O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.

Grupos de Interesse e Big Data - Pablo Cesário

1.068 visualizações

Publicada em

Apresentação realizada no "Ciência de Dados e Política", 2ª Edição do Seminários IBPAD - Instituto Brasileiro de Política e Análise de Dados.

Publicada em: Governo e ONGs
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Grupos de Interesse e Big Data - Pablo Cesário

  1. 1. Grupos de interesse, novas formas de política e Big data BOAS PRÁTICAS E FRONTEIRAS
  2. 2. Grupos de interesse: grupo formal ou informal que busca influenciar políticas públicas
  3. 3. Para todos os gostos
  4. 4.  Produção de serviços para associados (bens coletivos)  Disseminar mensagens  Angariar novos membros  Mobilizar pessoas para a causa  Captar recursos  Construir conhecimento  Exercer pressão sobre tomadores de decisão  Disponibilizar informações a tomadores de decisão O que eles fazem?
  5. 5. Como dá para fazer melhor?
  6. 6. Como dá para fazer melhor?  Mesmo email pode ser poderoso
  7. 7. Como dá para fazer melhor?  Participar da ação
  8. 8. Como dá para fazer melhor?  Gerar e distribuir conteúdo Exemplo de Blog sem comentário: Crowdpac
  9. 9. Como dá para fazer melhor?  Participar da ação
  10. 10. Como dá para fazer melhor?  Criar persona e agir em redes sociais
  11. 11. Como dá para fazer melhor?  Disseminar mensagens simples
  12. 12. Exemplo de Video com especialista: Aipac Como dá para fazer melhor?  Explorar novos formatos Brookings
  13. 13. Como dá para fazer melhor?  Construir conhecimento
  14. 14. Como dá para fazer melhor?  Construir conhecimento
  15. 15. Como dá para fazer melhor?  Construir conhecimento  Judiciário  Meio Ambiente  Previdência social  Parlamentares e autoridades:  cruzamento de bases de dados como mecanismo de pressão  O que podemos fazer: histórico de posicionamento  Linguagem natural,  Participação em redes
  16. 16. Como dá para fazer melhor?  Relacionamento com a base  Comunicação direcionada a interesses: alta segmentação  Ações de webativismo  Mecanismos de auscuta e participação  Pressão  Monitoramento de comportamento social  Fazer as pontes entre autoridades e seus influenciadores
  17. 17. Novas tecnologias e fronteiras  E Governo  Acesso a serviços eletrônicos  Smart cities  Regulação eletrônica
  18. 18. Novas tecnologias e fronteiras  Mas o que dizer de grupos de interesse?  Bases de dados governamentais
  19. 19. Novas tecnologias e fronteiras  Mas o que dizer de grupos de interesse?  Dados de redes sociais: análise fina de sentimentos e enquadramento  Eleições: trump
  20. 20. Novas tecnologias e fronteiras  Mas o que dizer de grupos de interesse?  Data mining  Linguagem não estruturada
  21. 21. Novas tecnologias e fronteiras  Mas o que dizer de grupos de interesse?  Block chain e smart contracts  A eliminação do estado como intermediário de contratos  O dilema dos comuns – Elinor Ostrom  Protocolo Comunitário do Bailique  Governança global – na área de finanças
  22. 22. Novas tecnologias e fronteiras  Mas o que dizer de grupos de interesse? O papel do empreendedorismo para trazer a vida essas novas realidades
  23. 23. Novas tecnologias e fronteiras  Questões éticas  Privacidade  Propriedade  Algoritmos e preconceito

×