Série
Manuais
M inisteriais
2a edição
Digitalizado Por
Série
ManuaisMinisteriais
MANUAL DE
ÉTICA
MINISTERIAL
Pr. Humberto Schimitt Vieira
Gravadora e Editora
www.gravadoracantar...
O AUTOR
Humberto Schimitt Vieira nasceu em Canguçu,
RS, em 08 de Janeiro de 1966. Filho de Octavio Rodrigues
Vieira e Mari...
6
DEDICATÓRIA
Ao meu amado Senhor,
Jesus Cristo,
A minha assessora, amiga
e esposa, Ana Schimitt,
A ti, papai, amigo, compa­...
___________ f___________
Gravadora e Editora
www.gravadoracantares.com.br
Caixa Postal 798
CEP: 90001-970 POA - RS
Televen...
INDICE
PREFÁCIO .............................................................11
CAPÍTULO I Ética Ministerial. Conceito.......
PREFÁCIO
Busca este pequeno manu­
al, de forma sucinta e clara, dar
uma uisão abrangente dos diver­
sos aspectos da ética ...
12
MANUAL DE ÉTICA MINISTERIAL
CAPÍTULO I
CONCEITO DE ÉTICA MINISTERIAL
A ética é o ramo da filosofia que se ocupa
com a valo...
Parafixar:
1 ) 0 que é ética?
2) Quais as perguntas que a ética busca resolver?
3) De que se ocupa a ética ministerial?
14
CAPÍTULO II
O OBREIRO E SUA VIDA
Em relação à vida pessoal, ao menos seis as­
pectos devem ser observados pelo obreiro.
A ...
terem uma qualidade de vida muito baixa. Como cui­
dados que o obreiro deve ter, salienta-se o zelo pela
alimentação saudá...
bora com muito esforço, não conseguem obter aquilo
que o obreiro recebeu gratuitamente (At 8.19,20). En­
tende-se, assim, ...
e proveitosa para ensinar, para repreender, para corri­
gir, para instruir em justiça” (2Tm 3.16).
Parafixar:
1) Quais são...
CAPÍTULO III
O OBREIRO E SUA FAMÍLIA
O BOM GOVERNO DA CASA
A primeira recomendação bíblica em relação
ao obreiro e sua fam...
o seu sucessor Samuel e para o rei Davi. Quantos de­
sastres e quantos sofrimentos tem sofrido a obra de
Deus em razão des...
tais entre os teus olhos; E as escreverás nos umbrais de
tua casa, e nas tuas portas.”
b) Oração- Jó 1.5; Gn 17.18; lCr 29...
2- A disciplina deve ser aplicada com espírito
de mansidão, e não sob o efeito da ira. A
disciplina aplicada com ira tem e...
mãe (que é o primeiro mandamento com promessa),
para que te vá bem, e sejas de longa vida sobre a terra”
(Ef 6.1-3)
f) Tra...
para o seu filho ir à escola, para ver o que acontece!),
computador era coisa do outro mundo, etc. Agora, ima­
gine a muda...
to Santo “converterá o coração dos pais aos filhos, e o
coração dos filhos a seus pais; para que eu não venha,
e fira a te...
herdeiras convosco da graça da vida, para que não
sejam impedidas as vossas orações.”
d) Satisfação sexual- ICo 7.3-5: “O ...
É mandamento com sinal: ICo 11.3-16. As­
sim, a sujeição confere à mulher a autoridade espiritu­
al delegada ( Tg 4.7).
d)...
li I I I
CAPÍTULO IV
A ÉTICA DA SEXUALIDADE NO CASAMENTO
FINALIDADE DO SEXO NO CASAMENTO
A primeira finalidade do sexo no casamento...
aos métodos de controle de natalidade.
A objeção mais comum é a de que a Bíblia,
no caso de Onã, condena tal atitude.
No c...
Assim, a concepção de uma criança, normal­
mente, é um fato que acontece dentro da órbita da von­
tade permissiva de Deus,...
na antigüidade, como no caso de Onã, a Bíblia não
tece qualquer reprovação ao controle de natalidade;
b) Se fosse condenáv...
desde o testículo até a vesícula seminal. Na mulher,
consiste na ligadura ou interrupção das trompas, im­
pedindo que o óv...
A ÉTICA NA RELAÇÃO SEXUAL
ENTRE OS CÔNJUGES
Como fator de comunhão do casal, o sexo
deve obedecer alguns princípios:
a- De...
livro e converse com você a respeito.
6. Creia que haverá uma solução. Não apre­
sente um quadro sombrio da situação; você...
36
CAPÍTULO V
A POSIÇÃO ÉTICA DA ESPOSA DO OBREIRO
O obreiro deve observar que a esposa não é
pastora e, em relação a outros ...
uma causa” .
Io PERIGO - A síndrome de Jezabel.
A Bíblia diz que o rei Acabe desejou ter a vi­
nha do súdito Nabote. Como ...
que a negativa de Nabote não correspondia a uma
afronta ao rei, mas tratava-se do cumprimento da lei
dada por Moisés.
Pode...
filhos “encostando-os” na igreja.
Devemos nos lembrar que, na posição de lí­
deres do rebanho de Deus, devemos assumir a p...
teceu? O que foi falado? Como ficou o caso da fulana?
Para mim tu podes contar, afinal nós somos uma só
carne. Se tu me am...
42
CAPÍTULO VI
A ÉTICA NO TRATAMENTO COM OS TRÊS “Fs”
Os três “efes” são os três perigos que mais
têm derrubado obreiros. Ele...
das mais sutis e terríveis armadilhas para o obreiro do
Senhor.
Foi esse desejo de posição que levou Satanás
a cair dos cé...
midade com Deus. O homem de verdade, o profeta de
Deus, é substituído pelo homem-dos-tapinhas-nas-cos-
tas. As convicções ...
não os teus lábios” .
Um outro grande problema do desejo de fama
é que, fatalmente, iremos ter inveja de outros que estão
...
trono, no lugar santíssimo, certamente encontraremos
delícias tais que superam em muito o efêmero e enga­
noso prazer da f...
quem aseus olhos é pequeno e tem em nenhumacontaas
maiores honras.” (Op. Cit. pp. 12,16, Círculo do Livro).
Administrando ...
para Jesus, e que sem ele não vales nada?” .
E sempre bom ter presente essa parábola para
nunca esquecermos a advertência ...
O fim de um ministro que deixa a fama infla­
mar sua vaidade, invariavelmente é a queda.
Parafixar:
1 ) 0 que significa o ...
CAPÍTULO VII
A ÉTICA NO TRAMENTO DAS FINANÇAS
Alguns princípios devem ser observados pelo
obreiro no que tange às finanças...
I
despesa e verificar se tem os meios para a concluir?”
b) O desperdício é proibido. Jesus, no epi­
sódio da multiplicação...
padece e dá” (SI 37.21).
e) .A estratégia de José. O obreiro deve
aprender com José. Por divina revelação, ele interpre­
t...
O Lago da Galiléia recebe a água que o Rio Jordão
traz desde as suas quatro nascentes no Monte Hermom
e, a mesma água que ...
o dízimo de Abraão é dado com alegria, pois Deus ama
o que dá com alegria (2 Coríntios 9:7: “Cada um con­
tribua segundo t...
56 ■
CAPÍTULO VIII
A ÉTICA NO TRATAMENTO
COM O SEXO OPOSTO
O Salmo 111, no seu versículo 10 proclama
que “o temor do Senhor é o...
Alguns cuidados devem ser tomados:
a) todos nós, por vezes, sentimos necessidade
de um confidente. Lembre-se: esse confide...
pertar a cobiça sexual em alguém do sexo oposto, além
de expor o cônjuge ao ridículo.
Para fixar de forma definitiva o cui...
barco tocou no cais, o nosso irmão-sem-rede foi o pri­
meiro a saltar em terra e correu à casa do pastor. En­
controu o pa...
CAPÍTULO IX
A ÉTICA NO RELACIONAMENTO
DO OBREIRO COM A IGREJA
A experiência mostra que muitos homens de
Deus, chamados e v...
O obreiro deve liderar, acima de tudo, pelo
seu exemplo. O apóstolo Pedro assim exorta os pasto­
res: “pastoreai o rebanho...
provações que, pelas ciladas dos judeus, me sobrevie­
ram” (At 20.19). Que diferença de muitos obreiros de
hoje, que estuf...
O obreiro deve ser um homem de gentil trato.
Muitas vezes, alguém confunde firmeza com falta de
educação. O homem de Deus ...
na casa de um e de outro. É claro que não estamos
dizendo que o obreiro deve ser um casmurro ermitão,
insociável. Evidente...
66
CAPÍTULO X
ÉTICA NA LIDERANÇA
A liderança que é proveitosa na igreja não é a
liderança natural, imposta ou nata, mas uma l...
Assim como nas organizações humanas (Ex.
PM, Exército, Poder Executivo em geral, etc), Deus es­
tabelece uma cadeia de aut...
murmuração ou bajulação (2 Sm 15. 1-6;
18.15; Jd 8, 16);
3- é reconhecida pelos demais (2 Sm 2. 1-4;
5. 1-4);
4- é exercid...
70
CAPÍTULO XI
A ÉTICA NO RELACIONAMENTO
ENTRE OBREIROS
Estamos em uma época em que a questão do
relacionamento assume prepon...
seja, o obreiro não se relaciona em hipótese alguma e
nem toma conhecimento do que se passa ao redor.
Em geral, três são a...
seja, o seu isolamento impedirá que alguém possa apon­
tar-lhes falhas em seu ministério que, se reconhecidas,
poderão fac...
Porém, sabe-se que não é só a megalomania
que cria “imperialistas”. Existe um mal espiritual cha­
mado soberba. Foi esse m...
A centralização hegemônica gera uma apa­
rência de crescimento. O obreiro sente-se atarefado, os
números crescem, porém, t...
uma idéia, mas sim acha que ele próprio está sendo
contestado e, como ele não pode perder, leva a discus­
são até as últim...
induz o obreiro a cooperar com os seus irmãos
objetivando o bem do reino de Deus na terra.
Essa é a atitude recomendada po...
cooperação, será uma igreja à prova de divisões, pois
nela há lugar para todos crescerem e desenvolverem
seus respectivos ...
estará em pé, porque o Senhor é poderoso para o
suster. Um faz diferença entre dia e dia; outro julga
iguais todos os dias...
4. Evitar liderar por “decretos”, se quiser con­
tinuar gozando da amizades dos seus
cooperadores.
5. Não se constitua “co...
quando pode pôr dez a trabalhar; afinal de
contas, a obra do ministério não é trabalho
dum homem, é uma atividade de todos...
também as suas despesas de viagem e
sempre que possível dê-lhe uma oferta
extra. Ele a receberá não como pagamen­
to do se...
líder para que tenha mensagem para dar à igreja, e
não murmurar daquilo que ele prega (Ef 6.19).
5. Combata toda e qualque...
84
CAPÍTULO XII
A ÉTICA DO OBREIRO COMO CIDADÃO
O obreiro é um cidadão como qualquer ou­
tro. Assim, como cidadão, é normal q...
li
matou milhares de dissidentes. Hoje, temos dois exem­
plos bem claros: nas duas Irlandas, a do Norte e a do
Sul - em qu...
chamados para pregarem a poderosa palavra de Deus,
sejam transformados em meros cabos eleitorais. A ex­
periência históric...
CAPÍTULO XIII
NORMAS GERAIS DE ETIQUETA SOCIAL
A palavra etiqueta, para o nosso estudo, sig­
nifica “formas cerimoniosas d...
Convívio com as mulheres
Deve-se manter discrição no trato, mas man­
ter atos de cortesia, como permitir sua entrada prime...
O patrão ou chefe deve tratar seus irmãos
subordinados como a Cristo, sem fazer ameaças (Ef
6.9), nem atrasar ou diminuir ...
para que, ao menos, se tenha uma boa noção do con­
teúdo dos mesmos. Hm livros best sellers, é interessan­
te ler, pelo me...
os, para não deixar marcas de gordura na borda do
copo durante a refeição.
Pãozinho de couvert é partido com os dedos.
A f...
impessoal. Nunca chamar aos gritos.
Quando receber uma carta, não se deve abri-
la na frente de outra pessoa, ao menos que...
Quando se trata de emprestar dinheiro, existe
sempre um constrangimento. Uma boa medida é a de
não estimular o vício do co...
Manual de ética ministerial
Manual de ética ministerial
Manual de ética ministerial
Manual de ética ministerial
Manual de ética ministerial
Manual de ética ministerial
Manual de ética ministerial
Manual de ética ministerial
Manual de ética ministerial
Manual de ética ministerial
Manual de ética ministerial
Manual de ética ministerial
Manual de ética ministerial
Manual de ética ministerial
Manual de ética ministerial
Manual de ética ministerial
Manual de ética ministerial
Manual de ética ministerial
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Manual de ética ministerial

9.990 visualizações

Publicada em

Manual de ética ministerial

  1. 1. Série Manuais M inisteriais 2a edição
  2. 2. Digitalizado Por
  3. 3. Série ManuaisMinisteriais MANUAL DE ÉTICA MINISTERIAL Pr. Humberto Schimitt Vieira Gravadora e Editora www.gravadoracantares.com.br
  4. 4. O AUTOR Humberto Schimitt Vieira nasceu em Canguçu, RS, em 08 de Janeiro de 1966. Filho de Octavio Rodrigues Vieira e Maria Schimitt Vieira. E casado com a cantora Ana Schimitt. Em relação à vida secular, formou-se em Direito, aos vinte anos de idade, pela Universidade Fede­ ral do Rio Grande do Sul (UFRGS). Exerceu a advocacia, foi assessor de Desembargador Federal e, depois, assumiu os cargos de Coordenador Jurídico e de Planejamento do Tribunal Regional Federal da 4a. Região (Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul) e, por fim, o de Diretor Geral do mesmo Tribunal, cargo que ocupou até ser cha­ mado por Deus para dedicar-se exclusivamente às lides pastorais. Nas lides pastorais, é um dos fundadores e Pre­ sidente da Associação Missionária e Evangelística Heróis da Fé, com trabalhos já realizados em 14 nações. Foi o fundador e pastor do Distrito Cidade Baixa, depois Cen- tro-Sul, da Igreja Evangélica Assembléia de Deus de Porto Alegre. Da Convenção das Igrejas Evangélicas e Pastores da Assembléia de Deus no Estado do Rio Grande do Sul, foi Assessor Jurídico, Presidente do Conselho Fiscal, Relator do Conselho de Doutrina e 2oSecretário da Mesa Diretora. Da Convenção Geral das Assembléias de Deus no Brasil, foi integrante, em dois mandatos, do Conselho de Doutri­ na, tendo exercido, no segundo mandato, a função de Se­ cretário do Conselho. E presidente do “Restoration Ministries”, nos Estados Unidos da América. Presidente da Igreja Pentecostal Assembléia de Deus, Ministério Restauração, no Brasil. Bacharel em Teologia, é conferencis­ ta, editor, professor de Missiologia e autor de diversos livros. 5
  5. 5. 6
  6. 6. DEDICATÓRIA Ao meu amado Senhor, Jesus Cristo, A minha assessora, amiga e esposa, Ana Schimitt, A ti, papai, amigo, compa­ nheiro, esteio nas horas de bata­ lha, A ti, mamãe, minha guar­ diã, guerreira da oração, A uocês, sogros, verdadei­ ros pais, Ao James, mano querido, pela colaboração no Capítulo XIII Ao Enos e a Gládis, ma­ nos e assessores, Aos cunhados e sobrinhos, Ao Pr. Yoshikazu Takaya- maesua digníssima esposa, Mis­ sionária Maria Aparecida Segis- mundo Takayama, A todos os irmãos do Dis­ trito Centro-Sul, da AD de Porto Alegre, verdadeira família. 7
  7. 7. ___________ f___________ Gravadora e Editora www.gravadoracantares.com.br Caixa Postal 798 CEP: 90001-970 POA - RS Televendas: (51) 3241-6226
  8. 8. INDICE PREFÁCIO .............................................................11 CAPÍTULO I Ética Ministerial. Conceito.............13 CAPÍTULO II O Obreiro e Sua Vida......................15 CAPÍTULO III O Obreiro e Sua Família..................19 CAPITULO IV A Ética da Sexualidade no Casamento.....................................29 CAPÍTULO V A Posição Ética da Esposa do Obreiro.............................37 CAPÍTULO VI A Ética no Tratamento com os Três Fs A Ética no Tratamento com a Fama..........................................43 CAPÍTULO VII A Ética no Tratamento das Finanças.........................................51 CAPÍTULO VIIIA Ética no Tratamento com o Sexo Oposto ...........................57 CAPÍTULO IX A Ética no Relacionamento do Obreiro com a Igreja...................61 CAPÍTULO X A Ética na Liderança.......................67 CAPÍTULO XI A Ética no Relacionamento Entre Obreiros...................................71 CAPÍTULO XII A Ética do Obreiro Como Cidadão....................................85 CAPÍTULO XIII Normas Gerais de Etiqueta Social....................................89 9
  9. 9. PREFÁCIO Busca este pequeno manu­ al, de forma sucinta e clara, dar uma uisão abrangente dos diver­ sos aspectos da ética relativa à vida do obreiro cristão. Deforma pedagógica, busca-se demonstrar os cuidados que o servo do Se­ nhor deve tomarpara que se apre­ sente aprovado, como obreiro que não tem do que se envergonhar. Boa e proveitosa leitura! 11
  10. 10. 12
  11. 11. MANUAL DE ÉTICA MINISTERIAL CAPÍTULO I CONCEITO DE ÉTICA MINISTERIAL A ética é o ramo da filosofia que se ocupa com a valorização do comportamento humano. A ética procura responder as questões relaci­ onadas aos valores ideais para uma sociedade feliz e pacífica, tais como “que devo fazer?”, “como devo fa­ zer?” e “como devo agir?” . Assim, a ética cristã procura refletir sobre o comportamento ideal, o “dever ser” do cristão, para uma convivência harmoniosa dentro da igreja. A ética ministerial, por sua vez, irá idealizar os valores necessários para que se vislumbre o com­ portamento também ideal dos ministros da casa de Deus. Para facilitação do estudo, é conveniente que se departamentalize os diversos relacionamentos do obrei­ ro que devem ser regulados pela ética ministerial. 13
  12. 12. Parafixar: 1 ) 0 que é ética? 2) Quais as perguntas que a ética busca resolver? 3) De que se ocupa a ética ministerial? 14
  13. 13. CAPÍTULO II O OBREIRO E SUA VIDA Em relação à vida pessoal, ao menos seis as­ pectos devem ser observados pelo obreiro. A primeira coisa que o obreiro deve entender é que, antes de seu trabalho, Deus quer a sua vida. Por essa razão, a Bíblia adverte para a necessidade que o obreiro deve ter em velar pela sua própria vida. Paulo adverte Timóteo nos seguintes termos: “mas rejeita as fábulas profanas e de velhas. Exercita-te a ti mesmo na piedade” e “tem cuidado de ti mesmo e do teu ensino; persevera nestas coisas; porque, fazendo isto, te salva­ rás, tanto a ti mesmo como aos que te ouvem” (1 Tm 4.7,16). Antes de uma vida de trabalho para Deus, o obreiro deve ter uma vida de intimidade com Deus. Em segundo lugar, o obreiro deve zelar pelo corpo como templo do Espírito Santo e como sua prin­ cipal ‘ferramenta de trabalho’. Esse, talvez, seja um dos maiores problemas do bom obreiro, pois muitas vezes a fadiga do dia-a-dia leva sinceros servos de Deus a 15
  14. 14. terem uma qualidade de vida muito baixa. Como cui­ dados que o obreiro deve ter, salienta-se o zelo pela alimentação saudável e em horários certos, sono ade­ quado tanto em qualidade quanto em quantidade, exer­ cício físico, libertação de qualquer vício, pureza sexual, etc. No tocante ao assunto, a Bíblia é bem clara: “Ou não sabeis que o vosso corpo é santuário do Espírito Santo, que habita em vós, o qual possuís da parte de Deus, e que não sois de vós mesmos?” (ICo 6.19). No mesmo sentido é a palavra escrita em ICo 3.16,17: “Não sabeis vós que sois santuário de Deus, e que o Espírito de Deus habita em vós? Se alguém destruir o santuário de Deus, Deus o destruirá; porque sagrado é o santuário de Deus, que sois vós” . O terceiro aspecto a ser ressaltado é o de que o ministro de Deus deve entender o ministério como vocação divina e a mais excelente das atividades hu­ manas. Todas as profissões podem ser aprendidas, es­ tudadas e conquistadas. Porém, não é assim com o ministério. O ministério, não somos nós que o conquis­ tamos, mas é Deus que nos conquista para ele. “Assim, pois, isto não depende do que quer, nem do que corre, mas de Deus que usa de misericórdia”( Rm 9.16). A Bíblia diz que Cristo “deu uns como apóstolos, e outros como profetas, e outros como evangelistas, e outros como pastores e mestres” (Ef 4.11). O episcopado não pode ser conquistado, mas somente aspirado. A consu­ mação dessa aspiração não depende de nós, mas de Deus. Por isso o obreiro deve valorizar a oportunidade única que recebeu de Deus, lembrando-se que aquilo que o Senhor lhe deu é desejado por muitos que, em- 16
  15. 15. bora com muito esforço, não conseguem obter aquilo que o obreiro recebeu gratuitamente (At 8.19,20). En­ tende-se, assim, a declaração de Paulo, emlTm 3.1, “Fiel é esta palavra: Se alguém aspira ao episcopado, excelente obra deseja” . Deve, portanto, o obreiro, levar a sério a exortação dirigida a Timóteo, na primeira carta do apóstolo Paulo, no capítulo quatro e verso quatorze: “Não negligencies o Dom que há em ti, o qual te foi dado por profecia, com a imposição das mãos do presbítero”. Como quarto item na enumeração, é de se res­ saltar que, no cuidado com a sua vida, o obreiro deve dar especial atenção à valorização do Dom supremo da vida. Como? Transformando em amigo o maior inimigo da vida: “o tempo” . “Portanto, vede diligente­ mente como andais, não como néscios, mas como sá­ bios, usando bem cada oportunidade, porquanto os dias são maus” (Ef 5.15,16). O penúltimo aspecto a ser salientado como cuidado que o obreiro necessita ter em sua vida é o de que, a exemplo dos apóstolos em Jerusalém, o obreiro deve aplicar-se à oração e ao estudo da palavra de Deus (At 6.4). A final, o obreiro deve ser estudioso a ponto de ser ‘apto para ensinar’ (lTm 3.2) e deve considerar a Bíblia como única regra de fé e padrão para sua vida diária. Vejam, ainda, as seguintes advertências de Paulo ao seu filho ministerial: “Tem cuidado de ti mesmo e da doutrina; persevera nestas coisas; porque, fazendo isto, te salvarás, tanto a ti mesmo como aos que te ouvem” (lTm 4.16) e “Toda escritura é divinamente inspirada 17
  16. 16. e proveitosa para ensinar, para repreender, para corri­ gir, para instruir em justiça” (2Tm 3.16). Parafixar: 1) Quais são os seis principais aspectos que o obreiro deve observar em relação a sua vida pessoal? 2) Com qual o aspecto o obreiro deve ter a maior preocupação? 3) Por que o obreiro deve valorizar o ministério? 4) Qual o cuidado que o obreiro deve ter com o tempo? 5) O obreiro espiritual deve estudar? Por quê? 18
  17. 17. CAPÍTULO III O OBREIRO E SUA FAMÍLIA O BOM GOVERNO DA CASA A primeira recomendação bíblica em relação ao obreiro e sua família é a de que deve governar BEM a sua casa. Não basta governar, é necessário que go­ verne bem. (lTm 3.4,5):“que governe bem a sua pró­ pria casa, tendo seus filhos em sujeição, com todo o respeito (pois, se alguém não sabe governar a sua própria casa, como cuidará da igreja de Deus?)” (grifo nosso). Infelizmente muitos ministérios e igrejas têm sido levados à bancarrota por que seus líderes, além de não governarem bem a casa, insistem em passar aos seus filhos a liderança do trabalho, em uma sucessão dinástica, como se ministério fosse hereditário, e não uma chamada diretamente de Deus. Chamamos a essa tcndência de Síndrome de Eli. Esse erro, depois de des­ truir a memória do ministério de Eli, estendeu-se para 19
  18. 18. o seu sucessor Samuel e para o rei Davi. Quantos de­ sastres e quantos sofrimentos tem sofrido a obra de Deus em razão desse motivo. Veja-se a sucessão de desastres no povo de Israel: a) Eli- ISm 3.13; b) Samuel- ISm 8.3; c) Davi- IRe 1.6; A maldição que causa filhos sem governo é tão grande que Deus foi extremamente rígido na maté­ ria, quando estabelecia as leis para o povo aplicar de­ pois da conquista da terra prometida. Veja-se Dt 21.18- 21: “Se alguém tiver um filho contumaz e rebelde, que não obedeça à voz de seu pai e à voz de sua mãe, e que, embora o castiguem, não lhes dê ouvidos, seu pai e sua mãe, pegando nele, o levarão aos anciãos da sua cidade, e à porta do seu lugar; e dirão aos anciãos da cidade: Este nosso filho é contumaz e rebelde; não dá ouvidos à nossa voz; é comilão e beberrão. Então to­ dos os homens da sua cidade o apedrejarão, até que morra; assim exterminarás o mal do meio de ti; e todo o Israel, ouvindo isso, temerá.” Para que alguém possa governar bem a sua casa, a Bíblia estabelece alguns princípios: a)Ensino - Dt 6.6-9: “E estas palavras, que hoje te ordeno, estarão no teu coração; e as ensinarás a teus filhos, e delas falarás sentado em tua casa e an­ dando pelo caminho, ao deitar-te e ao levantar-te. Tam­ bém as atarás por sinal na tua mão e te serão por fron­ 20
  19. 19. tais entre os teus olhos; E as escreverás nos umbrais de tua casa, e nas tuas portas.” b) Oração- Jó 1.5; Gn 17.18; lCr 29.19. “E sucedia que, tendo decorrido o turno de dias de seus banquetes, enviava Jó e os santificava; e, levantando- se de madrugada, oferecia holocaustos segundo o nú­ mero de todos eles; pois dizia Jó: Talvez meus filhos tenham pecado, e blasfemado de Deus no seu coração. Assim o fazia Jó continuamente.” (Jó 1.5). c) Disciplina- Pv 22.15; 29.19: “A estultícia está ligada ao coração do menino; mas a vara da correção a afugentará dele” e “A vara e a repreensão dão sabedoria; mas a criança entregue a si mesma en­ vergonha a sua mãe.” E certo que a Bíblia defende a disciplina, po­ rém há limites estabelecidos. São eles: 1- Limite de idade. A disciplina deve ser apli­ cada quando a criança é pequena. Justa­ mente nessa época, muitos pais deixam de aplicar a disciplina no “anjinho” . Depois, quando chega na adolescência, completa­ mente indisciplinado, muitos pais se deses­ peram com o “demoninho” que eles mes­ mos criaram. A árvore se endireita enquan­ to é nova e flexível. Depois do tronco en­ grossar, não há o que faça endireitar-se. Vale bem a advertência de Pv 13.24: “Aquele que poupa a vara aborrece a seu filho; mas quem o ama, a seu tempo o castiga” (grifamos). 21
  20. 20. 2- A disciplina deve ser aplicada com espírito de mansidão, e não sob o efeito da ira. A disciplina aplicada com ira tem efeito in­ verso, e causa mais violência. Veja-se o que diz a Bíblia em Ef 6.4: “E vós, pais, não provoqueis à ira vossos filhos, mas criai- vos na disciplina e admoestação do Se­ nhor.” 3- A aplicação da disciplina jamais deve ofen­ der a integridade física da criança. Pv 19.18: “Corrige a teu filho enquanto há es­ perança; mas não te incites a destruí-lo.” 4- O instrumento utilizado na disciplina não pode ser apto a provocar danos físicos. Pv 23.13: “Não retires da criança a discipli­ na; porque fustigando-a tu com a vara, nem por isso morrerá.” d) Exemplo. Mais do que disciplinar, gover­ nar bem a casa significa dar o exemplo- IPe 5.2,3; lRs 9.4; 2Crl7.3; 2Cr 26.4. Vale a pena transcrever a pas­ sagem de IPe 5.2,3: “Apascentai o rebanho de Deus, que está entre vós, não por força, mas espontaneamen­ te segundo a vontade de Deus; nem por torpe ganân­ cia, mas de boa vontade; nem como dominadores so­ bre os que vos foram confiados, mas servindo de exem­ plo ao rebanho.” e) Respeito. Governar bem a casa também significa respeitar e impor respeito em relação aos fi­ lhos: “Vós, filhos, sede obedientes a vossos pais no Senhor, porque isto é justo. Honra a teu pai e a tua 22
  21. 21. mãe (que é o primeiro mandamento com promessa), para que te vá bem, e sejas de longa vida sobre a terra” (Ef 6.1-3) f) Transculturação. O que é transculturação? E o processo por meio do qual alguém ultrapassa a sua cultura e se adapta a uma nova cultura. Mas o que é cultura? Pode-se dizer que cultura é todo o meio ambi­ ente criado ou modificado pelo ser humano. Ou seja, o conjunto de todas as marcas humanas deixadas no meio ambiente formam a cultura de um povo ou comu­ nidade. Ora, hoje, mais do que em toda a história da humanidade, temos uma extraordinária transformação da cultura, em especial nas grandes cidades dos países desenvolvidos e em desenvolvimento. Em trinta anos, as marcas humanas em uma mesma cidade têm se al­ terado tanto que se uma pessoa passou todo esse perí­ odo sem visitar a cidade, quando volta, poderá pensar que está em outra região ou até em outro país! Há trin­ ta anos, no Brasil, por exemplo, o fusca era considera­ do um “carrão”, a música era diferente, a linguagem era diferente, o regime político era diferente (ditadura), nem se pensava nos gigantescos e modernos “shopping centers”, telefone celular só existia em filme de ficção científica, as escadas rolantes eram o último grito de tecnologia e havia pessoas que viajavam para andar em uma, andar de avião era somente para ricos, os brinquedos das crianças eram de madeira, lata ou de plástico grosseiro, a violência urbana era quase inexistente, as drogas recém estavam entrando por meio do movimento hippie, os sapatos dos estudantes eram as congas e os kichutes (experimente dar uma conga 23
  22. 22. para o seu filho ir à escola, para ver o que acontece!), computador era coisa do outro mundo, etc. Agora, ima­ gine a mudança que existe entre a cultura em que os pais vivenciaram na infância e a cultura que os filhos enfrentam. A diferença aumenta mais em famílias de migrantes, que mudaram de região ou de imigrantes que mudaram de país. Porém, nós temos a tendência de analisar as experiências dos outros a partir das ex­ periências que nós tivemos. Porém, quando se trata de pais e filhos, os pais não podem se basear nas suas próprias experiências, pois elas foram passadas em uma outra cultura, em um mundo diferente. As idéias eram outras, os problemas eram outros, a coisas eram dife­ rentes. Assim, os pais devem procurar fazer uma imersão na cultura onde seus filhos estão inseridos e entender os seus filhos a partir da experiência que as crianças estão experimentando. Isso é transculturação. Porém, é impossível que os pais possam captar todas as mudanças, e até mesmo aceitar as mudanças, até porque uma boa parte delas não são boas e não po­ dem ser aceitas. Por isso, em um lar cristão, os filhos também devem ouvir os pais e entender a mensagem que eles tem para passar de suas experiências em uma outra cultura, que embora tecnologicamente mais atra­ sada, em muitos aspectos têm valores excelentes que foram perdidos pela “nova cultura” . Isso também é transculturação. Assim, é da troca de valores das duas culturas que vai se chegar a um denominador comum proveitoso para toda a família. Deus está interessado nessa transculturação, nessa quebra de barreira entre as gerações. É o próprio Deus que afirma que o Espíri­ 24
  23. 23. to Santo “converterá o coração dos pais aos filhos, e o coração dos filhos a seus pais; para que eu não venha, e fira a terra com maldição” (Ml 4.6). Pais e filhos, marido e esposa, toda a família deve pedir a Deus que, assim como o Senhor converte o nosso coração ao coração dele, converta também os corações dos membros da família uns aos outros g) Sabedoria. Para que governe bem a sua casa, o obreiro precisa de sabedoria. Ora, nós temos ao nosso alcance a fonte da sabedoria:“... se algum de vós tem falta de sabedoria, peça-a a Deus, que a todos dá liberalmente e não censura, e ser-lhe-á dada.”(Tg 1.5). DEVERES CONJUGAIS No cuidado com o seu cônjuge, o obreiro deve satisfazer os deveres conjugais. Entre os deveres conju­ gais do marido para com a esposa, podem ser citados como principais os que se seguem: a) Fornecer o sustento- Gn 3.19: “Do suor do teu rosto comerás o teu pão, até que tornes à terra, porque dela foste tomado; porquanto és pó, e ao pó tornarás.” b) Prestarfidelidade- Ml 2.14,15: “... o Se­ nhor tem sido testemunha entre ti e a mulher da tua mocidade, para com a qual procedeste deslealmente sendo ela a tua companheira e a mulher da tua aliança.” c) Respeito- IPe 3.7: “Igualmente vós, ma­ ridos, vivei com elas com entendimento, dando honra à mulher, como vaso mais frágil, e como sendo elas 25
  24. 24. herdeiras convosco da graça da vida, para que não sejam impedidas as vossas orações.” d) Satisfação sexual- ICo 7.3-5: “O mari­ do pague à mulher o que lhe é devido, e do mesmo modo a mulher ao marido. A mulher não tem autorida­ de sobre o seu próprio corpo, mas sim o marido; e tam­ bém da mesma sorte o marido não tem autoridade so­ bre o seu próprio corpo, mas sim a mulher. Não vos negueis um ao outro, senão de comum acordo pôr al­ gum tempo, a fim de vos aplicardes à oração e depois vos ajuntardes outra vez, para que Satanás não vos tente pela vossa incontinência.” e) Amor- Cl 3.19: “Vós, maridos, amai a vos­ sas mulheres, e não as trateis asperamente.” O amor deve ser exteriorizado - lJo 3.18, Ef 5.25. Se o amor é ordenado por Deus, isso significa que Ele, por sua graça, poderá supri-lo, desde que o casal o peça. Já como deveres conjugais da esposa para com o marido pode-se apontar, como principais, os seguintes: a) Prover um lar agradável- Pv 31.27: “Olha pelo governo da sua casa, e não come o pão da preguiça.” b) Amor- Tt 2.4: “para que ensinem as mu­ lheres mais novas a amarem aos seus maridos e filhos” - embora seja mais saliente nas mulheres, o amor deve ser orientado. Orientado a evitar o ciúme, por exemplo. c) Sujeição- Ef 5.22; Cl 3.18; IPe 3.1 26
  25. 25. É mandamento com sinal: ICo 11.3-16. As­ sim, a sujeição confere à mulher a autoridade espiritu­ al delegada ( Tg 4.7). d) Satisfação sexual (ICo 7.5) . Parafixar: 1) Cite seis princípios para o bom governos da casa. 2) Enumere os deveres que o cônjuge do seusexo tem em relação ao outro cônjuge. 3) O que significa transculturação dentro do lar? 4) A falta de amor pode ser alegada pelo casal cristão como motivo de separação? Por quê? 27
  26. 26. li I I I
  27. 27. CAPÍTULO IV A ÉTICA DA SEXUALIDADE NO CASAMENTO FINALIDADE DO SEXO NO CASAMENTO A primeira finalidade do sexo no casamento é a reprodução (Gn 1.27, 28). Porém, essa não é a única finalidade. Se assim fosse, o ser humano, tal como os animais, teria o período do cio, quando a mulher se encontraria no período fértil e somente aí haveria o in­ teresse sexual. A Bíblia ensina que, além do fator reprodutivo, o sexo foi criado para a satisfação e união do casal (Ct 1.2; Pv 5.15-19; 1 Co 7.2,5). A ÉTICA DO PLANEJAMENTO FAMILIAR A finalidade do sexo como complemento da vida a dois - e não só com o fim de reprodução- justi­ fica o controle da natalidade no planejamento familiar. Alguns questionamentos surgem em relação 29
  28. 28. aos métodos de controle de natalidade. A objeção mais comum é a de que a Bíblia, no caso de Onã, condena tal atitude. No caso de Onã, o pecado estava no egoís­ mo. Ou seja, o que lhe dava o direto de praticar sexo com a viúva de seu irmão era a necessidade de trazer à luz um filho que perpetuasse o nome do irmão falecido. No entanto, egoisticamente, ele aceitou a prática sexu­ al sem querer desincumbir o papel que era a única ra­ zão que lhe dava o direito de coabitar com a viúva (Gn 38. 8-10). O sexo não é para ser gozado egoisticamente pelos cônjuges, ele não visa ao prazer sexual de somen­ te um dos parceiros. Esse é um dos aspectos condená­ veis da masturbação ou de outras formas corrompidas da prática de sexo em que um dos cônjuges trata o outro como se fosse mero objeto. Outra alegação contra os métodos de contro­ le de natalidade é a de que, ao evitar filhos, o casal poderia estar indo contra a vontade de Deus. Ora, tal alegação não procede porque a concepção é um ato de vontade humano (Jo 1.13) e, por isso, o método contraceptivo não ofende a vontade de Deus. Após a criação de Adão e Eva, a única concepção em que houve a interferência direta de Deus foi a do Senhor Jesus Cristo (Mt 1.18). Porém, isso não impede que Deus venha interferir indiretamente nesse processo (1 Sm 1.3 e Jr 1.5). Nesses casos, ainda que o casal não busque a concepção de um filho, Deus poderá interferir medi­ ante seu poder. É comum ouvir-se de casos em que uma mulher engravida mesmo utilizando métodos contraceptivos. 30
  29. 29. Assim, a concepção de uma criança, normal­ mente, é um fato que acontece dentro da órbita da von­ tade permissiva de Deus, e não significa que seja a vontade soberana de Deus. Ou seja, uma vez tendo dado a vida, Deus concedeu ao ser humano a possibi­ lidade de, por um ato de única responsabilidade do homem, transmitir aos seus descendentes o fôlego de vida soprado sobre Adão. Se pensarmos diferentemen­ te, estaremos contrariando a Bíblia em diversos aspec­ tos no tocante à doutrina da salvação. Em primeiro lu­ gar, se admitirmos que a concepção de todas as crian­ ças é um ato da vontade soberana de Deus, então, ne­ cessariamente teremos que admitir que Deus não é amor, pois ele estaria criando crianças que, em sua presciência, sabe que irão para o inferno. Nesse caso, teríamos que admitir que Deus predestina uns para o inferno e uns para a salvação. Ou seja, se Deus, mes­ mo sabendo que uma criança iria futuramente para o inferno, por ato de sua vontade soberana, criasse esse ser humano, teríamos que admitir que, nesse caso a vontade de Deus seria a futura perdição daquele feto. Ora, essa declaração fere frontalmente expressa dispo­ sição da Bíblia que, em 1 Tm 1.3, 4 diz: “Porque isso é bom e agradável diante de Deus nosso Salvador, que quer que todos os homens se salvem, e venham ao co­ nhecimento da verdade” . Duas evidências ainda demonstram que Deus permite a tentativa de interferência humana na con­ cepção: a) mesmo já existindo métodos contraceptivos 31
  30. 30. na antigüidade, como no caso de Onã, a Bíblia não tece qualquer reprovação ao controle de natalidade; b) Se fosse condenável a tentativa de imp dir, também seria condenável a tentativa de induzir a concepção por métodos artificiais, o que não ocorria - Gn 30.14 e Ct 7.13. As mandrágoras de que fala a pa­ lavra de Deus, eram usadas pelas mulheres hebréias como indutores de fertilidade. Porém, uma advertência deve ser feita em re­ lação ao controle de natalidade. Há os métodos contraceptivos também chamados de anticoncepcio­ nais, que impedem a concepção da criança, ou seja, impedem que o espermatozóide (célula reprodutiva masculina) se una ao óvulo (célula reprodutiva femini­ na). Em relação a esses, como já dissemos, não vemos qualquer oposição divina. Dentre esses métodos, des­ tacam-se quatro: a) tabelinha- por esse método, o casal bus­ ca não manter relações sexuais no período fértil da mu­ lher, calculado de acordo com uma tabela que leva em conta o ciclo menstrual da mulher; b) preservativos- consiste na oposição de barreira mecânica ao contato dos espermatozóides com o óvulo. Ex.: camisinha e gel; c) pílula anticoncepcional- por meio des­ ses medicamentos, a liberação do óvulo do ovário para as trompas é impedida, impossibilitando-se, assim, a concepção do novo ser; d) cirurgia- a cirurgia, no homem, consiste na interrupção do canal que conduz os espermatozóides 32
  31. 31. desde o testículo até a vesícula seminal. Na mulher, consiste na ligadura ou interrupção das trompas, im­ pedindo que o óvulo desça desde os ovários em direção ao útero. No caso de desejar o controle de natalidade, o casal deve buscar orientação médica a fim de averi­ guar os prós e os contras de cada método, pois a eficá­ cia e os efeitos colaterais variam de casal para casal. No entanto, há os métodos que, depois da con­ cepção, buscam destruir as células resultantes da jun­ ção do óvulo com um dos espermatozóides. São os chamados métodos abortivos. Ora, sabemos que a vida é uma concessão divina - 1 Sm 2.6 - e, por isso, não pode ser destruída (Ex 20.13). A questão é saber quan­ do começa a vida. Será que imediatamente, ou nos primeiros dias após a concepção, quando o ovo ou zigoto é apenas um amontoado de células, sem uma forma definida, já se pode dizer que há vida? A pala­ vra de Deus responde: “Os teus olhos me viram a subs­ tância ainda informe, e no teu livroforam escritos todos os meus dias, cada um deles escrito e determinado, quando nem um deles havia ainda” (SI 139.16). Isto é, desde o momento da concepção, quando somos mas­ sa ainda informe, o Senhor já não nos olha mais como células, mas como um novo ser, com vida própria e um plano para as nossas vidas. Os métodos abortivos, por­ tanto, quaisquer que sejam, no nosso entender, ofen­ dem a vontade divina. Os métodos abortivos mais comuns são o dispositivo intra-uterino (DIU), a pílu­ la do dia seguinte e os métodos invasivos, que des- troem o feto. 33
  32. 32. A ÉTICA NA RELAÇÃO SEXUAL ENTRE OS CÔNJUGES Como fator de comunhão do casal, o sexo deve obedecer alguns princípios: a- Deve servir de prazer para ambos (1 Co 7.4); b- Sua promoção é dever de ambos (Ct3.1-4); c- No seu cultivo, deve ser exaltado o roman­ tismo acima da rotina do dia-a-dia (Ct 5. 3-6). “O sexo começa na mente ... e termina na mente”. d- Cada um deve falar ao outro sobre seus sonhos e preferências (Ct 7. 1-8; 8.2-3). Alguns conselhos são dados para os casais que não adquiriram tal liberdade: “1. Ore pedindo a direção e orientação de Deus. 2. Procure um momento que seja favoráv^, para seu cônjuge; isto é, quando não te­ nham que conversar apressadamente, nem possam ser interrompidos. 3. Certifique-o do seu amor, e depois, com bon­ dade, exponha seus verdadeiros sentimen­ tos. Diga-lhe que você julga haver algo de errado em seu relacionamento conjugal, e que gostaria de conversar com ele a respeito. 4. O maior passo no sentido de solucionar-se um problema é ambos os cônjuges reco­ nhecerem a sua existência. Se você encon­ tra dificuldades para conversar sobre sexo, é bem provável que tenha dificuldade em conversar sobre muitos assuntos também. 5. Procure fazer com que seu cônjuge leia este 34
  33. 33. livro e converse com você a respeito. 6. Creia que haverá uma solução. Não apre­ sente um quadro sombrio da situação; você pode superar o problema com auxílio divi­ no (Fp 2.13). 7. Se o problema persistir, tenham uma con­ versa com o pastor, os dois juntos” (Res­ postas Francas sobre o Sexo no Casamen­ to, Tim e Beverly LaHaye, Ed. Betânia). e- Liberte a sua consciência de qualquer in­ fluência que projete sobre o sexo no casamento uma idéia de sujeira. O sexo no casamento é bênção de Deus: 1 Co 7.5.7; Ec 9.9; Hb 9.14. Parafixar: 1) Quais as duas finalidades do sexo no casa­ mento? 2) Cite três razões que justificam o planejamento familiar. 3) Qual a diferença, diante de Deus, entre méto­ do anticoncepcional e método abortivo. 4) Enumere cinco princípios que o casal deve observar para que o sexo sirva de fator de co­ munhão entre ambos os cônjuges, e disserte sobre um desses princípios. 35
  34. 34. 36
  35. 35. CAPÍTULO V A POSIÇÃO ÉTICA DA ESPOSA DO OBREIRO O obreiro deve observar que a esposa não é pastora e, em relação a outros ministérios, nem sempre tem o mesmo ministério do marido. Há pelo menos três perigos que cercam uma mulher na condição de esposa de um líder espiritual. Tais perigos rondam to­ das as esposas de líderes, porém, quando o marido é um líder espiritual, as conseqüências geradas assumem proporções mais desastrosas, pois o que está em jogo são almas imortais. Aqui, estaremos enfocando a mu­ lher como esposa de um líder. Com isto, não estamos dizendo que os homens são imunes às sindromes que apontaremos quando é a esposa que é líder. Ao cabo dessa introdução, é essencial que se conceitue o que é uma síndrome. Segundo o Novo Di­ cionário da Língua Portuguesa, de Aurélio Buarque de Holanda Ferreira, síndrome pode ser entendida como “estado mórbido caracterizado por um conjunto de si­ nais e sintomas, e que pode ser produzido por mais de 37
  36. 36. uma causa” . Io PERIGO - A síndrome de Jezabel. A Bíblia diz que o rei Acabe desejou ter a vi­ nha do súdito Nabote. Como Nabote lhe resistiu, vol­ tou desolado para casa (1 Re 21.4). Jezabel, então, não aceitando a desfeita havida em relação ao cargo ocu­ pado por seu marido, tomou-lhe as dores, arvorando- se em sua defensora. A partir daí, o zelo de esposa feri­ da cegou-lhe o bom senso e, como fera acuada, pas­ sou a agir de maneira contrária aos princípios divinos. A ação de Jezabel, apesar de procurar o bem de seu marido, gerou a destruição de seu reinado (1 Re 21.19). E comum que no ministério, o líder eclesiásti­ co sofra desfeitas, perseguições, lutas, etc. Nesse mo­ mento, a esposa sofre junto com seu marido e, muitas vezes, tal como Jezabel, sente o impulso de agir em defesa de seu amado. Quando a esposa assim o faz, tem início um processo de decadência do ministério. Por quê? (1) Porque o marido sai de uma posição de liderança para uma posição de subalternidade, tornan- do-se um protegido ao invés de um protetor. Afinal, quem vai respeitar um líder que precisa que sua esposa bri­ gue para que não perca a liderança? (2) Porque ao agir assim, a esposa sai de uma posição espiritual de des­ canso em Deus e passa a agir na carne, na sua força própria. Tal atitude afasta o Espírito Santo, retira a proteção de Deus e toda a sorte de problemas come­ çam a acontecer. (3) Porque quando agimos feridos, cometemos injustiças, não compreendendo o porquê da atitude tomada pela pessoa que reprovamos. No caso de Jezabel, sua ira impediu que compreendesse 38
  37. 37. que a negativa de Nabote não correspondia a uma afronta ao rei, mas tratava-se do cumprimento da lei dada por Moisés. Pode alguém perguntar: “Mas se a esposa vê seu marido sofrer deve ficar insensível?” E claro que não. Porém, sua atitude deve ser a de lutar com Deus. Ela deve agir com idoneidade e não como uma adoles­ cente descontrolada, capaz de fazer qualquer fiasco para ver seus desejos cumpridos. Quantos líderes têm sido desprezados pela igreja e pelos seus próprios colegas por terem uma esposa que se arvora no título de defen­ sora dos interesses do marido, agindo de forma deselegante, sem ética e com sentimentos carnais, in- trometendo-se em assuntos ministeriais e até procurando interferir em decisões convencionais. 2o PERIGO - Síndrome de Herodias. Embora Herodias não fosse esposa, mas sim amante de Herodes, sua atitude bem retrata uma ar­ madilha que tem destruído a posição de muitos líde­ res, tanto dentro como fora da igreja. Em que consiste tal síndrome? E o estado em que se encontra a mulher que se aproveita da posição de liderança do marido para tirar proveito próprio. Herodias se aproveitou da lide­ rança de Herodes para provocar a morte de João Ba­ tista (Mt 14.8). Em cada país temos o exemplo de políticos que tiveram suas vidas desgraçadas por esposas que sofriam dessa síndrome. Sofrendo dessa síndrome, temos igualmente o exemplo de mães que buscam a colocação de seus 39
  38. 38. filhos “encostando-os” na igreja. Devemos nos lembrar que, na posição de lí­ deres do rebanho de Deus, devemos assumir a posição de exemplos e não de dominadores, como se fôssemos donos da igreja (1 Pe 5. 2,3). Tal síndrome leva o líder a cometer abusos in­ toleráveis, como, no caso de Herodes, a decapitação de João Batista. Há coisas que, mesmo tentado, o líder resiste. Porém, quando incentivado pela mulher ou pela família acaba cedendo. 3o PERIGO - Síndrome de Timna e Dalila Timna foi onde morava a primeira esposa de Sansão. Conta-nos o relato bíblico que essa mulher lu­ tou até descobrir a resposta do enigma proposto por Sansão aos convidados da festa de casamento para, logo após, revelá-lo aos quatro ventos (Jz 14. 16,17). De igual forma, Dalila buscou e conseguiu des­ cobrir o segredo da força de Sansão. De posse do se­ gredo, causou a destruição do homem que a amava (Jz 16.15-18). A arma usada por essas duas mulheres é a mais conhecida arma feminina. Porém, apesar de ve­ lha, continua sempre eficiente: é a chantagem emocio­ nal. A mulher de Timna dizia “tão somente me aborre­ ces e não me amas”. Dalila reclamava falando: “como dizes que me amas, se não está comigo o teu coração?” Infelizmente há esposas de líderes que sofrem dessa síndrome de descobridoras de segredos, tanto lí­ deres espirituais como líderes seculares. Quando o marido chega de uma reunião de diretoria ou de minis­ tério, lá está a moça de Timna perguntando “o que acon­ 40
  39. 39. teceu? O que foi falado? Como ficou o caso da fulana? Para mim tu podes contar, afinal nós somos uma só carne. Se tu me amas tu vais me contar”. Após, já senhora do segredo, a moça de Timna não vê a hora de encontrar-se com aquela irmã “bem espiritual” para “pedir oração” sobre o assunto. Vejam, ela não “revela” o segredo, apenas “pede oração” . Temos que entender que todo o líder, quer ecle­ siástico ou não, é uma caixa de segredos, especialmen­ te o líder espiritual, que é um receptáculo de confissões e confidências. A revelação de tais confissões levará, seguramente, à desmoralização e destruição de seu ministério. Parafixar: 1- Cite as três síndromes que podem pertur­ bar uma esposa de obreiro e, sinteticamen­ te, disserte sobre cada uma delas. 41
  40. 40. 42
  41. 41. CAPÍTULO VI A ÉTICA NO TRATAMENTO COM OS TRÊS “Fs” Os três “efes” são os três perigos que mais têm derrubado obreiros. Eles são o “F” de fama, o “F” de finanças e o “F” de feminino. No caso de obreiras, evidentemente o último “F” será “M” , ou seja, o perigo existirá no trato com o sexo masculino. É sobre o estu­ do dessa matéria que nos dedicaremos neste e nos dois próximos capítulos. A ÉTICA NO TRATAMENTO COM A FAMA OU POPULARIDADE. Quanto ao problema da fama, a questão se divide em duas partes: (a) o desejo de obter fama ou popularidade e (b) a administração da popularidade. O Desejo de Fama O desejo de fama ou popularidade ou, em outras palavras, o desejo de glória dos homens, é uma 43
  42. 42. das mais sutis e terríveis armadilhas para o obreiro do Senhor. Foi esse desejo de posição que levou Satanás a cair dos céus. Disse ele: “Eu subirei ao céu; acima das estrelas de Deus exaltarei o meu trono e no monte da congregação me assentarei, nas extremidades do Norte; subirei acima das mais altas nuvens e serei se­ melhante ao Altíssimo” .Ao que Deus respondeu: “Con­ tudo, serás precipitado para o reino dos mortos, no mais profundo do abismo”(Is 14.13-15). Quando desejamos glória e fama, deixamos de ser fiéis a Deus e passamos a ser guiados pelas con­ veniências. Deixamos de agir guiados pelo Espírito Santo para agirmos politicamente. Deixamos de pre­ gar o que Deus quer que preguemos para pregar o que o povo quer ouvir. Deixamos de agradar a Deus para agradar aos homens. Preferimos o aplauso humano em vez da aprovação de Deus. Preferimos o ruído dos aplau­ sos em lugar o silêncio do quarto de oração. Preferimos os holofotes da ribalta em detrimento dos momentos em oculto com o Pai. O desejo de fama tira a nossa ousadia e, em conseqüência, a nossa fé. Foi o próprio Senhor Jesus quem afirmou para os fariseus: “Eu não aceito glória que vem dos homens;... Como podeis crer, vós os que aceitais glória uns dos outros e, contudo, não procurais a glória que vem do Deus único?” (Jo 5.41,44). Todos nós estamos inseridos dentro de um sis­ tema religioso. O desejo de ter glória e ocupar posição nesse sistema normalmente leva o obreiro a abrir mão de princípios de espiritualidade e de uma vida de inti­
  43. 43. midade com Deus. O homem de verdade, o profeta de Deus, é substituído pelo homem-dos-tapinhas-nas-cos- tas. As convicções cedem lugar às conveniências e o alvo deixa de ser as almas para ser as posições na or­ ganização eclesiástica. O grande apóstolo Pedro foi ví­ tima dessa armadilha, pois, para ficar bem com os ho­ mens do “sistema”, de tendência judaizante, que tinham vindo de Jerusalém a Antioquia, trocou de lado e, de uma hora para outra, deixou de comer com os gentios, coisa que até então vinha fazendo normalmente. Essa atitude já fez com que muitas igrejas esfriassem e per­ dessem o avivamento, pois ninguém teve coragem de denunciar o mal quando ainda poderia haver solução para a secularização da igreja. Assim, todos ficam com medo de desagradar e ninguém se arrisca a ser o “cha­ to”, o “santarrão-desmancha-prazer” . O desejo de fama leva o obreiro a se tornar soberbo e cheio de vanglória. Transforma o evangelista em “evangelástico”, sempre exagerando o acontecido nos trabalhos em que prega. Jesus também deu exem­ plo nisso. Diz a Bíblia, em Mc 7.34-36, que Jesus, ao ministrar a cura para um surdo, “erguendo os olhos ao céu, suspirou e disse: Efatá!, que quer dizer: Abre-te! Abriram-se-lhe os ouvidos, e logo se lhe soltou o empe­ cilho da língua, e falava desembaraçadamente. Mas lhes ordenou que a ninguém o dissessem; contudo, quanto mais recomendava, tanto mais eles o divulgavam”. Passagens com idêntica atitude da parte de Jesus en­ contramos também em Mt 8.4; Mc 5.43; Mc 8.30; Lc 8.56; Lc 9.21. Em Provérbios 27.2, a Bíblia diz: “Seja outro o que te louve, e não a tua boca; o estrangeiro, e 45
  44. 44. não os teus lábios” . Um outro grande problema do desejo de fama é que, fatalmente, iremos ter inveja de outros que estão com o mesmo propósito nosso. Isso levará o nosso mi­ nistério a um inferno, pois estaremos sempre na ânsia de superar os nossos competidores. Por isso a Bíblia nos adverte: “Se vivemos no Espírito, andemos tam­ bém no Espírito. Não nos deixemos possuir de vanglória, provocando uns aos outros, tendo inveja uns dos ou­ tros” (G1 5.25,26). Quanta guerra, quantos feridos, quanto prejuízo na obra de Deus é provocado pelo de­ sejo de fama e posição! A final, sem que com isso se pretenda esgotar a enumeração de todos os prejuízos causados pelo de­ sejo de fama, aponta-se como perigo da fama o envolvimento do obreiro com o secularismo, especial­ mente com a política, deixando de lado a preciosa cha­ mada recebida de Deus. Jesus também sofreu essa ten­ tação. Ao final de quarenta dias de oração e jejum, o diabo lhe ofereceu os reinos do mundo e a glória deles. Porém, Jesus o repreendeu. Em Jo 18.36, Jesus afirma diante de Pilatos: “O meu reino não é deste mundo. Se o meu reino fosse deste mundo, os meus ministros se empenhariam por mim, para que não fosse eu entre­ gue aos judeus; mas agora o meu reino não é daqui” . Em Jo 6.15, a Bíblia diz que “sabendo, pois, Jesus que estavam para vir com o intuito de arrebatá-lo para o proclamarem rei, retirou-se novamente, sozinho, para o monte”. Ah, o segredo para vencer o desejo de fama está aqui revelado por Jesus: retirar-se, sozinho, para o monte. No monte da oração, a sós com Deus, junto ao 46
  45. 45. trono, no lugar santíssimo, certamente encontraremos delícias tais que superam em muito o efêmero e enga­ noso prazer da fama. Essas delícias, certamente, nos farão esquecer a loucura de perseguir um alvo tão fútil e fugaz como posições e popularidade. O monge To­ más de Kempis, nascido na Alemanha em 1380, autor do livro “Imitação de Cristo”, um dos mais célebres li­ vros já publicados, escreveu, nessa mesma obra: “ ‘Vai­ dade das uaidades, tudo é vaidade’ (Ecl 1,2), exceto amar a Deus e só a Ele servir. A suprema sabedoria consiste em tender o reino dos céus pelo desprezo do mundo. Vaidade é, pois, amontoar riquezas perecíveis e nelas pôr a sua confiança. Vaidade, é também ambicionar honras e desejar posições de destaque. Vaidade, seguir os apetites da carne e desejar aquilo pelo que, depois, serás severamente castigado. Vaidade desejar longa vida e não cuidar que seja boa. Vaidade preocupar-se só com a vida presente e não prever o que há de vir depois. Vaidade é amar o que tão depressa passa e não deman­ dar pressuroso a felicidade que sempre dura. Lembra- te com freqüência do provérbio: ‘Os olhos não se far­ tam de ver, nem os ouvidos de ouvir’ (Ecl 1.8). Procura desviar teu coração das coisas visíveis e transportá-lo às invisíveis. Porque os que seguem a própria sensuali­ dade mancham a consciência e perdem a graça de Deus ... Oh! Como passa depressa a glória do mundo! ... Quantos, neste mundo, descuidados do serviço de Deus, se perdem por uma ciência vã! ‘Esvaeceram em suas cogitações’ (Rom 1,21) porque antes quiseram ser gran­ des que humildes. Verdadeiramente grande é aquele que tem grande caridade. Verdadeiramente grande é 47
  46. 46. quem aseus olhos é pequeno e tem em nenhumacontaas maiores honras.” (Op. Cit. pp. 12,16, Círculo do Livro). Administrando a Popularidade Como vemos em Mc 7.36, quando o poder de Deus se manifesta na vida de alguém, mesmo que o vaso de Deus não queira, logo se tornará conhecido. Porém, o verdadeiro servo de Deus deverá man­ ter a postura de João Batista quando assim disse a res­ peito de Jesus: “Convém que ele cresça e que eu dimi­ nua” (Jo 3.30). Nunca podemos esquecer que a fama de um servo de Deus não se dá pelo que ele faz ou é, mas pelo que Deus faz por meio dele. Um jogador, artista, cien­ tista ou seja lá que profissão desempenhar uma pes­ soa, será famoso pelos seus dotes ou talentos. Não se dá assim com um ministro de Deus. Sobre o assunto, vem a calhar uma conhecida parábola no meio evan­ gélico. Conta-se que o jumento que conduziu Jesus na entrada triunfal em Jerusalém, entusiasmado com a aclamação popular, depois de ser liberado por Jesus, correu a contar para a sua mãe sobre a sua repentina fama. Ante a incredulidade da jumenta-mãe, o jumentinho, querendo demonstrar a sua popularidade, entrou com estardalhaço em meio aos mercadores da feira. Surpreendentemente (para o jumentinho), os fei­ rantes espantaram-no com paus e pedras. Humilhado e desconsolado, o jumentinho volta cabisbaixo e houve o seguinte comentário da velha jumenta: “Oh, meu fi­ lho, como foste tolinho, não sabes que os aplausos eram 48
  47. 47. para Jesus, e que sem ele não vales nada?” . E sempre bom ter presente essa parábola para nunca esquecermos a advertência do mestre: “sem mim nadapodeisfazer” (Jo 15.5). O perigo de usurparmos a glória que pertence a Deus é terrível. Que o diga o rei Herodes. Ao aceitar a glória que pertencia a Deus, “no mesmo instante, um anjo do Senhor o feriu, por ele não haver dado glória a Deus; e, comido de vermes, expirou” (At 12.23). Outro rei, Nabucodonosor, teve sentença mais branda, e pelo mesmo motivo passou sete anos pastando como ani­ mal (Dn 4.32,33). E muito comum que um servo de Deus que tenha alcançado alguma popularidade, ao ser tentado pelo diabo, deixe a soberba e a arrogância tomar conta de seu coração. Nesse caso, a sentença de Deus sobre a sua vida será infalível: “Deus resiste aos soberbos, mas dá graça aos humildes” (Tg 4.6). Jeremias, por palavra do Senhor, declarou: “Assim diz o SENHOR: Não se glorie o sábio na sua sabedoria, nem o forte, na sua força, nem o rico, nas suas riquezas; mas o que se gloriar, glorie-se nisto: em me conhecer e saber que eu sou o SENHOR e faço misericórdia, juízo e justiça na terra; porque destas coisas me agrado, diz o SENHOR” (Jr 9.23,24). Por fim, é bom lembrar as inspiradas palavras do apóstolo Paulo: “Se anuncio o evangelho, não te­ nho de que me gloriar, pois sobre mim pesa essa obri­ gação; porque ai de mim se não pregar o evangelho!” (1 Co 9:16). E, ainda, “Se tenho de gloriar-me, gloriar-me-ei no que diz respeito à minha fraqueza” (2 Co 11.30). 49
  48. 48. O fim de um ministro que deixa a fama infla­ mar sua vaidade, invariavelmente é a queda. Parafixar: 1 ) 0 que significa o “perigo dos três Fs”? 2) Em sua opinião, qual é o mais perigoso para você? Por quê? 3) Na sua opinião, qual deles tem derrubado mais obreiros? Por quê? 50
  49. 49. CAPÍTULO VII A ÉTICA NO TRAMENTO DAS FINANÇAS Alguns princípios devem ser observados pelo obreiro no que tange às finanças. a) A s necessidades são ilimitadas en­ quanto que os recursos são limitados. Esse é o princípio fundamental da ciência econômica. Ou seja, temos que administrar recursos limitados para satisfa­ zer necessidades ilimitadas. Em outras palavras, não são as necessidades que devem determinar o dispên­ dio dos recursos, e sim os recursos que devem determi­ nar o montante das necessidades a serem supridas. O ser humano é insaciável. Por mais que se lhe dê, sem­ pre surgirão novas necessidades. Assim, o obreiro, ou qualquer pessoa, que fizer o seu orçamento doméstico olhando só para as necessidades, fatalmente irá à ban­ carrota. Jesus ensinou esse princípio, conforme se vê em Lucas 14:28: “Pois qual de vós, pretendendo cons­ truir uma torre, não se assenta primeiro para calcular a 51
  50. 50. I despesa e verificar se tem os meios para a concluir?” b) O desperdício é proibido. Jesus, no epi­ sódio da multiplicação dos pães, demonstrou que, mes­ mo tendo os pães nada custado, o uso deveria ser parcimonioso, e mandou os discípulos recolherem as sobras para que nada se perdesse (Jo 6.12). Jesus es­ tava ensinando os discípulos a valorizarem o que Ele dá. Quantas vezes, na casa do cristão, não é valoriza­ da a bênção de Deus, e aquilo que Deus deu é jogado fora sem nenhum temor. c) Esbanjar e ostentar são coisas con­ denadas por Deus. O cristão é orientado a não usar vestuário dispendioso (1 Tm 2.9) e é advertido que se em suas orações pedir coisas para esbanjar, terá uma resposta negativa de Deus: “pedis e não recebeis, por­ que pedis mal, para esbanjardes em vossos prazeres” (Tg 4.3). d) O obreiro não deve ter dívidas. Dívi­ da é diferente de obrigação. Se o obreiro compra alguma coisa a prazo, ele tem uma obrigação. Se no devido prazo ele não cumprir com a sua obrigação, aí sim a obrigação vira dívida. E nesse sentido que a Bí­ blia diz que “A ninguém fiqueis devendo coisa alguma, exceto o amor com que vos ameis uns aos outros; pois quem ama o próximo tem cumprido a lei” (Rm 13.8). E vergonhoso o mal-testemunho que alguns obreiros dão, passando cheques sem fundo, e levando uma vida des­ regrada, gastando mais do que podem pagar. Como diz o ditado popular, “comem patê e arrotam caviar”. A respeito dos tais, a palavra de Deus diz: “o ímpio pede emprestado e não paga; o justo, porém, se com­ 52
  51. 51. padece e dá” (SI 37.21). e) .A estratégia de José. O obreiro deve aprender com José. Por divina revelação, ele interpre­ tou o sonho do Faraó e orientou o império egípcio a guardar alimento nos anos de abundância para ter nos anos de penúria. Assim também deve ser o obreiro. Sempre deve ter alguma reserva, ainda que pequena, para alguma eventualidade. Porém, há pessoas que o dinheiro parece brasa. Se têm algum recurso, saem de­ sesperadas para gastar, como se o dinheiro estivesse lhes queimando as mãos. f) O obreiro não deve ser fiador. A pala­ vra de Deus é repleta de passagens orientando o crente a não ser fiador. Com o obreiro, o problema de ser fia­ dor aumenta, pois se for avalista de um dos irmãos, todos os demais que precisarem de fiança vão procurá- lo. Leia-se Provérbios 6.1, 11.15 e 17.18. g) Bom testemunho. Os negócios realiza­ dos pelo obreiro devem causar um bom testemunho de toda a comunidade, pois esse é um dos requisitos do obreiro: 1 Tm 3.5,7,12. h) Não avarentos ou gananciosos. A Bí­ blia expressamente exige que o obreiro não seja cobi­ çoso de dinheiro. A avareza é idolatria. Antes de dese­ jar receber, o obreiro deve estar disposto a dar. E im­ pressionante ver que alguns obreiros, que ensinam tão bem os crentes a dar, são tão sovinas e avarentos que o máximo que dão para alguém é “a paz do Senhor”. Esses tais, estão sempre ávidos de dinheiro, sempre procurando extorquir alguma coisa aqui e ali. Em Isra­ el há dois “mares” . O Lago de Galiléia e o Mar Morto. 53
  52. 52. O Lago da Galiléia recebe a água que o Rio Jordão traz desde as suas quatro nascentes no Monte Hermom e, a mesma água que recebe, deságua no extremo Sul, na continuação do Rio Jordão, que desce até o Mar Morto. Este, por sua vez, só recebe a água do Jordão mas não deságua para lugar algum. O seu nível se mantém devido exclusivamente à evaporação. Como resultado, suas águas são extremamente salgadas, e nelas não há qualquer tipo de vida. O Mar da Galiléia, ao contrário, é cheio de peixes e, já na época de Jesus, era fonte de alimento para a população. Assim é o obrei­ ro “só me dá”. Tudo que chega perto dele morre! Veja- se o que diz a Bíblia nas seguintes passagens: 1 Tm 3.3,8; Tt 1.7; 1 Pe 5.2. i) Dízimos e ofertas. As vezes, o obreiro, especialmente o que vive exclusivamente do evange­ lho, confunde a sua vida financeira com a vida finan­ ceira da igreja e, assim, entende que não é tão impor­ tante o dízimo e suas ofertas. Esse engano conduz, nor­ malmente, a um relaxamento nas ofertas e no dízimo. Tal relaxamento na ação de dar conduz, por sua vez, à ausência da bênção de Deus na vida financeira do obreiro. O dízimo e as ofertas, embora revelados no Antigo Testamento, não são imposições da lei dada por Moisés. O dízimo que a igreja oferta não é o dízimo de Moisés e sim o dízimo de Abraão. O dízimo da lei de Moisés era obrigatório; o dízimo de Abraão é espontâ­ neo. O dízimo de Moisés era dado para a casa do te­ souro e para outros fins; o dízimo de Abraão foi dado diretamente para Melquisedeque, tipo de Cristo no An­ tigo Testamento; o dízimo de Moisés era dado com dor; 54
  53. 53. o dízimo de Abraão é dado com alegria, pois Deus ama o que dá com alegria (2 Coríntios 9:7: “Cada um con­ tribua segundo tiver proposto no coração, não com tris­ teza ou por necessidade; porque Deus ama a quem dá com alegria”). O dízimo de Moisés era um dever; o dízimo de Abraão é um privilégio. O dízimo de Moisés é dado pelos servos de Deus; o dízimo de Abraão é dado pelos amigos de Deus. Um obreiro ou qualquer crente que não dizime ou oferte, traz a maldição da miséria sobre sua vida. Por outro lado, o crente fiel nos dízimos e ofertas atrai a bênção do Senhor so­ bre a sua vida. . Parafixar: 1 ) Enumere oito princípios para o obreiro ter su­ cesso na uida financeira. 2) No seu entender, dentre os oito princípios enu­ merados, quais são os três mais importantes? Por quê? 55
  54. 54. 56 ■
  55. 55. CAPÍTULO VIII A ÉTICA NO TRATAMENTO COM O SEXO OPOSTO O Salmo 111, no seu versículo 10 proclama que “o temor do Senhor é o princípio da sabedoria; revelam prudência todos os que o praticam” . No mes­ mo sentido ensina o livro de Provérbios nas seguintes passagens: 1.7, 9.10 e 15.33. Mas, afinal, o que é “te­ mor do Senhor”? A própria palavra responde: “o temor do Senhor consiste em aborrecer o mal” (Pv 8.13). Já o livro de Jó ensina que “o temor do Senhor é a sabe­ doria, e o apartar-se do mal é entendimento (28.28). Assim, no trato com o sexo oposto, a sabedo­ ria e a prudência nos mandam que devemos nos apar­ tar de toda a situação que possa induzir ou provocar um acidente moral, ou mesmo que venha dar aparên­ cia do mal (1 Ts 5.22). A Bíblia diz, em 1 Tm 5.2, que o obreiro va­ rão deve tratar as irmãs com toda a pureza: as mais idosas como se fosse cada uma sua mãe e as mais no­ vas como se fossem suas irmãs. 57
  56. 56. Alguns cuidados devem ser tomados: a) todos nós, por vezes, sentimos necessidade de um confidente. Lembre-se: esse confidente jamais pode ser alguém do sexo oposto, a não ser que seja o cônjuge ou um dos progenitores. De igual forma é mui­ to perigoso que você seja o confidente de alguém do sexo oposto. A pessoa que está em estado de carência emocional muito facilmente se apaixona pelo confidente. Esse tipo de relacionamento é especialmente perigoso pois, como a intenção é pura, de busca de ajuda de um lado e de auxílio por outro lado, as partes nem se dão conta do aprofundamento dos sentimentos de um em relação ao outro e, quando se dão conta, às vezes o estrago é irremediável. Mesmo que não caiam em pe­ cado sexual, o complexo de culpa e as marcas que fi­ cam em um ou em ambos podem trazer sérios prejuí­ zos para o ministério e para o matrimônio do obreiro. b) O aconselhamento pastoral ou o tratamen­ to de algum assunto com pessoa do sexo oposto, sem­ pre que possível, deve ser prestado juntamente com outro obreiro, com o cônjuge ou, no mínimo, em lugar visível a mais pessoas. E interessante o sistema adotado em muitas igrejas de portas de vidro na sala pastoral. Essa providência pode livrar o obreiro de sérios dissabo­ res como, por exemplo, uma acusação de assédio sexual. c) O obreiro deve evitar demonstrações de afeto muito efusivas em relação a pessoa do sexo oposto, tais como abraços, beijos ou segurar-lhe a mão além do tempo necessário para o cumprimento. d) O obreiro jamais deve falar mal do seu côn­ juge a qualquer membro da igreja, pois isso pode des- 58
  57. 57. pertar a cobiça sexual em alguém do sexo oposto, além de expor o cônjuge ao ridículo. Para fixar de forma definitiva o cuidado com que o obreiro deve ter no trato com o sexo oposto, é de se relatar fato curioso ocorrido em determinada região do Brasil. Conto o caso como me passaram. Havia um velho pastor, que já passou para a eternidade, muito zeloso mas muito rude em suas expressões. Era conhe­ cido pelo seu tratamento enérgico em relação à moral de seus obreiros. Conta-se que em certa oportunidade, os irmãos fizeram uma excursão, de barco, para pregar em uma região longínqua. Após o culto, todos se aco­ modaram no pequeno navio para o percurso de volta que duraria todo o restante da noite. Todos os irmãos levaram sua rede, exceto um mais descuidado. Enquan­ to todos se deliciavam com a brisa do rio e se embala­ vam em suas redes, logo conciliando o sono, o pobre irmão-sem-rede, amargava a viajem acocorado em um canto. Foi quando uma irmã, com pena do pobre, con- vidou-o para dormir com ela em sua rede. Imediata­ mente o irmão recusou veementemente. A irmã, então, inocentemente, usou de três argumentos que dobraram a resistência do jovem e descuidado obreiro. Ela argu­ mentou que, em primeiro lugar, estavam todos os de­ mais irmãos ali por perto; em segundo lugar, a rede era de casal, grande o suficiente para acomodar os dois e, por fim, eles se deitariam um de costas para o outro. Relutante, o pobre cedeu. Porém, de pouco adiantou a providência para que ele descansasse. A sua consciên­ cia em luta e a lembrança do rosto enérgico do pastor lhe atormentaram a noite toda. Ao amanhecer, mal o 59
  58. 58. barco tocou no cais, o nosso irmão-sem-rede foi o pri­ meiro a saltar em terra e correu à casa do pastor. En­ controu o pastor já fazendo o seu desjejum. Com o ros­ to crispado, e torcendo as mãos, o pobre do irmão pas­ sou a contar ao pastor o ocorrido, “antes que alguém lhe traga os fatos distorcidos” , acrescentou. Quando chegou no ponto em que contou que aceitou a oferta da irmã e deitou-se com ela na rede, o velho pastor engoliu em seco e, estridentemente, decretou a senten­ ça: “excluído por adultério!”. Recomposto do susto, o irmão-sem-rede contra-argumentou: “mas pastor, nós deitamos um de costas para o outro e não fizemos nada”. O enérgico pastor então retrucou: “excluído por homossexualismo!” Ou seja, de uma ou de outra for­ ma, a atitude do coitado deixara, ao menos para o pastor, uma aparência irremediável de debilidade moral. Não sei se a história contada é mais triste do que engraçada, mas retratabem o cuidado que o obreiro deve ter no trato com o sexo oposto, impedindo que qualquer sombra, no aspecto, venha a rondar o seu mi­ nistério. Parafixar: 1) Segundo o livro de Jó, em que consiste o en­ tendimento? 2) Escreva três cuidados que o obreiro deve ter no tratamento com o sexo oposto. 3) O que você entende por “aparência do mal”? Ela deve ser evitada pelo obreiro em relação ao sexo oposto? Por quê? 60
  59. 59. CAPÍTULO IX A ÉTICA NO RELACIONAMENTO DO OBREIRO COM A IGREJA A experiência mostra que muitos homens de Deus, chamados e vocacionados, falham em seu mi­ nistério por errarem na forma como se relacionam com a igreja. Daí a preocupação de Paulo ao acon­ selhar Timóteo, em lTm 4.12, nos seguintes termos: “Ninguém despreze a tua mocidade; pelo contrário, torna-te padrão dos fiéis, na palavra, no procedi­ mento, no amor, na fé, na pureza” (grifei). O cuida­ do do apóstolo era tanto em relação a esse ponto que, quando escreveu a segunda carta ao seu filho ministerial, novamente Paulo lembra: “Tu, porém, tens seguido, de perto, o meu ensino, procedimento, pro­ pósito, fé, longanimidade, amor, perseverança” (2Tm 3.10 -grifei). No trato com a igreja, é de fundamen­ tal importância que o obreiro observe rígidos princí­ pios éticos. 61
  60. 60. O obreiro deve liderar, acima de tudo, pelo seu exemplo. O apóstolo Pedro assim exorta os pasto­ res: “pastoreai o rebanho de Deus que há entre vós, não por constrangimento, mas espontaneamente, como Deus quer; nem por sórdida ganância, mas de boa von­ tade; nem como dominadores dos que vos foram confiados, antes, tornando-vos modelos do reba­ nho” (IPe 5.2,3 - grifei). A hipocrisia dos que pregam o que não vivem, os leva à companhia dos escribas e fariseus tão criticados por Jesus: “Na cadeira de Moisés, se assentaram os escribas e os fariseus. Fazei e guardai, pois, tudo quanto eles vos disserem, porém não os imiteis nas suas obras; porque dizem e não fazem. Atam fardos pesados e difíceis de carregar e os põem sobre os ombros dos homens; entretanto, eles mesmos nem com o dedo querem movê-los” (Mt 23.2-4). Princípio da Humildade O obreiro, apesar de sua posição de desta­ que, não passe de um servo, e só serve para obreiro enquanto está disposto a servir. Normalmente os obrei­ ros gostam de se auto-denominar de “ministro” . Mal sabem eles que essa palavra, no Novo Testamento, na maior parte das ocorrências é traduzida da palavra gre­ ga diakonos, que significa significa simplesmente “ser­ vo”!Falando aos presbíteros de Efeso, em Mileto, o após­ tolo Paulo assim sintetiza o seu ministério entre eles: “servindo ao Senhor com toda a humildade, lágrimas e Princípio do Exemplo 62
  61. 61. provações que, pelas ciladas dos judeus, me sobrevie­ ram” (At 20.19). Que diferença de muitos obreiros de hoje, que estufam o peito, empinam o nariz, e pensam que são os donos do mundo. Princípio da Mansidão O pastor do maior rebanho, até os dias de hoje, sem dúvida foi Moisés. Para conduzir um povo obsti­ nado, ingrato e difícil de lidar, Deus o capacitou de um atributo que o destacou dentre todos os homens da ter­ ra: a mansidão (Números 12:3 - “Era o varão Moisés mui manso, mais do que todos os homens que havia sobre a terra”). Jesus, de igual forma, destacou este atributo para que seus discípulos seguissem: “Tomai sobre vós o meu jugo e aprendei de mim, porque sou manso e humilde de coração; e achareis descanso para a vossa alma” (Mt 11.29). Um obreiro brabo, irado, seguramente baterá o recorde de mudanças, pois não conseguirá parar em igreja alguma. Princípio da Fidelidade Quando escreveu aos Coríntios, na sua pri­ meira carta, o apóstolo Paulo destacou, como qualida­ de do obreiro frente à igreja, a fidelidade (ICo 4.2). Com efeito, um obreiro infiel nas suas contas, no seu matrimônio, com as finanças da igreja, na sua palavra ou em qualquer outra área, será uma vergonha para os membros da igreja. De nada valerá sua eloqüência ou seja lá que dotes possuir. 63
  62. 62. O obreiro deve ser um homem de gentil trato. Muitas vezes, alguém confunde firmeza com falta de educação. O homem de Deus pode dizer as verdades mais duras sem perder o respeito para com a igreja. Grosseria não pode ser confundida com coragem ou espiritualidade. Principio da Seriedade ou Sobriedade O culto não é programa de auditório e nem o púlpito lugar de gracejos ou “pegadinhas” . Há os obrei­ ros engraçadinhos que gostam de fazer pilhérias com os ouvintes. Uma piadinha dessas podem envergonhar um irmão, fazendo-o passar por um vexame desneces­ sário. Perguntas como “quem vai ficar alegre na vinda de Jesus?”, só para depois zombar dos irmãos que le­ vantaram a mão e dizer “eu não vou ficar alegre, eu vou subir alegre!”, não passam de palavras vãs e chocarrices, e são condenadas pela palavra de Deus (Ef 5.4). Veja-se, ainda, Mateus 12:36: “Digo-vos que de toda palavra frívola que proferirem os homens, dela darão conta no Dia do Juízo”. Lembre-se sempre que quem quer ver palhaço não vai à igreja, vai ao circo. Princípio da Respeitabilidade O obreiro, ao contrário do que muitos pen­ sam, não pode ser aquele “popularzão” , igual político em véspera de eleição, contador de anedotas, sempre Princípio da Gentileza 64
  63. 63. na casa de um e de outro. É claro que não estamos dizendo que o obreiro deve ser um casmurro ermitão, insociável. Evidentemente o pastor deve ser uma pes­ soa acessível e agradável, com “cheiro de ovelha” . Po­ rém, sempre deve ser guardada uma devida reserva, para que, pouco a pouco, o obreiro não venha perder o respeito por parte da congregação. Não é demais citar o velho monge Tomás de Kempis, já antes citado, que sobre ética escreve muito bem, até porque viveu 91 anos. Vejamos o que ele diz na obra antes referida: “Caridade se deve ter para com todos; mas não con­ vém ter com todos familiaridade. Sucede não raro, que uma pessoa, de longe, brilha com o esplendor da fama, mas, de perto, desmerece aos olhos dos que a vêem. Julgamos, às vezes, agradar aos outros com a nossa intimidade, mas antes os aborrecemos com os defeitos que em nós vão descobrindo” (op. cit., pág. 20). Vem de todo a calhar a passagem escrita em Provérbios 25:17: “Não sejas freqüente na casa do teu próximo, para que não se enfade de ti e te aborreça” . Parafixar: 1) Enumere sete princípios éticos para o relacio­ namento entre obreiro e igreja. 2) Disserte, com suas próprias palavras, sobre os dois princípios que, em sua opinião, são os mais importantes dentre os sete. 3) Dentre os sete princípios, qual, em sua opi­ nião, é mais difícil de ser respeitado. Por quê? 65
  64. 64. 66
  65. 65. CAPÍTULO X ÉTICA NA LIDERANÇA A liderança que é proveitosa na igreja não é a liderança natural, imposta ou nata, mas uma liderança dada por Deus e admitida pelo preenchimento de crité­ rios espirituais. A liderança espiritual na igreja é base­ ada no princípio da autoridade espiritual delegada. PRINCÍPIO DA AUTORIDADE ESPIRITUAL DELEGADA A liderança genuinamente espiritual é aquela fundada neste princípio cujo preceito é o seguinte: “toda a autoridade vem de Deus e a obtemos na proporção que nos submetemos a Ele e a quem Ele delegar autori­ dade” . Jo 3.27,30 - se alguma temos, isso vem do céu; por isso, devemos desaparecer para que Ele apareça. Tg 4.7 - podemos exercer autoridade inclusi­ ve sobre o diabo se formos sujeitos a Deus 67
  66. 66. Assim como nas organizações humanas (Ex. PM, Exército, Poder Executivo em geral, etc), Deus es­ tabelece uma cadeia de autoridade. Só teremos autori­ dade espiritual se estivermos inseridos nesta cadeia (Rm 13. 1,2). No mesmo sentido, ICo 11. 3; Ef 6. 1-3; Hb 13. 17, etc. CARACTERÍSTICAS DA LIDERANÇA CARNAL 1- baseada na murmuração (2 Sm 15.1-3); 2- baseada na lisonja (2 Sm 15.3,5); 3- demagógica, fundada em promessas para os apoiadores (2 Sm 15.4); 4- é personalista; seu fim é o mero culto à personalidade, sem ideais. E o “liderar por liderar” (2 Sm 15.6); 5- busca interesses próprios, e não os do rei­ no de Deus; 6- não tem um caminho a apontar, mas pro­ cura irde acordo com a tendência do povo. E o famoso “jogo de cintura” . Saul perdeu sua liderança ao querer exercê-la politicamente, baseada no jogo de cintura, indo atrás do que o povo dizia e não sustentando a ordem de esperar Samuel para o sacrifício (ISm 15.24). CARACTERÍSTICAS DA LIDERANÇA ESPIRITUAL 1- NÃO É EXERCIDA HUMANAMENTE, MAS é dada por Deus (Ef 4.11; Lc 9. 51- 56; Mc 3.7; Mc 12.37); 2- não é conquistada por política, populismo, 68
  67. 67. murmuração ou bajulação (2 Sm 15. 1-6; 18.15; Jd 8, 16); 3- é reconhecida pelos demais (2 Sm 2. 1-4; 5. 1-4); 4- é exercida não por imposição de força, mas pela força do exemplo (1 Pe5.23; 1Tm 4.11- 12, 1 Co 11.1); 5- é exercida com brandura (2 Tm 2.24; 1 Tm 5.1,2); 6- não se incomoda com o brilho alheio (Mc 9. 38-40); 7- é baseada em ideais, e não em interesses subalternos (1 Pe 5.2); 8- é pronta para servir, e não para ser servida (Mt 23.11); 9- não é demagógica, mas tem compromisso com a verdade - Mc 1.22: a autoridade de verdade; (2 Co 13. 8): a autoridade moral; 10- o líder espiritual tem certeza do que prega e aponta o caminho para os seus liderados (Jo 6.60,66-69). Parafixar: 1) Na sua opinião, quais as três principais dife­ renças entre a liderança espiritual e a lideran­ ça carnal? Por quê? 2) Qual é a norma de ouro para que alguém te­ nha a autoridade de liderar? 3) Escreva, com suas próprias palavras, as cinco principais características de uma liderança es­ piritual. 69
  68. 68. 70
  69. 69. CAPÍTULO XI A ÉTICA NO RELACIONAMENTO ENTRE OBREIROS Estamos em uma época em que a questão do relacionamento assume preponderante importância. As pessoas, as nações buscam se agrupar para adquiri­ rem força e condições de enfrentar os demais blocos de atuação em função do movimento irreversível de globalização. Na igreja o mesmo deve acontecer. QUATRO ATITUDES POSSÍVEIS NO RELACIONAMENTO INTERPESSOAL Em relação a esse relacionamento interpesso­ al entre os ministros de uma mesma congregação, qua­ tro atitudes podem ser tomadas. ISOLAMENTO A primeira atitude possível é o isolamento. Ou 71
  70. 70. seja, o obreiro não se relaciona em hipótese alguma e nem toma conhecimento do que se passa ao redor. Em geral, três são as razões para esse posicionamento. A primeira, o orgulho de achar que não preci­ sa de ninguém. Lembro-me de um obreiro que, ao ser incentivado para orar com outros companheiros de mi­ nistério, não gostou da idéia pois, no seu entender, orar com os demais somente serviria para que roubassem a unção “poderosa” que estava sobre a sua vida. Resul­ tado: o pobre acabou caindo em pecado, destruindo seu lar e perdendo seu ministério. A segunda razão é mais comum do que pen­ samos. Muitas vezes a timidez do obreiro, causada es­ pecialmente por um complexo de inferioridade, impe­ de o obreiro de se aproximar dos demais. Estes, por sua vez, em um julgamento precipitado, pensam que o tímido irmão é orgulhoso ou “cheio”. É bom que não se acuse apressadamente alguém como sendo orgulho­ so. E prudente que, ainda que alguém pareça que não quer se relacionar, busque-se um contato amigável. Esse gesto, quando tira alguém que é tímido de seu re­ colhimento, produzirá um grande e grato amigo. Por fim, há vezes que a causa do isolamento é mero comodismo. Afinal, é mais fácil recolher-se do que arriscar alguns dissabores com os colegas. Conseqüências do isolamento O obreiro individualista, que não gosta de tra­ balhar em equipe, correrá dois grandes perigos. O primeiro deles é a ausência de crítica. Ou 72
  71. 71. seja, o seu isolamento impedirá que alguém possa apon­ tar-lhes falhas em seu ministério que, se reconhecidas, poderão facilmente ser superadas. Por sua vez, a au­ sência da crítica poderá facilmente levar o obreiro à queda. Não é sem razão que a Bíblia adverte que “na multidão de conselheiros há segurança” (Pv 11.14). O segundo perigo é a estagnação. Quando es­ tamos sozinhos, achamos que o que somos e o que temos recebido de Deus é tudo o que poderíamos so­ nhar. Quando estamos rodeados de pessoas espiritu­ ais, ao contrário, estaremos sempre vendo coisas no­ vas sendo realizadas nas vidas dos companheiros e isso nos levará a buscar também um aperfeiçoamento para o nosso ministério. ATITUDE HEGEMÔNICA O segundo tipo de atitude tomada por obrei­ ros é a hegemonia, ou seja, só se relaciona se for para mandar, para formar um império. O obreiro hegemônico não aceita idéias de ninguém. Acha-se infalível e é extremamente centralizador. Em sua con­ cepção, se alguém discordar de sua idéia é seu inimigo e procura esmagar qualquer um que ouse discordar de sua opinião. Duas são as principais razões que induzem os imperialistas. Se falarmos considerando apenas o aspecto humano, poderemos dizer que o caso é de megaloma­ nia. Ou seja, o nosso querido obreiro estaria sofrendo de um mal psicológico que lhe confere mania de grandeza. 73
  72. 72. Porém, sabe-se que não é só a megalomania que cria “imperialistas”. Existe um mal espiritual cha­ mado soberba. Foi esse mal que atingiu o arcanjo Lucifer e, por isso, pode ser chamado de síndrome de Lucifer. Lucifer pensou que teria que subir acima de todos os demais anjos e ser semelhante ao Altíssimo. Porém, do alto de sua arrogância foi derrubado. A his­ tória tem mostrado que todos os arrogantes e prepotentes terminam os seus dias assim: derrubados e frustrados. Conseqüências da centralização hegemônica A construção de impérios na obra de Deus produz a formação de zonas de atrito e discórdias. Em segundo lugar, visto que cada “impera­ dor” está buscando apenas a concentração de poder e não o bem da obra de Deus, há um dificultamento das tentativas de agrupamento, afinal, todos querem mandar. O sentimento hegemônico leva a um desres­ peito das suscetibilidades e da chamada dos demais obreiros. O sentimento hegemônico conduz o obreiro a ser autoritário e centralizador. Isso produz um sufocamento do crescimento da obra. O sentimento centralizador aponta para o sentido inverso ao experi­ mentado pela ciência da administração secular. Alguns mestres em administração consideram Jetro, sogro de Moisés, como o “Pai da Ciência da Administração”, justamente por ensinar ao seu genro os princípios da administração descentralizada. 74
  73. 73. A centralização hegemônica gera uma apa­ rência de crescimento. O obreiro sente-se atarefado, os números crescem, porém, tudo é enganoso, pois, em termos relativos, um trabalho centralizado cresce bem menos do que um descentralizado. É evidente que toda descentralização deve ser gradual e contar, im- prescindivelmente, com estrutura e recursos huma­ nos suficientes. O desejo de hegemonia dentro de uma equi­ pe, por um de seus membros, promove mágoas e ir­ mãos feridos, com conseqüências quase que irreparáveis ( Pv 18. 19). COMPETIÇÃO A terceira atitude possível que ora enumera­ mos é a competição. O obreiro competidor se relacio­ na com os colegas, mas sempre buscando superá-los ou, pelo menos, busca impedir que alguém venha superá-lo. Não admite que ninguém tenha sua luz bri­ lhando mais do que a dele. O ser humano é um compe­ tidor nato. Todos os seres humanos, uns mais e outro menos, têm certas características de um competidor. Na obra de Deus, o obreiro deve se policiar, estando sempre atento para crucificar sua carne quando esse sentimento aflorar em suas atitudes. Para o obreiro ven­ cido por esse sentimento, tudo é motivo de competição. Até discussão sobre um assunto corriqueiro pode aca­ bar em briga e confusão. Esse tipo de pessoa nunca se dá por vencido, pois ele leva tudo para o lado pessoal. Se alguém contesta a sua idéia, ele não entende que foi 75
  74. 74. uma idéia, mas sim acha que ele próprio está sendo contestado e, como ele não pode perder, leva a discus­ são até as últimas conseqüências. E quando o compe­ tidor não consegue vencer pelos seus méritos, ele pro­ cura destruir aquele que cometeu o pecado de brilhar mais do que ele. E o sapo que enciumado com a luz do vaga-lume, estende a sua língua gosmenta e devora o pobre pirilampo. O que leva uma pessoa a ser assim? Poder- se-ia dizer que é uma psicopatia que supervaloriza o instinto de competitividade. Porém, sabemos que a coisa na maior parte das vezes não é tão grave assim. O que existe, na verdade, é a atuação da carne, que produz ciúmes, inveja e vanglória (G1 5. 20, 21). Conseqüência da instalação do veneno da competição entre obreiros A obra até poderá crescer, contudo esse cres­ cimento é enganoso, pois não é obtido com bases espi­ rituais. Há igrejas que até estimulam a competição en­ tre obreiros, conferindo prêmios de produtividade, etc. Esses artifícios, que podem dar certo em uma empresa secular, fatalmente produzirão sentimentos de inveja dentro da igreja. A inveja, por sua vez, produz senti­ mento faccioso e esse, afinal, produz toda espécie de coisas ruins (Tg 3.16). COOPERAÇÃO A última atitude possível, que é a única reco­ mendável, é a atitude de cooperação. Esse sentimento 76
  75. 75. induz o obreiro a cooperar com os seus irmãos objetivando o bem do reino de Deus na terra. Essa é a atitude recomendada por Jesus. Ele jamais incentivou a formação de grupos hegemônicos e muito menos a competição entre seus discípulos. Muito pelo contrário, quando esse sentimento surgiu entre seus liderados, a ponto da mãe de Tiago e João vir pedir a primazia de seus filhos, Ele ensinou que quem quisesse ser o maior que fosse como o menor (Mt 20.26 e Mc 10.43). Ele não determinou que um fosse maior do que outro ou que um tivesse domínio sobre os de­ mais. Esse foi o modelo adotado pela igreja primitiva. No modelo apostólico, todos eram tratados com igual respeito e as igrejas que iam sendo fundadas nos mais diversos países não permaneciam sob o controle hegemônico de Jerusalém. A autoridade apostólica li­ mitava-se às questões espirituais. As igrejas, por sua vez, gratas pela palavra recebida, enviavam a Jerusa­ lém ajuda para a manutenção dos salvos e, conseqüen­ temente, da obra naquela cidade. A s conseqüências da cooperação O espírito de cooperação entre os obreiros de uma igreja, invariavelmente, promove o crescimento do corpo de Cristo (Ef 4.16). O crescimento da igreja, por sua vez, dará a todos, e não somente a um, os benefí­ cios que a competição ou a hegemonia traria somente a um. Ou seja, se a obra crescer como um todo, todos serão beneficiados com os recursos financeiros, com belos templos, com uma igreja numerosa, etc. Por sua vez, uma igreja que cresce baseada em princípios de 77
  76. 76. cooperação, será uma igreja à prova de divisões, pois nela há lugar para todos crescerem e desenvolverem seus respectivos ministérios (1 Co 12.25) e liderança. Para que haja a “justa cooperação” preconi­ zada pela Bíblia em Ef 4.16, três princípios devem ser observados por líderes e liderados. O primeiro deles é o respeito às individuali­ dades. Nós não somos como parafusos de uma indús­ tria, padronizados e moldados em idêntica bitola. Nós somos diferentes e devemos analisar as atitudes de nosso irmão de acordo com as suas próprias circunstâncias e condições. Temos que nos colocar em seu lugar para entendê-lo, temos que respeitar e as peculiari­ dades de sua chamada. Em suma, temos que nos colocar no lugar e nas condições dos nossos irmãos e tentar, até o fim, comprendê-los, aceitá-los e coo­ perar para o crescimento mútuo. O segundo princípio é a confiança. Se esta­ mos sempre desconfiando de nossos líderes, de nos­ sos pares ou de nossos liderados, jamais haverá lugar para a “justa cooperação”. Pelo contrário, irá se insta­ lar um clima de guerra, de competição e de fofoca no meio da igreja. Por fim, devemos ter um respeito supremo às consciências daqueles com os quais nos relacio­ namos. Jamais devemos zombar ou fazer pilhérias com o sentimento de consagração ou santificação de um de nossos companheiros. A Bíblia assim diz em Rm 14.4-6: “Quem és tu que julgas o servo alheio? Para o seu próprio senhor está em pé ou cai; mas 78
  77. 77. estará em pé, porque o Senhor é poderoso para o suster. Um faz diferença entre dia e dia; outro julga iguais todos os dias. Cada um tenha opinião bem definida em sua própria mente. Quem distingue en­ tre dia e dia para o Senhor o faz; e quem come para o Senhor come, porque dá graças a Deus; e quem não come para o Senhor não come e dá graças a Deus” . REGRAS DE CONVÍVIO ENTRE O OBREIRO E SEUS COOPERADORES Por sua concisão e precisão, é de se transcre­ ver cinco enunciados traçados no livro Ética Cristã, de Raimundo E de Oliveira, editado pela EETAD: “1. Tratar bem os seus obreiros cooperadores, na qualidade de co-participantes das res­ ponsabilidades do ministério que Deus lhe confiou. 2. Nunca tomar decisões afetas à Igreja e ao interesse da obra de Deus, sem prévia con­ sulta com seus cooperadores. Uma vez ten­ do o apoio deles, pode pô-las em execução na certeza de ter o çtpoio deles até o fim; do contrário, terá o contra deles até o fim também. 3. Não force os seus cooperadores a tomares decisões só porque estas lhe parecem as melhores. Ouça-os, levando em considera ção as opiniões deles. 79
  78. 78. 4. Evitar liderar por “decretos”, se quiser con­ tinuar gozando da amizades dos seus cooperadores. 5. Não se constitua “consciência” de seus cooperadores. Eles são gente como você, conseqüentemente têm cabeça e juízo como você. Aja como mediador, apenas, pois ninguém, nem mesmo você, gosta de ser le­ vado a fazer alguma coisa sob pressão. 6. Evite falar mal dos seus cooperadores, prin­ cipalmente no púlpito, diante da congrega­ ção. Quando verifica que algum deles se faz repreensível, repreenda-o pessoal e in­ dividualmente. Se ele insistir no mesmo erro, chame-o a atenção na presença de mais dois ou três obreiros. Caso insista, repreenda-o diante da congregação para exemplo dos demais. 7. Caso descubra que tratou mal um dos seus cooperadores, principalmente no uso do púlpito, tenha a humildade de pedir-lhe per­ dão diante da mesma congregação. Esta é uma forma de dar exemplo aos de­ mais obreiros e crentes em geral. 8. Tenha humildade de saber distribuir atividades com seus cooperadores, uma vez por outra congratulando-se com aqueles que desempenham bem as suas funções. 9. Aprenda a não fazer o trabalho de dez,
  79. 79. quando pode pôr dez a trabalhar; afinal de contas, a obra do ministério não é trabalho dum homem, é uma atividade de todos”. REGRAS DE CONVÍVIO ENTRE O OBREIRO E SEUS PARES E do mesmo autor e do mesmo livro a citação que segue: “a. Não fale, nem aceite que qualquer outra pessoa fale mal dum seu colega de minis­ tério, na sua presença. b. Se você teve algum motivo de aborreci­ mento com o seu colega de ministério, evite usar o púlpito para desabafos con­ tra ele; pelo contrário, procure-o pesso­ almente e ponha fim ao problema. c. Mostre-se voluntarioso para ajudar os co­ legas que porventura estejam sofrendo algum tipo de problema em seus campos, principalmente os que moram mais per­ to do seu campo de trabalho. Sempre que se lhe oferecer a oportunidade, visite-os. Nessas circunstâncias a visita dum ami­ go sempre ajuda muito. d. Quando convidar um obreiro para pre­ gar, ensinar ou cantar em atividades de sua igreja, tenha o cuidado de hospedá- lo da melhor maneira possível. Cubra 81
  80. 80. também as suas despesas de viagem e sempre que possível dê-lhe uma oferta extra. Ele a receberá não como pagamen­ to do seu trabalho, mas como um gesto de gratidão da sua parte. e. Evite a fama de “brigão” , “grosso”, “mal- educado” e “intransigente” com os seus colegas. Antes de julgar a ação dum seu colega, pergunte a si mesmo: “o que eu teria feito estando no lugar dele?”” . REGRAS DE CONVÍVIO ENTRE O OBREIRO E SEU LÍDER 1. Em questões de disciplina e atitudes a se­ rem tomadas diante de erros de membros da congrega­ ção, tenha cuidado em não querer a forçar o pastor a tomar decisão a respeito da qual haja dúvida, afinal, é ele, e não você, quem vai dar conta daquela alma (Hb 13.17). Dê a sua opinião e, após, acate a decisão do responsável. 2. Obedeça o seu líder e se sujeite a ele. Ja­ mais brigue. Se a situação é insustentável, por proble­ mas de consciência, por exemplo, é melhor que você mude de congregação do que sustentar uma guerra com o pastor (Hb 17.17 e, por analogia, Mc 6.11; Lc 9.5; Lc 10.11 e At 13.51). 3. Procure zelar pelo bem estar financeiro de seu líder (G1 6.6; lTm 5.17; Mc 9.41); 4. Busque ter o hábito de orar em favor do 82
  81. 81. líder para que tenha mensagem para dar à igreja, e não murmurar daquilo que ele prega (Ef 6.19). 5. Combata toda e qualquer murmuração contra o pastor. O foro para tratar questões ministeri­ ais é diretamente com o pastor ou em reunião ministe­ rial, e não pelos cantos da igreja, em rodinhas ou pelas casas. Parafixar: 1) Quais as principais causas do isolamento do obreiro? 2) Quais os dois grandes perigos do isolamento? 3) Quais as três atitudes que devem ser evitadas no relacionamento entre os obreiros de uma congregação? 4) Qual a atitude mais recomendável no relacio­ namento entre obreiros? Quais as suas conse­ qüências? 5) Quais as conseqüências do espírito de compe­ tição entre os obreiros de uma congregação? 6) Cite três regras para o bom relacionamento entre o obreiro e seus liderados. 7) No seu entender, quais as duas regras mais im­ portantes a serem seguidas pelo obreiro para um relacionamento qualificado com os seus pares? Por quê? 8) Segundo a sua opinião, quais as três atitudes mais importantes para o obreiro manter um bom relacionamento com seu líder? 83
  82. 82. 84
  83. 83. CAPÍTULO XII A ÉTICA DO OBREIRO COMO CIDADÃO O obreiro é um cidadão como qualquer ou­ tro. Assim, como cidadão, é normal que tenha suas idéi­ as sobre as políticas interna e externa desenvolvidas pelo seu país, bem como suas opiniões sobre os diver­ sos partidos e líderes políticos da nação. Porém, a questão é saber qual a posição que deve assumir o obreiro enquanto obreiro, ou seja, qual o seu posicionamento quando no exercício do seu mi­ nistério no seu ponto mais alto, que é o púlpito. O ensino histórico aponta que, sempre que política e religião se confundiram, sempre que desapa­ receu a separação entre igreja e estado, acontecimen­ tos horríveis se sucederam. A religião e a política, cada qual por si só, desperta paixões e opiniões inconciliá­ veis. Assim, quando se juntam, o efeito desagregador é potencializado. Quando a questão religiosa se confun­ diu com a estatal no Império Romano, milhares de mortes aconteceram; o mesmo ocorreu na Idade Mé­ dia, quando o catolicismo estatal, em nome de Deus, 85
  84. 84. li matou milhares de dissidentes. Hoje, temos dois exem­ plos bem claros: nas duas Irlandas, a do Norte e a do Sul - em que a questão política da independência ou domínio britânico dividiu católicos e protestantes, res­ pectivamente -, derramamento de sangue e mortes se sucedem, numa demonstração vergonhosa de barbárie. Por outro lado, nos países islâmicos, onde a questão estatal se confunde com a religião, são cometidas as maiores atrocidades em nome de Deus. Muitos ociden­ tais se escandalizam som os suicidas islâmicos. Não se pode esquecer que o islamismo é 600 anos mais jovem do que o cristianismo. Ora, 600 anos atrás, os cristãos católicos, por meio das chamadas cruzadas, fizeram exatamente o que os islâmicos estão fazendo hoje. A história simplesmente se repete, somente mudando de lado os protagonistas. O ataque católico ao mundo ára­ be, para “libertar” Jerusalém, teve o agravante da fa­ mosa cruzada infantil, no ano de 1212 d.C., em que, atiçados os reinos europeus por pregadores ambulan­ tes, milhares de crianças foram levadas para o campo de batalha. Milhares de crianças morreram na viagem, muitas delas afogadas, e outras milhares foram aprisi­ onadas e vendidas como escravas no norte da África. Concordamos que os cristãos devem ser o sal da terra e, como tal, devem estar em todos os lugares, inclusive nos parlamentos. Concordamos que a igreja tem muito a colaborar para o bom andamento dos des­ tinos de uma nação. Porém, não podemos concordar em que os cultos se transformem em comícios políti­ cos, em que o púlpito se transforme em palanque elei­ toral e que os obreiros, desde o lugar para o qual foram 86
  85. 85. chamados para pregarem a poderosa palavra de Deus, sejam transformados em meros cabos eleitorais. A ex­ periência histórica tem ensinado, ainda, que, em geral, o poder corrompe. A proximidade com o poder tem feito com que muitos líderes, homens íntegros e retos, cedam aos favores de políticos ávidos de votos, e se deixem corromper, aceitando comprometimentos espú­ rios que destroém irremediavelmente o argumento de que a igreja deve estar na política para salgá-la. Na verdade, o que se tem visto, é que o sal torna-se insípi­ do e então começa a ser pisado pelos homens. Se os obreiros avocarem a si o papel de políticos, quem irá desempenhar o papel de obreiros? Os políticos? Insisti­ mos em afirmar que entendemos salutar que cristãos, sinceros e comprometidos com o evangelho, vocacio­ nados e preparados para a tarefa política, ocupem car­ gos nos mais altos escalões de uma nação. Porém, in­ sistimos da mesma forma que a igreja, enquanto igre­ ja, não pode transformar-se em partido político, desvir­ tuando o papel para o qual foi instituída por seu funda­ dor: Jesus Cristo. Parafixar: 1) Pode um cristão ser político? 2) O obreiro, na qualidade de obreiro, deve imis- cuir-se em política partidária? 3) Historicamente, qual a conseqüência da con­ fusão entre estado e religião? 4) Qual a mais sublime função que um obreiro pode desempenhar? 87
  86. 86. CAPÍTULO XIII NORMAS GERAIS DE ETIQUETA SOCIAL A palavra etiqueta, para o nosso estudo, sig­ nifica “formas cerimoniosas de trato entre particula­ res” . Neste capítulo, apresenta-se um pequeno estudo que visa suprir a necessidade de termos um adequado comportamento frente às diversas situações que vive­ mos no dia a dia. Está longe de ser um manual comple­ to. Porém, contém alguns preceitos básicos de etiqueta que viabilizam uma conduta socialmente correta para o obreiro e que, ao mesmo tempo, são condizentes com a Palavra de Deus, facilitando, dessa forma, o trânsito do trabalhador da seara do Senhor entre as pessoas e a sua conseqüente dinamização na divulgação do evangelho. Para facilitar, o estudo foi dividido em tópicos sobre situações específicas, como veremos a seguir: 89
  87. 87. Convívio com as mulheres Deve-se manter discrição no trato, mas man­ ter atos de cortesia, como permitir sua entrada primei­ ro e deixar que sirvam primeiro à mesa. Na igreja, as mulheres idosas devem ser tra­ tadas como as mães, e as moças, como as irmãs, em toda a pureza (I Tm 5.2). Relação patrão- empregado O empregador deve se importar com a famí­ lia do funcionário, como por exemplo, enviar presente de casamento, de forma que na empresa o ambiente seja familiar. O relacionamento entre colegas deve ser semelhante. No caso do chefe, é importante que haja fácil comunicação com os empregados. No caso de várias ordens simultâneas, o ideal é fazê-lo por escrito. Não realiza-se a comunicação aos gritos, cuidando-se a inflexão da voz e realizando o pedido com o verbo na forma condicional. A crítica deve ser construtiva e não deve reclamar a toda hora; mas é importante manter o funcionário informado sobre o que ele está realizando de errado antes de tomar medidas punitivas. No ambiente de trabalho, as relações entre pessoas de uma mesma família deve ser formal, como aos outros colegas, mantendo-se o respeito. O empregado deve cumprir suas obrigações como se estivesse trabalhando para Deus (1 Pe 2.19; Ef 6.5-7). 90
  88. 88. O patrão ou chefe deve tratar seus irmãos subordinados como a Cristo, sem fazer ameaças (Ef 6.9), nem atrasar ou diminuir os salários (Tg 5.4). Encontros A disponibilidade para encontrar alguém re­ vela a importância dada à pessoa. Sinais reveladores: pontualidade e tempo de espera. Aguarda-se meia hora pelo patrão; não se aceita esperar um subalterno. Deve- se ter cuidado com a roupa e a aparência (postura, corte de cabelos, enfeites, revelam uma personalidade). Numa relação social, o homem sempre levan­ ta ao cumprimentar outro homem ou mulher, já na pro­ fissional não existe esse rigor. Aperto de mão: a pessoa mais importante toma a iniciativa de apertar a mão, mas é o subalterno que faz menção de cumprimentar primeiro. O aperto de mão deve durar cinco segundos (máximo), acompanhado pelo olhar direto nos olhos do interlocutor. Se der a mão mole, revela insegurança; oferecer apenas a ponta dos dedos, é sinal de desprezo; apertar demais é grosseria. Conhecimento de cultura geral E importante realizar leituras para aumentar a cultura geral e, com isso, manter trânsito com pesso­ as de vários níveis culturais. É importante ler um pouco de política, economia e cultura geral compatível com os parâmetros bíblicos. No caso de falta de tempo, é importante que se leia o primeiro parágrafo dos artigos 91
  89. 89. para que, ao menos, se tenha uma boa noção do con­ teúdo dos mesmos. Hm livros best sellers, é interessan­ te ler, pelo menos, os resumos que existem na capa ou na orelha do livro. Réfeições Em refeitórios, começa-se a comer na hora de chegada e não espera-se pelos companheiros. No caso de bufet, deve-se cuidar para não exceder-se ao montar seu prato. Esperar que o anfitrião indique lugar à mesa (Lc 14.7). O cafezinho, se for oferecido pode ser aceito ou não. Repetição é sinal de ansiedade. A colher deve ficar no pires e não dentro da xícara. Deve-se ser comedido no servir. Cotovelos próximos ao corpo para cortar a carne. Pegar a faca com os dedos polegar e indicador sobre o cabo e os outros pressionando sobre a concha da mão. O garfo na mão esquerda. Jamais um talher é seguro de modo a ficar na vertical sobre o prato. No caso dos canhotos, invertem-se as posições. Palitar os dentes é um ato que deve ser feito no banheiro, não na mesa ou na bandeja da refeição. Terminado um almoço ou jantar, o guardana­ po é colocado sem dobrar à esquerda do prato servido. A colher do sorvete ou creme, ao concluir a sobremesa, é deixada sobre o pratinho sobre o qual está a taça. Antes de beber, passe o guardanapo nos lábi­ 92
  90. 90. os, para não deixar marcas de gordura na borda do copo durante a refeição. Pãozinho de couvert é partido com os dedos. A faquinha é usada só para untar com manteiga. Compotas de pêssegos e sobremesas com mo­ lho e frutas come-se com garfinho e colher. Comunicação verbal Deve-se sempre olhar para a fronte do interlocutor. Não olhar para uma pessoa que está sen­ do repreendida. Ao conversar, deve-se ouvir atentamen­ te o interlocutor, dando importância ao assunto. E im­ portante preservar um espaço individual para o mes­ mo (cerca de meio metro) e não gesticular exageradamente ou bater no braço da outra pessoa. Numa reunião em grupo bastante concorri­ da, deve-se ter o cuidado de não deixar ninguém isola­ do, mas introduzir as pessoas nos grupos. Quando ou­ tra pessoa chegar num grupo onde um assunto já esti­ ver sendo abordado, deve-se realizar uma síntese do que já foi falado para que o novo integrante não se sinta deslocado. Quando desejar trocar de grupo, deve- se pedir licença antes de se deslocar. Sempre que uma festa (como um coquetel) for realizado em uma resi­ dência, um convidado não sai sem falar com os donos da casa. Deve-se usar palavras brandas, pois “há al­ guns cujas palavras são como pontas de espada, mas a língua do sábio é saúde” (Pv 12.18). Chama-se as pessoas pelo nome ou por verbo 93
  91. 91. impessoal. Nunca chamar aos gritos. Quando receber uma carta, não se deve abri- la na frente de outra pessoa, ao menos que a mesma tenha sido entregue por essa ou seja de caráter urgente (nesse caso, deve-se pedir licença à outra pessoa). Numa ligação telefônica, quem chama é que espera. Quando a mesma é interrompida por proble­ mas técnicos, quem chamou é quem volta a telefonar e também toma a iniciativa de despedida. Não se co­ nhecendo os hábitos de uma casa, antes das dez horas da manhã é indelicado telefonar; também não se tele­ fona, para alguém com quem não se tenha intimidade, depois das vinte e duas horas. Apresentações Quando for apresentado alguém que ocupe um alto cargo, sua função precede o seu nome. No caso de ser um secretário apresentado ao chefe, o nome vai primeiro e após sua função. Para estabelecer a ordem de apresentações, leva-se em conta a hierarquia ou a idade das pessoas, destacando-se sempre o cargo mais alto ou o de maior idade. Se não conseguir lembrar o nome de alguém, pede-se para a pessoa repetir o nome completo; nunca falar “esqueci seu nome”. Não é pro­ blema pedir para que repita o sobrenome; é até defe­ rência. A iniciativa de apertar a mão deve partir da pessoa a quem está sendo feita a apresentação. No caso de haver cartões de apresentação, a iniciativa deve partir da pessoa mais importante, que também pedirá o car­ tão da outra. 94
  92. 92. Quando se trata de emprestar dinheiro, existe sempre um constrangimento. Uma boa medida é a de não estimular o vício do colega que está sempre pedin­ do pequenas quantias. Um dia ele deixa de pagar e termina um bom relacionamento. Aconselhamento Em assuntos particulares, é melhor que a pes­ soa que está vivendo a situação tome a iniciativa de comentar o fato; e, mesmo assim, a outra só fala sobre tal assunto se for dada abertura. Reuniões Uma pessoa não pode se manifestar sobre o seu departamento ou congregação quando seu líder estiver presente, a não ser que peça a devida licença. Um integrante novo no grupo não deve dar opiniões, para se fazer notar. Deve esperar o líder apresentá-lo. Esta apresentação é um dever do líder. Em caso de atraso, o retardatário não deve cumprimentar os demais presentes em voz alta e nem pedir licença. Sua chegada deve ser o mais discreta possível. As desculpas devem ser apresentadas no final da reunião. Não intervir enquanto quem estiver com a palavra não houver concluído seu pensamento. Deve ser pedido aparte com um gesto ou com qualquer Empréstimo de dinheiro 95

×