim 23 Não 17 20) Você acredita que poderia se beneficiar de um Programa de Orientação Profissional? Meio de Curso Formandos Total Sim 9 34 43 Não 11 6 17 21) Se a resposta 20 foi afirmativa: que opções atenderiam a seus objetivos? (Aplicado somente para Formandos) Formandos Reorientação profissional 11 Construção de um projeto profissional 19 Instrumentalização para busca de trabalho 13 7
  • 8. Outros 22) Descreva seus sentimentos e expectativas quanto a sua futura atuação como profissional: (Aplicado somente para Formandos) • Inseguro, despreparado para enfrentar o mercado 12 • As coisas estão difíceis, mas tenho esperança de superar as dificuldades 7 • Conciliar vida pessoal e profissional 2 V. Análise de dados: O ensino de contabilidade e o profissional do futuro Com base na análise dos dados dos instrumentos de investigação apresentados, podemos perceber que, para atender as necessidades do mercado e formar profissionais de contabilidade capazes de atender as demandas e exigências que a realidade atual faz, os cursos de Ciências Contábeis precisam ser revisados e atualizados. Entre as mudanças que se fazem necessárias, poderíamos salientar: • Experiência prática durante o curso: Os estudante e os profissionais já graduados e colocados no mercado enfatizaram o caráter teórico do ensino superior. É preciso inserir mecanismos de convivência com a prática do conteúdo ao longo do estudo da matéria. Isto poderia ser atingido através da inserção de trabalhos de laboratório nos primeiros semestres do curso, onde os alunos tenham a possibilidade de tomar contato com os sistemas, documentos e rotina da contabilidade. A medida que o curso avança, este trabalho poderia ser complementado com estágios obrigatórios, visitas a organizações públicas e privadas que ofereçam oportunidades de atuação aos profissionais de contabilidade, convênios da universidade com empresas para permitir estudos de casos reais, exposição constante a novas ferramentas de trabalho e necessidades gerenciais que se manifestem. Os estudantes devem graduar-se com plena consciência do que consiste sua profissão, com vivência da realidade, e capacidade para aplicar o conteúdo teórico em situações reais. • Incentivo a aprendizagem extracurricular: os instrumentos de levantamento de dados utilizado para este trabalho trouxeram a tona uma preocupação do profissional de adquirir outras habilidades, exigidas pelo mercado e não fornecidas pela Universidade, como línguas e informática. A universidade deveria incentivar o aprendizado destas habilidades, mesmo que não as incorpore no currículo obrigatório. Os alunos devem ter exposição ao tema e sentirem-se motivados e instrumentados a perseguir estes conhecimentos. A universidade deveria oferecer cursos complementares, opcionais, que permitam aos interessados aprimorar-se. Deveria, ao mesmo tempo, exigir dos alunos tal conhecimento, assim como o mercado de trabalho o exige, de forma a incentivar que o aluno busque seu próprio aprimoramento. • Administração de carreira: além de formar os indivíduos no conteúdo de sua profissão, a universidade precisa formar o profissional. E isto passa por ensinar o aluno a apresentar-se, montar seu currículo, identificar áreas de atuação que ofereçam oportunidades que se encaixem no perfil do indivíduo. Os alunos saem da universidade sem saberem ao certo as oportunidades que o aguardam. Percebe-se que alguns alunos manifestaram muita esperança com relação ao mercado de trabalho, lhes parece que o mercado é promissor, enquanto outros manifestaram que o mercado está muito retraído e não oferece oportunidades. Esta contradição de opiniões tem relação direta com a falta de informação sobre a realidade do mercado em que eles vão atuar. As universidades devem ter à disposição dos alunos centros de administração de carreira, ao molde das universidades americanas, onde o aluno se instrumentaliza para busca de trabalho, conhece suas reais possibilidades e têm acesso a um banco de empresas e suas vagas profissionais. A universidade deveria, além de formar o indivíduo, auxiliá-lo na sua colocação profissional. • Integração Multidisciplinar: as cadeiras de outras disciplinas precisam ser ministradas em uma perspectiva integradora, explicitando o relacionamento destas com as de cunho contábil. O estudante deve sair da Universidade capaz de atuar em grupos multidisciplinares, capaz de se relacionar com outras áreas da organização e entender como elas se relacionam. É fundamental que o contabilista reconheça seu papel dentro de um todo para que possa acrescentar valor. 8
  • 9. • Atualização constante: a universidade precisa ser dinâmica e flexível, deve mudar na velocidade em que muda o mundo, as organizações, a natureza do trabalho. A universidade deve ser capaz de se atualizar com o mercado, para evitar formar profissionais que já estão ultrapassados no dia da graduação. Isso implica em constante atualização por parte do corpo docente, atuação proativa frente ao mercado, através da criação de seminários, centros de pesquisa, convênio com as empresas. A universidade não pode se tornar obsoleta em um momento onde informação é fundamental e acontece mais rápido do que sempre aconteceu. • Divulgação da profissão para alunos em pré-vestibular: os alunos em fase de decisão profissional precisam conhecer a profissão contábil antes de decidirem se este é o curso adequado para seu perfil. A universidade deve propiciar a difusão deste conhecimento para evitar que alunos iniciem o curso sem saber ao certo o que estão fazendo. 9
  • 10. VI. Conclusões O perfil do profissional de contabilidade do futuro Muito se tem falado sobre as exigências do mercado atual com relação aos profissionais em geral. O mundo moderno exige, além da capacitação técnica e de um conjunto de habilidades essenciais (como domínio de tecnologias, conhecimento de línguas estrangeiras, informação e atualização), outras características que tem relação com a pessoa e sua forma de se relacionar e agir. Neste item entram as capacidades de liderar, trabalhar em equipe, motivar a si próprio e aos outros, comunicar, negociar, resolver problemas, criar alternativas, buscar soluções, gerenciar a própria carreira, ser flexível. O mundo moderno exige que os profissionais busquem melhorar a cada dia, quer tecnicamente, quer pessoalmente. Os contadores não se excluem deste grupo e passam a ser exigidos estas mesmas características, além do conhecimento técnico. Cada vez mais o profissional de contabilidade se torna um prestador de serviços, tendo como clientes internos todas as áreas da empresa, principalmente aqueles que tomam decisões com base em informação, e como clientes externos, a sociedade que utiliza as demonstrações contábeis para decidir investimentos e para identificar os impactos que a empresa está trazendo a comunidade. Sendo assim, o contabilista precisa estar ciente de sua audiência, que muda conforme o propósito e precisa saber comunicar-se adequadamente com todas elas. É comum situações em que as informações contábeis caem no descrédito internamente e não são utilizadas como deveriam porque a linguagem de apresentação não é entendida pelos usuários finais. É fundamental que o contabilista seja um indivíduo de boa circulação, capaz de comunicar-se com as diversas áreas da empresa e de passar seu conhecimento de forma clara e simples, transformando os dados disponíveis em informação utilizável para a melhor gestão do negócio. Para isto o profissional precisa sair detrás da mesa e dos documentos e conhecer seus clientes. Precisa reunir-se com os gestores de outras áreas e ouvir seus problemas, suas dificuldades, suas necessidades. Com a propagação da informação as disciplinas começam a se misturar, se integrar. As especializações baseadas em disciplina não mais satisfazem as necessidades do mundo moderno onde é preciso saber mais de tudo. O contabilista que conhece muito bem sua área mas não desenvolveu conhecimentos mínimos sobre as demais áreas ligadas a ele de alguma forma, como operações, marketing, recursos humanos e outras, não conseguirá obter sucesso pois não conseguirá fazer seu trabalho útil a seus clientes. Além dissto, os contabilistas precisam ser criativos, precisam buscar alternativas para a resolução de problemas, tais como atender as demandas de clientes diferentes, ou buscar informações, entendimento além dos registros - ler os números, entender o que eles significam e traduzi-los para qualquer audiência. O contabilista deve participar ativamente dos processos de mudança que, nos tempos modernos, são constantes. Para isso, precisa estar atento para identificar mudanças na necessidade da geração de informações, para os impactos nos resultados e na forma de olhar os registros. O contabilista também tem que ser um educador. Foi-se o tempo em que os registros se davam todos em uma sala, todos os documentos em cima de uma mesa. Agora os processos são decentralizados, entrada de dados automática e pelas pontas, feitas por pessoas de diversos níveis e formação. E o contador precisa motivar, ensinar, treinar pessoas de diferentes backgrounds, para garantir a integridade dos registros, o que implica visão para criar mecanismos que diminuam a possibilidade de erro, para criar alternativas que se expandam do centro para as pontas. O profissional de contabilidade precisa fazer-se útil dentro das empresas, não pode tornar-se “um mal necessário”, um burocrata que não agrega valor. A contabilidade é uma fonte de informações fundamental e deve ser utilizada de forma a trazer benefícios ao negócio. E isto depende fundamentalmente da capacidade do profissional de relacionar-se e comunicar-se com seus clientes e fornecedores. Impactos no ensino de contabilidade 10
  • 11. A fim de formar profissionais capacitados a agregar valor no mercado de trabalho a universidade deve expandir sua intervenção para além dos aspectos técnicos. O ensino deve propiciar o aprendizado da contabilidade, quer a nível teórico, quer a nível prático. Além disso, deve preparar o profissional para enfrentar a realidade, através do desenvolvimento de aptidões humanas, tais como criatividade, flexibilidade, capacidade de relacionar-se, trabalhar em equipe, e outras já citadas no decorrer deste trabalho. Os profissionais devem deixar os bancos escolares sentido-se seguros do próprio potencial, capazes de atuar profissionalmente e agregar valor, fazer alguma diferença. Os indivíduos têm necessidade de serem úteis, de ter um propósito maior do que eles próprios. Isto é o que traz alegria, dinamismo, força, energia, capacidade criativa, capacidade de trabalho e segurança. E a universidade deve auxiliar os indivíduos a encontrarem seu próprio caminho, a estarem cientes de suas capacidades e oportunidades e incentivar o seu constante desenvolvimento. 11