Universidade Federal Fluminense  PROFESSOR PESQUISADOR     PROF. M.SC. ENG. ANTONIO FERNANDO NAVARRO  PROFESSOR ORIENTADOR...
Universidade Federal Fluminense     A avaliação do benchmark foi baseada em 84 das 88 declarações comuns a todos os questi...
Universidade Federal Fluminense     e que a sua saúde e segurança é fundamental para os objetivos das sociedades empresari...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Satisfação dos empregados na indústria australiana de óleo e gás

202 visualizações

Publicada em

Análise de pesquisas internacionais sobre o desempenho dos trabalhadores na área de óleo e gás

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Satisfação dos empregados na indústria australiana de óleo e gás

  1. 1. Universidade Federal Fluminense PROFESSOR PESQUISADOR PROF. M.SC. ENG. ANTONIO FERNANDO NAVARRO PROFESSOR ORIENTADOR PROF. DR. ENG. MIGUEL LUIZ FERREIRA RIBEIRO CLASSIFICAÇÃO DO ASSUNTO A atitude dos trabalhadores frente às questões de SMS na indústria australiana de óleo e gás REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA SAFARI, B.; ILSLEY, D.; HEALY J.. The human factor: a benchmark of worker attitude to health, safety and environment in the Australian oil and gas industry – 1999-2001, National Institute of Labour Studies, Finders University, Adelaide, Australia, HSE in the Australian Oil and Gas Industry, 2001 PALAVRAS-CHAVE Estrutura Conceitual; Excelência em SMS; Fatores Humanos. OBJETIVO Saber o grau de satisfação dos trabalhadores da indústria de óleo e gás com as questões de SMS e as oportunidades de melhoria do processo. METODOLOGIA DE PESQUISA (E/OU MÉTODO DE CONSTRUÇÃO) O trabalho foi estruturado com base em pesquisa presencial e entrevista com trabalhadores de 7 companhias de petróleo que atuam na Austrália, entre os anos de 1999 a 2001, com a seguinte proposta: (a) Para que cada participante pudesse fornecer o feedback sobre o clima de SMS em sua empresa a as perspectivas de cada um desses; e (b) Para produzir um benchmark da indústria sobre o clima de SMS, permitindo a cada empresa a sua auto-avaliação e a comparação com o resto da indústria quanto a essas questões. Foram entrevistados 1619 empregados e 765 contratantes em 7 companhias (Apache, BHPP, Crevron, Esso/Mobil, Newfield, Santos e WoodsideEscola de EngenhariaUniversidade Federal FluminenseRua Passo da Pátria, 156, sala 265, bloco DSão Domingos | Niterói | RJ | 24210-240Tel.: +55 21 2629-5564Fax: +55 21 2629-5420 1|3
  2. 2. Universidade Federal Fluminense A avaliação do benchmark foi baseada em 84 das 88 declarações comuns a todos os questionários das empresas. Cada uma dessas declarações diz respeito a um aspecto particular de SMS e foram objeto das pesquisas de campo e entrevistas. CONCLUSÃO (PRINCIPAIS RESULTADOS, POLÊMICAS E CONCLUSÕES) Os trabalhadores estão satisfeitos consigo mesmo e com os seus colegas quanto às questões de comportamentos seguros, capacidades e habilidades. No entanto, criticam a eficiência dos sistemas e processos em andamento e a forma como são tratados os incidentes. Além disso, enquanto os trabalhadores concordam que as companhias têm cuidados com as questões de segurança, eles acreditam que as empresas estão mais motivadas pela reputação corporativa, em vez de por preocupações com o bem-estar dos mesmos. No geral, não foi encontrada nenhuma diferença substancial entre as atitudes dos trabalhadores e empreiteiros (prestadores de serviços). As diferenças entre os resultados das pesquisas em empresas com atuação offshore, onshore ou em atividades administrativas mostra que as semelhanças entre empregados e contratados são essencialmente impulsionadas pelos trabalhadores das atividades administrativas, e em menor escala, pelos trabalhadores em atividades onshore, se comparado com o restante da indústria, isso porque as atitudes dos contratantes são muito menos favoráveis do que aqueles dos trabalhadores que atuam em atividades "offshore". Isto pode indicar que as experiências dos profissionais de SMS que atuam em atividades administrativas ou em atividades onshore são menos consistentes daqueles que praticam suas atividades offshore, independentemente do estatuto profissional. OPINIÃO (PONTOS FORTES E FRACOS) Pontos de atenção observados: Quando comparamos os resultados das pesquisas com os empregados com atuação nas áreas de produção, manutenção e apoio técnico verificamos que, geralmente, aqueles que desenvolvem o apoio técnico têm resultados (índices) mais favoráveis do que os dos demais grupos. Uma possível explicação para isto é que os empregados de apoio técnico são, em sua maioria, especialistas com atividades administrativas, alguns dos quais supervisores. Eles não têm o mesmo nível de exposição ao risco que os outros dois grupos (a maior diferença em conceitos de SMS está na escala "Relatório de Investigação de Incidentes") e têm mais autonomia e menos envolvimento direto nas atividades de risco. A fim de complementar o referencial de benckmark, percebemos que os resultados possam ser afetados por outros fatores como: idade e estabilidade no emprego do respondente e tipo de local de trabalho (site / unidade de produção ou de escritório). Os resultados de benchmark indicam, de modo geral, que os empregados e os contratantes estão satisfeitos com o clima de SMS em suas empresas. Em particular, eles estão motivados e confiantes sobre suas habilidades pessoais e da equipe em atitudes de SMS. Embora o panorama geral seja positivo, existem inúmeras oportunidades de melhoria, principalmente no planejamento e na concepção de sistemas de segurança e processos, a tempestiva e regular manutenção dos equipamentos, bem como a gestão da atitude em relação a segurança dos trabalhadores e follow-up sobre incidentes relatados. Um esforço particular seria bem-vindo no sentido de tornar os trabalhadores cientes de que são valorizadosEscola de EngenhariaUniversidade Federal FluminenseRua Passo da Pátria, 156, sala 265, bloco DSão Domingos | Niterói | RJ | 24210-240Tel.: +55 21 2629-5564Fax: +55 21 2629-5420 2|3
  3. 3. Universidade Federal Fluminense e que a sua saúde e segurança é fundamental para os objetivos das sociedades empresariais. Finalmente, os trabalhadores indicaram que o clima de SMS pode ser aprimorado com a melhoria dos níveis da equipe, redução das pressões sobre prazo e reduzir os incentivos para cortar custos. A totalidade dos benefícios de um benchmark só pode ser concretizada se ela for regularmente atualizada e discutida entre todos os interessados. Enquanto áreas de melhora são algo semelhante entre as empresas, é provável que as políticas de SMS sejam mais bem sucedidas se forem claramente discutidas e acordadas pelos gestores e trabalhadores na empresa ou local de trabalho, já que essa irá oferecer aos trabalhadores um sentimento de fazem parte da mesma. A maior parte das empresas manifestou interesse em repetir as sondagens. Isto seria mais eficiente se for feito de forma coordenada em toda a indústria. O sucesso do futuro dependerá em larga medida das revisões dos resultados dos questionários realizados entre 1999-2001. A nível das empresas: os trabalhadores estarão interessados em dar as suas opiniões se estiverem certos de que a sua gestão da empresa leva a sério as suas preocupações .Escola de EngenhariaUniversidade Federal FluminenseRua Passo da Pátria, 156, sala 265, bloco DSão Domingos | Niterói | RJ | 24210-240Tel.: +55 21 2629-5564Fax: +55 21 2629-5420 3|3

×