SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 36
Baixar para ler offline
Instalações Elétricas BT I
Odailson Cavalcante de Oliveira
Dimensionamento de condutores
• Tipos de Condutores
• Condutores isolados
• Condutores unipolar
• Condutores multipolar
• Critérios para dimensionamento:
• Capacidade de condução de corrente;
• Queda de Tensão;
• Seção mínima;
• Sobrecarga;
• Curto-circuito; e
• Choques elétricos.
Tipos de Condutores
• Condutor Isolado: possui condutor
metálico e isolação.
• Cabo Unipolar: possui condutor,
isolação e uma camada de
revestimento, chamada cobertura,
para proteção mecânica
• Cabo Multipolar: possuem sob a
mesma cobertura, dois ou mais
condutores isolados, denominados
veias.
PVC XLPE EPR
Métodos de Instalação
• Definir parâmetros de instalação
• O método de instalação influencia a
capacidade de troca térmica entre os
condutores e o ambiente, alterando a
capacidade de condução de corrente
dos condutores.
• Exemplo de Instalação:
• Os condutores podem ser instalados
em eletrodutos ou bandejas.
• Os eletrodutos podem ser embutidos
em alvenaria ou podem ser aparentes.
Parâmetros de Instalação dos cabos
• NBR 5410:2004
• Tabela 33 — Tipos
de linhas elétricas
• Onde:
• IB: corrente de projeto;
• P : potência ativa total do circuito;
• V : tensão do circuito;
• FP :fator de potência total do circu
• Fatores de Correção à Corrente de Projeto:
• Corrigir corrente de projeto (IB) de acordo com k1, k2 e k3.
• k1- fatores de correção para temperaturas ambientes diferentes.
• k2- Correção de resistividade do solo
• k3- fator de correção de agrupamento (agrupamento de mais de um
circuito em um mesmo eletroduto).
k1- Fatores de Correção para Temperaturas
Conforme NBR5410:2004, item6.2.5.3 – pg. 106
Utilizado para temperaturas
ambientes diferentes de 30ºC
para linhas não subterrâneas e de
20ºC (temperatura do solo) para
linhas subterrâneas.
k2- Correção de resistividade do solo
Utilizado em linhas subterrâneas, caso a resistividade térmica do solo seja diferente de 2,5 K.m/W,
caso típico de solos secos, deve ser feita uma correção adequada nos valores da capacidade de
condução de corrente. Solos úmidos possuem valores menores de resistividade térmica, enquanto
solos muito secos apresentam valores maiores
FCA - Fator de Correção de Agrupamento
Conforme NBR5410:2004, item6.2.5.5 – pg. 107
Exemplo:
• Um circuito de iluminação de 1200 W, fase-neutro, passa no interior
de um eletroduto embutido de PVC, juntamente com outros quatro
condutores isolados de outros circuitos em cobre. A temperatura
ambiente é de 35ºC. Determinar a seção do conduto.
Critério da Queda de Tensão
Efeitos dos Níveis Anormais das Tensões de
Alimentação
• A queda de tensão não deve ser superior aos limites máximos estabelecidos pela
norma NBR 5410, a fim de não prejudicar o funcionamento dos equipamentos de
utilização conectados aos circuitos terminais ou de utilização.
• A queda de tensão de uma instalação elétrica, desde a origem até o ponto mais
afastado de utilização de qualquer circuito de utilização, não deve ser superior
aos valores prescritos pela norma, dados em relação ao valor da tensão nominal
da instalação
• A queda de tensão nos circuitos alimentadores e terminais (pontos de utilização)
de uma instalação elétrica produz efeitos que podem levar os equipamentos
desde à redução da sua vida útil até a sua queima (falha).
• Essa queda de tensão faz com que os equipamentos recebam em seus terminais
uma tensão inferior aos valores nominais, prejudicando o seu desempenho.
Roteiro para dimensionamento dos condutores
pela critério do limite de queda de tensão
• Determinar
• Tipo de isolação do condutor
• Método de instalação
• Material do eletroduto
• Tipo do circuito (monofásico ou trifásico)
• Tensão do circuito ( V )
• Corrente de projeto ( IB) e potência (S)
• Fator de potência
• Comprimento do circuito em km ( L )
• Queda de tensão admissível “e(% )”
• Cálculo da queda de tensão unitária
• Escolha do condutor
Queda de tensão unitária
• Queda de tensão unitária:
• 𝑈 𝑢𝑛𝑖𝑡 =
𝑒 % 𝑉
𝐼 𝐵 𝐿
• Com o valor da queda de tensão unitária calculado, entra-se na Tabela
10.22, verifica-se o método de instalação de condutores, e encontra-
se o valor cuja queda de tensão seja igual ou imediatamente inferior à
calculada, obtendo desta forma a seção do condutor correspondente
Exemplos
• Exemplo 1: dimensionar os condutores para um chuveiro, tendo
como dados: P=5400 W, V=220 V, FP=1, isolação de PVC, eletroduto
de PVC embutido em alvenaria; temperatura ambiente: 30°C;
comprimento do circuito: 15 m.
Exemplos
• Exemplo 2: dimensionar os condutores para um circuito de tomadas
da cozinha, tendo como dados: S=2000 VA, V=127 V, isolação de PVC,
eletroduto embutido em alvenaria; temperatura ambiente: 30°C;
comprimento do circuito: 10 m.
Critério de Queda de Tensão (Trechos)
• Roteiro para dimensionamento dos condutores pela critério do limite de
queda de tensão.
• Determinar:
• Tipo de isolação do condutor
• Método de instalação
• Material do eletroduto
• Tipo do circuito (monofásico ou trifásico)
• Temperatura ambiente
• Corrente de projeto ( IB) e potência (S)
• Δvunit.(Tabela 10.22)
• Queda de tensão trecho por trecho
• Escolha do condutor
Critério de Queda de Tensão (Trechos)
• 𝑒 % =
100.𝑈 𝑢𝑛𝑖𝑡 𝐼 𝐵 𝐿
𝑉
• Calcula-se o valor da queda de tensão nos trechos do circuito, caso o
valor de queda de tensão supere o valor admitido em norma, é
necessário refazer o cálculo para um seção nominal maior.
• A seção nominal do circuito todo será a maior seção dos trechos.
Critério de Queda de Tensão (Trechos)
• Exemplo 3: supondo um circuito terminal com cargas distribuídas,
conforme a figura vista a seguir: eletroduto de PVC embutido em
alvenaria, temperatura: 30°C
Resposta
• S=3x600+2x100=2000VA
• IB=2000/127=15,7A
• Na tabela procura-se ∆Vunit=16,9
• Calculando para o primeiro trecho: ∆e=2,1%
• Repete-se o procedimento para cada trecho de tubulação
• E assim sucessivamente para cada trecho e vai lançando os valores na tabela
seguinte:
• A queda de tensão do trecho B é maior do 4%. Deve-se refazer o cálculo para um
seção nominal maior do que 2,5 mm2
• Repete-se o procedimento para cada trecho de tubulação
• E assim sucessivamente para cada trecho e vai lançando os valores na
tabela seguinte:
• Os valores calculado para queda de tensão para todos os trechos do
circuito são menores do 4%. Assim, a seção nominal do condutor
adotada é 4,0 mm2
Critério de Queda de Tensão (Trechos)
• Exemplo 4: considerando um circuito de iluminação de um
estacionamento, conforme o seguinte esquema: eletroduto de PVC
embutido no solo, temperatura: 25 °C, utilizando lâmpadas a vapor de
mercúrio de 250 W, com reator de 220 V e fator de potência de 0,88 (
284 VA = 250 W x 0,88 )
Resposta
• S=5x284=1420VA
• IB=1420/220=6,45A
• Na tabela procura-se ∆Vunit=27,6
• Calculando para o primeiro trecho: ∆e=2,42%
• Repete-se o procedimento para cada trecho de tubulação
• E assim sucessivamente para cada trecho e vai lançando os valores na
tabela seguinte:
• Os valores calculado para queda de tensão para todos os trechos do
circuito são menores do 4%. Assim, a seção nominal do condutor
adotada é 1,5 mm²
Critério da Secção Mínima
Seção Mínima - Neutro
Seção Mínima - Proteção

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Tensão de fase
Tensão de faseTensão de fase
Tensão de faseMA RI
 
Perdas de cargas em tubulações
Perdas de cargas em tubulaçõesPerdas de cargas em tubulações
Perdas de cargas em tubulaçõesVivi Basilio
 
Projetos elétricos residenciais - Completo
Projetos elétricos residenciais  - CompletoProjetos elétricos residenciais  - Completo
Projetos elétricos residenciais - CompletoSala da Elétrica
 
9 correcao-do-fator-de-potencia-e-instalacoes-de-capacitores
9 correcao-do-fator-de-potencia-e-instalacoes-de-capacitores9 correcao-do-fator-de-potencia-e-instalacoes-de-capacitores
9 correcao-do-fator-de-potencia-e-instalacoes-de-capacitoresJosé Rodrigues
 
Dimensionamento de pátio de compostagem
Dimensionamento de pátio de compostagemDimensionamento de pátio de compostagem
Dimensionamento de pátio de compostagemGiovanna Ortiz
 
Lista de verificação de canteiro de obras
Lista de verificação de canteiro de obrasLista de verificação de canteiro de obras
Lista de verificação de canteiro de obrasAne Costa
 
Abnt nbr-15594-1 - posto combustível
Abnt nbr-15594-1 - posto combustívelAbnt nbr-15594-1 - posto combustível
Abnt nbr-15594-1 - posto combustívelkeniafanti
 
Nbr 5382 verificação de iluminancia de interiores
Nbr 5382 verificação de iluminancia de interioresNbr 5382 verificação de iluminancia de interiores
Nbr 5382 verificação de iluminancia de interioresAne Costa
 
Cabeamento Estruturado - Rede Lógica x Rede Elétrica
Cabeamento Estruturado - Rede Lógica x Rede ElétricaCabeamento Estruturado - Rede Lógica x Rede Elétrica
Cabeamento Estruturado - Rede Lógica x Rede ElétricaEduardo D'Avila
 
Sep 1 cap 1 circuitos trifasicos
Sep 1   cap 1 circuitos trifasicosSep 1   cap 1 circuitos trifasicos
Sep 1 cap 1 circuitos trifasicosGlauco Prezoto
 
Notas de aula 2 cinematica mecanismos
Notas de aula 2 cinematica mecanismosNotas de aula 2 cinematica mecanismos
Notas de aula 2 cinematica mecanismosVanessa Santos
 
Principais processos de_tratamento_de_água_de_abastecimento_-_tania
Principais processos de_tratamento_de_água_de_abastecimento_-_taniaPrincipais processos de_tratamento_de_água_de_abastecimento_-_tania
Principais processos de_tratamento_de_água_de_abastecimento_-_taniaJoão Siqueira da Mata
 

Mais procurados (20)

Tensão de fase
Tensão de faseTensão de fase
Tensão de fase
 
Perdas de cargas em tubulações
Perdas de cargas em tubulaçõesPerdas de cargas em tubulações
Perdas de cargas em tubulações
 
Questões ri l1 selecionada-2017-1
Questões ri   l1 selecionada-2017-1Questões ri   l1 selecionada-2017-1
Questões ri l1 selecionada-2017-1
 
Aula18(3)
Aula18(3)Aula18(3)
Aula18(3)
 
Projetos elétricos residenciais - Completo
Projetos elétricos residenciais  - CompletoProjetos elétricos residenciais  - Completo
Projetos elétricos residenciais - Completo
 
Manual instalacao hidraulica
Manual instalacao hidraulicaManual instalacao hidraulica
Manual instalacao hidraulica
 
Catalogo tigre ii
Catalogo tigre iiCatalogo tigre ii
Catalogo tigre ii
 
9 correcao-do-fator-de-potencia-e-instalacoes-de-capacitores
9 correcao-do-fator-de-potencia-e-instalacoes-de-capacitores9 correcao-do-fator-de-potencia-e-instalacoes-de-capacitores
9 correcao-do-fator-de-potencia-e-instalacoes-de-capacitores
 
Dimensionamento de pátio de compostagem
Dimensionamento de pátio de compostagemDimensionamento de pátio de compostagem
Dimensionamento de pátio de compostagem
 
Lista de verificação de canteiro de obras
Lista de verificação de canteiro de obrasLista de verificação de canteiro de obras
Lista de verificação de canteiro de obras
 
Abnt nbr-15594-1 - posto combustível
Abnt nbr-15594-1 - posto combustívelAbnt nbr-15594-1 - posto combustível
Abnt nbr-15594-1 - posto combustível
 
Exercicio método lumens
Exercicio método lumensExercicio método lumens
Exercicio método lumens
 
Nbr 5382 verificação de iluminancia de interiores
Nbr 5382 verificação de iluminancia de interioresNbr 5382 verificação de iluminancia de interiores
Nbr 5382 verificação de iluminancia de interiores
 
Cabeamento Estruturado - Rede Lógica x Rede Elétrica
Cabeamento Estruturado - Rede Lógica x Rede ElétricaCabeamento Estruturado - Rede Lógica x Rede Elétrica
Cabeamento Estruturado - Rede Lógica x Rede Elétrica
 
Check list gerador
Check list geradorCheck list gerador
Check list gerador
 
Sep 1 cap 1 circuitos trifasicos
Sep 1   cap 1 circuitos trifasicosSep 1   cap 1 circuitos trifasicos
Sep 1 cap 1 circuitos trifasicos
 
Rm exerc resolvidos
Rm exerc resolvidosRm exerc resolvidos
Rm exerc resolvidos
 
Notas de aula 2 cinematica mecanismos
Notas de aula 2 cinematica mecanismosNotas de aula 2 cinematica mecanismos
Notas de aula 2 cinematica mecanismos
 
Nbr 5462 (2)
Nbr 5462 (2)Nbr 5462 (2)
Nbr 5462 (2)
 
Principais processos de_tratamento_de_água_de_abastecimento_-_tania
Principais processos de_tratamento_de_água_de_abastecimento_-_taniaPrincipais processos de_tratamento_de_água_de_abastecimento_-_tania
Principais processos de_tratamento_de_água_de_abastecimento_-_tania
 

Semelhante a Instalações Elétricas BT I - Dimensionamento e Critérios

Dimensionamento de condutores
Dimensionamento de condutoresDimensionamento de condutores
Dimensionamento de condutoresAnderson Silva
 
Dimensionamento de instalações elétricas de residência unifamiliar de um pavi...
Dimensionamento de instalações elétricas de residência unifamiliar de um pavi...Dimensionamento de instalações elétricas de residência unifamiliar de um pavi...
Dimensionamento de instalações elétricas de residência unifamiliar de um pavi...AllanVictor53
 
dimensionamento_de_cabos_isolados.pdf
dimensionamento_de_cabos_isolados.pdfdimensionamento_de_cabos_isolados.pdf
dimensionamento_de_cabos_isolados.pdfcarlaindira
 
Apresentação Projecto.pptx
Apresentação Projecto.pptxApresentação Projecto.pptx
Apresentação Projecto.pptxAmericoTivane
 
Manual instal eletricas_prova
Manual instal eletricas_provaManual instal eletricas_prova
Manual instal eletricas_provaPedro Cruz
 
A Necessária Integração dos Indicadores de Qualidade de Energia e Aspectos de...
A Necessária Integração dos Indicadores de Qualidade de Energia e Aspectos de...A Necessária Integração dos Indicadores de Qualidade de Energia e Aspectos de...
A Necessária Integração dos Indicadores de Qualidade de Energia e Aspectos de...slides-mci
 
04_elementosdesubestao-130123052021-phpapp01.pdf
04_elementosdesubestao-130123052021-phpapp01.pdf04_elementosdesubestao-130123052021-phpapp01.pdf
04_elementosdesubestao-130123052021-phpapp01.pdfOlney joner
 
Manual Prysmian ( Instalações Elétricas )
Manual Prysmian ( Instalações Elétricas )Manual Prysmian ( Instalações Elétricas )
Manual Prysmian ( Instalações Elétricas )Ricardo Akerman
 
Projeto instalações predial sapres projeto instalacoes. pdf
Projeto  instalações predial sapres projeto instalacoes. pdfProjeto  instalações predial sapres projeto instalacoes. pdf
Projeto instalações predial sapres projeto instalacoes. pdfMa Dos Anjos Pacheco
 
te344 aula 08 - divisao da instalacao_(2) (1).pdf
te344 aula 08 - divisao da instalacao_(2) (1).pdfte344 aula 08 - divisao da instalacao_(2) (1).pdf
te344 aula 08 - divisao da instalacao_(2) (1).pdfPriscilla Ramallo
 
Dicas instalaeseltricasprediais-residenciais-130320084634-phpapp01
Dicas instalaeseltricasprediais-residenciais-130320084634-phpapp01Dicas instalaeseltricasprediais-residenciais-130320084634-phpapp01
Dicas instalaeseltricasprediais-residenciais-130320084634-phpapp01Carlos Reutymann
 
Aula 09 dimensionamentos elétricos
Aula 09   dimensionamentos elétricosAula 09   dimensionamentos elétricos
Aula 09 dimensionamentos elétricosEdivaldo Blanco
 
Dimensionamento de condutores
Dimensionamento de condutoresDimensionamento de condutores
Dimensionamento de condutoresJhon Oliveira
 
Procedimento para ensaio de isolação de cabos elétricos
Procedimento para ensaio de isolação de cabos elétricosProcedimento para ensaio de isolação de cabos elétricos
Procedimento para ensaio de isolação de cabos elétricosRicardo Akerman
 
Projeto da Fonte de Alimentação Regulada
Projeto da Fonte de Alimentação ReguladaProjeto da Fonte de Alimentação Regulada
Projeto da Fonte de Alimentação ReguladaCiro Marcus
 
Manual prysmian instalaçoes eletricas prediais
 Manual prysmian instalaçoes eletricas prediais Manual prysmian instalaçoes eletricas prediais
Manual prysmian instalaçoes eletricas prediaisArmando Falcon
 

Semelhante a Instalações Elétricas BT I - Dimensionamento e Critérios (20)

Dimensionamento de condutores
Dimensionamento de condutoresDimensionamento de condutores
Dimensionamento de condutores
 
Dimensionamento de instalações elétricas de residência unifamiliar de um pavi...
Dimensionamento de instalações elétricas de residência unifamiliar de um pavi...Dimensionamento de instalações elétricas de residência unifamiliar de um pavi...
Dimensionamento de instalações elétricas de residência unifamiliar de um pavi...
 
dimensionamento_de_cabos_isolados.pdf
dimensionamento_de_cabos_isolados.pdfdimensionamento_de_cabos_isolados.pdf
dimensionamento_de_cabos_isolados.pdf
 
Apresentação Projecto.pptx
Apresentação Projecto.pptxApresentação Projecto.pptx
Apresentação Projecto.pptx
 
Manual instal eletricas_prova
Manual instal eletricas_provaManual instal eletricas_prova
Manual instal eletricas_prova
 
A Necessária Integração dos Indicadores de Qualidade de Energia e Aspectos de...
A Necessária Integração dos Indicadores de Qualidade de Energia e Aspectos de...A Necessária Integração dos Indicadores de Qualidade de Energia e Aspectos de...
A Necessária Integração dos Indicadores de Qualidade de Energia e Aspectos de...
 
04_elementosdesubestao-130123052021-phpapp01.pdf
04_elementosdesubestao-130123052021-phpapp01.pdf04_elementosdesubestao-130123052021-phpapp01.pdf
04_elementosdesubestao-130123052021-phpapp01.pdf
 
Manual Prysmian ( Instalações Elétricas )
Manual Prysmian ( Instalações Elétricas )Manual Prysmian ( Instalações Elétricas )
Manual Prysmian ( Instalações Elétricas )
 
Ctc m5 v3_t
Ctc m5 v3_tCtc m5 v3_t
Ctc m5 v3_t
 
Projeto instalações predial sapres projeto instalacoes. pdf
Projeto  instalações predial sapres projeto instalacoes. pdfProjeto  instalações predial sapres projeto instalacoes. pdf
Projeto instalações predial sapres projeto instalacoes. pdf
 
te344 aula 08 - divisao da instalacao_(2) (1).pdf
te344 aula 08 - divisao da instalacao_(2) (1).pdfte344 aula 08 - divisao da instalacao_(2) (1).pdf
te344 aula 08 - divisao da instalacao_(2) (1).pdf
 
Dicas instalaeseltricasprediais-residenciais-130320084634-phpapp01
Dicas instalaeseltricasprediais-residenciais-130320084634-phpapp01Dicas instalaeseltricasprediais-residenciais-130320084634-phpapp01
Dicas instalaeseltricasprediais-residenciais-130320084634-phpapp01
 
Aula 09 dimensionamentos elétricos
Aula 09   dimensionamentos elétricosAula 09   dimensionamentos elétricos
Aula 09 dimensionamentos elétricos
 
Dimensionamento de condutores
Dimensionamento de condutoresDimensionamento de condutores
Dimensionamento de condutores
 
Instalação Elétrica e Hidráulica
Instalação Elétrica e HidráulicaInstalação Elétrica e Hidráulica
Instalação Elétrica e Hidráulica
 
Procedimento para ensaio de isolação de cabos elétricos
Procedimento para ensaio de isolação de cabos elétricosProcedimento para ensaio de isolação de cabos elétricos
Procedimento para ensaio de isolação de cabos elétricos
 
Projeto da Fonte de Alimentação Regulada
Projeto da Fonte de Alimentação ReguladaProjeto da Fonte de Alimentação Regulada
Projeto da Fonte de Alimentação Regulada
 
Inst eletricas
Inst eletricasInst eletricas
Inst eletricas
 
Manual prysmian instalaçoes eletricas prediais
 Manual prysmian instalaçoes eletricas prediais Manual prysmian instalaçoes eletricas prediais
Manual prysmian instalaçoes eletricas prediais
 
Manual prysmian
Manual prysmianManual prysmian
Manual prysmian
 

Último

Gestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais Privados
Gestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais PrivadosGestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais Privados
Gestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais PrivadosGuilhermeLucio9
 
AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024
AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024
AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024Consultoria Acadêmica
 
Patrimonio Edificado da Ilha de Moçambique.pptx
Patrimonio Edificado da Ilha de Moçambique.pptxPatrimonio Edificado da Ilha de Moçambique.pptx
Patrimonio Edificado da Ilha de Moçambique.pptxAssimoIovahale
 
MAPA – DESENHO TÉCNICO – 51 / 2024
MAPA   –   DESENHO TÉCNICO  –  51 / 2024MAPA   –   DESENHO TÉCNICO  –  51 / 2024
MAPA – DESENHO TÉCNICO – 51 / 2024excellenceeducaciona
 
Condutos forçados disciplina de hidráulica.pdf
Condutos forçados disciplina de hidráulica.pdfCondutos forçados disciplina de hidráulica.pdf
Condutos forçados disciplina de hidráulica.pdfAroldoMenezes1
 
AE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docx
AE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docxAE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docx
AE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docxConsultoria Acadêmica
 
Para iniciarmos nossa atividade, imagine a seguinte situação: Uma jovem chama...
Para iniciarmos nossa atividade, imagine a seguinte situação: Uma jovem chama...Para iniciarmos nossa atividade, imagine a seguinte situação: Uma jovem chama...
Para iniciarmos nossa atividade, imagine a seguinte situação: Uma jovem chama...DL assessoria 31
 
cipa_assedio (2).pdf_comissão_inetrna de
cipa_assedio (2).pdf_comissão_inetrna decipa_assedio (2).pdf_comissão_inetrna de
cipa_assedio (2).pdf_comissão_inetrna deGleuciane Rocha
 

Último (8)

Gestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais Privados
Gestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais PrivadosGestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais Privados
Gestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais Privados
 
AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024
AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024
AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024
 
Patrimonio Edificado da Ilha de Moçambique.pptx
Patrimonio Edificado da Ilha de Moçambique.pptxPatrimonio Edificado da Ilha de Moçambique.pptx
Patrimonio Edificado da Ilha de Moçambique.pptx
 
MAPA – DESENHO TÉCNICO – 51 / 2024
MAPA   –   DESENHO TÉCNICO  –  51 / 2024MAPA   –   DESENHO TÉCNICO  –  51 / 2024
MAPA – DESENHO TÉCNICO – 51 / 2024
 
Condutos forçados disciplina de hidráulica.pdf
Condutos forçados disciplina de hidráulica.pdfCondutos forçados disciplina de hidráulica.pdf
Condutos forçados disciplina de hidráulica.pdf
 
AE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docx
AE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docxAE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docx
AE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docx
 
Para iniciarmos nossa atividade, imagine a seguinte situação: Uma jovem chama...
Para iniciarmos nossa atividade, imagine a seguinte situação: Uma jovem chama...Para iniciarmos nossa atividade, imagine a seguinte situação: Uma jovem chama...
Para iniciarmos nossa atividade, imagine a seguinte situação: Uma jovem chama...
 
cipa_assedio (2).pdf_comissão_inetrna de
cipa_assedio (2).pdf_comissão_inetrna decipa_assedio (2).pdf_comissão_inetrna de
cipa_assedio (2).pdf_comissão_inetrna de
 

Instalações Elétricas BT I - Dimensionamento e Critérios

  • 1. Instalações Elétricas BT I Odailson Cavalcante de Oliveira
  • 2. Dimensionamento de condutores • Tipos de Condutores • Condutores isolados • Condutores unipolar • Condutores multipolar • Critérios para dimensionamento: • Capacidade de condução de corrente; • Queda de Tensão; • Seção mínima; • Sobrecarga; • Curto-circuito; e • Choques elétricos.
  • 3. Tipos de Condutores • Condutor Isolado: possui condutor metálico e isolação. • Cabo Unipolar: possui condutor, isolação e uma camada de revestimento, chamada cobertura, para proteção mecânica • Cabo Multipolar: possuem sob a mesma cobertura, dois ou mais condutores isolados, denominados veias.
  • 5. Métodos de Instalação • Definir parâmetros de instalação • O método de instalação influencia a capacidade de troca térmica entre os condutores e o ambiente, alterando a capacidade de condução de corrente dos condutores. • Exemplo de Instalação: • Os condutores podem ser instalados em eletrodutos ou bandejas. • Os eletrodutos podem ser embutidos em alvenaria ou podem ser aparentes.
  • 6. Parâmetros de Instalação dos cabos • NBR 5410:2004 • Tabela 33 — Tipos de linhas elétricas
  • 7.
  • 8. • Onde: • IB: corrente de projeto; • P : potência ativa total do circuito; • V : tensão do circuito; • FP :fator de potência total do circu
  • 9. • Fatores de Correção à Corrente de Projeto: • Corrigir corrente de projeto (IB) de acordo com k1, k2 e k3. • k1- fatores de correção para temperaturas ambientes diferentes. • k2- Correção de resistividade do solo • k3- fator de correção de agrupamento (agrupamento de mais de um circuito em um mesmo eletroduto).
  • 10. k1- Fatores de Correção para Temperaturas Conforme NBR5410:2004, item6.2.5.3 – pg. 106 Utilizado para temperaturas ambientes diferentes de 30ºC para linhas não subterrâneas e de 20ºC (temperatura do solo) para linhas subterrâneas.
  • 11. k2- Correção de resistividade do solo Utilizado em linhas subterrâneas, caso a resistividade térmica do solo seja diferente de 2,5 K.m/W, caso típico de solos secos, deve ser feita uma correção adequada nos valores da capacidade de condução de corrente. Solos úmidos possuem valores menores de resistividade térmica, enquanto solos muito secos apresentam valores maiores
  • 12.
  • 13. FCA - Fator de Correção de Agrupamento Conforme NBR5410:2004, item6.2.5.5 – pg. 107
  • 14.
  • 15. Exemplo: • Um circuito de iluminação de 1200 W, fase-neutro, passa no interior de um eletroduto embutido de PVC, juntamente com outros quatro condutores isolados de outros circuitos em cobre. A temperatura ambiente é de 35ºC. Determinar a seção do conduto.
  • 16. Critério da Queda de Tensão
  • 17. Efeitos dos Níveis Anormais das Tensões de Alimentação • A queda de tensão não deve ser superior aos limites máximos estabelecidos pela norma NBR 5410, a fim de não prejudicar o funcionamento dos equipamentos de utilização conectados aos circuitos terminais ou de utilização. • A queda de tensão de uma instalação elétrica, desde a origem até o ponto mais afastado de utilização de qualquer circuito de utilização, não deve ser superior aos valores prescritos pela norma, dados em relação ao valor da tensão nominal da instalação • A queda de tensão nos circuitos alimentadores e terminais (pontos de utilização) de uma instalação elétrica produz efeitos que podem levar os equipamentos desde à redução da sua vida útil até a sua queima (falha). • Essa queda de tensão faz com que os equipamentos recebam em seus terminais uma tensão inferior aos valores nominais, prejudicando o seu desempenho.
  • 18. Roteiro para dimensionamento dos condutores pela critério do limite de queda de tensão • Determinar • Tipo de isolação do condutor • Método de instalação • Material do eletroduto • Tipo do circuito (monofásico ou trifásico) • Tensão do circuito ( V ) • Corrente de projeto ( IB) e potência (S) • Fator de potência • Comprimento do circuito em km ( L ) • Queda de tensão admissível “e(% )” • Cálculo da queda de tensão unitária • Escolha do condutor
  • 19. Queda de tensão unitária • Queda de tensão unitária: • 𝑈 𝑢𝑛𝑖𝑡 = 𝑒 % 𝑉 𝐼 𝐵 𝐿 • Com o valor da queda de tensão unitária calculado, entra-se na Tabela 10.22, verifica-se o método de instalação de condutores, e encontra- se o valor cuja queda de tensão seja igual ou imediatamente inferior à calculada, obtendo desta forma a seção do condutor correspondente
  • 20.
  • 21.
  • 22. Exemplos • Exemplo 1: dimensionar os condutores para um chuveiro, tendo como dados: P=5400 W, V=220 V, FP=1, isolação de PVC, eletroduto de PVC embutido em alvenaria; temperatura ambiente: 30°C; comprimento do circuito: 15 m.
  • 23. Exemplos • Exemplo 2: dimensionar os condutores para um circuito de tomadas da cozinha, tendo como dados: S=2000 VA, V=127 V, isolação de PVC, eletroduto embutido em alvenaria; temperatura ambiente: 30°C; comprimento do circuito: 10 m.
  • 24. Critério de Queda de Tensão (Trechos) • Roteiro para dimensionamento dos condutores pela critério do limite de queda de tensão. • Determinar: • Tipo de isolação do condutor • Método de instalação • Material do eletroduto • Tipo do circuito (monofásico ou trifásico) • Temperatura ambiente • Corrente de projeto ( IB) e potência (S) • Δvunit.(Tabela 10.22) • Queda de tensão trecho por trecho • Escolha do condutor
  • 25. Critério de Queda de Tensão (Trechos) • 𝑒 % = 100.𝑈 𝑢𝑛𝑖𝑡 𝐼 𝐵 𝐿 𝑉 • Calcula-se o valor da queda de tensão nos trechos do circuito, caso o valor de queda de tensão supere o valor admitido em norma, é necessário refazer o cálculo para um seção nominal maior. • A seção nominal do circuito todo será a maior seção dos trechos.
  • 26. Critério de Queda de Tensão (Trechos) • Exemplo 3: supondo um circuito terminal com cargas distribuídas, conforme a figura vista a seguir: eletroduto de PVC embutido em alvenaria, temperatura: 30°C
  • 27. Resposta • S=3x600+2x100=2000VA • IB=2000/127=15,7A • Na tabela procura-se ∆Vunit=16,9 • Calculando para o primeiro trecho: ∆e=2,1%
  • 28. • Repete-se o procedimento para cada trecho de tubulação • E assim sucessivamente para cada trecho e vai lançando os valores na tabela seguinte: • A queda de tensão do trecho B é maior do 4%. Deve-se refazer o cálculo para um seção nominal maior do que 2,5 mm2
  • 29.
  • 30. • Repete-se o procedimento para cada trecho de tubulação • E assim sucessivamente para cada trecho e vai lançando os valores na tabela seguinte: • Os valores calculado para queda de tensão para todos os trechos do circuito são menores do 4%. Assim, a seção nominal do condutor adotada é 4,0 mm2
  • 31. Critério de Queda de Tensão (Trechos) • Exemplo 4: considerando um circuito de iluminação de um estacionamento, conforme o seguinte esquema: eletroduto de PVC embutido no solo, temperatura: 25 °C, utilizando lâmpadas a vapor de mercúrio de 250 W, com reator de 220 V e fator de potência de 0,88 ( 284 VA = 250 W x 0,88 )
  • 32. Resposta • S=5x284=1420VA • IB=1420/220=6,45A • Na tabela procura-se ∆Vunit=27,6 • Calculando para o primeiro trecho: ∆e=2,42%
  • 33. • Repete-se o procedimento para cada trecho de tubulação • E assim sucessivamente para cada trecho e vai lançando os valores na tabela seguinte: • Os valores calculado para queda de tensão para todos os trechos do circuito são menores do 4%. Assim, a seção nominal do condutor adotada é 1,5 mm²
  • 36. Seção Mínima - Proteção