SlideShare uma empresa Scribd logo

Mascaras africanas

L
L

Mascaras africanas

1 de 15
Baixar para ler offline
Máscaras Africanas




Máscara. Arte fang. Museu do
      Homem, Paris.
As máscaras sempre foram as
protagonistas indiscutíveis da arte
africana. A crença de que
possuíam determinadas virtudes
mágicas transformou-as no centro
das pesquisas. O fato é que, para
os africanos, a máscara
representava um disfarce místico
com o qual poderiam absorver
forças mágicas dos espíritos e
assim utilizá-las em benefício da
comunidade: na cura de doentes,
em rituais fúnebres, cerimônias de
iniciação, casamentos e
nascimentos. Serviam também
para identificar os membros de
certas sociedades secretas.

                                      Máscara de boi com mandíbula
                                      móvel. Arte ibibia. Museu do
                                      Homem, Paris.
Em geral, o material mais utilizado foi a
                                 madeira verde, embora existam também
                                 peças singulares de marfim, bronze e
                                 terracota. Antes de começar a entalhar,
                                 o artesão realizava uma série de rituais
                                 no bosque, onde normalmente
                                 desenvolvia o trabalho, longe da aldeia
                                 e usando ele próprio uma máscara no
                                 rosto. A máscara era criada com total
                                 liberdade, dispensando esboço e
                                 cumprindo sua função. A madeira era
                                 modelada com uma faca afiada. As
                                 peças iam do mais puro figurativismo
                                 até a abstração completa.

Máscara de dança. Arte ioruba-
nagô. Museu do Homem, Paris.
Quanto à sua interpretação, a tarefa é
                                difícil, na medida em que não se
                                conhece sua função, ou seja, o ritual
                                para o qual foram concebidas. Os
                                colonizadores nunca valorizaram essas
                                peças, consideradas apenas curiosidade
                                de um povo primitivo e infiel.
                                Paradoxalmente, a maior parte das
                                obras africanas encontra-se em museus
                                do Ocidente, onde recentemente, em
                                meados do século XX, tentou-se
                                classificá-las. Na verdade, os
                                historiadores africanos viram-se
                                obrigados a estudar a arte de seus
                                antepassados nos museus da Europa.



Máscara. Arte pendê. Museu da
  África Central, Tervuren.
O auge da arte africana na Europa
surgiu com as primeiras vanguardas,
especificamente os fauvistas e os
expressionistas. Estes, além de
reconhecer os valores artísticos das
peças africanas, tentaram imitá-las,
embora sempre sob a ótica de suas
próprias interpretações, algo que
colaborou em muitos casos, para a
distorção do verdadeiro sentido das
obras. Entre as peças mais valorizadas
atualmente estão, apenas para citar
algumas, as esculturas de arte das
culturas fon, fang, ioruba e bini, e as de
Luba.
                                             Rosto de uma cabeça de duas faces.
                                              Arte ibibia. Coleção Hélène Kamer,
                                                             Paris.
O fato de os primeiros colonizadores
terem subestimado essas culturas e
considerado essas obras meras
curiosidades exóticas, provocou um
saque sem sentido na herança cultural
desse continente. Recentemente, no
século XX, foi possível, graças à
antropologia de campo e aos
especialistas em arte africana,
organizar as coleções dos museus
europeus. Mas o dano já estava feito.
Muitos objetos ficaram sem
classificação, não se conhecendo assim
seu lugar de origem ou simplesmente
ignorando-se sua função.




  Fonte:www.meusestudos.com

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Arte Africana
Arte AfricanaArte Africana
Arte Africana
 
Cubismo
CubismoCubismo
Cubismo
 
Arte afro brasileira
Arte afro brasileiraArte afro brasileira
Arte afro brasileira
 
Mapa mental Vanguardas Europeias
Mapa mental Vanguardas Europeias Mapa mental Vanguardas Europeias
Mapa mental Vanguardas Europeias
 
Sugestões de atividades práticas sobre Arte Medieval
Sugestões de atividades práticas sobre Arte MedievalSugestões de atividades práticas sobre Arte Medieval
Sugestões de atividades práticas sobre Arte Medieval
 
Aula de arte urbana
Aula de arte urbanaAula de arte urbana
Aula de arte urbana
 
Intervenção Urbana
Intervenção UrbanaIntervenção Urbana
Intervenção Urbana
 
Arte na Pré História
Arte na Pré HistóriaArte na Pré História
Arte na Pré História
 
Arte africana
Arte africanaArte africana
Arte africana
 
As mulheres e a arte.
As mulheres  e a arte.As mulheres  e a arte.
As mulheres e a arte.
 
Pop Art
Pop ArtPop Art
Pop Art
 
Pop Art
Pop ArtPop Art
Pop Art
 
Arte contemporânea
Arte contemporâneaArte contemporânea
Arte contemporânea
 
Impressionismo
ImpressionismoImpressionismo
Impressionismo
 
Elementos visuais I
Elementos visuais IElementos visuais I
Elementos visuais I
 
ARTE PRÉ COLOMBIANA
ARTE PRÉ COLOMBIANAARTE PRÉ COLOMBIANA
ARTE PRÉ COLOMBIANA
 
Máscaras africanas
Máscaras africanasMáscaras africanas
Máscaras africanas
 
Questões simulado
Questões simuladoQuestões simulado
Questões simulado
 
Origem do carnaval
Origem do carnavalOrigem do carnaval
Origem do carnaval
 
Arte egípcia
Arte egípciaArte egípcia
Arte egípcia
 

Destaque

A formação da cultura brasileira/ Dicas para o Enem
A formação da cultura brasileira/ Dicas para o EnemA formação da cultura brasileira/ Dicas para o Enem
A formação da cultura brasileira/ Dicas para o EnemJoemille Leal
 
Cultura do brasil
Cultura do brasilCultura do brasil
Cultura do brasilPetronillio
 
A cultura brasileira
A cultura brasileiraA cultura brasileira
A cultura brasileiraEdvilson Itb
 
Influência dos saberes africanos na cultura
Influência dos saberes africanos na culturaInfluência dos saberes africanos na cultura
Influência dos saberes africanos na culturaJéssika Silva
 
Industrialização brasileira
Industrialização brasileiraIndustrialização brasileira
Industrialização brasileiraflornomandacaru
 
InfluêNcia Da Cultura Africana No Brasil
InfluêNcia Da Cultura Africana No BrasilInfluêNcia Da Cultura Africana No Brasil
InfluêNcia Da Cultura Africana No Brasilguestb74f0c
 
Influência da-cultura-africana-no-brasil
Influência da-cultura-africana-no-brasilInfluência da-cultura-africana-no-brasil
Influência da-cultura-africana-no-brasilNancihorta
 

Destaque (8)

A formação da cultura brasileira/ Dicas para o Enem
A formação da cultura brasileira/ Dicas para o EnemA formação da cultura brasileira/ Dicas para o Enem
A formação da cultura brasileira/ Dicas para o Enem
 
Cultura do brasil
Cultura do brasilCultura do brasil
Cultura do brasil
 
A cultura brasileira
A cultura brasileiraA cultura brasileira
A cultura brasileira
 
Influência dos saberes africanos na cultura
Influência dos saberes africanos na culturaInfluência dos saberes africanos na cultura
Influência dos saberes africanos na cultura
 
Africanidade
AfricanidadeAfricanidade
Africanidade
 
Industrialização brasileira
Industrialização brasileiraIndustrialização brasileira
Industrialização brasileira
 
InfluêNcia Da Cultura Africana No Brasil
InfluêNcia Da Cultura Africana No BrasilInfluêNcia Da Cultura Africana No Brasil
InfluêNcia Da Cultura Africana No Brasil
 
Influência da-cultura-africana-no-brasil
Influência da-cultura-africana-no-brasilInfluência da-cultura-africana-no-brasil
Influência da-cultura-africana-no-brasil
 

Semelhante a Mascaras africanas (20)

Slide africa brasil 2
Slide africa brasil 2Slide africa brasil 2
Slide africa brasil 2
 
Arte Africana
Arte Africana Arte Africana
Arte Africana
 
Cultura afro brasileira máscaras
Cultura afro brasileira   máscarasCultura afro brasileira   máscaras
Cultura afro brasileira máscaras
 
Mundo
MundoMundo
Mundo
 
Professo autor arte primitiva africana
Professo autor   arte primitiva africanaProfesso autor   arte primitiva africana
Professo autor arte primitiva africana
 
Arte africana
Arte africanaArte africana
Arte africana
 
Arte africana
Arte africanaArte africana
Arte africana
 
6 Artes ii
6   Artes ii6   Artes ii
6 Artes ii
 
Slide africa brasil 2
Slide africa brasil 2Slide africa brasil 2
Slide africa brasil 2
 
Arte de áfrica
Arte de áfricaArte de áfrica
Arte de áfrica
 
Arte2
Arte2Arte2
Arte2
 
homen da cavernar
homen da cavernarhomen da cavernar
homen da cavernar
 
Arte africana 2013
Arte africana 2013Arte africana 2013
Arte africana 2013
 
Textos historia da arte Ensino Medio
Textos historia da arte Ensino MedioTextos historia da arte Ensino Medio
Textos historia da arte Ensino Medio
 
/Exports/eja final/ednafinal
/Exports/eja final/ednafinal/Exports/eja final/ednafinal
/Exports/eja final/ednafinal
 
Historia da arte - período da antiguidade - resumo
Historia da arte - período da antiguidade - resumoHistoria da arte - período da antiguidade - resumo
Historia da arte - período da antiguidade - resumo
 
A arte da pré história
A arte da pré históriaA arte da pré história
A arte da pré história
 
Da arte rupestre às sombras chinesas
Da arte rupestre às sombras chinesasDa arte rupestre às sombras chinesas
Da arte rupestre às sombras chinesas
 
Da arte rupestre às sombras chinesas
Da arte rupestre às sombras chinesasDa arte rupestre às sombras chinesas
Da arte rupestre às sombras chinesas
 
Arte Rupestre
Arte RupestreArte Rupestre
Arte Rupestre
 

Mascaras africanas

  • 1. Máscaras Africanas Máscara. Arte fang. Museu do Homem, Paris.
  • 2. As máscaras sempre foram as protagonistas indiscutíveis da arte africana. A crença de que possuíam determinadas virtudes mágicas transformou-as no centro das pesquisas. O fato é que, para os africanos, a máscara representava um disfarce místico com o qual poderiam absorver forças mágicas dos espíritos e assim utilizá-las em benefício da comunidade: na cura de doentes, em rituais fúnebres, cerimônias de iniciação, casamentos e nascimentos. Serviam também para identificar os membros de certas sociedades secretas. Máscara de boi com mandíbula móvel. Arte ibibia. Museu do Homem, Paris.
  • 3. Em geral, o material mais utilizado foi a madeira verde, embora existam também peças singulares de marfim, bronze e terracota. Antes de começar a entalhar, o artesão realizava uma série de rituais no bosque, onde normalmente desenvolvia o trabalho, longe da aldeia e usando ele próprio uma máscara no rosto. A máscara era criada com total liberdade, dispensando esboço e cumprindo sua função. A madeira era modelada com uma faca afiada. As peças iam do mais puro figurativismo até a abstração completa. Máscara de dança. Arte ioruba- nagô. Museu do Homem, Paris.
  • 4. Quanto à sua interpretação, a tarefa é difícil, na medida em que não se conhece sua função, ou seja, o ritual para o qual foram concebidas. Os colonizadores nunca valorizaram essas peças, consideradas apenas curiosidade de um povo primitivo e infiel. Paradoxalmente, a maior parte das obras africanas encontra-se em museus do Ocidente, onde recentemente, em meados do século XX, tentou-se classificá-las. Na verdade, os historiadores africanos viram-se obrigados a estudar a arte de seus antepassados nos museus da Europa. Máscara. Arte pendê. Museu da África Central, Tervuren.
  • 5. O auge da arte africana na Europa surgiu com as primeiras vanguardas, especificamente os fauvistas e os expressionistas. Estes, além de reconhecer os valores artísticos das peças africanas, tentaram imitá-las, embora sempre sob a ótica de suas próprias interpretações, algo que colaborou em muitos casos, para a distorção do verdadeiro sentido das obras. Entre as peças mais valorizadas atualmente estão, apenas para citar algumas, as esculturas de arte das culturas fon, fang, ioruba e bini, e as de Luba. Rosto de uma cabeça de duas faces. Arte ibibia. Coleção Hélène Kamer, Paris.
  • 6. O fato de os primeiros colonizadores terem subestimado essas culturas e considerado essas obras meras curiosidades exóticas, provocou um saque sem sentido na herança cultural desse continente. Recentemente, no século XX, foi possível, graças à antropologia de campo e aos especialistas em arte africana, organizar as coleções dos museus europeus. Mas o dano já estava feito. Muitos objetos ficaram sem classificação, não se conhecendo assim seu lugar de origem ou simplesmente ignorando-se sua função. Fonte:www.meusestudos.com