Entrevista a Miguel Pereira e Ana PoupinoÈ natural de onde? Quais as suas raízes?- A Ana nasceu na Alemanha, mas cresceu n...
Que projectos já teve (tiveram) e que tem (têm) neste momento como missionário (s)?(Onde, que tipo)Temos vários projectos,...
por outro lado dar a conhecer a dura realidade que o povo moçambicano vive, sensibilizandoassim a comunidade para esta cau...
despercebidos na vida e descobrirmos o plano que Deus preparou exclusivamente para cada umde nós.Por isso, não esmorecendo...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Entrevista a miguel pereira e ana poupino jornal o compromisso s.-sebastião

278 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
278
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Entrevista a miguel pereira e ana poupino jornal o compromisso s.-sebastião

  1. 1. Entrevista a Miguel Pereira e Ana PoupinoÈ natural de onde? Quais as suas raízes?- A Ana nasceu na Alemanha, mas cresceu na Amadora. Reside em Lagos à 10 anos.- O Miguel nasceu em Lisboa. Vive em Lagos desde 1992.Qual o primeiro contacto com a paróquia de S. Sebastião de Lagos?- O nosso contacto mais directo com a Paróquia de S. Sebastião, foi para integrar o Grupo deEncontro Bíblico. Foi e tem sido uma experiência maravilhosa. Nestes momentos de vida cristã epartilha encontrámos um caminho espiritual mais marcante que nos ajudou a fortalecer o nossoespírito para partir em Missão. A união e a amizade que se vive no grupo permitiu vivermos demodo muito particular o Amor de Deus por seus filhos.Quando iniciou a sua vida como missionário? O que o motivou a seguir a missão?Ser Missionário, começa no nosso coração, quando deixamos Deus entrar na nossa vida! Évivermos de coração com a nossa Família, Amigos e Irmãos! É encontrarmo-nos a nós próprios!É também partir ao encontro dos outros! É um acto de consciência de quem está atento, é ser o“outro” e agradecer a Deus as graças concedidas na nossa vida, partilhando com que maisnecessita. Nesta perspectiva, já somos missionários com a nossa postura de vida, quando aolongo da mesma fizemos opções, abraçamos desafios, escolhemos caminhos, que nostornassem instrumentos cada vez mais aptos e dóceis à acção do Espírito Santo. É um caminhoque nós aceitamos desde cedo.A experiência missionária em Moçambique teve o seu nascimento em Portugal no início de 2009,como um acontecimento natural do que buscávamos concretizar; uma acção concreta, dedicadapor inteiro ao serviço, esbatendo o sofrimento resultante de circunstancias de vida adversas erecolhendo o néctar amoroso do coração do povo que nos acolheu. Para ver concretizado estesonho, tivemos aproximadamente 1 ano de formação, quer com as Irmãs FranciscanasMissionárias de Maria em Odiáxere, quer através da FEC- Fundação Evangelização e Cultura.Estivemos em Moçambique de Agosto a Dezembro 2010, no nossa caso (Ana e Miguel) duranteo mês de Agosto e a Daniela permanecendo por 5 meses (regressará a 20 Dezembro).
  2. 2. Que projectos já teve (tiveram) e que tem (têm) neste momento como missionário (s)?(Onde, que tipo)Temos vários projectos, que foram surgindo ao longo da missão, surgindo da constatação dasnecessidades junto da população moçambicana. Daí surgiu a partilha de ideias, a procura dosmeios e acção conjunta com a comunidade. O envolvimento de todos é essencial, criando novoslaços, novas relações e por fim, novas soluções para problemas que persistem. Este exercíciode multiplicação de ideias que nós os três nos propusemos concretizar vai ganhando corpo e aevolução desses projectos pode ser acompanhada através de informação actualizada no nossoblog: bolukakuazua.blogspot.comPara ilustrar o trabalho desenvolvido no terreno, na cidade da Beira trabalhámos com o Institutode Deficientes Visuais, gerido pelos Sagrados Corações de Jesus e Maria. Neste Institutodávamos apoio na área da educação e animação de crianças e jovens, com vista à promoção dasua autonomia, criatividade e participação cívica. No Bairro da Manga, estivemos a desenvolvertrabalho no Centro de Saúde Nhaconjo, mais especificamente na área de educação e animaçãode crianças sub-nutridas e com HIV- SIDA. No Jardim Infantil da Manga a nossa participaçãoconcretizou-se através de acções de formação para educadores e auxiliares e no Internatofeminino com aulas de informática às jovens ai residentes.De regresso a Portugal a Missão continua, o compromisso com o povo que conhecemos e comquem partilhámos parte da nossa vida! Assim, está a decorrer uma campanha de angariação defundos para a construção de um centro de moagem, para que as famílias consigam moer oscereais a baixo custo e assim obter a farinha que está na base da sua alimentação. Para alémdisso, as receitas obtidas pelo processo de moagem dos cereais, irão reverter para a melhoriana alimentação das crianças do Centro de Nutrição. Todos podemos colaborar neste projecto,sendo apenas necessário adquirir um postal ou um marcador de livros por 0,50“centimissionários” cada. Os pontos de pontos de venda deste material estão disponíveis nonosso blog. Apresentam na sua decoração algumas fotografias representativas das crianças efamílias com quem convivemos.Outro dos nossos objectivos é a partilha deste projecto missionário com o maior número depessoas, para que também estas sintam esse chamamento de partir, saibam onde dirigir-se e
  3. 3. por outro lado dar a conhecer a dura realidade que o povo moçambicano vive, sensibilizandoassim a comunidade para esta causa.Juntos conseguiremos que a nossa mão solidária chegue até esse povo e a nossa Felicidadeserá vê-los sorrir também!Quais as maiores dificuldades que já sentiu (sentiram) durante estas experiências?Talvez uma das maiores dificuldades seja gerir as emoções que se vivem, as perdas, asinjustiças, os olhos que pedem colo e amor, que suplicam que os levemos connosco para umcantinho do “nosso mundo”! É nós sentirmo-nos por vezes impotentes e tão pequenos perante agrandiosidade das dificuldades que uma imensidão de pessoas vive. Saber que nós no “nossomundo” temos acesso a tudo o que lá faria a felicidade de milhares de pessoas e que aqui nãovalorizamos e desperdiçamos tanto. Por outro lado a escassez de meios e apoios financeirospara os projectos que se pretendem desenvolver, com vista à melhoria das condições de vidadesta população. Transportar uma esperança que desarme a indiferença e o sentimento tantasvezes contagiante de impotência…lutar é uma obrigação constante!É gratificante este trabalho?Missionar por Amor é algo inexplicável, sente-se, vibra-se! Amamos, choramos, rimos,deliramos, sonhamos e acreditamos que todo o Amor gera Amor! É algo que nos enriquece aalma e o coração e nos faz caminhar com o novo sentido na vida! Aprendemos a valorizar a vida,a redescobrir em nós outro modo de estar!È na procura dessa felicidade que vivemos cada dia que passa, sentindo que construímos umaobra de futuro, uma obra de alegria e amor, que se traduz em pequenos actos, esforços, muitasvezes algumas contrariedades também, mas no fim sempre uma grande satisfação e paz. É aofim ao cabo uma obra do Espírito Santo em nós também, esquecendo e reaprendendoconstantemente, destruindo velhos edifícios e reconstruindo outros em dentro de nós…Éprecisamente esse sentimento que nos levou a Moçambique e, quis Deus, que aquele povo setornasse parte mais presente da nossa família espiritual e humana, comungando da Bondadeque Ele guardou para nós. Por isso, sentindo que cada dia se manifesta como uma descoberta,como uma pedra que trabalhamos para a construção da nossa pessoa, de modo a que sejamostambém, expressão e instrumento da Bondade que Deus guarda também para os que nosrodeiam. Não devemos esquecer que a nossa vida vale muito, e vale ainda mais na medida emque somos capazes de fazer alguma diferença na vida de alguém, para não passarmos
  4. 4. despercebidos na vida e descobrirmos o plano que Deus preparou exclusivamente para cada umde nós.Por isso, não esmorecendo nunca, mantendo dentro de nós essa certeza de que contribuímoscom a nossa atitude e trabalho para a felicidade de termos nascido, aperfeiçoando o carácter etornando a nossa presença no meio dos nossos irmãos doce e amável, de modo a que em nósse possam apoiar e neles possamos realizar os talentos que Deus nos deu.Para quem quiser ter uma experiência como missionário, onde se deve dirigir, obterinformações, enfim, que passos devem seguir?Deverá dirigir-se à sua paróquia de residência ou junto da Diocese do seu distrito e conhecer otrabalho missionário que ai é desenvolvido. Em Lagos, temos a referência das IrmãsFranciscanas Missionárias de Maria em Odiáxere, as quais desenvolvem um trabalhoextraordinário! Existem várias organizações a nível nacional que realizam missões por todo omundo, ao que os interessados poderão consultar a página da internet http://www.fecongd.org/Quer (em) deixar alguma mensagem para os leitores?Escutem a voz de Deus!Muito obrigado pela colaboração!Jornal “O Compromisso”David Silva

×