SlideShare uma empresa Scribd logo

Memorial 2.0 (sinalização) / Maceió Cultura

1 de 32
INTRODUÇÃO



       Este segundo memorial visa o estudo, analise e verificação de uma unidade de
padrão visual, ou seja, uma sinalização com intuito turístico. Assim, é bastante
relevante a caracterização de normas e construções visuais capazes de fornecer
orientação para um sistema de transição de pessoas, pois como outros recursos
necessários a um destino turístico, sinalizar também é essencial para que a grande
maioria das pessoas que visitam determinado destino tenha informações sobre
determinados atrativos. Logo, o presente documento garante a qualidade técnica e
assertivas para o fomento de uma construção significativa de uma sinalização eficaz na
orla de Maceió, dada como objeto de estudo.
PROJETO DE INTEGRAÇÃO E APLICABILIDADES


Memorial 1.0 – Conceito
Memorial 2.0 – Sinalização
Memorial 3.0 – Papelaria e Embalagem
1. Problematização




     Um local bem sinalizado torna-se modelo para outros, informa e evita acidentes.
A sinalização é muito importante não somente para os usuários, mas para todos
aqueles que fazem uso de sua diretriz, obtendo-se informações corretas sobre direção
e localização de setores, e principalmente áreas de risco.

     A sinalização deve ser precisa, e demonstrada em termos e pictografias de fácil
entendimento. Segundo Noberto Chamma (2007, pag 158) “o principal objetivo da
sinalização é informar os usuários não freqüentes. Aqueles que não têm domínio do
espaço e/ou ambiente. Tendo como principal missão, tornar a visita do novo usuário
confortável, prescindindo da comunicação verbal e da boa vontade de terceiros em
informar”.

     A proposta do projeto de sinalização visa demonstrar, facilitar, e alertar a todos
sobre a importância da sinalização. Visando desenvolver placas de sinalizações
informativas, respeitando e obedecendo a regras, normas de sinalização e segurança,
respeitando uma identidade visual, utilizando materiais de qualidade na comunicação.

     Logo como contribuir, visando um menor custo e evitando um excesso de
sinalização, para que uma área turística seja sinalizada corretamente e que não haja
uma poluição visual?

     Entre outros aspectos, aprofundando este problema inicial, depare-se com os
seguintes problemas específicos:

1) Estrutura Visual
       i) Dimensões?
       ii) Matéria-prima?
       iii) Custo?
       iv) Representação?
             1. Cor
             2. Ícone
3. Símbolo
           4. Forma
           5. Linha
           6. Textura
       v) Flexível ou Rígido, Fixo ou Móvel?
       vi) Intempéries?
       vii) Visibilidade da peça gráfica, dos dois lados ou apenas de um dos lados?
       viii) Altura de poste?
       ix) Nomenclatura?
       x) Tipografia?
       xi) Sinalização turística?
       xii) Iluminação (natural e artificial)?
       xiii) Se forem, que órgão faz esse controle?


2) Manutenção:
       i) Custos?
       ii) Quem fará a manutenção?
       iii) Que período para manutenção?
       iv) Durabilidade?
       v) Qualidade?


3) Logística:
       i) Normas de instalação?
       ii) Transporte e instalação?
       iii) Quem vai pagar?
2. Objetivos

     A definição e padronização de procedimentos a serem adotados para uma
elaboração do projeto de sinalização durante o período de alta e baixa temporada do
turismo em Maceió requer complexidade e enquadramento do perfil dos usuários,
enquadrando exclusivamente um trecho da orla da Pajuçara.




   2.1 Geral



       Analisar e desenvolver um projeto de sinalização interno e externo para a orla
       de Maceió entre a feira de artesanato e o passeio de jangadas, proporcionando
       melhor informação aos seus usuários.


   2.2 Específicos

          Substituir o atual sistema de sinalização presente;

          Suprir as atuais deficiências;

          Atualizando suas informações;

          Especificar a compatibilidade das normas vigentes para as instalações e
          padronizações;

          Disponibilizar conforto visual;

          Caracterizar informações coerentes e segurança aos usuários;

          Classificar as restrições arquitetônicas;

          Identificar a nova identidade visual;

          Caracterizar o fomento institucional e turístico do local;
3. Justificativa/Vantagens do Projeto


     A realização do Projeto de Sinalização Turística do circuito cultural da Orla da
Pajuçara de Maceió justifica-se por ser “o setor de viagens e turismo o maior e o mais
diversificado”, segundo a Organização Mundial de Turismo – OMT (2003). Vários
países, estados e cidades possuem essa prática. Tendo como fator de desenvolvimento
e crescimento econômico.

          Ainda, conforme a OMT, o que contribuiu para o rápido crescimento do turismo
no mundo, foi a acessibilidade aos diversos fatores que compõem a experiência da
viagem, como transporte, alojamentos e restaurantes, agências de viagens e
operadores de turismo, iniciativas de marketing e tecnologias avançadas tornando as
viagens seguras, confortáveis e agradáveis (OMT 2003)

     O turismo demanda praticamente a movimentação e deslocação de pessoas em
viagens, passeios e circuitos e, decorre daí, a iniciativa da implementação de uma
sinalização adequada que atenda as necessidades dos usuários.

     Com o grande fluxo rotineiro de turistas na área pretendida para receber a
adequação do projeto de sinalização, apontou a necessidade de um modelo
consistente e adequado ao entendimento de todos aqueles que visitam a nossa
cidade.

     O projeto consiste na definição de dispositivos de sinalização cuja principal
finalidade deve ser a orientação, informação, além de facilitar a circulação do turista,
devendo, portanto:

              - advertir com antecedência a existência de locais ou serviços para
      diversão;

              - regulamentar a circulação, a velocidade e outras condições para a
      segurança local;

              - ordenar o fluxo de pessoas, de modo a evitar movimentos conflitantes,
      reduzir riscos de se perder no local e minimizar o caos;
Anúncio

Recomendados

Sinaletica turistica
Sinaletica turisticaSinaletica turistica
Sinaletica turisticaAvany Martins
 
Ferramentas de apoio à promoção turística
Ferramentas de apoio à promoção turísticaFerramentas de apoio à promoção turística
Ferramentas de apoio à promoção turísticaGEOSPATIUMLAB, S.L.
 
Emilia correia lima cidade madura
Emilia correia lima   cidade maduraEmilia correia lima   cidade madura
Emilia correia lima cidade maduraAssociação Cohabs
 
Política de HIS - Grandes projetos amazônicos - PM Vitória xingu-PA
Política de HIS - Grandes projetos amazônicos - PM Vitória xingu-PAPolítica de HIS - Grandes projetos amazônicos - PM Vitória xingu-PA
Política de HIS - Grandes projetos amazônicos - PM Vitória xingu-PAAssociação Cohabs
 
Atividade 7 meio ambiente
Atividade 7   meio ambienteAtividade 7   meio ambiente
Atividade 7 meio ambienteMarcosk1
 

Mais conteúdo relacionado

Destaque

Carta empresarial aula
Carta empresarial aulaCarta empresarial aula
Carta empresarial aulaVânia Franco
 
Exemplo de Organograma de Hotel de Grande Porte
Exemplo de Organograma de Hotel de Grande PorteExemplo de Organograma de Hotel de Grande Porte
Exemplo de Organograma de Hotel de Grande PorteCarlos Alberto Maniçoba
 
Estudo preliminar terreno e seus condicionantes
Estudo preliminar   terreno e seus condicionantesEstudo preliminar   terreno e seus condicionantes
Estudo preliminar terreno e seus condicionantesRômulo Marques
 
Dimensões para projetos hoteleiros
Dimensões para projetos hoteleirosDimensões para projetos hoteleiros
Dimensões para projetos hoteleirosCarlos Elson Cunha
 

Destaque (6)

Procuração total 3
Procuração total 3Procuração total 3
Procuração total 3
 
Hotel modelo1
Hotel   modelo1Hotel   modelo1
Hotel modelo1
 
Carta empresarial aula
Carta empresarial aulaCarta empresarial aula
Carta empresarial aula
 
Exemplo de Organograma de Hotel de Grande Porte
Exemplo de Organograma de Hotel de Grande PorteExemplo de Organograma de Hotel de Grande Porte
Exemplo de Organograma de Hotel de Grande Porte
 
Estudo preliminar terreno e seus condicionantes
Estudo preliminar   terreno e seus condicionantesEstudo preliminar   terreno e seus condicionantes
Estudo preliminar terreno e seus condicionantes
 
Dimensões para projetos hoteleiros
Dimensões para projetos hoteleirosDimensões para projetos hoteleiros
Dimensões para projetos hoteleiros
 

Semelhante a Memorial 2.0 (sinalização) / Maceió Cultura

Memorial de ergonomia visual - Bairro Jaraguá
Memorial de ergonomia visual - Bairro JaraguáMemorial de ergonomia visual - Bairro Jaraguá
Memorial de ergonomia visual - Bairro JaraguáRaphael Araujo
 
Tecnologias no Marketing e Comunicação Digital para o sector do Alojamento
Tecnologias no Marketing e Comunicação Digital para o sector do AlojamentoTecnologias no Marketing e Comunicação Digital para o sector do Alojamento
Tecnologias no Marketing e Comunicação Digital para o sector do AlojamentoHelena Dias
 
Digital Marketing Technologies in Tourist Accommodation
Digital Marketing Technologies in Tourist AccommodationDigital Marketing Technologies in Tourist Accommodation
Digital Marketing Technologies in Tourist AccommodationUbiwhere
 
Mapeamento No Turismo Acessível
Mapeamento No Turismo AcessívelMapeamento No Turismo Acessível
Mapeamento No Turismo AcessívelScott Rains
 
O comercio internacional via ferramenta de busca web
O comercio internacional via ferramenta de busca webO comercio internacional via ferramenta de busca web
O comercio internacional via ferramenta de busca webPaula Goncalves
 
APRESENTAÇÃO WELCOME GUIDES
APRESENTAÇÃO WELCOME GUIDESAPRESENTAÇÃO WELCOME GUIDES
APRESENTAÇÃO WELCOME GUIDESVitor Pereira
 
Modelo de negócio rio culturabikeshare
Modelo de negócio rio culturabikeshareModelo de negócio rio culturabikeshare
Modelo de negócio rio culturabikeshareAdair Aguiar
 
1327579883_construção_gestão_programas__animação_turística.pdf
1327579883_construção_gestão_programas__animação_turística.pdf1327579883_construção_gestão_programas__animação_turística.pdf
1327579883_construção_gestão_programas__animação_turística.pdfJoseAssis9
 
Wayfinding Software Interativo - Quiosques Digitais
Wayfinding Software Interativo - Quiosques DigitaisWayfinding Software Interativo - Quiosques Digitais
Wayfinding Software Interativo - Quiosques DigitaisPARTTEAM & OEMKIOSKS
 
Aqua - Telas e aplicativos touchscreen multitoque
Aqua - Telas e aplicativos touchscreen multitoqueAqua - Telas e aplicativos touchscreen multitoque
Aqua - Telas e aplicativos touchscreen multitoqueFábio Assis
 
SEBRAE RJ | Relatório Destinos Turísticos Inteligentes 2017
SEBRAE RJ | Relatório Destinos Turísticos Inteligentes 2017SEBRAE RJ | Relatório Destinos Turísticos Inteligentes 2017
SEBRAE RJ | Relatório Destinos Turísticos Inteligentes 2017Alinesilva.in
 
Trabalho académico "Estudo sobre o impacto da implementação de uma extranet n...
Trabalho académico "Estudo sobre o impacto da implementação de uma extranet n...Trabalho académico "Estudo sobre o impacto da implementação de uma extranet n...
Trabalho académico "Estudo sobre o impacto da implementação de uma extranet n...Cláudia Samouqueiro e Vasconcellos
 
Turismo acessível, manual de orientação para responsáveis por políticas públi...
Turismo acessível, manual de orientação para responsáveis por políticas públi...Turismo acessível, manual de orientação para responsáveis por políticas públi...
Turismo acessível, manual de orientação para responsáveis por políticas públi...EcoHospedagem
 
Aula 2.pptx
Aula 2.pptxAula 2.pptx
Aula 2.pptxmhap19
 
PAPER sobre utilização de Quiosques Interactivos e Mupis Digitais no sector d...
PAPER sobre utilização de Quiosques Interactivos e Mupis Digitais no sector d...PAPER sobre utilização de Quiosques Interactivos e Mupis Digitais no sector d...
PAPER sobre utilização de Quiosques Interactivos e Mupis Digitais no sector d...Miguel Soares
 
Centros comerciais e Retalho - Quiosques Multimédia e Mupis Digitais
Centros comerciais e Retalho - Quiosques Multimédia e Mupis DigitaisCentros comerciais e Retalho - Quiosques Multimédia e Mupis Digitais
Centros comerciais e Retalho - Quiosques Multimédia e Mupis DigitaisPARTTEAM & OEMKIOSKS
 

Semelhante a Memorial 2.0 (sinalização) / Maceió Cultura (20)

Memorial de ergonomia visual - Bairro Jaraguá
Memorial de ergonomia visual - Bairro JaraguáMemorial de ergonomia visual - Bairro Jaraguá
Memorial de ergonomia visual - Bairro Jaraguá
 
Centro de informação turistica
Centro de informação turistica Centro de informação turistica
Centro de informação turistica
 
Tecnologias no Marketing e Comunicação Digital para o sector do Alojamento
Tecnologias no Marketing e Comunicação Digital para o sector do AlojamentoTecnologias no Marketing e Comunicação Digital para o sector do Alojamento
Tecnologias no Marketing e Comunicação Digital para o sector do Alojamento
 
Digital Marketing Technologies in Tourist Accommodation
Digital Marketing Technologies in Tourist AccommodationDigital Marketing Technologies in Tourist Accommodation
Digital Marketing Technologies in Tourist Accommodation
 
Mapeamento No Turismo Acessível
Mapeamento No Turismo AcessívelMapeamento No Turismo Acessível
Mapeamento No Turismo Acessível
 
O comercio internacional via ferramenta de busca web
O comercio internacional via ferramenta de busca webO comercio internacional via ferramenta de busca web
O comercio internacional via ferramenta de busca web
 
Análise de campanha publicitária
Análise de campanha publicitáriaAnálise de campanha publicitária
Análise de campanha publicitária
 
APRESENTAÇÃO WELCOME GUIDES
APRESENTAÇÃO WELCOME GUIDESAPRESENTAÇÃO WELCOME GUIDES
APRESENTAÇÃO WELCOME GUIDES
 
Modelo de negócio rio culturabikeshare
Modelo de negócio rio culturabikeshareModelo de negócio rio culturabikeshare
Modelo de negócio rio culturabikeshare
 
1327579883_construção_gestão_programas__animação_turística.pdf
1327579883_construção_gestão_programas__animação_turística.pdf1327579883_construção_gestão_programas__animação_turística.pdf
1327579883_construção_gestão_programas__animação_turística.pdf
 
Wayfinding Software Interativo - Quiosques Digitais
Wayfinding Software Interativo - Quiosques DigitaisWayfinding Software Interativo - Quiosques Digitais
Wayfinding Software Interativo - Quiosques Digitais
 
Aqua - Telas e aplicativos touchscreen multitoque
Aqua - Telas e aplicativos touchscreen multitoqueAqua - Telas e aplicativos touchscreen multitoque
Aqua - Telas e aplicativos touchscreen multitoque
 
SEBRAE RJ | Relatório Destinos Turísticos Inteligentes 2017
SEBRAE RJ | Relatório Destinos Turísticos Inteligentes 2017SEBRAE RJ | Relatório Destinos Turísticos Inteligentes 2017
SEBRAE RJ | Relatório Destinos Turísticos Inteligentes 2017
 
Trabalho académico "Estudo sobre o impacto da implementação de uma extranet n...
Trabalho académico "Estudo sobre o impacto da implementação de uma extranet n...Trabalho académico "Estudo sobre o impacto da implementação de uma extranet n...
Trabalho académico "Estudo sobre o impacto da implementação de uma extranet n...
 
Turismo acessível, manual de orientação para responsáveis por políticas públi...
Turismo acessível, manual de orientação para responsáveis por políticas públi...Turismo acessível, manual de orientação para responsáveis por políticas públi...
Turismo acessível, manual de orientação para responsáveis por políticas públi...
 
Digital para que te quero...
Digital para que te quero...Digital para que te quero...
Digital para que te quero...
 
Placa Pirulito
Placa PirulitoPlaca Pirulito
Placa Pirulito
 
Aula 2.pptx
Aula 2.pptxAula 2.pptx
Aula 2.pptx
 
PAPER sobre utilização de Quiosques Interactivos e Mupis Digitais no sector d...
PAPER sobre utilização de Quiosques Interactivos e Mupis Digitais no sector d...PAPER sobre utilização de Quiosques Interactivos e Mupis Digitais no sector d...
PAPER sobre utilização de Quiosques Interactivos e Mupis Digitais no sector d...
 
Centros comerciais e Retalho - Quiosques Multimédia e Mupis Digitais
Centros comerciais e Retalho - Quiosques Multimédia e Mupis DigitaisCentros comerciais e Retalho - Quiosques Multimédia e Mupis Digitais
Centros comerciais e Retalho - Quiosques Multimédia e Mupis Digitais
 

Mais de Raphael Araujo

Uso consciente das redes sociais
Uso consciente das redes sociaisUso consciente das redes sociais
Uso consciente das redes sociaisRaphael Araujo
 
Da graduação para o mercado de trabalho
Da graduação para o mercado de trabalhoDa graduação para o mercado de trabalho
Da graduação para o mercado de trabalhoRaphael Araujo
 
Design de mídias interativas (Aula 03)
Design de mídias interativas (Aula 03)Design de mídias interativas (Aula 03)
Design de mídias interativas (Aula 03)Raphael Araujo
 
Design de mídias interativas (Aula 02)
Design de mídias interativas (Aula 02)Design de mídias interativas (Aula 02)
Design de mídias interativas (Aula 02)Raphael Araujo
 
Design de mídias interativas (Aula 01)
Design de mídias interativas (Aula 01)Design de mídias interativas (Aula 01)
Design de mídias interativas (Aula 01)Raphael Araujo
 
Produção de videoaulas
Produção de videoaulasProdução de videoaulas
Produção de videoaulasRaphael Araujo
 
Guia de materiais didáticos
Guia de materiais didáticosGuia de materiais didáticos
Guia de materiais didáticosRaphael Araujo
 
Apresentação Marca Cied 2014
Apresentação Marca Cied 2014Apresentação Marca Cied 2014
Apresentação Marca Cied 2014Raphael Araujo
 
Edital Festival Música
Edital Festival MúsicaEdital Festival Música
Edital Festival MúsicaRaphael Araujo
 
Edital Festival do Minuto
Edital Festival do MinutoEdital Festival do Minuto
Edital Festival do MinutoRaphael Araujo
 
Edital Exposição de Arte e Design
Edital Exposição de Arte e DesignEdital Exposição de Arte e Design
Edital Exposição de Arte e DesignRaphael Araujo
 
GoogleDocs - Potencializando o uso de questionários online em pesquisas cient...
GoogleDocs - Potencializando o uso de questionários online em pesquisas cient...GoogleDocs - Potencializando o uso de questionários online em pesquisas cient...
GoogleDocs - Potencializando o uso de questionários online em pesquisas cient...Raphael Araujo
 
WebTV um recurso didático pedagógico para o ensino superior (apresentação)
WebTV um recurso didático pedagógico para o ensino superior (apresentação)WebTV um recurso didático pedagógico para o ensino superior (apresentação)
WebTV um recurso didático pedagógico para o ensino superior (apresentação)Raphael Araujo
 
Noções básicas de multimídia
Noções básicas de multimídiaNoções básicas de multimídia
Noções básicas de multimídiaRaphael Araujo
 
Fotografia, linguagem e design
Fotografia, linguagem e designFotografia, linguagem e design
Fotografia, linguagem e designRaphael Araujo
 

Mais de Raphael Araujo (20)

Uso consciente das redes sociais
Uso consciente das redes sociaisUso consciente das redes sociais
Uso consciente das redes sociais
 
Da graduação para o mercado de trabalho
Da graduação para o mercado de trabalhoDa graduação para o mercado de trabalho
Da graduação para o mercado de trabalho
 
Mídiakit Serviços
Mídiakit ServiçosMídiakit Serviços
Mídiakit Serviços
 
Midiakit Cursos
Midiakit CursosMidiakit Cursos
Midiakit Cursos
 
Design de mídias interativas (Aula 03)
Design de mídias interativas (Aula 03)Design de mídias interativas (Aula 03)
Design de mídias interativas (Aula 03)
 
Design de mídias interativas (Aula 02)
Design de mídias interativas (Aula 02)Design de mídias interativas (Aula 02)
Design de mídias interativas (Aula 02)
 
Design de mídias interativas (Aula 01)
Design de mídias interativas (Aula 01)Design de mídias interativas (Aula 01)
Design de mídias interativas (Aula 01)
 
Produção de videoaulas
Produção de videoaulasProdução de videoaulas
Produção de videoaulas
 
Guia do coordenador
Guia do coordenadorGuia do coordenador
Guia do coordenador
 
Guia do tutor
Guia do tutorGuia do tutor
Guia do tutor
 
Guia de materiais didáticos
Guia de materiais didáticosGuia de materiais didáticos
Guia de materiais didáticos
 
Apresentação Marca Cied 2014
Apresentação Marca Cied 2014Apresentação Marca Cied 2014
Apresentação Marca Cied 2014
 
Edital Festival Música
Edital Festival MúsicaEdital Festival Música
Edital Festival Música
 
Edital Festival do Minuto
Edital Festival do MinutoEdital Festival do Minuto
Edital Festival do Minuto
 
Edital Exposição de Arte e Design
Edital Exposição de Arte e DesignEdital Exposição de Arte e Design
Edital Exposição de Arte e Design
 
Percepção visual
Percepção visualPercepção visual
Percepção visual
 
GoogleDocs - Potencializando o uso de questionários online em pesquisas cient...
GoogleDocs - Potencializando o uso de questionários online em pesquisas cient...GoogleDocs - Potencializando o uso de questionários online em pesquisas cient...
GoogleDocs - Potencializando o uso de questionários online em pesquisas cient...
 
WebTV um recurso didático pedagógico para o ensino superior (apresentação)
WebTV um recurso didático pedagógico para o ensino superior (apresentação)WebTV um recurso didático pedagógico para o ensino superior (apresentação)
WebTV um recurso didático pedagógico para o ensino superior (apresentação)
 
Noções básicas de multimídia
Noções básicas de multimídiaNoções básicas de multimídia
Noções básicas de multimídia
 
Fotografia, linguagem e design
Fotografia, linguagem e designFotografia, linguagem e design
Fotografia, linguagem e design
 

Memorial 2.0 (sinalização) / Maceió Cultura

  • 1. INTRODUÇÃO Este segundo memorial visa o estudo, analise e verificação de uma unidade de padrão visual, ou seja, uma sinalização com intuito turístico. Assim, é bastante relevante a caracterização de normas e construções visuais capazes de fornecer orientação para um sistema de transição de pessoas, pois como outros recursos necessários a um destino turístico, sinalizar também é essencial para que a grande maioria das pessoas que visitam determinado destino tenha informações sobre determinados atrativos. Logo, o presente documento garante a qualidade técnica e assertivas para o fomento de uma construção significativa de uma sinalização eficaz na orla de Maceió, dada como objeto de estudo.
  • 2. PROJETO DE INTEGRAÇÃO E APLICABILIDADES Memorial 1.0 – Conceito Memorial 2.0 – Sinalização Memorial 3.0 – Papelaria e Embalagem
  • 3. 1. Problematização Um local bem sinalizado torna-se modelo para outros, informa e evita acidentes. A sinalização é muito importante não somente para os usuários, mas para todos aqueles que fazem uso de sua diretriz, obtendo-se informações corretas sobre direção e localização de setores, e principalmente áreas de risco. A sinalização deve ser precisa, e demonstrada em termos e pictografias de fácil entendimento. Segundo Noberto Chamma (2007, pag 158) “o principal objetivo da sinalização é informar os usuários não freqüentes. Aqueles que não têm domínio do espaço e/ou ambiente. Tendo como principal missão, tornar a visita do novo usuário confortável, prescindindo da comunicação verbal e da boa vontade de terceiros em informar”. A proposta do projeto de sinalização visa demonstrar, facilitar, e alertar a todos sobre a importância da sinalização. Visando desenvolver placas de sinalizações informativas, respeitando e obedecendo a regras, normas de sinalização e segurança, respeitando uma identidade visual, utilizando materiais de qualidade na comunicação. Logo como contribuir, visando um menor custo e evitando um excesso de sinalização, para que uma área turística seja sinalizada corretamente e que não haja uma poluição visual? Entre outros aspectos, aprofundando este problema inicial, depare-se com os seguintes problemas específicos: 1) Estrutura Visual i) Dimensões? ii) Matéria-prima? iii) Custo? iv) Representação? 1. Cor 2. Ícone
  • 4. 3. Símbolo 4. Forma 5. Linha 6. Textura v) Flexível ou Rígido, Fixo ou Móvel? vi) Intempéries? vii) Visibilidade da peça gráfica, dos dois lados ou apenas de um dos lados? viii) Altura de poste? ix) Nomenclatura? x) Tipografia? xi) Sinalização turística? xii) Iluminação (natural e artificial)? xiii) Se forem, que órgão faz esse controle? 2) Manutenção: i) Custos? ii) Quem fará a manutenção? iii) Que período para manutenção? iv) Durabilidade? v) Qualidade? 3) Logística: i) Normas de instalação? ii) Transporte e instalação? iii) Quem vai pagar?
  • 5. 2. Objetivos A definição e padronização de procedimentos a serem adotados para uma elaboração do projeto de sinalização durante o período de alta e baixa temporada do turismo em Maceió requer complexidade e enquadramento do perfil dos usuários, enquadrando exclusivamente um trecho da orla da Pajuçara. 2.1 Geral Analisar e desenvolver um projeto de sinalização interno e externo para a orla de Maceió entre a feira de artesanato e o passeio de jangadas, proporcionando melhor informação aos seus usuários. 2.2 Específicos Substituir o atual sistema de sinalização presente; Suprir as atuais deficiências; Atualizando suas informações; Especificar a compatibilidade das normas vigentes para as instalações e padronizações; Disponibilizar conforto visual; Caracterizar informações coerentes e segurança aos usuários; Classificar as restrições arquitetônicas; Identificar a nova identidade visual; Caracterizar o fomento institucional e turístico do local;
  • 6. 3. Justificativa/Vantagens do Projeto A realização do Projeto de Sinalização Turística do circuito cultural da Orla da Pajuçara de Maceió justifica-se por ser “o setor de viagens e turismo o maior e o mais diversificado”, segundo a Organização Mundial de Turismo – OMT (2003). Vários países, estados e cidades possuem essa prática. Tendo como fator de desenvolvimento e crescimento econômico. Ainda, conforme a OMT, o que contribuiu para o rápido crescimento do turismo no mundo, foi a acessibilidade aos diversos fatores que compõem a experiência da viagem, como transporte, alojamentos e restaurantes, agências de viagens e operadores de turismo, iniciativas de marketing e tecnologias avançadas tornando as viagens seguras, confortáveis e agradáveis (OMT 2003) O turismo demanda praticamente a movimentação e deslocação de pessoas em viagens, passeios e circuitos e, decorre daí, a iniciativa da implementação de uma sinalização adequada que atenda as necessidades dos usuários. Com o grande fluxo rotineiro de turistas na área pretendida para receber a adequação do projeto de sinalização, apontou a necessidade de um modelo consistente e adequado ao entendimento de todos aqueles que visitam a nossa cidade. O projeto consiste na definição de dispositivos de sinalização cuja principal finalidade deve ser a orientação, informação, além de facilitar a circulação do turista, devendo, portanto: - advertir com antecedência a existência de locais ou serviços para diversão; - regulamentar a circulação, a velocidade e outras condições para a segurança local; - ordenar o fluxo de pessoas, de modo a evitar movimentos conflitantes, reduzir riscos de se perder no local e minimizar o caos;
  • 7. - transmitir informações claras e padronizadas aos turistas; Fundamenta-se assim, o fortalecimento e o acentuado crescimento socioeconômico, garantido como vantagem maior, considerando o desenvolvimento social, cultural e econômico que a atividade proporciona nos tempos atuais. Por isso justifica-se a importância desse estudo que tem como objetivo maior avaliar se os usuários estão satisfeitos com as placas sinalizadoras existentes no local a fim de conhecer se a sinalização turística cumpre seu papel em informar sobre de forma simples e concisa todos os usuários. 4. Fundamentação teórica Com a evolução do design digital a construção significativa da forma, figura, elemento gerou o aperfeiçoamento de soluções gráficas, diversificando a maneira de comunicar. Na década de 1970 o conceito surgido, no entanto, antes do advento da digitalização tecnológica, era a disposição manual da elaboração de um processo gráfico, onde quase tudo era pré-gravado. Agora essas características tecnológicas são utilizadas de forma eficaz no marketing empresarial, que por consequência agregam valor visual. Dentre elas temos um produto específico: a Sinalização. Segundo Roberto Chamma (2007, pag. 153) “projetos de sinalização, por definição, é uma associação de formas escultóricas informativas distribuídas num determinado espaço físico, aberto ou fechado.” Assim, a sinalização tem o objetivo de organizar os ambientes, fornecendo informações de forma clara e direta para que o seu usuário encontre rapidamente o que deseja. “Suas características mais importantes são a legibilidade e a veiculação de informações compreensíveis e fidedignas que antecipem as necessidades de esclarecimento dos usuários” (CHAMA, 2007, pag. 153). Contudo, deve estar integrada, visualmente, ao ambiente onde será instalada para que a imagem institucional da empresa seja uniforme e coerente.
  • 8. Obviamente, existem sinais de comunicar informações, mas surpreendentemente em muitas comunidades existem diversos tipos. Paralelo a tantas propagações de informações, sejam elas quais forem, temos a sinalização turística onde no Brasil foi regulamentada em 1994, quando começou a fazer parte da Sinalização de Trânsito como placas de indicação de atrativos turísticos. Hoje a sinalização turística está contida no Anexo II do Código de Trânsito Brasileiro, aprovado pela Resolução nº 160, de 22 de Abril de 2004. Com o objetivo de fornecer subsídios técnicos, normativos e informativos à elaboração de projetos locais de sinalização turística, em uma tentativa de padronização, a EMBRATUR, juntamente com o DENATRAN e o IPHAN, lançou, em 2001, o Guia Brasileiro de Sinalização Turística. Ou seja, elementos padronizados de acordo com sua forma, função e cor. As placas de sinalização se classificam como: Placas de indicação. Subdividas em placas indicativas de serviços auxiliares e atrativos turísticos. Tendo como finalidade identificar os destinos e os locais de interesses turísticos, bem como indicar as direções e as distâncias. Assim sendo, a sinalização turística, do ponto de vista do governo, é motivada pela necessidade de garantir a segurança pública e ao mesmo tempo, pactuar um impacto visual dos sinais em uma comunidade. Entende-se que quando uma cidade se vende como turística precisa estar preparada com meios de hospedagens, atrativos e infra estrutura que são primordiais a todos. A sinalização encontra-se inserida na infra estrutura necessária para o deslocamento de turistas. Pois de nada adianta se não existe sinalização com informações exatas de como o turista faz para chegar a determinado atrativo. Da mesma forma considera-se um contra censo existir atrativos turísticos que não apresentam informações satisfatórias em sua sinalização, obrigando ao turista buscar informações sobre o local por outros meios ou até mesmo sair do atrativo sem informações. O turismo em Maceió encerrou o ano com a melhor taxa de ocupação dos últimos tempos na hotelaria. Nos feriadões, fins de semana, férias, Natal e réveillon
  • 9. girou em torno de 90% a 100%. As ações de melhoria da cidade e a seriedade da prefeitura motivaram os empresários a investir no setor de turismo. Novos restaurantes, pousadas e hotéis, e mais empreendimentos hoteleiros já começaram a ser construídos. Porém, existe a carência determinante de sinalização que propague a informação correta. Maceió cresce no setor turístico, mas nada faz para melhorar a qualidade de recepcionar o turista que chega à cidade. Manter uma sinalização padronizada e bem construída fortalece a identidade da cidade e garante a vinda do turista. Em uma análise geral do posicionamento atual da cidade (Figura 1) através do potencial de escolha pelos turistas, percebemos a forte e crescente busca e interesse pelas cidades nordestinas. (Figura 1) Maceió atualmente é bastante visitada por possibilitar visão ampla de uma orla bela, de cor única. Apresentando um público diferenciado. Logo abaixo segue uma análise mais completa sobre o perfil do público e seu interesse:
  • 10. Público Alvo: - Clientes atuais: consumidores que compraram serviços de turismo em pacotes ou em partes nos últimos dois anos; - Clientes potenciais: consumidores que podem vir a comprar serviços e produtos turísticos em pacotes ou em partes nos próximos dois anos. Este público preserva a qualidade dos produtos e serviços prestados em determinadas áreas de Maceió. Sendo difundidos: Cultura; Historia; Artesanato; Arquitetura; Gastronomia; Dentro dessas áreas encontram-se os principais defeitos de uma sinalização. Focando as estruturas nesses aspectos, fortalecerá o fortalecimento da identidade da cidade. É importante observar também, que os espaços destinados ao turismo precisam essencialmente de três tipos de fatores para existir: 1- infra-estrutura 2- superestrutura 3- turistas A infra-estrutura corresponde, a sinalização turística, coleta de lixo, rede de esgoto, telefonia etc. Quanto à superestrutura são as normas, legislações que serão traças pelo estado a fim de que delimite o uso do espaço para o turismo. O fluxo de turistas que efetivamente são as pessoas que freqüentam o espaço por diversas motivações.
  • 11. 5. PROBLEMATIZAÇÃO / SISTEMATIZAÇÃO 5.1 Caracterização da Tarefa (Anexo IV) - Sistema alvo: Sinalização interna e externada orla de Maceió entre o artesanato e passeio das jangadas. - Entrada: Cidadão buscando informação e orientação sobre localização das atividades culturais e turísticas da orla. - Meta: Comunicar, informar e orientar os usuários, através do sistema de sinalização. Facilitando a circulação e a movimentação no espaço enquadrado da orla. - Requisitos: Legibilidade, compreensibilidade, visibilidade, leiturabilidade, unidade e adequação ao meio. - Restrições: Intempéries, falta de recurso, iluminação inapropriada, falta de estrutura física. - Resultados inesperados: Desorientação do usuário, insatisfação do usuário, acúmulo de pessoas, desagregação de valor, falta de circulação e valor. - Saída: Usuário orientado através de um sistema de informação eficaz. 5.2 Problematização do Sistema Para tornar a pesquisa mais completa foi feita a cobertura fotográfica ao longo do percurso existente no local pesquisado. Foram encontradas poucas placas de sinalização. As placas sinalizadoras encontradas podem ser observadas abaixo:
  • 12. Imagem Problemas Observados 1. PROBLEMAS ESPACIAIS/ARQUITETURAIS DE INTERIORES Deficiência de fluxo, circulação, isolamento; má aeração, iluminação, grau térmico. Falta de otimização luminosa, da cor, da ambiência gráfica, do paisagismo. 01 Não há local para acomodação e organização dos visitantes. O ambiente é bastante quente e pouco arejado. 02 Possui uma estrutura lateral que impede a passagem de luz e vento. 03 Falta de manutenção na estrutura edificadora do pavilhão.
  • 13. 04 Áreas cobertas de baixa densidade de iluminação, deixando o ambiente escuro e monótono. Falta de entradas superiores para ventilação. 05 O ambiente do pavilhão é bastante desorganizado, as estações de trabalho estão dispostas em um layout que não favorece a circulação de pessoas e materiais, pois forma um corredor pequeno e abafado. 06 Estruturas de diversão sucateadas, de péssima qualidade e desgastadas. 07 Carência de uma padronização da estrutura das tapioqueiras, falta de uma cobertura no local, sujeito a sol e chuva
  • 14. 08 Carência de sinalização das áreas de jangadas. Embarque e desembarque. Falta de orientação a ciclovia. Estrutura precária de iluminação 09 Falta de sinalização do bicicletário, manutenção e ordenação dos equipamentos. Nº Imagem Problemas Observados 2. PROBLEMAS BIOLÓGICOS Falta de higiene e assepsia, o que permite a proliferação de germes patogênicos (bactérias e vírus), fungos e outros microorganismos. 10 Acúmulo de materiais, tecidos, armazenamento, estocagem, mofo, entulho que permite a proliferação de fungos e bactérias.
  • 15. 11 Má ordenação das áreas verdes, cuidado precário das zonas de limpeza e das lixeiras. 3. PROBLEMAS INFORMACIONAIS Falta de estrutura de informação. Os problemas comprometem os requisitos básicos de orientação e informacional de adequação visual. Falta de sinalização de segurança e nos ambientes necessitados. Manutenção insuficientes. 12 Pouca sinalização do local trabalho. 13 Depreciação das sinalizações horizontais aéreas. Falta de manutenção e remodelagem da informação.
  • 16. 14 Deterioração do pórtico de entrada. 15 Inexistência de unidade visual das texteiras das baias de vendas. 16 Ambiente pouco iluminado não favorecendo a sinalização de segurança, falta de sinalizações padrões de níveis de segurança, como também a inexistência de extintores de incêndio. 17 Sinalização precária sobre passeio das jangadas. Pouco funcional, sem estrutura visual e inadequada para informação.
  • 17. 18 Sinalização excludente de pouco acesso visual, sem hierarquia de informação e conformação da estrutura da composição. 19 Único acesso a cadeirantes, sinalizado, porém localizado distante do local de visitação. 20 Desgaste da placa que define a área cultural. Embranquecida e perdida com o tempo. Nº Imagem Problemas Observados 4. PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO Distribuição espacial, localização geográfica, determinação de estrutura de referencia, mapa do local, organização do espaço, controle do ambiente.
  • 18. 21 Inexistência de mapas de localização, informações de orientação. Como se locomover e encontrar referencia turísticas. 22 Única presença de sinalização de localização. Indicação pouco eficaz das ruas e pouco adequada para visualização a grande distancia. 5. PROBLEMA DE PROPORÇÃO Falta de objetivação, análise do campo de visão, unidade escala, desestruturação da ocupação da informação. 23 Pode-ser ver nesta foto a proporção da usuária em comparação com o único modelo existente de sinalização, ou seja, único tipo de peça de dimensões bastante reduzidas. Tipo: Orientação e sinalização horizontal aerea.
  • 19. Imagem Problemas Observados 6. PROBLEMAS DE UNIDADE Conflitos de informação e hierarquia de informação. Dificuldades de comunicação, ruído visual, desestruturação da forma, símbolo. Falta de opções visuais, recursos financeiros e plotagem. 24 Não há unidade visual nas texteiras, falta de hierarquia da informação, sem padronização ou fomento de apelo visual.
  • 20. 5.3 Ordenação Hierárquica do Sistema Ecossistema: Sistema de sinalização Supra supra sistema: Sistema de Sinalização Orla de Maceió Supra sistema: Sistema de Sinalização interna e externa. Sistema Alvo: Sistema de Sinalização entre Feira de Artesanato e Passeio de Jangadas. Subsistema: Subsistema: Subsistema: Subsistema: Subsistema: Sinalização Sinalização Sinalização Sinalização Sinalização de de de de temporária Localização Circulação Segurança Informação
  • 21. 6. LEVANTAMENTO E ANÁLSIE DE DADOS Para alcançar o objetivo proposto dessa pesquisa garante-se juntamente com os usuários que avaliaram os aspectos extrínsecos da sinalização turística existente no espaço. O instrumento utilizado foi o questionário. Avaliação feita com 12 turistas. 6.1 Análise dos entrevistados 80% 75% 70% 60% 50% 40% 30% 25% 20% 10% 0% Sim Não Você sabe o que é sinalização turística? 70% 61% 60% 50% 39% 40% 30% 20% 10% 0% Sim Não Você observou se existe sinalização turística no local visitado?
  • 22. 50% 45% 45% 40% 35% 30% 26% 25% 21% 20% 15% 10% 8% 5% 0% Excelente Bom Ruim Regular Qual a sua opinião a respeito da sinalização? 80% 75% 70% 60% 50% 40% 30% 25% 20% 10% 0% Não Sim As placas sinalizadoras existentes atendem sua função que é de informar aos usuários? 16% 15% 13% 14% 12% 11% 12% 9% 10% 8% 8% 8% 6% 6% 5% 6% 3% 4% 4% 2% 0% Que informações sua opinião deveriam estar nas placas sinalizadoras?
  • 23. 90% 81% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 9% 10% 0% Não Sim Você teve dificuldade para chegar ao local pretendido? 50% 45% 45% 43% 40% 35% 30% 25% 20% 15% 10% 10% 5% 2% 0% Regular Excelente Bom Ruim Qual sua opinião sobre o espaço turístico interno e externo? Percebe-se que na avaliação das questões feitas ficou evidenciada a carência de informações a fim de cumprir o objetivo de informar ao usuário sobre o local. O que chama a atenção foi o contraste dos participantes da pesquisa, pois reclamam de informações diferenciadas que gostariam de ter no local. Fator esse que serve de alerta quanto à utilidade de pesquisas e entender a percepção, como também, a satisfação dos usuários no contato direto com o objeto de estudo.
  • 24. Assim, diante dessa análise é possível considerar como é imprescindível que, qualquer atrativo em um destino turístico tenha no mínimo sinalizações que proporcionem bem estar e segurança a os usuários. 7. SINTESE Considerando-se que o projeto integra um programa global de sinalização para os diversos ambientes culturais, a elaboração do projeto é orientada pelos seguintes princípios básicos: Pré-estabelecimento de uma padronização para sinalização vertical e horizontal, como também prever a implantação de outras estruturas visualmente aceitas, bem como a instalação da mesma; Definição e orquestração dos trajetos e sistemas viários principais, garantindo o fácil acesso aos pontos turísticos e seus atrativos; Ordenamento dos referencias turísticos hierarquizados nos sistemas viários, de acesso e de circulação; Estabelecimento de critérios para escolha de referencias simbólica, atrativa a comunidade e a cultura local; Garantia da integridade das peças fabricadas; Continuidade das mensagens até o usuário final; Durante o período de construção, novas unidades podem exigir ajustes nas soluções de sinalização propostas. Assim, deve-se obedecer aos conceitos estabelecidos em projeto e no Guia Turístico Brasileiro de Sinalização. Dependendo do envolvimento da natureza, em especial as intempéries, o projeto de sinalização deve constar de:
  • 25. Sinalização vertical, contendo as placas de regulamentação, de advertência e indicativas; Sinalização horizontal, incluindo as linhas, marcas, setas, legendas; Escolha de material adequado e satisfatório; resistente e de qualidade. A garantia da valorização cultural. A seqüência de informações deve obedecer à ordem de saída para acesso As mensagens devem ser organizadas de acordo com o percurso a ser indicado para os pedestres Aproveitar as placas de sinalização para usuários de veículos para informar os pedestres sobre os atrativos, evitando-se o excesso de placas Favorecer o comércio e outros serviços específicos, proporcionando ainda maior visibilidade às atrações pouco visitadas Proporcionar um conforto visual, qualidade estética e fortalecer a imagem de Maceió. Dispositivos auxiliares, incluindo barreiras de pedestres, marcadores de perigo, marcações de obstáculos, sinalizações luminosas, letreiros com luzes intermitentes, painéis com seta iluminada, bandeiras, entre outros. Uso de cores recorrentes ao local apreciando o apelo visual característico do povo residente. 8. APRESENTAÇÃO E ANÁLISE DE SIMILARES Um local bem sinalizado torna-se modelo para outros, informa e evita acidentes. A sinalização é muito importante não somente para os usuários, mas para
  • 26. todos aqueles que fazem uso de sua diretriz, obtendo-se informações corretas sobre direção e localização de setores, e principalmente áreas de risco. A sinalização deve ser precisa, e demonstrada em termos e pictografias de fácil entendimento. Para isso, tomando exemplos de outras capitais e construindo uma análise para encontrar similitudes temos: Modelo 1: Modelo 2:
  • 27. Logo, temos como análise geral uma busca no desenvolvimento de placas de sinalizações informativas, respeitando e obedecendo a regras, normas de sinalização e segurança, respeitando uma identidade visual, utilizando materiais de qualidade na comunicação. Assim, tomando como partido, temps o referencial iconográfico, as formas, os materiais usados, linhas curvas que propiciam o desenvolvimento correto de uma sinalização. 9. PESQUISA DE MERCADO Percebe-se que os projetos de sinalização de outros estados apresentam uma padronização, visibilidade, suficiência, continuidade e coerência em cada situação específica de percurso na cidade. Através de uma linguagem comum, as sinalizações identificam os destinos, os locais e os atrativos, compondo os caminhos mais adequados aos percursos turísticos com relação à segurança, à paisagem e à facilidade do trajeto. As informações nas placas de sinalização são de forma clara, concisa, adequada à leitura e de fácil assimilação, dando-se prioridade para as referências de maior importância. O formato da informação apresenta homogeneidade no conteúdo e na composição visual. Assim, procura-se evitar a poluição visual da paisagem e dos atrativos sem deixar de garantir a visibilidade. Sempre que possível, aconselha-se agrupar as mensagens no mesmo suporte de forma a reduzir o excesso de mobiliário nas cidades. Diante da importância turística dos municípios estudados, esta análise contribuiu não só para exercer um papel facilitador do planejamento estrutural e do desenvolvimento do sistema de sinalização turístico, como também serviu de orientação para a elaboração de novos planos turísticos em nosso centro urbano Maceió.
  • 28. 10. CONCEITO DA CONSTRUÇÃO DA SINALIZAÇÃO O projeto de Sinalização, determinado para o pavimento cultural de Maceió, busca através da simplicidade e leveza de suas formas, privilegiar a visualização, clareza e agilidade das informações proporcionando ainda uma unidade visual integrada. O Sistema adotado proporciona grande flexibilidade, pois o material escolhido é de alta qualidade e facilita a manutenção. As cores utilizadas no projeto obedecem o padrão visual adotado pela cidade. A cor amarela é utilizada em toda a sinalização e garante legibilidade, enfatizando ainda a cor fomentada por Maceió. 11. DESCRIÇÃO, APLICAÇÕES E REFERENCIAS OBS.: Entregue em cd.
  • 29. ANEXO I Planejamento Operacional do Projeto Cronograma. Atividade Duração A1 – Fabricação do material gráfico 4 meses A2 – Instalação do material fabricado 3 dias A3 – Verificação do material exposto 1 dia Recursos humanos. Atividade Recursos humanos por atividade padrão Tipo de mão de obra A1 Diretor de arte designer A2 Instalação empresa tercerizada A3 Verificação designer Recursos materiais. Recursos essenciais: água, energia, combustiveis e eletricidade; Recursos tangiveis: computador, material de medição e papelaria Organograma Pesquisa Bibliográfica
  • 30. Em Livros Pesquisar sobre sinalização em geral. Pesquisar quais os tipos de sinalização existentes. Pesquisar sobre os materiais utilizados na sinalização. Pesquisar sobre Tipografia. Pesquisa Virtual Na Internet Pesquisar sobre sinalização em geral. Pesquisar sobre os tipos de sinalização. Pesquisar sobre os materiais utilizados na sinalização. Pesquisar sobre a importância da sinalização. Pesquisar sobre sinalização turística Pesquisa de Campo Na orla Observar a posição das placas de sinalização. Observar o comportamento dos usuários em relação ao local Entrevistar os usuários. Pesquisar qual a Tipografia mais utilizada. Fotografar as placas de sinalização.
  • 31. ANEXO II Questionário. (Modelo) Você sabe o que é sinalização turística? ( ) Sim ( ) Não 2. Você observou se existe sinalização turística no local visitado? ( ) Sim ( ) Não 3. Qual a sua opinião a respeito da sinalização? ( ) Excelente ( ) Bom ( ) Regular ( ) Ruim 4. As placas sinalizadoras existentes atendem sua função que é de informar aos usuários? ( ) Sim ( ) Não 5. Que informações sua opinião deveriam estar nas placas sinalizadoras? ( ) Atendimento Telefônico (público) ( ) Bares ( ) Serviços disponíveis ( ) Tipo de flora e fauna existentes no local ( ) Tempo de percurso ( ) Tipos de trilhas disponíveis e grau de dificuldade ( ) Informações sobre as praias ( ) Acessibilidade do local ( ) Lugares exóticos ( ) Opções noturnas ( ) Aspectos históricos ( ) Outros ___________________________ 6. Você teve dificuldade para chegar ao local pretendido? ( ) Sim ( ) Não 7. Qual sua opinião sobre o espaço turístico interno e externo? ( ) Excelente ( ) Bom ( ) Regular ( ) Ruim
  • 32. ANEXO III Caracterização da Tarefa (Esquema)