SlideShare uma empresa Scribd logo

O FUTURO DA ENERGIA REQUERIDO PARA O BRASIL.pdf

F
Faga1939

Este artigo tem por objetivo apresentar qual seria o futuro requerido para a produção e o consumo da energia no Brasil baseado na utilização das energias limpas e renováveis. Para evitar o futuro catastrófico que se prenuncia para a humanidade resultante do aquecimento global, torna-se um imperativo, entre outras medidas, reduzir as emissões globais de gases de efeito estufa com a substituição da atual matriz energética mundial baseada fundamentalmente em combustíveis fósseis (petróleo, carvão e gás natural) por outra matriz energética mundial estruturada com base nos recursos energéticos renováveis (hidroeletricidade, biomassa, energia solar, energia eólica e hidrogênio). No Brasil, o Ministério de Minas e Energia elaborou o Plano Nacional de Energia 2050 (PNE 2050) em 2020 que não adota medidas capazes de evitar a emissão de gases do efeito estufa tanto no setor elétrico como no setor petróleo.

1 de 8
Baixar para ler offline
1
O FUTURO DA ENERGIA REQUERIDO PARA O BRASIL
Fernando Alcoforado*
Este artigo tem por objetivo apresentar qual seria o futuro requerido para a produção e o
consumo da energia no Brasil baseado na utilização das energias limpas e renováveis. O
artigo O futuro da energia requerido para o mundo [1] informa que, “para evitar o futuro
catastrófico que se prenuncia para a humanidade resultante do aquecimento global, torna-
se um imperativo, entre outras medidas, reduzir as emissões globais de gases de efeito
estufa com a substituição da atual matriz energética mundial baseada fundamentalmente
em combustíveis fósseis (carvão, petróleo e gás natural) e em energia nuclear, por outra
matriz energética mundial estruturada com base nos recursos energéticos renováveis
(hidroeletricidade, biomassa, energia solar, energia eólica e hidrogênio) para evitar ou
minimizar o aquecimento global e, consequentemente, a ocorrência de mudanças
catastróficas no clima da Terra”. No Brasil, o Ministério de Minas e Energia elaborou o
Plano Nacional de Energia 2050 (PNE 2050) [2], publicado em 16 de dezembro de 2020,
com um conjunto de estudos, diretrizes e estratégias de longo prazo para o setor
energético brasileiro que não segue as diretrizes propostas no artigo acima citado tanto
para o setor elétrico como especialmente para o setor petróleo.
As principais fontes de energia consideradas pelo PNE 2050 como alternativas de
expansão do setor elétrico são hidrelétrica, biomassa, eólica, solar, gás natural, carvão
mineral e nuclear. Trata-se de um absurdo o PNE 2050 [2] considerar no plano de
expansão do setor elétrico a utilização do carvão mineral, do gás natural e da energia
nuclear, haja vista que o gás natural e o carvão mineral contribuem para a emissão de
gases do efeito estufa, a implantação de usinas nucleares implica em riscos que deviam
ser evitados e não considerar a utilização do hidrogênio verde como uma eficaz alternativa
a ser utilizada em substituição aos combustíveis fósseis. Trata-se, também, de um absurdo
considerar no plano de expansão do setor petróleo o aumento da produção e do consumo
do petróleo e seus derivados, quando o correto seria a redução da produção e do consumo
de derivados de petróleo com substituição nos transportes da gasolina pelo etanol e
hidrogênio verde, do óleo diesel pelo biodiesel e hidrogênio verde, e, na indústria, com a
substituição do óleo combustível pelo gás natural pelo fato de ser a fonte fóssil mais limpa
entre os combustíveis fósseis. Os derivados de petróleo deveriam ser utilizados para uso
mais nobres nas indústrias petroquímica e na química fina.
Segundo o PNE 2050 [2], as fontes renováveis participam com cerca de três quartos da
matriz elétrica. Para manter a elevada participação de fontes renováveis e as baixas
emissões no longo prazo, o aproveitamento hidrelétrico ainda representa um elemento
importante de ampliação de oferta de energia elétrica no sistema interligado nacional. O
Brasil tem potencial hidrelétrico de 174 GW, sendo 108 GW em operação e construção
até 2019 e 68 GW de potencial hidrelétrico inventariado. Segundo o PNE 2050 [2] neste
montante, estão incluídas as usinas hidrelétricas (UHEs) e os projetos hidrelétricos
menores de 30 MW que se encontravam com estudos de inventário concluídos e
aprovados pela ANEEL (Agência Nacional de Energia Elétrica). Além de um potencial
de 10 GW considerado, relativo a repotenciação, o montante de projetos de UHEs pode
ser ampliado por meio de integração energética com países da América do Sul: 10 GW
em projetos binacionais e 24 GW em outros projetos internacionais. Isso elevaria o
potencial total para 198 GW, aqui sem considerar os projetos menores de 30 MW, que
somam 22 GW.
2
Segundo o PNE 2050 [2], o potencial inventariado disponível das UHEs é relativamente
pequeno (52 GW). A fonte hidrelétrica reduzirá sua participação relativa na matriz
elétrica no horizonte até 2050. Em termos de capacidade instalada, a participação relativa
pode cair de 64% em 2015 para 31% em 2050, compensada por uma expansão de 15%
para 45% da participação relativa de outras fontes renováveis de energia (biomassa, eólica
e solar). No cenário “Desafio da Expansão”, a energia eólica poderá atingir de 110 a 195
GW em termos de capacidade instalada e entre 50 e 85 GW médios em termos de energia
em 2050, denotando sua crescente importância na matriz elétrica até 2050: em torno de
22% a 33% da capacidade instalada total ou de 27% a 40% em termos de energia total. A
capacidade instalada total de energia eólica em 2050 pode ainda superar 200 GW se
considerados casos especiais, com os projetos eólicos atingindo em torno de 209 GW e
246 GW, respectivamente, correspondendo a uma participação eólica entre 36% e 42%
da capacidade instalada total do sistema elétrico em 2050.
Segundo o PNE 2050 [2], o Brasil, por sua localização geográfica, recebe elevados
índices de incidência da radiação solar que permite desenvolver projetos solares viáveis
em diferentes regiões. Desta forma, de acordo com o PNE 2050, a fonte solar fotovoltaica
se apresenta como alternativa competitiva no fornecimento de energia, podendo
contribuir com os compromissos nacionais de redução de gases de efeito estufa. O País
conta com potencial de 307 GWp na faixa de irradiação 6000-6200 Wh/m2
.dia. O PNE
2050 prevê uma expansão significativa da fonte solar fotovoltaica por conta da
perspectiva de evolução de sua competitividade no horizonte de 2050. Na maior parte dos
casos, e levando em conta apenas a geração centralizada, a fonte solar fotovoltaica
atingirá entre 27 a 90 GW em termos de capacidade instalada e entre 8 a 26 GW médios
em termos de energia em 2050, assumindo em torno de 5% a 16% da capacidade instalada
total ou de 4% a 12% em termos de energia total em 2050. Tal expansão ocorrerá
predominantemente nas últimas décadas até 2050, quando esta fonte de energia
apresentará maior competitividade.
Segundo o PNE 2050 [2], a fonte solar deverá preencher a limitação na expansão das
UHEs em termos de capacidade instalada. A capacidade instalada total centralizada de
solar fotovoltaica em 2050 pode ser superior a 100 GW se ela for utilizada em substituição
à expansão da eólica ou quando a expansão da transmissão estiver limitada. Nesses dois
casos, a capacidade instalada referente aos projetos fotovoltaicos na geração centralizada
atingirá em torno de 95 GW e 190 GW, respectivamente. Tais valores correspondem a
uma participação da solar centralizada entre 18% e 30% da capacidade instalada total do
sistema em 2050. A geração distribuída, em que a fonte solar fotovoltaica representará
pouco mais de 85% da capacidade instalada até 2050, por conta da sua modularidade,
custo decrescente e difusão da tecnologia entre a sociedade, alcançaria entre 28 GW e 50
GW em 2050, o que representaria de 4% a 6% da carga total.
Segundo o PNE 2050 [2], na geração de energia elétrica, a geração térmica tem sido um
importante complemento à geração hidrelétrica desde o início da década de 2000. A
tendência de redução da participação hidrelétrica na geração e a entrada em operação de
usinas hidrelétricas a fio d’água com perfil fortemente sazonal, na Região Norte, criam
maior necessidade de geração por outras fontes de energia no período de seca,
complementando o requisito de energia do sistema. O PNE 2050 [2] informa que, com a
redução gradativa da participação relativa das hidrelétricas na matriz elétrica brasileira
substituída pela expansão de energias renováveis não controláveis, outros recursos, como
as termelétricas a gás natural, serão cada vez mais importantes para atendimentos dos
3
diversos requisitos do sistema elétrico. Trata-se de uma absurdo o PNE 2050 [2] manter
a política de utilização de termelétricas a gás natural em complementação à geração
hidrelétrica não levando em consideração a utilização do hidrogênio verde na produção
de eletricidade. A utilização de termelétricas a gás natural não seria recomendável não
apenas para evitar a emissão de gases do efeito estufa, mas também, para evitar o aumento
da tarifa de energia resultante do uso de usinas termelétricas. É importante ressaltar que
o hidrogênio verde poderia produzir energia firme e desta forma evitar o uso de
termelétricas a gás natural.
O próprio PNE 2050 [2] informa que, atualmente, o hidrogênio é aplicado como matéria
prima na síntese de diversos produtos e em processos industriais. O uso energético do
hidrogênio é conhecido há bastante tempo, pesquisas e desenvolvimento de tecnologias
de pilhas a combustível têm sido desenvolvidas com o objetivo de viabilizar a sua
utilização para a produção de eletricidade e no setor de transportes. Do mesmo modo que
a eletricidade, o hidrogênio pode ser considerado um modo eficiente de armazenar e
transportar energia. Entre as alternativas para produção de hidrogênio, a rota verde (de
eletrólise da água a partir de fontes renováveis de energia) é considerada como a de maior
relevância internacional e o Brasil é reconhecido mundialmente como um potencial
grande player nesse segmento, de acordo com o PNE 2050. Apesar destes argumentos, o
PNE 2050 não considerou o uso do hidrogênio verde na geração de eletricidade e na
substituição dos combustíveis fósseis como o carvão mineral, o petróleo e o gás natural.
O PNE 2050 [2] informa que o Brasil tem duas usinas nucleares (Angra I e Angra II) em
operação e uma em construção (Angra III), com previsão de início da operação comercial
em janeiro de 2026. Apesar dos condicionantes desafiadores para a geração termonuclear
no mundo e no Brasil, com incertezas sobre o aproveitamento de seu potencial, o PNE
2050 [2] considera que há também novas perspectivas para a energia nuclear associadas
a seu papel em um cenário com significativa restrição de carbono e alta participação de
fontes renováveis não despacháveis, bem como ao desenvolvimento de novos negócios
(inclusive no setor elétrico) e outras aplicações da tecnologia nuclear. O PNE 2050 [2]
analisou os efeitos no perfil da matriz elétrica de uma entrada mais significativa de usinas
termonucleares com a realização de simulações com a entrada de 8 GW e 10 GW no
horizonte do PNE 2050. É uma grande irracionalidade o PNE 2050 admitir a possibilidade
de utilização de usinas termonucleares de 8 GW e 10 GW no horizonte do PNE 2050 sob
o falso argumento de que se trata de energia limpa. Trata-se de um absurdo admitir o uso
de usinas nucleares desconsiderando os desastres que aconteceram em Tchernobil e em
Fukushima.
Trata-se de um absurdo o PNE 2050 [2] não considerar a adoção de estratégias voltadas
para a economia de energia com a implementação de medidas de incentivo à eficiência
energética na indústria, no transporte e nas edificações residenciais e comerciais nas
cidades e na zona rural. Trata-se, também, de um absurdo o PNE 2050 [2] não considerar
a adoção de medidas que evitem “apagões’ no sistema interligado nacional. A opinião de
muitos especialistas é a de que algo precisa ser feito no setor elétrico, a fim de torná-lo
mais seguro e menos suscetível ao “efeito dominó”. A opinião dominante entre os
especialistas é a de que as soluções consistem em descentralizar e diversificar o sistema,
além de aumentar a redundância do sistema de proteção porque está faltando um sistema
de proteção duplo. Outros países que conseguiram interligar eficientemente a rede
elétrica, como é caso da Espanha, possuem fontes descentralizadas de energia. Na
Espanha, se utiliza muita energia eólica, por exemplo. Existem mais de 10 mil fontes de
energia eólica espalhadas pela Espanha. Por isso, a vulnerabilidade do sistema diminui.
4
No Brasil, além das usinas eólicas, poderiam ser utilizadas usinas de energia solar
fotovoltaicas e o hidrogênio verde.
Quando o sistema elétrico é interligado em anel, como o brasileiro, há uma
interdependência muito grande das regiões. Assim, quando há alguma falha, ela pode ser
sentida em diversas outras regiões. Em sistemas interligados como o do Brasil, consegue-
se tirar o máximo proveito da capacidade de uma usina hidrelétrica. Esse é o lado bom.
Mas o lado ruim é que quando falha um sistema, dá uma sobrecarga em todos os outros,
provocando o “efeito dominó”. Assim, receber menores quantidades de energia de
diversas fontes de menor potência, ou seja, ao invés de construir obras grandes, como
Itaipu, que gera a maior parte da energia do País, e Belo Monte na Amazônia, o melhor,
mais seguro e mais eficaz seria fazer pequenas usinas que abastecem pouco, mas que,
somadas, totalizam muitos MW, completando a necessidade de consumo brasileira.
Para fazer frente a futuros “apagões”, o governo brasileiro deveria investir também na
construção de linhas e sistemas de produção redundantes, que funcionariam como uma
espécie de "reserva" ao sistema interligado existente, sobretudo em suas áreas mais
vulneráveis. Operar o SIN (Sistema Interligado Nacional) com o máximo de
confiabilidade ou segurança e ao menor custo é um desafio cada vez maior no Brasil. Sem
a adoção deste conjunto de soluções, estaremos ameaçados de sofrer novos “apagões”.
Cabe observar que a finalidade de todo sistema elétrico é gerar, transmitir e distribuir
energia elétrica para diversas aplicações. A garantia de fornecimento da energia elétrica
pode ser aumentada se o sistema elétrico for projetado prevendo eficiente e eficaz sistema
de proteção, inclusive com sua duplicação, que aumente sua confiabilidade no suprimento
de eletricidade, competente serviço de manutenção que minimize a ocorrência de falhas
em sua operação, circuitos alternativos para o suprimento da carga e capacidade de
reserva.
No que concerne ao sistema de proteção do sistema elétrico, o mesmo é constituído por
equipamentos de proteção que deve atuar somente na área que é para agir, isto é, devem
estar localizados em pontos convenientes da rede elétrica para garantir a minimização das
interrupções no fornecimento de energia. Os equipamentos de proteção devem ser
adequadamente coordenados entre si a fim de que cada um deles opere no tempo
programado. A propagação de um “apagão” pode acontecer se os equipamentos de
proteção não forem devidamente coordenados. Esta situação pode ter ocorrido nos
recentes “apagões” ocorridos no Brasil. Se o sistema de proteção do sistema elétrico no
Brasil fosse duplicado a chance de ocorrer “apagão” seria reduzida significativamente,
haja vista que se um equipamento de proteção falhar o outro seria acionado para evitar a
propagação do problema.
Medidas deveriam ser consideradas no PNE 2050 no que concerne ao serviço de
manutenção do sistema elétrico no enfrentamento de “apagões” como os que aconteceram
recentemente em São Paulo e outras regiões do Brasil. A deficiência na manutenção do
sistema elétrico foi determinante para a ocorrência dos apagões e para a duração bastante
elevada no restabelecimento do serviço. É oportuno observar que manutenção consiste no
conjunto de atividades e recursos aplicados aos sistemas e equipamentos, visando garantir
a continuidade de sua operação. Nesta definição, de grande abrangência, a manutenção é
caracterizada como um processo que deve iniciar antes da aquisição do equipamento ou
sistema e que tem como principal função o prolongamento de sua vida útil.
5
Cabe observar que existem cinco tipos diferentes de serviços de manutenção: Manutenção
Corretiva, Manutenção Preventiva, Manutenção Preditiva, Manutenção Produtiva Total
(MPT) e Manutenção Centrada na Confiabilidade (MCC). Segundo a Norma NBR 5462
(1994), manutenção corretiva tem por objetivo corrigir falhas em equipamentos,
componentes, módulos ou sistemas, visando restabelecer sua função. Este tipo de
manutenção, normalmente implica em custos altos para as empresas supridoras de energia
elétrica e para seus consumidores, especialmente indústrias, pois a falha inesperada pode
acarretar perdas de produção e queda no faturamento. As paralisações são quase sempre
mais demoradas e a insegurança exige estoques elevados de peças de reposição, com
acréscimos nos custos de manutenção.
Ao contrário da manutenção corretiva, a manutenção preventiva procura evitar e prevenir
antes que a falha efetivamente ocorra. A definição da NBR 5462(1994) para a
manutenção preventiva é a da “manutenção efetuada em intervalos predeterminados, ou
de acordo com critérios prescritivos, destinada a reduzir a probabilidade de falha ou a
degradação do funcionamento de um item”. Por sua vez, a manutenção preditiva pode ser
considerada como uma forma evoluída da manutenção preventiva. Com o
aperfeiçoamento da informática, tornou-se possível estabelecer previsão de diagnósticos
de falhas possíveis, através da análise de certos parâmetros dos sistemas produtivos.
Através do acompanhamento sistemático das variáveis que indicam o desempenho dos
equipamentos, define-se a necessidade e o momento da intervenção. A manutenção
preditiva exige grande volume de recursos iniciais, tanto humanos como materiais e mão
de obra muito qualificada e treinada.
A manutenção produtiva total (MPT) teve origem nos programas de qualidade total que
estimula a participação dos operadores no autogerenciamento do seu local de trabalho. O
objetivo principal dessas ações é o aumento da eficiência dos equipamentos, com redução
dos custos operacionais. A atuação não se dá apenas no reparo, mas também junto ao
operador e na gestão do equipamento, visando eliminar todas as perdas. A manutenção
centrada na confiabilidade (MCC) é uma nova metodologia aplicada em diversos setores
como submarinos nucleares, indústria elétrica, construção civil, indústria química,
siderurgia, etc. Na MCC, os objetivos da manutenção são definidos pelas funções e
padrões de desempenho requeridos para qualquer item no seu contexto operacional e sua
aplicação é um processo contínuo, devendo ser reavaliada na medida em que a
experiência operacional é acumulada.
Certamente, uma das causas de “apagões” no sistema elétrico brasileiro diz respeito a
problemas de manutenção, fato este que torna uma exigência a adoção da manutenção
preventiva, manutenção preditiva, manutenção produtiva total (MPT) ou a manutenção
centrada na confiabilidade (MCC) de acordo com o que está acima descrito. Além da
adoção de uma adequada manutenção para o sistema elétrico brasileiro, é imprescindível
a implantação de sistemas de suprimento de energia de emergência, com o uso de
termelétricas, usinas eólicas e a utilização do hidrogênio como fonte de eletricidade em
áreas críticas como aquelas onde se localizam parques industriais e grandes cidades que
seriam acionados com a ocorrência de “apagões” no sistema elétrico interligado do Brasil.
Este procedimento seria similar ao que se adota em hospitais em que os grupos geradores
de emergência suprem áreas críticas como UTI´s e centros cirúrgicos. Outra medida
imprescindível seria a duplicação de circuitos, sobretudo, as linhas tronco de transmissão
que alimentam as áreas críticas.
6
Segundo o PNE 2050 [2], o avanço da exploração de petróleo e gás natural além das 200
milhas náuticas, é considerada uma oportunidade de desenvolvimento do setor petrolífero
no País. Projeta-se que derivados de petróleo, como óleo diesel e querosene de aviação,
possuam demanda crescente até 2050. A expansão da oferta de derivados de petróleo e a
ampliação da infraestrutura de movimentação destes produtos para o atendimento da
demanda interna apresentam-se como desafios no longo prazo. Segundo o PNE 2050 [2],
a crescente preocupação com a mudança climática global e, principalmente, com a
poluição local, exige que as refinarias operem de forma cada vez mais eficiente do ponto
de vista energético e que seus produtos atendam a especificações mais rígidas quanto à
presença de contaminantes. Trata-se de um absurdo não considerar a redução progressiva
da produção e do consumo de derivados de petróleo no Brasil adotando medidas efetivas
como contribuição à redução da emissão dos gases do efeito estufa. Grande
irracionalidade do PNE 2050 [2] reside no fato de considerar a expansão da oferta de
derivados de petróleo e a ampliação da infraestrutura de movimentação destes produtos
para o atendimento da crescente demanda interna comprometendo o combate à mudança
climática global. O PNE 2050 [2] propõe apenas melhoria na eficiência das refinarias
para combater a poluição. É preciso fazer com que a Petrobras deixe de ser um dos vilões
do meio ambiente para se transformar em seu defensor.
Trata-se de um absurdo o PNE 2050 [2] não considerar a adoção de medidas que façam
com que a Petrobras mude sua missão de produzir petróleo e seus derivados e gás natural
para a de produzir energia limpa e renovável como solar, eólica e hidrogênio verde. Esta
ação é absolutamente necessária haja vista que as reservas de petróleo atualmente
comprovadas devem durar pelo menos mais 50 anos. Enquanto várias grandes petrolíferas
do mundo têm investido em energias renováveis e algumas já começam a cortar
gradualmente sua produção de petróleo, a Petrobras planeja ampliar em 45% sua
produção de óleo até 2026. O fato é que, se a decisão de priorizar o petróleo tem se
mostrado rentável num cenário em que a demanda global pelo combustível ainda é alta,
no futuro, a estratégia pode custar caro não só à Petrobras mas também ao Brasil, que
corre o risco de ver sua maior empresa definhar num planeta cada vez menos dependente
de combustíveis fósseis porque há um consenso entre cientistas de que, para frear o ritmo
do aquecimento global, a humanidade precisa nos próximos anos reduzir drasticamente o
uso de combustíveis fósseis, como petróleo e carvão.
Ao invés de reduzir a produção de petróleo e gás natural no Brasil, a Petrobras anunciou
em seu plano quinquenal, divulgado em 2021, que pretende inaugurar 15 novas
plataformas de petróleo até 2026, quando espera aumentar sua produção dos atuais 2,2
milhões de barris por dia para 3,2 milhões com uma alta de 45% [3]. Hoje a Petrobras é
a quarta maior produtora de petróleo do mundo. As três primeiras são a saudita Saudi
Aramco (9,2 milhões de barris/dia), a russa Rosneft (4,1 milhões de barris/dia) e a chinesa
PetroChina (2,5 milhões de barris/dia). Boa parte do aumento da produção da Petrobras
se dará em poços na região do pré-sal, que já responde por 70% do óleo extraído pela
companhia e abriga a maior parte das reservas ainda não exploradas no Brasil. Esta
política de produção de petróleo e gás natural da Petrobras não colabora com o combate
ao aquecimento global e a consequente mudança climática global que tende a ser
catastrófica.
Pelo exposto, o Plano Nacional de Energia do Brasil (PNE 2050) merece aplausos por
incrementar a utilização das fontes renováveis de energia (hidrelétrica, biomassa, eólica
e solar) na matriz energética do País e é reprovável por considerar no plano de expansão
do setor elétrico a utilização do carvão mineral, do gás natural e da energia nuclear, haja
Anúncio

Recomendados

COMO O GOVERNO DO BRASIL PODERÁ TORNAR SUSTENTÁVEL O SETOR DE ENERGIA.pdf
COMO O GOVERNO DO BRASIL PODERÁ TORNAR SUSTENTÁVEL O SETOR DE ENERGIA.pdfCOMO O GOVERNO DO BRASIL PODERÁ TORNAR SUSTENTÁVEL O SETOR DE ENERGIA.pdf
COMO O GOVERNO DO BRASIL PODERÁ TORNAR SUSTENTÁVEL O SETOR DE ENERGIA.pdfFaga1939
 
Novas fontes de energia e eficiência energética para evitar a catastrófica mu...
Novas fontes de energia e eficiência energética para evitar a catastrófica mu...Novas fontes de energia e eficiência energética para evitar a catastrófica mu...
Novas fontes de energia e eficiência energética para evitar a catastrófica mu...Fernando Alcoforado
 
Definição do programa nuclear brasileiro
Definição do programa nuclear brasileiroDefinição do programa nuclear brasileiro
Definição do programa nuclear brasileiroLeonam Guimarães
 
A ameaça de racionamento de energia elétrica é mais um caso de incompetência ...
A ameaça de racionamento de energia elétrica é mais um caso de incompetência ...A ameaça de racionamento de energia elétrica é mais um caso de incompetência ...
A ameaça de racionamento de energia elétrica é mais um caso de incompetência ...Fernando Alcoforado
 
Crise Financeira, Energia E Sustentabilidade No Brasil
Crise Financeira, Energia E Sustentabilidade No BrasilCrise Financeira, Energia E Sustentabilidade No Brasil
Crise Financeira, Energia E Sustentabilidade No BrasilProjetoBr
 
G7 energia eólica (trabalho de fisica)
G7   energia eólica (trabalho de fisica)G7   energia eólica (trabalho de fisica)
G7 energia eólica (trabalho de fisica)cristbarb
 
Energia eólica - Cenário e perspectivas no Brasil
Energia eólica - Cenário e perspectivas no BrasilEnergia eólica - Cenário e perspectivas no Brasil
Energia eólica - Cenário e perspectivas no Brasilmonica silva
 

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a O FUTURO DA ENERGIA REQUERIDO PARA O BRASIL.pdf

A insustentabilidade do modelo energético do brasil
A insustentabilidade do modelo energético do brasilA insustentabilidade do modelo energético do brasil
A insustentabilidade do modelo energético do brasilFernando Alcoforado
 
O desafio da transição hidrotérmica
O desafio da transição hidrotérmicaO desafio da transição hidrotérmica
O desafio da transição hidrotérmicaLeonam Guimarães
 
1º AVS Ciências 8ºAno 2022 - 1º CHAMADA.docx
1º AVS Ciências 8ºAno 2022 - 1º CHAMADA.docx1º AVS Ciências 8ºAno 2022 - 1º CHAMADA.docx
1º AVS Ciências 8ºAno 2022 - 1º CHAMADA.docxFilipe Martins
 
Energiae meioambientenobrasil
Energiae meioambientenobrasilEnergiae meioambientenobrasil
Energiae meioambientenobrasillucimurilo
 
Cenários da produção e consumo de energia no mundo, no brasil e na bahiua no ...
Cenários da produção e consumo de energia no mundo, no brasil e na bahiua no ...Cenários da produção e consumo de energia no mundo, no brasil e na bahiua no ...
Cenários da produção e consumo de energia no mundo, no brasil e na bahiua no ...Fernando Alcoforado
 
O aproveitamento de calor residual nos estádios da copa 2014
O aproveitamento de calor residual nos estádios da copa 2014O aproveitamento de calor residual nos estádios da copa 2014
O aproveitamento de calor residual nos estádios da copa 2014Marcos
 
THE CHALLENGE OF HYDROTHERMAL TRANSITION IN BRAZIL
THE CHALLENGE OF HYDROTHERMAL TRANSITION IN BRAZILTHE CHALLENGE OF HYDROTHERMAL TRANSITION IN BRAZIL
THE CHALLENGE OF HYDROTHERMAL TRANSITION IN BRAZILLeonam Guimarães
 
Desafios e oportunidades para as energias renováveis no Brasil - Wilson Ferreira
Desafios e oportunidades para as energias renováveis no Brasil - Wilson FerreiraDesafios e oportunidades para as energias renováveis no Brasil - Wilson Ferreira
Desafios e oportunidades para as energias renováveis no Brasil - Wilson FerreiraFundação Fernando Henrique Cardoso
 
PLANETA SUSTENTÁVEL - ENERGIA EÓLICA
PLANETA SUSTENTÁVEL - ENERGIA EÓLICAPLANETA SUSTENTÁVEL - ENERGIA EÓLICA
PLANETA SUSTENTÁVEL - ENERGIA EÓLICAJoao Paulo Baldaia
 
A política energética sustentável requerida para o brasil
A política energética sustentável requerida para o brasilA política energética sustentável requerida para o brasil
A política energética sustentável requerida para o brasilFernando Alcoforado
 
Energia solar (artigo)
Energia solar (artigo)Energia solar (artigo)
Energia solar (artigo)martins-vini
 
Aula 19 fontes de energia no brasil
Aula 19   fontes de energia no brasilAula 19   fontes de energia no brasil
Aula 19 fontes de energia no brasilJonatas Carlos
 
FONTES DE ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL.pdf
FONTES DE ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL.pdfFONTES DE ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL.pdf
FONTES DE ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL.pdfKeyllaSimo
 
LATEC - UFF. O PAPEL DO ESTADO NA CONSTRUÇÃO DE UMA ECONOMIA DE BAIXO CARBONO.
LATEC - UFF. O PAPEL DO ESTADO NA CONSTRUÇÃO DE UMA ECONOMIA DE BAIXO CARBONO.LATEC - UFF. O PAPEL DO ESTADO NA CONSTRUÇÃO DE UMA ECONOMIA DE BAIXO CARBONO.
LATEC - UFF. O PAPEL DO ESTADO NA CONSTRUÇÃO DE UMA ECONOMIA DE BAIXO CARBONO.LATEC - UFF
 

Semelhante a O FUTURO DA ENERGIA REQUERIDO PARA O BRASIL.pdf (20)

Energias renováveis 3 A
Energias renováveis  3 AEnergias renováveis  3 A
Energias renováveis 3 A
 
Plano decenal de expansão de energia – PDE 2020
Plano decenal de expansão de energia – PDE 2020Plano decenal de expansão de energia – PDE 2020
Plano decenal de expansão de energia – PDE 2020
 
A insustentabilidade do modelo energético do brasil
A insustentabilidade do modelo energético do brasilA insustentabilidade do modelo energético do brasil
A insustentabilidade do modelo energético do brasil
 
O desafio da transição hidrotérmica
O desafio da transição hidrotérmicaO desafio da transição hidrotérmica
O desafio da transição hidrotérmica
 
1º AVS Ciências 8ºAno 2022 - 1º CHAMADA.docx
1º AVS Ciências 8ºAno 2022 - 1º CHAMADA.docx1º AVS Ciências 8ºAno 2022 - 1º CHAMADA.docx
1º AVS Ciências 8ºAno 2022 - 1º CHAMADA.docx
 
Energiae meioambientenobrasil
Energiae meioambientenobrasilEnergiae meioambientenobrasil
Energiae meioambientenobrasil
 
Energia eólica
Energia eólicaEnergia eólica
Energia eólica
 
Cenários da produção e consumo de energia no mundo, no brasil e na bahiua no ...
Cenários da produção e consumo de energia no mundo, no brasil e na bahiua no ...Cenários da produção e consumo de energia no mundo, no brasil e na bahiua no ...
Cenários da produção e consumo de energia no mundo, no brasil e na bahiua no ...
 
O aproveitamento de calor residual nos estádios da copa 2014
O aproveitamento de calor residual nos estádios da copa 2014O aproveitamento de calor residual nos estádios da copa 2014
O aproveitamento de calor residual nos estádios da copa 2014
 
THE CHALLENGE OF HYDROTHERMAL TRANSITION IN BRAZIL
THE CHALLENGE OF HYDROTHERMAL TRANSITION IN BRAZILTHE CHALLENGE OF HYDROTHERMAL TRANSITION IN BRAZIL
THE CHALLENGE OF HYDROTHERMAL TRANSITION IN BRAZIL
 
Desafios e oportunidades para as energias renováveis no Brasil - Wilson Ferreira
Desafios e oportunidades para as energias renováveis no Brasil - Wilson FerreiraDesafios e oportunidades para as energias renováveis no Brasil - Wilson Ferreira
Desafios e oportunidades para as energias renováveis no Brasil - Wilson Ferreira
 
PLANETA SUSTENTÁVEL - ENERGIA EÓLICA
PLANETA SUSTENTÁVEL - ENERGIA EÓLICAPLANETA SUSTENTÁVEL - ENERGIA EÓLICA
PLANETA SUSTENTÁVEL - ENERGIA EÓLICA
 
Artigo final
Artigo finalArtigo final
Artigo final
 
A política energética sustentável requerida para o brasil
A política energética sustentável requerida para o brasilA política energética sustentável requerida para o brasil
A política energética sustentável requerida para o brasil
 
Energia solar (artigo)
Energia solar (artigo)Energia solar (artigo)
Energia solar (artigo)
 
Fontes de energia1111
Fontes de energia1111Fontes de energia1111
Fontes de energia1111
 
Aula 19 fontes de energia no brasil
Aula 19   fontes de energia no brasilAula 19   fontes de energia no brasil
Aula 19 fontes de energia no brasil
 
FONTES DE ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL.pdf
FONTES DE ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL.pdfFONTES DE ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL.pdf
FONTES DE ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL.pdf
 
LATEC - UFF. O PAPEL DO ESTADO NA CONSTRUÇÃO DE UMA ECONOMIA DE BAIXO CARBONO.
LATEC - UFF. O PAPEL DO ESTADO NA CONSTRUÇÃO DE UMA ECONOMIA DE BAIXO CARBONO.LATEC - UFF. O PAPEL DO ESTADO NA CONSTRUÇÃO DE UMA ECONOMIA DE BAIXO CARBONO.
LATEC - UFF. O PAPEL DO ESTADO NA CONSTRUÇÃO DE UMA ECONOMIA DE BAIXO CARBONO.
 
Biomassa brasil
Biomassa brasilBiomassa brasil
Biomassa brasil
 

Mais de Faga1939

AS AMEAÇAS DE EXTINÇÃO DA HUMANIDADE PROVOCADAS PELO PLANETA TERRA, COMO LIDA...
AS AMEAÇAS DE EXTINÇÃO DA HUMANIDADE PROVOCADAS PELO PLANETA TERRA, COMO LIDA...AS AMEAÇAS DE EXTINÇÃO DA HUMANIDADE PROVOCADAS PELO PLANETA TERRA, COMO LIDA...
AS AMEAÇAS DE EXTINÇÃO DA HUMANIDADE PROVOCADAS PELO PLANETA TERRA, COMO LIDA...Faga1939
 
PALESTRA SOBRE A REVOLUÇÃO DA EDUCAÇÃO NECESSÁRIA AO BRASIL NA ERA CONTEMPORÂ...
PALESTRA SOBRE A REVOLUÇÃO DA EDUCAÇÃO NECESSÁRIA AO BRASIL NA ERA CONTEMPORÂ...PALESTRA SOBRE A REVOLUÇÃO DA EDUCAÇÃO NECESSÁRIA AO BRASIL NA ERA CONTEMPORÂ...
PALESTRA SOBRE A REVOLUÇÃO DA EDUCAÇÃO NECESSÁRIA AO BRASIL NA ERA CONTEMPORÂ...Faga1939
 
LES MENACES D'EXTINCTION DE L'HUMANITÉ PAR LES ÊTRES HUMAINS EUX-MÊMES ET COM...
LES MENACES D'EXTINCTION DE L'HUMANITÉ PAR LES ÊTRES HUMAINS EUX-MÊMES ET COM...LES MENACES D'EXTINCTION DE L'HUMANITÉ PAR LES ÊTRES HUMAINS EUX-MÊMES ET COM...
LES MENACES D'EXTINCTION DE L'HUMANITÉ PAR LES ÊTRES HUMAINS EUX-MÊMES ET COM...Faga1939
 
LES AVANCÉES TECHNOLOGIQUES DU FUTUR ONT DÉJÀ RÉALITÉES DANS LES TRANSPORTS T...
LES AVANCÉES TECHNOLOGIQUES DU FUTUR ONT DÉJÀ RÉALITÉES DANS LES TRANSPORTS T...LES AVANCÉES TECHNOLOGIQUES DU FUTUR ONT DÉJÀ RÉALITÉES DANS LES TRANSPORTS T...
LES AVANCÉES TECHNOLOGIQUES DU FUTUR ONT DÉJÀ RÉALITÉES DANS LES TRANSPORTS T...Faga1939
 
TECHNOLOGICAL ADVANCES OF THE FUTURE ALREADY ACHIEVED IN LAND, WATERWAY, AIR ...
TECHNOLOGICAL ADVANCES OF THE FUTURE ALREADY ACHIEVED IN LAND, WATERWAY, AIR ...TECHNOLOGICAL ADVANCES OF THE FUTURE ALREADY ACHIEVED IN LAND, WATERWAY, AIR ...
TECHNOLOGICAL ADVANCES OF THE FUTURE ALREADY ACHIEVED IN LAND, WATERWAY, AIR ...Faga1939
 
OS AVANÇOS TECNOLÓGICOS DO FUTURO JÁ ALCANÇADOS NOS MEIOS DE TRANSPORTE TERRE...
OS AVANÇOS TECNOLÓGICOS DO FUTURO JÁ ALCANÇADOS NOS MEIOS DE TRANSPORTE TERRE...OS AVANÇOS TECNOLÓGICOS DO FUTURO JÁ ALCANÇADOS NOS MEIOS DE TRANSPORTE TERRE...
OS AVANÇOS TECNOLÓGICOS DO FUTURO JÁ ALCANÇADOS NOS MEIOS DE TRANSPORTE TERRE...Faga1939
 
LA GUERRE FROIDE ENTRE LES ÉTATS-UNIS ET LA CHINE ET LES RISQUES DE DECHAINEM...
LA GUERRE FROIDE ENTRE LES ÉTATS-UNIS ET LA CHINE ET LES RISQUES DE DECHAINEM...LA GUERRE FROIDE ENTRE LES ÉTATS-UNIS ET LA CHINE ET LES RISQUES DE DECHAINEM...
LA GUERRE FROIDE ENTRE LES ÉTATS-UNIS ET LA CHINE ET LES RISQUES DE DECHAINEM...Faga1939
 
THE COLD WAR BETWEEN THE UNITED STATES AND CHINA AND THE RISKS OF UNLEASHING ...
THE COLD WAR BETWEEN THE UNITED STATES AND CHINA AND THE RISKS OF UNLEASHING ...THE COLD WAR BETWEEN THE UNITED STATES AND CHINA AND THE RISKS OF UNLEASHING ...
THE COLD WAR BETWEEN THE UNITED STATES AND CHINA AND THE RISKS OF UNLEASHING ...Faga1939
 
A GUERRA FRIA ENTRE ESTADOS UNIDOS E CHINA E OS RISCOS DE ECLOSÃO DA 3ª GUERR...
A GUERRA FRIA ENTRE ESTADOS UNIDOS E CHINA E OS RISCOS DE ECLOSÃO DA 3ª GUERR...A GUERRA FRIA ENTRE ESTADOS UNIDOS E CHINA E OS RISCOS DE ECLOSÃO DA 3ª GUERR...
A GUERRA FRIA ENTRE ESTADOS UNIDOS E CHINA E OS RISCOS DE ECLOSÃO DA 3ª GUERR...Faga1939
 
L'ASTRONOMIE, LE TÉLESCOPE RÉVOLUTIONNAIRE JAMES WEBB ET L'AVANCEMENT DES CON...
L'ASTRONOMIE, LE TÉLESCOPE RÉVOLUTIONNAIRE JAMES WEBB ET L'AVANCEMENT DES CON...L'ASTRONOMIE, LE TÉLESCOPE RÉVOLUTIONNAIRE JAMES WEBB ET L'AVANCEMENT DES CON...
L'ASTRONOMIE, LE TÉLESCOPE RÉVOLUTIONNAIRE JAMES WEBB ET L'AVANCEMENT DES CON...Faga1939
 
A ASTRONOMIA, O REVOLUCIONÁRIO TELESCÓPIO JAMES WEBB E O AVANÇO DO CONHECIMEN...
A ASTRONOMIA, O REVOLUCIONÁRIO TELESCÓPIO JAMES WEBB E O AVANÇO DO CONHECIMEN...A ASTRONOMIA, O REVOLUCIONÁRIO TELESCÓPIO JAMES WEBB E O AVANÇO DO CONHECIMEN...
A ASTRONOMIA, O REVOLUCIONÁRIO TELESCÓPIO JAMES WEBB E O AVANÇO DO CONHECIMEN...Faga1939
 
L’AVENIR DES MOYENS DE TRANSPORT TERRESTRES, PAR EAU, AÉRIENS ET SPATIAUX.pdf
L’AVENIR DES MOYENS DE TRANSPORT TERRESTRES, PAR EAU, AÉRIENS ET SPATIAUX.pdfL’AVENIR DES MOYENS DE TRANSPORT TERRESTRES, PAR EAU, AÉRIENS ET SPATIAUX.pdf
L’AVENIR DES MOYENS DE TRANSPORT TERRESTRES, PAR EAU, AÉRIENS ET SPATIAUX.pdfFaga1939
 
THE FUTURE OF LAND, WATERWAY, AIR AND SPACE TRANSPORTATION MEANS.pdf
THE FUTURE OF LAND, WATERWAY, AIR AND SPACE TRANSPORTATION MEANS.pdfTHE FUTURE OF LAND, WATERWAY, AIR AND SPACE TRANSPORTATION MEANS.pdf
THE FUTURE OF LAND, WATERWAY, AIR AND SPACE TRANSPORTATION MEANS.pdfFaga1939
 
O FUTURO DOS MEIOS DE TRANSPORTE TERRESTRE, HIDROVIÁRIO, AÉREO E ESPACIAL.pdf
O FUTURO DOS MEIOS DE TRANSPORTE TERRESTRE, HIDROVIÁRIO, AÉREO E ESPACIAL.pdfO FUTURO DOS MEIOS DE TRANSPORTE TERRESTRE, HIDROVIÁRIO, AÉREO E ESPACIAL.pdf
O FUTURO DOS MEIOS DE TRANSPORTE TERRESTRE, HIDROVIÁRIO, AÉREO E ESPACIAL.pdfFaga1939
 
COMMENT FAIRE FACE AUX ÉVÉNEMENTS MÉTÉOROLOGIQUES EXTRÊMES DANS LES VILLES BR...
COMMENT FAIRE FACE AUX ÉVÉNEMENTS MÉTÉOROLOGIQUES EXTRÊMES DANS LES VILLES BR...COMMENT FAIRE FACE AUX ÉVÉNEMENTS MÉTÉOROLOGIQUES EXTRÊMES DANS LES VILLES BR...
COMMENT FAIRE FACE AUX ÉVÉNEMENTS MÉTÉOROLOGIQUES EXTRÊMES DANS LES VILLES BR...Faga1939
 
HOW TO COPE WITH EXTREME WEATHER EVENTS IN BRAZILIAN CITIES.pdf
HOW TO COPE WITH EXTREME WEATHER EVENTS IN BRAZILIAN CITIES.pdfHOW TO COPE WITH EXTREME WEATHER EVENTS IN BRAZILIAN CITIES.pdf
HOW TO COPE WITH EXTREME WEATHER EVENTS IN BRAZILIAN CITIES.pdfFaga1939
 
COMO ENFRENTAR EVENTOS CLIMÁTICOS EXTREMOS NAS CIDADES DO BRASIL .pdf
COMO ENFRENTAR EVENTOS CLIMÁTICOS EXTREMOS NAS CIDADES DO BRASIL .pdfCOMO ENFRENTAR EVENTOS CLIMÁTICOS EXTREMOS NAS CIDADES DO BRASIL .pdf
COMO ENFRENTAR EVENTOS CLIMÁTICOS EXTREMOS NAS CIDADES DO BRASIL .pdfFaga1939
 
COMMENT ÉVITER LA RÉPÉTITION DE NOUVELLES TENTATIVES DE COUP D'ÉTAT AU BRÉSIL...
COMMENT ÉVITER LA RÉPÉTITION DE NOUVELLES TENTATIVES DE COUP D'ÉTAT AU BRÉSIL...COMMENT ÉVITER LA RÉPÉTITION DE NOUVELLES TENTATIVES DE COUP D'ÉTAT AU BRÉSIL...
COMMENT ÉVITER LA RÉPÉTITION DE NOUVELLES TENTATIVES DE COUP D'ÉTAT AU BRÉSIL...Faga1939
 
1º DE JANEIRO - DIA DA CONFRATERNIZAÇÃO UNIVERSAL E DA PAZ MUNDIAL.pdf
1º DE JANEIRO - DIA DA CONFRATERNIZAÇÃO UNIVERSAL E DA PAZ MUNDIAL.pdf1º DE JANEIRO - DIA DA CONFRATERNIZAÇÃO UNIVERSAL E DA PAZ MUNDIAL.pdf
1º DE JANEIRO - DIA DA CONFRATERNIZAÇÃO UNIVERSAL E DA PAZ MUNDIAL.pdfFaga1939
 
1er JANVIER – JOURNÉE DE LA CONFRATERNISATION UNIVERSELLE ET DE LA PAIX MONDI...
1er JANVIER – JOURNÉE DE LA CONFRATERNISATION UNIVERSELLE ET DE LA PAIX MONDI...1er JANVIER – JOURNÉE DE LA CONFRATERNISATION UNIVERSELLE ET DE LA PAIX MONDI...
1er JANVIER – JOURNÉE DE LA CONFRATERNISATION UNIVERSELLE ET DE LA PAIX MONDI...Faga1939
 

Mais de Faga1939 (20)

AS AMEAÇAS DE EXTINÇÃO DA HUMANIDADE PROVOCADAS PELO PLANETA TERRA, COMO LIDA...
AS AMEAÇAS DE EXTINÇÃO DA HUMANIDADE PROVOCADAS PELO PLANETA TERRA, COMO LIDA...AS AMEAÇAS DE EXTINÇÃO DA HUMANIDADE PROVOCADAS PELO PLANETA TERRA, COMO LIDA...
AS AMEAÇAS DE EXTINÇÃO DA HUMANIDADE PROVOCADAS PELO PLANETA TERRA, COMO LIDA...
 
PALESTRA SOBRE A REVOLUÇÃO DA EDUCAÇÃO NECESSÁRIA AO BRASIL NA ERA CONTEMPORÂ...
PALESTRA SOBRE A REVOLUÇÃO DA EDUCAÇÃO NECESSÁRIA AO BRASIL NA ERA CONTEMPORÂ...PALESTRA SOBRE A REVOLUÇÃO DA EDUCAÇÃO NECESSÁRIA AO BRASIL NA ERA CONTEMPORÂ...
PALESTRA SOBRE A REVOLUÇÃO DA EDUCAÇÃO NECESSÁRIA AO BRASIL NA ERA CONTEMPORÂ...
 
LES MENACES D'EXTINCTION DE L'HUMANITÉ PAR LES ÊTRES HUMAINS EUX-MÊMES ET COM...
LES MENACES D'EXTINCTION DE L'HUMANITÉ PAR LES ÊTRES HUMAINS EUX-MÊMES ET COM...LES MENACES D'EXTINCTION DE L'HUMANITÉ PAR LES ÊTRES HUMAINS EUX-MÊMES ET COM...
LES MENACES D'EXTINCTION DE L'HUMANITÉ PAR LES ÊTRES HUMAINS EUX-MÊMES ET COM...
 
LES AVANCÉES TECHNOLOGIQUES DU FUTUR ONT DÉJÀ RÉALITÉES DANS LES TRANSPORTS T...
LES AVANCÉES TECHNOLOGIQUES DU FUTUR ONT DÉJÀ RÉALITÉES DANS LES TRANSPORTS T...LES AVANCÉES TECHNOLOGIQUES DU FUTUR ONT DÉJÀ RÉALITÉES DANS LES TRANSPORTS T...
LES AVANCÉES TECHNOLOGIQUES DU FUTUR ONT DÉJÀ RÉALITÉES DANS LES TRANSPORTS T...
 
TECHNOLOGICAL ADVANCES OF THE FUTURE ALREADY ACHIEVED IN LAND, WATERWAY, AIR ...
TECHNOLOGICAL ADVANCES OF THE FUTURE ALREADY ACHIEVED IN LAND, WATERWAY, AIR ...TECHNOLOGICAL ADVANCES OF THE FUTURE ALREADY ACHIEVED IN LAND, WATERWAY, AIR ...
TECHNOLOGICAL ADVANCES OF THE FUTURE ALREADY ACHIEVED IN LAND, WATERWAY, AIR ...
 
OS AVANÇOS TECNOLÓGICOS DO FUTURO JÁ ALCANÇADOS NOS MEIOS DE TRANSPORTE TERRE...
OS AVANÇOS TECNOLÓGICOS DO FUTURO JÁ ALCANÇADOS NOS MEIOS DE TRANSPORTE TERRE...OS AVANÇOS TECNOLÓGICOS DO FUTURO JÁ ALCANÇADOS NOS MEIOS DE TRANSPORTE TERRE...
OS AVANÇOS TECNOLÓGICOS DO FUTURO JÁ ALCANÇADOS NOS MEIOS DE TRANSPORTE TERRE...
 
LA GUERRE FROIDE ENTRE LES ÉTATS-UNIS ET LA CHINE ET LES RISQUES DE DECHAINEM...
LA GUERRE FROIDE ENTRE LES ÉTATS-UNIS ET LA CHINE ET LES RISQUES DE DECHAINEM...LA GUERRE FROIDE ENTRE LES ÉTATS-UNIS ET LA CHINE ET LES RISQUES DE DECHAINEM...
LA GUERRE FROIDE ENTRE LES ÉTATS-UNIS ET LA CHINE ET LES RISQUES DE DECHAINEM...
 
THE COLD WAR BETWEEN THE UNITED STATES AND CHINA AND THE RISKS OF UNLEASHING ...
THE COLD WAR BETWEEN THE UNITED STATES AND CHINA AND THE RISKS OF UNLEASHING ...THE COLD WAR BETWEEN THE UNITED STATES AND CHINA AND THE RISKS OF UNLEASHING ...
THE COLD WAR BETWEEN THE UNITED STATES AND CHINA AND THE RISKS OF UNLEASHING ...
 
A GUERRA FRIA ENTRE ESTADOS UNIDOS E CHINA E OS RISCOS DE ECLOSÃO DA 3ª GUERR...
A GUERRA FRIA ENTRE ESTADOS UNIDOS E CHINA E OS RISCOS DE ECLOSÃO DA 3ª GUERR...A GUERRA FRIA ENTRE ESTADOS UNIDOS E CHINA E OS RISCOS DE ECLOSÃO DA 3ª GUERR...
A GUERRA FRIA ENTRE ESTADOS UNIDOS E CHINA E OS RISCOS DE ECLOSÃO DA 3ª GUERR...
 
L'ASTRONOMIE, LE TÉLESCOPE RÉVOLUTIONNAIRE JAMES WEBB ET L'AVANCEMENT DES CON...
L'ASTRONOMIE, LE TÉLESCOPE RÉVOLUTIONNAIRE JAMES WEBB ET L'AVANCEMENT DES CON...L'ASTRONOMIE, LE TÉLESCOPE RÉVOLUTIONNAIRE JAMES WEBB ET L'AVANCEMENT DES CON...
L'ASTRONOMIE, LE TÉLESCOPE RÉVOLUTIONNAIRE JAMES WEBB ET L'AVANCEMENT DES CON...
 
A ASTRONOMIA, O REVOLUCIONÁRIO TELESCÓPIO JAMES WEBB E O AVANÇO DO CONHECIMEN...
A ASTRONOMIA, O REVOLUCIONÁRIO TELESCÓPIO JAMES WEBB E O AVANÇO DO CONHECIMEN...A ASTRONOMIA, O REVOLUCIONÁRIO TELESCÓPIO JAMES WEBB E O AVANÇO DO CONHECIMEN...
A ASTRONOMIA, O REVOLUCIONÁRIO TELESCÓPIO JAMES WEBB E O AVANÇO DO CONHECIMEN...
 
L’AVENIR DES MOYENS DE TRANSPORT TERRESTRES, PAR EAU, AÉRIENS ET SPATIAUX.pdf
L’AVENIR DES MOYENS DE TRANSPORT TERRESTRES, PAR EAU, AÉRIENS ET SPATIAUX.pdfL’AVENIR DES MOYENS DE TRANSPORT TERRESTRES, PAR EAU, AÉRIENS ET SPATIAUX.pdf
L’AVENIR DES MOYENS DE TRANSPORT TERRESTRES, PAR EAU, AÉRIENS ET SPATIAUX.pdf
 
THE FUTURE OF LAND, WATERWAY, AIR AND SPACE TRANSPORTATION MEANS.pdf
THE FUTURE OF LAND, WATERWAY, AIR AND SPACE TRANSPORTATION MEANS.pdfTHE FUTURE OF LAND, WATERWAY, AIR AND SPACE TRANSPORTATION MEANS.pdf
THE FUTURE OF LAND, WATERWAY, AIR AND SPACE TRANSPORTATION MEANS.pdf
 
O FUTURO DOS MEIOS DE TRANSPORTE TERRESTRE, HIDROVIÁRIO, AÉREO E ESPACIAL.pdf
O FUTURO DOS MEIOS DE TRANSPORTE TERRESTRE, HIDROVIÁRIO, AÉREO E ESPACIAL.pdfO FUTURO DOS MEIOS DE TRANSPORTE TERRESTRE, HIDROVIÁRIO, AÉREO E ESPACIAL.pdf
O FUTURO DOS MEIOS DE TRANSPORTE TERRESTRE, HIDROVIÁRIO, AÉREO E ESPACIAL.pdf
 
COMMENT FAIRE FACE AUX ÉVÉNEMENTS MÉTÉOROLOGIQUES EXTRÊMES DANS LES VILLES BR...
COMMENT FAIRE FACE AUX ÉVÉNEMENTS MÉTÉOROLOGIQUES EXTRÊMES DANS LES VILLES BR...COMMENT FAIRE FACE AUX ÉVÉNEMENTS MÉTÉOROLOGIQUES EXTRÊMES DANS LES VILLES BR...
COMMENT FAIRE FACE AUX ÉVÉNEMENTS MÉTÉOROLOGIQUES EXTRÊMES DANS LES VILLES BR...
 
HOW TO COPE WITH EXTREME WEATHER EVENTS IN BRAZILIAN CITIES.pdf
HOW TO COPE WITH EXTREME WEATHER EVENTS IN BRAZILIAN CITIES.pdfHOW TO COPE WITH EXTREME WEATHER EVENTS IN BRAZILIAN CITIES.pdf
HOW TO COPE WITH EXTREME WEATHER EVENTS IN BRAZILIAN CITIES.pdf
 
COMO ENFRENTAR EVENTOS CLIMÁTICOS EXTREMOS NAS CIDADES DO BRASIL .pdf
COMO ENFRENTAR EVENTOS CLIMÁTICOS EXTREMOS NAS CIDADES DO BRASIL .pdfCOMO ENFRENTAR EVENTOS CLIMÁTICOS EXTREMOS NAS CIDADES DO BRASIL .pdf
COMO ENFRENTAR EVENTOS CLIMÁTICOS EXTREMOS NAS CIDADES DO BRASIL .pdf
 
COMMENT ÉVITER LA RÉPÉTITION DE NOUVELLES TENTATIVES DE COUP D'ÉTAT AU BRÉSIL...
COMMENT ÉVITER LA RÉPÉTITION DE NOUVELLES TENTATIVES DE COUP D'ÉTAT AU BRÉSIL...COMMENT ÉVITER LA RÉPÉTITION DE NOUVELLES TENTATIVES DE COUP D'ÉTAT AU BRÉSIL...
COMMENT ÉVITER LA RÉPÉTITION DE NOUVELLES TENTATIVES DE COUP D'ÉTAT AU BRÉSIL...
 
1º DE JANEIRO - DIA DA CONFRATERNIZAÇÃO UNIVERSAL E DA PAZ MUNDIAL.pdf
1º DE JANEIRO - DIA DA CONFRATERNIZAÇÃO UNIVERSAL E DA PAZ MUNDIAL.pdf1º DE JANEIRO - DIA DA CONFRATERNIZAÇÃO UNIVERSAL E DA PAZ MUNDIAL.pdf
1º DE JANEIRO - DIA DA CONFRATERNIZAÇÃO UNIVERSAL E DA PAZ MUNDIAL.pdf
 
1er JANVIER – JOURNÉE DE LA CONFRATERNISATION UNIVERSELLE ET DE LA PAIX MONDI...
1er JANVIER – JOURNÉE DE LA CONFRATERNISATION UNIVERSELLE ET DE LA PAIX MONDI...1er JANVIER – JOURNÉE DE LA CONFRATERNISATION UNIVERSELLE ET DE LA PAIX MONDI...
1er JANVIER – JOURNÉE DE LA CONFRATERNISATION UNIVERSELLE ET DE LA PAIX MONDI...
 

O FUTURO DA ENERGIA REQUERIDO PARA O BRASIL.pdf

  • 1. 1 O FUTURO DA ENERGIA REQUERIDO PARA O BRASIL Fernando Alcoforado* Este artigo tem por objetivo apresentar qual seria o futuro requerido para a produção e o consumo da energia no Brasil baseado na utilização das energias limpas e renováveis. O artigo O futuro da energia requerido para o mundo [1] informa que, “para evitar o futuro catastrófico que se prenuncia para a humanidade resultante do aquecimento global, torna- se um imperativo, entre outras medidas, reduzir as emissões globais de gases de efeito estufa com a substituição da atual matriz energética mundial baseada fundamentalmente em combustíveis fósseis (carvão, petróleo e gás natural) e em energia nuclear, por outra matriz energética mundial estruturada com base nos recursos energéticos renováveis (hidroeletricidade, biomassa, energia solar, energia eólica e hidrogênio) para evitar ou minimizar o aquecimento global e, consequentemente, a ocorrência de mudanças catastróficas no clima da Terra”. No Brasil, o Ministério de Minas e Energia elaborou o Plano Nacional de Energia 2050 (PNE 2050) [2], publicado em 16 de dezembro de 2020, com um conjunto de estudos, diretrizes e estratégias de longo prazo para o setor energético brasileiro que não segue as diretrizes propostas no artigo acima citado tanto para o setor elétrico como especialmente para o setor petróleo. As principais fontes de energia consideradas pelo PNE 2050 como alternativas de expansão do setor elétrico são hidrelétrica, biomassa, eólica, solar, gás natural, carvão mineral e nuclear. Trata-se de um absurdo o PNE 2050 [2] considerar no plano de expansão do setor elétrico a utilização do carvão mineral, do gás natural e da energia nuclear, haja vista que o gás natural e o carvão mineral contribuem para a emissão de gases do efeito estufa, a implantação de usinas nucleares implica em riscos que deviam ser evitados e não considerar a utilização do hidrogênio verde como uma eficaz alternativa a ser utilizada em substituição aos combustíveis fósseis. Trata-se, também, de um absurdo considerar no plano de expansão do setor petróleo o aumento da produção e do consumo do petróleo e seus derivados, quando o correto seria a redução da produção e do consumo de derivados de petróleo com substituição nos transportes da gasolina pelo etanol e hidrogênio verde, do óleo diesel pelo biodiesel e hidrogênio verde, e, na indústria, com a substituição do óleo combustível pelo gás natural pelo fato de ser a fonte fóssil mais limpa entre os combustíveis fósseis. Os derivados de petróleo deveriam ser utilizados para uso mais nobres nas indústrias petroquímica e na química fina. Segundo o PNE 2050 [2], as fontes renováveis participam com cerca de três quartos da matriz elétrica. Para manter a elevada participação de fontes renováveis e as baixas emissões no longo prazo, o aproveitamento hidrelétrico ainda representa um elemento importante de ampliação de oferta de energia elétrica no sistema interligado nacional. O Brasil tem potencial hidrelétrico de 174 GW, sendo 108 GW em operação e construção até 2019 e 68 GW de potencial hidrelétrico inventariado. Segundo o PNE 2050 [2] neste montante, estão incluídas as usinas hidrelétricas (UHEs) e os projetos hidrelétricos menores de 30 MW que se encontravam com estudos de inventário concluídos e aprovados pela ANEEL (Agência Nacional de Energia Elétrica). Além de um potencial de 10 GW considerado, relativo a repotenciação, o montante de projetos de UHEs pode ser ampliado por meio de integração energética com países da América do Sul: 10 GW em projetos binacionais e 24 GW em outros projetos internacionais. Isso elevaria o potencial total para 198 GW, aqui sem considerar os projetos menores de 30 MW, que somam 22 GW.
  • 2. 2 Segundo o PNE 2050 [2], o potencial inventariado disponível das UHEs é relativamente pequeno (52 GW). A fonte hidrelétrica reduzirá sua participação relativa na matriz elétrica no horizonte até 2050. Em termos de capacidade instalada, a participação relativa pode cair de 64% em 2015 para 31% em 2050, compensada por uma expansão de 15% para 45% da participação relativa de outras fontes renováveis de energia (biomassa, eólica e solar). No cenário “Desafio da Expansão”, a energia eólica poderá atingir de 110 a 195 GW em termos de capacidade instalada e entre 50 e 85 GW médios em termos de energia em 2050, denotando sua crescente importância na matriz elétrica até 2050: em torno de 22% a 33% da capacidade instalada total ou de 27% a 40% em termos de energia total. A capacidade instalada total de energia eólica em 2050 pode ainda superar 200 GW se considerados casos especiais, com os projetos eólicos atingindo em torno de 209 GW e 246 GW, respectivamente, correspondendo a uma participação eólica entre 36% e 42% da capacidade instalada total do sistema elétrico em 2050. Segundo o PNE 2050 [2], o Brasil, por sua localização geográfica, recebe elevados índices de incidência da radiação solar que permite desenvolver projetos solares viáveis em diferentes regiões. Desta forma, de acordo com o PNE 2050, a fonte solar fotovoltaica se apresenta como alternativa competitiva no fornecimento de energia, podendo contribuir com os compromissos nacionais de redução de gases de efeito estufa. O País conta com potencial de 307 GWp na faixa de irradiação 6000-6200 Wh/m2 .dia. O PNE 2050 prevê uma expansão significativa da fonte solar fotovoltaica por conta da perspectiva de evolução de sua competitividade no horizonte de 2050. Na maior parte dos casos, e levando em conta apenas a geração centralizada, a fonte solar fotovoltaica atingirá entre 27 a 90 GW em termos de capacidade instalada e entre 8 a 26 GW médios em termos de energia em 2050, assumindo em torno de 5% a 16% da capacidade instalada total ou de 4% a 12% em termos de energia total em 2050. Tal expansão ocorrerá predominantemente nas últimas décadas até 2050, quando esta fonte de energia apresentará maior competitividade. Segundo o PNE 2050 [2], a fonte solar deverá preencher a limitação na expansão das UHEs em termos de capacidade instalada. A capacidade instalada total centralizada de solar fotovoltaica em 2050 pode ser superior a 100 GW se ela for utilizada em substituição à expansão da eólica ou quando a expansão da transmissão estiver limitada. Nesses dois casos, a capacidade instalada referente aos projetos fotovoltaicos na geração centralizada atingirá em torno de 95 GW e 190 GW, respectivamente. Tais valores correspondem a uma participação da solar centralizada entre 18% e 30% da capacidade instalada total do sistema em 2050. A geração distribuída, em que a fonte solar fotovoltaica representará pouco mais de 85% da capacidade instalada até 2050, por conta da sua modularidade, custo decrescente e difusão da tecnologia entre a sociedade, alcançaria entre 28 GW e 50 GW em 2050, o que representaria de 4% a 6% da carga total. Segundo o PNE 2050 [2], na geração de energia elétrica, a geração térmica tem sido um importante complemento à geração hidrelétrica desde o início da década de 2000. A tendência de redução da participação hidrelétrica na geração e a entrada em operação de usinas hidrelétricas a fio d’água com perfil fortemente sazonal, na Região Norte, criam maior necessidade de geração por outras fontes de energia no período de seca, complementando o requisito de energia do sistema. O PNE 2050 [2] informa que, com a redução gradativa da participação relativa das hidrelétricas na matriz elétrica brasileira substituída pela expansão de energias renováveis não controláveis, outros recursos, como as termelétricas a gás natural, serão cada vez mais importantes para atendimentos dos
  • 3. 3 diversos requisitos do sistema elétrico. Trata-se de uma absurdo o PNE 2050 [2] manter a política de utilização de termelétricas a gás natural em complementação à geração hidrelétrica não levando em consideração a utilização do hidrogênio verde na produção de eletricidade. A utilização de termelétricas a gás natural não seria recomendável não apenas para evitar a emissão de gases do efeito estufa, mas também, para evitar o aumento da tarifa de energia resultante do uso de usinas termelétricas. É importante ressaltar que o hidrogênio verde poderia produzir energia firme e desta forma evitar o uso de termelétricas a gás natural. O próprio PNE 2050 [2] informa que, atualmente, o hidrogênio é aplicado como matéria prima na síntese de diversos produtos e em processos industriais. O uso energético do hidrogênio é conhecido há bastante tempo, pesquisas e desenvolvimento de tecnologias de pilhas a combustível têm sido desenvolvidas com o objetivo de viabilizar a sua utilização para a produção de eletricidade e no setor de transportes. Do mesmo modo que a eletricidade, o hidrogênio pode ser considerado um modo eficiente de armazenar e transportar energia. Entre as alternativas para produção de hidrogênio, a rota verde (de eletrólise da água a partir de fontes renováveis de energia) é considerada como a de maior relevância internacional e o Brasil é reconhecido mundialmente como um potencial grande player nesse segmento, de acordo com o PNE 2050. Apesar destes argumentos, o PNE 2050 não considerou o uso do hidrogênio verde na geração de eletricidade e na substituição dos combustíveis fósseis como o carvão mineral, o petróleo e o gás natural. O PNE 2050 [2] informa que o Brasil tem duas usinas nucleares (Angra I e Angra II) em operação e uma em construção (Angra III), com previsão de início da operação comercial em janeiro de 2026. Apesar dos condicionantes desafiadores para a geração termonuclear no mundo e no Brasil, com incertezas sobre o aproveitamento de seu potencial, o PNE 2050 [2] considera que há também novas perspectivas para a energia nuclear associadas a seu papel em um cenário com significativa restrição de carbono e alta participação de fontes renováveis não despacháveis, bem como ao desenvolvimento de novos negócios (inclusive no setor elétrico) e outras aplicações da tecnologia nuclear. O PNE 2050 [2] analisou os efeitos no perfil da matriz elétrica de uma entrada mais significativa de usinas termonucleares com a realização de simulações com a entrada de 8 GW e 10 GW no horizonte do PNE 2050. É uma grande irracionalidade o PNE 2050 admitir a possibilidade de utilização de usinas termonucleares de 8 GW e 10 GW no horizonte do PNE 2050 sob o falso argumento de que se trata de energia limpa. Trata-se de um absurdo admitir o uso de usinas nucleares desconsiderando os desastres que aconteceram em Tchernobil e em Fukushima. Trata-se de um absurdo o PNE 2050 [2] não considerar a adoção de estratégias voltadas para a economia de energia com a implementação de medidas de incentivo à eficiência energética na indústria, no transporte e nas edificações residenciais e comerciais nas cidades e na zona rural. Trata-se, também, de um absurdo o PNE 2050 [2] não considerar a adoção de medidas que evitem “apagões’ no sistema interligado nacional. A opinião de muitos especialistas é a de que algo precisa ser feito no setor elétrico, a fim de torná-lo mais seguro e menos suscetível ao “efeito dominó”. A opinião dominante entre os especialistas é a de que as soluções consistem em descentralizar e diversificar o sistema, além de aumentar a redundância do sistema de proteção porque está faltando um sistema de proteção duplo. Outros países que conseguiram interligar eficientemente a rede elétrica, como é caso da Espanha, possuem fontes descentralizadas de energia. Na Espanha, se utiliza muita energia eólica, por exemplo. Existem mais de 10 mil fontes de energia eólica espalhadas pela Espanha. Por isso, a vulnerabilidade do sistema diminui.
  • 4. 4 No Brasil, além das usinas eólicas, poderiam ser utilizadas usinas de energia solar fotovoltaicas e o hidrogênio verde. Quando o sistema elétrico é interligado em anel, como o brasileiro, há uma interdependência muito grande das regiões. Assim, quando há alguma falha, ela pode ser sentida em diversas outras regiões. Em sistemas interligados como o do Brasil, consegue- se tirar o máximo proveito da capacidade de uma usina hidrelétrica. Esse é o lado bom. Mas o lado ruim é que quando falha um sistema, dá uma sobrecarga em todos os outros, provocando o “efeito dominó”. Assim, receber menores quantidades de energia de diversas fontes de menor potência, ou seja, ao invés de construir obras grandes, como Itaipu, que gera a maior parte da energia do País, e Belo Monte na Amazônia, o melhor, mais seguro e mais eficaz seria fazer pequenas usinas que abastecem pouco, mas que, somadas, totalizam muitos MW, completando a necessidade de consumo brasileira. Para fazer frente a futuros “apagões”, o governo brasileiro deveria investir também na construção de linhas e sistemas de produção redundantes, que funcionariam como uma espécie de "reserva" ao sistema interligado existente, sobretudo em suas áreas mais vulneráveis. Operar o SIN (Sistema Interligado Nacional) com o máximo de confiabilidade ou segurança e ao menor custo é um desafio cada vez maior no Brasil. Sem a adoção deste conjunto de soluções, estaremos ameaçados de sofrer novos “apagões”. Cabe observar que a finalidade de todo sistema elétrico é gerar, transmitir e distribuir energia elétrica para diversas aplicações. A garantia de fornecimento da energia elétrica pode ser aumentada se o sistema elétrico for projetado prevendo eficiente e eficaz sistema de proteção, inclusive com sua duplicação, que aumente sua confiabilidade no suprimento de eletricidade, competente serviço de manutenção que minimize a ocorrência de falhas em sua operação, circuitos alternativos para o suprimento da carga e capacidade de reserva. No que concerne ao sistema de proteção do sistema elétrico, o mesmo é constituído por equipamentos de proteção que deve atuar somente na área que é para agir, isto é, devem estar localizados em pontos convenientes da rede elétrica para garantir a minimização das interrupções no fornecimento de energia. Os equipamentos de proteção devem ser adequadamente coordenados entre si a fim de que cada um deles opere no tempo programado. A propagação de um “apagão” pode acontecer se os equipamentos de proteção não forem devidamente coordenados. Esta situação pode ter ocorrido nos recentes “apagões” ocorridos no Brasil. Se o sistema de proteção do sistema elétrico no Brasil fosse duplicado a chance de ocorrer “apagão” seria reduzida significativamente, haja vista que se um equipamento de proteção falhar o outro seria acionado para evitar a propagação do problema. Medidas deveriam ser consideradas no PNE 2050 no que concerne ao serviço de manutenção do sistema elétrico no enfrentamento de “apagões” como os que aconteceram recentemente em São Paulo e outras regiões do Brasil. A deficiência na manutenção do sistema elétrico foi determinante para a ocorrência dos apagões e para a duração bastante elevada no restabelecimento do serviço. É oportuno observar que manutenção consiste no conjunto de atividades e recursos aplicados aos sistemas e equipamentos, visando garantir a continuidade de sua operação. Nesta definição, de grande abrangência, a manutenção é caracterizada como um processo que deve iniciar antes da aquisição do equipamento ou sistema e que tem como principal função o prolongamento de sua vida útil.
  • 5. 5 Cabe observar que existem cinco tipos diferentes de serviços de manutenção: Manutenção Corretiva, Manutenção Preventiva, Manutenção Preditiva, Manutenção Produtiva Total (MPT) e Manutenção Centrada na Confiabilidade (MCC). Segundo a Norma NBR 5462 (1994), manutenção corretiva tem por objetivo corrigir falhas em equipamentos, componentes, módulos ou sistemas, visando restabelecer sua função. Este tipo de manutenção, normalmente implica em custos altos para as empresas supridoras de energia elétrica e para seus consumidores, especialmente indústrias, pois a falha inesperada pode acarretar perdas de produção e queda no faturamento. As paralisações são quase sempre mais demoradas e a insegurança exige estoques elevados de peças de reposição, com acréscimos nos custos de manutenção. Ao contrário da manutenção corretiva, a manutenção preventiva procura evitar e prevenir antes que a falha efetivamente ocorra. A definição da NBR 5462(1994) para a manutenção preventiva é a da “manutenção efetuada em intervalos predeterminados, ou de acordo com critérios prescritivos, destinada a reduzir a probabilidade de falha ou a degradação do funcionamento de um item”. Por sua vez, a manutenção preditiva pode ser considerada como uma forma evoluída da manutenção preventiva. Com o aperfeiçoamento da informática, tornou-se possível estabelecer previsão de diagnósticos de falhas possíveis, através da análise de certos parâmetros dos sistemas produtivos. Através do acompanhamento sistemático das variáveis que indicam o desempenho dos equipamentos, define-se a necessidade e o momento da intervenção. A manutenção preditiva exige grande volume de recursos iniciais, tanto humanos como materiais e mão de obra muito qualificada e treinada. A manutenção produtiva total (MPT) teve origem nos programas de qualidade total que estimula a participação dos operadores no autogerenciamento do seu local de trabalho. O objetivo principal dessas ações é o aumento da eficiência dos equipamentos, com redução dos custos operacionais. A atuação não se dá apenas no reparo, mas também junto ao operador e na gestão do equipamento, visando eliminar todas as perdas. A manutenção centrada na confiabilidade (MCC) é uma nova metodologia aplicada em diversos setores como submarinos nucleares, indústria elétrica, construção civil, indústria química, siderurgia, etc. Na MCC, os objetivos da manutenção são definidos pelas funções e padrões de desempenho requeridos para qualquer item no seu contexto operacional e sua aplicação é um processo contínuo, devendo ser reavaliada na medida em que a experiência operacional é acumulada. Certamente, uma das causas de “apagões” no sistema elétrico brasileiro diz respeito a problemas de manutenção, fato este que torna uma exigência a adoção da manutenção preventiva, manutenção preditiva, manutenção produtiva total (MPT) ou a manutenção centrada na confiabilidade (MCC) de acordo com o que está acima descrito. Além da adoção de uma adequada manutenção para o sistema elétrico brasileiro, é imprescindível a implantação de sistemas de suprimento de energia de emergência, com o uso de termelétricas, usinas eólicas e a utilização do hidrogênio como fonte de eletricidade em áreas críticas como aquelas onde se localizam parques industriais e grandes cidades que seriam acionados com a ocorrência de “apagões” no sistema elétrico interligado do Brasil. Este procedimento seria similar ao que se adota em hospitais em que os grupos geradores de emergência suprem áreas críticas como UTI´s e centros cirúrgicos. Outra medida imprescindível seria a duplicação de circuitos, sobretudo, as linhas tronco de transmissão que alimentam as áreas críticas.
  • 6. 6 Segundo o PNE 2050 [2], o avanço da exploração de petróleo e gás natural além das 200 milhas náuticas, é considerada uma oportunidade de desenvolvimento do setor petrolífero no País. Projeta-se que derivados de petróleo, como óleo diesel e querosene de aviação, possuam demanda crescente até 2050. A expansão da oferta de derivados de petróleo e a ampliação da infraestrutura de movimentação destes produtos para o atendimento da demanda interna apresentam-se como desafios no longo prazo. Segundo o PNE 2050 [2], a crescente preocupação com a mudança climática global e, principalmente, com a poluição local, exige que as refinarias operem de forma cada vez mais eficiente do ponto de vista energético e que seus produtos atendam a especificações mais rígidas quanto à presença de contaminantes. Trata-se de um absurdo não considerar a redução progressiva da produção e do consumo de derivados de petróleo no Brasil adotando medidas efetivas como contribuição à redução da emissão dos gases do efeito estufa. Grande irracionalidade do PNE 2050 [2] reside no fato de considerar a expansão da oferta de derivados de petróleo e a ampliação da infraestrutura de movimentação destes produtos para o atendimento da crescente demanda interna comprometendo o combate à mudança climática global. O PNE 2050 [2] propõe apenas melhoria na eficiência das refinarias para combater a poluição. É preciso fazer com que a Petrobras deixe de ser um dos vilões do meio ambiente para se transformar em seu defensor. Trata-se de um absurdo o PNE 2050 [2] não considerar a adoção de medidas que façam com que a Petrobras mude sua missão de produzir petróleo e seus derivados e gás natural para a de produzir energia limpa e renovável como solar, eólica e hidrogênio verde. Esta ação é absolutamente necessária haja vista que as reservas de petróleo atualmente comprovadas devem durar pelo menos mais 50 anos. Enquanto várias grandes petrolíferas do mundo têm investido em energias renováveis e algumas já começam a cortar gradualmente sua produção de petróleo, a Petrobras planeja ampliar em 45% sua produção de óleo até 2026. O fato é que, se a decisão de priorizar o petróleo tem se mostrado rentável num cenário em que a demanda global pelo combustível ainda é alta, no futuro, a estratégia pode custar caro não só à Petrobras mas também ao Brasil, que corre o risco de ver sua maior empresa definhar num planeta cada vez menos dependente de combustíveis fósseis porque há um consenso entre cientistas de que, para frear o ritmo do aquecimento global, a humanidade precisa nos próximos anos reduzir drasticamente o uso de combustíveis fósseis, como petróleo e carvão. Ao invés de reduzir a produção de petróleo e gás natural no Brasil, a Petrobras anunciou em seu plano quinquenal, divulgado em 2021, que pretende inaugurar 15 novas plataformas de petróleo até 2026, quando espera aumentar sua produção dos atuais 2,2 milhões de barris por dia para 3,2 milhões com uma alta de 45% [3]. Hoje a Petrobras é a quarta maior produtora de petróleo do mundo. As três primeiras são a saudita Saudi Aramco (9,2 milhões de barris/dia), a russa Rosneft (4,1 milhões de barris/dia) e a chinesa PetroChina (2,5 milhões de barris/dia). Boa parte do aumento da produção da Petrobras se dará em poços na região do pré-sal, que já responde por 70% do óleo extraído pela companhia e abriga a maior parte das reservas ainda não exploradas no Brasil. Esta política de produção de petróleo e gás natural da Petrobras não colabora com o combate ao aquecimento global e a consequente mudança climática global que tende a ser catastrófica. Pelo exposto, o Plano Nacional de Energia do Brasil (PNE 2050) merece aplausos por incrementar a utilização das fontes renováveis de energia (hidrelétrica, biomassa, eólica e solar) na matriz energética do País e é reprovável por considerar no plano de expansão do setor elétrico a utilização do carvão mineral, do gás natural e da energia nuclear, haja
  • 7. 7 vista que o gás natural e o carvão mineral contribuem para a emissão de gases do efeito estufa, a implantação de usinas nucleares implica em riscos que deviam ser evitados e não considerar a utilização do hidrogênio verde como uma eficaz alternativa a ser utilizada em substituição aos combustíveis fósseis. É reprovável, também, não considerar a implementação de medidas de incentivo à eficiência energética na indústria, no transporte e nas edificações residenciais e comerciais nas cidades e na zona rural, bem como não propor a adoção de medidas que evitem “apagões” no sistema interligado nacional. Grande irracionalidade do PNE 2050 reside no fato de não propor a redução progressiva da produção de petróleo e seus derivados e de gás natural e. ao contrário, considerar a expansão da oferta de derivados de petróleo e a ampliação da infraestrutura de movimentação destes produtos para o atendimento da crescente demanda interna comprometendo o combate à mudança climática global. Considerando o fato de a matriz energética brasileira apresentar em sua composição 52 % de fontes de energia não renováveis (petróleo e derivados, gás natural, carvão mineral, nuclear e outras não renováveis) e 48% de fontes de energia renováveis (derivados da cana de açúcar, hidráulica, lenha e carvão vegetal, eólica e solar e outras renováveis) [4], o Plano Nacional de Energia (PNE 2050) deveria ser revisto para fazer com que seja reduzida progressivamente a participação das fontes de energia não renováveis, sobretudo petróleo, carvão mineral e nuclear. A Figura 1 mostra a composição da matriz energética brasileira. Figura 1- Matriz energética brasileira Fonte: https://www.epe.gov.br/pt/abcdenergia/matriz-energetica-e-eletrica A melhor forma do governo do Brasil presidido por Luiz Inácio Lula da Silva demonstrar que está comprometido efetivamente com a luta contra a mudança climática global consiste em rever o Plano Nacional de Energia 2050 (PNE 2050) para evitar o aumento da produção nacional de carvão mineral, petróleo e gás natural e a utilização de centrais
  • 8. 8 nucleares, transformar a Petrobras em empresa produtora de energia limpa e renovável e promover um vigoroso programa nacional de economia de energia. Não basta evitar a devastação de nossas florestas, especialmente da Amazônia para combater a mudança climática global que tende a ser catastrófica. REFERÊNCIAS 1. ALCOFORADO, Fernando. O futuro da energia requerido para o mundo. Disponível no website <https://www.academia.edu/110197895/O_FUTURO_DA_ENERGIA_REQUERIDO_ PARA_O_MUNDO>, 2022. 2. MINISTÉRIO DAS MINAS E ENERGIA. PNE 2050- Plano Nacional de Energia. Disponível no website <https://www.epe.gov.br/sites-pt/publicacoes-dados- abertos/publicacoes/PublicacoesArquivos/publicacao-227/topico- 563/Relatorio%20Final%20do%20PNE%202050.pdf>, 2020. 3. FELLET, João. Quais os planos da Petrobras para o fim da era do petróleo? Disponível no website <https://www.bbc.com/portuguese/brasil-61075607>, 2022. 4. EPE- Empresa de Pesquisa Energética. Matriz Energética e Elétrica. Disponível no website <https://www.epe.gov.br/pt/abcdenergia/matriz-energetica-e-eletrica>, 2023. * Fernando Alcoforado, 83, condecorado com a Medalha do Mérito da Engenharia do Sistema CONFEA/CREA, membro da Academia Baiana de Educação, da SBPC- Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência e do IPB- Instituto Politécnico da Bahia, engenheiro pela Escola Politécnica da UFBA e doutor em Planejamento Territorial e Desenvolvimento Regional pela Universidade de Barcelona, professor universitário (Engenharia, Economia e Administração) e consultor nas áreas de planejamento estratégico, planejamento empresarial, planejamento regional e planejamento de sistemas energéticos, foi Assessor do Vice-Presidente de Engenharia e Tecnologia da LIGHT S.A. Electric power distribution company do Rio de Janeiro, Coordenador de Planejamento Estratégico do CEPED- Centro de Pesquisa e Desenvolvimento da Bahia, Subsecretário de Energia do Estado da Bahia, Secretário do Planejamento de Salvador, é autor dos livros Globalização (Editora Nobel, São Paulo, 1997), De Collor a FHC- O Brasil e a Nova (Des)ordem Mundial (Editora Nobel, São Paulo, 1998), Um Projeto para o Brasil (Editora Nobel, São Paulo, 2000), Os condicionantes do desenvolvimento do Estado da Bahia (Tese de doutorado. Universidade de Barcelona,http://www.tesisenred.net/handle/10803/1944, 2003), Globalização e Desenvolvimento (Editora Nobel, São Paulo, 2006), Bahia- Desenvolvimento do Século XVI ao Século XX e Objetivos Estratégicos na Era Contemporânea (EGBA, Salvador, 2008), The Necessary Conditions of the Economic and Social Development- The Case of the State of Bahia (VDM Verlag Dr. Müller Aktiengesellschaft & Co. KG, Saarbrücken, Germany, 2010), Aquecimento Global e Catástrofe Planetária (Viena- Editora e Gráfica, Santa Cruz do Rio Pardo, São Paulo, 2010), Amazônia Sustentável- Para o progresso do Brasil e combate ao aquecimento global (Viena- Editora e Gráfica, Santa Cruz do Rio Pardo, São Paulo, 2011), Os Fatores Condicionantes do Desenvolvimento Econômico e Social (Editora CRV, Curitiba, 2012), Energia no Mundo e no Brasil- Energia e Mudança Climática Catastrófica no Século XXI (Editora CRV, Curitiba, 2015), As Grandes Revoluções Científicas, Econômicas e Sociais que Mudaram o Mundo (Editora CRV, Curitiba, 2016), A Invenção de um novo Brasil (Editora CRV, Curitiba, 2017), Esquerda x Direita e a sua convergência (Associação Baiana de Imprensa, Salvador, 2018, em co- autoria), Como inventar o futuro para mudar o mundo (Editora CRV, Curitiba, 2019), A humanidade ameaçada e as estratégias para sua sobrevivência (Editora Dialética, São Paulo, 2021), A escalada da ciência e da tecnologia ao longo da história e sua contribuição ao progresso e à sobrevivência da humanidade (Editora CRV, Curitiba, 2022), de capítulo do livro Flood Handbook (CRC Press, Boca Raton, Florida, United States, 2022), How to protect human beings from threats to their existence and avoid the extinction of humanity (Generis Publishing, Europe, Republic of Moldova, Chișinău, 2023) e A revolução da educação necessária ao Brasil na era contemporânea (Editora CRV, Curitiba, 2023).