Revista ZN - Setembro/2016

51 visualizações

Publicada em

Revista das bibliotecas municipais da Zona Norte. Edição de stembro de 2016.

Publicada em: Serviços
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Revista ZN - Setembro/2016

  1. 1. BIBLIOTECAS ZN Expediente A revista eletrônica é uma realização da Coordenadoria Regional Norte jun- tamente com os coordenadores das bi- bliotecas públicas da Zona Norte de São Paulo. Contato: smbnorte@gmail.com Fone: 3904-1444 Coordenador Regional Norte Sandro Luiz Coelho Jovem Monitor Cultural Nicoli Chiara De Bona Colaboradores Domitila Alves de Oliveira Vila Nova Elaine Telles Rodrigues Elisabete Ferreira Filipini Emmanuela Fernandes Arantes Maria Elizabeth Caldellas Pedrosa Ormarina Bueno Perondi Patrícia Muniz Marçal Raquel Beatriz de Conceição Regina Helena Lima Monteiro Sandra Cristina Brasil Silva Sandra Rodrigues Nascimento Sandro Luiz Coelho Thaís da Silva Farias Agradecimento Domitila Alves de Oliveira Vila Nova Diagramação Thaís da Silva Farias Idealização Thaís da Silva Farias Nicoli Chiara De Bona SETEMBRO 2016 Sumário CONVERSANDO SOBRE ACESSIBILIDADE NAS BIBLIOTECAS DA ZONA NORTE 3 PROGRAMAÇÃO Biblioteca Pública Érico Veríssimo 6 Biblioteca Pública Menotti Del Picchia 7 Biblioteca Pública Padre José de Anchieta 8 Biblioteca Pública Pedro Nava 9 Biblioteca Pública Sylvia Orthof 10 Biblioteca Pública Thales Castanho de Andrade 11
  2. 2. 3 Conversando sobre acessibilidade nas Bibliotecas da Zona Norte Por Domitila Alves O. Vila Nova No mês de setembro tem início um movimento criado pela comunidade surda com a finalidade de realizar atividades inclusivas em todo o Brasil, denominado Setem- bro Azul. O nome simboliza a faixa azul que as pessoas com deficiência deveriam fixar em seus braços na época da Segunda Guerra Mundial para que pudessem ser mortos pelos nazistas, já que eram considerados incapazes para a sociedade. Aproveitamos esse contexto tão emblemático para evidenciar as conquistas e as necessidades das pessoas com deficiências - Pcds, problematizando seu acesso aos equipamentos culturais, em especial às Bibliotecas. Só é possível dizer que um local possui acessibilidade quando todos têm livre acesso a ele, independente de qualquer limitação que possam possuir, seja essa limita- ção intelectual, física ou sensorial. Essa acessibilidade plena ainda não é uma realidade nas Bibliotecas da cidade São Paulo, entretanto é necessário discuti-la, colocar o as- sunto em pauta sempre que possível para que possamos avançar cada dia mais nesse sentido. Segundo o Manifesto da Unesco: “A liberdade, a prosperidade e o progresso da sociedade e dos indivíduos são valores humanos fundamentais. Só serão atingidos quan- do os cidadãos estiverem na posse das informações que lhes permitam exercer os seus direitos democráticos e ter um papel ativo na sociedade. A participação construtiva e o desenvolvimento da democracia dependem tanto de uma educação satisfatória como de um acesso livre e sem limites ao conhecimento, ao pensamento, à cultura e à in- formação.” As Bibliotecas Públicas são equipamentos culturais, educacionais e informacionais, que possuem em seu cerne a missão de possibilitar acesso irrestrito a todo e qual- quer cidadão que o quiser, permitindo uma utilização autônoma e segura. Enquanto bibliotecários, gestores públicos e profissionais da informação, temos o dever cívico de lutar por espaços mais inclusivos, que ofereçam serviços que possam ser utilizados e compreendidos por qualquer pessoa, preparados para a diferença, que não exclua, e sim, integre. As ações culturais que acontecem nas Bibliotecas partem do preceito de ser para todos, mas precisamos refletir sobre qual é a dimensão do nosso “todos”. Muitas ve- zes temos uma visão limitada do que de fato é acessível, principalmente por falta de conhecimento das reais necessidades dos nossos usuários, isto acontece por esse público ser considerado “invisível” mesmo sendo um número tão significativo. Segundo o Censo do IBGE (2010) 23,05% da população da Cidade de São Paulo tem alguma deficiência, e devemos considerar que este dado é impreciso, já
  3. 3. 4 que sabe mos que muitas pessoas possuem deficiências transitórias, por curtos ou longos períodos de tempo. Em escala mundial as Pcds são a maior minoria existente e segundo a ONU (2013), estão mais vulneráveis a abusos, mais propensas a sofrerem violências e têm menos probabilidade de conseguirem ajuda policial, jurídica ou cuidados preventivos. Assim como todas as outras pessoas, as Pcds têm direito a trabalho, moradia, lazer, educação, saúde e cultura, direitos esses promulgados na nossa Cons- tituição Federal e que cobram ações mais conclusivas. É importante reconhecermos que muito já foi feito nas Bibliotecas Públicas de São Paulo nos últimos anos. Através de um convênio com a Fundação Dorina Nowill as bibliotecas recebem livros falados e publicações em Braille, 5 bibliotecas possuem piso tátil, 5 foram contemplados com equipamentos de tecnologia assistiva que serão ins- talados em uma biblioteca de cada região da cidade e mais de 30 bibliotecas possuem acessibilidade arquitetônica. Outro grande avanço é a Biblioteca Luis Braille, planejada para atender pessoas com deficiência visual, e a Biblioteca de Culturas Surdas (Bicus), que oferece atendimento bilíngue feita pela funcionária surda Lara Gomes, ambas as bibliotecas no Centro Cultural São Paulo. Muito foi feito, mas ainda há mais a ser conquistado e ampliado. É necessário pensar a acessibilidade em todas as suas ramificações se quisermos instituir ambientes realmente inclusivos. Hoje em dia, discuti-se muito a acessibilidade arquitetônica, es- paços sem nenhum tipo de barreira física, seja interna ou externa, mas como gestores de equipamentos culturais temos que pensar também na acessibilidade comunicacional, que consiste em atendimentos em língua de sinais, materiais e sinalização em Braille, equipamentos de tecnologia assistiva, e que toda e qualquer atividade seja comunicável a todos, na acessibilidade metodológica, pensando em métodos inclusivos baseados nas inteligências múltiplas, na acessibilidade instrumental, com aquisição de instrumentos e mobiliários que não ofereçam barreiras, na programática, criando políticas públicas inclusivas, e na atitudinal, buscando sensibilizar as pessoas em relação à diversidade humana. Bibliotecas são ambientes geradores de conhecimento, mediadores informacionais e culturais, que têm um compromisso com a comunidade de promover ações trans- formadoras de ordem social e cultural, e precisam assegurar que essas ações sejam oferecidas de forma igualitária, de modo que todos tenham a mesma oportunidade de conhecimento e apropriação. No mês de Setembro as Bibliotecas da Zona Norte trazem duas atividades de destaque: . Contação de Histórias em Libras – Grupo mãos de Fada 02 de setembro (sex) – 14h Biblioteca Pedro Nava – Rua Helena do Sacramento, 1000 - Mandaqui . Oficina de Libras Todas as quartas-feiras – 18h30 às 20h30 Biblioteca Pe. José de Anchieta – Rua Antonio Maia, 650 - Perus
  4. 4. 5 Referências Bibliográficas: SANTOS, M. P.; DINIZ, C. N.; SÁ, N. A.. A importância da acessibilidade nas biblio- tecas públicas. Revista Brasileira de Biblioteconomia e Documentação, São Paulo, v. 10, ago. 2014. ISSN 1980-6949. Disponível em: <https://rbbd.febab.org.br/rbbd/article/ view/330/306>. Acesso em: 8 ago. 2016. FONSECA, C. C. R.; GOMES, G. F.; VANZ, S. A. S. Acessibilidade e inclusão em bibliote- cas: um estudo de caso. In: SEMINÁRIO NACIONAL DE BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS, 17., 2012, Porto Alegre. Anais eletrônicos... Porto Alegre: UFRS, 2012. Disponível em: <http://www.snbu2012.com.br/anais/pdf/4QJX.pdf>. Acesso em: 8 ago. 2016. GRAEFF, Lucas; FERNANDES, Rosa Maria Castilhos; CLOSS, Arnajara Carbonell. Acessibili- dade em ambientes culturais: explorando o potencial cidadão do Plano Nacional de Cultura. Ser Social, Brasília, v. 32, n. 15, p.117-140, jan/jun. 2013. Domitila Alves O. Vila Nova Graduada em Biblioteconomia e Ciência da Informação pela Faculdade de Biblioteconomia e Ciência da Informação de São Paulo – FabciSP (2006). Atualmente é Coordenadora da Bi- blioteca Pública Pedro Nava, pertencente ao Sistema Municipal de Bibliotecas da Cidade de São Paulo.
  5. 5. 6 Biblioteca Pública ÉRICO VERÍSSIMO Encontro entre as amigas da biblitoteca para ações de leitura, reflexão, troca de experiên- cias, informação, oficina e busca de soluções para as questões da biblioteca e da comuni- dade. Oficina de literatura que busca despertar o leitor e o escritor que existe em cada pes- soa, através de atividades diversas e troca de informações e impressões entre os participan- tes. Proposta de apresentar a Biblioteca Pública Érico Veríssimo em todas as suas dimensões, complexidades e possibilidades. *Mediante agendamento prévio Workshops de Grafite, DJ, MC, Break e apre- sentações musicais com muita reflexão sobre o tema: Juventude Negra Com as mediadoras de leituras Denize e Pa- trícia (Mediante agendamento prévio) “Vivência Musical” busca difundir, integrar e viabilizar o acesso ao universo musical, atra- vés de experimentações de sons e instrumen- tos pelos participantes na construção de uma identidade musical. O projeto é direcionado para crianças e adolescentes com ou sem de- ficiência intelectual, com foco na convivência da diversidade e garantia de direitos de todos os cidadãos. Através de oficinas práticas, será criada uma horta orgânica na Biblioteca Pública Érico Ve- ríssimo junto à comunidade. Preparando a terra e plantando, histórias e conhecimentos vão brotando e se transformando em Encon- tros e Contos da Terra. Através da memória e da leitura de vida e de livros, estimular a socialização, a troca de experiências e a autoestima, promover a in- clusão cultural e social aliada ao bem-estar dos participantes e a elaboração de um “diário coletivo”. PROGRAMACÃO CULTURAL
  6. 6. 7 Biblioteca Pública MENOTTI DEL PICCHIA Com Mestre Avelar Com Thaís Morais O Projeto conta com oficinas, apresenta- ções e debates na intenção de valorizar o hip hop como ferramenta e veículo de transformação e desenvolvimento sócio cultural. As temáticas serão dividas em 4 encon- tros que se iniciará em setembro e ter- minará em novembro. PROGRAMACÃO CULTURAL
  7. 7. 8 Biblioteca Pública PE. JOSÉ DE ANCHIETA Brincadeiras e conversas sobre preconcei- tos 3 bandas de rock se apresentam na bi- blioteca Durante a oficina será realizada uma me- diação de leitura com história que con- versa com a oficina PROGRAMACÃO CULTURAL
  8. 8. 9 Biblioteca Pública PEDRO NAVA Narração de histórias simultâneas em Libras - Língua Brasileira de Sinais e Língua Portu- guesa (contação visual e oral), proporcionando ao espectador, tanto deficiente auditivo/sur- do quanto ouvinte, infinitas possibilidades de vivenciar as histórias de uma forma diferente. Com Lilian Soares Utilizando o bordado como linguagem artís- tica, visa favorecer o resgate de memórias e saberes antigos, tanto culturais, quanto pes- soais, que serão ressignificados e atualizados através de um olhar que permite abertura para criação e expansão de novos conhecimen- tos. Com João Godoy e Sonia Perazzolo Exibição de filme seguido de um debate redi- gido por especialistas, gerando uma discussão sobre a questão levantada no filme e seu respectivo tema. Com Liana Yuri Shimabukuro Criação de livros com as técnicas de engenha- ria de papel incluindo o Kirigami e o Origami. Livros interativos pop-ups são aqueles livros cujas figuras saltam das páginas. Abrir, fe- char, girar, descobrir portas e páginas escon- didas, retém a atenção do leitor e assegura a interatividade com a história. PROGRAMACÃO CULTURAL
  9. 9. 10 Biblioteca Pública SYLVIA ORTHOF PROGRAMACÃO CULTURAL Leitura mediada de pequenos textos, narrativas, contos, poesias para crianças, jovens, adultos, melhor idade.... *Para agendamento prévio da atividade falar com Sandra e/ou Roseli tel: 2981-6263
  10. 10. 11 Biblioteca Pública Thales Castanho de Andrade PROGRAMACÃO CULTURAL Com Beth Filipini Com Beth Filipini Venham conhecer os “Dez sacizinhos”, uma viagem pela magia e encanto de um dos personagens mais conhecidos do folclore brasileiro: o saci. *Ambas atividades podem ser realizadas com agendamento prévio.

×