A 
lgumasveteranasdeguerra
comoatelevisãoeorádiojá
perderam espaço para uma
não tão novata internet e
continuarão com perd...
Quem está jogando?
Em relação ao perfil dos jogadores, dois es-
tereótipos têm sido continuamente desmen-
tidos nos últimos...
Já temos a receita do sucesso?
Não! Só temos os ingredientes! Os padrões
de inserção ainda precisam ser claramente
definido...
Games - O Novo Player 1
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Games - O Novo Player 1

401 visualizações

Publicada em

Se você ainda não considerou associar marcas aos ambientes imersivos e storylines ricos dos video games modernos, leia isso. Você vai mudar de ideia.

Publicada em: Marketing
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
401
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Games - O Novo Player 1

  1. 1. A  lgumasveteranasdeguerra comoatelevisãoeorádiojá perderam espaço para uma não tão novata internet e continuarão com perdas significativas se não convergirem para for- matos mais interativos de comunicação. O cinema estanca em crescimento, não tanto pela pirataria, como é natural imaginar, mas pela preferência cada vez maior das pessoas por linhas de história mais longas, que pro- porcionam maior profundidade com as per- sonagens e podem desenrolar os roteiros de forma mais compassada. Não é à toa que nos últimos anos os seriados tiveram um cresci- mento expressivo no hábito de consumo do público ao redor do mundo, o que chamou a atenção de Hollywood e trouxe produções mais elaboradas com diretores do nível de David Fincher e Martin Scorsese e atores consagrados como Kevin Spacey, Danny DeVito e Robin Williams. Agora, olhe ao redor! Qual veículo de co- municação entrega uma experiência com níveis de atenção elevados, alto engajamento e possibilidade sem precedentes de envolvi- mento profundo com o storyline? Um meio longe de ser passivo e que conta com a par- ticipação do público como preceito? Que tem um mercado altamente lucrativo e uma audiência expressiva? Onde se encontram as maiores inovações em termos de interface de usuário e conectividade? É oficial: a indústria dos games rende mais que a indústria do cinema. Para falar a ver- dade, é mais lucrativa que todas as indús- trias relacionadas ao entretenimento. Não acredita? Vamos olhar os fatos. Os games Grand Theft Auto V e Call of Duty: Ghosts chamaram a atenção dos mercados não pe- las campanhas de mídia mundiais, inovação em jogabilidade ou mesmo pelos gráficos. O que chamou a atenção de muita gente por aí foi a renda que esses games geraram em tão pouco tempo. Em setembro de 2013, o GTA V faturou US$ 800 mil nas primeiras 24 horas de lançamento e US$ 1 bilhão em 3 dias, quebrando 7 recordes do Guinness World Records. Além de ter conquistado a posição do jogo com vendas mais rápidas da história, levou um outro título que mostra a maturidade desse mercado: a maior receita gerada por um produto de entretenimento em 24 ho- ras. Sim, mais que qualquer filme, programa de TV, livros e sim, mais que o álbum 1 dos Beatles. Impressionante, porém longe de ser uma surpresa, já que essa tendência tem se repetidonosúltimosanos.Vamoscolocarem perspectiva com algumas comparações: Se você ainda não considerou associar sua marca aos ambientes imersivos e storylines ricos dos games modernos, continue lendo. Você vai mudar de ideia. 33 digi_revista_v7.indd 33 06/01/15 5:00 PM
  2. 2. Quem está jogando? Em relação ao perfil dos jogadores, dois es- tereótipos têm sido continuamente desmen- tidos nos últimos anos: as pessoas tendem a acreditar que os videogames são jogados principalmente por crianças e adolescentes e em grande maioria do sexo masculino. Se este foi o caso nos anos 80 ou 90, já não é o caso agora. De acordo com pesquisas mais recentes, o jogador brasileiro médio tem 34 anos e 40% dos jogadores são mulheres. En- tre o público de jogos mobile, o número de mulheres é maior, chegando a 55%. Onde tem pessoas, tem marcas. O consumo de mídia e entretenimento mu- dou. Estamos na era da participação. No ci- nema, o público recebe uma intensa carga de informação por 2 ou 3 horas, sem poder influenciar na construção da história. Já no universo dos games eles têm o controle nas mãos, e isso não é meramente uma força de expressão. A construção do storytelling é in- trínseca à própria performance do jogador, e se considerarmos os alternative endings, pouco explorados pelos filmes, o cenário de possibilidades se multiplica. A interatividade tomou conta da preferência do público e, onde tem público, tem mídia. Num cenário não muito distante, parte das verbas de mídia offline e online deve migrar para os consoles e dispositivos móveis rodan- do os games. Isso já tem ocorrido em maior escala fora do Brasil e ainda tem bastante es- paço para crescer por aqui. E no Brasil? O mercado de games no país já fatura mais do que no Reino Unido, segundo a consulto- ria GFK. Teve uma receita de R$3,3 bilhões em 2013 e é estimado que em 2015 chegue a R$5,7 bilhões. 34 digi_revista_v7.indd 34 06/01/15 5:00 PM
  3. 3. Já temos a receita do sucesso? Não! Só temos os ingredientes! Os padrões de inserção ainda precisam ser claramente definidos, testados e aperfeiçoados. De quem é a vez? De todos que estruturarem um plano estra- tégico forte, pertinente e que realmente faça parte de um storytelling envolvente. E sabe por quê? Porque até aqui as marcas foram o player 1 do mercado, contando suas próprias histó- rias, mas o joystick passou para outras mãos, milhares delas. Para entrar no jogo e conquistar um exército de fãs, o primeiro passo é promover o envol- vimento com a sua marca. As próximas fases, eles vão descobrir sozinhos. E quando levamos os games para as marcas? Gamificação é o uso de mecânica e ludici- dade dos games (pontos, ranking, medalhas, etc.) com o objetivo de criar uma maior par- ticipação e engajamento nos consumidores ou colaboradores de uma empresa. É ampla- mente utilizado em campanhas de incentivo, treinamentos e promoções. Como levar minha marca para os games? Existemalgunsformatosconhecidosdeinser- ção de publicidade em games e seu uso exige umplanejamentominucioso,paraoefeitonão ricochetear. Um produto ou marca precisa se adequar ao storytelling do game da forma mais natural possível. É um daqueles casos em que menos é mais, e quanto mais sutil a inser- ção, mais eficaz a absorção e reverberação. 35 digi_revista_v7.indd 35 06/01/15 5:00 PM

×