Prova 07

243 visualizações

Publicada em

prova

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
243
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Prova 07

  1. 1. 07/11/13 O cão é um verdadeiro filósofo, o jornalista deveria sê-lo - | Observatório da Imprensa | Observatório da Imprensa - Você nunca mais vai ler jornal do … Observatório Seções OI na TV Vídeos OI OI no Rádio Blogs OI Serviços >> Busca Avançada Contato ​ Quinta-feira, 07 de Novem bro de 2013 | ISSN 1519-7670 - Ano 17 - nº 771 DIRETÓRIO ACADÊMICO PLATÃO & KANT O cão é um verdadeiro filósofo, o jornalista deveria sê-lo Por Iracema Torquato em 08/11/2011 na edição 667 Recomendar 5 pessoas recomendaram isso. Seja o primeiro entre seus amigos. Tw eet 0 Curtir 5 0 O presente estudo tem como objetivo refletir como Platão coloca as questões sobre o conceito de Justiça, a formação de um Estado ideal e o conceito sobre arte – em A República, Diálogos III (1996) – e como se distancia de Kant sobre o papel do artista como gênio. Como procedimento metodológico, partiremos, em primeiro lugar, da leitura das obras: Diálogos III, A República; Kant, Os Pensadores (1999); Espírito e Imaginação, Benedito Nunes; Analítica do Belo, (In: Crítica do Juízo, parágrafos, 1-22); Platão, As artimanhas do fingimento, Ferraz (1999) [cf: Diálogos III, A República; Trad. Leonel Vallandro, 23 ed. Rio de Janeiro: Ediouro, 1996; KANT, Os Pensadores, São Paulo, Nova Cultural, 1999, p. 31 - 139; Analítica do Belo, (In: Crítica do Juízo, parágrafos 1 – 22). Trad. de Rubens Rodrigues Torres Filho; Filosofia da Arte; Espírito e Imaginação, (In: Introdução à Filosofia da Arte, Benedito Nunes, capítulo 6, p. 46 -53. FERRAZ, Maria Cristina F. Platão, As Artimanhas do Fingimento. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 1999]. Num segundo momento, faremos o recorte dos diálogos que se referem ao nosso propósito: a justiça realizada pelo banimento dos poetas da República, o não aceite do gênio Homero e dos poetas, essa visão política vai nos distanciar das teorias de Kant sobre a arte e o gênio. Depois da leitura e delimitação do corpus, passaremos a análise dos textos e a aplicação da teoria kantiana sobre o estudo da Filosofia da Arte. O CRESCIMENTO DA VIOLÊNCIA 05-11-2013 O problema relevante dos Diálogos III é a Justiça, não a Arte, mas seria justo ao entendimento dos leitores do nosso século o que nos diz Platão sobre a última? Os que Kant responderia se pudessem dialogar? Sabemos que esse simulacro é inverossímil e não é a nossa intenção promover essa hiperrealidade, mas somente analisar o que nos ensinam esses dois filósofos e as suas concepções sobre o Conhecimento da Justiça e das Artes. A inteligência e o saber Partindo do tema Justiça, Platão nos insere na estrutura de um Estado que, segundo ele, seria o ideal de uma república grega. Nos diálogos, busca soluções para os problemas políticos de uma república, sempre ironizando os interlocutores. Por meio de seguidas arguições, Platão constrói uma narrativa em que os argumentos apresentados pelos interlocutores vão sendo postos à prova para serem habilmente destruídos. Assim, Platão se instaura como juiz imparcial, embora essa pretensa imparcialidade seja apenas superficialmente estabelecida, não resistindo a uma análise discursiva em profundidade na qual percebemos as manipulações por intimidação utilizadas. Platão percebe as inseguranças dos oponentes e se aproveita delas. Embora, como veremos a seguir, pareça querer ajudar os interlocutores a descobrirem a verdade, esta é sempre alcançada com a sanção negativa do discurso do oponente, que fatalmente acaba convencido da sabedoria socrática. À que Platão aspira? Ao conceito de Justiça e à formação de um Estado ideal. Os chefes da república ideal precisam de uma educação especial que atenda aos fins políticos platônicos: o bem-estar de todos depende que o Estado seja soberano e que tudo se faça, na república, em nome da comunidade, em que o querer e o saber individuais não têm lugar. Na Callipolis (Cidade Bela) as formas de eugenia serão incentivadas, assim evitando-se casamentos entre as pessoas desiguais e a família não deverá se incumbir da educação das crianças. Aos jovens será concedida uma educação, segundo suas potencialidades, mas é necessário que cada um adira apenas as suas habilidades de modo que a mobilização social, de uma classe a outra, seja reprimida. Em outras palavras, cada um deverá estar atento a uma “técnica de fabricação” (ou thechnai). Por exemplo, um guardião será preparado só para uma techne e necessariamente será feliz com essa condição, porque é dela que dependerá a segurança da pólis e nada poderá perturbar a ordem e a Justiça que serão, então, consequências naturais dos fenômenos políticos adotados adequadamente. Platão, desse modo, propõe um modelo aristocrático de poder. A República não comportaria uma aristocracia baseada na riqueza, mas o poder é confiado aos melhores em relação à inteligência e o saber de cada cidadão, ou seja, uma forma de sofocracia. www.observatoriodaimprensa.com.br/news/view/_o_cao_e_um_verdadeiro_filosofo_o_jornalista_deveria_se_lo MUSEU DA IMPRENSA 05-11-2013 PROGRAMA 2187 >>O brasileiro desconfiado >>Ainda as diferenças sociais 06/11/2013 PROGRAMA 2186 >>A fraternidade da violência >>Massa e rebanho 05/11/2013 PROGRAMA 2185 >>A polícia sem controle >>Racismo e violência 04/11/2013 PROGRAMA 2184 >>Lustrando os cassetetes >>A tribo dos nem-nem 01/11/2013 TODOS PROGRAMAS 1/8
  2. 2. 07/11/13 O cão é um verdadeiro filósofo, o jornalista deveria sê-lo - | Observatório da Imprensa | Observatório da Imprensa - Você nunca mais vai ler jornal do … Separação difícil, mas necessária Em relação às artes, de um modo geral, o que a primeira vista está em jogo é a mimesis, como uma cópia imperfeita do mundo inteligível, cópia esta de terceira categoria, que vai ser colocada em xeque pela ridicularização de Íon, (rapsodo que tentava defender a arte da declamação e da poesia). Segundo Ferraz [cf. O poeta, como o sofista: um fingidor, op.cit, 1999, p.33]. Como se sabe o rapsodo recitava poemas sem acompanhamento de lira, distinguindo-se do poeta épico que costumava declamar seus próprios versos. Os rapsodos espalharem-se por todo mundo grego e já no século VI a.C., segundo Diógenes Laércio, a cidade de Atenas conhecia as atuações desses declamadores, que iam de cidade em cidade, recitando e explicando os poetas, principalmente Homero. Para Platão, a educação dos guerreiros deveria estar subordinada à technai Ginástica, considerada como uma arte como o era, por exemplo, a Construção Naval. A Música serviria para o fortalecimento do caráter, porém nem todos os ritmos e harmonias seriam aceitos, conforme veremos adiante. Como os poetas, os músicos também teriam que ser censurados; previamente receberiam todos os louvores dos habitantes da república, mas, em seguida, seriam convidados a deixarem a pólis, caso não se adaptassem aos ideais políticos platônicos. Em a Justificação perante os poetas [in: Lire X, op. cit. p. 227], Platão expõe-nos, finalmente, a sua fascinação pelos poetas, inclusive Homero. Embora comente que entre a Filosofia e a Poesia sempre houve discórdia e rivalidades, inclina-se a perdoar e permitir aos poetas exilados que regressem à pólis, dando-lhes uma segunda oportunidade, bem como aos amigos da poesia, desde que os primeiros façam a sua defesa em versos líricos ou em outro metro qualquer; e os segundos, em prosa. Se estivessem dispostos a tornarem suas poesias politicamente úteis à cidade seriam aceitos, porque a arte seria, então, deleitável e útil. Porém, se persistissem em serem apenas agradáveis, seriam afastados. Declara ainda que fosse difícil essa separação, mas necessária, tanto quanto o é a separação de dois amantes, quando o amor se torna prejudicial, “ainda que não sem luta”. Reportagens, vídeos e outros conteúdos do site indicados por seus amigos na rede social. Atividade recente O papel da im prensa na crise do sistem a policial Uma pessoa recomenda isso. JULGAMENTO DO MENSALÃO, O que vem depois do paroxism o? 30 pessoas recomendaram isso. MEA-CULPA DO ‘GLOBO’, Resposta velha para um Brasil novo 36 pessoas recomendaram isso. Plug-in social do Facebook Um péssimo exemplo Como seriam as Artes concebidas, nesta república? Este é o tema principal que nos interessa no presente trabalho e que passaremos a analisar; a seguir, por meio de excertos selecionados. Ao mesmo tempo, tentaremos dialeticamente expor as concepções de Kant sobre a arte do gênio que, como veremos, não tem lugar na república de Platão. Todos os demais temas de A República giram em torno do eixo principal, que é a Justiça, desse modo, Arte e Justiça serão analisadas sempre com o intuito de fazer prevalecer politicamente o interesse comunitário sobre o que é justo politicamente, segundo Platão. Em sua república, a Arte será concebida como um instrumento político a serviço do bem- estar de todos os que vivem na pólis. Nesse sentido, vejamos um diálogo entre Cliofonte, Trasímaco e Sócrates que está no Livro I [ler: op.cit. p. 17 a 19]. Logo no início dos diálogos, temos referência sobre a arte da Música, aliada ao pensamento: “A justiça não pode produzir injustiça” (no diálogo entre Trasímaco e Sócrates). E os homens, ao serem prejudicados, não se tornarão piores no que toca à virtude humana?/ Sem dúvida./-E essa virtude humana não é a justiça?/-Necessário é, pois, meu caro, que os homens a quem prejudicamos se tornem injustos./-Indubitavelmente./ [...] Nem tampouco o justo com a justiça, pode tornar alguém injusto (...). E o justo é o bom? Logo, não é obra própria do justo o causar dano a um amigo ou a qualquer outro, e sim, do seu contrário, o injusto. Platão considera a música como uma virtude e o artista um amigo virtuoso, ambos – música e músicosendo a primeira apropriada e o segundo, justo, fariam do guardiães bons cidadãos. Hoje o mesmo deveria ser objetivo de qualquer jornalista: guardiães de bons cidadãos, maestros na arte da palavra. Para Platão, um Juízo sobre um determinado objeto pode ser inteiramente desinteressado e “muito interessante”. Será interessante, quando atender aos objetivos políticos da república, mas será também desinteressado o artista que apenas procura mimeticamente sua techne, que não chegará a ser uma technai na pólis platônica. Desse modo, na república platônica, o juízo-de-gosto Kantiano não fundaria, em si mesmo, uma technai e, nesse sentido não seria interessante ter gosto na república, por isso os poetas que falassem das fraquezas humanas e das dos deuses não seriam admitidos na pólis, sobretudo porque seriam de péssimo exemplo para as crianças. O eixo condutor Segundo Kant, embora os juízos-de-gosto não fundam interesses político-sociais e nem artísticos (em si mesmos), tornam-se aos homens interessantes por ser um modo de apreensão sensível que lhes causa satisfação. Para um jornalismo atuante juízos de gosto são para poucos, já que há manuais e editores conservadores e apegados ao sensacionalismo do momento: como por exemplo, a importância dos doentes que são celebridades. Estes causam-nos piedades. São motivos para orações pelos seus seguidores. E os que não são célebres, viram suítes? Raramente. Cobra-se das autoridades, que dizem, não raro, as providências que serão tomadas. Ficamos, nós, cidadãos depois sem saber se as ditas providências foram realmente tomadas. Falta sensibilidade ou algo como comprometimento? Sabemos quantos quilos tais e quais celebridades perderam, mas ficamos sem saber quantos hospitais foram equipados. Idem para as escolas públicas de educação básica. Para melhor compreensão, tomaremos as explicações dadas no texto de Nunes [in: Introdução à Filosofia da Arte, capítulo 6, p. 47]: “São duas as fontes do conhecimento: a sensibilidade e o entendimento”. Por meio da primeira intuímos os objetos através das nossas percepções, que são representadas no espaço e no tempo (formas a priori de conhecimentos), que - segundo Kant, prescindem da experiência do sujeito. Assim, “a função do entendimento é sintetizar em conceitos as intuições da sensibilidade. Mas assim como há formas de sentir, há também formas de pensar, pois que o entendimento é a própria faculdade de produzir conceitos” [ idem]. Portanto, não conhecemos as coisas-em-si mesmas (numenalmente), isto é, independentemente das formas pelas quais as representamos, ou seja, na sua essência. Conhecemos as www.observatoriodaimprensa.com.br/news/view/_o_cao_e_um_verdadeiro_filosofo_o_jornalista_deveria_se_lo 2/8
  3. 3. 07/11/13 O cão é um verdadeiro filósofo, o jornalista deveria sê-lo - | Observatório da Imprensa | Observatório da Imprensa - Você nunca mais vai ler jornal do … coisas como fenomenais, isto é, enquanto objeto das nossas representações, condicionadas pela Sensibilidade e pelo Entendimento. Em relação ao Juízo estético, cabe aqui salientar que o entendimento e a imaginação forneceriam as ideias e não o conceito de belo/justo, porque este, segundo Kant “é aquilo que, sem conceitos, é representado como objeto de uma satisfação universal” [in: Analítica do Belo, p.215]. De modo geral, Kant questiona, na Crítica da Razão Pura, se é possível existir uma razão que seja pura em si mesma, ou seja, independente de qualquer empirismo. Vem daí a razão de seu método ser conhecido como criticismo. Assim a razão será “julgada” para se saber que tipo de conhecimento não tem fundamento. Pretende com isso superar a dicotomia entre racionalismo e empirismo. Ensina-nos, em A Analítica do Belo o que podemos conhecer pela sensibilidade, pelo entendimento e pela imaginação. Ressalta que o conhecimento é constituído de matéria e forma. A primeira são as próprias coisas, são os materiais mesmo do nosso conhecimento empírico, enquanto que as formas, que organizam as nossas sensibilidades, são a priori, ou seja, anteriores a qualquer experiência sensível (mas condição da nossa própria experiência). Para conhecer qualquer coisa, temos de organizá-la a partir de uma estrutura apriorística que é a forma do espírito e organizá-la com as formas de conhecimento adquiridos, a priori também, do tempo e do espaço. Assim, para Kant, o tempo e o espaço não existem como realidade externa, são formas que o sujeito põe nas coisas. Percebemos pelos sentidos, mas é como se algo escapasse pelos sentidos, isto é, as categorias de substância, de causalidade, de existência (entre outras). Essas categorias não são dadas somente pela experiência, mas postas e relacionadas pelo próprio sujeito. Não há um conhecimento puro e nem uma crítica que seja pura. Qualquer novidade artística, e nesta incluímos o jornalismo, portanto, não é um dado exterior ao qual o intelecto deve se conformar, mas, ao contrário, o mundo dos fenômenos só existe na aparência, na forma pelo qual o apreendemos e o representamos a nós, portanto, participamos da construção dos conhecimentos. Kant. Pela análise da moralidade (na Crítica da Razão Prática) tenta o filósofo recuperar a metafísica, que foi destruída por ele, enquanto agnóstico (a razão não é capaz de afirmar ou negar o conhecimento de Deus), o eixo condutor da perspectiva moral é a Liberdade; para Platão é a Justiça. Para o jornalista, ambas. Erro e falsidade A moral para Kant fundamenta-se no princípio racional do Dever, esteio da ordem dos fins (que seria a Justiça platônica): na qualidade de elemento ético, o dever prescinde do determinismo da Natureza (instintos irascíveis, segundo Platão). Nessa ordem, Kant estabelece não o real, mas o ideal que é sempre uma visada aos fins morais (e, esse aspecto, o aproxima de Platão, embora a moral kantiana pressuponha liberdade para a ação) sendo esta considerada como instituidora de uma esfera superior do entendimento, ou da liberdade, que assim concebida participaria, aí sim, da coisa-em-si e, portanto, do espírito (das essências). Como vimos, a moral platônica é sempre uma visada política que consiste na fabricação de técnicas (jornalismo é arte/ técnica), a nosso ver, a serviço da comunidade, sendo a Arte apenas uma delas. Na Crítica da Razão Pura, segundo Nunes [cf. op. cit. p.48], a realidade é concebida por Kant como natureza (causalidade natural); na Razão Prática, como Espírito (o domínio da Liberdade). Ora, nos diria Nunes, traduzindo Kant [partimos do pressuposto que o entendimento de Nunes corresponda ao nosso aqui exposto, apoiados pelo método dedutivo: se. então...]: Os fenômenos e suas relações se situam no espaço e no tempo, são tudo que podemos conhecer. Determinados uns pelos outros, eles obedecem à lei universal de causa e efeito, que é um dos moldes mentais que o Entendimento lhes impõe, e sem o qual não seria concebível aquilo que chamamos Natureza. Logo, tudo que podemos conhecer segundo Kant, nos limites da experiência organizada é, tão somente, o reino da causalidade e tendo o conhecimento como apropriado e adequado à experiência. Isto vem a ser o reducionismo de Husserl e objeto da consciência transcendental existencialista. Segundo Chauí [ler: Convite à Filosofia, Capítulo 3, p. 104. As comparações propostas entre Kant e Husserl por Chauí não é objeto do presente trabalho, ficando apenas uma tentativa de elucidar tais conceitos]: “Kant usa duas palavras gregas para referir-se à realidade: a palavra noumenon, que significa a realidade em si, racional em si, inteligível em si”. Esta realidade para Platão, só seria possível no mundo inteligível das idéias; nesse mundo [em que vivemos], só podemos ter cópias imperfeitas dos objetos, inclusive das artes em geral; e a palavra phainomenon (fenômenon) que significa a realidade tal como se mostra ou se manifesta para nossa razão ou para nossa consciência. Para o existencialismo de Husserl é a própria consciência que se manifesta. Desse modo, conhecer os fenômenos, conhecer a estrutura e o funcionamento da consciência é a mesma coisa. São a própria consciência que constitui os fenômenos, dando sentido as coisas. Para Husserl, conhecer é conhecer os sentidos ou a significação das coisas O sentido é que se constitui como a essência das coisas. Segundo Kant, a “verdade” será o encadeamento, ou o relacionamento rigoroso das ideias e dos conceitos. Para ambos, é no realismo que se encontram o erro e a falsidade, isto é, na suposição de que os conceitos ou as significações se refiram a uma realidade em si, independente do sujeito do conhecimento. A esse erro de concepção Husserl denominou de tese natural do mundo ou como atitude natural e Kant denominaram como dogmatismo. Música é transitória, como o jornal de cada dia A música, então, seria bela? Sendo expressão do belo é uma virtude. Vejamos como Platão e Kant relacionam o conhecimento da Arte e da Música. Sendo virtude, a música participaria da educação dos guardiões da república platônica. Partiremos, agora, da própria concepção kantiana a esse respeito. Para Kant, “é belo o que é reconhecido sem conceito, como objeto de uma satisfação universal” [esta é uma das definições da Crítica do Juízo Estético. Cf. Nunes, Opp. cit. p. 48]. Como vimos, sendo a satisfação do belo universal isso ocorre porque se produziria necessariamente por meio de condições pessoais (empíricas) – variáveis de indivíduo para indivíduo – de modo a permitir o livre julgamento do contemplador, sendo por isso uma satisfação estética, isto é, uma conquista da consciência que possibilita a universalização do juízo de gosto [cf.: ABBAGNANO, N. Dicionário de Filosofia, São Paulo: Mestre Jou, www.observatoriodaimprensa.com.br/news/view/_o_cao_e_um_verdadeiro_filosofo_o_jornalista_deveria_se_lo 3/8
  4. 4. 07/11/13 O cão é um verdadeiro filósofo, o jornalista deveria sê-lo - | Observatório da Imprensa | Observatório da Imprensa - Você nunca mais vai ler jornal do … 1970. P.976. “Para Kant o gosto é uma espécie de senso comum é assim o senso comum no seu significado mais exato porque se pode definir como a faculdade de julgar aquilo que se torna universalmente comunicável, sem a mediação de um conceito (Crítica do Juízo, parágrafo 40). Portanto a universalidade do juízo de gosto não é aquela do juízo intelectual porque não se baseia no objeto, mas na possibilidade da comunicação com os outros. Em outros termos, o juízo de gosto somente é universal porque se funda na comunicabilidade do sentimento (Crítica do Juízo, parágrafo 39). Kant distinguira ainda o gosto como a faculdade de julgar do gênio, como uma faculdade produtiva (Ibidem, parágrafo 48). Como já nos referimos a Husserl, para ele o Juízo é visto como noesis, que é o julgar e noema que é o julgado, isto é, juízo formulado que torna possível a consideração lógico-formal do próprio juízo. Ambos os aspectos são fornecidos na experiência vivida do Julgar. (Cf. ABBAGNANO, N. op. cit. p. 976)]. Em Kant, um mero som (a diferença de um barulho, o som das palavras), como de um v é belo em si, enquanto mera sensação agradável, somente na medida em que seja um som puro, o que já é uma representação que diz respeito à forma. Os sons e as cores não podem se misturar. As cores mistas, bem como sons, são tidas como belos quando de nenhum modo são pensados como perfeição de um objeto, como finalidade pretensamente formal, mas conforme a unanimidade, do jogo dos poderes da mente, em que tudo nela só pode ser sentido (sem dogma imposto), segundo sua proporção ao sujeito e o seu sentimento interno, e, aliás, na medida em que esse juízo é possível, segundo uma regra universal [para maior compreensão, ler o parágrafo 15, Analítica do Belo, p. 229]. Em outras palavras, o apelo à forma impede a pureza do juízo de gosto, bem como a instituição de uma finalidade para o objeto, porque “não pode haver nenhuma regra de gosto objetiva que determine por meio de conceitos o que é belo” [idem]. Entretanto, a arte jornalística, a nosso ver, não sendo natureza, mas cultura, deve se parecer com a natureza, porque livre de todas as regras e coações, deve se parecer a um produto natural. Muito diferente é a concepção platônica. Para Kant, toda arte deve ao gênio a sua origem, como veremos mais adiante. A poesia ocuparia o primeiro lugar, o lugar mais alto entre as belas-artes, porque fortalece a mente, ao fazê-la sentir-se livre, independente de limitações naturais; jogando com a aparência, com as ideias, sem, entretanto, enganar com isso. Já a eloquência, a quem Kant também denomina por arte, seria menor que a arte poética porque sua finalidade é persuadir, ludibriar pela bela aparência. Depois dessas duas, Kant colocaria a arte do som, ou Música; como, entre todas as artes, a menor, pois ela fala por puras sensações e, diferentemente da poesia, (pois esta sempre deixa algo para a meditação), enquanto que a música é transitória, como é o jornal de cada dia. Verdadeiro amor A música, portanto tem menos valor, pois não suporta repetições reiteradas sem causar fastio. A forma (melodia, harmonia) serve somente para exprimir, como forma de linguagem, sons que repousam sobre a proporção do número das vibrações do ar, ao mesmo tempo, ou também sucessivamente. Pode ser, por isso, matematicamente concebida sobre certas regras, para Kant, somente essa forma matemática poderia prender a satisfação, embora não representada por conceitos determinados. No atrativo e no movimento que a música sugere essa matemática não tem a mínima participação, segundo Kant, mas proporciona fruição agradável por si mesma à mente. As artes para Platão, em A República, serão sempre utilitárias, como podemos ver no excerto que apresentamos a seguir. Nos Diálogos III, dialogando com Gláucon, Sócrates condena as melodias Jônias e Lídia (chamadas frouxas) que deveriam ser banidas da república por não serem apropriadas nem para as mulheres, “quanto mais para os homens”, por serem melodias plangentes ou lamuriosas, não teriam utilidade para um público de guerreiros. Sobre a melodia ou harmonia, diz-nos Sócrates [cf. Livro III. A República, p.64]: Quero uma (referindo-se à melodia) que seja capaz de imitar devidamente a voz e os acentos de um herói na hora do perigo da austera resolução, ou quando sofre um revés, um ferimento, a morte ou qualquer infortúnio semelhante, e em tais crises enfrenta os golpes da sorte a pé firmes e com ânimo indomável. E outra que possa usar em tempo de paz, quando em plena liberdade de agir e sem sentir a pressão da necessidade, procura convencer a outrem de alguma coisa, com preces, se é um deus ou com advertências e admoestações se se trata de um homem; ou, quando, pelo contrário, exibe sua disposição de ceder às súplicas, lições e persuasões de outro, e tendo logrado, pela sua conduta prudente, aquilo que tinha em mira, não se envaidece, mas em todos os momentos age com sensatez e moderação e se mostra satisfeito com a sua sorte. Essas duas harmonias são as que deves deixar: a voz da necessidade e a da liberdade, os acentos dos homens infortunados e os do homem feliz, o canto da coragem e o da temperança. A emoção do herói expressa por uma melodia, perante a morte, ou qualquer outro infortúnio, crises; ou a felicidade representada num canto de coragem, para Kant, não se fundaria num juízo de gosto, pois este deve ser puro, isto é, independente de atrativo ou emoção. Desse modo, tais juízos, quando contenta ou dói, não podem ter nenhuma pretensão à satisfação universalmente válida. O gosto será sempre bárbaro quando precisa da mistura de atrativos e emoções para qualquer finalidade ou satisfação, e chega mesmo a fazer destas o critério de sua aprovação. Para Platão, as únicas melodias aceitas em sua república seriam respectivamente a Dórica e a Frígia, porque para executá-las não seria necessária uma escala panorâmica com multiplicidade de sons. Somente a lira e a cítara seriam instrumentos úteis na cidade e; no campo, seria permitida a flauta pastoril. Pretende expurgar a cidade de todo o luxo, purificando-a. A harmonia está na simplicidade das formas, assim uma bela alma se harmonizará com uma bela forma e somente os mais belos elementos formais, tanto de espírito como na alma, merecerão ser amados. O verdadeiro e belo amor é moderado e harmonioso, isento de sensualidade e grosseria, porém é necessário separar dele o prazer entre os amantes, porque este levaria à loucura ou à incontinência. Para Kant, há uma crítica do belo e não uma ciência deste, mas somente belas-artes. Se o belo fosse objeto de uma ciência, o juízo de beleza não seria um juízo- de- gosto. Se alguém perguntasse por uma www.observatoriodaimprensa.com.br/news/view/_o_cao_e_um_verdadeiro_filosofo_o_jornalista_deveria_se_lo 4/8
  5. 5. 07/11/13 O cão é um verdadeiro filósofo, o jornalista deveria sê-lo - | Observatório da Imprensa | Observatório da Imprensa - Você nunca mais vai ler jornal do … Ciência do Belo e pelos seus fundamentos e demonstrações, seria despedido com sentenças de bom gosto. Ao contrário de Platão, que abole o prazer do belo, Kant teria outro diálogo com Gláucon. O diálogo que ora propomos tem unicamente uma função didática e não serve à ficção, enquanto entendida como entretenimento, mas, ao contrário, trata-se de um esforço a uma possível intertextualidade. Vejamos [in: Analítica do Belo, parágrafo 9: Investigação da questão: se no juízo-de-gosto, o sentimento de prazer precede o julgamento do belo, ou este precede aquele, p. 219- 221]: “O prazer é necessário à arte, ou é um conhecimento que se executa efetivamente?” – perguntaria Glauco: - Se a arte, [entre estas o jornalismo] adequada ao conhecimento de um objeto possível, executa, meramente para torná-lo efetivo, as ações requeridas para isso, ela é mecânica; se, porém, tem o sentimento de prazer como propósito imediato, chama-se arte estética. Essa é agradável, ou bela-arte [idem]. Jornalismo e pintura editada Segundo Ferraz [cf. Platão, as artimanhas do fingimento, p. 74-75], a Pintura, no Livro X, serve como modelo para a condenação da Poesia por ser enganadora, Kosmetike (maquilagem), apta a produzir ilusões e seduzir pelas suas cores. Serão desqualificadas, na república, todas as técnicas de fabricação, technai, ligadas às maquilagens, como: pintura, tintura, ornamentos. A Arte Pintura é tratada como arte cosmética em que o artifício exerceria sua sedução em total autonomia em relação à natureza e ao real, porque apenas não só modificaria a natureza, mas também enganaria os sentidos, mostrando, através das cores, uma realidade multicolorida, dissimulada em camadas de tinta. Seria, portanto, como um ornamento privado (segundo Platão), de qualquer essência (como uma roupa que não se consegue tirar, porque não há nada além dela). As próprias cores já são um produto de misturas, portanto não em si, isto é, sem nenhuma essência. É por isso, que pela arte de enganar e seduzir, os pintores, poetas, sofistas, oradores, músicos [jornalistas] não passam de meros charlatães, salvo (alguns) se aderirem aos ideais políticos da república e aceitarem adequar suas atividades em nome do bem-estar-social da pólis. Desse modo, platonicamente, estas artes “não-são” e “nem faz-ser”. Sobre a Pintura, assim se expressa Kant: “A arte pictórica, como a segunda espécie de artes figurativas (a primeira se refere à plástica: escultura e arquitetura) que expõe a aparência sensível artisticamente vinculada com as Idéias, eu dividiria na da bela descrição da natureza, e na da bela composição de seus produtos” [daarte do Gênio, p.258 In: A Analítica do Belo, p.258]. Kant divide a pintura em: pintura propriamente dita e jardinagem ornamental (decoração do solo). Em sentido geral, também coloca, como pintura, a ornamentação dos ambientes com tapeçarias e adereços. Acrescenta que todo o mobiliário e a arte da indumentária. O luxo das damas, com suas roupas, brincos constituem, para Kant, uma “festa suntuosa”, uma pintura. A mímica, porque dá à expressão corporal um jogo de fantasia, também seria uma pintura. Mas a verdadeira bela-arte kantiana é mesmo a arte do Gênio que veremos a seguir. Para Kant somente um gênio, que já nasce com um dom para sê-lo, poderia dar regras às artes, nesse caso elas seriam (ao gênio) naturais, isto é, intuídas e inerentes ao gênio e não decorreriam de um fundamento-de-determinação. Assim se expressa Kant: “Ora, mesmo assim, sem regra prévia, um produto nunca pode chamar-se arte, é preciso que a natureza, no sujeito (e pela disposição das faculdades do mesmo), dê à arte a regra, isto é, a bela-arte só é possível como produto de um gênio”. O gênio não imita, ele mesmo não prescreve regras e nem explica cientificamente como instituiu o seu produto, porque é a própria natureza que deu-lhe as regras. Newton não é considerado um gênio para Kant, pois soube ensinar e passar seus conhecimentos científicos, descrevê-los, expor princípios e todos os que aprenderem seus fundamentos também não podem se denominar gênios, porque o gênio é como Homero (citado, como exemplo por Kant), não pode indicar como suas originais ideias, repletas de pensamentos, surgiram em sua mente. Assim, o gênio tem dom natural de dar regras sem seguir nenhuma consequentemente quem precisa de regras e os as seguem não são gênios. Nesse sentido, podemos deduzir que mesmo se um gênio pudesse sintetizar as regras que o levaram à genialidade, outro gênio delas prescindiria, porque já teriam intuídas suas próprias e naturais regras. Assim como o gênio nasce gênio, curiosa é a analogia que Platão faz do filósofo com um cão. Diz-nos ele, na república, que o cão é um verdadeiro filósofo. Por quê?, pergunta Garçom/Porque distingue a figura do inimigo da do amigo pelo simples critério de conhecê-la ou não conhecê-la, responde Platão./E não sentirá desejo de aprender quem define o familiar e o estranho pelo seu conhecimento ou ignorância de um e de outro? [in O cão como filósofo DiálogosIII, A República, Livro II p. 45]/Sem dúvida, responde Glauco./E não podemos admitir confiadamente que o homem, cuja disposição é ser afável para com os amigos e conhecidos, deve ser filósofo e amigo do saber por natureza [idem]?/Obviamente, conclui Gláucon. A natureza do necessário Desse modo, como o gênio kantiano, o filósofo, também é um amigo do saber por natureza Ao que Gláucon, obviamente concordou, e por ser esse um diálogo virtual, o interlocutor acaba, ao final, se saindo muito bem. Vimos o quanto o filosofo ou o gênio o é por natureza, porém nos diz Platão, a própria natureza pode ser corrompida e é o que vamos explicitar agora. As causas que nos expõe Platão são por todos conhecidas, porque perduram até os dias atuais. São elas: uma educação de baixa qualidade; as virtudes como a coragem, a beleza, a força corporal que podem se afastar da Filosofia pelos mercenários. Aqui Platão os compara aos sofistas (que tudo fazem mediante pagamento). O povo que é comparado a uma grande besta e, sobretudo, o educador, o jornalista quando agem como sofistas, persuadindo o povo, formando opinião enganosa, arrastando o mal e, dessa maneira, se comportam como o vulgar povo na acepção platônica. A própria Ciência, decorrente da má organização política que se prega nos tribunais, nas assembleias, aos berros, condicionando os discursos, não raro, a outros interesses que não os do poder de legislar em nome do povo e/ou de promover à ética e a justiça. Cita-nos Platão, que há uma força maior da qual os sofistas se utilizam para melhor persuadir o povo: a coação material. Por ela lançam mão os sofistas quando não conseguem persuadir pelas palavras, ameaçando, punindo com privações de direito, confiscações etc. quem não obedece a eles. Veremos, ao longo desse artigo, o quanto Platão é realista e atual. www.observatoriodaimprensa.com.br/news/view/_o_cao_e_um_verdadeiro_filosofo_o_jornalista_deveria_se_lo 5/8
  6. 6. 07/11/13 O cão é um verdadeiro filósofo, o jornalista deveria sê-lo - | Observatório da Imprensa | Observatório da Imprensa - Você nunca mais vai ler jornal do … Motivos pelos quais as naturezas filosófica, jornalística e artística se corrompem com tanta facilidade. Em primeiro lugar as próprias virtudes – a coragem, a temperança e o resto, pois cada uma dessas qualidades, tão dignas de louvor, perverte a alma que a possui e a afasta da Filosofia, se usadas visando interesses escusos. Diante do grande espanto de Gláucon, Platão vai expor que as almas mais dotadas se tornam as piores quando submetidas a uma má educação. Os grandes crimes e a maldade refinada não brotam de espíritos inferiores, mas da plenitude de uma natureza corrompida. Para Platão as almas fracas nunca serão capazes de grandes males e nem de grandes bens. Como exemplo cita os sofistas que são como as mais daninhas de todas as ervas, a menos que preservem algum poder divino. E, a seguir ataca o povo [idem]: Pois aqui tens outro ponto em que deverás assentir, diz Platão/ Qual? Pergunta Glauco./que todos esses indivíduos mercenários a quem a multidão chama sofistas e considera como seus adversários outra coisa não ensinam senão o que o vulgo expressa em suas reuniões, e é a isso que chamam de ciência. Poderia compará-los a um homem que estudasse os instintos e humores de algum grande animal confinado à sua guarda, sabendo por que lado deve aproximar-se dele e onde tocá-lo, em que ocasiões e por que motivo se torna (grande animal) mais perigoso ou mais manso. Platão não poupa a ciência sofística, dizendo ainda que o que agrada à grã-besta (o povo) é bom para os sofistas. Estes, por não poderem dar outras explicações acerca dos termos que discorrem, chamam de justo e belo ao necessário, mas jamais compreenderam, nem puderam explicar aos outros a natureza do necessário e do belo e a enorme diferença que os separa. Conclusão Ao lermos os Diálogos III de Platão e os conceitos de Kant em A analítica do belo, assistimos, no primeiro, à desqualificação da mimesis como uma atividade enganadora da essência, constituindo o não-ser, ligada à aparência, como cópia da natureza, ou cópia de cópias. Em Kant (prescinde dos ideais políticos impostos por Platão que visava como vimos à formação do guardiães), pudemos ver a consagração da Poesia, como uma arte maior; o gosto e a satisfação do belo em si mesmo e a liberdade da fruição, que gostaríamos de ler nos jornais. Notamos que apesar de Platão condenar as técnicas discursivas dos sofistas, também delas se utiliza para, tomando a fala de Sócrates, ridicularizar seus oponentes, mostrando-lhes o quanto são fracos seus argumentos; incorrendo, portanto, no mesmo erro que imputa aos sofistas, ou seja, a arte de manipular o discurso e persuadir os seus adversários acerca da ignorância deles, que também são técnicas atuais de muitas revistas que “Isto é ou Isto Naomi” (obviamente são nomes meramente fictícios). Desse modo, faz sempre prevalecer unicamente uma verdade: a sua própria. Entretanto, em muitos excertos analisados, constatamos a atualidade do seu discurso político em relação à corrupção a que hoje também assistimos, não raro, nos nossos tribunais, assembleias, nas redações de muitos jornais. Todavia, não estamos a generalizar. Sempre há honrosas exceções. Sobre o gênio kantiano, fica a nossa esperança: que a filosofia possa contribuir, pelo menos, para que os nossos jornalistas possam aprender, senão uma arte maior (porque não sendo gênios, a isso não teriam acesso) o belo que só mesmo as artes, entre elas destacamos a arte de escrever jornalisticamente, podem nos proporcionar. Ao final, só nos resta esperar que a nossa leitura, não sendo por ora mais abrangente, possa vir a ser, um dia, mais desveladora na medida em que o nosso entendimento se expanda com a aquisição de novos conhecimentos (que outras leituras e cursos poderão acrescentar), e a nossa sensibilidade se apure em contato com as belas-artes e com as artes belas, em todos as instituições comprometidas com ideais de cidadania. Referências bibliográficas ABBAGNANO, Nicola. Dicionário de Filosofia, São Paulo: Martins Fontes, 1998. BENSE, M. Pequena Estética.São Paulo: Perspectiva, 1975. BRONOWSKI, J. Arte e Conhecimento.Lisboa: Edições 70, 1983. CHAUÍ, Marilena. Convite à Filosofia. 8ª ed. São Paulo: Ática, 1997. NUNES, B. Introdução à Filosofia da Arte. São Paulo: Ática, 1991. DARTIGUES, André. O que é a Fenomenologia. 3ª ed. São Paulo: Moraes, 1992. FERRAZ, Maria Cristina F. Platão, As Artimanhas do Fingimento. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 1999. GADAMER, Hans-Georg. La actualidad de lo Bello.Barcelona: Paidós, 1991. GILES, Thomas R. História do Existencialismo e da Fenomenologia. São Paulo : EPU, 1989. KANT, Imamnuel. Crítica da faculdade do juízo. Rio/São Paulo: Forense, 1993. KANT, Immanuel. Kant. Coleção Os Pensadores. Tr. Valério Rohden e Udo Baldur Moosburger. São Paulo: Nova Cultural, 1999. PLATÃO. Diálogos III, A República. Tr. Leonel Vallandro, 23ª ed. Rio de Janeiro: Ediouro, 1996. *** [Iracema Torquato é professora DRT em Políticas Públicas e Administração da Educação Brasileira na área www.observatoriodaimprensa.com.br/news/view/_o_cao_e_um_verdadeiro_filosofo_o_jornalista_deveria_se_lo 6/8
  7. 7. 07/11/13 O cão é um verdadeiro filósofo, o jornalista deveria sê-lo - | Observatório da Imprensa | Observatório da Imprensa - Você nunca mais vai ler jornal do … de Educação] 5 pessoas recomendaram isso. Seja o primeiro entre seus amigos. Recomendar Comente aqui Comentários(2) Tw eet 0 Curtir 5 0 Outros textos deste autor ATENÇÃO: Será necessário validar a publicação do seu comentário clicando no link enviado em seguida ao endereço de e-mail que você informou. Só as mensagens autorizadas serão publicadas. Este procedimento será feito apenas uma vez para cada endereço de e-mail utilizado. Nome Sobrenome E-mail Profissão Cidade Estado Selecione um Estado Comentário 1400 Preencha o campo abaixo com os caracteres da imagem para confirmar seu comentário, depois clique em enviar. Recarregar imagem Enviar Comentário Este é um espaço de diálogo e troca de conhecimentos que estimula a diversidade e a pluralidade de ideias e de pontos de vista. Não serão publicados comentários com xingamentos e ofensas ou que incitem a intolerância ou o crime. Os comentários devem ser pertinentes ao tema da matéria e aos debates que naturalmente surgirem. Mensagens que não atendam a essas normas serão deletadas - e os comentaristas que habitualmente as transgredirem poderão ter interrompido seu acesso a este fórum. Observatório da Imprensa | História | Objetivos | Equipe | Fale Conosco Copyright © 2011. Todos os direitos reservados. | Política de Privacidade | Termos de Uso Observatório na Web Todas as Seções Voltar ao topo Observatório na TV Arquivo 2013 Marcha do Tempo Último Programa MÚSICA NA TV www.observatoriodaimprensa.com.br/news/view/_o_cao_e_um_verdadeiro_filosofo_o_jornalista_deveria_se_lo Leila Reis 7/8
  8. 8. 07/11/13 O cão é um verdadeiro filósofo, o jornalista deveria sê-lo - | Observatório da Imprensa | Observatório da Imprensa - Você nunca mais vai ler jornal do … Armazém Literário Maio Programas Anteriores Caderno da Cidadania Abril Horários Circo da Notícia Março Vídeos do Programa TODA MÍDIA Direito de Resposta Fevereiro Transcrições Nelson de Sá Diretório Acadêmico Janeiro Dossiê Murdoch - Parte 2 E-Notícias Arquivo 2012 Observatório no Rádio Último Programa 26/07/2005 01/02/2005 MÍDIA & POLÍTICA Diogo Mainardi Edição especial: Dossiê Murdoch Dezembro Entre Aspas Novembro Feitos & Desfeitas Outubro Imprensa em Questão Setembro Interesse Público Agosto Último Post Jornal de Debates Julho Arquivo Completo Marcha do Tempo Junho 22/08/2005 Memória Maio PRÓ-MÍDIA À VISTA Monitor da Imprensa Mosaico Mural Na Imprensa Internacional Netbanca Observatório da Propaganda Primeiras Edições Tv em Questão Voz dos Ouvidores Programas Anteriores 07/12/2004 Código Aberto Arquivo Completo REFORMA UNIVERSITÁRIA Seminário da Fenaj reflete o impasse J. S. Faro Keila Jimenez 2013 > 728 até 746 06/04/2004 2012 > 675 até 727 THE WASHINGTON POST 2011 > 623 até 674 Imprensa é mais confiável que governo Bush 2010 > 571 até 622 2009 > 519 até 570 2008 > 466 até 518 2007 > 414 até 465 2006 > 362 até 413 2005 > 310 até 361 2004 > 258 até 309 2003 > 205 até 257 2002 > 153 até 204 2001 > 105 até 152 2000 > 82 até 104 Sobre artigo de Michael Getler 25/05/2004 HUMAN RIGHTS WATCH Relatório denuncia "ameaças à liberdade de expressão" no Brasil 18/01/2005 ASSOCIATED PRESS Agência corre atrás do prejuízo 27/06/2005 1999 > 59 até 81 1998 > 36 até 58 1997 > 13 até 35 1996 > 1 até 12 www.observatoriodaimprensa.com.br/news/view/_o_cao_e_um_verdadeiro_filosofo_o_jornalista_deveria_se_lo 8/8

×