SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 61
Baixar para ler offline
FILOSOFIA
PROFESSORA : BIANCA WILD
Começando pela Ciência...
“é um conjunto de conhecimentos racionais,
certos ou prováveis, obtidos metodicamente,
sistematizados e verificáveis, que fazem
referência a objetos de uma mesma natureza”
.
Porém...
um “conhecimento científico” de hoje pode se tornar
obsoleto, ultrapassado amanhã.
Resumindo...
“A ciência é um método objetivo, lógico e sistemático de
análise dos fenômenos, criado para permitir a acumulação
de conhecimento fidedigno.”
Em outras palavras...
A Ciência busca compreender o conjunto de relações “além do quê se
vê”, além do senso comum, descobrindo explicações que servem de
base para compreensão, organização, classificação e ordenação da
natureza ao qual está inserida.
Vivemos em uma sociedade que “enfatiza” seus pensamentos na
busca de respostas aparentemente incontestáveis, na certeza sobre o
conhecimento, na resolução do problema.
Pensando assim, não será a Filosofia quem irá satisfazer tal
necessidade pois:
A FILOSOFIA NÃO TRAZ A CERTEZA DA VERDADE ->
TRAZ QUESTIONAMENTOS E IMPULSIONA À BUSCA
DA VERDADE.
FILOSOFIA CIÊNCIA
E essa verdade?
Está em constante processo de mudança, despertando (ao
filósofo) conceitos e características não percebidos antes,
buscando nos questionamentos encontrar a verdade!
Fonte:
https://tatirando.wordpress.com/category/overlei/
>
Acesso
em
02
ago.
2015
Diante de tantas mudanças (e as
vezes incertezas) faz com que o
pensamento filosófico possua
menor importância que o
conhecimento “técnico – científico”.
Fonte:
<http://blogs.unigranrio.br/formacaogeral/a-globalizacao-e-seus-personagens>
Acesso
em
02
ago.
2015
“A palavra Filosofia:
Filos significa amor, amizade.
Sofia sabedoria ou conhecimento.
É a Pitágoras que se atribui a invenção da palavra. Este,
quando solicitado por um rei a demonstrar seu saber,
disse-lhe “que não era sábio, mas Filósofo, ou seja,
amigo da sabedoria.”
Para Platão “a filosofia tem um fim prático,
moral; é a grande ciência que resolve o problema
da vida. Este fim prático realiza-se, no entanto,
intelectualmente, através da especulação, do
conhecimento da ciência.”
Fonte<:http://www.astolfi.com.br/HomePage/1.TELA_INICIO%5
C2.REVISTAS_DE_FAMILIA/Edi%C3%A7%C3%A3o_2004/ano_de
_2004/revistas_2004%20-%20Noticias%20Sociais.html >Acesso
em: 02 ago. 2015
EXISTEM DIFERENÇAS ENTRE A FILOSOFIA E A
CIÊNCIA?
CIÊNCIA->juízos de realidade, ou
seja, maior objetividade, com
foco nos resultados da
investigação científica gerando
uniformidade de conclusões,
visando mostrar como os
fenômenos ocorrem(ou podem
ocorrer), suas relações e como
prevê-los.
FILOSOFIA -> juízos de valor,
ou seja, vai além das
comprovações científicas, não
vê apenas o “como”, mas o
como “deveria ser”.
A filosofia julga o valor do
conhecimento e da ação, sai
em busca do significado:
dando sentido à experiência.
(ARANHA, 2003 P. 90)
Mas essa não é a única forma de
conceituar e compreender o objeto de
estudo da filosofia, sabem porque?
O conceito de Filosofia foi elaborado
de acordo com o período de tempo, no
curso de sua história, ou seja, em cada período
de tempo e/ou curso da história foram criados,
moldados e/ou repensados seus conceitos.
Vamos refletir!
Fonte:
http://damasogif.blogspot.com.br/2012/05/roda-de-leitura.html
Acesso
em:
03
ago.
2015
“Platão mostra que o amor (Filos) é
carência, desejo de algo que não se
tem. Logo, a Filosofia é recursos para
buscar o que se precisa, e o filósofo não
é aquele que possui o saber, mas sim
quem busca conhecer continuamente.”
Desta forma, a Filosofia toma como objeto de
estudo o CONHECIMENTO!
Fonte:
<
Fonte:
http://luceliamuniz.blogspot.com.br/2013_03_01_archive.html
>
Acesso
em:
02
ago.
2015
Chegando a Idade Média...
“Buscava-se conciliar fé com razão. O
método utilizado é o da disputa:
baseando-se no silogismo aristotélico,
partiam de uma intuição primária e,
através da controvérsia, caminhavam
até às últimas consequências do tema
proposto. A finalidade era o
desenvolvimento do raciocínio lógico.”
Agora, o objeto de estudo passa a ser a RAZÃO!
Fonte:
<http://luceliamuniz.blogspot.com.br/2013_03_01_archive.html
>Acesso
em:
02
ago.
2015
Vamos compreender melhor...
Silogismo Aristotélico-> conjunto de três juízos ou
proposições que permite obter uma conclusão verdadeira.
No método DEDUTIVO de duas premissas, deduz-se uma
conclusão. Por exemplo:
Todos os homens são mortais.
Sócrates é homem.
Logo, Sócrates é mortal.
Fonte: <http://afilosofia.no.sapo.pt/11silog1.htm> Acesso em:
02 ago. 2015
Já o método INDUTIVO parte de uma premissa
particular para atingir uma conclusão universal.
Fonte: < http://paseando-porelaula.wikispaces.com/Viajando+por+el+t%C3%BAnel+del+tempo>
Acesso em: 03 ago. 2015
Por exemplo:
O ferro conduz eletricidade.
O ferro é metal.
O ouro conduz eletricidade.
O ouro é metal.
O cobre conduz eletricidade.
O cobre é metal.
Logo, os metais conduzem
eletricidade.
Fonte<:http://www.mathpower.com/code.htm> Acesso em: 02 ago. 2015
Vamos distinguir o método dedutivo e indutivo
através dos exemplos:
DEDUTIVO:
Toda mulher é inteligente.
Maria é mulher.
Portanto, Maria é
inteligente.
INDUTIVO:
A banana é amarela.
A banana é uma fruta.
Logo: todas as frutas
são amarelas.
Agora é vez de vocês identificarem!
Todo vertebrado possui vértebras.
Todos os cães são vertebrados.
Logo, todos os cães têm vértebras.
Todo metal conduz eletricidade.
O mercúrio é um metal.
Logo, o mercúrio conduz eletricidade.
Todo cão é mortal.
Todo gato é mortal. Todo peixe é mortal.
Logo, todo animal é mortal
O cachorro de Mariana late de noite,
O cachorro de Felipe, late de noite,
Logo, todos os cachorros sempre latem de noite.
DEDUTIVO
DEDUTIVO
INDUTIVO
INDUTIVO
Já na Idade Moderna, o objeto da Filosofia é outro!
“como as ciências se desprendem do
tronco comum da Filosofia, Resta à
Filosofia as reflexões sobre a Teoria do
Ser, do Conhecimento e a dos Valores.
Discutem-se problemas relacionados ao
ser, ao pensamento e à conexão entre
ambos.”
Sua finalidade é a transformação
da sociedade pela autoconsciência
do indivíduo.
Fonte: http://lokacienci.blogspot.com.br/em: 03 ago. 2015
Atualmente ...
“Analisa criticamente os métodos utilizados nas
ciências, além das formas dominantes de poder e
da tomada de conscientização do homem.
Assim, a Filosofia exige análise, crítica, clareza, rigor,
objetividade (como a ciência), e os discursos em busca do
conhecimento do todo são construídos na história segundo
modelos de racionalidade que vão sendo revisados e
substituídos com o tempo (O objeto da Filosofia mito).
Ela permanece numa busca constante da sabedoria.”
Fonte:
<http://rachellpaula.blogspot.com.br/2012/01/novo-concurso-para-professor-da.html>
Acesso
em:
03
ago.
2015
Fonte:
http://lokacienci.blogspot.com.br/
Acesso
em:
03
ago.
2015
Comparando Filosofia e
Ciência...
“Filosofia designava o amor da
sabedoria, e a Ciência, como uma
forma de conhecimento oposta à
opinião ou senso comum, sendo
então consideradas como
sinônimas.”
Diante de tantas explicações, é
importante refletir sobre “essa”
Filosofia como Mãe das Ciências!
Vamos lá!
Fonte: < http://fontedorefugio.blogspot.com.br/> Acesso em: 03 ago. 2015
Fazendo uma retrospectiva...
“No começo a ciência
estava ligada à Filosofia,
sendo o filósofo o sábio que
refletia sobre todos os
setores da indagação
humana.” (ARANHA, 1993, P. 72)
“No século XVII, as ciências
particulares começaram a
delimitar seu campo específico
de pesquisa. Pouco a pouco,
desde esse período até os tempos
atuais, ciências como a física,
astronomia, química, biologia,
psicologia, sociologia, economia,
etc. se especializam e investigam
“recortes” do real.” (ARANHA, 2003, P.
90)
Fonte: < http://filosofiacienciaevida.uol.com.br/ESFI/Edicoes/47/artigo174296-1.asp> Acesso em: 03 ago. 2015
FILOSOFIA -> com as suas totalidades,
examinando o conjunto, o todo.
CIÊNCIA -> com as suas
particularidades, especialidades.
Atualmente “Filosofia e Ciência” especificam as
suas intencionalidades:
Fonte: http://craliceosamuelsaenzflores.blogspot.com.br/p/ciencias.html
Acesso em 03 ago. 2015
Fonte:
http://dressamatos.blogspot.com.br/2013/04/piadinha.html
Acesso
em
03
ago.
2015
E A CIÊNCIA SE SEPAROU DA
FILOSOFIA?
Se ligue!
A Filosofia analisa os fundamentos da ciência, as condições
em que realizam as pesquisas, investigando seus fins,
avaliando as consequências dessas técnicas utilizadas.
Os cientistas fazem uso da filosofia para se questionar sobre
o conhecimento científico, seu alcance, sua validade, método
que utiliza e a sua responsabilidade quanto às consequências
das descobertas.
Fonte: http://produto.mercadolivre.com.br/MLB-685018169-placa-detector-de-metais-bobina-_JM#redirectedFromSimilar Acesso
em: 03 ago. 2015
“O filósofo caminha ao lado dos
cientistas e dos técnicos para que
não se perca de vista que a
ciência e a técnica são apenas
meios, e devem estar a serviço de
fins humanos” (ARANHA, 1998 p. 112).
Vamos pensar um pouco!
Podemos dizer então que os cientistas filosofam,
visando investigar os pressupostos e as implicações
do seu saber, não buscando respostas prontas.
Fonte:
<
http://www.verinha2.de/various/download_gifs/gifs_30.htm>
Acesso
em:
03
ago.
2015
Se não sou cientista então...
Fonte: <http://conhecimentointegrador.blogspot.com.br/2012/06/filosofia-e-ciencia-da-filosofia-8-ano.html acesso em 24 jul.2015
FILOSOFIA ->não busca
nenhuma alteração de
ordem pragmática
porém necessária, pois
através da reflexão é
permitido a percepção
e análise de outros
‘pontos de vista’, ‘ver
além do que está
exposto’.
Fonte: http://pt.dreamstime.com/imagens-de-stock-royalty-free-luz-brilhante-da-fa%C3%ADsca-
do-inspration-das-faces-da-pessoa-image13294709 Acesso em: 03 ago. 2015
ONDE POSSO UTILIZAR A FILOSOFIA?
Pensando em resultados e respostas
não se pode negar o quanto são
importantes as pesquisas científicas
para a cura da AIDS, as leituras
para se fazer uma boa redação e
assim obter uma boa nota para
entrar em uma boa universidade –
isso é ciência!
FONTE: <http://www.serieslider.com/ Acesso em: 03 ago. 2015
“ É a filosofia que dá o
distanciamento para a
avaliação dos fundamentos
dos atos e dos fins a que eles
se destinam; reúne o
pensamento fragmentado da
ciência e o reconstrói” (ARANHA,
2003, p. 90-91).
A utilidade da Filosofia pode não estar tão
visível mas...
Fonte:
http://www.outrasfronteiras.com.br/blog/bem-perto/
Acesso
em:
05
ago.
2015
Fonte:
http://www.gifmania.com.pt/Gifs-Animados-Espaco/Imagens-Animadas-Astronomia/Gif-Animados-Planet-
Earth/
Acesso
em:
05
ago.
2015
É fazendo uso da filosofia que
passaremos a criticar ideologias
ilusórias, aquelas que buscam
privilégios e vantagens, atentando para
o desvelamento da verdade, do que
está encoberto pelo costume, pelo
convencional, pelo poder.
Fonte: http://arttamas.blogspot.com.br/2011/07/livro-didatico-infantil-crianla-lendo.html Acesso em: 05 ago. 2015
Fonte: http://www.filosofiahoje.com/2012_04_01_archive.html Acesso em: 03 ago. 2015
Então ...
E se não existisse a Filosofia?
Não existiriam questionamentos, debates, nem novas
produções, não se buscariam mais a formulação de
respostas a partir de posicionamentos e ideias diferentes,
levando a sociedade a responder seus questionamentos
sempre da mesma forma, a partir de respostas já prontas.
“A filosofia possui sua importância baseada exatamente
na busca por novas respostas e em um novo modo de
pensar a realidade do mundo em que vivemos.”
Fonte:
http://diogocaceres.blogspot.com/feeds/posts/default
Acesso
em:
05
ago.
20
15
EXTRAS
É chegada a hora da criação!
A partir desta imagem, crie um silogismo dedutivo e um
indutivo.
Fonte: <http://pesevangelismo.blogspot.com.br/2012/06/um-silogismo-sobre-escravidao.html> Acesso em 24 jul. 2015
O que é, afinal, conhecer?
• Conhecer é representar, cuidadosamente, o que é exterior
à mente.
• No processo de conhecimento, dois elementos são
indispensáveis: O Sujeito e o Objeto.
• O sujeito é o elemento que conhece e o objeto é o
elemento conhecido.
• Sujeito: Nossa consciência, nossa mente.
• Objeto: A realidade, o mundo e os fenômenos (e a nossa
própria consciência, quando nós refletimos).
Possibilidades do conhecimento na modernidade
Empirismo e Racionalismo
•Empirismo
É a forma de conhecer que valoriza nossas
percepções sensoriais.
•Racionalismo
Somente a razão humana, trabalhando com
os princípios lógicos, pode atingir o
conhecimento verdadeiro.
Para o empirista, todo o conhecimento está baseado na experiência
sensorial. Depende, portanto, em última instância, de, pelo menos, um dos
nossos cinco sentidos.
Para o racionalista, a verdade só pode ser conhecida mediante o
trabalho lógico da mente, independentemente das percepções
sensoriais.
CARACTERÍSTICAS DO EMPIRISMO
• A verdade está na percepção dos sentidos;
• Não existem ideias inatas, isto é, toda ideia foi
adquirida pela percepção sensorial.
“ Suponhamos, portanto, que a mente seja uma folha em
branco, desprovida de caratceres, sem qualquer ideia. De
que modo receberá as ideias? (...) Respondo: da
experiência. É este o fundamento de todos os nossos
conhecimentos; daí extraem a sua origem primeira.”
(Ensaio sobre o entendimento humano, Livro II, Cap. 1, sec. 19)
John Locke
CARACTERÍSTICAS DO RACIONALISMO
• A razão humana é o único instrumento capaz de
conhecer a verdade;
• Os princípios lógicos fundamentais são inatos, ou seja,
não dependem da experiência sensorial;
• A experiência sensorial é uma fonte permanente de
erros;
• Ao nascermos, trazemos em nossa inteligência alguns
princípios racionais e ideias verdadeiras.
“De sorte que, após ter pensado bastante nisso e de
ter examinado cuidadosamente todas as coisas,
cumpre enfim concluir e ter por constante que essa
proposição, eu sou, eu existo, é necessariamente
verdadeira todas as vezes que a enuncio ou que a
concebo em meu espírito.”
(Regras para direção do Espírito)
René Descartes
A QUESTÃO DO INATISMO
Percebemos que o princípio do racionalismo é a
teoria do inatismo, ou seja, a crença de que, ao
nascermos, já trazemos conosco algumas ideias. Por
outro lado, o empirismo fundamenta-se na crença
de que nossa mente nasce vazia e somente no
contato com o mundo, por meio dos nossos
sentidos, é que iremos construir as ideias.
Você acredita na existência de algum
conhecimento inato?
Platão acredita que sim!
Esse importante filósofo grego
nasceu em Atenas, provavelmente
em 427 a.C. e morreu em 347 a.C. É
considerado um dos principais
pensadores gregos, pois influenciou
profundamente a filosofia
ocidental. Ele defendia a existência
de ideias inatas na matemática,
como veremos no trecho de uma de
suas obras, a seguir:
Imagem: Unknown Author / Public Domain
Platão defende a existência de ideias inatas em várias de
suas obras, mas as passagens mais conhecidas se encontram
nos diálogos: Mênon e República.
Vejamos:
No Mênon, Sócrates dialoga com um escravo analfabeto.
Fazendo-lhe perguntas certas na hora certa, o filósofo
consegue que o jovem escravo demonstre sozinho um difícil
teorema de geometria. As verdades matemáticas vão
surgindo no espírito do escravo à medida que Sócrates vai
fazendo as perguntas.
Como isso seria possível, indaga Platão, se o
escravo não houvesse nascido com a razão e com
os princípios da racionalidade?
Você já passou
por uma situação
parecida com a
do tal escravo?
Imagem: Lilyu / WTFPL 2.0
Além de acreditar nas ideias inatas, Platão também
afirmava que não podíamos confiar nos sentidos, já que eles
estão sujeitos a erros e a falsas opiniões. Para exemplificar
sua tese, Platão cria o famoso “Mito da caverna”.
Vejamos o que nos diz o mito da caverna:
Imaginemos um muro bem alto separando o mundo
externo e uma caverna. Na caverna, existe uma fresta por
onde passa um feixe de luz exterior. No interior da
caverna, permanecem seres humanos que nasceram e
cresceram ali. Ficam de costas para a entrada,
acorrentados, sem poder mover-se, forçados a olhar
somente a parede do fundo da caverna, onde são
projetadas sombras de outros homens. Desse modo, os
prisioneiros julgam que essas sombras sejam a realidade.
O MITO DA CAVERNA
Imagine que um dos prisioneiros consiga se libertar e, aos
poucos, vá se movendo e avance na direção do muro e o
escale, enfrentando com dificuldade os obstáculos que
encontre e saia da caverna, descobrindo não apenas que as
sombras eram feitas por homens como eles e, mais além,
todo o mundo e a natureza. Caso ele decida voltar à
caverna para revelar aos seus antigos companheiros a
situação extremamente enganosa em que se encontram,
correrá, segundo Platão, sérios riscos - desde o simples ser
ignorado até, caso consigam, ser agarrado e morto por eles,
que o tomaram por louco e inventor de mentiras.
http://pt.wikipedia.org/wiki/Mito_da_caverna
O QUE EU VEJO É A REALIDADE OU UMA
CÓPIA IMPERFEITA DELA?
Imagem:
Mats
Halldin
/
GNU
Free
Documentation
License
INTERPRETANDO O MITO DA CAVERNA
• O que é a caverna?
- O mundo de aparências em que vivemos.
• O que são as sombras projetadas no fundo?
- As coisas que percebemos.
• O que são os grilhões e as correntes?
- Nossos preconceitos e opiniões..............
• Quem é o prisioneiro que se liberta e sai da caverna?
- O filósofo.
• O que é o mundo fora da caverna?
- A realidade.
Outro filósofo que
também defende a tese do
inatismo é o francês René
Descartes. Segundo ele, em
sua obra: “Discurso do
método” existem três tipos
de ideias: Ideias Adventícias,
Ideias Fictícias e Ideias
Inatas.
Vejamos cada uma delas!
RENÉ DESCARTES ( 1596 -1650)
Imagem: Frans Hals / Frans Hals
1. Ideias adventícias
São aquelas vindas de fora, que se originam de nossa sensação e
percepção. Para Descartes, esse tipo de ideia, são, de um lado,
ideias da qualidade sensorial: cor, odor, som, textura, tamanho,
paladar, mas, por outro, também, são as opiniões formuladas com
base nessas ideias, geralmente enganosas, ou falsas.
EXEMPLO:
Ao olhar para o céu, meu sentido da visão me diz que o sol
se move de leste para oeste, mas, ao estudar astronomia,
vejo que tal opinião é falsa, pois, na verdade, a terra é
que gira e o sol se mantém parado.
Se você nunca tivesse estudado nas aulas de ciência e de
geografia, sobre o movimento de rotação da terra,
provavelmente confiaria em sua visão e acreditaria que o sol se
move entre o amanhecer e o entardecer.
Imagem:
663highland
/
GNU
Free
Documentation
License
VOCÊ ACHA QUE OS SENTIDOS PODEM
REALMENTE ENGANAR?
A ilusão da grelha* de Hermann
foi observada por Ludimar Hermann
em 1870. Quando se olha um
desenho com quadrados negros
sobre um fundo branco, tem-se a
impressão de que surgem manchas
"fantasmas" nas intersecções das
linhas. As manchas desaparecem
quando se observa diretamente a
intersecção.
Imagem: en:User:Famousdog / Public Domain
2.Ideias fictícias: São aquelas que criamos em nossa fantasia e imaginação por
meio de um processo de composição, formando seres inexistentes, como fadas,
duendes, sereias... São as fabulações da arte, da literatura, do mito, da
superstição. Essas ideias nunca são verdadeiras, pois não correspondem a nada
que exista realmente e sabemos que foram inventadas por nós mesmos, quando já
recebemos prontas de outros que as inventaram.
3. Ideias Inatas: São aquelas que não poderiam vir de nossa experiência sensorial,
porque não há objetos sensoriais ou sensíveis para elas, nem poderiam vir de nossa
fantasia, pois não tivemos experiência sensorial para compô-las na nossa memória.
EXEMPLO:
A ideia de infinito é uma ideia inata, pois não temos
nenhuma experiência sensorial da infinitude.
QUAL É VERDADEIRA IMAGEM APRESENTADA? VOCÊ VÊ
UMA JOVEM OU UMA SENHORA DE PERFIL?
Imagem:
William
Ely
Hill
/
Public
Domain
PARA DESCARTES, É POSSÍVEL
CONHECER A VERDADE?
Mas para isso o conhecimento
deve passar por um rígido
processo metódico que começa
com a... DÚVIDA
A resposta é sim!
Imagem:
Nevit
Dilmen
/
GNU
Free
Documentation
License
A DÚVIDA...
“Desde os meus primeiros anos de vida, aceitei como
verdadeira uma quantidade de falsos conceitos, e o que
construí depois, sobre princípios tão inseguros, só
poderia ser muito duvidoso e incerto; de modo que se
fazia necessário que eu decidisse seriamente me
desfazer de todas as opiniões recebidas até então e
recomeçar a partir dos alicerces, se quisesse instituir
algo de sólido e permanente nas ciências...(...)
A DÚVIDA...
(...) E mais ainda, assim como eu penso às vezes
que os outros se enganam até nas coisas que
acreditam saber com a maior certeza, pode ser que
ele tenha querido que eu me enganasse sempre que
somo dois e três, ou quando enumero os lados do
quadrado, ou quando considero coisas algo ainda
mais fácil que essas, se é que se pode imaginá-
las.(...)
A DÚVIDA...
(...) Permanecerei obstinadamente preso a esse
pensamento; e se por tal meio não estiver em meu
poder alcançar o conhecimento de qualquer verdade,
ao menos estará em meu poder suspender o meu juízo.
Eis porque procurarei cuidadosamente não aceitar
nenhuma falsidade, e prepararei tão bem o meu
espírito contra as astúcias desse grande enganador,
que, por mais poderoso e astuto que seja, jamais
poderá me impor coisa alguma.(...)” (Meditações Metafísicas)
René Descartes
ÚNICA VERDADE LIVRE DE DÚVIDAS SEGUNDO DESCARTES
Meus pensamentos existem!
Se meus pensamentos existem, eu existo!
Portanto: Penso, logo existo!
Para Descartes, a existência do pensamento é mais certa
que a sua existência corporal, já que é preciso pensar
para ter a certeza de que existe o corpo pensante!
PENSO
EXISTO
Vamos filosofar...
Se a consciência antecede o corpo, seria
essa a origem das ideias inatas defendidas
pelos racionalistas?
Kant (1724-1804) foi um
filósofo prussiano, considerado
como o último grande filósofo dos
princípios da era moderna,
indiscutivelmente um dos
pensadores mais influentes, afirma
que todo conhecimento começa
com a experiência, mas que a
experiência sozinha não nos dá o
conhecimento.
A solução de Kant para o dilema
Racionalismo X Empirismo
Imagem: Unknown Author / Public Domain
PRINCIPAIS IDEIAS DE KANT:
• É preciso um trabalho do sujeito para organizar os
dados da experiência;
• Antes da experiência sensorial, existem na mente humana
certas estruturas que possibilitam o conhecimento;
• Portanto, a experiência fornece a matéria do
conhecimento e a razão organiza essa matéria de
acordo com estruturas existentes a priori, daí o termo
apriorismo para a teoria kantiana.
Para não concluir...
Certa vez, um cosmonauta e um neurologista russos
discutiam sobre religião. O neurologista era cristão, e o
cosmonauta não. “Já estive várias vezes no espaço”,
gabou-se o cosmonauta, “e nunca vi nem Deus, nem
anjos”. “E eu já operei muitos cérebros inteligentes”,
respondeu o neurologista, “e também nunca vi um
pensamento”.
O mundo de Sofia, Jostein Gaardner, Cia. das Letras, 1995
E você? Só acredita no que vê?
REFERÊNCIAS:
ARANHA, Maria Lúcia de Arruda. Maria Helena Pires Martins. Filosofando: introdução à filosofia. São Paulo: Moderna, 3 edição, 2003.
________, Maria Lúcia de Arruda. Maria Helena Pires Martins. Filosofando: introdução à filosofia. São Paulo: Moderna, 2 edição, 1993.
________, Maria Lúcia de Arruda. Maria Helena Pires Martins. Temas de Filosofia. São Paulo: Moderna, 2 edição, 1998.
CABRAL, João Francisco P. O conceito de Filosofia. Disponível em http://www.brasilescola.com/filosofia/a-filosofia-grega.htm acesso em 05 jul. 2015.
FONSECA, Flavio Netto. O conceito ‘Filosofia’. Disponível em http://www.philosophy.pro.br/filosofia.htm acesso em 05 jul. 2015.
. GREGÓRIO, Sérgio Biagi. Conceito de Filosofia. 1996. Disponível em http://www.sergiobiagigregorio.com.br/filosofia/conceito-de-filosofia.htm acesso em 05 jul. 2015
Chauí, Marilena
Iniciação a filosofia: Ensino Médio, Volume único- São Paulo – Ática -2010.
Aranha, Maria Lúcia de Arruda
Filosofando: Introdução a filosofia – 4. ed. São Paulo –Moderna.
Gaardner, Jostein
O mundo de Sofia, Cia. das Letras, 1995.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a A Filosofia como Mãe das Ciências

Metodologia científica - Conceitos Básicos
Metodologia científica - Conceitos BásicosMetodologia científica - Conceitos Básicos
Metodologia científica - Conceitos Básicosmariaclarasilvarezende
 
A epistemologia crítica
A epistemologia críticaA epistemologia crítica
A epistemologia críticaElisngela9
 
Artigo comunicação científica uma revisão de seus elementos básicos
Artigo   comunicação científica uma revisão de seus elementos básicosArtigo   comunicação científica uma revisão de seus elementos básicos
Artigo comunicação científica uma revisão de seus elementos básicosJackeline Ferreira
 
Metodocientifico
MetodocientificoMetodocientifico
MetodocientificoMaicon Luiz
 
Alvorada rh-tecno-métodos e técnicas de pesquisa
Alvorada rh-tecno-métodos e técnicas de pesquisaAlvorada rh-tecno-métodos e técnicas de pesquisa
Alvorada rh-tecno-métodos e técnicas de pesquisaAndré de Oliveira
 
Metodologia do trabalho científico
Metodologia do trabalho científicoMetodologia do trabalho científico
Metodologia do trabalho científicoElis Gabriela
 
( Espiritismo) # - andre henrique - a revolucao do espirito # perspectivas ...
( Espiritismo)   # - andre henrique - a revolucao do espirito # perspectivas ...( Espiritismo)   # - andre henrique - a revolucao do espirito # perspectivas ...
( Espiritismo) # - andre henrique - a revolucao do espirito # perspectivas ...Instituto de Psicobiofísica Rama Schain
 
( Espiritismo) # - andre henrique - a revolucao do espirito # perspectivas ...
( Espiritismo)   # - andre henrique - a revolucao do espirito # perspectivas ...( Espiritismo)   # - andre henrique - a revolucao do espirito # perspectivas ...
( Espiritismo) # - andre henrique - a revolucao do espirito # perspectivas ...Instituto de Psicobiofísica Rama Schain
 
Orientações para trabalhos_acadêmicos
Orientações para trabalhos_acadêmicosOrientações para trabalhos_acadêmicos
Orientações para trabalhos_acadêmicoscleiciacandida
 
Livro para monografias abnt
Livro para monografias abntLivro para monografias abnt
Livro para monografias abntCfx2015
 
Ciência com consciência
 Ciência com consciência Ciência com consciência
Ciência com consciênciaMarlene Macario
 
Métodologia Científica
Métodologia Científica Métodologia Científica
Métodologia Científica Pedro Felipe
 
TEORIA E PRÁTICA CIENTÍFICA
TEORIA E PRÁTICA CIENTÍFICATEORIA E PRÁTICA CIENTÍFICA
TEORIA E PRÁTICA CIENTÍFICAjlpaesjr
 
O conhecimento do conhecimento científico(Morin)
O conhecimento do conhecimento científico(Morin)O conhecimento do conhecimento científico(Morin)
O conhecimento do conhecimento científico(Morin)Francione Brito
 

Semelhante a A Filosofia como Mãe das Ciências (20)

Metodologia científica - Conceitos Básicos
Metodologia científica - Conceitos BásicosMetodologia científica - Conceitos Básicos
Metodologia científica - Conceitos Básicos
 
A epistemologia crítica
A epistemologia críticaA epistemologia crítica
A epistemologia crítica
 
Artigo comunicação científica uma revisão de seus elementos básicos
Artigo   comunicação científica uma revisão de seus elementos básicosArtigo   comunicação científica uma revisão de seus elementos básicos
Artigo comunicação científica uma revisão de seus elementos básicos
 
A importância da pesquisa na universidade
A importância da pesquisa na universidadeA importância da pesquisa na universidade
A importância da pesquisa na universidade
 
document-7.pdf
document-7.pdfdocument-7.pdf
document-7.pdf
 
teoria e pratica cientifica
teoria e pratica cientificateoria e pratica cientifica
teoria e pratica cientifica
 
Metodocientifico
MetodocientificoMetodocientifico
Metodocientifico
 
Alvorada rh-tecno-métodos e técnicas de pesquisa
Alvorada rh-tecno-métodos e técnicas de pesquisaAlvorada rh-tecno-métodos e técnicas de pesquisa
Alvorada rh-tecno-métodos e técnicas de pesquisa
 
teoriaepratica-SEVERINO
teoriaepratica-SEVERINOteoriaepratica-SEVERINO
teoriaepratica-SEVERINO
 
Ciência com consciência
Ciência com consciênciaCiência com consciência
Ciência com consciência
 
Metodologia do trabalho científico
Metodologia do trabalho científicoMetodologia do trabalho científico
Metodologia do trabalho científico
 
( Espiritismo) # - andre henrique - a revolucao do espirito # perspectivas ...
( Espiritismo)   # - andre henrique - a revolucao do espirito # perspectivas ...( Espiritismo)   # - andre henrique - a revolucao do espirito # perspectivas ...
( Espiritismo) # - andre henrique - a revolucao do espirito # perspectivas ...
 
( Espiritismo) # - andre henrique - a revolucao do espirito # perspectivas ...
( Espiritismo)   # - andre henrique - a revolucao do espirito # perspectivas ...( Espiritismo)   # - andre henrique - a revolucao do espirito # perspectivas ...
( Espiritismo) # - andre henrique - a revolucao do espirito # perspectivas ...
 
Orientações para trabalhos_acadêmicos
Orientações para trabalhos_acadêmicosOrientações para trabalhos_acadêmicos
Orientações para trabalhos_acadêmicos
 
Livro para monografias abnt
Livro para monografias abntLivro para monografias abnt
Livro para monografias abnt
 
Ciência com consciência
 Ciência com consciência Ciência com consciência
Ciência com consciência
 
Métodologia Científica
Métodologia Científica Métodologia Científica
Métodologia Científica
 
TEORIA E PRÁTICA CIENTÍFICA
TEORIA E PRÁTICA CIENTÍFICATEORIA E PRÁTICA CIENTÍFICA
TEORIA E PRÁTICA CIENTÍFICA
 
Filosofia resumo
Filosofia resumoFilosofia resumo
Filosofia resumo
 
O conhecimento do conhecimento científico(Morin)
O conhecimento do conhecimento científico(Morin)O conhecimento do conhecimento científico(Morin)
O conhecimento do conhecimento científico(Morin)
 

Último

Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalGerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalJacqueline Cerqueira
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOMarcosViniciusLemesL
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundonialb
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...LizanSantos1
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosAntnyoAllysson
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxIsabellaGomes58
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxIsabelaRafael2
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirIedaGoethe
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e TaniModelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e TaniCassio Meira Jr.
 
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptxATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptxOsnilReis1
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfPastor Robson Colaço
 
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdfJorge Andrade
 
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoAtividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoMary Alvarenga
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfHenrique Pontes
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxBiancaNogueira42
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 

Último (20)

Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalGerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e TaniModelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
 
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptxATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
 
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
 
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoAtividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
 
Em tempo de Quaresma .
Em tempo de Quaresma                            .Em tempo de Quaresma                            .
Em tempo de Quaresma .
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 

A Filosofia como Mãe das Ciências

  • 2. Começando pela Ciência... “é um conjunto de conhecimentos racionais, certos ou prováveis, obtidos metodicamente, sistematizados e verificáveis, que fazem referência a objetos de uma mesma natureza” . Porém... um “conhecimento científico” de hoje pode se tornar obsoleto, ultrapassado amanhã.
  • 3. Resumindo... “A ciência é um método objetivo, lógico e sistemático de análise dos fenômenos, criado para permitir a acumulação de conhecimento fidedigno.” Em outras palavras... A Ciência busca compreender o conjunto de relações “além do quê se vê”, além do senso comum, descobrindo explicações que servem de base para compreensão, organização, classificação e ordenação da natureza ao qual está inserida.
  • 4. Vivemos em uma sociedade que “enfatiza” seus pensamentos na busca de respostas aparentemente incontestáveis, na certeza sobre o conhecimento, na resolução do problema. Pensando assim, não será a Filosofia quem irá satisfazer tal necessidade pois: A FILOSOFIA NÃO TRAZ A CERTEZA DA VERDADE -> TRAZ QUESTIONAMENTOS E IMPULSIONA À BUSCA DA VERDADE. FILOSOFIA CIÊNCIA
  • 5. E essa verdade? Está em constante processo de mudança, despertando (ao filósofo) conceitos e características não percebidos antes, buscando nos questionamentos encontrar a verdade! Fonte: https://tatirando.wordpress.com/category/overlei/ > Acesso em 02 ago. 2015 Diante de tantas mudanças (e as vezes incertezas) faz com que o pensamento filosófico possua menor importância que o conhecimento “técnico – científico”.
  • 6. Fonte: <http://blogs.unigranrio.br/formacaogeral/a-globalizacao-e-seus-personagens> Acesso em 02 ago. 2015 “A palavra Filosofia: Filos significa amor, amizade. Sofia sabedoria ou conhecimento. É a Pitágoras que se atribui a invenção da palavra. Este, quando solicitado por um rei a demonstrar seu saber, disse-lhe “que não era sábio, mas Filósofo, ou seja, amigo da sabedoria.”
  • 7. Para Platão “a filosofia tem um fim prático, moral; é a grande ciência que resolve o problema da vida. Este fim prático realiza-se, no entanto, intelectualmente, através da especulação, do conhecimento da ciência.” Fonte<:http://www.astolfi.com.br/HomePage/1.TELA_INICIO%5 C2.REVISTAS_DE_FAMILIA/Edi%C3%A7%C3%A3o_2004/ano_de _2004/revistas_2004%20-%20Noticias%20Sociais.html >Acesso em: 02 ago. 2015
  • 8. EXISTEM DIFERENÇAS ENTRE A FILOSOFIA E A CIÊNCIA? CIÊNCIA->juízos de realidade, ou seja, maior objetividade, com foco nos resultados da investigação científica gerando uniformidade de conclusões, visando mostrar como os fenômenos ocorrem(ou podem ocorrer), suas relações e como prevê-los. FILOSOFIA -> juízos de valor, ou seja, vai além das comprovações científicas, não vê apenas o “como”, mas o como “deveria ser”. A filosofia julga o valor do conhecimento e da ação, sai em busca do significado: dando sentido à experiência. (ARANHA, 2003 P. 90)
  • 9. Mas essa não é a única forma de conceituar e compreender o objeto de estudo da filosofia, sabem porque? O conceito de Filosofia foi elaborado de acordo com o período de tempo, no curso de sua história, ou seja, em cada período de tempo e/ou curso da história foram criados, moldados e/ou repensados seus conceitos. Vamos refletir! Fonte: http://damasogif.blogspot.com.br/2012/05/roda-de-leitura.html Acesso em: 03 ago. 2015
  • 10. “Platão mostra que o amor (Filos) é carência, desejo de algo que não se tem. Logo, a Filosofia é recursos para buscar o que se precisa, e o filósofo não é aquele que possui o saber, mas sim quem busca conhecer continuamente.” Desta forma, a Filosofia toma como objeto de estudo o CONHECIMENTO! Fonte: < Fonte: http://luceliamuniz.blogspot.com.br/2013_03_01_archive.html > Acesso em: 02 ago. 2015
  • 11. Chegando a Idade Média... “Buscava-se conciliar fé com razão. O método utilizado é o da disputa: baseando-se no silogismo aristotélico, partiam de uma intuição primária e, através da controvérsia, caminhavam até às últimas consequências do tema proposto. A finalidade era o desenvolvimento do raciocínio lógico.” Agora, o objeto de estudo passa a ser a RAZÃO! Fonte: <http://luceliamuniz.blogspot.com.br/2013_03_01_archive.html >Acesso em: 02 ago. 2015
  • 12. Vamos compreender melhor... Silogismo Aristotélico-> conjunto de três juízos ou proposições que permite obter uma conclusão verdadeira. No método DEDUTIVO de duas premissas, deduz-se uma conclusão. Por exemplo: Todos os homens são mortais. Sócrates é homem. Logo, Sócrates é mortal. Fonte: <http://afilosofia.no.sapo.pt/11silog1.htm> Acesso em: 02 ago. 2015
  • 13. Já o método INDUTIVO parte de uma premissa particular para atingir uma conclusão universal. Fonte: < http://paseando-porelaula.wikispaces.com/Viajando+por+el+t%C3%BAnel+del+tempo> Acesso em: 03 ago. 2015 Por exemplo: O ferro conduz eletricidade. O ferro é metal. O ouro conduz eletricidade. O ouro é metal. O cobre conduz eletricidade. O cobre é metal. Logo, os metais conduzem eletricidade.
  • 14. Fonte<:http://www.mathpower.com/code.htm> Acesso em: 02 ago. 2015 Vamos distinguir o método dedutivo e indutivo através dos exemplos: DEDUTIVO: Toda mulher é inteligente. Maria é mulher. Portanto, Maria é inteligente. INDUTIVO: A banana é amarela. A banana é uma fruta. Logo: todas as frutas são amarelas.
  • 15. Agora é vez de vocês identificarem! Todo vertebrado possui vértebras. Todos os cães são vertebrados. Logo, todos os cães têm vértebras. Todo metal conduz eletricidade. O mercúrio é um metal. Logo, o mercúrio conduz eletricidade. Todo cão é mortal. Todo gato é mortal. Todo peixe é mortal. Logo, todo animal é mortal O cachorro de Mariana late de noite, O cachorro de Felipe, late de noite, Logo, todos os cachorros sempre latem de noite. DEDUTIVO DEDUTIVO INDUTIVO INDUTIVO
  • 16. Já na Idade Moderna, o objeto da Filosofia é outro! “como as ciências se desprendem do tronco comum da Filosofia, Resta à Filosofia as reflexões sobre a Teoria do Ser, do Conhecimento e a dos Valores. Discutem-se problemas relacionados ao ser, ao pensamento e à conexão entre ambos.” Sua finalidade é a transformação da sociedade pela autoconsciência do indivíduo. Fonte: http://lokacienci.blogspot.com.br/em: 03 ago. 2015
  • 17. Atualmente ... “Analisa criticamente os métodos utilizados nas ciências, além das formas dominantes de poder e da tomada de conscientização do homem. Assim, a Filosofia exige análise, crítica, clareza, rigor, objetividade (como a ciência), e os discursos em busca do conhecimento do todo são construídos na história segundo modelos de racionalidade que vão sendo revisados e substituídos com o tempo (O objeto da Filosofia mito). Ela permanece numa busca constante da sabedoria.” Fonte: <http://rachellpaula.blogspot.com.br/2012/01/novo-concurso-para-professor-da.html> Acesso em: 03 ago. 2015 Fonte: http://lokacienci.blogspot.com.br/ Acesso em: 03 ago. 2015
  • 18. Comparando Filosofia e Ciência... “Filosofia designava o amor da sabedoria, e a Ciência, como uma forma de conhecimento oposta à opinião ou senso comum, sendo então consideradas como sinônimas.” Diante de tantas explicações, é importante refletir sobre “essa” Filosofia como Mãe das Ciências! Vamos lá! Fonte: < http://fontedorefugio.blogspot.com.br/> Acesso em: 03 ago. 2015
  • 19. Fazendo uma retrospectiva... “No começo a ciência estava ligada à Filosofia, sendo o filósofo o sábio que refletia sobre todos os setores da indagação humana.” (ARANHA, 1993, P. 72) “No século XVII, as ciências particulares começaram a delimitar seu campo específico de pesquisa. Pouco a pouco, desde esse período até os tempos atuais, ciências como a física, astronomia, química, biologia, psicologia, sociologia, economia, etc. se especializam e investigam “recortes” do real.” (ARANHA, 2003, P. 90) Fonte: < http://filosofiacienciaevida.uol.com.br/ESFI/Edicoes/47/artigo174296-1.asp> Acesso em: 03 ago. 2015
  • 20. FILOSOFIA -> com as suas totalidades, examinando o conjunto, o todo. CIÊNCIA -> com as suas particularidades, especialidades. Atualmente “Filosofia e Ciência” especificam as suas intencionalidades: Fonte: http://craliceosamuelsaenzflores.blogspot.com.br/p/ciencias.html Acesso em 03 ago. 2015 Fonte: http://dressamatos.blogspot.com.br/2013/04/piadinha.html Acesso em 03 ago. 2015
  • 21. E A CIÊNCIA SE SEPAROU DA FILOSOFIA? Se ligue! A Filosofia analisa os fundamentos da ciência, as condições em que realizam as pesquisas, investigando seus fins, avaliando as consequências dessas técnicas utilizadas. Os cientistas fazem uso da filosofia para se questionar sobre o conhecimento científico, seu alcance, sua validade, método que utiliza e a sua responsabilidade quanto às consequências das descobertas. Fonte: http://produto.mercadolivre.com.br/MLB-685018169-placa-detector-de-metais-bobina-_JM#redirectedFromSimilar Acesso em: 03 ago. 2015
  • 22. “O filósofo caminha ao lado dos cientistas e dos técnicos para que não se perca de vista que a ciência e a técnica são apenas meios, e devem estar a serviço de fins humanos” (ARANHA, 1998 p. 112). Vamos pensar um pouco! Podemos dizer então que os cientistas filosofam, visando investigar os pressupostos e as implicações do seu saber, não buscando respostas prontas. Fonte: < http://www.verinha2.de/various/download_gifs/gifs_30.htm> Acesso em: 03 ago. 2015
  • 23. Se não sou cientista então... Fonte: <http://conhecimentointegrador.blogspot.com.br/2012/06/filosofia-e-ciencia-da-filosofia-8-ano.html acesso em 24 jul.2015
  • 24. FILOSOFIA ->não busca nenhuma alteração de ordem pragmática porém necessária, pois através da reflexão é permitido a percepção e análise de outros ‘pontos de vista’, ‘ver além do que está exposto’. Fonte: http://pt.dreamstime.com/imagens-de-stock-royalty-free-luz-brilhante-da-fa%C3%ADsca- do-inspration-das-faces-da-pessoa-image13294709 Acesso em: 03 ago. 2015
  • 25. ONDE POSSO UTILIZAR A FILOSOFIA? Pensando em resultados e respostas não se pode negar o quanto são importantes as pesquisas científicas para a cura da AIDS, as leituras para se fazer uma boa redação e assim obter uma boa nota para entrar em uma boa universidade – isso é ciência! FONTE: <http://www.serieslider.com/ Acesso em: 03 ago. 2015
  • 26. “ É a filosofia que dá o distanciamento para a avaliação dos fundamentos dos atos e dos fins a que eles se destinam; reúne o pensamento fragmentado da ciência e o reconstrói” (ARANHA, 2003, p. 90-91). A utilidade da Filosofia pode não estar tão visível mas... Fonte: http://www.outrasfronteiras.com.br/blog/bem-perto/ Acesso em: 05 ago. 2015 Fonte: http://www.gifmania.com.pt/Gifs-Animados-Espaco/Imagens-Animadas-Astronomia/Gif-Animados-Planet- Earth/ Acesso em: 05 ago. 2015
  • 27. É fazendo uso da filosofia que passaremos a criticar ideologias ilusórias, aquelas que buscam privilégios e vantagens, atentando para o desvelamento da verdade, do que está encoberto pelo costume, pelo convencional, pelo poder. Fonte: http://arttamas.blogspot.com.br/2011/07/livro-didatico-infantil-crianla-lendo.html Acesso em: 05 ago. 2015
  • 29. E se não existisse a Filosofia? Não existiriam questionamentos, debates, nem novas produções, não se buscariam mais a formulação de respostas a partir de posicionamentos e ideias diferentes, levando a sociedade a responder seus questionamentos sempre da mesma forma, a partir de respostas já prontas. “A filosofia possui sua importância baseada exatamente na busca por novas respostas e em um novo modo de pensar a realidade do mundo em que vivemos.” Fonte: http://diogocaceres.blogspot.com/feeds/posts/default Acesso em: 05 ago. 20 15
  • 30. EXTRAS É chegada a hora da criação! A partir desta imagem, crie um silogismo dedutivo e um indutivo. Fonte: <http://pesevangelismo.blogspot.com.br/2012/06/um-silogismo-sobre-escravidao.html> Acesso em 24 jul. 2015
  • 31. O que é, afinal, conhecer? • Conhecer é representar, cuidadosamente, o que é exterior à mente. • No processo de conhecimento, dois elementos são indispensáveis: O Sujeito e o Objeto. • O sujeito é o elemento que conhece e o objeto é o elemento conhecido. • Sujeito: Nossa consciência, nossa mente. • Objeto: A realidade, o mundo e os fenômenos (e a nossa própria consciência, quando nós refletimos).
  • 32. Possibilidades do conhecimento na modernidade Empirismo e Racionalismo •Empirismo É a forma de conhecer que valoriza nossas percepções sensoriais. •Racionalismo Somente a razão humana, trabalhando com os princípios lógicos, pode atingir o conhecimento verdadeiro.
  • 33. Para o empirista, todo o conhecimento está baseado na experiência sensorial. Depende, portanto, em última instância, de, pelo menos, um dos nossos cinco sentidos. Para o racionalista, a verdade só pode ser conhecida mediante o trabalho lógico da mente, independentemente das percepções sensoriais.
  • 34. CARACTERÍSTICAS DO EMPIRISMO • A verdade está na percepção dos sentidos; • Não existem ideias inatas, isto é, toda ideia foi adquirida pela percepção sensorial. “ Suponhamos, portanto, que a mente seja uma folha em branco, desprovida de caratceres, sem qualquer ideia. De que modo receberá as ideias? (...) Respondo: da experiência. É este o fundamento de todos os nossos conhecimentos; daí extraem a sua origem primeira.” (Ensaio sobre o entendimento humano, Livro II, Cap. 1, sec. 19) John Locke
  • 35. CARACTERÍSTICAS DO RACIONALISMO • A razão humana é o único instrumento capaz de conhecer a verdade; • Os princípios lógicos fundamentais são inatos, ou seja, não dependem da experiência sensorial; • A experiência sensorial é uma fonte permanente de erros; • Ao nascermos, trazemos em nossa inteligência alguns princípios racionais e ideias verdadeiras.
  • 36. “De sorte que, após ter pensado bastante nisso e de ter examinado cuidadosamente todas as coisas, cumpre enfim concluir e ter por constante que essa proposição, eu sou, eu existo, é necessariamente verdadeira todas as vezes que a enuncio ou que a concebo em meu espírito.” (Regras para direção do Espírito) René Descartes
  • 37. A QUESTÃO DO INATISMO Percebemos que o princípio do racionalismo é a teoria do inatismo, ou seja, a crença de que, ao nascermos, já trazemos conosco algumas ideias. Por outro lado, o empirismo fundamenta-se na crença de que nossa mente nasce vazia e somente no contato com o mundo, por meio dos nossos sentidos, é que iremos construir as ideias.
  • 38. Você acredita na existência de algum conhecimento inato?
  • 39. Platão acredita que sim! Esse importante filósofo grego nasceu em Atenas, provavelmente em 427 a.C. e morreu em 347 a.C. É considerado um dos principais pensadores gregos, pois influenciou profundamente a filosofia ocidental. Ele defendia a existência de ideias inatas na matemática, como veremos no trecho de uma de suas obras, a seguir: Imagem: Unknown Author / Public Domain
  • 40. Platão defende a existência de ideias inatas em várias de suas obras, mas as passagens mais conhecidas se encontram nos diálogos: Mênon e República. Vejamos: No Mênon, Sócrates dialoga com um escravo analfabeto. Fazendo-lhe perguntas certas na hora certa, o filósofo consegue que o jovem escravo demonstre sozinho um difícil teorema de geometria. As verdades matemáticas vão surgindo no espírito do escravo à medida que Sócrates vai fazendo as perguntas.
  • 41. Como isso seria possível, indaga Platão, se o escravo não houvesse nascido com a razão e com os princípios da racionalidade? Você já passou por uma situação parecida com a do tal escravo? Imagem: Lilyu / WTFPL 2.0
  • 42. Além de acreditar nas ideias inatas, Platão também afirmava que não podíamos confiar nos sentidos, já que eles estão sujeitos a erros e a falsas opiniões. Para exemplificar sua tese, Platão cria o famoso “Mito da caverna”. Vejamos o que nos diz o mito da caverna: Imaginemos um muro bem alto separando o mundo externo e uma caverna. Na caverna, existe uma fresta por onde passa um feixe de luz exterior. No interior da caverna, permanecem seres humanos que nasceram e cresceram ali. Ficam de costas para a entrada, acorrentados, sem poder mover-se, forçados a olhar somente a parede do fundo da caverna, onde são projetadas sombras de outros homens. Desse modo, os prisioneiros julgam que essas sombras sejam a realidade.
  • 43. O MITO DA CAVERNA Imagine que um dos prisioneiros consiga se libertar e, aos poucos, vá se movendo e avance na direção do muro e o escale, enfrentando com dificuldade os obstáculos que encontre e saia da caverna, descobrindo não apenas que as sombras eram feitas por homens como eles e, mais além, todo o mundo e a natureza. Caso ele decida voltar à caverna para revelar aos seus antigos companheiros a situação extremamente enganosa em que se encontram, correrá, segundo Platão, sérios riscos - desde o simples ser ignorado até, caso consigam, ser agarrado e morto por eles, que o tomaram por louco e inventor de mentiras. http://pt.wikipedia.org/wiki/Mito_da_caverna
  • 44. O QUE EU VEJO É A REALIDADE OU UMA CÓPIA IMPERFEITA DELA? Imagem: Mats Halldin / GNU Free Documentation License
  • 45. INTERPRETANDO O MITO DA CAVERNA • O que é a caverna? - O mundo de aparências em que vivemos. • O que são as sombras projetadas no fundo? - As coisas que percebemos. • O que são os grilhões e as correntes? - Nossos preconceitos e opiniões.............. • Quem é o prisioneiro que se liberta e sai da caverna? - O filósofo. • O que é o mundo fora da caverna? - A realidade.
  • 46. Outro filósofo que também defende a tese do inatismo é o francês René Descartes. Segundo ele, em sua obra: “Discurso do método” existem três tipos de ideias: Ideias Adventícias, Ideias Fictícias e Ideias Inatas. Vejamos cada uma delas! RENÉ DESCARTES ( 1596 -1650) Imagem: Frans Hals / Frans Hals
  • 47. 1. Ideias adventícias São aquelas vindas de fora, que se originam de nossa sensação e percepção. Para Descartes, esse tipo de ideia, são, de um lado, ideias da qualidade sensorial: cor, odor, som, textura, tamanho, paladar, mas, por outro, também, são as opiniões formuladas com base nessas ideias, geralmente enganosas, ou falsas. EXEMPLO: Ao olhar para o céu, meu sentido da visão me diz que o sol se move de leste para oeste, mas, ao estudar astronomia, vejo que tal opinião é falsa, pois, na verdade, a terra é que gira e o sol se mantém parado.
  • 48. Se você nunca tivesse estudado nas aulas de ciência e de geografia, sobre o movimento de rotação da terra, provavelmente confiaria em sua visão e acreditaria que o sol se move entre o amanhecer e o entardecer. Imagem: 663highland / GNU Free Documentation License
  • 49. VOCÊ ACHA QUE OS SENTIDOS PODEM REALMENTE ENGANAR? A ilusão da grelha* de Hermann foi observada por Ludimar Hermann em 1870. Quando se olha um desenho com quadrados negros sobre um fundo branco, tem-se a impressão de que surgem manchas "fantasmas" nas intersecções das linhas. As manchas desaparecem quando se observa diretamente a intersecção. Imagem: en:User:Famousdog / Public Domain
  • 50. 2.Ideias fictícias: São aquelas que criamos em nossa fantasia e imaginação por meio de um processo de composição, formando seres inexistentes, como fadas, duendes, sereias... São as fabulações da arte, da literatura, do mito, da superstição. Essas ideias nunca são verdadeiras, pois não correspondem a nada que exista realmente e sabemos que foram inventadas por nós mesmos, quando já recebemos prontas de outros que as inventaram. 3. Ideias Inatas: São aquelas que não poderiam vir de nossa experiência sensorial, porque não há objetos sensoriais ou sensíveis para elas, nem poderiam vir de nossa fantasia, pois não tivemos experiência sensorial para compô-las na nossa memória. EXEMPLO: A ideia de infinito é uma ideia inata, pois não temos nenhuma experiência sensorial da infinitude.
  • 51. QUAL É VERDADEIRA IMAGEM APRESENTADA? VOCÊ VÊ UMA JOVEM OU UMA SENHORA DE PERFIL? Imagem: William Ely Hill / Public Domain
  • 52. PARA DESCARTES, É POSSÍVEL CONHECER A VERDADE? Mas para isso o conhecimento deve passar por um rígido processo metódico que começa com a... DÚVIDA A resposta é sim! Imagem: Nevit Dilmen / GNU Free Documentation License
  • 53. A DÚVIDA... “Desde os meus primeiros anos de vida, aceitei como verdadeira uma quantidade de falsos conceitos, e o que construí depois, sobre princípios tão inseguros, só poderia ser muito duvidoso e incerto; de modo que se fazia necessário que eu decidisse seriamente me desfazer de todas as opiniões recebidas até então e recomeçar a partir dos alicerces, se quisesse instituir algo de sólido e permanente nas ciências...(...)
  • 54. A DÚVIDA... (...) E mais ainda, assim como eu penso às vezes que os outros se enganam até nas coisas que acreditam saber com a maior certeza, pode ser que ele tenha querido que eu me enganasse sempre que somo dois e três, ou quando enumero os lados do quadrado, ou quando considero coisas algo ainda mais fácil que essas, se é que se pode imaginá- las.(...)
  • 55. A DÚVIDA... (...) Permanecerei obstinadamente preso a esse pensamento; e se por tal meio não estiver em meu poder alcançar o conhecimento de qualquer verdade, ao menos estará em meu poder suspender o meu juízo. Eis porque procurarei cuidadosamente não aceitar nenhuma falsidade, e prepararei tão bem o meu espírito contra as astúcias desse grande enganador, que, por mais poderoso e astuto que seja, jamais poderá me impor coisa alguma.(...)” (Meditações Metafísicas) René Descartes
  • 56. ÚNICA VERDADE LIVRE DE DÚVIDAS SEGUNDO DESCARTES Meus pensamentos existem! Se meus pensamentos existem, eu existo! Portanto: Penso, logo existo! Para Descartes, a existência do pensamento é mais certa que a sua existência corporal, já que é preciso pensar para ter a certeza de que existe o corpo pensante!
  • 57. PENSO EXISTO Vamos filosofar... Se a consciência antecede o corpo, seria essa a origem das ideias inatas defendidas pelos racionalistas?
  • 58. Kant (1724-1804) foi um filósofo prussiano, considerado como o último grande filósofo dos princípios da era moderna, indiscutivelmente um dos pensadores mais influentes, afirma que todo conhecimento começa com a experiência, mas que a experiência sozinha não nos dá o conhecimento. A solução de Kant para o dilema Racionalismo X Empirismo Imagem: Unknown Author / Public Domain
  • 59. PRINCIPAIS IDEIAS DE KANT: • É preciso um trabalho do sujeito para organizar os dados da experiência; • Antes da experiência sensorial, existem na mente humana certas estruturas que possibilitam o conhecimento; • Portanto, a experiência fornece a matéria do conhecimento e a razão organiza essa matéria de acordo com estruturas existentes a priori, daí o termo apriorismo para a teoria kantiana.
  • 60. Para não concluir... Certa vez, um cosmonauta e um neurologista russos discutiam sobre religião. O neurologista era cristão, e o cosmonauta não. “Já estive várias vezes no espaço”, gabou-se o cosmonauta, “e nunca vi nem Deus, nem anjos”. “E eu já operei muitos cérebros inteligentes”, respondeu o neurologista, “e também nunca vi um pensamento”. O mundo de Sofia, Jostein Gaardner, Cia. das Letras, 1995 E você? Só acredita no que vê?
  • 61. REFERÊNCIAS: ARANHA, Maria Lúcia de Arruda. Maria Helena Pires Martins. Filosofando: introdução à filosofia. São Paulo: Moderna, 3 edição, 2003. ________, Maria Lúcia de Arruda. Maria Helena Pires Martins. Filosofando: introdução à filosofia. São Paulo: Moderna, 2 edição, 1993. ________, Maria Lúcia de Arruda. Maria Helena Pires Martins. Temas de Filosofia. São Paulo: Moderna, 2 edição, 1998. CABRAL, João Francisco P. O conceito de Filosofia. Disponível em http://www.brasilescola.com/filosofia/a-filosofia-grega.htm acesso em 05 jul. 2015. FONSECA, Flavio Netto. O conceito ‘Filosofia’. Disponível em http://www.philosophy.pro.br/filosofia.htm acesso em 05 jul. 2015. . GREGÓRIO, Sérgio Biagi. Conceito de Filosofia. 1996. Disponível em http://www.sergiobiagigregorio.com.br/filosofia/conceito-de-filosofia.htm acesso em 05 jul. 2015 Chauí, Marilena Iniciação a filosofia: Ensino Médio, Volume único- São Paulo – Ática -2010. Aranha, Maria Lúcia de Arruda Filosofando: Introdução a filosofia – 4. ed. São Paulo –Moderna. Gaardner, Jostein O mundo de Sofia, Cia. das Letras, 1995.