O slideshow foi denunciado.
Seu SlideShare está sendo baixado. ×

Categorias da Narrativa.pptx

Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Carregando em…3
×

Confira estes a seguir

1 de 11 Anúncio
Anúncio

Mais Conteúdo rRelacionado

Mais recentes (20)

Anúncio

Categorias da Narrativa.pptx

  1. 1. Categorias e Géneros da Narrativa
  2. 2. O texto narrativo, que pode ser escrito em prosa ou em verso, conta uma história com o recurso a des-crições. Os acontecimentos narrados, que envolvem personagens, locali- zam-se num determinado tempo e num dado espaço.
  3. 3. 1. Ação Conjunto de acontecimentos que têm o seu desenrolar num espaço ou diferentes espaços e num tempo mais ou menos extenso. Relevo Delimitação Estrutura - Principal: conjun-to de sequências narrativas que de- têm maior relevo. - Secundária: con-junto de sequências narrativas que de- têm menor relevo. - Aberta: ação não solucionada. - Fechada: ação solucionada até ao pormenor. - Encadeamento: a ação é constituída por sequências narrativas que se articulam por ordem cronológica. - Encaixe: uma ou mais se- quências narrativas encaixam numa outra, que estava a ser narrada e que depois se re-toma. - Alternância: as diferentes histórias vão sendo narradas alternadamente.
  4. 4. 2. Espaço Físico Social Psicológico Espaço real que serve de cenário ao desenrolar da ação. Ambiente social on-de se movimentam as personagens, par- ticularmente os figu-rantes. Espaço perspetivado pe-las vivências íntimas das personagens, por pensa-mentos, por sonhos, etc. 1. Ação (cont.) Momentos determinantes - Introdução: situação inicial, apresentação. - Desenvolvimento: peripécias e ponto culminante. - Conclusão: desenlace.
  5. 5. 3. Tempo Histórico Cronológico Psicológico Época ou mo- mento histórico em que a ação se desenrola. Sucessão cronológi-ca de aconteci-mentos suscetíveis de serem datados. É um tempo subjetivo, fil- trado pelas emoções e vi- vências das personagens. Re-flete, também, o desgaste que sobre elas provoca a passagem do tempo. Do discurso Tempo elaborado pelo narrador. Este pode narrar os acon- tecimentos por ordem linear ou com recuos (analepse) e ante- cipações (prolepse). O narrador também pode narrar ao ritmo dos acontecimentos (isocronia), resumindo-os (resumo ou sumário), omitindo factos (elipse) ou fazendo momentos de pausa para des-crição ou divagação.
  6. 6. 4. Narrador Presença Ciência - Não participante ou hetero- diegético: não participa na ação e narra os acontecimentos na 3.ª pessoa. - Participante: participa na ação e narra os acontecimentos na 1.ª pessoa. Se participa como perso- nagem principal, designa-se autodiegético; se participa como personagem secundária, desig-na-se homodiegético. - Focalização omnisciente: o narra-dor coloca-se numa posição de transcendência, conhecendo mesmo o que se passa no íntimo das per-sonagens. - Focalização interna: o narrador apaga-se e adota o ponto de vista de uma ou mais personagens. - Focalização externa: o narrador sabe apenas o que vê, o seu ponto de vista limita-se ao que é obser-vável exteriormente. Posição - Objetiva: o narrador não emite juízos de valor. - Subjetiva: o narrador emite juízos de valor.
  7. 7. 5. Personagens Relevo Composição - Protagonistas, persona-gens principais ou heróis: desempenham os papéis mais importantes. - Personagens secundárias: assumem papéis de menor relevo. - Figurantes: personagens sem relevo que ilustram um espaço social. - Modeladas ou redondas: dotadas de densidade psicológica, capazes de alterar os seus comportamentos com o desenrolar dos acontecimentos. - Planas: assumem sempre comporta-mentos previsíveis; não têm profundi-dade nem complexidade. - Personagens-tipo: representantes de uma camada ou tipo social, sendo- -lhes atribuídas as qualidades e/ou os defeitos dessa classe ou grupo.
  8. 8. 5. Personagens (cont.) Processos de caracterização - Direta: as características são apresentadas pela própria per- sonagem (autocaracterização) e/ou pelo narrador e/ou por outras personagens (heterocaracterização). - Indireta: as características não estão explícitas, sendo deduzidas a partir das atitudes, comportamentos e ações das personagens. 6. Narratário É o destinatário da narrativa, a quem o narrador se dirige de uma forma explícita ou não.
  9. 9. 7. Modos de Expressão Diálogo Monólogo Forma de comunicação ver-bal em que o emissor e o re-cetor alternam de posições. Forma de comunicação em que o emissor é também o recetor (fala de si para si). 8. Modos de Representação Narração Descrição Momentos de progressão da ação em que se faz o relato de acontecimentos. Momentos de pausa na nar-rativa em que o narrador dá informações sobre persona-gens, objetos ou espaços.
  10. 10. Géneros da Narrativa - Romance: narrativa de grande complexidade e variedade de técnica narrativa, frequentemente com estudo psicológico das personagens e introdução de episódios autónomos, refletindo a atmosfera psicossocial da época em que se insere. - Novela: género narrativo que se distingue normalmente por uma extensão menor que a do romance e maior que a do conto. - Conto: narrativa pouco extensa e concisa. Detentora de unidade dramática, a sua ação concentra-se num único ponto de interesse. - Epopeia: o género épico distingue-se pela presença de certas características temáticas e formais: o heroico, o maravilhoso e o histórico combinados numa narrativa poética
  11. 11. O conto: características essenciais Pequena extensão; Pouca diversidade espacial; Concentração temporal; Reduzido número de personagens; Diálogo geralmente dominante; Presença de narração; Descrição pouco frequente.

×