Revista Job! nº 5 em alta resolução

170 visualizações

Publicada em

Arquivo em alta resolução da Revista Job! nº 5.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
170
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Revista Job! nº 5 em alta resolução

  1. 1. Re visit¡ Ano: ' N'5 - Kurumin 2005 0 DIICPIIIIIÇÍG GIGÍIIICG navlnu cxpcrlmcntgl do curto d¡ rubllcldcda a Propaganda l _ _ , _ nrjãx', + geram Errotsfwy s Açmbamem @os fGP$$lt0$ à vaga: : ç u R B
  2. 2. W. *7 2wggí_5 Qi _A ': A -. l* _. , Í'“'5¡'g'g*' % MWFMMWWWPW . E_ T iorcadfmuuxem a» ” ' : a ' . » . ... . V a# , , u. .. : :w , _ . »mm 'E E L ENTRADA ~ é . r _é mu» I» a# . ; Í a_ . m . . , í g5** Fvnúrntnúhdn» _ v” v! ? ' x - › . u › nn . _ z/ g , q r. w : :nano-Uria - › , a . *v E_ as. ; M. . L. A 9 - “à, x_ A praia é de todos v 5 . ..um : kjponamerato a X ' ” Manual do À à “f à &exelgewm L «4 ' ' Horácio Braun _RT “ = ' V T ÍÍÍ ; LÍTORALV É « Balneário Cambo¡ . _ . . ãltajaiseprotege . . - 3.4,; A . “à oscãesnasruas ' ” ' “ V _ ~ É %; ,,. Mw. .c. .,; í , EJQBW g _ › E PRIMAVERA! Vale do Itaia¡ -5 ? F f: :z, -<-s; *›*" 7 V te . _ ' "Wejignngressaem F4', M Á '* v novaerad . À.; ___. .._. -§Ê. _J; _À ” _. .. ' ' ¡, jileróisemmemória «QT ~› ~h ata-vma. 'n' . ,. _. ... ... ... -._. .41 'Í Baloubetdá L _NVT V aoBrasilo " quenegou ' Imnunhhni-l «mu-nu _ n. .., .», c. dba: : : :mau-lr . .. .um : sn-un . ..mm ' uma. . . pqp. .a. .
  3. 3. Com um conteúdo editorial amplo e diversificado e um projeto gráfico dinâmico e versátil, o Jornal de Santa Catarina oferece oportunidades tanto para quem busca segmentação de público, quanto para aqueles que procuram formas mais criativas e impactantes de anunciar. Tudo para que você possa aproveitar, ainda mais, o potencial de retorno que só o SANTA oferece. "" 0 'É' . Í f @Fiêñrluíê EÊMGE ELG. J 92°/ o Participação entre leitores de jornais c 52% Homens 63% Classe AB 43% 25-39 anos (lBOPE Blumenau / 2003)
  4. 4. Duas décadas. Dos meus 30 anos de vida, passei mais de duas décadas em escolas, universidades . I e pós-graduações. lsso sem contarcurso disso, curso daquilo. Ã Inclusive hoje, já um profissional do mercado publicitário, vejo-me novamente frequentando uma sala de aula. Às vezes como professor, outras como aluno. Por F U R B isso, ao escrever este editorial, um fato me chamou a atenção: a importância da informação que recebemos em nossa vida. Expediente EDITORIAL Lembro de meu colégio, nos princípios dos anos 80 em Joinville. Lá tinha uma sala chamada SOE - Serviço de Orientação Educacional. E para completar tal estrutura, A “M” "úmem 5 da Revista 'm' é “ma publicação criada pelos alunos da 7' fase (2004/2) tinha um homem mau, muito mau, chamado Kurt. Ele era o motivo para que você se do cum de oomunmação 50cm, hab¡j¡, açã° em comportasse exemplarmente em toda sua jornada estudantil. Qualquer desvio de PublicidadeePropaganda da Furb, elaz parte da Conduta¡ Ku rt pegava você_ disciplina Planejamento Gráfico. Assim era a vida na uela é oca. E muitas vezes continua assim até hoe. q p ' J Coordenadora do Curso _ A N A _ Fabrlcla Durieux Zuooo Responda-me, caro leitor: quantos Kurts voce conheceu em sua vida? Professores, chefes, clientes e outros tantos personagens reais de nossa vida, que às Professor de Planejamento Gráfico vezes tentam nos mandar para o SOE que eles insistem em tentar criar. Ou recriar. .. C°°"d°"ad°' da Remi¡ mb! Todos eles influenciados, ainda que inconscientemente, pelo poder paralelo que a D'°9° Scamhlwa má informação exerce sobre a educação e a formação moral de seus pequeninos P¡ . . _ _ , _ , __ anejamgnto, comercial, Kurts. Os Kurtmhos. .. E talvez por isso, ate hoje, tentam impor certos padroes de . mago e cnaçao comportamento que seriam mais adequados para decadas atrás. masa (2004/2) de P&P Claro que não posso generalizar. Várias das escolas e seus educadores daquela Arte Capa época são responsáveis pela educação que muitos de nós carregamos até hoje. E CHOHSFÍHQ muitos daqueles que admiramos, passaram por situações distintas em suas jornadas “ustmções de aprendizagem. Seja na escola ou na universidade. Palm Cunha (Mudam) Enfim, a educação não está somente nas salas de aula. Está no dia-a-dia de todos [mpressão nós, na rua, na família, e em tantos outros pedaços de nosso contexto social. E está, Impressora MayerLtda. principalmente, naquilo que você lê. Tiragem Lendo mais e melhor, talvez possamos preparar nossas "crias" de hoje, para que 2000 exmnplams no futuro de amanhã, não sejam eles os Kurts de ontem. _ _ , _ Distribuiçao N rt VI dolta' l Diogo Scando/ ara, professor coordenador da Rev/ sta [ob, o e e a e la não tem absolutamente nada contra aqueles que se chamam Kurt. Crmcas/ sugestões/ anúncios . revista'ob@fuib. br diogo@portcom, com. br mmjurjlthbr/ rewstaiob Atendimento - Alexandre P. Fagundes - Allan J. Maçaneiro - - Anderson P. de Abreu - Arnaldo F. Fl. Neto r - Bruno H. N. Alves - Débora Lindner - - Gislaine Lombardi - Leonardo Mickievidus - - Kelly Cabral - Marcia Malinsk¡ - 06 - Mauro F. Volpara - Patricia R. da Silva - MERCÀDO Acabamentos Gráficos Criação - André F. dos Santos - André R. Darugna - 08 - Douglas Ferreira - Eduardo R. Santin¡ - - Fabricio dos Santos - Femanda de Oliveira - E-learning -GusiavoSGuarienti-Henriques. F.Martins- - Leandro Beduschi - Rodrigo Dal Molin - 1 o - Stevan Richter - CÀPÀ A arte da charge Planejamento - Adair Alves de Souza -Alexandre T. da Luz - 1 2 ~ Aline Heok - Anna C. Uchikawa - r Cidnei Luciano - Gertrudes Fernandes - ENTREV| STA sérgm snotsky -Luiz e. L. Sarli-Michele c. Pereira- - Nara L. B. Gómez - Robena A. G. da Luz - 1 4 - Sharlene da Costa - Tatiana Schlindwein - CÀRREÍ RA Estágio Redação - Anna Júlia Girardi - Daiane R. Maflezzolli - 1 6 - Cássia A. Sohmude - Jackson J. Ullmann - - Márcia R. F, Lacerda - Michele L. Stahnke - ELOY SIMÕES Fraude -Hodrigowemer-Vanessadesouza- - Vivian Thiesen -Yana S. Dickimann - 1 8 Leia também on-line: &É; FALANDO NISSO Yoga wwwJurtLbi/ revistajob recicle cultura. dê esta revista para alguém ler.
  5. 5. ?ft/ F Lvl/ DJ¡ i¡ STUDIO ILUSTRAÇÃO . oiããioixi É ANIMAÇÃO Agregamos valor aos produtos/ serviços de nossos clientes fazendo valer cada centavo de seus investimentos, através de prazos que se adequam à sua necessidade, preços competitivos e ilustrações/ animações de alta qualidade. Animação é o casamento perfeito entre som e imagem, que hipnotiza o expectador e multiplica a mensagem rapidamente. Nosso estúdio trabalha as técnicas Disney para desenho animado e coloca à sua disposição profissionais gabaritados e criativos com um único objetivo: diferenciar a sua mensagem no mercado. Rua Frei Estanislau Schaette, 526 3° andar - Asilo Blumenau - SC - Brasil CEP 89037-000 atendimento@bellistudio. com. br
  6. 6. ACABAMENTOS e O n < U n: iu E ACABAMENTOS GRÁFICOS novidade no papel
  7. 7. *' É v. É' I F' Diferentes cortes, transparências, brilhos , ._. ... ... ..awwwv“ ' _ e cores. Não se trata de mais um desfile de roupas, mas está na moda: o acabamento gráfico, um detalhe que faz diferença. Cada vez se faz mais necessário criar novas técnicas, usar novos materiais e o mais importante: ter idéias inovadoras para destacar, persuadir e surpreender para combinar com esta ferramenta especial. Quem nunca acabou esfregando aquela “amostra impressa" de perfume da revista? Quem nunca pegou mais um dos milhares de folders só porque tinha um formato diferente, uma cor vibrante? Pois é, o acabamento gráfico surtíu o efeito esperado em você, missão cumprida! A tecnologia atual nos permite viajar em possibilidades e criar peças gráficas de todos os tipos e modelos. Além disso, nos possibilita massificar a produção e trabalhar com muito mais rapidez. lsso nem sempre foi possivel. Quando tratamos de produção gráfica, é inevitável falarmos das transformações técnicas e das mudanças que ocorreram neste meio. Desde o final dos anos 80, a indústria gráfica vem se tornando cada vez mais informatizada, e sempre com novas tecnologias, conceitos e equipamentos. Há alguns anos, toda a produção gráfica baseava-se na foto-composição, o processo onde o designer gráfico fazia o layout manualmente e o escaneava para depois criar o fotolito. O processo era demorado e muito trabalhoso, que exigia muito esforço prático dos profissionais gráficos. Publicitários de hoje, encontram muitas facilidades e recursos à sua disposição. Entrando em contato com as gráficas, dá pra saber que técnicas e tipos de trabalho ela poderá executar. O setor gráfico deve conhecer bem as várias possibilidades e optar pelo que melhor se adapte à determinada situação. Hoje, os recursos são os mais variados, tratando-se de acabamento gráfico: papéis especiais, tintas por secagem ultravioleta, vernizes texturizados, diferentes formas de impressão, operações complementares de corte e vinco, material 3D, etc. Com relação às tintas e vernizes, a tecnologia UV (secagem ultravioleta) tem grande vantagem sobre as convencionais. Possui secagem imediata, evitando mudanças posteriores, tais como alteração de cores, decalque, etc. As impressões UV podem ser imediatamente tratadas (por exemplo, cortadas, possuem resistência química aumentada. O verniz com aroma e o fluorescente são novidades interessantes. Iaminadas, dobradas, etc) e f Í O primeiro pode produzir diferentes aromas (previamente definidos pelo cliente), conforme sua superfície é raspada. Já o segundo é um verniz que brilha no escuro após alguma exposição à luz. São diferentes técnicas que podem tornar o trabalho gráfico muito mais atrativo e envolvente. O impacto visual causado por um impresso está diretamente relacionado a estes pequenos detalhes. A escolha do papel exerce uma grande influência na qualidade final da peça: papel acetinado, papel couchê, papel bouffant, papel apergaminhado, papel ilustração, cartão ondulado, mataborrão e muitos outros. Existe também, junto a estas tantas novidades, o material 3D, capaz de produzir efeitos como uma imagem se fundindo com outra, imagens com profundidade, ou até uma imagem se transformando em outra. No que se refere à embalagem, um ° material de origem natural, biodegradável e reciclável tem feito bastante sucesso, reconhecido como produto líder para aplicações de janelas, que possibilitam que o consumidor visualize o produto dentro da caixa. É o filme de acetato de celulose que, além de fornecer o melhor equilíbrio de brilho, alta transparência e extrema combinação de tinta e impressão, tem grande importância como material de recurso florestal renovável. E tem mais: maquinários modernos que executam aplicações de texturas especiais localizadas, imitando couro de um animal ou uma folha de árvore. O que será que vem por aí? Num trecho do filme Minority Report, estrelado por Tom Cruise que atua como um policial do ano de 2054, em meio a todas as invenções futurísticas, por várias vezes vemos jornais que atualizam-se em tempo real nas próprias mãos do leitor, ou até uma embalagem de cereal que, por ¡ algum tipo de holograma rente à caixa, g apresenta desenhos animados. l É Pioneira no mercado das artes gráficas em Blumenau e região, a SH fotolitos sempre prezou pela qualidade, agilidade, profissionalismo e acima de tudo, a satisfação de seus clientes. fotolitos prova digital tratamento f de imagens Voltando ao presente, ainda temos muito a percorrer e outras novidades talvez até inventadas por você mesmo estão por vir, As novidades em acabamentos gráficos são excelentes armas de atração e são o primeiro passo do processo que leva o consumidor à ação. Mas não podemos esquecer que este é apenas um artifício, pois uma peça gráfica não depende só da sofisticação. plataformas mac e PC O negócio é trabalhar, mostrar seu talento e utilizar esta ferramenta preciosa para que o trabalho final, além de um ótimo acabamento, tenha conteúdo e criatividade. Rua Apolônia Von Buettner, 54 Vila Nova - Blumenau - S( Fone/ Fax: (47)329-2992 e-mail: shbureau@terra. com. br
  8. 8. E-L ixiirsic 'E PAPO DE GALO um novo munno DE ensino, mue vem Fnzenno DE O emprego das tecnologias da informação e da comunicação à área do ensino levou à criação de uma nova modalidade de aprendizagem a distância: a É “f” o e-learning. Este método utiliza-se de um ambiente virtual, onde professor e alunos trocam experiências , _ _ ç ' lnierwzigeñio : m: 'Qliüitàkktlk ql'. ?ommtgítç e conhecimento em tempo real, utilizando recursos _ 'Ituisfçfic-. MOHIJWM . "rui-q ~ de imagem e som. Internet, canal fechado de TV e a m; l . 'r um. o u' 'l 'mm' - , . . .. WH' Ç”. a- a'. ' ' . '- CD-Rom saoas midiasmaisutilizadas. 'Mlmnwm 'l 'mmm "m4mntl5d" 4tllto~iicmmtçfto~ Os cursos são aulas previamente gravadas que gui¡= ,:¡¡= ,,¡r¡, ¡._, ,~¡. _ ¡. _¡, ,¡, ¡,, ,._¡s contam com um processo de mediação pedagógica ¡n¡amn, n¡kn¡__ #um com exercicios, avaliações, jogos e simulações. As : xmiribunrmoi ffignilzi sin: -ionli-. iíiolor dúvidas odem serenviadas ao rofessor ore-mail . t l p t ç d f_ _d p PdA l ' Axw-LüTofIllchiot; :i aionitaiíiotoi: que era um empo pre- e ini opararespon e« as. 'kliuiümtemr piummil m; ,oiirommnonnl Esta metodologia permite ao aluno aprender ao seu ritmo, desenvolvendo as competências individuais que necessita, no menor tempo possivel, sem perder a possibilidade de interagir com os outros participan- tes do seu curso. Além disso, o g-Iearning viabiliza a formação a quem não tem possibilidade de se ausentar do local de _» , Quant/ dade de Organizações 'Crescimento trabalho, também simplificando o acesso à formação paraoscidadãoscom necessidadesespeciais. ~ r ~ ~ . ~ “ i v, Um curso de e-learning está dividido por unidades de conhecimento, que representam graus de evolução. O aluno é avaliado em cada módulo pelo seu desem» penho, o que lhe permite obter o feedback necessário para corrigir os erros e identificar os progressos efetuados. ,VV r r , . ; s', Huinitainrivivwlr-ilminnniiyjitsiln-i-inniir
  9. 9. i A . É . r› n Ausência de relação humana professor/ alunos Conteúdos mais generalistas Contingênciatecnológica -largura de banda e terminais Exige alguns conhecimentostecnológicos Reduzida confiança neste tipo de estratégias educativas Custos elevados dos cursos e do material Necessidade de acesso à internet «(«« O e-learning é uma alternativa pedagógica em expansão. Sob o enfoque do marketing educacional, para que um programa abrangente de e-learning possa ser bem-sucedido no mercado, quatro fatores precisam ser considerados: - Apresentar produtots) de qualidade. - Construiruma marca forte. - Definir um posicionamento de mercado - Possuir um DBM (databasemarketing) consistente que possibi- lite desenvolver estratégias de relacionamento, pesquisa e vendas ade- quadas a partirdo DBM. Numa cultura ainda muito marcada pela educação presencial, a adesão ao e-learning ainda é relativamente pequena, porém a tendência das instituições para criar novos cursos está aumentando a oferta deste tipo de aprendizado. As possibilidades de sucesso a médio prazo são significativas. Alguns segmentos já estão dando certo, como por exemplo, a Cultura Inglesa On-line, que em menos de 2 anos de mercado, já tem 12 mil lts, k 'fr formais' lv *Má-m w , v,. .«a_. -~~ « v- f, k m* -, assaz_ K Há 10 anos fazendo comunicação com mais conteúdo! www; fjr. com. br alunos matriculados. Para atingir este número de clientes, a Cultura Inglesa desenvolveu um cadastro com 240 mil prospects. Para tal, partiu do expediente de cadastrar os usuários do portal de serviços que lançou. Além, é claro, de cadastrar os seus alunos presenciais. A utilização de diferentes canais para difusão do conteúdo, como, pager, celular, palms, etc, aumentou o grau de interatividade, tornando os sistemas de gerenciamento de conteúdo cada vez mais personalizados. Com maior integração entre as plataformas que sustentam os ambientes virtuais de aprendizagem, é cada vez maior o número de instituições que vêem no ensino a distância uma das grandes tendênciasdofuturo. ãtiliimL-ñii» -. i : muito: Itaiñilti-: iilii-rziíiiiiieiIan: iiiiai¡tati¡iIiiiamilliiiirvasíêtimiagivisiitixiiiáti-luiiigiuui-Litañu iimiiiiíiutsusihiiiiiax. ¡Mai! isiniuituuiillimuñt-mníltiüiiiiltmmillziiiciílntrllnupiiouiaiiiiiliix* 3” itu-tuiiui: nationmuniiin: tsunami: ia. .iiinilitliiitinoi-iiiuagiiiiiilãiiitia-: mnitttei (ant-. uifiitiiiiv g -iiiiliu lim il'- uma», Illlillllil tono-im: ii». llllllti il: âiicílti : 'llilllllllülllãmlltlftj iztlaiiltsftn-iiiiuniítihw: tm a : iiliiiir-jifft- c iltuiniiiukuimii-: riaiir : :um iniiiiítiiiicl. i itáliiitítuita: iiliimun-miiltxileiii-itcuâiiieitriiii; ih-iiimnrziíliitiñiiuuiumlmiuniu. ãvloizitiniui Iiiv¡IillIiiii: miiii; Itaupi¡ii: n[uniiillmmwiagiiniuzisinis, bikini-ini: riuiai¡iunnuiziiilimaiciikniai Iiitaiiioti Illl uuuigiiibiitii¡ : iillrh intimo: ›iiihiiiiini›fti~ imlit-. i. iiiuiiir z uiliiauizi ilu -iuiiitumtm : naum ¡ki lui-uniu. iMUhlIP-I, inimiiai tlitillllllitll, :iriam -. "ifilâlu »Í-Yílmmü. ab-liWflkÍÍlIÍllÍÍHHÍÍVKIúHÍÚÍHlÚll 4!
  10. 10. Caros leitores, gostaríamos de apresentar o advento do desenho e as formas modernas de cartoon, reservando destaque para, evidentemente: A arte da CHARGE Aliás, melhor deixar de lado todo o embasamento técnico de palavras polidas e blá-blá-blá! Ou o papo parecerá com aqueles assuntos, onde as palavras difíceis são usadas para preencher certos vácuos intelectuais, decoreba de assuntos sem muita noção para conversas. Na charge, sempre a ponta da língua ou da caneta envenenada, estão apontadas para cara da vergonha e do descaso da sociedade, expondo o que todos possuem e não querem que outros vejam. CAPA Após breve trecho introdutório, esperamos que consigam entender. A charge, a tira, ou as HQs, entre outros, podem ser consideradas arte de tanto estudo e profundidade, quanto a de grandes pintores famosos clássicos. É verdade! Se pensarmos bem, não é um absurdo a comparação entre charges e a arte atemporal do expressionismo, época de grandes pintores como Van Gogh (considerado como um dos precursores do expressionismo) e Goya, o realizador do primeiro expressionismo de contemporaneidade. Não se trata de uma comparação de técnica, mas sim de filosofia. Sendo que no expressionismo, se vêem emoções desenfreadas e opiniões caracterizadas em telas e desenhos, com a preocupação social evidente. Uma arte que desnuda a humanidade e vem para desmontar uma realidade a fim de construir outra. É impossível evitar um pensamento revolucionário, quando se aprecia uma obra de caráter crítico do período expressionista (Comedores de Batata -Vincent Van Gogh). , o SENHOR e CANDIDATO ou Com a charge acontece o mesmo. Usando como principal l Í ferramenta técnica a caricatura, e expressando características de forma exagerada, ela aparece ferozmente nos tempos de furor político-social e nas principais ocasiões mais polêmicas da humanidade. Diferente do expressionismo, que usava a tragédia para exprimir as dificuldades humanas, a charge utiliza o humor (algo que o brasileiro faz bem), com ferocidade sagaz. Apontando de forma direta e sem vergonha o que qualquer um teme, mesmo os poderosos. Ser motivo de chacota: essa forma de ataque é tão útil que pode mudar muitas idéias e fabricar outras tantas (não esquecendo o entretenimento). Para o alvo do sarro, nada pior que o orgulho dilacerado. Neste mundo de tantos grandes chargistas, vamos reservar uma atenção ao país que habitamos, onde os artistas vivem com o mercado apertado para este tipo de arte. A maioria dos desenhistas possui outra profissão ou intercala seus serviços com trabalhos publicitários, geralmente mais rentáveis. E ainda enfrenta o fato de não existirem muitas publicações que reservem espaço para charges e cartoons. Porém, eles têm pouco a reclamar da rentabilidade, pois muitos trabalham pelo prazer.
  11. 11. Contrariando todos os paradigmas da sociedade, os país, professores e o cara de terno que aparece na TV salvando a mocinha, os artistas brasileiros sempre seguiram batalhando por algum lugar para publicar. Como na época da ditadura, usando o Pasquim como meio difusor essencial. Neste período de protestos e autoritarismo militar, grandes nomes se destacaram, como Zélio, Millor Fernandes, Ziraldo, Fortuna e Jaguar. Tempos aqueles difíceis para a charge. Na década de 80, com sucesso de “Chiclete com Banana”, e nomes de peso como Angeli, Laerte, Glauco, etc, os cartunistas e chargistas ganharam maior espaço na mídia. Porém, graças a sucessivas mudanças de planos econômicos e falta de anunciantes, estas revistas definharam, restando pouco espaço dedicado a charges. Atualmente, os cartunistas estão mais maduros e as influências mudaram muito. Novos desenhos animados, a chegada dos computadores e a mudança de mentalidade do leitor, forçam o cartunista a avaliar e estudar bem mais a situação da charge, evitando assim que ela pareça piada de escritório e fazendo com que possa atingir maior número de pessoas possíveis. Até mesmo, leitores que não entendem determinados assuntos técnicos, mas que convivem diariamente com diferentes situações. Se vocês ouvirem que as HQ's foram invenções dos americanos, esqueçam. Desta vez a invenção não foi nem tupiniquim, muito menos yankee. HQ's ja' eram produzidas muito antes na europa. As novas tecnologias oferecem uma ajuda extra aos cartunistas, Enfim, a arte, como cartoon ou na forma de uma bela pintura, sempre esteve presente quebrando barreiras entre o real e o sobrenatural, costumes e irreverência, são e insano, conservador e inovador. A verdadeira arte, feita de coração e alma, que eleva o ser humano a níveis indescritíveis de êxtase e admiração, transpassando os limites dos sentidos e criando percepções nunca antes sentidas. A charge, como a arte, nos revela mundo novos e criativos. Que ela seja sempre bem-vinda!
  12. 12. V" k. i dia tr. Sérgio Sirotsky herdou do tio - e fundador do Grupo RBS - Maurício Sirotsky Sobrinho, toda a ousadia e segurança para comandar um con lomerado de empresas pelo tortuoso mercado da comunicação. frente da RBS em Santa Catarina, como Diretor Institucional, administra o maior grupo regional de comunicação do país, composto por veículos de tv, jornal, rádio e internet. ENTREVISTA A' De Florianópolis, onde fica a sede da RBS no Estado, Sérgio falou à Revista / ob! sobre o envolvimento comunitário dos veiculos do Grupo, o novo formato do jornal de Santa Catarina e suas perspectivas, e o mercado publicitário de hoje. 1) De que maneira a Rede RBS vem contribuindo para o Estado de SC na área de desen volvimento social, informativo e cultural? Podemos considerar que a RBS atua em três dimensões na área social. A primeira, através de projetos corporativos ou, como nós chamamos internamente, "bandeiras". Nos últimos dois anos, o foco é a campanha "O amor é a maior herança, cuide da criança", de grande relevância e impacto, como certamente é do conhecimento dos leitores. A segunda, de natureza prática, pela atuação da Fundação Maurício Sirotsky Sobrinho, com projetos voltados para a infância e adolescência. E por último, através dos nossos diversos veículos - jornais, rádios e emissoras de TV -, que divulgam ações sociais de terceiros e as apoiadas pela própria empresa, como o Pedágio pela Apae, que começou no Vale do Itajaí e hoje se estende pelo estado. 2) O novo Santa, nesse curtíssimo espaço de tempo em que foi reformulado, já teve algo de concreto no que diz respeito ao aumento de vendas e do interesse do público quanto à leitura do mesmo? Muitas pessoas com quem falamos antes de implamentarmos esta mudança, nos indagavam sobre os riscos de perdermos leitores a partir da mudança do formato. Agora, passado um tempo do novo projeto que apresentou mudanças não somente no formato, mas também em nossos conteúdos, podemos afirmar o que já esperávamos: praticamente não perdemos leitores e estamos verificando crescimento em nossa circulação. Na venda avulsa (venda de exemplares em bancas) estamos com um crescimento de aproximadamente 25% sobre o patamar dos meses anteriores à implantação do projeto. Para os leitores, a venda avulsa é a porta de entrada ao jornal, o que nos deixa otimistas com o desempenho ainda por vir das assinaturas; e estamos trabalhando para chegar em dezembro com um crescimento de 35% sobre dezembro de 2003. 3) Como definiria o mercado publicitário hoje? A concorrência acirrada que envolve o varejo faz com que as agências catarinenses renovem suas estratégias. Cada vez mais o caráter vendedor da propaganda está sendo valorizado. Os clientes buscam resultados, fortalecimento de suas marcas, vendas, e percebemos o contínuo compromisso das agências e veículos em garantir esta mensuração aos clientes através de decisões calcadas em ferramentas de mídia técnica. Tal estratégia de mídia (calcada em análise técnica) adotada pelas agências de propaganda de nosso estado, é decisiva para que as expectativas do mercado sejam atendidas. A RBS TV está empenhada em ações que tenham como objetivo a permanente profissionalização do mercado. Continuaremos sendo parceiros em ações que promovam o desenvolvimento da atividade publicitária. l , y . m. t, , . .¡; .'. /.; u.au. -.«-LA -': ;na A. w »p-n r V -n-. ..M (mg. .- r , Y ; , “ l , ll à. ” l - r . a * M 3'; 1-3. a. , um. ; #«r~«~,4 ir”. -li . l › "u S 'um ' , t l' *l r t¡ * l* ' ' ~ , 'Í i n Ç* à y Í ' . aê 4) O Santa foi comprado pela RBS em 7992, certo? Porque a mudança para tablóide? E por que só agora foi modificado? Quando oJornal de Santa Catarina se incorporou à RBS em 1992, nossa preocupação prioritária foi manter e melhorar uma marca de sucesso junto aos leitores do Vale do Itajaí. A missão foi cumprida, uma vez que, de lá para cá, o jornal se regionalizou e triplicou sua circulação nos 65 municípios que compõem a região de abrangência do Santa. Porém, embora nosso foco sempre fosse qualidade editorial e não formato, a RBS procura se manter sempre atenta às novidades do mercado editorial mundial. No último Congresso Mundial de Jornais na Turquia, observamos com bastante interesse a bem-sucedida experiência de tabloidização dos ingleses The Times e The Independent. Foi a partir daí que decidimos amadurecer a discussão sobre a mudança de formato do Santa e concluímos que seríamos os pioneiros no Brasil. 5) Com as novas tendências dos jornais eletrônicos, como você vê o futuro da mídia impressa? Com bastante tranquilidade, já que o público quer informações de qualidade e credibilidade, independente da mídia. Quando surgiu a internet, muitos catastrofistas previram o fim do jornal impresso, mas isso não aconteceu. Em 2004, só para exemplificar, todos os seis jornais da RBS (Zero Hora, Diário Catarinense, Diário Gaúcho, Jornal de Santa Catarina, Pioneiro e Diário de Santa Maria) têm experimentado significativos crescimentos em suas circulações. A RBS é hoje um grupo multimídia porque acredita que uma mídia reforça a outra, ao invés de competir. "Atuamos em mercados onde o nível de leitura se destaca em relação a outras regiões brasileiras. " 6) Atualmente, a RBS e' a segunda maior rede de jornais do país em circulação. Como você visualiza isso? É um indicativo de que atuamos em mercados onde o nível de leitura se destaca em relação a outras regiões brasileiras. Significa dizer também que são leitores bem informados, com bom nível cultural e social. O fato de estarmos em constante expansão junto a um público leitor tão exigente é para nós o melhor termômetro de que nosso trabalho está no caminho certo. Nossos jornais são feitos para o leitor, para ser úteis, para lançar luz sobre as diversas áreas da vida. Acreditamos que o bom jornalismo, seja de jornal, rádio, tv ou internet, fortalece a democracia, pois cidadãos bem informados são os verdadeiros agentes da transformação social. va
  13. 13. TATi| › AçúcAR *é A gente fala e o público aparece. _ l* er . "rt *r »às St: as Hi3”. a, as x it_ ai' f Criatividade levada a sério. r , PUBLICIDADEEPROPAGANDA
  14. 14. 14 CARREIRA o ss'tltolo ›'›uj9UKhS _E _'JJÀ_I HÀÃSÀ U _IlIÀÉiÂÂGSÍÃUcQ us. TJ: : _UALJJ O? O estágio é uma valiosa ferramenta para o ingresso no mercado publicitário, pois, quando o interesse encontra a oportunidade, os resultados geralmente são positivos. Você, estudante de Comunicação, não espere ter um diploma para correr atrás de experiência. Aproveite o período em que está na universidade, pois ele abre portas para os estágios, que muitas vezes resultam em efetivação. Atualmente muitas empresas contratam estagiários com a intenção de recrutá-los futuramente para o quadro de funcionários. Avalie bem a agência ou a empresa em que você irá estagiar e observe os pontos positivos e negativos. Leve em consideração a função que você irá desempenhar e analise se a mesma é de seu real interesse. Tenha consciência de que estágio só é positivo quando você participa, aprende e adquire experiência. Caso contrário, cuide para não se tornar um "quebra-galhos". As empresas buscam profissionais inovadores, criativos, dispostos a aprender e com perfil de liderança. Mantenha-se sempre atualizado; leia, participe de palestras, seminários e congressos, mas saia do me too. Busque o contato com profissionais do mercado, seja convicto e defenda suas idéias com fatos relevantes. Empresas procuram pessoas que saibam resolver e não causar problemas. Errar é natural e faz parte do processo de aprendizagem, mas não espere estar formado e ocupando um cargo em uma empresa para que isto aconteça. Como primeiro passo, preocupe-se em guardar os trabalhos universitários e comece a pensar no portfólio. Isso mesmo: aqueles trabalhos com os quais você criou uma campanha, seja em grupo ou individual, serão muito úteis. Selecione os melhores, revise o material e monte o seu portfólio. Como você é novato no mercado, são esses trabalhos que irão abrir as portas. Porém, fique atento com os clichês e com as idéias chupadasl Adaptar aquele anúncio que você considera maravilhoso pode resultar em um péssimo rótulo antes mesmo de você entrar no mercado. Outro detalhe no mundo _ ÍC^Í91¡" T
  15. 15. publicitário é ter os pés no chão e muita persistência. Agências grandes geralmente possuem profissionais estáveis, por isso, preste atenção em agências pequenas, mas com grande potencial. Uma das dificuldades encontradas pelos estudantes que procuram estágio é a baixa remuneração. Além das despesas de rotina, o estudante precisa pagar a faculdade e o salário de estagiário, quando remunerado, geralmente é baixo. Claro, isto não é regra e nem se aplica a todos os casos. Porém, quando não existem alternativas, crie uma se você estuda à noite, procure um emprego em meio período e um estágio no outro. Se você estuda de manhã, trabalhe à tarde e procure um estágio aos sábados. O esforço é grande, mas certamente vale a pena. Conhecimento nunca é demais quando o assunto é mercado de trabalho. As empresas buscam nos estagiários pessoas com mentes abertas e sem vícios de mercado. Muitas vezes, apostam em treinamentos transformando estudantes em profissionais qualificados antes da efetivação. Este é um processo em que as duas partes ganham, vejao porquêz. _ _ Por : jUâ : auiralar asiagiúrias? .Por ; jua estagiar! - Diminuição de encargos sociais e trabalhistas, decorrentes - Ê uma forma de entrar no mercado de trabalho. da não vinculação empregatícia. - Cumprimento do papel social. - Adquirir experiência. _ _ - Ajuda na formação de novos e futuros profissionais. ' Estar em Contato com pr°f'ss'ona's do mercado' - Reduz o investimento de tempo e dinheiro a empresa que ~ Aprender a trabalhar em equipe. está sujeita quando se contrata profissionais recém formados e sem prática. - Mantém um espírito de renovação na empresa. - Permite-se a descoberta de novos talentos, preparando a ~ Conhecer as diferentes áreas e descobrir sua maior afinidade. ~ Transformar a teoria da universidade em prática. empresa para o futuro. ' útil: l 'l ilumina¡ u-fivplt- ram trip; mrguçiyf-tg Ito Will; !lo ? Hlõilt-¡i-lnul-»ciir- uniu». - p ^ : yr: :um
  16. 16. T7 rw: : 'É Este u; i7 ill V' 0 2 l -v , . -, L4 . a . s . g é seu mesmo? ~- : ~ ~ "Engraçado, eu o vi na pasta de outro criativoi' Perdi o número de vezes em que, ao entrevistar alguém para trabalhar na criação que dirigia, encontrei, no portfólio que me foi apresentado, anúncio que outro dizia ter sido criado por ele. E quando isso ocorre, e a gente denuncia, a resposta é a mesma: "Impossível, eu e fulano criamos esse anúncio. Se está na pasta de outro, ele roubou. " Recentemente mesmo, vi o portfólio de um jovem criativo, recém saído de um Curso de Comunicação do Rio de Janeiro. Era simplesmente brilhante "Você está de parabéns? cumprimentei. "Aqui em Santa Catarina vai estar cheio de agências querendo contrata-lol' Um tempo depois, fui encontrá-lo em uma agência. Eu era consultor contratado, e mergulhe¡ fundo para conhecê-la por inteiro. Quando vi as peças criadas, tomei um susto: eram uma droga. Fui conhecer o criativo e me surpreendi de novo: era o mesmo do portfólio brilhante. "O problema é que aqui não me dão chance de fazer algo melhor", disse-me. Passei-lhe um briefing, estimulei-o a me apresentaro melhor que pudesse criar. Em vão. O que veio tinha, como caracteristica, a mesma mediocridade. " O problema é que aqui não me dão chance de fazer algo melhor ", disse-me. Casos como esses, que cansei de viver, ocorrem sempre com quem está começando a carreira. Mas revela algo: as pessoas que o vivem, acham que em comunicação de marketing tudo pode. Inclusive fraudaro próprio talento. Não é diferente com quem procura - e muitas vezes consegue - enganar o júri de um concurso publicitário. A pessoa aposta na boa-fé dos jurados e inscreve peças que nunca foram nem serão veiculadas. A publicidade brasileira está repleta de casos assim e não é de hoje. E alguns escândalos são até denunciados. Fala-se muito dos espanhóis. Que em Cannes eles deram o exemplo. Não concordo.
  17. 17. Axn-alcnignv-¡l-un11al¡nnvnilaupirciilsitonnn-. iluminar-o ir-lbàiülilflclüllP-. ÍÍC invadem: ,jaugng di'. llàllilílilli il vnciuagir-, Lítst-inita it; impor-butt* gigammi: 'omleíilanme - q : ig-Jardin: gllllíllfnliill : retratar-nen: .rív gnu: : ! manaus-tor ãllli cum-msmo. àÍlgullliâls', tutoria-Ma, VOHIH» ileir Im: :iv att- sanar-iai -z-_ivçjlia-rievjieini¡ , omigniaumvninuczi 'taliqllktlfi'*Úlñ--Ctlllliãllcnâll ! mm Illl o m: 'tir-lt oil- tail: : ami tllgninmu arrasa-ria. : sil: niainmi : iviiltãnmet : :goi-xam-dieu«cmi; mmatam¡-aim: :niilkinnqoiniiainlrlqglll tail- êi inui-fla E c›»âarziüvnlldia*'Jamie: .anniíhuanulnm lllsiírgiiainxomiiuntiíln linHH-. líil A inicial! Pa¡ F3 il: 'Inri-mil mkt: ? mini gui- iñtr um: =lstgtli= lqtl| lllkf ¡uiiiit-iaiiaeiii-“tai-w-id1:rain-quai: :t-piu-umnugiaigpiaai-Lmit-rs-innnnnicm-m _ lÍll; !l"'-' N53): - ¡l-ÍÍQFÍÊÍÍJÊÍIÍÇCEÍÍ_ _ ¡Vuuqpiulih-diaÉ¡ginxvmlàlbltlllinñilâlfíulc-ntztsíilli--Ãñlstñllllnmñlilíllíhuílt : milton : imunizar naturais. ruimaiçizinii l *'l= *°'°-t"“""¡°“"'t""'"""' ll : tal-vim : Ein-ini : influi ~ _juialnuniatllif-_lk 'um . nilton-tien--nl¡timtoii1:Ii-nn: iramfnainiiizirvginiupicxita . HIã-qpiuIinu-'lhi 'lálliiiñtalllllllñnqlllg iiliilainogltmdiuuiam : :muinto-qpnllgjuim Cíâllil ç , llàl! iliâlíllclt~ : liíkl *iHIÍÚjIICÍ-ÍÓEÊ: . gtcgmlil nioraífêigioiltçiouhntii: mç Í PEF-. ÊAGEOT 307. - _EA lEÊCOLÊ-ÉEÊs-i. HenriqueMaruns Fotos ilustrativas : nu Í ; a -. l|. | -- M# : t1,L. ..«I.1nio› _ _ ãlr-_ifkaslããll%'r11=l| lílIiá§JÍÊ¡ ou. ; _ , iggêuqnuii-A-: mu-mam . d S' _regar_ em Ikki-UNIR' *' PEUGEOT ¡gti! uiirr-JP-t-Izf-Íingl¡ t-. ur-_Ltíioi-i¡ilrJktiíuxiniiii-xirim-teima¡ ar_- ¡iH! l~”t-Jf, l'-+~ MN El' ~ l 'l 'l . .ll ÚlÍliilÃBD-*liiwill *L* _ - ' ' rx-, uuri-iiioi-n-a-i-n: _= ' u, v , , , , _w " . - _f
  18. 18. FALANDO NISSO g Durante os últimos 17 anos da minha vida, dedico-me a ensinar Yoga para todo tipo de público e chamou-me muito a atenção o motivo de estar escrevendo essas linhas. Publicitários, artistas, escritores, arquitetos e estilistas sempre destacaram os efeitos positivos na reciclagem da energia e no aumento da criatividade em suas áreas de trabalho. E este assunto'está cada vez mais em pauta no momento. O fato ocorre justamente por um conjunto de causas. Primeiro, trabalhamos a respiração como sendo um dos pontos chaves para o desenvolvimento de todas as nossas técnicas. Essa atenção à respiração, por si só, já seria motivadora de inúmeros efeitos positivos na vida de qualquer individuo, mas nossa abordagem respiratória também abrange a área emocional e mental, o que potencializa ainda mais a aplicação dos respiratórios para os praticantes. Depois, percebemos que durante os exercícios de posturas baseados nos Asanas (posturas) do Yoga, ajudamos os praticantes a se livrar do sedentarismo, má postura e outros problemas relacionados à atividade profissional, normalmente sedentária. Aplicando a técnica do relaxamento, a assimilação dos efeitos positivos da prática ajuda a esvaziar um pouco a cabeça dos problemas e da agenda diária. Outras duas técnicas que também podem ser aplicadas são a meditação e os Mantras. Estes desenvolvem a musicalidade (ritmo, afinação) e contagiam com alegria e energia. A meditação, uma poderosa ferramenta do Yoga para o aperfeiçoamento humano, a cada dia ganha novos adeptos por seus poderosos efeitos na área mental e controle do stress, resultando em um impacto positivo no quesito criatividade. Você também pode reformular seus hábitos alimentares, corrigir sua postura, melhorar a flexibilidade e o alongamento de seus músculos e conseguir maior qualidade no sono e na lógica de raciocínio. ' . zoar msg¡ , llliillsliilA Íiri›iii1i: ii) ii a_ 'l'› iq; Todo este conjunto de causas acaba criando uma espécie de bolsa de proteção. Ou seja, durante uma ou duas horas por semana, nossos criativos (e às vezes cansados praticantes), reciclam suas forças, dando um tempo para as emoções e para a cabeça. Quem quiser conferir, pode buscar um tapetinho (pra praticar em cima), procurar um bom professor e, quem sabe, encontrar em uma simples respiração correta, as soluções para muitas ausências de criatividade. Hari Om a todos vocês. Carlos Silva, 41 anos, é professor de Yoga há i8 anos e proprietário da Covinda Centro de Yoga e Massoterapia. Para maiores informações, acesse wwwgovindaprdbr. ® ÊMBAlAGíÍllS FlASÍÍIlC-'AS lsiliA. ; à emmatagam. qua VEKBÉÊ Eau pt-máàssàü. BOBINAS PARA FAIXAS, SACOS, SACOLAS LISAS E IMPRESSAS EMBALAGENS FLEXIVEIS PARA TODOS OS FINS. (OEÍÉÍ 75a Liüâãsa L Llllàa BE C . à p B”, W' F 'Í : .11 ! ilha-n Rodovia BR 470, 6799 - Km 44 - Belchior Baixo GASPAR/ sc_ Fone (47) 339-0900 E-muil de contato: pumplustic@ierra. com. br
  19. 19. XEROX DOS GÊMEOS r . liJ. (.. '-¡. i'. i_. _'t-_'.7,-f- ¡lLLL/ _JI r . eu. _ou_ z 2 É; J ao o : j S; U2) agàqlllslõxçñfxlâ) estatais) Siiíliêlitiililildjêlel e iii-ÉS f; iíroriii : :iiii os Cartões de Vsita - Cartazes - Crachás ' Panfletos - Banners - Folders - Flyers impressões A4 e A3 -= = Laminações Materiais Gráficos em Geral Fone/ Fax: (47) 349-2552 Av. Ver. Abraão). Francisco, 960 (contorno Sul) - (entro - Itajaí - S( E-mail: topvnews@xerexdosgemeos. comb¡
  20. 20. Para nós. .. o Abaca í é só mais uma #um dos: TJmpressora L N xx L v gy rw; rw 1 r É Rua XV de Novembro1000 a t ~ í' r *f r» m , a_ Pomerode/ SC “ “ 4;; “ff '”'"”"° °°s'°°" sunmacooomoamaaun-c-«moaa

×