Oceano..

1.096 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.096
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
35
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Oceano..

  1. 1. Ocupação antrópicaocupação de grandes zonas da superfícieterrestre pelo Homem, com consequente modificação dos ambientes naturais
  2. 2. Ordenamento do território é: a organização do espaço biofísico, tendo como objetivo a suaocupação, utilização e transformação de acordo com as capacidades do referido espaço É importante o conhecimento: -dos materiais -dos processos geológicos que acompanham a história da Terra
  3. 3. SITUAÇÕES/ ZONAS DE RISCO GEOMORFOLÓGICO Bacias Zonas Zonas de hidrográficas costeiras Vertente Área formada pelo conjunto de um rio Locais de declive São regiões de transição principal e por todos os acentuado onde entre a terra e o mar, cursos de água que os fenómenos de erosão de dimensões e direta ou indiretamente são particularmente características debitam as suas águas intensos muito variáveis. nesse rio
  4. 4. PORQUÊ RISCO GEOMORFOLÓGICO? Zonas de Bacias Zonas costeiras vertente hidrográficas Erosão fluvial Erosão Erosão de Cheias costeira vertente Construção de barragens Pressão Movimentos de Exploração urbanística massa de inertes
  5. 5. Rede hidrográfica do AveREDE HIDROGRÁFICA – é o conjunto dos cursos de água, mais ou menosorganizados, de uma determinada região.BACIA HIDROGRÁFICA – é a totalidade da área cujas águas pertencem auma mesma rede hidrográfica
  6. 6. Perfil transversal de um rioLeito menor, ou Leito de cheia ou Leito aparente oude estiagem ou de inundação normal de verão
  7. 7. Fatores de risco das bacias hidrográficas (são fatores que contribuem para o desequilíbrio) 1- Cheias EXTRAÇÃO CHEIAS BARRAGENS DE AREIAS2- Construção debarragens 3- Extracção de inertes (areias) Risco – probabilidade de um acontecimento perigoso ocorrer numa dada área e num certo tempo
  8. 8. Fatores de risco das bacias hidrográficas (são fatores que contribuem para o desequilíbrio) 1- Cheias CHEIAS2- Construção debarragens 3- Extracção de inertes (areias) Risco – probabilidade de um acontecimento perigoso ocorrer numa dada área e num certo tempo
  9. 9. Fatores de risco das bacias hidrográficas (são fatores que contribuem para o desequilíbrio) BARRAGENS 1- Cheias2- Construção debarragens 3- Extracção de inertes (areias) Risco – probabilidade de um acontecimento perigoso ocorrer numa dada área e num certo tempo
  10. 10. Fatores de risco das bacias hidrográficas (são fatores que contribuem para o desequilíbrio) EXTRAÇÃO DE AREIAS 1- Cheias2- Construção debarragens 3- Extracção de inertes (areias) Risco – probabilidade de um acontecimento perigoso ocorrer numa dada área e num certo tempo
  11. 11. FATORES DE RISCO: extração de areias Associada à acumulação de sedimentos nos rios, como consequência da construção de barragens, floresce a extração de inertes que tem como consequências:-desaparecimento das praias fluviais;-descalçamento de pilares de pontes;-alterações das correntes;-redução na quantidade de sedimentosque chegam ao mar.
  12. 12. PBH –PlanosdeBaciaHidrográfica
  13. 13. A zona costeira ou faixa litoráneacorresponde à zona de transição entre o domínio continental e o domínio marinho
  14. 14. ErosãoCosteira
  15. 15. Na Faixa litoral – pode-se distinguir 2 formas distintas Praias Arribas Nazaré Zonas onde ocorre a acumulação de Constituída por material rochoso sedimentos variados. São zonas mais consolidado, com inclinação acentuada (15 frágeis que as arribas. Algumas possuem a 90º) e pouca ou nenhuma cobertura dunas litorais. vegetal. Predomina a erosão.
  16. 16. Podem ser: VIVA FÓSSIL Quando ainda Quando já não é modelada é trabalhada pela água do pela água do mar marPredominam os fenómenos de abrasão marinha
  17. 17. DISTRIBUIÇÃO DAS PRAIAS e ARRIBAS nacosta portuguesa
  18. 18. ABRASÃO MARINHA: é a erosãoprovocada pelarebentação das ondas nas Zonas arribas Costeiras Predomina a erosão Predomina a deposição FORMAS: 1-plataformas de abrasão 2- cavernas ou gruta 3- leixões 4- arcos
  19. 19. Formas de erosão
  20. 20. Formas de erosão Plataforma de abrasãoSuperfícies na base das arribas, relativamente planas e próximas do nível do mar, onde se encontram os sedimentos de grandes dimensões que resultam do desmoronamento das arribas.
  21. 21. ABRASÃO MARINHA: é a erosãoprovocada pelarebentação das ondas nas Zonas arribas Costeiras Predomina a erosão Predomina a deposição FORMAS: 1- Praias 2- Restinga 3- Ilhas de Barreira e lagunas 4- Tombolo
  22. 22. Formas de deposiçãoResultam de deposição de materiais arrancados pelo mar ou dos materiais transportados pelos rios (praias, ilhas barreiras, restingas, tômbolos, etc.)
  23. 23. Restinga deEsposende São planícies litorâneas cobertas por deposição marinha, resultante do recuo dos níveis de oceanos há cerca de 5 mil anos, durante o Quaternário. Depois do recuo, houve deposições fluvial e lacustre.
  24. 24. • Ilhas-barreira - cordão de areia paralelo à costa e com instalação de uma laguna. Ria Formosa - Praia de Faro
  25. 25. • Lagunas - são um dos tipos de ambientes na interface terra-mar. São entidades deprimidas, geralmente pouco profundas, e parcialmente fechadas ao mar por uma barreira que pode ser de areia (mais comum), recifal (nos litorais Ria de Aveiro intertropicais) ou (mais raramente) rochosa. Legenda: L – laguna b – ilha barreira
  26. 26. TÔMBOLOS: formações resultantes daacumulação de materiais detríticos a ligar a praia litoral a uma ilha. Tômbolo de Peniche. Tômbolo na Escócia - Reino Unido
  27. 27. Os litorais estão num processo acelerado de erosão …Cerca de 30% da As linhas de sua extensão costa estão encontra-se recuar seriamenteameaçada pelo avanço das águas do mar Pg. 29 •A taxa de recuo das arribas vivas aumentará • Aas praias constituídas por sedimentos podem sofrer grandes modificações com consequências económicas e sociais
  28. 28. Devido a: CAUSAS CAUSASNATURAIS ANTRÓPICAS HÁ SUBIDA DO MAR Aumenta a EROSÃO COSTEIRA
  29. 29. FACTORES CONDICIONANTES DA EVOLUÇÃO DO LITORAL Transgressões /regressões Períodos Glaciares e interglaciares Movimentos tectónicosOcupação desordenada da faixa litoral com construções; Diminuição da quantidade de sedimentos, devido à construçãode barragens e/ou exploração de inertes; Destruição das defesas naturais, como dunas e vegetação costeira,devido ao arranque da cobertura vegetal ou pisoteio Agravamento do efeito de estufa devido ao aumento de CO2
  30. 30. EXERCÍCIO página 28 RECUO DA FAIXA LITORAL é o avanço do mar sobre a terra
  31. 31. Recuo da faixa litoral (avanço do mar sobre a terra)
  32. 32. Erosão costeiraMedidas deprevenção Planos de Obras da ornamento doengenharia território
  33. 33. Medidas de protecção costeira Quebra-mar cais esporão porto ParedãoInconvenientes• Custos elevados, tanto na construção como na manutenção;• Impactes negativos no litoral, como a alteração da estética da paisagem, e, alongo prazo, podem tornar-se estruturas de risco;• Apenas oferecem proteção local e reduzida no tempo.
  34. 34. Medidas de protec Dispendiosas e Perigosas1- LONGITUDINAIS /PARALELAS: enrocamentos, paredões, quebras mares2- TRANSVERSAIS: esporões, molhes Mais esconómica e menos agressivaColocação de sedimentos em determinadas praias
  35. 35. Medidas de protec1- LONGITUDINAIS /PARALELAS: enrocamentos, paredões, quebras mares2- TRANSVERSAIS: esporões, molhes
  36. 36. Esporões ESPORÕES Aumentam deposição do lado de onde vem a corrente (porque o movimento das ondas é travado e há sedimentação) mas provoca a erosão do outro lado do esporão)
  37. 37. Ver filme Por terem declive acentuado são locais onde a erosão pode avançar de forma mais rápida. Nas zonas de vertente ocorrem movimentos de vertente ou de massa
  38. 38. Movimentos de terrenos ou movimentos de massa –São deslizamentos, em regra bruscos e repentinos de uma grande massa de materiais sólidos ao longo da vertente (quase sempre de forma inesperada) Erosão hídrica (água das chuvas)É o desgaste mais ou menos lento e gradual dossolos devido ao impacto da chuva e escoamento das águas ao longo das vertentes
  39. 39. CAUSAS DOS MOVIMENTOS DE MASSAS Condições mais Alterações ou menos induzidaspermanentes que numa zona de promovem os MM FATORES FATORES vertente CONDICIONANTES DESENCADANTES Força da gravidade Precipitação Rochas (consolidadas ou não) Ação do Homem: destruição da vegetação, irrigação Geomorfologia do terreno Sismos Tempestades nas zonas costeiras Risco – probabilidade de um acontecimento perigoso ocorrer numa dada área e num certo tempo
  40. 40. Rochas e geomorfogologia dos terrenos -Características litológicas (solta ou consolidada) -Grau de alteração de fracturação dos materiais rochosos -Disposição no terreno (inclinação e1 -Força da orientação das camadas)gravidade2- Rochas3-Geomor-fologia doterreno
  41. 41. 1-Precipitação (altera o equilíbrio dos solos) 2- Ação do Homem (destruição da cobertura vegetal) 3-Ocorrência de sismos (podem levar a derrocada) 4-Ocorrências de tempestades nas zonas costeiras (aumentam a erosão nas zonas costeiras)Precipitação Ação do Homem Sismos Tempestades
  42. 42. • Estudar as caraterísticas geológicas e1º geomorfológicas dos terrenos • Elaborar cartas de risco2º • Elaborar cartas de ordenamento do território3º • Medidas de remoção e contenção4º
  43. 43. 1- MEDIDAS DE REMOÇÃORemoção de camadas instáveis2- MEDIDAS DE CONTENÇÃO• Muros de suporte sem sistema de drenagem• Muros de suporte com sistema de drenagem• Pregagem: fixação de camadas• Cobertura vegetal de crescimento rápido• Redes metálicas
  44. 44. 1- MEDIDAS DE REMOÇÃORemoção de camadas instáveis ANGULO DE ATRITO: é o ângulo a partir do qual os materiais começam a deslizar
  45. 45. 1- Muros de suporte sem sistema de drenagem2- MEDIDAS DE CONTENÇÃO 2- Muros de suporte com sistema de drenagem 3- Pregagem: fixação de camadas 4- Cobertura vegetal de crescimento rápido 5- Redes metálicas 3 1 2 4

×