Projecto de Instalação
Eléctrica Industrial de 5ª
Categoria

Instituto Politécnico de Setúbal
Escola Superior de Tecnologi...
Introdução
 Força Motriz
 Iluminação
 Tomadas de Uso Geral
 Inclui peças desenhadas e peças escritas
Descrição das instalações
 Oficina Metalomecânica



600 m2 área total
70 m2 escritórios
Descrição das Instalações
Desenho Alimentação de Quadros
Desenho do Caminho de Cabos
Ø50
Ø50

Ø50

Ø50
Ø50

Ø50

Ø50

4xØ110
Ø50

Ø50

Ø50

Ø50

2xØ110

Ø50
Ø50

4xØ110

Ø50

Ø50
...
Calculo de Potências
 Potência Prevista
Pprevista = ( PQp1 + PQp 2 + PQG )
Pprevista = (67.75 + 63.5 + 56)
Pprevista = 18...
Alimentação de Quadros e Forçamotriz
Calculo de Potências
 Potência Útil

Pu = Pprevista × Ku × Ks
Quadros de Distribuição
Ks
Nº circuitos
2e3
0.9
4e5
0.8
5a9...
Calculo de Potências
 Potência a Contratar
Em face a potência útil calculada a potência a contratar será:

Pcontratar

Pu...
Cálculos Eléctricos


Calculo da secção técnica, St
1.
2.
3.
4.

Secção imposta por Aquecimento, Sj
Secção imposta pela q...
Cálculos Eléctricos
 Calculo de Sj
P
I=
3 *U

I
IF =
Fc1* Fc 2

I - Corrente nominal a transportar (A)
P - Potência absor...
Cálculos Eléctricos
 Calculo de Sj
Fc1 - Factor de correcção para temperaturas ambiente
diferentes de 20º C, de acordo co...
Cálculos Eléctricos
 Calculo de Sj
Fc2 - Factor de correcção quando o cabo a instalar se situa
próximo de outros cabos e ...
Cálculos Eléctricos


Descrição de Cabo

Secção nominal do
condutor de fase

Tensão estipulada
de 1000V

Bainha PVC
Condu...
Tabela 3 – Características
técnicas cabos ao ar.
In http://
www.generalcablecelcat.com/cabos_energia/index.html

Considera...
Cálculos Eléctricos
 Calculo de Su
O cálculo da secção Su, secção necessária para que a queda de
tensão não seja superior...
Cálculos Eléctricos
 Calculo de Su
1.Determinação da queda de tensão admissível
conforme o tipo de instalação.
3% - para ...
Cálculos Eléctricos
 Calculo de Su
2. Calculo da queda de tensão em regime
estacionário

Uct =

1.73 * cos ϕ * M I
γ *S

...
Cálculos Eléctricos
 Calculo de Su
3. Calculo da queda de tensão no arranque.

Ucs =

1.73 * cos ϕ * M I arranque
γ *S

F...
Cálculos Eléctricos
 Calculo de Su
4. Caso a queda de tensão, em regime permanente,
ou no arranque, seja superior em perc...
tensão
trif. (V)
Q. T 1
400
Q. T. 2
400
Q Maq. 1
400
Q Maq. 2
400
Q Maq. 3
400
Q Maq. 4
400
Q. Maq. 13
400
Q. Banca. 14
40...
Dimensionamento de protecções


O dimensionamento de protecções da
instalação consiste na selecção de cortacircuitos fusí...
Dimensionamento de protecções
 Fusíveis características




Cortar correntes elevadas
Curva de resposta mais lenta
Pro...
Dimensionamento de protecções

O dimensionamento das protecções deve respeitar a relação:

Is < In < Iz
Dimensionamento de protecções
ELECTROTECNIA

E 714

FUSÍVEIS e DISJUNTORES
Características dos disjuntores
Artº. 134º - co...
Dimensionamento de protecções
ELECTROTECNIA

E 713

FUSÍVEIS e DISJUNTORES
Características dos corta circuitos fusíveis
Ar...
Dimensionamento de protecções
Quadros

Cabo

Potência
Is
In
Iz
Inf
1,15*Iz Protecção
(KVA)
Q. T 1
H1XV-R5G4
5,0
7,2
25,0 3...
Dimensionamento de protecções
 Iz tem uma redução de 15% relativamente

á tabela de cabos ao ar
 Fusíveis tipo “NH”
 Di...
Iluminação
 Interior


Valores médios de Iluminancia para ambientes
internos (recomendações CIE)
0

50 100

150 200 300 ...
Iluminação
 Interior


Selecção de luminarias
• RAY 65 400W SE – Óptica Difusora e Difusor de Vidro

in Gewiss eurolite,...
Iluminação
 Exterior


Selecção de luminárias
• INDY 70W SE – Óptica Cut-Off Inclinação Fixa

in Gewiss eurolite, catalo...
Iluminação
Esquema Unifilar do Quadro de
Tomadas
Tomadas

Cabos - H1VV-R3G2.5 para as monofásicas - H1VV-R5G2.5 para as trifásicas
Sistemas de Protecção
 Contacto Directo



Isolamento das partes activas
Cumprimento dos Regulamentos

 Contactos Indi...
Regulamentação


Na execução das instalações a que diz respeito este projecto deveram ser
respeitados todos os regulament...
Gestão de Projecto
ID

Task Name

Duration

Start

Finish

1

Força-Motriz

116 days

Thu 11-03-04

Mon 12-07-04

2

Calcu...
Bibliografia
 Tabelas técnicas Cel Cat.
 Bibliografia fornecida pelo professor

responsável.
 Guia Técnico de Instalaçõ...
Fim

Escola Superior de Tecnologia

Agradecimentos
Docentes responsáveis,
Prof. Máximo Rosado
Prof. Alípio Garcêz
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Electrical project for Industrial Facility

1.257 visualizações

Publicada em

The present document is referred to the Electrical Power project for (...) Includes:
- Overall One Line
- Power and Utilities
- Cable Routing (...)

Publicada em: Design
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.257
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
26
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Electrical project for Industrial Facility

  1. 1. Projecto de Instalação Eléctrica Industrial de 5ª Categoria Instituto Politécnico de Setúbal Escola Superior de Tecnologia de Setúbal Curso de Engenharia Electromecânica Disciplina de Projecto 22/07/2004
  2. 2. Introdução  Força Motriz  Iluminação  Tomadas de Uso Geral  Inclui peças desenhadas e peças escritas
  3. 3. Descrição das instalações  Oficina Metalomecânica   600 m2 área total 70 m2 escritórios
  4. 4. Descrição das Instalações
  5. 5. Desenho Alimentação de Quadros
  6. 6. Desenho do Caminho de Cabos Ø50 Ø50 Ø50 Ø50 Ø50 Ø50 Ø50 4xØ110 Ø50 Ø50 Ø50 Ø50 2xØ110 Ø50 Ø50 4xØ110 Ø50 Ø50 2xØ110 Ø50 Ø50 Ø50 Ø50 Ø50 Ø50 Ø50 Ø50 Ø50 Ø50 2xØ110 Ø50 Ø50 Ø Ø50
  7. 7. Calculo de Potências  Potência Prevista Pprevista = ( PQp1 + PQp 2 + PQG ) Pprevista = (67.75 + 63.5 + 56) Pprevista = 187 KVA Pprevista - potência calculada pelo somatório das potências dos quadros. (KVA) PQp1 – somatório de potência de receptores directamente alimentados do Quadro parcial 1. (KVA) PQp2 – somatório de potência de receptores directamente alimentados do Quadro parcial 2. (KVA) P.Q.G. – somatório de potência de receptores directamente alimentados do Quadro Geral. (KVA)
  8. 8. Alimentação de Quadros e Forçamotriz
  9. 9. Calculo de Potências  Potência Útil Pu = Pprevista × Ku × Ks Quadros de Distribuição Ks Nº circuitos 2e3 0.9 4e5 0.8 5a9 0.7 + 10 0.6 Pu - Potência de Utilização (KVA). Ku – factor de utilização. Considera-se que o receptor está sempre ligado, Ku =1 Ks – Factor de simultaneidade. Qp1 ------14 circuitos......................Ks1=0.6 Qp2--------9 circuitos......................Ks2=0.7 QG-------11 circuitos.......................Ks3=0.6 Pu = ( PQp1* Ks1 + PQp 2 * Ks 2 + PQG * Ks3) Pu = (67.75 * 0.6 + 63.5 * 0.7 + 56 * 0.6) Pu = 118 KVA
  10. 10. Calculo de Potências  Potência a Contratar Em face a potência útil calculada a potência a contratar será: Pcontratar Pu = = 34.2 3.45 Pcontratar = 35 × 3.45 = 120.75 KVA Nota: 3,45KVA – È o entrevalo das Potências possiveis de contratar há EDP
  11. 11. Cálculos Eléctricos  Calculo da secção técnica, St 1. 2. 3. 4. Secção imposta por Aquecimento, Sj Secção imposta pela queda de tensão, Su Secção imposta por Resistência ao curtocircuito, Scc Em Baixa Tensão, basta calcular, Sj e Su. Considerando St é o valor mais elevado das duas.
  12. 12. Cálculos Eléctricos  Calculo de Sj P I= 3 *U I IF = Fc1* Fc 2 I - Corrente nominal a transportar (A) P - Potência absorvida (VA) U -Tensão eficaz da rede trifásica (V) IF- Intensidade de corrente fictícia. I - corrente nominal (A). Fc1 - Factor de correcção para temperaturas ambiente diferentes de 20º C Fc2 - Factor de correcção quando o cabo a instalar se situa próximo de outros cabos e provoca sobreaquecimento pela proximidade
  13. 13. Cálculos Eléctricos  Calculo de Sj Fc1 - Factor de correcção para temperaturas ambiente diferentes de 20º C, de acordo com a Tabela 1. Neste caso foi considerado a situação mais desfavorável, 40ºC. ºC 10 Tabela 1- Factores de correcção para temperaturas Ambiente diferente de 20ºC. Fc1 1.10 15 1.05 20 1.00 25 0.94 30 0.88 35 0.82 40 0.75
  14. 14. Cálculos Eléctricos  Calculo de Sj Fc2 - Factor de correcção quando o cabo a instalar se situa próximo de outros cabos e provoca sobreaquecimento pela proximidade. Neste caso foi considerado a situação mais desfavorável, porque temos mais do que um cabo instalado no mesmo tubo. Tabela 2- Factores de correcção para cabos em tubos embebidos. Tubos isolados
  15. 15. Cálculos Eléctricos  Descrição de Cabo Secção nominal do condutor de fase Tensão estipulada de 1000V Bainha PVC Condutor rígido circular cableado Nº de condutores de fase H1XV-R3x*+2G# Secção de condutor neutro e do condutor de protecção (mm2) 16 25 35 Tipo Harmonizado Isolamento PEX Secção da Protecção e do Neutro (mm2) 10 16 16 50 70 95 25 35 50 120 150 185 70 70 95 240 300 400 500 120 150 185 240 Protecção e Neutro Secção da fase (mm2)
  16. 16. Tabela 3 – Características técnicas cabos ao ar. In http:// www.generalcablecelcat.com/cabos_energia/index.html Considerando que para: - Cabos de alimentação dos Quadros mínimo – 4mm2 - Cabos de alimentação de Maquinas mínimo - 2,5mm2 Cabos em sistemas trifásicos 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Material de PVC PEX isolamento Temperatura máxima 70º C 90º C do condutor Instalação CABOS AO AR Nº de condutores e disposição Tipo VV XV VV XV de cabo VAV XAV 1,5 26 20 18,5 20 25 32 24 25 32 C 2,5 35 27 25 27 34 43 32 34 42 o 4 46 37 34 37 45 57 42 44 56 S n 6 58 48 43 48 57 72 53 57 71 e d c 10 79 66 60 66 78 99 73 77 96 u ç 16 105 89 80 89 103 131 96 102 128 t ã o 25 140 118 106 118 137 177 130 139 173 o r 35 174 145 131 145 169 218 160 170 212 e 50 212 176 159 176 206 266 195 208 258 N s o 70 269 224 202 224 261 338 247 265 328 m 95 331 271 244 271 321 416 305 326 404 d i e 120 386 314 282 314 374 487 355 381 471 n 150 442 361 324 361 428 559 407 438 541 a c 185 511 412 371 412 494 648 469 507 626 l o 240 612 484 436 484 590 779 551 606 748 b mm2 300 707 - 481 549 678 902 638 697 884 r e 400 859 - 560 657 817 1200 746 816 1018 500 1000 - 749 940 1246 - 933 1173 Tabela de F3 3.21 3.21 3.21 3.21 3.21 3.21 3.21 3.21 3.21 factor de correcção F4 3.23 3.23 3.23 3.22 3.22 3.23 3.23 3.22 3.22
  17. 17. Cálculos Eléctricos  Calculo de Su O cálculo da secção Su, secção necessária para que a queda de tensão não seja superior á admitida, efectua-se pela sequência: 1. Determinação da queda de tensão admissível conforme o tipo de instalação. 2. Calculo da queda de tensão em regime estacionário. 3. Calculo da queda de tensão no arranque. 4. Caso a queda de tensão, em regime permanente, ou no arranque, seja superior em percentagem ao admissível no ponto 1, deverá ser escolhida a secção normalizada imediatamente a seguir. Até que através do aumento do valor de secção sejam cumpridos os critérios estabelecidos.
  18. 18. Cálculos Eléctricos  Calculo de Su 1.Determinação da queda de tensão admissível conforme o tipo de instalação. 3% - para instalações de iluminação. 5% - para instalação de força motriz. 10% - no arranque de motores em instalações de força motriz.
  19. 19. Cálculos Eléctricos  Calculo de Su 2. Calculo da queda de tensão em regime estacionário Uct = 1.73 * cos ϕ * M I γ *S Uct % = Uct ≤ 5% U Uct - queda de tensão em regime estacionário MI – Momento de corrente (metro-ampere) γ - condutividade (S.m/mm2) S – secção determinada por aquecimento (mm2) cosϕ - factor de potência 1 para lâmpadas e resistências de aquecimento, 0.8 a 0.9 para motores UCt % -Queda de tensão percentual regime permanente
  20. 20. Cálculos Eléctricos  Calculo de Su 3. Calculo da queda de tensão no arranque. Ucs = 1.73 * cos ϕ * M I arranque γ *S Factor de potência e I UCs - queda de tensão no arranque MI arranque – Momento de corrente de arranque (metro-ampere) γ - condutividade (S.m/mm2) S – secção determinada por aquecimento (mm2) arranque: P (KVA) 0.3 8*I >7.5 Ucs ≤ 10% U I arranque <=7.5 Ucs % = cosφ 0.3 4*I UCS- queda de tensão percentual no arranque
  21. 21. Cálculos Eléctricos  Calculo de Su 4. Caso a queda de tensão, em regime permanente, ou no arranque, seja superior em percentagem ao admissível no ponto 1, deverá ser escolhida a secção normalizada imediatamente a seguir. Até que através do aumento do valor de secção sejam cumpridos os critérios estabelecidos.  Conclusão A secção técnica, St, é igual á maior das secções calculadas anteriormente, Sj ou Su. Como os comprimentos de cabos é reduzido, a queda de tensão não é significante, logo St=Sj.
  22. 22. tensão trif. (V) Q. T 1 400 Q. T. 2 400 Q Maq. 1 400 Q Maq. 2 400 Q Maq. 3 400 Q Maq. 4 400 Q. Maq. 13 400 Q. Banca. 14 400 Q. Banca. 15 400 Q. Banca. 16 400 Q. Banca. 17 400 Q. Banca. 18 400 Q. Banca. 19 400 Q. Maq. 20 400 Q. Maq. 21 400 Q. Maq. 22 400 Q. Maq. 23 400 Q Maq. 9 400 Q. Maq. 24 400 Q. Maq. 25 400 Q. Maq. 26 400 Q. Maq. 27 400 Q. Maq. 29 400 Q. Maq. 28 400 Q. Maq. 5 400 Q. Maq. 6 400 Q. Maq. 7 400 Q. Maq. 8 400 Q. Maq. 10 400 Q. Maq. 11 400 Q. Maq. 12 400 Q. Iluminação 400 Q. P.Rolante 400 Q. Escritorio 400 Q. Parcial 1 400 Q. Parcial 2 400 Quadros Quadro de Cálculos Potência Comprim cos fi (KVA) ento (m) 5 10,00 0,80 5 18,00 0,80 7 6,00 0,80 7 12,00 0,80 10 6,00 0,90 10 10,00 0,90 2 15,00 0,80 3 12,00 0,80 3 12,00 0,80 3 16,00 0,80 3 10,00 0,80 3 8,00 0,80 3 6,00 0,80 1 6,00 0,80 8 6,00 0,80 3 10,00 0,80 2 12,00 0,80 18 20,00 0,90 2 22,00 0,80 5 22,00 0,80 8 20,00 0,80 8 18,00 0,80 1 20,00 0,80 2 10,00 0,80 7 10,00 0,80 7 12,00 0,80 8 6,00 0,90 10 6,00 0,90 10 12,00 0,90 10 16,00 0,90 5 20,00 0,80 5 6,00 0,80 5 6,00 0,80 2 18,00 0,80 88,075 26 0,8 82,55 32 0,8 Fc 1 Fc 2 0,75 0,75 0,75 0,75 0,75 0,75 0,75 0,75 0,75 0,75 0,75 0,75 0,75 0,75 0,75 0,75 0,75 0,75 0,75 0,75 0,75 0,75 0,75 0,75 0,75 0,75 0,75 0,75 0,75 0,75 0,75 0,75 0,75 0,75 0,75 0,75 0,85 0,85 0,85 0,85 0,85 0,85 0,85 0,85 0,85 0,85 0,85 0,85 0,85 0,85 0,85 0,85 0,85 0,85 0,85 0,85 0,85 0,85 0,85 0,85 0,85 0,85 0,85 0,85 0,85 0,85 0,85 0,85 0,85 0,85 1 1 Sj I UCt 5% UCt < 5% (mm2) arranque 7,22 11,32 4,0 57,74 0,17 0,04 7,22 11,32 4,0 57,74 0,30 0,08 10,10 15,85 2,5 80,83 0,22 0,06 10,10 15,85 2,5 80,83 0,45 0,11 14,43 22,64 2,5 57,74 0,32 0,08 14,43 22,64 2,5 57,74 0,54 0,13 2,17 3,40 2,5 17,32 0,12 0,03 4,33 6,79 2,5 34,64 0,19 0,05 4,33 6,79 2,5 34,64 0,19 0,05 4,33 6,79 2,5 34,64 0,26 0,06 4,33 6,79 2,5 34,64 0,16 0,04 4,33 6,79 2,5 34,64 0,13 0,03 4,33 6,79 2,5 34,64 0,10 0,02 1,44 2,26 2,5 11,55 0,03 0,01 10,83 16,98 2,5 86,60 0,24 0,06 4,33 6,79 2,5 34,64 0,16 0,04 2,17 3,40 2,5 17,32 0,10 0,02 25,98 40,75 4,0 103,92 1,20 0,30 2,89 4,53 2,5 23,09 0,24 0,06 7,22 11,32 2,5 57,74 0,59 0,15 10,83 16,98 2,5 86,60 0,80 0,20 10,83 16,98 2,5 86,60 0,72 0,18 1,08 1,70 2,5 8,66 0,08 0,02 2,17 3,40 2,5 17,32 0,08 0,02 10,10 15,85 2,5 80,83 0,37 0,09 10,10 15,85 2,5 80,83 0,45 0,11 11,55 18,11 2,5 46,19 0,26 0,06 14,43 22,64 2,5 57,74 0,32 0,08 14,43 22,64 2,5 57,74 0,64 0,16 14,43 22,64 2,5 57,74 0,86 0,21 7,22 11,32 2,5 57,74 0,54 0,13 6,50 10,19 4,0 51,96 0,09 0,02 7,22 11,32 4,0 57,74 0,10 0,03 2,89 4,53 4,0 23,09 0,12 0,03 127,13 169,50 50,00 508,50 0,61 0,15 119,15 158,87 35,00 476,60 1,01 0,25 I (A) IF(A) UCs arranque 1,34 2,41 1,80 3,60 1,28 2,14 0,96 1,54 1,54 2,05 1,28 1,03 0,77 0,26 1,93 1,28 0,77 4,82 1,88 4,71 6,42 5,78 0,64 0,64 3,00 3,60 1,03 1,28 2,57 3,42 4,28 0,00 0,80 0,00 0,00 0,00 UCs <10% 0,33 0,60 0,45 0,90 0,32 0,54 0,24 0,39 0,39 0,51 0,32 0,26 0,19 0,06 0,48 0,32 0,19 1,20 0,47 1,18 1,61 1,44 0,16 0,16 0,75 0,90 0,26 0,32 0,64 0,86 1,07 0,00 0,20 0,00 0,00 0,00 St (mm2) 4,0 4,0 2,5 2,5 2,5 2,5 2,5 2,5 2,5 2,5 2,5 2,5 2,5 2,5 2,5 2,5 2,5 4,0 2,5 2,5 2,5 2,5 2,5 2,5 2,5 2,5 2,5 2,5 2,5 2,5 2,5 4,0 4,0 4,0 50,0 35,0
  23. 23. Dimensionamento de protecções  O dimensionamento de protecções da instalação consiste na selecção de cortacircuitos fusíveis a montante para protecção do cabo de distribuição e, selecção de disjuntores a jusante, para protecção dos cabos de alimentação de máquinas. A selectividade entre protecções no caso de sobrecargas é facilmente resolvida desde que os dois aparelhos tenham intensidades de funcionamento decrescentes de montante para jusante.
  24. 24. Dimensionamento de protecções  Fusíveis características    Cortar correntes elevadas Curva de resposta mais lenta Protege contra correntes de sobrecarga  Disjuntores características   Capacidade de ligação e interrupção em condições normais e anormais Protege contra sobrecargas e curto-circuitos
  25. 25. Dimensionamento de protecções O dimensionamento das protecções deve respeitar a relação: Is < In < Iz
  26. 26. Dimensionamento de protecções ELECTROTECNIA E 714 FUSÍVEIS e DISJUNTORES Características dos disjuntores Artº. 134º - comentário 3 - R.S.I.U.E.E. Intensidade de Regulação - Ir (A) Intensidade Convencional de não Funcionamento - Inf (A) Intensidade Convencional de Funcionamento - If (A) 6 7 8 10 11 13 15 16,5 19,5 20 22 26 25 27,5 32,5 30 33 39 40 44 52 50 55 65 60 66 78 80 88 104 100 110 130 125 137 162 150 165 195 200 220 260 In http://www.generalcablecelcat.com/cabos_energia/index.html
  27. 27. Dimensionamento de protecções ELECTROTECNIA E 713 FUSÍVEIS e DISJUNTORES Características dos corta circuitos fusíveis Artº. 134º - comentário 2 - R.S.I.U.E.E. Intensidade nominal In (A) Intensidade Nominal de não fusão - Inf (A) Intensidade convencional de fusão - If (A) 2 3 4 4 6 8 6 9 13 8 12 16 10 15 19 12 17 21 15 21 26 16 22 28 20 28 35 25 35 44 30 39 48 32 41 51 40 52 64 50 65 80 60 78 96 63 82 101 80 104 128 100 130 160 125 162 200 160 208 256 200 260 320 250 325 400 315 410 504 400 520 640 500 650 800 630 820 1008 In http://www.generalcablecelcat.com/cabos_energia/index.html
  28. 28. Dimensionamento de protecções Quadros Cabo Potência Is In Iz Inf 1,15*Iz Protecção (KVA) Q. T 1 H1XV-R5G4 5,0 7,2 25,0 35,7 35,0 41,1 F Q. T. 2 H1XV-R5G4 5,0 7,2 25,0 35,7 35,0 41,1 F Q Maq. 1 H1XV-R5G2,5 7,0 10,1 16,0 27,2 17,5 31,3 D Q Maq. 2 H1XV-R5G2,5 7,0 10,1 16,0 27,2 17,5 31,3 D Q Maq. 3 H1XV-R5G2,5 10,0 14,4 16,0 27,2 17,5 31,3 D Q Maq. 4 H1XV-R5G2,5 10,0 14,4 16,0 27,2 17,5 31,3 D Q. Maq. 13 H1XV-R5G2,5 1,5 2,2 16,0 27,2 17,5 31,3 D Q. Banca. 14 H1XV-R5G2,5 3,0 4,3 16,0 27,2 17,5 31,3 D Q. Banca. 15 H1XV-R5G2,5 3,0 4,3 16,0 27,2 17,5 31,3 D Q. Banca. 16 H1XV-R5G2,5 3,0 4,3 16,0 27,2 17,5 31,3 D Q. Banca. 17 H1XV-R5G2,5 3,0 4,3 16,0 27,2 17,5 31,3 D Q. Banca. 18 H1XV-R5G2,5 3,0 4,3 16,0 27,2 17,5 31,3 D Q. Banca. 19 H1XV-R5G2,5 3,0 4,3 16,0 27,2 17,5 31,3 D Q. Maq. 20 H1XV-R5G2,5 1,0 1,4 16,0 27,2 17,5 31,3 D Q. Maq. 21 H1XV-R5G2,5 7,5 10,8 16,0 27,2 17,5 31,3 D Q. Maq. 22 H1XV-R5G2,5 3,0 4,3 16,0 27,2 17,5 31,3 D Q. Maq. 23 H1XV-R5G2,5 1,5 2,2 16,0 27,2 17,5 31,3 D Q Maq. 9 H1XV-R5G4 18,0 26,0 32,0 35,7 35,0 41,1 D Q. Maq. 24 H1XV-R5G2,5 2,0 2,9 16,0 27,2 17,5 31,3 D Q. Maq. 25 H1XV-R5G2,5 5,0 7,2 16,0 27,2 17,5 31,3 D Q. Maq. 26 H1XV-R5G2,5 7,5 10,8 16,0 27,2 17,5 31,3 D Q. Maq. 27 H1XV-R5G2,5 7,5 10,8 16,0 27,2 17,5 31,3 D Q. Maq. 29 H1XV-R5G2,5 0,8 1,1 16,0 27,2 17,5 31,3 D Q. Maq. 28 H1XV-R5G2,5 1,5 2,2 16,0 27,2 17,5 31,3 D Q. Maq. 5 H1XV-R5G2,5 7,0 10,1 16,0 27,2 17,5 31,3 D Q. Maq. 6 H1XV-R5G2,5 7,0 10,1 16,0 27,2 17,5 31,3 D Q. Maq. 7 H1XV-R5G2,5 8,0 11,5 16,0 27,2 17,5 31,3 D Q. Maq. 8 H1XV-R5G2,5 10,0 14,4 16,0 27,2 17,5 31,3 D Q. Maq. 10 H1XV-R5G2,5 10,0 14,4 16,0 27,2 17,5 31,3 D Q. Maq. 11 H1XV-R5G2,5 10,0 14,4 16,0 27,2 17,5 31,3 D Q. Maq. 12 H1XV-R5G2,5 5,0 7,2 16,0 27,2 17,5 31,3 D Q. Iluminação H1XV-R5G4 4,5 6,5 25,0 35,7 35,0 41,1 F Q. P. Rolante H1XV-R5G4 5,0 7,2 25,0 35,7 35,0 41,1 F Q. Escritório H1XV-R5G4 2,0 2,9 25,0 35,7 35,0 41,1 F Q.P 1 H1XV-R3x50+2G25 88,1 127,1 160,0 165,8 208,0 190,6 F Q.P 2 H1XV-R3x35+2G16 82,6 119,2 125,0 136,0 162,0 156,4 F
  29. 29. Dimensionamento de protecções  Iz tem uma redução de 15% relativamente á tabela de cabos ao ar  Fusíveis tipo “NH”  Disjuntores tipo “D”  Disparo entre 10,5 e 14 de In
  30. 30. Iluminação  Interior  Valores médios de Iluminancia para ambientes internos (recomendações CIE) 0 50 100 150 200 300 400 500 600 700 750 800 900 1000 Ambiente Gerais Corredor, zonas de trânsito Armazéns, depósitos Fábrica de Papel Fabricação de papel e de cartão Controlo, organização Ferraria, Aceraria Instalações de produção sem intervenções manuais Instalações de produção com intervenções ocasionais Postos de trabalho permanentemente ocupados Postos de teste e de controlo Trabalho à Máquina Trabalhos ocasionais e Com Instrumentos Trabalho grosso na bancada ou na máquina Soldadura Trabalho médio na bancada ou na máquina Máquinas automática gerais Trabalho de acabamento bancada ou máquina Lojas e Supermercados Iluminação geral para grandes centros comerciais Iluminação geral para outras lojas in Gewiss eurolite, catalogo 2000/2001 pag 210
  31. 31. Iluminação  Interior  Selecção de luminarias • RAY 65 400W SE – Óptica Difusora e Difusor de Vidro in Gewiss eurolite, catalogo 2000/2001 pag74
  32. 32. Iluminação  Exterior  Selecção de luminárias • INDY 70W SE – Óptica Cut-Off Inclinação Fixa in Gewiss eurolite, catalogo 2000/2001 pag53
  33. 33. Iluminação
  34. 34. Esquema Unifilar do Quadro de Tomadas
  35. 35. Tomadas Cabos - H1VV-R3G2.5 para as monofásicas - H1VV-R5G2.5 para as trifásicas
  36. 36. Sistemas de Protecção  Contacto Directo   Isolamento das partes activas Cumprimento dos Regulamentos  Contactos Indirectos   Ligação de massas á terra Emprego de aparelhos de protecção de corte automático, sensíveis á corrente de diferencial residual  Distribuição selectiva dos aparelhos de protecção  Eléctrodo de Terra de cobre de 50 mm2
  37. 37. Regulamentação  Na execução das instalações a que diz respeito este projecto deveram ser respeitados todos os regulamentos em vigor, especialmente os regulamentos de segurança das instalações de utilização de energia eléctrica, aos quais se recorrerá apara o esclarecimento de qualquer pormenor omisso.  Principais Regulamentos aplicáveis:  Regulamento de Segurança de Instalações Colectivas de Edifícios e Entradas. Regulamento de Segurança das Instalações de Utilização de Energia Eléctrica (aprovado pelo D.L. n.º 740/74 de 26 de Dezembro. Materiais e Equipamentos Constituintes das Instalações; D.L. n.º 117/88, de 12 de Abril. ANEXO I - Graus de Protecção Assegurados Pelos Invólucros Código IP e Código IK. ANEXO II - Símbolos e Equivalências de Condutores de Cabos, Isolados. ANEXO III – Designação de Tubos. ANEXO V - Normas e Regulamentos aplicáveis.      
  38. 38. Gestão de Projecto ID Task Name Duration Start Finish 1 Força-Motriz 116 days Thu 11-03-04 Mon 12-07-04 2 Calculos 62 days Thu 11-03-04 Tue 11-05-04 32 days Thu 11-03-04 Sun 11-04-04 Fri 16-04-04 3 Dimensionamentos de alimentação de maquinas 4 Calculo de potências parciais 8 days Fri 09-04-04 5 Dimensionamento de alimentação de quadros 7 days Sat 17-04-04 Fri 23-04-04 6 Calculo da potência util 9 days Sat 17-04-04 Sun 25-04-04 18 days Sat 24-04-04 Tue 11-05-04 52 days Fri 14-05-04 Mon 12-07-04 7 8 Dimensionamento de protecções Desenhos 9 Diagrama de Quadros 9 days Fri 14-05-04 Sat 22-05-04 10 Caminho de cabos 20 days Thu 20-05-04 Tue 08-06-04 11 Alimentação de Quadros 15 days Tue 01-06-04 Tue 15-06-04 12 Força motriz 15 days Tue 01-06-04 Tue 15-06-04 13 Esquema Unifilar de Quadro Geral 15 days Sun 13-06-04 Mon 05-07-04 14 Esquema Unifilar de Quadros Parciais e Iluminação 13 days Tue 29-06-04 Thu 08-07-04 15 Esquema Unifilar de Quadros Tomadas 17 days Tue 29-06-04 Mon 12-07-04 25 days Sat 15-05-04 Tue 08-06-04 10 days Sat 15-05-04 Mon 24-05-04 16 Iluminação 17 Selecção e calculo de luminarias 18 Desenho de Iluminação interior 7 days Tue 25-05-04 Mon 31-05-04 19 Desenho de Iluminação Exterior 4 days Mon 31-05-04 Thu 03-06-04 20 27 Esquema Unifilar de Iluminação Tomadas de uso Geral 7 days Wed 02-06-04 Tue 08-06-04 18 days Tue 08-06-04 Sat 03-07-04 Thu 01-07-04 28 Desenho Tomadas Uso Geral 13 days Tue 08-06-04 29 Esquema Unifilar de Tomadas 9 days Thu 17-06-04 Sat 03-07-04 47 days Thu 20-05-04 Tue 13-07-04 1 day Fri 26-03-04 Fri 26-03-04 9 days Thu 15-07-04 Fri 23-07-04 30 Memoria descritiva 31 Anteprojecto 32 Apresentação Pow er point March April May June July
  39. 39. Bibliografia  Tabelas técnicas Cel Cat.  Bibliografia fornecida pelo professor responsável.  Guia Técnico de Instalações Eléctricas de Baixa Tensão, DGE.  Pinto, António, Alves, Vitor; Tecnologias 10º ano, Porto editora.
  40. 40. Fim Escola Superior de Tecnologia Agradecimentos Docentes responsáveis, Prof. Máximo Rosado Prof. Alípio Garcêz

×