SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 80
Baixar para ler offline
Fatores de Projeto ElétricoFatores de Projeto Elétrico
• Para a realizar um projeto Elétrico Industrial, é
necessário a aplicação de alguns fatores de projeto.
São eles:
1) Fator de Demanda
2) Fator de Carga
3) Fator de Perda
4) Fator de simultaneidade
5) Fator de Utilização
68INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi
Fatores de Projeto ElétricoFatores de Projeto Elétrico
1) Fator de Demanda (Fd)
É a relação entre a demanda máxima (D.máx.) do
sistema e a carga total conectada (P.inst.)
(potência Instalada).
69
.
.
Dmáx
Fd
Pinst

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi
70
75
80
85
90
95
100
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20
Demanda
demandamédia= 87,6Pot.Instal.125 kV
Fatores de Projeto ElétricoFatores de Projeto Elétrico
2) Fator de Carga(Fc)
É a razão entre a demanda média, durante um
intervalo de tempo e a demanda máxima
registrada no mesmo período.
70
.
.
Dméd
Fc
Dmáx

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi
70
75
80
85
90
95
100
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20
Demanda
demandamédia= 87,6Pot.Instal.125 kV
Fatores de Projeto ElétricoFatores de Projeto Elétrico
3) Fator de Perda (Fpr)
É a relação entre a perda de potência na
demanda média e a perda de potência na
demanda máxima, ou seja, o fator perda de
energia do sistema.
71
2
0,30* 0,7*Fpr Fc Fc 
INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi
Fatores de Projeto ElétricoFatores de Projeto Elétrico
4) Fator de simultaneidade (Fs)
É a relação entre a demanda máxima do grupo de
aparelho pela soma das demandas individuais
dos aparelhos do mesmo grupo.
72INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi
Fatores de Projeto ElétricoFatores de Projeto Elétrico
5) Fator de Utilização (Fu)
É o fator aplicado a potência nominal do aparelho
para se obter a potência média absorvida pelo
mesmo nas condições de utilização.
73INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi
A potência e a demanda de cargas podem ser
calculadas a partir das seguintes equações:
Potência da Carga (W):
Potência para motores (W):
74
* *cos
* * * *cos
P S Fp S
P V I Fp V I


 
 
Onde:
P= Potência em Watts
S= Potência Aparente em VA
V=Tensão do sistema em Volts
I= Corrente elétrica do sistema em
Àmpere.
Fp=cosϕ=Fator de potência
η = rendimento
736* ( )P P CV
Demanda e Potência de CargasDemanda e Potência de Cargas
INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi
Demanda da Carga (VA):
Demanda em Motores (VA):
Demanda para conjunto de motores iguais (VA):
75
( )
*
P W
D
Fp

Onde:
P= Potência em Watts
S= Potência Aparente em VA
V=Tensão do sistema em Volts
I= Corrente elétrica do sistema em
Àmpere.
Fp = cosϕ = Fator de potência
η = rendimento
Fu= Fator de Utilização
Fs= Fator de simultaneidade
Nm= número de equipamentos
( )*736
*
P CV
D
Fp

( )
* * *
*
P W
D Nm Fu Fs
Fp

Demanda e Potência de CargasDemanda e Potência de Cargas
INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi
Demanda para conjunto de motores iguais (VA):
Demanda para Iluminação (VA):
76
( )*736
* * *
*
P CV
D Nm Fu Fs
Fp

Onde:
P(CV)= Potência do motor em CV
Fp=cosϕ=Fator de potência
η = rendimento
Fu= Fator de Utilização
Fs= Fator de simultaneidade
Nm= número de motores
Pr
*
Pl
Dl Nl
Fp
 
  
 

Onde:
= Quant. de Luminárias (Lâmpadas)
Pl=Potência da Lâmpada
Pr=Potência do Reator
Fp= Fator de potência do reator
Nl
Demanda e Potência de CargasDemanda e Potência de Cargas
INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi
Demanda Total do Quadro de motores - DTM (CCM – Centro
de Controle de Motores e/ou QDF -Quadro de
Distribuição de Força)
77
1 2 ...
1( )*736
1 1* * 1* 1
*
2( )*736
2 2* * 2* 2
*
( )*736
* * *
*
DTM D D Dn
P CV
D Nm Fu Fs
Fp
P CV
D Nm Fu Fs
Fp
Pn CV
Dn Nmn Fun Fsn
Fp



  



Onde:
P(CV)= Potência do motor em CV
Fp=cosϕ=Fator de potência
η = rendimento
Fu= Fator de Utilização
Fs= Fator de simultaneidade
D(1, 2, n)= Demandas dos motores de
mesma potência 1, 2 e n
Nm (1, 2, n)= Número de motores do
grupo1, 2 e n
Demanda e Potência de CargasDemanda e Potência de Cargas
INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi
Demanda de Iluminação- DL no Quadro de Luz +Tomadas
(Quadro de Distribuição de Força e Luz - QDFL):
78
1 2
1 1
1 1
2 2
2 2
...
Pr
*
Pr
*
ln Pr
ln *
n
n
DL Dl Dl Dl
Pl
Dl Nl
Fp
Pl
Dl Nl
Fp
P
D Nln
Fp
  
 
  
 
 
  
 
 
  
 



Onde:
= Quant. de Luminárias (Lâmpadas)
Pl(1, 2, n)=Potência da Lâmpada 1, 2 e n
Pr(1, 2, n)=Perda no Reator 1, 2 e n
Dl(1, 2, n )= Demanda de Iluminação de
luminária 1, 2 e n
Fp=cosϕ=Fator de potência médio
(lâmpada + Reator)
Demanda e Potência de CargasDemanda e Potência de Cargas
Nl
INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi
Demanda de Tomadas - DT no Quadro de Luz + Tomadas
(Quadro de Distribuição de Força e Luz - QDFL):
79
1 2
1
1 1
2
2 2
n
...
*
*
n *
n
n
DT Dt Dt Dt
Pt
Dt Nt
Fp
Pt
Dt Nt
Fp
Pt
Dt Nt
Fp
  
 
  
 
 
  
 
 
  
 
Onde:
= número de Tomadas tipo 1, 2 e n
Fp=cosϕ=Fator de potência
Dt(1, 2, n)= Demanda de tomadas do tipo 1, 2 e
n
Demanda e Potência de CargasDemanda e Potência de Cargas
(1,2 )enNt
INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi
Demanda Total de Iluminação + Tomadas – DTL ( Quadro de
Distribuição de Força e Luz - QDFL):
80
DTL DL DT 
Onde:
DL= Demanda de Iluminação
DT= Demanda de Tomadas
Demanda e Potência de CargasDemanda e Potência de Cargas
Para determinar a Demanda do Quadro de Distribuição de Força e Luz
(QDFL), temos que observar o fator de demanda que segue:
INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi
Demanda Total da IndústriaDemanda Total da Indústria
81
Fator de Demanda para Iluminação e tomadas.
INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi
Disjuntor reservaDisjuntor reserva -- Quadros deQuadros de DistribDistrib..
Quadro de Distribuição – Espaço Reserva conforme tabela 59
da NBR 5410
82
Quantidade de circuitos (N)
efetivos no Quadro de
Distribuição
Espaço mínimodestinadoà
circuitos reservas
Até 6 circuitos 2
7 a 12 circuitos 3
13 a 30 circuitos 4
N>Acima de 30 circuitos 0,15*N
Nota:A capacidade de circuitos reserva deve ser considerado no cálculo do
alimentador do respectivo quadro de distribuição
INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi
Exemplo de AplicaçãoExemplo de Aplicação
1) Considere uma industria representada pela figura que
segue, sendo os motores do grupo 1 de 75CV, os motores
do grupo 2 de 30CV e os motores do grupo 3 de 50CV , a
iluminação da administração e subestação é composta
por 50 lâmpadas incandescentes de 100W e a Fábrica de
160 lâmpadas fluorescentes de 40W, o total de TUG é de
54 tomadas com 200VA cada. Determine as demandas
dos CCM1, CCM2 QDL e QDF e a potência necessária do
transformador da Subestação, considere os motores
como IV pólos. O total de circuitos de Iluminação e
tomadas no QDFL é de 25circuitos, sendo 9 circuitos de
tomadas e 10 circuitos de iluminação fluorescente e 5
circuitos de iluminação incandescente. O QDFL está sendo
alimentado pelo CCM1 e o CCM’s alimentados pelo QDG.
83INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi
Planta Baixa de Tomadas da InstalaçãoPlanta Baixa de Tomadas da Instalação
84INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi
Cálculo de Demanda de IluminaçãoCálculo de Demanda de Iluminação
No quadro de Luz e Tomadas QDFL, temos:
• 160 Lâmpada fluorescentes de 40W com reator duplo (2x40)
• 50 lâmpadas incandescente de 100W.
• 54 Tomadas TUG de 200VA
Divisão dos circuitos para realizar o equilíbrio nas fases:
• Lâmpadas Fluorescentes = 10 circuitos
• Lâmpadas Incandescentes = 5 circuitos
• Tomadas monofásicas = 9 circuitos
Número de dispositivos por circuito:
• Fluorescentes = 16 lâmpadas fluorescentes por circuito
• Incandescentes = 10 lâmpadas incandescentes por circuito
• Tomadas = 6 tomadas por circuito
85INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi
6 200
6,81
220 0,8
T
FT
F
PN
I A
V Fp
   
       
  
1 Pr 8 2 40 12
3,52
220 0,95
FL
F
PlN
I A
V Fp
    
       
  
Cálculo de Demanda de IluminaçãoCálculo de Demanda de Iluminação
Corrente por circuito de iluminação Fluorescente (IFL):
Corrente por circuito de iluminação incandescente (IFI):
Corrente por circuito de tomadas (IFT):
86INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi
1 Pr 10 100 0
4,54
220 1
FI
F
PlN
I A
V Fp
   
       
  
Cálculo de Demanda deCálculo de Demanda de IluminIlumin. + Tomadas. + Tomadas
87INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi
Distribuiçãodascorrentesdoscircuitos
realizandooequilíbrioporfase
Cálculo de Demanda deCálculo de Demanda de IluminIlumin. + Tomadas. + Tomadas
88INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi
Determinando o número de circuitos reserva no QDFL:
• Pela tabela 59 da NBR 5410, temos 24 circuitos, logo:
• Número de circuitos reserva = 4
Determinado o valor da corrente dos circuitos reserva:
Por uma questão de escolha : utilizaremos 6 circuitos reserva.
(lembrando que o valor mínimo de circuitos reserva é 4)
.
.
( )
º
40,07
5,0
8
FASE
circ reserva
circ reserva
I
I maior valor decorrentede fase
N decircuitona fase
I A

 

Cálculo de Demanda deCálculo de Demanda de IluminIlumin. + Tomadas. + Tomadas
89INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi
Distribuiçãodascorrentesdoscircuitos
comaimplementaçãodoscircuitosreservas
Cálculo de Demanda deCálculo de Demanda de IluminIlumin. + Tomadas. + Tomadas
90INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi
Assim temos que a potência do QDFL será:
Realizando o fator de demanda para o QDFL conforme tabela do
Fator de Demanda para Iluminação e tomadas temos:
3 3 380 50,07
32.955 32.955 0,9 29.659,5
L LS V I S
S VA P S Fp W
     
      
Adotando uma
valor médio para
o FP = 0,9.
Potência = 29.659,5 W ValorNominal Valorcom Fator de
demanda
100% Para os Primeiros 20kW 20000 20000
70% Para o excedente 9.659,5 6.761,65
Valor da potência aplicando o fator de demanda 26.761,65
Especificação dos Disjuntores de ProteçãoEspecificação dos Disjuntores de Proteção
91INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi
O cálculo do Fator de demanda para o QDFL é realizado para
dimensionar o disjuntor geral do QDFL:
O valor comercial do disjuntor será: 50A
• Especificação pelo catálogo da Siemens : 5SX1 350-7
• Especificação pelo catálogo da WEG: MBW-C50-3
• Especificação dos disjuntores de 6A :
Siemens : 5SX1 106-7 WEG: MBW-C6
• Especificação dos disjuntores de 10A :
Siemens : 5SX1 110-7 WEG: MBW-C10
Todos os disjuntores pertencem a classe C (curva de disparo - C)
( ) 26.761,65
45,18
3 3 380 0,9
QDFL
L
P W
I A
V Fp
  
   
Cálculo de Demanda deCálculo de Demanda de IluminIlumin. + Tomadas. + Tomadas
92INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi
Distribuiçãodascorrentesdoscircuitos
comaimplementaçãodoscircuitosreservas
Cálculo de Demanda deCálculo de Demanda de IluminIlumin. + Tomadas. + Tomadas
93INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi
Dimensionamento dos Barramentos do Quadro:
Barramento Principal: Corrente mínima a ser suportada: 50A
Barramento Secundário: Corrente mínima a ser suportada 10A
Conforme catálogo temos:
Tabela I
(AC~DC)
(A)
Barramento Primário 73
Barramento Secundário 48
31
8 8

1 1
8 4

Cálculo de Demanda dos MotoresCálculo de Demanda dos Motores
 Os motores do grupo 1 está sendo alimentado pelo Centro
de Controle de Motores 1 – CCM1, assim temos:
A demanda do CCM1=381,42kVA
94
1 1
1( )*736
1 * * *
*
75*736
1 10* *0,87*0,65
0,93*0,88
1 381.422,28
1 381,42
P CV
D Nm Fu Fs
Fp
D
D VA
D kVA





Onde:
P1=75CV
Nm=10 motores
η =0,93, tabela motores
Fp=0,88, tabela motores
Fu=0,87, tabela de Fator de
utilização.
Fs=0,65 , tabela de Fator de
Simultaneidade.
INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi
Nota = Este Quadro também está alimentando o QDFL.
Especificação dos Disjuntores de ProteçãoEspecificação dos Disjuntores de Proteção
Disjuntores reserva Quadro de Distribuição: CCM 1
Disjuntor reserva: 3 disjuntores (7 A 12 disjuntores)
95INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi
1 ( 32,96 )Considerando queoCCM está alimentandotambém oQDFL S kVA
1
1
CCM1
1 Circ.Reserva
381,42 3 38,18 32,96 528,92
( ) 528,92
I 803,61
3 3 380
1250 810 (3VL77 10-1 )
L
D D
CCM CCM QDFL
CCM kVA
D VA k
A
V
Correntedodisjuntor I A térmicoajustado I A Siemens
  
    
  
 
 
L
1
( ) 75*736
I 102,47 ( )
3 3 380 0,93 0,88
160 110 (3 27 12 1 )
381,82
381,42 / 10circuitos, logotemos : 38,18 por circuito
10
L
D D
P W
A corrente domotor
V Fp
Correntedodisjuntor I A térmicoajustado I A VL Siemens
CCM kVA p kVA

  
     
  
 
Cálculo de Demanda dos MotoresCálculo de Demanda dos Motores
 Os motores do grupo 2 e grupo 3 estão sendo alimentado
pelo Centro de Controle de Motores 2 – CCM2, assim
temos:
• Motores do grupo 2:
96
Onde:
P2=30CV
Nm=10 motores
η =0,91, tabela motores
Fp=0,84, tabela motores
Fu=0,85, tabela de Fator de
utilização.
Fs=0,65 , tabela de Fator de
Simultaneidade.
2 2
2( )*736
2 * * *
*
30*736
2 10* *0,85*0,65
0,91*0,84
2 159.591,83
P CV
D Nm Fu Fs
Fp
D
D VA




INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi
Cálculo de Demanda dos MotoresCálculo de Demanda dos Motores
• Motores do grupo 3:
• A demanda Total do CCM2 é:
• A demanda do CCM2=300,61kVA
97
3 3
3( )*736
3 * * *
*
50*736
3 5* *0,87*0,70
0,924*0,86
3 141.014,79
P CV
D Nm Fu Fs
Fp
D
D VA




Onde:
P3=50CV
Nm=5 motores
η =0,924 tabela motores
Fp=0,86, tabela motores
Fu=0,87 tabela de Fator de
utilização.
Fs=0,70 tabela de Fator de
Simultaneidade.
2 3 159.591,83 141.014,79
300.606,62
DT D D
DT VA
   

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi
Especificação dos Disjuntores de ProteçãoEspecificação dos Disjuntores de Proteção
Disjuntores reserva Quadro de Distribuição: CCM2
Disjuntor reserva: 4 disjuntores (13 a 30 disjuntores)
98INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi
L
L
( ) 30*736
I 49,31 ( 30 )
3 3 380 0,91 0,84
63 50 (3RV10 41-4JA10 )
( ) 50*736
I 70,36 ( 50
3 3 380 0,924 0,86
L
D D
L
P W
A corrente domotor CV
V Fp
Correntedodisjuntor I A térmicoajustadoI A Siemens
P W
A corrente domotor C
V Fp


  
     
 
  
     
2
)
90 72 (3RV10 41-4LA10 )
300,61
300,61 / 15circuitos, logotemos: 20,04 por circuito
15
D D
V
Correntedodisjuntor I A térmicoajustadoI A Siemens
k
CCM kVA p kVA
 
 
2 2
2
2
4 CircuitoReserva
300,61 4 20,04 380,77
( ) 380,77
I 578,52
3 3 380
630 580 (3VL57 63 -1 )
CCM
L
D D
CCM CCM
CCM kVA kVA kVA
D VA k
A
V
Correntedodisjuntor I A térmicoajustado I A Siemens
  
   
  
 
 
Especificação dos Disjuntores de ProteçãoEspecificação dos Disjuntores de Proteção
Disjuntores reserva Quadro de Distribuição: CCM2
Disjuntor reserva: 4 disjuntores (13 a 30 disjuntores)
99INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi
Demanda Total da IndústriaDemanda Total da Indústria
Demanda Total no QDF (Quadro de Distribuição Geral)
DT=Demanda dos CCM´s + a Demanda de Iluminação +Tomadas
DT=D_CCM1+D_CCM2
DT=528,92+380,77 (kVA)
DT=909,69kVA
Demanda do QDG=909,69kVA
Será considerado dois circuitos reservas (trifásicos) com potência
máxima de 50kVA por circuito.
O transformador necessário deverá ter uma potência maior que
904,04kVA, assim comercialmente temos o transformador com
1000kVA.
100INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi
( ) ( ) 909,69
I 1.382,13
3 3 3 380
1600 1400 (3VL87 16- 2 )
QDG
L L
D D
P W D VA k
A
V Fp V
Correntedodisjuntor I A térmicoajustado I A Siemens

   
    
 
Cálculo de Demanda deCálculo de Demanda de IluminIlumin. + Tomadas. + Tomadas
101INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi
Dimensionamento dos Barramentos do Quadro:
 CCM1
Barramento Principal: Corrente mínima a ser suportada: 1250A
Barramento Secundário: Corrente mínima a ser suportada 160A
 CCM2
Barramento Principal: Corrente mínima a ser suportada: 630A
Barramento Secundário: Corrente mínima a ser suportada 90A
Tabela I
(AC~DC)
Barramento
Primário (A)
Barramento
Secundário (A)
CCM1 1420 179
CCM2 774 112
1 1
4 2

51
4 16

3 11.
8 2

3 32.
8 4

Cálculo de Demanda deCálculo de Demanda de IluminIlumin. + Tomadas. + Tomadas
102INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi
Dimensionamento dos Barramentos do QDG:
Barramento Principal: Corrente mínima a ser suportada: 1600A
Barramento Secundário: Corrente mínima a ser suportada 1250A
Conforme catálogo temos:
Tabela I
(AC~DC)
(A)
Barramento Primário 1968
Barramento Secundário 1476
1 3
2

1 12.
2 4

Diagrama dos Disjuntores e QuadrosDiagrama dos Disjuntores e Quadros
103INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi
Quadro de Distribuição Geral - QDG
Diagrama dos Disjuntores e QuadrosDiagrama dos Disjuntores e Quadros
104INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi
CCM 1
Diagrama dos Disjuntores e QuadrosDiagrama dos Disjuntores e Quadros
105INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi
CCM 2
Identificação dos Circuitos no QuadroIdentificação dos Circuitos no Quadro
106INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi
Circuito
Nº
Identificaçãodo Circuito Sigla
01 Quadro de Força e Iluminação - 01 QDFL - 01
02 Quadro de Força e Iluminação – 02 QDFL – 02
03 Quadro de Força e Iluminação – 03 QDFL – 03
04 Quadro de Força e Iluminação – 04 QDFL – 04
05 Centro de Controle de Motores 01 CCM1
06 Centro de Controle de Motores 02 CCM2
07 Centro de Controle de Motores 03 CCM3
08 Centro de Controle de Motores 04 CCM4
09 Centro de Controle de Motores 05 CCM5
Quadro de Distribuição Geral Nº 01
ExemplodeIdentificaçãodeQuadros
Identificação dos Circuitos no QuadroIdentificação dos Circuitos no Quadro
107INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi
Circuito
Nº
Identificaçãodo Circuito Sigla
01 Iluminação Escrit. Desenho 001 ILU -ED/001
02 Iluminação Escrit. Projetos 005 ILU -EP/005
03 Iluminação Diretoria - 003 ILU -DR/003
04 Iluminação Gerência - 002 ILU - GR/002
05 Tomada Escrit. Desenho - 001 TOM – ED/001
06 Tomada Escrit. Projetos - 005 TOM – EP/005
07 Tomada Gerência - 002 TOM – GR/002
08 Tomada Diretoria - 003 TOM – DR/003
Quadro de Força e Iluminação Nº 01 – QDFL 01
ExemplodeIdentificaçãodeQuadros
Identificação dos Circuitos no QuadroIdentificação dos Circuitos no Quadro
108INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi
Circuito
Nº
Identificaçãodo Circuito Sigla
01 Fresadora 001 FRD-001
02 Fresadora 002 FRD-002
03 Torno Mecânico 001 TNM - 001
04 Torno Mecânico 002 TNM - 002
05 Torno CNC 001 TCN - 001
06 Torno CNC 0012 TCN - 001
07 Injetora - 001 INJ - 001
08 Injetora – 002 INJ - 002
09 Injetora - 003 INJ – 003
Centro de Controle de Motores Nº 01 - CCM 1
ExemplodeIdentificaçãodeQuadros
Dados de CatálogoDados de Catálogo
109
Características dos Transformadores Comerciais
INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi
Dados de CatálogoDados de Catálogo
110INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi
Dados de CatálogoDados de Catálogo
111INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi
Planta Baixa de Tomadas da InstalaçãoPlanta Baixa de Tomadas da Instalação
112INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi
Exercício de Cálculo de DemandaExercício de Cálculo de Demanda
1) Considere uma industria representada pela figura abaixo, sendo
os motores do grupo 1 de 10CV, os do grupo 2 de 15CV, os do
grupo 3 de 50CV, os do grupo 4 de 100CV e os do grupo 5 de
30CV, a iluminação da administração e subestação é composta
por 70 luminárias de 2x40W e a Fábrica de 45 luminárias com
lâmpadas de vapor de mercúrio de 250W , o total de TUG é de
55 tomadas com 200VA cada, e o de TUE’s são 3 tomadas 32A
5pólos. Determine as demandas dos CCM1, CCM2, QDL e QDF e
a potência necessária do transformador da Subestação,
considere os motores como IV pólos O total de circuitos de
Iluminação e tomadas no QDFL é de 30 circuitos, sendo 3
circuitos de tomadas TUE’s, 11 circuitos de tomada TUG, 7
circuitos de luminária fluorescente e 9 circuitos de luminária
de lâmpada de Vapor de Mercúrio. . O QDFL está sendo
alimentado pelo CCM1 e o CCM’s alimentados pelo QDG.
113INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi
Cálculo de Demanda de IluminaçãoCálculo de Demanda de Iluminação
No quadro de Luz e Tomadas QDFL, temos:
• 140 Lâmpada fluorescentes de 40W com reator duplo (2x40)
• 45 luminárias lâmpada de Vapor de Mercúrio de 250W.
• 55 Tomadas TUG de 200VA
• 3 Tomadas TUE de 32A
Divisão dos circuitos para realizar o equilíbrio nas fases:
• Lâmpadas Fluorescentes = 7 circuitos
• Lâmpadas Vapor de Mercúrio = 9 circuitos
• Tomadas monofásicas TUG = 11 circuitos
• Tomadas trifásicas TUE = 3 circuitos
Número de dispositivos por circuito:
• Fluorescentes = 20 lâmpadas fluorescentes por circuito
• Vapor de Mercúrio = 5 lâmpadas Vapor de Mercúrio por circuito
• Tomadas TUG= 5 tomadas por circuito
• Tomadas TUE = 1 tomada por circuito
114INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi
5 200
4,78
220 0,8
T
FTUG
F
N P
I A
V Fp
   
       
  
1 Pr 10 2 40 12
4,40
220 0,95
FL
F
N Pl
I A
V Fp
    
       
  
Cálculo de Demanda de IluminaçãoCálculo de Demanda de Iluminação
Corrente por circuito de iluminação Fluorescente (IFL):
Corrente por circuito de iluminação Vapor de Mercúrio(IFI):
Corrente por circuito de tomadas (IFTUG):
Corrente por circuito de Tomadas TUE (IFTUE):
115INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi
1 Pr 5 250 30
6,70
220 0,95
MG
F
N Pl
I A
V Fp
   
       
  
1 32,0 32FTUE TUEI N I A    
Cálculo de Demanda deCálculo de Demanda de IluminIlumin. + Tomadas. + Tomadas
116INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi
Distribuiçãodascorrentesdoscircuitos
realizandooequilíbrioporfase
Cálculo de Demanda deCálculo de Demanda de IluminIlumin. + Tomadas. + Tomadas
117INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi
Determinando o número de circuitos reserva no QDFL:
• Pela tabela 59 da NBR 5410, temos 30 circuitos, logo:
• Número de circuitos reserva = 4
Determinado o valor da corrente dos circuitos reserva:
Por uma questão de escolha : utilizaremos 6 circuitos reserva.
(lembrando que o valor mínimo de circuitos reserva é 4)
.
.
( )
º
144,02
12,0 143,64
12
FASE
circ reserva
circ reserva
I
I maior valor decorrentede fase
N decircuitona fase
I A

 

Cálculo de Demanda deCálculo de Demanda de IluminIlumin. + Tomadas. + Tomadas
118INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi
Distribuiçãodascorrentesdoscircuitos
comaimplementaçãodoscircuitosreservas
Cálculo de Demanda deCálculo de Demanda de IluminIlumin. + Tomadas. + Tomadas
119INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi
Assim temos que a potência do QDFL será:
Realizando o fator de demanda para o QDFL conforme tabela do
Fator de Demanda para Iluminação e tomadas temos:
3 3 380 168,02
110.587 110587 0,9 99.528,6
L LS V I S
S VA P S Fp W
     
      
Adotando uma
valor médio para
o FP = 0,9.
Potência = 29.659,5 W ValorNominal
(W)
Aplicandoo Fator de
demanda (W)
100% Para os Primeiros 20kW 20.000 20.000
70% Para o excedente 79.528,6 55.670
Valor da potência aplicando o fator de demanda 75.670
Especificação dos Disjuntores de ProteçãoEspecificação dos Disjuntores de Proteção
120INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi
O cálculo do Fator de demanda para o QDFL é realizado para
dimensionar o disjuntor geral do QDFL:
O valor comercial do disjuntor será: 160A
• Especificação pelo catálogo da Siemens : 3VL 27 16 – 1
• Especificação pelo catálogo da WEG: DWM160N-150-3
• Especificação dos disjuntores de 6A :
Siemens : 5SX1 106-7 WEG: MBW-C6
• Especificação dos disjuntores de 10A :
Siemens : 5SX1 110-7 WEG: MBW-C10
• Especificação dos disjuntores de 32A :
Siemens : 5SX1 332-7 WEG: MBW-C32-3
( ) 75.670
127,74
3 3 380 0,9
QDFL
L
P W
I A
V Fp
  
   
OBS. Todos os disjuntores
pertencem a classe C
(curva de disparo- C)
Cálculo de Demanda deCálculo de Demanda de IluminIlumin. + Tomadas. + Tomadas
121INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi
Distribuiçãodascorrentesdoscircuitos
comaimplementaçãodoscircuitosreservas
Cálculo de Demanda deCálculo de Demanda de IluminIlumin. + Tomadas. + Tomadas
122INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi
Dimensionamento dos Barramentos do Quadro:
Barramento Principal: Corrente mínima a ser suportada: 160A
Barramento Secundário: Corrente mínima a ser suportada 32A
Conforme catálogo temos:
Tabela I
(AC~DC)
(A)
Barramento Primário 179
Barramento Secundário 48 1 1
8 4

1 1
4 2

Cálculo de Demanda dos MotoresCálculo de Demanda dos Motores
 Os motores do grupo 1 e 2 estão sendo alimentado pelo
Centro de Controle de Motores 1 – CCM1, assim temos:
• Motores do grupo 1:
123
1 1
1( )*736
1 * * *
*
10*736
1 4* *0,83*0,80
0,89*0,83
1 26.463
1 26,463
P CV
D Nm Fu Fs
Fp
D
D VA
D kVA





Onde:
P1=10CV
Nm=4 motores
η =0,89, tabela motores
Fp=0,83, tabela motores
Fu=0,83, tabela de Fator de
utilização.
Fs=0,80 , tabela de Fator de
Simultaneidade.
INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi
Cálculo de Demanda dos MotoresCálculo de Demanda dos Motores
• Motores do grupo 2:
• A demanda Total do CCM1 é:
• A demanda do CCM1=82,6kVA
124
2 2
3( )*736
2 * * *
*
15*736
2 6* *0,83*0,75
0,885*0,83
2 56,136
P CV
D Nm Fu Fs
Fp
D
D kVA




Onde:
P2=15CV
Nm=6 motores
η =0,885 tabela motores
Fp=0,83, tabela motores
Fu=0,83, tabela de Fator de
utilização.
Fs=0,75 tabela de Fator de
Simultaneidade.
1 2 26.463 56.136
( 1) 82.599
DT D D
DT CCM VA
   

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi
Cálculo de Demanda dos MotoresCálculo de Demanda dos Motores
Os motores do grupo 3, grupo 4 e grupo 5 estão sendo
alimentado pelo Centro de Controle de Motores 2 – CCM2,
assim temos:
• Motores do grupo 3:
• Motores do grupo 4:
125
Onde:
P3=50CV
Nm=6 motores
η =0,924, tabela motores
Fp=0,86, tabela motores
Fu=0,87, tabela de Fator de utilização.
Fs=0,70 , tabela de Fator de Simultan.
3 3
2( )*736
3 * * *
*
50*736
3 6* *0,87*0,70
0,924*0,86
3 169,22
P CV
D Nm Fu Fs
Fp
D
D kVA




4 4
3( )*736
4 * * *
*
100*736
4 3* *0,87*0,85
0,935*0,87
4 200,727
P CV
D Nm Fu Fs
Fp
D
D kVA




P4=100CV
Nm=3 motores
η =0,935 tabela motores
Fp=0,87, tabela motores
Fu=0,87 tabela de Fator de utilização.
Fs=0,85 tabela de Fator de Simultan.
INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi
Cálculo de Demanda dos MotoresCálculo de Demanda dos Motores
• Motores do grupo 5:
• A demanda Total do CCM2 é:
• A demanda do CCM2=488,01kVA
126
Onde:
P5=30CV
Nm=6 motores
η =0,91 tabela motores
Fp=0,84, tabela motores
Fu=0,85 tabela de Fator de utilização.
Fs=0,70 tabela de Fator de Simultan.
5 5
3( )*736
5 * * *
*
30*736
5 6* *0,87*0,783
0,91*0,84
5 118,062
P CV
D Nm Fu Fs
Fp
D
D kVA




( 2) 3 4 5 169.220,00 200.727,00 118.062,00
( 2) 488,01
DT CCM D D D
DT CCM kVA
     

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi
Especificação dos Disjuntores de ProteçãoEspecificação dos Disjuntores de Proteção
Disjuntores reserva Quadro de Distribuição: CCM1
Disjuntor reserva: 3 disjuntores (7 A 12 disjuntores)
127INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi
L
L
( ) 10*736
I 15,71 ( 10 )
3 3 380 0,89 0,80
20 16 (3RV10 31-4BA10 )
( ) 15*736
I 25,27 ( 15
3 3 380 0,885 0,75
L
D D
L
P W
A corrente domotor CV
V Fp
Correntedodisjuntor I A térmicoajustadoI A Siemens
P W
A corrente domotor C
V Fp


  
     
 
  
     
1
)
32 26 (3RV10 31-4EA10 )
82,6
82,6 / 10circuitos, logotemos: 8,26 por circuito
10
D D
V
Correntedodisjuntor I A térmicoajustadoI A Siemens
k
CCM kVA p kVA
 
 
1 1
1
1
3 CircuitoReserva + QDFL
82,6 3 8,26 110,587 217,96
( ) 217,96
I 333,17
3 3 380
400 340 (3VL47 40 -1 )
CCM
L
D D
CCM CCM
CCM k k k kVA
D VA k
A
V
Correntedodisjuntor I A térmicoajustado I A Siemens
  
    
  
 
 
Especificação dos Disjuntores de ProteçãoEspecificação dos Disjuntores de Proteção
Disjuntores reserva Quadro de Distribuição: CCM1
Disjuntor reserva: 3 disjuntores (7 A 12 disjuntores)
128INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi
Especificação dos Disjuntores de ProteçãoEspecificação dos Disjuntores de Proteção
Disjuntores reserva Quadro de Distribuição: CCM2
Disjuntor reserva: 4 disjuntores (13 A 30 disjuntores)
129INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi
L
L
( ) 50*736
I 70,36 ( 50 )
3 3 380 0,924 0,86
90 72 (3RV10 41-4LA10 )
( ) 100*736
I 137,47 (
3 3 380 0,935 0,87
L
D D
L
P W
A corrente domotor CV
V Fp
Correntedodisjuntor I A térmicoajustadoI A Siemens
P W
A corrente domotor
V Fp


  
     
 
  
     
L
100 )
160 140 (3VL27 16 1 )
( ) 30*736
I 43,89 ( 30 )
3 3 380 0,91 0,84
50 45 (3RV10 41-4HA10
D D
L
D D
CV
Correntedodisjuntor I A térmicoajustadoI A Siemens
P W
A corrente domotor CV
V Fp
Correntedodisjuntor I A térmicoajustadoI A

  
  
     
  )Siemens
Especificação dos Disjuntores de ProteçãoEspecificação dos Disjuntores de Proteção
Disjuntores reserva Quadro de Distribuição: CCM2
Disjuntor reserva: 4 disjuntores (13 A 30 disjuntores)
130INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi
2
2 2
2
2
488,01
488,01 / 15circuitos, logotemos: 32,534 por circuito
15
4 CircuitoReserva
488,01 4 32,534 618,146
( ) 618,146
I 939,176
3 3 380
1250
CCM
L
D
k
CCM kVA p kVA
CCM CCM
CCM k k kVA
D VA k
A
V
Correntedodisjuntor I A térmi
 
  
   
  
 
 950 (3VL77 12 -1 )DcoajustadoI A Siemens
Demanda Total da IndústriaDemanda Total da Indústria
Demanda Total no QDF (Quadro de Distribuição Geral)
DT=Demanda dos CCM´s + a Demanda de Iluminação +Tomadas
DT=D_CCM1+D_CCM2
DT=217,96+618,146 (kVA)
DT=836,11kVA
Demanda do QDG=836,11kVA
Será considerado dois circuitos reservas (trifásicos) com potência
máxima de 82kVA por circuito.
O transformador necessário deverá ter uma potência maior que
836,11kVA, assim comercialmente temos o transformador com
1000kVA.
131INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi
( ) ( ) 836,11
I 1.270,34
3 3 3 380
1600 1300 (3VL87 16- 2 )
QDG
L L
D D
P W D VA k
A
V Fp V
Correntedodisjuntor I A térmicoajustado I A Siemens

   
    
 
Cálculo de Demanda deCálculo de Demanda de IluminIlumin. + Tomadas. + Tomadas
132INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi
Dimensionamento dos Barramentos do Quadro:
 CCM1
Barramento Principal: Corrente mínima a ser suportada: 400A
Barramento Secundário: Corrente mínima a ser suportada 160A
 CCM2
Barramento Principal: Corrente mínima a ser suportada: 1250A
Barramento Secundário: Corrente mínima a ser suportada 160A
Tabela I
(AC~DC)
Barramento
Primário (A)
Barramento
Secundário (A)
CCM1 516 179
CCM2 1420 179
1 1
4 2
3 1
8

1 1
4 2

3 32.
8 4

Cálculo de Demanda deCálculo de Demanda de IluminIlumin. + Tomadas. + Tomadas
133INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi
Dimensionamento dos Barramentos do QDG:
Barramento Principal: Corrente mínima a ser suportada: 1600A
Barramento Secundário: Corrente mínima a ser suportada 1250A
Conforme catálogo temos:
Tabela I
(AC~DC)
(A)
Barramento Primário 1968
Barramento Secundário 1476
1 3
2

1 12.
2 4

Diagrama dos Disjuntores e QuadrosDiagrama dos Disjuntores e Quadros
134INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi
Quadro de Distribuição Geral - QDG
Diagrama dos Disjuntores e QuadrosDiagrama dos Disjuntores e Quadros
135INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi
CCM 1
Diagrama dos Disjuntores e QuadrosDiagrama dos Disjuntores e Quadros
136INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi
CCM 2
Dados de CatálogoDados de Catálogo
137INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi
Dados de CatálogoDados de Catálogo
138
Capacidade de Condução de Corrente em Barramento de Cobre
Relação aproximada de aumento de corrente em barras paralela (espaçamento
entre barras na vertical =distância 1 barra e barras na horizontal = distancia de
2 barras. Ex: 15X2, espaçamento vertical mínimo 2mm e na horizontal = 4mm :
•2 barra paralela multiplicar por 1,58 e 3 barra em paralelo multiplicar por 2
INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi
Largura Espessura
Pol. 1/16 3/32 1/8 3/16 1/4 5/16 3/8
Pol. mm 1,58 2,38 3,17 4,76 6,35 7,94 9,52
1/4 6,35 20 30 40 - - - -
5/16 7,94 25 38 50 - - - -
3/8 9,52 30 45 60 91 121 - -
1/2 12,70 40 60 81 121 161 202 242
5/8 15,87 50 76 101 151 202 252 302
Conversão Máquina X MotorConversão Máquina X Motor
139
Em instalações industriais, existe a necessidade de instalar
diversos equipamentos cuja as características de
rendimento e fator de potência não são expressas de
forma clara. Com isso podemos adotar uma forma de
caracterizar estes valores.
Para realizar o cálculo de demanda em equipamento cuja
informação está em potência em Watts e não temos os
dados de rendimento e fator de potência, utilizamos a
conversão da potência em watts para valores em CV
(motor IV pólos) para retirar os dados de rendimento e
fator de potência, utilizando assim as tabelas de
simultaneidade e fator de utilização, conforme exemplo
abaixo:
INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi
Conversão Máquina X MotorConversão Máquina X Motor
140INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi
Conversão Máquina X MotorConversão Máquina X Motor
141
Nove PET 1500
Potência Total Instalada: 86,3 kW
Pela tabela de motores temos: motor de 125CV
Dados da tabela: η=0,938 e Fp=0,86
Nove PET 2000
Potência Total Instalada: 108,1 kW
Pela tabela de motores temos: motor de 150CV
Dados da tabela: η=0,941 e Fp=0,87
*Nota: Não esquecer a área ocupada do equipamento e considerar distância mínima
entre Máquinas de 1500mm. Para corredores laterais utilizar espaço de
2000mm e corredores Centrais de 3000mm.
INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi
Conversão Máquina X MotorConversão Máquina X Motor
142INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi
Conversão Máquina X MotorConversão Máquina X Motor
143
SKY BULL 600
Potência motores principais : S1 -7,5kW e S2 -11kW
Pela tabela de motores temos:
Motor de 7,5kW motor 10 CV
Dados da tabela: η=0,89 e Fp=0,83
Motor de 11kW motor 15 CV
Dados da tabela: η=0,885 e Fp=0,83
*Nota: Não esquecer a área ocupada do equipamento e considerar distância mínima
entre Máquinas de 1500mm. Para corredores laterais utilizar espaço de
2000mm e corredores Centrais de 3000mm.
INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi
Conversão Máquina X MotorConversão Máquina X Motor
144INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi
Conversão Máquina X MotorConversão Máquina X Motor
145
LOGIC 175
Potência Total Instalada: 5,5 kW
Pela tabela de motores temos: motor de 7,5CV
Dados da tabela: η=0,88 e Fp=0,82
*Nota: Não esquecer a área ocupada do equipamento e considerar distância mínima
entre Máquinas de 1500mm. Para corredores laterais utilizar espaço de
2000mm e corredores Centrais de 3000mm.
INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi
Conversão Máquina X MotorConversão Máquina X Motor
146INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi
Conversão Máquina X MotorConversão Máquina X Motor
147
Torno CNC CENTUR 30D
Potência Total Instalada: 15 kVA
Pela tabela de motores temos: motor de 15CV
Dados da tabela: η=0,885 e Fp=0,83
INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi
 
 
 
( ) 15.000
380 22,79
3 3 380
380 22,79
220 39,50
0,577 0,577
L
S VA
Ip V A
V
Ip V
Ip V A
  
 
  

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Projetos elétricos residenciais - Completo
Projetos elétricos residenciais  - CompletoProjetos elétricos residenciais  - Completo
Projetos elétricos residenciais - CompletoSala da Elétrica
 
Nbr iec 61439 1 - 2016 - versão corrigida-2017 - conjuntos de manobra e coman...
Nbr iec 61439 1 - 2016 - versão corrigida-2017 - conjuntos de manobra e coman...Nbr iec 61439 1 - 2016 - versão corrigida-2017 - conjuntos de manobra e coman...
Nbr iec 61439 1 - 2016 - versão corrigida-2017 - conjuntos de manobra e coman...EdmilsonNDosSantos
 
Transformadores - Proteção de Equipamentos e Sistemas Elétricos.
Transformadores - Proteção de Equipamentos e Sistemas Elétricos.Transformadores - Proteção de Equipamentos e Sistemas Elétricos.
Transformadores - Proteção de Equipamentos e Sistemas Elétricos.Fred Pacheco
 
Apresentação motores de indução
Apresentação motores de induçãoApresentação motores de indução
Apresentação motores de induçãoLuiz Carlos Farkas
 
Cap 1 - A - Elementos de projetos de uma instalação elétrica industrial - ...
Cap 1 -  A  -  Elementos de projetos de uma instalação elétrica industrial - ...Cap 1 -  A  -  Elementos de projetos de uma instalação elétrica industrial - ...
Cap 1 - A - Elementos de projetos de uma instalação elétrica industrial - ...Zacarias Junior
 
5ª aula pratica com inversor de frequencia
5ª aula pratica com inversor de frequencia5ª aula pratica com inversor de frequencia
5ª aula pratica com inversor de frequenciaAnaMacedoeletrical
 
Construção de Redes de Distribuição
Construção de Redes de DistribuiçãoConstrução de Redes de Distribuição
Construção de Redes de DistribuiçãoMoisés Gomes de Lima
 
Eletrica.ppt 2
Eletrica.ppt 2Eletrica.ppt 2
Eletrica.ppt 2ragrellos
 
Eletricista predial previsão de carga-carlos eduardo
Eletricista predial previsão de carga-carlos eduardoEletricista predial previsão de carga-carlos eduardo
Eletricista predial previsão de carga-carlos eduardoCarlos Melo
 
Instalações elétricas prática - SENAI
Instalações elétricas   prática - SENAIInstalações elétricas   prática - SENAI
Instalações elétricas prática - SENAILeonardo Chaves
 
Estruturas de sustentação dos alimentadores n1 n2-n3-n4 e meio beco
Estruturas de sustentação dos alimentadores n1 n2-n3-n4 e meio becoEstruturas de sustentação dos alimentadores n1 n2-n3-n4 e meio beco
Estruturas de sustentação dos alimentadores n1 n2-n3-n4 e meio becoJonatas Ramos
 
Instalações elétricas industriais_slides_parte_i
Instalações elétricas industriais_slides_parte_iInstalações elétricas industriais_slides_parte_i
Instalações elétricas industriais_slides_parte_iJeziel Rodrigues
 
Apostila de comandos elétricos (senai sp)
Apostila de comandos elétricos (senai   sp)Apostila de comandos elétricos (senai   sp)
Apostila de comandos elétricos (senai sp)Antonio Carlos
 
Ce aula 05 máquina cc
Ce aula 05 máquina ccCe aula 05 máquina cc
Ce aula 05 máquina ccIgor Fortal
 
Mais uma apostila sobre comandos elétricos.
Mais uma apostila sobre comandos elétricos.Mais uma apostila sobre comandos elétricos.
Mais uma apostila sobre comandos elétricos.Claudio Arkan
 

Mais procurados (20)

Projetos elétricos residenciais - Completo
Projetos elétricos residenciais  - CompletoProjetos elétricos residenciais  - Completo
Projetos elétricos residenciais - Completo
 
Nbr iec 61439 1 - 2016 - versão corrigida-2017 - conjuntos de manobra e coman...
Nbr iec 61439 1 - 2016 - versão corrigida-2017 - conjuntos de manobra e coman...Nbr iec 61439 1 - 2016 - versão corrigida-2017 - conjuntos de manobra e coman...
Nbr iec 61439 1 - 2016 - versão corrigida-2017 - conjuntos de manobra e coman...
 
Transformadores - Proteção de Equipamentos e Sistemas Elétricos.
Transformadores - Proteção de Equipamentos e Sistemas Elétricos.Transformadores - Proteção de Equipamentos e Sistemas Elétricos.
Transformadores - Proteção de Equipamentos e Sistemas Elétricos.
 
Apresentação motores de indução
Apresentação motores de induçãoApresentação motores de indução
Apresentação motores de indução
 
Cap 1 - A - Elementos de projetos de uma instalação elétrica industrial - ...
Cap 1 -  A  -  Elementos de projetos de uma instalação elétrica industrial - ...Cap 1 -  A  -  Elementos de projetos de uma instalação elétrica industrial - ...
Cap 1 - A - Elementos de projetos de uma instalação elétrica industrial - ...
 
Instalacoes eletricas 1
Instalacoes eletricas 1Instalacoes eletricas 1
Instalacoes eletricas 1
 
5ª aula pratica com inversor de frequencia
5ª aula pratica com inversor de frequencia5ª aula pratica com inversor de frequencia
5ª aula pratica com inversor de frequencia
 
Construção de Redes de Distribuição
Construção de Redes de DistribuiçãoConstrução de Redes de Distribuição
Construção de Redes de Distribuição
 
Eletrica.ppt 2
Eletrica.ppt 2Eletrica.ppt 2
Eletrica.ppt 2
 
Eletricista predial previsão de carga-carlos eduardo
Eletricista predial previsão de carga-carlos eduardoEletricista predial previsão de carga-carlos eduardo
Eletricista predial previsão de carga-carlos eduardo
 
Instalações elétricas prática - SENAI
Instalações elétricas   prática - SENAIInstalações elétricas   prática - SENAI
Instalações elétricas prática - SENAI
 
Motores elétricos de ca
Motores elétricos de caMotores elétricos de ca
Motores elétricos de ca
 
Estruturas de sustentação dos alimentadores n1 n2-n3-n4 e meio beco
Estruturas de sustentação dos alimentadores n1 n2-n3-n4 e meio becoEstruturas de sustentação dos alimentadores n1 n2-n3-n4 e meio beco
Estruturas de sustentação dos alimentadores n1 n2-n3-n4 e meio beco
 
Corrente nominal de motores trifásicos 220v
Corrente nominal de motores trifásicos 220vCorrente nominal de motores trifásicos 220v
Corrente nominal de motores trifásicos 220v
 
Instalações elétricas industriais_slides_parte_i
Instalações elétricas industriais_slides_parte_iInstalações elétricas industriais_slides_parte_i
Instalações elétricas industriais_slides_parte_i
 
Apostila de comandos elétricos (senai sp)
Apostila de comandos elétricos (senai   sp)Apostila de comandos elétricos (senai   sp)
Apostila de comandos elétricos (senai sp)
 
Esquemas de aterramento
Esquemas de aterramentoEsquemas de aterramento
Esquemas de aterramento
 
Ce aula 05 máquina cc
Ce aula 05 máquina ccCe aula 05 máquina cc
Ce aula 05 máquina cc
 
Mais uma apostila sobre comandos elétricos.
Mais uma apostila sobre comandos elétricos.Mais uma apostila sobre comandos elétricos.
Mais uma apostila sobre comandos elétricos.
 
08 quadro de distribuição
08  quadro de distribuição08  quadro de distribuição
08 quadro de distribuição
 

Destaque

E cap 4- demanda de energia
E cap 4- demanda de energiaE cap 4- demanda de energia
E cap 4- demanda de energiaAndré Felipe
 
E cap 2- projeto de instalações elétricas
E cap 2- projeto de instalações elétricasE cap 2- projeto de instalações elétricas
E cap 2- projeto de instalações elétricasAndré Felipe
 
U07 comando controle_e_ protecao_circuitos_eletricos_baixa_tensao
U07 comando controle_e_ protecao_circuitos_eletricos_baixa_tensaoU07 comando controle_e_ protecao_circuitos_eletricos_baixa_tensao
U07 comando controle_e_ protecao_circuitos_eletricos_baixa_tensaoRicardo de Souza
 
Catalogo cemar legranf
Catalogo cemar legranfCatalogo cemar legranf
Catalogo cemar legranfGabriel Stach
 
Edmv reg clientes_rev0
Edmv reg clientes_rev0Edmv reg clientes_rev0
Edmv reg clientes_rev0confidencial
 
Apresentação lumilight atualizada ppt
Apresentação lumilight atualizada pptApresentação lumilight atualizada ppt
Apresentação lumilight atualizada pptMurillo Rezende
 
Aula 1 história da eletricidade
Aula 1   história da eletricidadeAula 1   história da eletricidade
Aula 1 história da eletricidadeDaniel Bonamin
 
Aula 3 instalacoes_eletricas-reles_sorbecarga
Aula 3 instalacoes_eletricas-reles_sorbecargaAula 3 instalacoes_eletricas-reles_sorbecarga
Aula 3 instalacoes_eletricas-reles_sorbecargaAngel Santos Santos
 
E cap 9- dispositivos de proteção contra sobrecorrentes
E cap 9- dispositivos de proteção contra sobrecorrentesE cap 9- dispositivos de proteção contra sobrecorrentes
E cap 9- dispositivos de proteção contra sobrecorrentesAndré Felipe
 
Memorial de calculo de carga instalada e demanda
Memorial de calculo de carga instalada e demandaMemorial de calculo de carga instalada e demanda
Memorial de calculo de carga instalada e demandaPaulo H Bueno
 

Destaque (20)

Projeto eletrico pdf
Projeto eletrico pdfProjeto eletrico pdf
Projeto eletrico pdf
 
E cap 4- demanda de energia
E cap 4- demanda de energiaE cap 4- demanda de energia
E cap 4- demanda de energia
 
E cap 2- projeto de instalações elétricas
E cap 2- projeto de instalações elétricasE cap 2- projeto de instalações elétricas
E cap 2- projeto de instalações elétricas
 
4 quadros e_paineis
4 quadros e_paineis4 quadros e_paineis
4 quadros e_paineis
 
Subesta o
Subesta  oSubesta  o
Subesta o
 
Bloqueio de disjuntores
Bloqueio de disjuntoresBloqueio de disjuntores
Bloqueio de disjuntores
 
U07 comando controle_e_ protecao_circuitos_eletricos_baixa_tensao
U07 comando controle_e_ protecao_circuitos_eletricos_baixa_tensaoU07 comando controle_e_ protecao_circuitos_eletricos_baixa_tensao
U07 comando controle_e_ protecao_circuitos_eletricos_baixa_tensao
 
Catalogo cemar legranf
Catalogo cemar legranfCatalogo cemar legranf
Catalogo cemar legranf
 
Spda 1
Spda 1Spda 1
Spda 1
 
Painel tse clad
Painel tse cladPainel tse clad
Painel tse clad
 
André Cruz - Vulcano
André Cruz - VulcanoAndré Cruz - Vulcano
André Cruz - Vulcano
 
Aula disjuntor
Aula disjuntorAula disjuntor
Aula disjuntor
 
Instalações elétricas residenciais parte 1
Instalações elétricas residenciais parte 1Instalações elétricas residenciais parte 1
Instalações elétricas residenciais parte 1
 
Spda
SpdaSpda
Spda
 
Edmv reg clientes_rev0
Edmv reg clientes_rev0Edmv reg clientes_rev0
Edmv reg clientes_rev0
 
Apresentação lumilight atualizada ppt
Apresentação lumilight atualizada pptApresentação lumilight atualizada ppt
Apresentação lumilight atualizada ppt
 
Aula 1 história da eletricidade
Aula 1   história da eletricidadeAula 1   história da eletricidade
Aula 1 história da eletricidade
 
Aula 3 instalacoes_eletricas-reles_sorbecarga
Aula 3 instalacoes_eletricas-reles_sorbecargaAula 3 instalacoes_eletricas-reles_sorbecarga
Aula 3 instalacoes_eletricas-reles_sorbecarga
 
E cap 9- dispositivos de proteção contra sobrecorrentes
E cap 9- dispositivos de proteção contra sobrecorrentesE cap 9- dispositivos de proteção contra sobrecorrentes
E cap 9- dispositivos de proteção contra sobrecorrentes
 
Memorial de calculo de carga instalada e demanda
Memorial de calculo de carga instalada e demandaMemorial de calculo de carga instalada e demanda
Memorial de calculo de carga instalada e demanda
 

Semelhante a Instalações elétricas industriais_slides_parte_ii

SEL 0312 - Aula2 - demanda.pdf
SEL 0312 - Aula2 - demanda.pdfSEL 0312 - Aula2 - demanda.pdf
SEL 0312 - Aula2 - demanda.pdfYuriFac
 
instalacoes_eletricas_cap3_parte3.ppt
instalacoes_eletricas_cap3_parte3.pptinstalacoes_eletricas_cap3_parte3.ppt
instalacoes_eletricas_cap3_parte3.pptNei Barreto
 
Electrical project for Industrial Facility
Electrical project for Industrial FacilityElectrical project for Industrial Facility
Electrical project for Industrial FacilityPedro Reis
 
Dimensionamento de instalações elétricas de residência unifamiliar de um pavi...
Dimensionamento de instalações elétricas de residência unifamiliar de um pavi...Dimensionamento de instalações elétricas de residência unifamiliar de um pavi...
Dimensionamento de instalações elétricas de residência unifamiliar de um pavi...AllanVictor53
 
dimensionamento_de_cabos_isolados.pdf
dimensionamento_de_cabos_isolados.pdfdimensionamento_de_cabos_isolados.pdf
dimensionamento_de_cabos_isolados.pdfcarlaindira
 
Projeto instalações predial sapres projeto instalacoes. pdf
Projeto  instalações predial sapres projeto instalacoes. pdfProjeto  instalações predial sapres projeto instalacoes. pdf
Projeto instalações predial sapres projeto instalacoes. pdfMa Dos Anjos Pacheco
 
Eng04482 aula 09_divisao_instalacao
Eng04482 aula 09_divisao_instalacaoEng04482 aula 09_divisao_instalacao
Eng04482 aula 09_divisao_instalacaoLeandro Santos
 
Arthur besen soprano trabalho eletrotecnica
Arthur besen soprano   trabalho eletrotecnicaArthur besen soprano   trabalho eletrotecnica
Arthur besen soprano trabalho eletrotecnicaalessandro oliveira
 
E-poti: Análise e Monitoramento da Qualidade da Energia Elétrica
E-poti: Análise e Monitoramento da Qualidade da Energia ElétricaE-poti: Análise e Monitoramento da Qualidade da Energia Elétrica
E-poti: Análise e Monitoramento da Qualidade da Energia ElétricaCarlos Carvalho
 
Apresentação de motores e servomecanismos slideshare
Apresentação de motores e servomecanismos slideshareApresentação de motores e servomecanismos slideshare
Apresentação de motores e servomecanismos slideshareWatson Oliveira
 
Correção de fator de potência
Correção de fator de potência Correção de fator de potência
Correção de fator de potência SamuelAminadabe
 
Trabalho instalações
Trabalho instalaçõesTrabalho instalações
Trabalho instalaçõesHiago Almeida
 
Cálculo de demanda para medição de cliente em baixa tensão
Cálculo de demanda para medição de cliente em baixa tensãoCálculo de demanda para medição de cliente em baixa tensão
Cálculo de demanda para medição de cliente em baixa tensãoEduardo Matos
 
Cálculo de demanda para medição de cliente em baixa tensão
Cálculo de demanda para medição de cliente em baixa tensãoCálculo de demanda para medição de cliente em baixa tensão
Cálculo de demanda para medição de cliente em baixa tensãoGustavo Brito Beltrame
 
T 395 ifpi - desafio - dimensionamento de instalações elétricas industriais
T 395   ifpi - desafio - dimensionamento de instalações elétricas industriaisT 395   ifpi - desafio - dimensionamento de instalações elétricas industriais
T 395 ifpi - desafio - dimensionamento de instalações elétricas industriaisZacarias Junior
 
T 395 ifpi - desafio - dimensionamento de instalações elétricas industriais
T 395   ifpi - desafio - dimensionamento de instalações elétricas industriaisT 395   ifpi - desafio - dimensionamento de instalações elétricas industriais
T 395 ifpi - desafio - dimensionamento de instalações elétricas industriaisZacarias Junior
 
Trabalho instalações
Trabalho instalaçõesTrabalho instalações
Trabalho instalaçõesHiago Almeida
 
Dimensionamento de Sistemas elétricos.pdf
Dimensionamento de Sistemas elétricos.pdfDimensionamento de Sistemas elétricos.pdf
Dimensionamento de Sistemas elétricos.pdfGleibsonHenrique
 

Semelhante a Instalações elétricas industriais_slides_parte_ii (19)

SEL 0312 - Aula2 - demanda.pdf
SEL 0312 - Aula2 - demanda.pdfSEL 0312 - Aula2 - demanda.pdf
SEL 0312 - Aula2 - demanda.pdf
 
instalacoes_eletricas_cap3_parte3.ppt
instalacoes_eletricas_cap3_parte3.pptinstalacoes_eletricas_cap3_parte3.ppt
instalacoes_eletricas_cap3_parte3.ppt
 
Electrical project for Industrial Facility
Electrical project for Industrial FacilityElectrical project for Industrial Facility
Electrical project for Industrial Facility
 
Dimensionamento de instalações elétricas de residência unifamiliar de um pavi...
Dimensionamento de instalações elétricas de residência unifamiliar de um pavi...Dimensionamento de instalações elétricas de residência unifamiliar de um pavi...
Dimensionamento de instalações elétricas de residência unifamiliar de um pavi...
 
dimensionamento_de_cabos_isolados.pdf
dimensionamento_de_cabos_isolados.pdfdimensionamento_de_cabos_isolados.pdf
dimensionamento_de_cabos_isolados.pdf
 
Projeto instalações predial sapres projeto instalacoes. pdf
Projeto  instalações predial sapres projeto instalacoes. pdfProjeto  instalações predial sapres projeto instalacoes. pdf
Projeto instalações predial sapres projeto instalacoes. pdf
 
Eng04482 aula 09_divisao_instalacao
Eng04482 aula 09_divisao_instalacaoEng04482 aula 09_divisao_instalacao
Eng04482 aula 09_divisao_instalacao
 
Arthur besen soprano trabalho eletrotecnica
Arthur besen soprano   trabalho eletrotecnicaArthur besen soprano   trabalho eletrotecnica
Arthur besen soprano trabalho eletrotecnica
 
E-poti: Análise e Monitoramento da Qualidade da Energia Elétrica
E-poti: Análise e Monitoramento da Qualidade da Energia ElétricaE-poti: Análise e Monitoramento da Qualidade da Energia Elétrica
E-poti: Análise e Monitoramento da Qualidade da Energia Elétrica
 
Apresentação de motores e servomecanismos slideshare
Apresentação de motores e servomecanismos slideshareApresentação de motores e servomecanismos slideshare
Apresentação de motores e servomecanismos slideshare
 
Correção de fator de potência
Correção de fator de potência Correção de fator de potência
Correção de fator de potência
 
Aula 1 instalacoes
Aula 1 instalacoesAula 1 instalacoes
Aula 1 instalacoes
 
Trabalho instalações
Trabalho instalaçõesTrabalho instalações
Trabalho instalações
 
Cálculo de demanda para medição de cliente em baixa tensão
Cálculo de demanda para medição de cliente em baixa tensãoCálculo de demanda para medição de cliente em baixa tensão
Cálculo de demanda para medição de cliente em baixa tensão
 
Cálculo de demanda para medição de cliente em baixa tensão
Cálculo de demanda para medição de cliente em baixa tensãoCálculo de demanda para medição de cliente em baixa tensão
Cálculo de demanda para medição de cliente em baixa tensão
 
T 395 ifpi - desafio - dimensionamento de instalações elétricas industriais
T 395   ifpi - desafio - dimensionamento de instalações elétricas industriaisT 395   ifpi - desafio - dimensionamento de instalações elétricas industriais
T 395 ifpi - desafio - dimensionamento de instalações elétricas industriais
 
T 395 ifpi - desafio - dimensionamento de instalações elétricas industriais
T 395   ifpi - desafio - dimensionamento de instalações elétricas industriaisT 395   ifpi - desafio - dimensionamento de instalações elétricas industriais
T 395 ifpi - desafio - dimensionamento de instalações elétricas industriais
 
Trabalho instalações
Trabalho instalaçõesTrabalho instalações
Trabalho instalações
 
Dimensionamento de Sistemas elétricos.pdf
Dimensionamento de Sistemas elétricos.pdfDimensionamento de Sistemas elétricos.pdf
Dimensionamento de Sistemas elétricos.pdf
 

Último

Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxHlioMachado1
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.HildegardeAngel
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptxpamelacastro71
 
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mim
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mimJunto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mim
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mimWashingtonSampaio5
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxGislaineDuresCruz
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãodanielagracia9
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfErasmo Portavoz
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdfDemetrio Ccesa Rayme
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptAlineSilvaPotuk
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAlexandreFrana33
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdfCarlosRodrigues832670
 
A população Brasileira e diferença de populoso e povoado
A população Brasileira e diferença de populoso e povoadoA população Brasileira e diferença de populoso e povoado
A população Brasileira e diferença de populoso e povoadodanieligomes4
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAEdioFnaf
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 

Último (20)

Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
 
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mim
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mimJunto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mim
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mim
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetização
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
 
A população Brasileira e diferença de populoso e povoado
A população Brasileira e diferença de populoso e povoadoA população Brasileira e diferença de populoso e povoado
A população Brasileira e diferença de populoso e povoado
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 

Instalações elétricas industriais_slides_parte_ii

  • 1. Fatores de Projeto ElétricoFatores de Projeto Elétrico • Para a realizar um projeto Elétrico Industrial, é necessário a aplicação de alguns fatores de projeto. São eles: 1) Fator de Demanda 2) Fator de Carga 3) Fator de Perda 4) Fator de simultaneidade 5) Fator de Utilização 68INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi
  • 2. Fatores de Projeto ElétricoFatores de Projeto Elétrico 1) Fator de Demanda (Fd) É a relação entre a demanda máxima (D.máx.) do sistema e a carga total conectada (P.inst.) (potência Instalada). 69 . . Dmáx Fd Pinst  INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi 70 75 80 85 90 95 100 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 Demanda demandamédia= 87,6Pot.Instal.125 kV
  • 3. Fatores de Projeto ElétricoFatores de Projeto Elétrico 2) Fator de Carga(Fc) É a razão entre a demanda média, durante um intervalo de tempo e a demanda máxima registrada no mesmo período. 70 . . Dméd Fc Dmáx  INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi 70 75 80 85 90 95 100 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 Demanda demandamédia= 87,6Pot.Instal.125 kV
  • 4. Fatores de Projeto ElétricoFatores de Projeto Elétrico 3) Fator de Perda (Fpr) É a relação entre a perda de potência na demanda média e a perda de potência na demanda máxima, ou seja, o fator perda de energia do sistema. 71 2 0,30* 0,7*Fpr Fc Fc  INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi
  • 5. Fatores de Projeto ElétricoFatores de Projeto Elétrico 4) Fator de simultaneidade (Fs) É a relação entre a demanda máxima do grupo de aparelho pela soma das demandas individuais dos aparelhos do mesmo grupo. 72INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi
  • 6. Fatores de Projeto ElétricoFatores de Projeto Elétrico 5) Fator de Utilização (Fu) É o fator aplicado a potência nominal do aparelho para se obter a potência média absorvida pelo mesmo nas condições de utilização. 73INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi
  • 7. A potência e a demanda de cargas podem ser calculadas a partir das seguintes equações: Potência da Carga (W): Potência para motores (W): 74 * *cos * * * *cos P S Fp S P V I Fp V I       Onde: P= Potência em Watts S= Potência Aparente em VA V=Tensão do sistema em Volts I= Corrente elétrica do sistema em Àmpere. Fp=cosϕ=Fator de potência η = rendimento 736* ( )P P CV Demanda e Potência de CargasDemanda e Potência de Cargas INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi
  • 8. Demanda da Carga (VA): Demanda em Motores (VA): Demanda para conjunto de motores iguais (VA): 75 ( ) * P W D Fp  Onde: P= Potência em Watts S= Potência Aparente em VA V=Tensão do sistema em Volts I= Corrente elétrica do sistema em Àmpere. Fp = cosϕ = Fator de potência η = rendimento Fu= Fator de Utilização Fs= Fator de simultaneidade Nm= número de equipamentos ( )*736 * P CV D Fp  ( ) * * * * P W D Nm Fu Fs Fp  Demanda e Potência de CargasDemanda e Potência de Cargas INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi
  • 9. Demanda para conjunto de motores iguais (VA): Demanda para Iluminação (VA): 76 ( )*736 * * * * P CV D Nm Fu Fs Fp  Onde: P(CV)= Potência do motor em CV Fp=cosϕ=Fator de potência η = rendimento Fu= Fator de Utilização Fs= Fator de simultaneidade Nm= número de motores Pr * Pl Dl Nl Fp         Onde: = Quant. de Luminárias (Lâmpadas) Pl=Potência da Lâmpada Pr=Potência do Reator Fp= Fator de potência do reator Nl Demanda e Potência de CargasDemanda e Potência de Cargas INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi
  • 10. Demanda Total do Quadro de motores - DTM (CCM – Centro de Controle de Motores e/ou QDF -Quadro de Distribuição de Força) 77 1 2 ... 1( )*736 1 1* * 1* 1 * 2( )*736 2 2* * 2* 2 * ( )*736 * * * * DTM D D Dn P CV D Nm Fu Fs Fp P CV D Nm Fu Fs Fp Pn CV Dn Nmn Fun Fsn Fp          Onde: P(CV)= Potência do motor em CV Fp=cosϕ=Fator de potência η = rendimento Fu= Fator de Utilização Fs= Fator de simultaneidade D(1, 2, n)= Demandas dos motores de mesma potência 1, 2 e n Nm (1, 2, n)= Número de motores do grupo1, 2 e n Demanda e Potência de CargasDemanda e Potência de Cargas INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi
  • 11. Demanda de Iluminação- DL no Quadro de Luz +Tomadas (Quadro de Distribuição de Força e Luz - QDFL): 78 1 2 1 1 1 1 2 2 2 2 ... Pr * Pr * ln Pr ln * n n DL Dl Dl Dl Pl Dl Nl Fp Pl Dl Nl Fp P D Nln Fp                            Onde: = Quant. de Luminárias (Lâmpadas) Pl(1, 2, n)=Potência da Lâmpada 1, 2 e n Pr(1, 2, n)=Perda no Reator 1, 2 e n Dl(1, 2, n )= Demanda de Iluminação de luminária 1, 2 e n Fp=cosϕ=Fator de potência médio (lâmpada + Reator) Demanda e Potência de CargasDemanda e Potência de Cargas Nl INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi
  • 12. Demanda de Tomadas - DT no Quadro de Luz + Tomadas (Quadro de Distribuição de Força e Luz - QDFL): 79 1 2 1 1 1 2 2 2 n ... * * n * n n DT Dt Dt Dt Pt Dt Nt Fp Pt Dt Nt Fp Pt Dt Nt Fp                         Onde: = número de Tomadas tipo 1, 2 e n Fp=cosϕ=Fator de potência Dt(1, 2, n)= Demanda de tomadas do tipo 1, 2 e n Demanda e Potência de CargasDemanda e Potência de Cargas (1,2 )enNt INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi
  • 13. Demanda Total de Iluminação + Tomadas – DTL ( Quadro de Distribuição de Força e Luz - QDFL): 80 DTL DL DT  Onde: DL= Demanda de Iluminação DT= Demanda de Tomadas Demanda e Potência de CargasDemanda e Potência de Cargas Para determinar a Demanda do Quadro de Distribuição de Força e Luz (QDFL), temos que observar o fator de demanda que segue: INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi
  • 14. Demanda Total da IndústriaDemanda Total da Indústria 81 Fator de Demanda para Iluminação e tomadas. INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi
  • 15. Disjuntor reservaDisjuntor reserva -- Quadros deQuadros de DistribDistrib.. Quadro de Distribuição – Espaço Reserva conforme tabela 59 da NBR 5410 82 Quantidade de circuitos (N) efetivos no Quadro de Distribuição Espaço mínimodestinadoà circuitos reservas Até 6 circuitos 2 7 a 12 circuitos 3 13 a 30 circuitos 4 N>Acima de 30 circuitos 0,15*N Nota:A capacidade de circuitos reserva deve ser considerado no cálculo do alimentador do respectivo quadro de distribuição INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi
  • 16. Exemplo de AplicaçãoExemplo de Aplicação 1) Considere uma industria representada pela figura que segue, sendo os motores do grupo 1 de 75CV, os motores do grupo 2 de 30CV e os motores do grupo 3 de 50CV , a iluminação da administração e subestação é composta por 50 lâmpadas incandescentes de 100W e a Fábrica de 160 lâmpadas fluorescentes de 40W, o total de TUG é de 54 tomadas com 200VA cada. Determine as demandas dos CCM1, CCM2 QDL e QDF e a potência necessária do transformador da Subestação, considere os motores como IV pólos. O total de circuitos de Iluminação e tomadas no QDFL é de 25circuitos, sendo 9 circuitos de tomadas e 10 circuitos de iluminação fluorescente e 5 circuitos de iluminação incandescente. O QDFL está sendo alimentado pelo CCM1 e o CCM’s alimentados pelo QDG. 83INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi
  • 17. Planta Baixa de Tomadas da InstalaçãoPlanta Baixa de Tomadas da Instalação 84INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi
  • 18. Cálculo de Demanda de IluminaçãoCálculo de Demanda de Iluminação No quadro de Luz e Tomadas QDFL, temos: • 160 Lâmpada fluorescentes de 40W com reator duplo (2x40) • 50 lâmpadas incandescente de 100W. • 54 Tomadas TUG de 200VA Divisão dos circuitos para realizar o equilíbrio nas fases: • Lâmpadas Fluorescentes = 10 circuitos • Lâmpadas Incandescentes = 5 circuitos • Tomadas monofásicas = 9 circuitos Número de dispositivos por circuito: • Fluorescentes = 16 lâmpadas fluorescentes por circuito • Incandescentes = 10 lâmpadas incandescentes por circuito • Tomadas = 6 tomadas por circuito 85INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi
  • 19. 6 200 6,81 220 0,8 T FT F PN I A V Fp                1 Pr 8 2 40 12 3,52 220 0,95 FL F PlN I A V Fp                 Cálculo de Demanda de IluminaçãoCálculo de Demanda de Iluminação Corrente por circuito de iluminação Fluorescente (IFL): Corrente por circuito de iluminação incandescente (IFI): Corrente por circuito de tomadas (IFT): 86INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi 1 Pr 10 100 0 4,54 220 1 FI F PlN I A V Fp               
  • 20. Cálculo de Demanda deCálculo de Demanda de IluminIlumin. + Tomadas. + Tomadas 87INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi Distribuiçãodascorrentesdoscircuitos realizandooequilíbrioporfase
  • 21. Cálculo de Demanda deCálculo de Demanda de IluminIlumin. + Tomadas. + Tomadas 88INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi Determinando o número de circuitos reserva no QDFL: • Pela tabela 59 da NBR 5410, temos 24 circuitos, logo: • Número de circuitos reserva = 4 Determinado o valor da corrente dos circuitos reserva: Por uma questão de escolha : utilizaremos 6 circuitos reserva. (lembrando que o valor mínimo de circuitos reserva é 4) . . ( ) º 40,07 5,0 8 FASE circ reserva circ reserva I I maior valor decorrentede fase N decircuitona fase I A    
  • 22. Cálculo de Demanda deCálculo de Demanda de IluminIlumin. + Tomadas. + Tomadas 89INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi Distribuiçãodascorrentesdoscircuitos comaimplementaçãodoscircuitosreservas
  • 23. Cálculo de Demanda deCálculo de Demanda de IluminIlumin. + Tomadas. + Tomadas 90INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi Assim temos que a potência do QDFL será: Realizando o fator de demanda para o QDFL conforme tabela do Fator de Demanda para Iluminação e tomadas temos: 3 3 380 50,07 32.955 32.955 0,9 29.659,5 L LS V I S S VA P S Fp W              Adotando uma valor médio para o FP = 0,9. Potência = 29.659,5 W ValorNominal Valorcom Fator de demanda 100% Para os Primeiros 20kW 20000 20000 70% Para o excedente 9.659,5 6.761,65 Valor da potência aplicando o fator de demanda 26.761,65
  • 24. Especificação dos Disjuntores de ProteçãoEspecificação dos Disjuntores de Proteção 91INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi O cálculo do Fator de demanda para o QDFL é realizado para dimensionar o disjuntor geral do QDFL: O valor comercial do disjuntor será: 50A • Especificação pelo catálogo da Siemens : 5SX1 350-7 • Especificação pelo catálogo da WEG: MBW-C50-3 • Especificação dos disjuntores de 6A : Siemens : 5SX1 106-7 WEG: MBW-C6 • Especificação dos disjuntores de 10A : Siemens : 5SX1 110-7 WEG: MBW-C10 Todos os disjuntores pertencem a classe C (curva de disparo - C) ( ) 26.761,65 45,18 3 3 380 0,9 QDFL L P W I A V Fp       
  • 25. Cálculo de Demanda deCálculo de Demanda de IluminIlumin. + Tomadas. + Tomadas 92INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi Distribuiçãodascorrentesdoscircuitos comaimplementaçãodoscircuitosreservas
  • 26. Cálculo de Demanda deCálculo de Demanda de IluminIlumin. + Tomadas. + Tomadas 93INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi Dimensionamento dos Barramentos do Quadro: Barramento Principal: Corrente mínima a ser suportada: 50A Barramento Secundário: Corrente mínima a ser suportada 10A Conforme catálogo temos: Tabela I (AC~DC) (A) Barramento Primário 73 Barramento Secundário 48 31 8 8  1 1 8 4 
  • 27. Cálculo de Demanda dos MotoresCálculo de Demanda dos Motores  Os motores do grupo 1 está sendo alimentado pelo Centro de Controle de Motores 1 – CCM1, assim temos: A demanda do CCM1=381,42kVA 94 1 1 1( )*736 1 * * * * 75*736 1 10* *0,87*0,65 0,93*0,88 1 381.422,28 1 381,42 P CV D Nm Fu Fs Fp D D VA D kVA      Onde: P1=75CV Nm=10 motores η =0,93, tabela motores Fp=0,88, tabela motores Fu=0,87, tabela de Fator de utilização. Fs=0,65 , tabela de Fator de Simultaneidade. INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi Nota = Este Quadro também está alimentando o QDFL.
  • 28. Especificação dos Disjuntores de ProteçãoEspecificação dos Disjuntores de Proteção Disjuntores reserva Quadro de Distribuição: CCM 1 Disjuntor reserva: 3 disjuntores (7 A 12 disjuntores) 95INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi 1 ( 32,96 )Considerando queoCCM está alimentandotambém oQDFL S kVA 1 1 CCM1 1 Circ.Reserva 381,42 3 38,18 32,96 528,92 ( ) 528,92 I 803,61 3 3 380 1250 810 (3VL77 10-1 ) L D D CCM CCM QDFL CCM kVA D VA k A V Correntedodisjuntor I A térmicoajustado I A Siemens                L 1 ( ) 75*736 I 102,47 ( ) 3 3 380 0,93 0,88 160 110 (3 27 12 1 ) 381,82 381,42 / 10circuitos, logotemos : 38,18 por circuito 10 L D D P W A corrente domotor V Fp Correntedodisjuntor I A térmicoajustado I A VL Siemens CCM kVA p kVA               
  • 29. Cálculo de Demanda dos MotoresCálculo de Demanda dos Motores  Os motores do grupo 2 e grupo 3 estão sendo alimentado pelo Centro de Controle de Motores 2 – CCM2, assim temos: • Motores do grupo 2: 96 Onde: P2=30CV Nm=10 motores η =0,91, tabela motores Fp=0,84, tabela motores Fu=0,85, tabela de Fator de utilização. Fs=0,65 , tabela de Fator de Simultaneidade. 2 2 2( )*736 2 * * * * 30*736 2 10* *0,85*0,65 0,91*0,84 2 159.591,83 P CV D Nm Fu Fs Fp D D VA     INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi
  • 30. Cálculo de Demanda dos MotoresCálculo de Demanda dos Motores • Motores do grupo 3: • A demanda Total do CCM2 é: • A demanda do CCM2=300,61kVA 97 3 3 3( )*736 3 * * * * 50*736 3 5* *0,87*0,70 0,924*0,86 3 141.014,79 P CV D Nm Fu Fs Fp D D VA     Onde: P3=50CV Nm=5 motores η =0,924 tabela motores Fp=0,86, tabela motores Fu=0,87 tabela de Fator de utilização. Fs=0,70 tabela de Fator de Simultaneidade. 2 3 159.591,83 141.014,79 300.606,62 DT D D DT VA      INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi
  • 31. Especificação dos Disjuntores de ProteçãoEspecificação dos Disjuntores de Proteção Disjuntores reserva Quadro de Distribuição: CCM2 Disjuntor reserva: 4 disjuntores (13 a 30 disjuntores) 98INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi L L ( ) 30*736 I 49,31 ( 30 ) 3 3 380 0,91 0,84 63 50 (3RV10 41-4JA10 ) ( ) 50*736 I 70,36 ( 50 3 3 380 0,924 0,86 L D D L P W A corrente domotor CV V Fp Correntedodisjuntor I A térmicoajustadoI A Siemens P W A corrente domotor C V Fp                       2 ) 90 72 (3RV10 41-4LA10 ) 300,61 300,61 / 15circuitos, logotemos: 20,04 por circuito 15 D D V Correntedodisjuntor I A térmicoajustadoI A Siemens k CCM kVA p kVA    
  • 32. 2 2 2 2 4 CircuitoReserva 300,61 4 20,04 380,77 ( ) 380,77 I 578,52 3 3 380 630 580 (3VL57 63 -1 ) CCM L D D CCM CCM CCM kVA kVA kVA D VA k A V Correntedodisjuntor I A térmicoajustado I A Siemens               Especificação dos Disjuntores de ProteçãoEspecificação dos Disjuntores de Proteção Disjuntores reserva Quadro de Distribuição: CCM2 Disjuntor reserva: 4 disjuntores (13 a 30 disjuntores) 99INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi
  • 33. Demanda Total da IndústriaDemanda Total da Indústria Demanda Total no QDF (Quadro de Distribuição Geral) DT=Demanda dos CCM´s + a Demanda de Iluminação +Tomadas DT=D_CCM1+D_CCM2 DT=528,92+380,77 (kVA) DT=909,69kVA Demanda do QDG=909,69kVA Será considerado dois circuitos reservas (trifásicos) com potência máxima de 50kVA por circuito. O transformador necessário deverá ter uma potência maior que 904,04kVA, assim comercialmente temos o transformador com 1000kVA. 100INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi ( ) ( ) 909,69 I 1.382,13 3 3 3 380 1600 1400 (3VL87 16- 2 ) QDG L L D D P W D VA k A V Fp V Correntedodisjuntor I A térmicoajustado I A Siemens            
  • 34. Cálculo de Demanda deCálculo de Demanda de IluminIlumin. + Tomadas. + Tomadas 101INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi Dimensionamento dos Barramentos do Quadro:  CCM1 Barramento Principal: Corrente mínima a ser suportada: 1250A Barramento Secundário: Corrente mínima a ser suportada 160A  CCM2 Barramento Principal: Corrente mínima a ser suportada: 630A Barramento Secundário: Corrente mínima a ser suportada 90A Tabela I (AC~DC) Barramento Primário (A) Barramento Secundário (A) CCM1 1420 179 CCM2 774 112 1 1 4 2  51 4 16  3 11. 8 2  3 32. 8 4 
  • 35. Cálculo de Demanda deCálculo de Demanda de IluminIlumin. + Tomadas. + Tomadas 102INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi Dimensionamento dos Barramentos do QDG: Barramento Principal: Corrente mínima a ser suportada: 1600A Barramento Secundário: Corrente mínima a ser suportada 1250A Conforme catálogo temos: Tabela I (AC~DC) (A) Barramento Primário 1968 Barramento Secundário 1476 1 3 2  1 12. 2 4 
  • 36. Diagrama dos Disjuntores e QuadrosDiagrama dos Disjuntores e Quadros 103INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi Quadro de Distribuição Geral - QDG
  • 37. Diagrama dos Disjuntores e QuadrosDiagrama dos Disjuntores e Quadros 104INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi CCM 1
  • 38. Diagrama dos Disjuntores e QuadrosDiagrama dos Disjuntores e Quadros 105INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi CCM 2
  • 39. Identificação dos Circuitos no QuadroIdentificação dos Circuitos no Quadro 106INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi Circuito Nº Identificaçãodo Circuito Sigla 01 Quadro de Força e Iluminação - 01 QDFL - 01 02 Quadro de Força e Iluminação – 02 QDFL – 02 03 Quadro de Força e Iluminação – 03 QDFL – 03 04 Quadro de Força e Iluminação – 04 QDFL – 04 05 Centro de Controle de Motores 01 CCM1 06 Centro de Controle de Motores 02 CCM2 07 Centro de Controle de Motores 03 CCM3 08 Centro de Controle de Motores 04 CCM4 09 Centro de Controle de Motores 05 CCM5 Quadro de Distribuição Geral Nº 01 ExemplodeIdentificaçãodeQuadros
  • 40. Identificação dos Circuitos no QuadroIdentificação dos Circuitos no Quadro 107INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi Circuito Nº Identificaçãodo Circuito Sigla 01 Iluminação Escrit. Desenho 001 ILU -ED/001 02 Iluminação Escrit. Projetos 005 ILU -EP/005 03 Iluminação Diretoria - 003 ILU -DR/003 04 Iluminação Gerência - 002 ILU - GR/002 05 Tomada Escrit. Desenho - 001 TOM – ED/001 06 Tomada Escrit. Projetos - 005 TOM – EP/005 07 Tomada Gerência - 002 TOM – GR/002 08 Tomada Diretoria - 003 TOM – DR/003 Quadro de Força e Iluminação Nº 01 – QDFL 01 ExemplodeIdentificaçãodeQuadros
  • 41. Identificação dos Circuitos no QuadroIdentificação dos Circuitos no Quadro 108INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi Circuito Nº Identificaçãodo Circuito Sigla 01 Fresadora 001 FRD-001 02 Fresadora 002 FRD-002 03 Torno Mecânico 001 TNM - 001 04 Torno Mecânico 002 TNM - 002 05 Torno CNC 001 TCN - 001 06 Torno CNC 0012 TCN - 001 07 Injetora - 001 INJ - 001 08 Injetora – 002 INJ - 002 09 Injetora - 003 INJ – 003 Centro de Controle de Motores Nº 01 - CCM 1 ExemplodeIdentificaçãodeQuadros
  • 42. Dados de CatálogoDados de Catálogo 109 Características dos Transformadores Comerciais INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi
  • 43. Dados de CatálogoDados de Catálogo 110INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi
  • 44. Dados de CatálogoDados de Catálogo 111INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi
  • 45. Planta Baixa de Tomadas da InstalaçãoPlanta Baixa de Tomadas da Instalação 112INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi
  • 46. Exercício de Cálculo de DemandaExercício de Cálculo de Demanda 1) Considere uma industria representada pela figura abaixo, sendo os motores do grupo 1 de 10CV, os do grupo 2 de 15CV, os do grupo 3 de 50CV, os do grupo 4 de 100CV e os do grupo 5 de 30CV, a iluminação da administração e subestação é composta por 70 luminárias de 2x40W e a Fábrica de 45 luminárias com lâmpadas de vapor de mercúrio de 250W , o total de TUG é de 55 tomadas com 200VA cada, e o de TUE’s são 3 tomadas 32A 5pólos. Determine as demandas dos CCM1, CCM2, QDL e QDF e a potência necessária do transformador da Subestação, considere os motores como IV pólos O total de circuitos de Iluminação e tomadas no QDFL é de 30 circuitos, sendo 3 circuitos de tomadas TUE’s, 11 circuitos de tomada TUG, 7 circuitos de luminária fluorescente e 9 circuitos de luminária de lâmpada de Vapor de Mercúrio. . O QDFL está sendo alimentado pelo CCM1 e o CCM’s alimentados pelo QDG. 113INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi
  • 47. Cálculo de Demanda de IluminaçãoCálculo de Demanda de Iluminação No quadro de Luz e Tomadas QDFL, temos: • 140 Lâmpada fluorescentes de 40W com reator duplo (2x40) • 45 luminárias lâmpada de Vapor de Mercúrio de 250W. • 55 Tomadas TUG de 200VA • 3 Tomadas TUE de 32A Divisão dos circuitos para realizar o equilíbrio nas fases: • Lâmpadas Fluorescentes = 7 circuitos • Lâmpadas Vapor de Mercúrio = 9 circuitos • Tomadas monofásicas TUG = 11 circuitos • Tomadas trifásicas TUE = 3 circuitos Número de dispositivos por circuito: • Fluorescentes = 20 lâmpadas fluorescentes por circuito • Vapor de Mercúrio = 5 lâmpadas Vapor de Mercúrio por circuito • Tomadas TUG= 5 tomadas por circuito • Tomadas TUE = 1 tomada por circuito 114INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi
  • 48. 5 200 4,78 220 0,8 T FTUG F N P I A V Fp                1 Pr 10 2 40 12 4,40 220 0,95 FL F N Pl I A V Fp                 Cálculo de Demanda de IluminaçãoCálculo de Demanda de Iluminação Corrente por circuito de iluminação Fluorescente (IFL): Corrente por circuito de iluminação Vapor de Mercúrio(IFI): Corrente por circuito de tomadas (IFTUG): Corrente por circuito de Tomadas TUE (IFTUE): 115INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi 1 Pr 5 250 30 6,70 220 0,95 MG F N Pl I A V Fp                1 32,0 32FTUE TUEI N I A    
  • 49. Cálculo de Demanda deCálculo de Demanda de IluminIlumin. + Tomadas. + Tomadas 116INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi Distribuiçãodascorrentesdoscircuitos realizandooequilíbrioporfase
  • 50. Cálculo de Demanda deCálculo de Demanda de IluminIlumin. + Tomadas. + Tomadas 117INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi Determinando o número de circuitos reserva no QDFL: • Pela tabela 59 da NBR 5410, temos 30 circuitos, logo: • Número de circuitos reserva = 4 Determinado o valor da corrente dos circuitos reserva: Por uma questão de escolha : utilizaremos 6 circuitos reserva. (lembrando que o valor mínimo de circuitos reserva é 4) . . ( ) º 144,02 12,0 143,64 12 FASE circ reserva circ reserva I I maior valor decorrentede fase N decircuitona fase I A    
  • 51. Cálculo de Demanda deCálculo de Demanda de IluminIlumin. + Tomadas. + Tomadas 118INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi Distribuiçãodascorrentesdoscircuitos comaimplementaçãodoscircuitosreservas
  • 52. Cálculo de Demanda deCálculo de Demanda de IluminIlumin. + Tomadas. + Tomadas 119INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi Assim temos que a potência do QDFL será: Realizando o fator de demanda para o QDFL conforme tabela do Fator de Demanda para Iluminação e tomadas temos: 3 3 380 168,02 110.587 110587 0,9 99.528,6 L LS V I S S VA P S Fp W              Adotando uma valor médio para o FP = 0,9. Potência = 29.659,5 W ValorNominal (W) Aplicandoo Fator de demanda (W) 100% Para os Primeiros 20kW 20.000 20.000 70% Para o excedente 79.528,6 55.670 Valor da potência aplicando o fator de demanda 75.670
  • 53. Especificação dos Disjuntores de ProteçãoEspecificação dos Disjuntores de Proteção 120INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi O cálculo do Fator de demanda para o QDFL é realizado para dimensionar o disjuntor geral do QDFL: O valor comercial do disjuntor será: 160A • Especificação pelo catálogo da Siemens : 3VL 27 16 – 1 • Especificação pelo catálogo da WEG: DWM160N-150-3 • Especificação dos disjuntores de 6A : Siemens : 5SX1 106-7 WEG: MBW-C6 • Especificação dos disjuntores de 10A : Siemens : 5SX1 110-7 WEG: MBW-C10 • Especificação dos disjuntores de 32A : Siemens : 5SX1 332-7 WEG: MBW-C32-3 ( ) 75.670 127,74 3 3 380 0,9 QDFL L P W I A V Fp        OBS. Todos os disjuntores pertencem a classe C (curva de disparo- C)
  • 54. Cálculo de Demanda deCálculo de Demanda de IluminIlumin. + Tomadas. + Tomadas 121INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi Distribuiçãodascorrentesdoscircuitos comaimplementaçãodoscircuitosreservas
  • 55. Cálculo de Demanda deCálculo de Demanda de IluminIlumin. + Tomadas. + Tomadas 122INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi Dimensionamento dos Barramentos do Quadro: Barramento Principal: Corrente mínima a ser suportada: 160A Barramento Secundário: Corrente mínima a ser suportada 32A Conforme catálogo temos: Tabela I (AC~DC) (A) Barramento Primário 179 Barramento Secundário 48 1 1 8 4  1 1 4 2 
  • 56. Cálculo de Demanda dos MotoresCálculo de Demanda dos Motores  Os motores do grupo 1 e 2 estão sendo alimentado pelo Centro de Controle de Motores 1 – CCM1, assim temos: • Motores do grupo 1: 123 1 1 1( )*736 1 * * * * 10*736 1 4* *0,83*0,80 0,89*0,83 1 26.463 1 26,463 P CV D Nm Fu Fs Fp D D VA D kVA      Onde: P1=10CV Nm=4 motores η =0,89, tabela motores Fp=0,83, tabela motores Fu=0,83, tabela de Fator de utilização. Fs=0,80 , tabela de Fator de Simultaneidade. INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi
  • 57. Cálculo de Demanda dos MotoresCálculo de Demanda dos Motores • Motores do grupo 2: • A demanda Total do CCM1 é: • A demanda do CCM1=82,6kVA 124 2 2 3( )*736 2 * * * * 15*736 2 6* *0,83*0,75 0,885*0,83 2 56,136 P CV D Nm Fu Fs Fp D D kVA     Onde: P2=15CV Nm=6 motores η =0,885 tabela motores Fp=0,83, tabela motores Fu=0,83, tabela de Fator de utilização. Fs=0,75 tabela de Fator de Simultaneidade. 1 2 26.463 56.136 ( 1) 82.599 DT D D DT CCM VA      INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi
  • 58. Cálculo de Demanda dos MotoresCálculo de Demanda dos Motores Os motores do grupo 3, grupo 4 e grupo 5 estão sendo alimentado pelo Centro de Controle de Motores 2 – CCM2, assim temos: • Motores do grupo 3: • Motores do grupo 4: 125 Onde: P3=50CV Nm=6 motores η =0,924, tabela motores Fp=0,86, tabela motores Fu=0,87, tabela de Fator de utilização. Fs=0,70 , tabela de Fator de Simultan. 3 3 2( )*736 3 * * * * 50*736 3 6* *0,87*0,70 0,924*0,86 3 169,22 P CV D Nm Fu Fs Fp D D kVA     4 4 3( )*736 4 * * * * 100*736 4 3* *0,87*0,85 0,935*0,87 4 200,727 P CV D Nm Fu Fs Fp D D kVA     P4=100CV Nm=3 motores η =0,935 tabela motores Fp=0,87, tabela motores Fu=0,87 tabela de Fator de utilização. Fs=0,85 tabela de Fator de Simultan. INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi
  • 59. Cálculo de Demanda dos MotoresCálculo de Demanda dos Motores • Motores do grupo 5: • A demanda Total do CCM2 é: • A demanda do CCM2=488,01kVA 126 Onde: P5=30CV Nm=6 motores η =0,91 tabela motores Fp=0,84, tabela motores Fu=0,85 tabela de Fator de utilização. Fs=0,70 tabela de Fator de Simultan. 5 5 3( )*736 5 * * * * 30*736 5 6* *0,87*0,783 0,91*0,84 5 118,062 P CV D Nm Fu Fs Fp D D kVA     ( 2) 3 4 5 169.220,00 200.727,00 118.062,00 ( 2) 488,01 DT CCM D D D DT CCM kVA        INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi
  • 60. Especificação dos Disjuntores de ProteçãoEspecificação dos Disjuntores de Proteção Disjuntores reserva Quadro de Distribuição: CCM1 Disjuntor reserva: 3 disjuntores (7 A 12 disjuntores) 127INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi L L ( ) 10*736 I 15,71 ( 10 ) 3 3 380 0,89 0,80 20 16 (3RV10 31-4BA10 ) ( ) 15*736 I 25,27 ( 15 3 3 380 0,885 0,75 L D D L P W A corrente domotor CV V Fp Correntedodisjuntor I A térmicoajustadoI A Siemens P W A corrente domotor C V Fp                       1 ) 32 26 (3RV10 31-4EA10 ) 82,6 82,6 / 10circuitos, logotemos: 8,26 por circuito 10 D D V Correntedodisjuntor I A térmicoajustadoI A Siemens k CCM kVA p kVA    
  • 61. 1 1 1 1 3 CircuitoReserva + QDFL 82,6 3 8,26 110,587 217,96 ( ) 217,96 I 333,17 3 3 380 400 340 (3VL47 40 -1 ) CCM L D D CCM CCM CCM k k k kVA D VA k A V Correntedodisjuntor I A térmicoajustado I A Siemens                Especificação dos Disjuntores de ProteçãoEspecificação dos Disjuntores de Proteção Disjuntores reserva Quadro de Distribuição: CCM1 Disjuntor reserva: 3 disjuntores (7 A 12 disjuntores) 128INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi
  • 62. Especificação dos Disjuntores de ProteçãoEspecificação dos Disjuntores de Proteção Disjuntores reserva Quadro de Distribuição: CCM2 Disjuntor reserva: 4 disjuntores (13 A 30 disjuntores) 129INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi L L ( ) 50*736 I 70,36 ( 50 ) 3 3 380 0,924 0,86 90 72 (3RV10 41-4LA10 ) ( ) 100*736 I 137,47 ( 3 3 380 0,935 0,87 L D D L P W A corrente domotor CV V Fp Correntedodisjuntor I A térmicoajustadoI A Siemens P W A corrente domotor V Fp                       L 100 ) 160 140 (3VL27 16 1 ) ( ) 30*736 I 43,89 ( 30 ) 3 3 380 0,91 0,84 50 45 (3RV10 41-4HA10 D D L D D CV Correntedodisjuntor I A térmicoajustadoI A Siemens P W A corrente domotor CV V Fp Correntedodisjuntor I A térmicoajustadoI A                )Siemens
  • 63. Especificação dos Disjuntores de ProteçãoEspecificação dos Disjuntores de Proteção Disjuntores reserva Quadro de Distribuição: CCM2 Disjuntor reserva: 4 disjuntores (13 A 30 disjuntores) 130INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi 2 2 2 2 2 488,01 488,01 / 15circuitos, logotemos: 32,534 por circuito 15 4 CircuitoReserva 488,01 4 32,534 618,146 ( ) 618,146 I 939,176 3 3 380 1250 CCM L D k CCM kVA p kVA CCM CCM CCM k k kVA D VA k A V Correntedodisjuntor I A térmi                950 (3VL77 12 -1 )DcoajustadoI A Siemens
  • 64. Demanda Total da IndústriaDemanda Total da Indústria Demanda Total no QDF (Quadro de Distribuição Geral) DT=Demanda dos CCM´s + a Demanda de Iluminação +Tomadas DT=D_CCM1+D_CCM2 DT=217,96+618,146 (kVA) DT=836,11kVA Demanda do QDG=836,11kVA Será considerado dois circuitos reservas (trifásicos) com potência máxima de 82kVA por circuito. O transformador necessário deverá ter uma potência maior que 836,11kVA, assim comercialmente temos o transformador com 1000kVA. 131INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi ( ) ( ) 836,11 I 1.270,34 3 3 3 380 1600 1300 (3VL87 16- 2 ) QDG L L D D P W D VA k A V Fp V Correntedodisjuntor I A térmicoajustado I A Siemens            
  • 65. Cálculo de Demanda deCálculo de Demanda de IluminIlumin. + Tomadas. + Tomadas 132INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi Dimensionamento dos Barramentos do Quadro:  CCM1 Barramento Principal: Corrente mínima a ser suportada: 400A Barramento Secundário: Corrente mínima a ser suportada 160A  CCM2 Barramento Principal: Corrente mínima a ser suportada: 1250A Barramento Secundário: Corrente mínima a ser suportada 160A Tabela I (AC~DC) Barramento Primário (A) Barramento Secundário (A) CCM1 516 179 CCM2 1420 179 1 1 4 2 3 1 8  1 1 4 2  3 32. 8 4 
  • 66. Cálculo de Demanda deCálculo de Demanda de IluminIlumin. + Tomadas. + Tomadas 133INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi Dimensionamento dos Barramentos do QDG: Barramento Principal: Corrente mínima a ser suportada: 1600A Barramento Secundário: Corrente mínima a ser suportada 1250A Conforme catálogo temos: Tabela I (AC~DC) (A) Barramento Primário 1968 Barramento Secundário 1476 1 3 2  1 12. 2 4 
  • 67. Diagrama dos Disjuntores e QuadrosDiagrama dos Disjuntores e Quadros 134INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi Quadro de Distribuição Geral - QDG
  • 68. Diagrama dos Disjuntores e QuadrosDiagrama dos Disjuntores e Quadros 135INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi CCM 1
  • 69. Diagrama dos Disjuntores e QuadrosDiagrama dos Disjuntores e Quadros 136INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi CCM 2
  • 70. Dados de CatálogoDados de Catálogo 137INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi
  • 71. Dados de CatálogoDados de Catálogo 138 Capacidade de Condução de Corrente em Barramento de Cobre Relação aproximada de aumento de corrente em barras paralela (espaçamento entre barras na vertical =distância 1 barra e barras na horizontal = distancia de 2 barras. Ex: 15X2, espaçamento vertical mínimo 2mm e na horizontal = 4mm : •2 barra paralela multiplicar por 1,58 e 3 barra em paralelo multiplicar por 2 INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi Largura Espessura Pol. 1/16 3/32 1/8 3/16 1/4 5/16 3/8 Pol. mm 1,58 2,38 3,17 4,76 6,35 7,94 9,52 1/4 6,35 20 30 40 - - - - 5/16 7,94 25 38 50 - - - - 3/8 9,52 30 45 60 91 121 - - 1/2 12,70 40 60 81 121 161 202 242 5/8 15,87 50 76 101 151 202 252 302
  • 72. Conversão Máquina X MotorConversão Máquina X Motor 139 Em instalações industriais, existe a necessidade de instalar diversos equipamentos cuja as características de rendimento e fator de potência não são expressas de forma clara. Com isso podemos adotar uma forma de caracterizar estes valores. Para realizar o cálculo de demanda em equipamento cuja informação está em potência em Watts e não temos os dados de rendimento e fator de potência, utilizamos a conversão da potência em watts para valores em CV (motor IV pólos) para retirar os dados de rendimento e fator de potência, utilizando assim as tabelas de simultaneidade e fator de utilização, conforme exemplo abaixo: INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi
  • 73. Conversão Máquina X MotorConversão Máquina X Motor 140INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi
  • 74. Conversão Máquina X MotorConversão Máquina X Motor 141 Nove PET 1500 Potência Total Instalada: 86,3 kW Pela tabela de motores temos: motor de 125CV Dados da tabela: η=0,938 e Fp=0,86 Nove PET 2000 Potência Total Instalada: 108,1 kW Pela tabela de motores temos: motor de 150CV Dados da tabela: η=0,941 e Fp=0,87 *Nota: Não esquecer a área ocupada do equipamento e considerar distância mínima entre Máquinas de 1500mm. Para corredores laterais utilizar espaço de 2000mm e corredores Centrais de 3000mm. INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi
  • 75. Conversão Máquina X MotorConversão Máquina X Motor 142INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi
  • 76. Conversão Máquina X MotorConversão Máquina X Motor 143 SKY BULL 600 Potência motores principais : S1 -7,5kW e S2 -11kW Pela tabela de motores temos: Motor de 7,5kW motor 10 CV Dados da tabela: η=0,89 e Fp=0,83 Motor de 11kW motor 15 CV Dados da tabela: η=0,885 e Fp=0,83 *Nota: Não esquecer a área ocupada do equipamento e considerar distância mínima entre Máquinas de 1500mm. Para corredores laterais utilizar espaço de 2000mm e corredores Centrais de 3000mm. INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi
  • 77. Conversão Máquina X MotorConversão Máquina X Motor 144INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi
  • 78. Conversão Máquina X MotorConversão Máquina X Motor 145 LOGIC 175 Potência Total Instalada: 5,5 kW Pela tabela de motores temos: motor de 7,5CV Dados da tabela: η=0,88 e Fp=0,82 *Nota: Não esquecer a área ocupada do equipamento e considerar distância mínima entre Máquinas de 1500mm. Para corredores laterais utilizar espaço de 2000mm e corredores Centrais de 3000mm. INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi
  • 79. Conversão Máquina X MotorConversão Máquina X Motor 146INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi
  • 80. Conversão Máquina X MotorConversão Máquina X Motor 147 Torno CNC CENTUR 30D Potência Total Instalada: 15 kVA Pela tabela de motores temos: motor de 15CV Dados da tabela: η=0,885 e Fp=0,83 INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Carlos T. Matsumi       ( ) 15.000 380 22,79 3 3 380 380 22,79 220 39,50 0,577 0,577 L S VA Ip V A V Ip V Ip V A        