BALCÃO ÚNICO DO SOLICITADOR                                                                                               ...
02                                                                      “DESTAQUEEntrevista a Vasco Luís de Mello, preside...
Vila Franca acolhe Encontro dos Campeões                                                       A Mithós organiza, no próxi...
04                                                                                                               “ TODOS C...
Universidade Sénior abriu ontem o ano lectivo                        A Universidade Sénior do Concelho de Vila Franca de X...
06                                           “                                                            Vala do Carregad...
Sorteio ajuda Bombeiros de Arruda                                                       A Associação de Bombeiros Voluntár...
07                                                                                  SFRA festejou 137 anos (levo foto)    ...
08                                                                      “ SOCIEDADE                                       ...
Voz Ribatejana Edição 12 Otubro 2011
Voz Ribatejana Edição 12 Otubro 2011
Voz Ribatejana Edição 12 Otubro 2011
Voz Ribatejana Edição 12 Otubro 2011
Voz Ribatejana Edição 12 Otubro 2011
Voz Ribatejana Edição 12 Otubro 2011
Voz Ribatejana Edição 12 Otubro 2011
Voz Ribatejana Edição 12 Otubro 2011
Voz Ribatejana Edição 12 Otubro 2011
Voz Ribatejana Edição 12 Otubro 2011
Voz Ribatejana Edição 12 Otubro 2011
Voz Ribatejana Edição 12 Otubro 2011
Voz Ribatejana Edição 12 Otubro 2011
Voz Ribatejana Edição 12 Otubro 2011
Voz Ribatejana Edição 12 Otubro 2011
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Voz Ribatejana Edição 12 Otubro 2011

1.187 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.187
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Voz Ribatejana Edição 12 Otubro 2011

  1. 1. BALCÃO ÚNICO DO SOLICITADOR UM BALCÃO, TODAS AS SOLUÇÕES balcaounicodosolicitador.pt Em frente aos correios de Alverca tel: 21 958 45 37 Web: www.audiovital.pt Confronto entre Palhas e Miuras esgota praça de Vila Franca RECONHECIMENTOS LUÍS COELHO DE “ TRANSMISSÃO DE IMÓVEIS - HIPOTECAS - SOCIEDADES ASSINATURAS R. José R. Nogueira Lote 8 Loja Dta (Quinta do Galvão) ALVERCA Tel: 939 535 470 - HERANÇAS AUTENTICAÇÃO DE DOCUMENTOS - REGISTO AUTOMÓVEL“ renovadaUrgência Voz Ribatejana:: número 22 :: ano 1 :: 12 de Outubro de 2011 :: quinzenário regional :: director Jorge Talixa :: preço 0,50 cêntimos ::Vila Franca de Xira – Hospital já não tem macas espalhadas pelos corredores A empresa Escala Vila Franca de Xira investiu 120 mil euros na remodelação do Ana Câncio promete dar atenção serviço de urgência do Hospital Reynaldo dos Santos, com a criação de 19 boxes individuais que permitem minimizar os casos de macas espalhadas pelos corre- às questões sociais pags.: 12 e 13 dores. Ao mesmo tempo, a unidade vila-franquense instalou sete gabinetes para quatro novas especialidades. pags.: 2 e 3 Moradores de Alverca denunciam venda ilegal de metadona pag.: 24 Balcão Único alarga serviços dos solicitadores pag.: 11 Gesruda ameaçada de extinção pag.: 15 Utentes de Benavente protestam à porta de Passos Coelho pag.: 11 BALCÃO ÚNICO DO SOLICITADOR TRANSMISSÃO DE IMÓVEIS HIPOTECAS SOCIEDADES RECONHECIMENTO DE UM BALCÃO, TODAS AS SOLUÇÕES ASSINATURAS HERANÇAS AUTENTICAÇÃO DE DOCUMENTOS REGISTO AUTOMÓVEL REGISTO DE MARCAS RECONHECIMENTO DE ASSINATURAS CERTIFICAÇÃO DE FOTOCÓPIAS CERTIFICADO DE TRADUÇÕES AUTENTICAÇÃO DE DOCUMENTOS OBTENÇÃO DE CERTIDÕES LIQUIDAÇÃO DE IMPOSTOS balcaounicodosolicitador.pt
  2. 2. 02 “DESTAQUEEntrevista a Vasco Luís de Mello, presidente da Comissão Executiva da empresa que gere o Hospital de Vila Franca“Desenhámos um planode 20 melhorias comos profissionais dohospital”Quatro meses depois da entrada em funções da empresa do Grupo Mello que assumiu a gestãodo Hospital de Vila Franca de Xira já são visíveis várias mudanças. A Escala Vila Franca deXira investiu 120 mil euros na renovação e reorganização da urgência e mais algumas cente-nas de milhares de euros na aquisição de novos equipamentos. A introdução de quatro novasespecialidades e a definição de um plano com 20 melhorias fruto do diálogo com os cerca de700 profissionais da casa, são outras novidades. A gestão do pessoal é sempre controversa, sus-citou algumas críticas, mas a empresa garante que já celebrou 134 contratos individuais de tra-balho, reduzindo muito as situações de vínculo mais precário. Em entrevista ao VozRibatejana, Vasco Luís de Mello revela, também, que a obra do novo hospital está mais avança-da do que o previsto.Voz Ribatejana – Há 4 meses Também nos foi dito que, aus- fossemos capazes de imple- Investimentosexplicou-me que havia três cultando os profissionais, mentar até final deste ano. Épreocupações fundamentais pensavam elaborar um esse o nosso objectivo e quise- Nestes quatro meses, a Escala Vila Franca de Xira já investiu várias centenas de milharesno início da vossa gestão: chamado “plano de melho- mos fazê-lo com os profission- de euros no Reynaldo dos Santos. Destacam-se a instalação do aparelho de TAC, orçado emprocurar melhorar as rias”. Esse plano está concluí- ais da casa, porque achamos cerca de 220 mil euros (tem permitido realizar cerca de 30 exames por dia) e as obras real-condições da urgência, intro- do, o que é que resultou daí? que é a melhor maneira de con- izadas na Urgência, que somaram cerca de 120 mil euros.duzir quatro novas especiali- Fizemos esse levantamento seguirmos ter sucesso na suadades e avançar com o com os profissionais e foi implementação. Estão em cursoreforço dos equipamentos de desenhado um plano com 20 algumas delas com bastante bloco (operatório) e com a do em algum caso específico, mas não é provável, até porque,diagnóstico. O que é que já foi melhorias. Esse plano arrancou sucesso e temos até final do ano adaptação da gestão do bloco às alguma dificuldade na identifi- ao abrigo do contrato, recebe-concretizado e até que ponto no final de Julho. Houve um para acabar de implementar. necessidades das diferentes cação dos produtos ou no mos da antiga gestão três sem-este processo está a corre- período para identificar quais especialidades. Tem também a processo de encomenda. O que anas de stock de todos os mate-sponder às expectativas que eram as áreas de melhoria, Quais são as mais significati- ver com o agendamento, por pode ter ocorrido é que possa riais. Houve alterações infor-tinham? foram elencadas 20 iniciativas, vas? exemplo, das intervenções no ter havido alguma quebra ou máticas com algum impactoVasco Luís de Mello – bloco, com toda a programação alguma falha desse produto, mas já estão ultrapassadas.Começando pelo último ponto, que é necessário fazer. Tem aque foi o primeiro a ser imple- Quatro novas especialidades ver com temas como a gestãomentado, com o investimento Hospital também vai ter das altas, de forma a libertar as 134 novos contratos de trabalhoque fizemos no TAC, na actua- camas mais rapidamente ou de fazer alguma previsão sobre alização do mamógrafo, que nãoestava a funcionar correcta- operações em oftalmologia libertação das camas, fazendo Algumas das questões de pessoal são complexas na transição de um hospital de gestão estatal para um hospital que man-mente e passou a ter uma qua- uma gestão das altas mais pró- tém as regras da gestão pública mas é gerido por uma empre-lidade de imagem superior, e Desde Junho foram introduzidas quatro novas especialidades activa. Tem a ver com as con- sa privada. Situações que se colocam sobretudo ao nível doscom a aquisição de um novo no Reynaldo dos Santos – oftalmologia, otorrinolaringologia, sultas e o agendamento das que mantinham contratos com termo e contratos de prestaçãoecógrafo. No que diz respeito a pneumologia e neurologia. As duas primeiras são as mais consultas. São tudo iniciativas de serviços.diagnóstico pela via da imagem procuradas e esta opção teve também em conta que, só na que visam sermos mais efi- Segundo Vasco Luís de Mello, o Reynaldo dos Santos tinha 78conseguimos concretizar e foi área de oftalmologia, os registos do Ministério da Saúde re- cientes com os meios que pessoas em regime de contrato a termo certo e mais cerca deuma das primeiras prioridades. ferem que, no ano passado, foram dadas 13 mil consultas a temos hoje neste hospital. 125 situações de contratos de prestação de serviços. A opçãoEssa parte está realizada. O utentes residentes na área do Hospital de Vila Franca em foi solicitar às chefias uma apreciação do desempenho dassegundo era a entrada de quatro unidades hospitalares da zona de Lisboa. Para três destas Houve empenhamento e pessoas em causa e foram propostos e aceites 134 contratosnovas especialidades e temos, especialidades foi necessário construir um total de sete gabi- interesse dos profissionais? individuais de trabalho sem termo. Nestes casos, a Escalahoje, a funcionar essas quatro netes de atendimento que não existiam. Total. Nestes 4 meses ouvimos Vila Franca de Xira propôs horários que passam de 35 paranovas especialidades. Uma, que Com uma média de 15 consultas diárias, a oftalmologia vai algumas críticas à nova gestão 40 horas semanais e um correspondente aumento de 14% nafoi a de Otorrino, arrancou no duplicar muito em breve a sua capacidade, segundo nos expli- do Reynaldo dos Santos. Num remuneração.dia 1 de Junho e as outras três cou Miguel Amaro, especialista que tem assegurado desde o caso por alguma alegada falta “O compromisso que assumimos foi solicitar às chefias ano dia 1 de Agosto. Portanto início de Agosto o funcionamento desta especialidade. A de produtos para tratamentos análise de todas essas pessoas. Os contratos terminavam nohoje temos Otorrino, procura é muita e existe também um gabinete técnico onde é oncológicos nas primeiras sem- fim de Julho e fizemos propostas de contrato individual àsOftalmologia, Pneumologia e feita uma primeira avaliação do doente. Muito em breve anas. Noutros por contratos que pessoas que foram avaliadas positivamente e as situaçõesNeurologia no Hospital de Vila começarão também a ser feitas intervenções cirúrgicas na não foram renovados, sobretu- foram todas regularizadas. Relativamente aos prestadores deFranca, com bastante procura área da oftalmologia no Reynaldo dos Santos. do nas áreas administrativa e de serviços, que continuam a existir, o que estamos a fazer sis-no que diz respeito a oftalmolo- Perpétua Ferreira, residente em Vialonga, foi uma das enfermagem. tematicamente é a avaliar e a fazer propostas a essas pessoas,gia e a otorrinolaringologia. primeiras utentes deste novo serviço de oftalmolo- Na Oncologia estou a quando se justificam, para integrarem o quadro”, explicaTínhamos conhecimento, gia. Tem 79 anos, vê “muito mal”, mas explica ouvir pela primeira Vasco de Mello, frisando que das cerca de 200 situações queatravés dos dados da ARS, do que chegaram a dizer-lhe no centro de saúde vez. Desconheço encontrou resultaram até hoje 134 contratos individuais, masnúmero de pessoas da área que, pela idade, já não se justificaria ir completamente. que ainda há casos de prestadores de serviços a trabalhardeste hospital que recorriam a para os hospitais de Lisboa. Agora, em O que fizemos com o hospital, em situações que a administração pretendehospitais de Lisboa. De facto, Vila Franca, enquanto esperava a segun- desde o início progressivamente regularizar.há uma procura grande e já da consulta, sentia que o seu caso estava foi alterarmos “O que temos feito é tornar a situação das pessoas muitoestamos a reforçar as equipas, a ser bem encaminhado. “Foi muito bom o sistema infor- menos precária, mais estável, com contratos individuais detanto de oftalmologia como de terem criado aqui este serviço de oftal- mático na área trabalho”, prossegue, frisando que não houve uma redução eotorrino, para ir ao encontro da mologia”, disse ao Voz Ribatejana. da logística e de que o quadro global do hospital só não é superior porque osprocura. Para arrumar estas compras de farmá- contratos passaram de 35 para 40 horas. “As pessoas tinhamquatro especialidades tivemos cia e de produtos um contrato que terminava e não sabiam o que ia acontecer.que fazer algumas obras para também não quisemos ir para Algumas delas têm a médicos e da parte de Acabam por ganhar mais e também trabalham mais. Temosgabinetes que não tínhamos. iniciativas muito complicadas, ver com a área da urgência, out- materiais que se usam no hospi- feito uma aposta grande nos profissionais deste hospital”, quisemos iniciativas que ainda ras têm a ver com a gestão do tal. Imagino que possa ter havi- sustenta.
  3. 3. Vila Franca acolhe Encontro dos Campeões A Mithós organiza, no próximo dia 23, em Vila Franca de Xira, o seu 7º. Encontro de Campeões. Uma iniciativa destinado a crianças e jovens com necessidades especi- ais, aos seus pais e/ou outros familiares e professores de educação física. Um 03 encontro que visa promover a auto-estima destas crianças e destes jovens, através 12 de Outubro de 2011 da prática de actividades desportivas e de lazer. O evento decorre entre as 9h00 e as 18h00, durante a manhã nas piscinas municipais de Vila Franca.Hospital de Vila Franca de XiraUrgência já não tem macasespalhadas pelos corredoresGarantir mais privacidade no atendimento e melhorar as condições para utentes e profissio-nais foram os principais objectivos da remodelação do serviço de urgência do Hospital de VilaFranca de Xira, a funcionar desde o final de Setembro.Jorge Talixa tente (70 metros quadrados) as 19 boxes permitem a sepa- para montar alguns módulos e ração visual dos doentes eA Urgência do HospitalReynaldo dos Santos de VilaFranca de Xira foi remodelada ereorganizada com um conjunto Utentes satisfeitosde obras e de investimentos con-cluídos na segunda quinzena de O sentimento dos utentes é bastante positivo. Aldina Ferreira,Setembro, que permitiram criar de 36 anos, atendida na semana passada na Urgência de Vila19 boxes individuais para trata- Franca, disse, ao Voz Ribatejana, que a nova organização domento de utentes e vieram espaço da urgência “não tem comparação com o que eraresolver um dos grandes proble- antigamente “, porque “está tudo muito melhor, há mais facil-mas com que se debatia oserviço, que era o da habitual idade em os utentes serem atendidos”, sustenta. “É a primeira vez que venho à urgência com esta nova orga- Urgências em númerosproliferação de macas pelos nização do serviço, não conhecia esta nova organização, mascorredores, onde não era possí- acho que está muito melhor em todos os aspectos”, Afluxo médio diário em 2010 - 330vel garantir a privacidade e boas prosseguiu, considerando que Afluxo médio diário em 2009 – 360 utentescondições de atendimento. sentiu também uma redução no Picos de maior afluência diária – 450 utentesEmbora não consigam garantir tempo de espera, embora se Investimento efectuado – 120 mil eurosque não voltará a ser necessário tratasse de uma segunda-feira, Boxes de tratamento - 19colocar alguma maca em perío- dia em que, segundo os registosdos de maior afluência, os hospitalares, a afluência médiaresponsáveis do Hospital de Vila aumenta cerca de 15% por com- informáticos que permitem con- síveis. “O que temos feito acre- serem mais eficientes no seu tra-Franca afirmam que os 120 mil paração com outros dias da hecer e controlar a situação de dito que nos vai permitir dar balho e poderem prestar melhoreuros investidos nesta reorgani- semana. “Acho que foi muito todos os utentes em tratamento. uma melhor resposta, não só na o seu trabalho. Nos dois ou trêszação visaram principalmente positivo aquilo que se fez. “As instruções vão no sentido de parte humana e da qualidade dos dias em que já tivemos mais demelhorar a humanização do Demora um bocadinho o proibir pôr macas nos corre- cuidados, mas também criando 320 utentes as coisas correramserviço. Em média passam pela atendimento, mas isso é nor- dores”, prossegue, admitindo condições para os profissionais bem”, conclui.Urgência de Vila Franca 320 mal”, rematou. que não pode garantir que, comoutentes por dia (220 no Banco tem sucedido nestas primeirasde Adultos e 100 na Pediatria), semanas, as 19 boxes sejam Reduzir tempos de esperamas este número pode chegar fazer quatro gabinetes de atendi- podem ser fechadas com corti- sempre suficientes para evitaraos 430 e mesmo aos 450, mento. Foi uma remodelação nas em caso de necessidade. quaisquer macas nos corredores. A Urgência do Reynaldo dos Santos utiliza, há cerca de 5sobretudo no Inverno, o que importante, porque a urgência Por outro lado, foi instalada uma “Não há milagres e a urgência anos, o chamado sistema de triagem de Manchester, em que acoloca a Urgência de Vila ganhou muito em termos de chamada “ilha” no centro da não é uma actividade que se pro- uma primeira avaliação da situação do doente correspondemFranca entre as mais movimen- grame, é uma actividade em que uma cor e um tempo previsível de espera até ao atendimento.tadas dos chamados hospitais se tem que lidar com o imprevis- Só que os intervalos de espera estabelecidos não são muitasdistritais. to”, reconhece o presidente da vezes cumpridos e os utentes protestam. Vasco Luís de MelloVasco Luís de Mello sustenta Equipas médicas próprias comissão executiva do hospital, esclarece que este será o único método de triagem certificadoque a melhoria das condições da salientando que, ao mesmo em Portugal e que a sua aplicação está prevista no contrato deurgência foi uma das três priori- podem gerar mais eficiência tempo, foram criadas áreas gestão do hospital. “Não vou garantir milagres, o que posso garantir é que tenhodades estabelecidas quando a próprias para cirurgia, para ter- assistido a uma melhoria significativa dos tempos de esperaEscala Vila Franca de Xira Outra preocupação da Escala Vila Franca de Xira é a da apêuticas inalatórias e para pe- na urgência. Eu próprio, no meu gabinete, consigo ver, on-assumiu a gestão do Reynaldo criação de equipas médicas próprias na urgência, que ssoas que recebem soro e não line, quais são os tempos de espera neste momento na urgên-dos Santos, no passado dia 1 de ainda estão muito dependentes de contratos com empresas precisam de estar em macas. “O cia e temos estado muito atentos, na comissão executiva,Junho. A empresa, que integra o fornecedoras de serviços médicos. É entendimento da espaço ajuda a que se prestem assim com a direcção clínica tem estado muito atenta ao temaconsórcio que está a construir as empresa que profissionais mais dedicados ao hospital melhores cuidados, consegue dos tempos de espera”, afiança.novas instalações do Hospital de poderão gerar ganhos de eficiência. garantir um nível de atenção e O presidente do Hospital de Vila Franca promete tentar con-Vila Franca preferiu tomar “O que dissemos, e que já iniciámos, é que gostaríamos e de cuidados muito superior ao tinuar a melhorar estes tempos de espera. “Temos que dar omedidas desde já na área da pretendemos ter uma menor dependência das empresas que tínhamos anteriormente”, melhor serviço possível na urgência. É um espaço muitourgência, confrontada com a que, através de contratos, nos prestam horas de serviços garante. diminuto e não nos interessa ter as pessoas a esperarem muitoexiguidade das antigas insta- médicos. Há períodos da urgência em que não temos Apesar das várias iniciativas de tempo, para além de termos uma obrigação contratual delações, para uma área de equipas próprias. O que definimos é que queremos consti- modernização tomadas pelas cumprir com os tempos de espera. É um tema a que vamosinfluência que abrange 5 tuir uma equipa fixa, própria, dedicada, na urgência e é anteriores administrações, a estar muito atentos”, assegura Vasco de Mello.municípios e cerca de 245 mil nesse sentido que estamos a trabalhar”, disse o admi- Urgência do Reynaldo doshabitantes. nistrador do Reynaldo dos Santos ao Voz Ribatejana, pre- Santos manteve-se sempre com“Havia constantemente macas cisando que já há mais alguns médicos que vão “alinhar” uma área muito sensível e, aindanos corredores. Decidimos fazer nesta nova filosofia. “Isso vai permitir, com uma equipa no último Inverno, foram fre-um espaço com 19 boxes onde própria, uma melhor articulação dessa equipa com o quentes as queixas de utentesse podem acomodar as macas e próprio hospital, uma menor dependência de outros médi- que denunciavam tempos degarantem alguma privacidade”, cos ou dessas empresas que nos fornecem médicos, mas espera muito acima do previstoexplicou o administrador hospi- que são médicos que passam aqui poucas horas e muitas no sistema de triagem detalar, frisando que as obras vezes não têm o mesmo conhecimento do hospital, nem o Manchester. Agora, Vasco Luísarrancaram no princípio de hospital deles”, explica. de Mello admite que não con-Agosto e terminaram a 15 de segue garantir que não hajaSetembro. “Conseguimos, em períodos mais complicados,conjunto com a equipa toda da humanização para as pessoas sala principal da urgência onde porque “é muito difícil prever ourgência, redesenhar o espaço. que são aí tratadas”, refere afluem médicos e enfermeiros e fluxo nas urgências”, mas achaAproveitámos um terraço exis- Vasco de Mello, precisando que onde dispõem de equipamentos que as melhorias já são sen-
  4. 4. 04 “ TODOS COM VOZ voz ribatejana #22EditorialReforma Calor complica a vida a artesãosadministrativa vaicomeçar a doer satisfeitos com pavilhão novo O novo pavilhão multiusos de Vila Franca permitiu melhorar bastante as condições de realização do Salão de Artesanato. Os 92 artesãos par- ticipantes foram distribuídos de uma forma bastante desafogada e deixou de existir a exposição sobre actividades municipais que habitualmenteA reforma administrativa que o Governo pre- ocupava a parte central do pavilhão. Os artesãos ouvidos pelo Voz Ribatejana mostram-se satisfeitos com a melhoria do espaço e com a afluên-tende implementar promete gerar muita con- cia de visitantes, mas acham que para o futuro será importante tomar medidas que minimizem o problema do calor intenso que se fez sentir etrovérsia nos próximos meses. As medidas que se reflectiu de forma inusitada no interior do pavilhão. Aqui ficam as opiniões da arrudense Hélia Carvalho, que participou pela primeiravão mexer, e muito, com estruturas e hábitos vez no salão, e do alverquense Inocêncio Casquinha, já com muitos anos de participação.instalados. São justificadas com razões deeficiência e racionalidade, mas percebe-se Inocêncio Casquinha, artesão de Alverca que apresen-que o objectivo é, principalmente, reduzir Hélia Carvalho, 41 anos, artesã de Arrudacustos, como já aconteceu com o fecho de tou instrumentos musicais e outros feitos a partir de que apresentou brinquedos em feltro e tecidoescolas, de extensões de saúde e de outros materiais recicladosserviços públicos. O “segredo” será semprefazer igual ou melhor com menos meios. “É a primeira vez que participo no Salão de Artesanato de Já participei em muitos salões. A nível de espaço está muito bonitinho. Há oResta saber se estamos preparados para isso e Vila Franca. Acho que está tudo muito giro e espaçoso. O grande problema técnico que é o calor, que é muito grande e as condições nãopara uma receita que pode ter, na sua essên- calor foi um bocadinho complicado, mas também ninguém serão as melhores nesse aspecto. Visitantes tem havido muitos e tenho vendidocia, alguns objectivos positivos mas que, se esperava que estivesse tanto calor. Acho que tem sido muito algumas coisas. Há alguma novidade nisto, mas penso que para a maior parte dosnão for bem ponderada, poderá ter efeitos boa a afluência e o interesse das pessoas pelo nosso trabalho. artesãos o negócio não tem sido grande coisa, comparativamente com outros. Asmuito negativos. Está a valer muito a pena. Se puder, com certeza que volto a condições económicas das pessoas não são muito boas e não se está a venderOs órgãos autárquicos da região começam a participar. muito.“enfrentar” o desafio de discutir o que aí Este pavilhão será importante para Vila Franca se forem feitas aqui maisvem: redução de freguesias, redução do (contactos: 263 103 602 ou bijudanini@hotmail.com) coisas. Será um bocado dispendioso se for só para o salão denúmero de vereadores, redução de chefias nas artesanato. Dá a impressão que a insonorização deveestruturas municipais e extinção de muitas estar preparada para fazer alguns espectáculos.empresas municipais. E se, nalguns casos, os O artesanato não dá para se viver disto, mascritérios e objectivos estabelecidos no entremeado com outras actividades paralelas éDocumento Verde para a Reforma engraçado. Muitas vezes aparece-nos maltaAdministrativa até se podem entender, numa ligada ao ramo da música, pessoas ligadas aoperspectiva de redução do endividamento e ensino, à antropologia, que descobrem aquide encargos com estruturas de pessoal alguns instrumentos. Para o futuro, é impor-demasiado pesadas, noutros não se percebe tante resolver o problema do calor. Acho quemuito bem as vantagens. É o caso da redução, não há rampas para deficientes. Quanto àmais ou menos radical, do número das peque- qualidade da selecção das pessoas parece-menas freguesias, pesando sobretudo a sua po- que tem havido um certo cuidado nisso, em-pulação. Será que são os 200 ou 300 euros bora tenha havido uma ou outra desistência,mensais pagos aos presidentes destas peque- porque as coisas não estariam a correr tão bemnas juntas, que muitas vezes se dedicam como gostariam.quase a tempo inteiro à causa pública e aosproblemas da sua terra, que pesam nas (contactos: 21 958 30 37 ou inocenciocasquinha@gmail.com)finanças públicas? Ou será que pesam infini-tamente mais os contratos de assessoria econsultoria estabelecidos pelos inúmerosserviços do Estado para tarefas que os fun-cionários existentes poderiam perfeitamentedesempenhar. O Melhor e o Pior da QuinzenaTalvez se perceba aqui que os autarcas das Moradores de Alverca denunciam alegados abusos em torno dopequenas freguesias pesam politicamente Núcleo de Atendimento a Toxicodependentes, onde doses de metadonapouco nas estruturas partidárias centra- (produto destinado a substituir a droga e reduzir a dependência) serãolizadas, onde são os “pseudo” especialistas trocadas e comercializadas no exterior pouco depois de seremque têm influência e que conseguem manter entregues aos utentes. Exigem-se algumas medidas de controlo,os seus ganhos e as suas compensações. porque não é para isto que o erário público suporta a entrega da meta-Certo é que, no fundo da questão, será certa- dona para tentar recuperar os dependentes.mente a população a perder, porque passa ater autarquias mais distantes e mais limitadasna sua acção.Se falarmos das empresas municipais já oentendimento poderá ser diferente. Se exce-ptuarmos a possibilidade que têm de agir commaior eficiência por estarem mais libertas dateia burocrática da administração pública,não se vêem outras vantagens na sua existên-cia. Mas há também quem defenda, comalguma razão, que os municípios não devem As obras inauguradas, no diaser tratados todos nesta fase exactamente pela 1, na frente ribeirinha de Vilamesma bitola e que deve haver distinções Franca de Xira prometem darentre câmaras com finanças equilibradas e a mais vida à cidade. Assimpagarem em prazos normais de 30 a 40 dias e saibam as autarquias e asas câmaras que, por opções de gestão irrefle- forças vivas locais unirctidas, acumulam dívidas de dezenas e esforços para dinamizar edezenas de milhões de euros e chegam a aproveitar bem espaços e umademorar 1400 dias!? a pagar facturas a frente de Tejo de que rarasfornecedores. Onde é que isto vai parar? cidades portuguesas podem desfrutar. Jorge TalixaFicha técnica: Voz Ribatejana Quinzenário regional Sede da Redacção e Administração – Centro Comercial da Mina, Loja 3 Apartado 10040, 2600-126 Vila Franca de Xira Telefone geral – 263 281 329Correio Electrónico – vozribatejana@gmail.com director.vozribatejana@gmail.com redaccao.vozribatejana@gmail.com comercial.vozribatejana@gmail.com Proprietário e editor – Jorge Humberto PerdigotoTalixa - Director – Jorge Talixa (carteira prof. 2126) Redacção – Miguel António Rodrigues (carteira prof. 3351), Carla Ferreira (carteira prof. 2127), Paula Gadelha (carteira prof. 9865) e Vasco Antão (carteirade colaborador 895) Paginação - António Dias Colaboradores: Adriano Pires, Hipólito Cabeça, Paulo Beja Concessionário de Publicidade – PFM – Radiodifusão Lda. Área Administrativa e Comercial –Júlio Pereira (93 88 50 664) e Afonso Braz (936645773)Registo de Imprensa na ERC: 125978 Depósito Legal nº: 320246/10 Impressão CIC – Centro de Impressão Coraze Tiragem – 5000 exemplares
  5. 5. Universidade Sénior abriu ontem o ano lectivo A Universidade Sénior do Concelho de Vila Franca de Xira abriu, ontem à tarde, no Salão Nobre do Palácio Quinta da Piedade, o seu ano lectivo 2011/2012. O projecto é dirigido a maiores de 55 anos e reformados e conta, este ano, com 376 alunos inscritos 05 – a mais velha das quais com 85 anos de idade - que serão distribuídos por 76 turmas (mais cinco que no ano anterior). O currículo contempla perto de 50 disciplinas das12 de Outubro de 2011 áreas de línguas; ciências naturais e exactas; ciências sociais, humanas e políticas; expressão plástica; teatro e expressão musical; expressão corporal e informática.Pavilhão de 3 milhões abriu no dia 1 O novo pavilhão multiusos foi (ver página 6). A presidente da esperávamos ter conseguido, considerando que este novo a grande novidade da edição Câmara observou que este era mas por razões diversas o equipamento “congregará, cer- deste ano da Feira Anual de um dia particularmente com a pavilhão tem hoje a sua inau- tamente, muitos interesses à Vila Franca de Xira. Um inauguração de vários equipa- guração. É um espaço multi- sua volta”. O investimento equipamento moderno que des- mentos construídos com apoios facetado que permitirá activi- final rondou os 3 milhões de pertou a curiosidade de muitos do Polis XXI – Programa dades de cariz social, cultural, euros, contemplando também o visitantes e contribuiu para Parcerias para a Regeneração desportivo e económico”, vin- arranjo da zona envolvente do uma nova animação do cer- Urbana. “Já há um ano atrás cou Maria da Luz Rosinha, pavilhão. tame. Na cerimónia inaugural, na tarde de dia 1, Maria da Luz Rosinha salientou que este “é um equipamento de futuro” té que “se vai constituir como um tos a Aber horas! elemento de sucesso para todo às 23 o concelho e para a região”. Pese embora alguns proble- mas, associados sobretudo ao calor intenso que se viveu no OS MELHORES MÉDICOS E SERVIÇOS A PREÇOS MAIS BAIXOS seu interior, o novo pavilhão merece elogios de quase todos - CONSULTAS DE CLÍNICA GERAL E DOMICÍLIOS os participantes no 31º. Salão GRATUITOS de Artesanato que ali decorreu - CONSULTAS DA ESPECIALIDADE A BAIXO CUSTO - MEDICINA DENTÁRIA A PREÇOS ACESSÍVEIS - ANÁLISES CLÍNICAS - EXAMES COMPLEMENTARES - ENFERMAGEM E AULAS DE PREPARAÇÃO PARA O PARTO - RECEITUÁRIO - E MUITO MAIS! VENHA CONHECER-NOS EM ALVERCA: Rua Projectada ao Choupal Edifício A Loja A
  6. 6. 06 “ Vala do Carregado conversa com Tozé Martinho A Associação Desportiva e Recreativa da Vala do Carregado retoma, no próximo domingo, o seu ciclo de conversas com celebridades do nosso país. DestaLOCAL vez, a partir das 15h30, estará à conversa com os interessados o ribatejano Tozé Martinho, conhecido pelas suas várias facetas de trabalho em televisão.Vila Franca ganha condiçõespara se reaproximar do TejoAs obras de requalificação da frente ribeirinha e de construção do novo pavilhão multiusosenvolveram um investimento superior a 7 milhões de euros. Vila Franca de Xira tem hojecondições para se aproximar mais e desfrutar da margem do Tejo.Jorge Talixa ficação do cais, a aquisição da suas actividades. Hoje essas jangada cultural e a reparação condições são francamenteVila Franca de Xira inaugurou, do barco varino Liberdade. melhores”, prosseguiu a edil,no dia 1 de Outubro, um con- “Todos se lembram da falta de considerando que a práticajunto de quatro empreitadas condições da Secção Náutica desportiva e náutica “podeidealizadas com o objectivo de da UDV para desenvolver as fazer de Vila Franca de Xirareaproximar mais a vida da um pólo de referência paracidade da margem do Tejo. aqueles que vêm rio acima”.Financiadas pelo Polis XXI - Depois, a autarca do PS lem-Programa Parcerias para a brou que, em 1940, por decisãoRegeneração Urbana, as obras do executivo camarário presi-de requalificação da frente dido por José de Sousaribeirinha envolveram um Nazareth, a antiga avenidainvestimento de mais de 7 mil- ribeirinha foi transformada nohões de euros. A jornada de Jardim Municipal Constantinoinaugurações contou com pre- Palha, posteriormente renova-senças destacadas como as dos do em 1954, num projecto dodeputados Ana Paula Vitorino e arquitecto Francisco Caldeira.Eduardo Cabrita e de Maria “A remodelação hoje aquiTeresa Palha, duquesa de apresentada teve como objecti-Palmela, atraindo também vo principal conferir melhoresalgumas centenas de vila-fran-quenses apostados em ver em “As pessoas áreas de lazer, conjugando ele- mentos mais antigos com ou-primeira mão as novidades dacidade. passarão a tros de cariz mais moderno”, explicou, realçando também oAs cerimónias começaramjunto ao novo bairro avieiro, vir muito prolongamento do caminho pedonal ribeirinho, que já liga-com a inauguração de umaescultura de João Duarte que mais à zona va Alhandra á entrada sul de Vila Franca. “O jardim deixapreserva a memória da vida desacrifício dos pescadores ribeirinha” de ser, a partir de hoje, o único espaço que a população temavieiros e a inauguração do em Vila Franca para zona dearranjo envolvente do bairro. Carlos Rocha foi um dos lazer e de contacto com o rio.Não faltaram o rancho folclóri- vila-franquenses que fez O caminho pedonal é uma rea-co da comunidade avieira e questão de participar nas lidade iniciada em 2008, quemuitos dos moradores. Seguiu- inaugurações deste conjun- tem hoje 4 quilómetros dese a inauguração das novas to de equipamentos. A espaço de fruição à disposiçãoinstalações da Capitania e da meio do novo troço do de todos”, acrescentou, formu-Secção Náutica da União caminho pedonal ribeirin- lando o desejo de que seja pos-Desportiva Vilafranquense, ho disse, ao Voz sível avançar rapidamente comque passa, assim, a dispor de Ribatejana, que acha que a reconversão da antiga fábricaum edifício moderno e de uma “este é um conjunto deárea exterior para guarda de obras bastante valioso paraembarcações. A mudança do o nosso município, princi-local da Secção Náutica, agora palmente aqui para Vilaentre o pavilhão e o rio, veio Franca de Xira, porque vai dar mais qualidade de vida Alguns atrasos no jardimlibertar toda uma nova área deligação entre o jardim munici- e muito mais vida à zona A semana que antecedeu as inaugurações foi de trabalho inten-pal e o rio. ribeirinha da cidade”, pre- so, sobretudo na remodelação do Jardim Constantino PalhaJá no Jardim Constantino Palha viu. que, na manhã de dia 1, apresentava ainda algumas áreas pormultiplicaram-se as demons- Funcionário público, com concluir. Pressionada pelos prazos definidos pelo Polis XXI, atrações – basquetebol, corrida, 60 anos, Carlos Rocha autarquia preferiu inaugurar as obras e Maria da Luz Rosinhaginástica, dança, pintura ao acredita que “as pessoas deu algumas explicações logo a abrir o seu discurso.vivo – de actividades que ali passarão a vir muito mais à “Como tiveram ocasião de verificar, trabalhou-se até hoje depodem ser desenvolvidas. Os zona ribeirinha e sentirão manhã. Tínhamos prazos para cumprir, o importante é que sediscursos tiveram lugar no muito mais segurança”, tenha chegado a esta fase e possamos, agora, fazer os rematescoreto. Maria da Luz Rosinha porque “as coisas estão nos momentos seguintes. Por isso contamos com a vossa com-começou por salientar que muito mais bem ilumi- preensão. É da vida. O que tenho a certeza é que chegarmosestas obras “dão corpo a um nadas e mais bem delin- aqui foi muito importante e é particularmente importante parasonho de muitos anos”, para eadas. Vai ter muito mais todos os vila-franquenses que amam a sua terra e que pugnam“termos oportunidade de me- aderência”, sublinha. Por por ela”, vincou, destacando o esforço de todos os que selhor viver com o rio, numa isso, Carlos Rocha entende empenharam nestas obras.relação directa com ele”. que “valeu a pena” o “É uma obra de grande dimensão e aquilo que é preciso reto-A presidente da Câmara de Vila investimento feito pela car será retocado nos próximos dias. O importante é que osFranca lembrou todos os pas- Câmara e toda esta área da vila-franquenses já podem vir ao jardim. Há aqui um espaço desos que foi necessário dar para cidade e julga que, com o fruição que não havia antigamente. Serão constituídos pora apresentação desta candi- tempo, “virão outros atra- zonas verdes que, neste momento, têm a hidrosementeira feitadatura e concretização das ctivos” para dar ainda mais e a relva irá crescer”, disse Maria da Luz Rosinha ao Vozobras, salientando que movimento à frente ribei- Ribatejana, frisando que as flores também ganharão outroenvolveram também a requali- rinha vila-franquense. relevo na altura certa para abrirem, na Primavera.
  7. 7. Sorteio ajuda Bombeiros de Arruda A Associação de Bombeiros Voluntários de Arruda dos Vinhos está a promover um sorteio destinado a angariar alguns fundos que a ajudem a ultrapassar as difi- culdades financeiras que enfrenta. A iniciativa inclui três prémios principais, 13 uma scooter (1º), um painel solar (2º) e um frigorífico (3º.). O sorteio realizar- se-á durante a edição deste ano da Festa da Vinha e do Vinho (realiza-se de 28 12 de Outubro de 2011 de Outubro a 1 de Novembro) e os interessados poderão adquirir senhas para o sorteio na sede da corporação ou em vários estabelecimentos do concelho.Ana Câncio em entrevista“Os problemas sociais estão-se aagravar e são uma das minhasgrandes preocupações”Ana Maria Câncio tomou posse, no passado dia 28, como presidente da Junta de Freguesia de Vila Franca de Xira, substituindo JoséFidalgo Gonçalves que decidiu renunciar ao cargo. Reformada de uma instituição bancária, licenciada em Filologia Germânica,Ana Câncio, aos 54 anos, tem já um percurso significativo na vida colectiva local. Integrou o executivo da Junta no mandato de2005 a 2009, foi durante muitos anos seccionista de Hóquei em Patins na União Desportiva Vilafranquense e desempenhou tam-bém funções de secretária-geral numa das direcções da UDV. Em entrevista ao Voz Ribatejana explica que, nos próximos meses,vai fazer um diagnóstico da situação e dos projectos da autarquia local e tomar algumas decisões com os seus colegas do execu-tivo, preparando também o orçamento para 2012. Promete dar especial atenção às questões sociais e, embora aponte para algu-ma continuidade do trabalho desenvolvido, sublinha que cada pessoa tem o seu estilo e as suas opções próprias.Voz Ribatejana – Este desen- vão continuar ou vão-selace e estas renúncias dopresidente e do tesoureiro do agravar, e porque também esta- mos numa fase em que há uma “Costumo andar bastanteexecutivo da Junta foram,para si, uma grande surpre- reestruturação administrativa que não sabemos exactamente por Vila Franca”sa? ainda qual é e que impacto vaiAna Câncio – Foram uma sur- ter na Junta de Vila Franca e Ana Maria Câncio nasceu, em Vila Franca de Xira, há 54 anos.presa, não sei se uma grande nas juntas à volta. Tudo isso Completou a licenciatura em Filologia Germânica e ingres-surpresa, mas foram uma sur- são mais alguns pontos para o sou numa instituição bancária. Tem 3 filhos, todospresa. meu diagnóstico e mais algu- rapazes, e está aposentada há cerca de 16 anos. mas vertentes que vão ter que “Sou de Vila Franca, passo muito tempo daJá tinha conhecimento de ser vistas. Mesmo o executivo minha vida em Vila Franca, tento fazer as min-algum sinal, de alguma coisa que cá estava teria que repensar has compras em Vila Franca. Estive ligada naque não estava bem e de que algumas coisas, consoante as minha juventude à Cooperativa Alves Redolestes dois elementos poderi- situações novas que se estão a e, mais recentemente, à UDV”, explica aam tomar uma atitude deste apresentar quase todos os dias. autarca, frisando que é uma pessoa que andagénero? bastante por Vila Franca e conhece bem aEu não estava no executivo e O que é que sabe sobre a situ- freguesia. Depois de ter pertencido aonão acompanhava o trabalho ação financeira da Junta de executivo no mandato de 2005 a 2009,da equipa executiva da mesma Vila Franca? desempenhou nos últimos dois anos aforma que acompanhei quando Neste momento não sei ainda função de secretária da mesa dafiz parte. Suponho que haverá muito, o diagnóstico será feito Assembleia de Freguesia. Comovárias razões para a tomada de a partir de agora. Sei que, como aposentada da instituição bancária aatitude do presidente e do é geral no país, a situação não que esteve ligada não vai auferir nen-tesoureiro. Razões pessoais deve ser fantástica, porque não huma remuneração pelo exercício doessencialmente, provavel- é fantástica em lado nenhum. cargo de presidente da Junta.mente, mas são deles e eles é Mas vamos ver, com certezaque terão que falar acerca delas que não será também nada quee não eu. nos impeça de trabalhar. É evidente que, nesta altura gredir e tem, agora, uma série deste mandato era a de que relacionamento com a Acho que as linhas mestras, então ainda muito mais, os de novos equipamentos que olhava demasiado para a Câmara que manteve o ante-Cada pessoa tem a sua forma quando se fala de identidade, problemas sociais estão-se a são uma mais-valia, que aprox- cidade e não teria em conta rior presidente da Junta?de estar e de agir. Conhece quando se fala de desenvolvi- agravar. Há um trabalho muito imam o concelho daquilo que como devia os problemas do A Junta de Vila Franca é aquais foram as prioridades mento, quando se fala de tudo bom feito pelo executivo ante- eu acho que deverá ser um sítio interior rural, sobretudo na Junta de Vila Franca, a Câmarado executivo nestes primeiros isso, as linhas mestras serão, rior a esse nível, juntamente onde as pessoas gostam de ver margem direita do Tejo? é a Câmara. Obviamente, nãodois anos, vai seguir exacta- com certeza, essas. Como com as outras freguesias e com o concelho e a freguesia. E nós Não tenho essa noção, antes faz o mínimo sentido quemente essa linha ou já refle- disse, as pessoas são dife- a Câmara, numa espécie de somos uma freguesia com uma pelo contrário. Por outro lado, sejam duas instituições dectiu e chegou à conclusão que rentes, vêem as coisas muitas plataforma social que nos vai identidade muito própria, pese haveria quem achasse que se costas voltadas. As relaçõesvai alterar alguns pontos? vezes de maneira diferente e, com a Câmara vou começá-lasAgora vou fazer o diagnóstico depois, às vezes, a mudança a partir de agora. Não sou filia-daquilo que se me apresenta. É também leva a que algumas “Todos estamos a trabalhar para Vila Franca” da no PS, vim para o executivoevidente que, quando estive no coisas se alterem, umas percam anterior a convite do Joséexecutivo anterior, a situação significado e outras ganhem. Fidalgo e não do PS. Nunca fuido país e a situação interna- Só posso dizer exactamente permitir trabalhar em rede e embora estarmos aqui, sermos preocupava demasiado com a filiada no PS, mas a Concelhiacional eram completamente aquilo que estou a pensar fazer sem sobreposição de tarefas, quase Lisboa, há algumas ca- Lezíria e com os mouchões. do PS deu-me o seu voto dediferentes daquelas que exis- provavelmente daqui a 3/6 com diagnósticos muito bem racterísticas que nos tornam Depende sempre de com quem confiança para este cargo, setem hoje. Até por isso, e porque meses, até porque vai tudo feitos quase na hora e sem muito diferentes, para melhor. se fala. Obviamente que é não, obviamente, não o tinhanão tenho acompanhado este depender de uma série de var- sobreposições dos sítios por Às vezes não somos, infeliz- muito importante ouvir as pe- de maneira nenhuma aceite.trabalho aqui no executivo, não iáveis que eu, neste momento, onde as coisas passam. mente às vezes somos dife- ssoas, mas já cá estou há muito Esta é uma lista do PS, nãoposso, para já, dizer aquilo que nem sequer conheço. Algumas É essencial que, nestas coisas rentes para pior, principal- tempo, vou ouvindo as pessoas faria o mínimo sentido se euvou fazer. que posso começar a conhecer sociais, até para haver alguma mente na forma como os há muito tempo e tenho a não tivesse a confiança do PSVamos fazer o diagnóstico, rapidamente, outras que virão transparência, toda a gente próprios vila-franquenses às noção de que, normalmente, concelhio.obviamente vou ter a ajuda dos com as modificações que estou esteja em contacto para não vezes tratam a sua terra e tudo nunca nada está bem. Acho que todos estamos a tra-meus colegas do executivo que convencida que vêm aí. haver falhas num lado e dupli- aquilo que se faz. Obviamente que vou ouvir as balhar para Vila Franca. Astransitam do executivo anteri- cações noutros. Obviamente pessoas, mas também, como é pessoas têm formas diferentesor. Mas, tanto eu como o A Ana Câncio tem revelado essa é uma das minhas grandes Como valorizam ou desva- evidente, ninguém consegue de pensar Vila Franca e, con-Marques da Costa, primeiro algumas preocupações com preocupações, mas também a lorizam? governar com base naquilo que soante formos progredindo,vamos ter aqui um trabalho de as questões sociais e creio que nível da identidade cultural, Desvalorizam normalmente. ouve. Tem que se ter uma linha vamos ver como é que são asdiagnóstico. Depois, até con- acompanhou até esse pelouro que vamos continuar certa- de actuação mais ou menos relações, mas estou convencidasoante aquilo que vão ser as no executivo anterior. Será mente a defender e muitas ou- Uma das críticas que eram pensada. que não teremos problema ne-novas limitações em termos uma das suas prioridades tras questões. feitas comummente ao execu- nhum de relacionamento com aorçamentais, porque os cortes neste novo desafio? O próprio concelho está a pro- tivo que fez a parte inicial Vai manter o mesmo tipo de Câmara.
  8. 8. 07 SFRA festejou 137 anos (levo foto) A Sociedade Filarmónica Recreio Alverquense festejou, no dia 6, os seus 137 anos de existência. Uma sessão que incluiu um concerto com banda da casa e o lançamento de um CD com as gravações em que se destacam o Ensemble de sopros Alfredo Lopes, a Banda, a Orquestra Alborca e o grupo Barafusada. Adriano Pires 12 de Outubro de 2011 “Era importante divulgar mais o artesanato local ao longo do ano” A Associação de Artesãos de Alhandra (AAA) tem uma presença artesanato, é uma mistura, há muita gente de muitos lados que destacada no Salão de Artesanato de Vila Franca. Um expositor mora em Alhandra. Um dos grandes ex-libris do artesanato de com trabalhos diversos de vários associados. Criada há cerca de Alhandra eram os trabalhos em telha e os tijolos, que também seis anos, a AAA já tem 42 associados e está aberta à adesão de apresentamos aqui”, refere Otília Francisco, frisando que a AAA outras pessoas interessadas pelo artesanato, quer residam em está aberta à adesão de artesãos da freguesia e de fora. Sobre o Alhandra ou não. “Trazemos trabalhos em tecido, em arame, em novo pavilhão multiusos, a presidente da AAA entende que “está madeira, em pastas de moldar, em Eva. Temos peças muito boni- mais agradável e espaçoso”. tas”, explicou Otília Francisco, presidente da Associação de E relativamente à forma como o Município de Vila Franca apoia Artesãos de Alhandra desde há cerca de 1 ano. O objectivo prin- o artesanato local, acha que “apoia um bocado no salão, mas no cipal da AAA, explicou ao Voz Ribatejana, é divulgar o trabalho resto do ano não há grande apoio. Era importante divulgar mais que as pessoas fazem, na maior parte dos casos como um ‘hobby’. as coisas ao longo do ano”. Para o próximos meses, a AAA tem “Gostávamos que as pessoas aderissem mais, ensinando até aqui- alguns projectos, com realce para a ideia de realizar, em lo que sabem aos outros. Que houvesse uma troca de experiências Novembro, alguns ateliers de feitura de presépios com alunos das e de saberes entre eles, o que ainda não conseguimos fazer”, escolas locais, que possam, depois, passar esses conhecimentos reconhece. A Associação de Alhandra tem uma sede própria, situ- aos colegas. ada no número 18 da Rua Miguel Bombarda, perto da CURPIFA (Comissão de Reformados). “Acho que Alhandra, em termos de J.T. “Esta vida nas feiras tende a acabar” César Miranda, ribatejano de Almeirim, já participa na Feira de Vila Franca há perto de 50 anos. Conheceu muita da evolução do certame vila-franquense, gosta da terra, mas acha que esta coisa das feiras tradicionais tem tendência para acabar. Vende doces regionais e foi em pleno coração da feira que explicou, ao Voz Ribatejana, que vem a Vila Franca “porque tem sido uma boa feira”, mas confessa que este ano as coisas não correram bem. “Está muito fraquinho. Pior que nos anos anteriores. Com certeza é a crise, as pessoas não têm poder de compra nenhum”, admite. Cafetaria abre em Novembro Certo é que César Miranda não tem dúvidas que o recinto da feira “está muito melhor do que era antigamente, que era só terra”, mas também acha que “esta vida nas feiras tem tendência para acabar tudo”, porque “os novos não querem. É como nas outras profissões, O projecto de remodelação do jardim municipal contempla, tam- os novos não querem. Mesmo no artesanato os velhos é que estão sempre nisso. Acabam os bém, uma cafetaria. “Foi terminada esta semana, mas não foi po- velhos, os novos não querem, querem é paródia e mais nada”, afirma, com a sua experiên- ssível ter o equipamento. Vamos tê-la equipada e a funcionar já no cia de 69 anos de vida e de próximo mês de Novembro e permitirá que as pessoas venham muitas décadas de feiras. aqui ao longo de todo o ano”, observou a edil, salientando que o “Este pavilhão é mais jardim tem todo um conjunto de espaços que permitirão o desen- pequeno, mais estreito. Se é volvimento de actividades desportivas da UDV e de outras colec- multiusos, não vejo nada de tividades e vai manter o espaço de pintura e atelier do GART multiusos. É pequeno e tem (Grupo de Artistas Amigos da Arte). que se aproveitar para ou- A passagem superior pedonal de ligação do centro da cidade ao tras coisas”, defende. cais deverá estar pronta em Novembro e, segundo a presidente da Câmara, a passagem superior rodoviária de ligação a esta zona ribeirinha será feita a seguir.de descasque de arroz.Assumiu, também, um novodesafio e a vontade de iniciar, A memória dejá nos primeiros meses de2012, as obras de requalifi- Constantino Palhacação da frente ribeirinha entreo Sobralinho e a Póvoa. “A A placa de inauguração da remodelaçãocandidatura está aprovada, do Jardim Constantino Palha foi desce-contamos que possa contar, rrada por Maria da Luz Rosinha e pormuito em breve, com um Maria Teresa Palha, neta de Constantino Hospital promovereforço da comparticipação Palha e filha do fundador do Coletecomunitária. Já avançámos, Encarnado, José Pereira Palha. rastreiospara não perder tempo, com a “Tenho o maior prazer em prestar estaexecução dos projectos. E, se homenagem a um homem que tanto gos- O Hospital de Vila Franca de Xira esteve presentetudo decorrer com normali- tou de Vila Franca”, sublinhou a duque- na feira com um espaço para a realização de ras-dade, estamos a fazer obra, na sa de Palmela, salientando que não treios gratuitos e uma zona de venda de doçariazona sul do concelho, no início chegou a conhecer o seu avô dinamizada pela Liga dos Amigos do Hospital. Ao :: Limpezas gerais e pós-obrado próximo ano”, rematou. Constantino, que morreu com 35 anos, longo dos 9 dias da feira, o Hospital promoveu :: Serviços regulares ou ocasionaisSeguiu-se o passeio inaugural quando o seu pai tinha 16. Maria Teresa rastreios de factores de risco cardiovascular, pneu- :: Casas particulares e pequenos escritóriosdo prolongamento do caminho Palha representou na cerimónia as três mologia, otorrinolaringologia, oftalmologia, :: Orçamentos gratuitosribeirinho, onde em articu- netas e os 9 bisnetos de Constantino hábitos alimentares e pneumologia. “Estar pre- :: Seguros profissionais assegurados pela empresalação com a Obriverca foi Palha. “Estamos numa família muito sente nesta feira é uma excelente oportunidade :: Todos os produtos incluídoscolocada uma vedação metáli- unida e, sobretudo, muito unida a toda para alertarmos a população do concelho de Vilaca, que separa o passeio da gente de Vila Franca que, para mim e Franca de Xira para a importância e necessidade www.mollymaid.pt para toda a família Palha, é também aantiga fábrica e apresenta nossa família”, observou, lembrando da prevenção em saúde”, observou Vasco Luís de alverca@mollymaid.ptvários painéis ilustrativos do Mello, presidente da comissão executiva doprojecto da urbanização dos também o seu pai que “tanto fez por Vila Hospital, frisando que, no programa de rastreios, Contacto: 936 626 647/219 577 672Jardins do Arroz para ali pre- Franca e tanto amou Vila Franca”. procurou-se “dar a conhecer as novas especiali- Alverca, Póvoa, VFX, Arruda, Carregado, Alenquervista. dades a funcionar no hospital”.
  9. 9. 08 “ SOCIEDADE voz ribatejana #22Câmara aguarda Duques de Bragançacandidaturas para visitam Vila Francanova biblioteca Foto de Ana SerraA Câmara de Vila Franca de conseguíssemos chegar a uma seguimos avançar sozinhosXira aguarda para breve a candidatura que nos desse com uma obra que pode cus-abertura de um novo progra- apoio, porque não podemos tar 5, 5 milhões de euros. Porma de candidaturas a fundos arrancar, não é que não muito prioritário que seja ter-comunitários que lhe permita queiramos, mas não con- mos uma nova biblioteca, queapresentar o projecto de cons- faz falta e eu não o nego, nãotrução de uma nova podemos arrancar a expensasBiblioteca Municipal na zona totais da Câmara”, admite odos silos da antiga fábrica de eleito da coligação Novodescasque de arroz. A Rumo (PSD/CDS-Obriverca, empresa propri- PP/PPM/MPT).etária do imóvel, não revela O Município aguarda, porainda previsões sobre o isso, uma reprogramação dosarranque da obra de reconver- fundos comunitários atribuí-são da antiga indústria em dos à Área Metropolitana deedifícios para habitação, Lisboa, que permita Os duques foram recebidos pela mesa administrativa da Misericórdia,comércio e serviços, tendo enquadrar uma obra deste na foto com o provedor Carlos Caetano Dias e Fernando Palhatambém em conta a fase tipo. Entretanto vai-se con-muito difícil que atravessa o frontado, também, com fre-mercado imobiliário. Ao quentes problemas de infil- A XIV Corrida Real marcou, família representada nas ce- tradição de Vila Franca”. Olongo do novo troço do pas- trações e de verdadeira inun- no dia 30, as comemorações rimónias de dia 30 por Maria duque de Bragança lembrouseio ribeirinho, a empresa dação do piso superior da dos 110 anos da Praça de Teresa Palha, duquesa de que a tauromaquia é uma artecolocou um conjunto de actual biblioteca, como Toiros Palha Blanco. Nas Palmela, a edil de Vila Franca “com profundas raízes napainéis com imagens do pro- voltou a acontecer em Agosto. horas que antecederam o de Xira vincou que a família nossa cultura”, mas que éjecto do empreendimento “Por muito “Temos que encontrar uma espectáculo, os duques de Palha se liga á história de também uma actividadeJardins do Arroz. percentagem de fundos comu- Bragança visitaram demo- Portugal e em particular à económica muito importanteMaria da Luz Rosinha confe- prioritário nitários numa candidatura que radamente vários pontos da história deste concelho. para o Mundo rural, para assa que gostaria de ter toda nos valha a pena”, acrescenta cidade e participaram, minu- “Uma família particular- agricultura e para asaquela área reabilitada, mas que seja João de Carvalho, que supõe tos antes da corrida, num des- mente respeitada e querida de ganadarias. D. Duarte elo-compreende as dificuldades que, no momento em que for file entre a Praça do todos nós”, referiu, acrescen- giou, ainda, o trabalho dedo sector imobiliário. “Da termos uma possível arrancar com a obra Município e a Praça de tando que não haveria melhor requalificação da frentenossa parte aguardamos a da nova biblioteca, também Toiros, acompanhado por forma de assinalar os 110 ribeirinha efectuado em Vilaabertura de um aviso de can- nova deverá avançar a restante obra campinos e pelo Grupo de anos da Palha Blanco que não Franca. Seguiu, depois, paradidatura para equipamentos de reconversão da velha fábri- Forcados Amadores de Vila fosse a realização desta XIV uma visita à Casa do Forcado,culturais que nos permita biblioteca, ca vila-franquense. Franca de Xira. D. Duarte de Corrida Real. “Para mim, onde contactou também comcriar condições para construir Bragança começou por ser Vila Franca desde criança que António Telles que, há cercaa biblioteca”, disse ao Voz que faz falta e Infiltrações recebido nos Paços do é uma terra que me fascina. de 15 anos, organizou umaRibatejana. Concelho de Vila Franca, Vi Vila franca ser absorvida homenagem da comunidadeJoão de Carvalho, vereador eu não o O responsável pela pasta da onde a presidente Maria da por Lisboa, como um espaço cigana à família real por-com o pelouro da Cultura na cultura acha que as infil- Luz Rosinha realçou a quase de subúrbio de Lisboa, tuguesa. D. Duarte esteva,edilidade de Vila Franca, tam- nego, não trações que afectam a antiga importância do momento, sobretudo industrial, mas também, na Igreja dabém considera que uma nova biblioteca terão origem em destacando o facto de tam- que, ao mesmo tempo, con- Misericórdia e visitou obiblioteca faz falta na cidade podemos problemas estruturais e que já bém estar intimamente ligado seguiu preservar a sua identi- Museu de Arte Sacra dasede de concelho, tendo tam- não há muito mais a fazer “a uma tradição que acarin- dade cultural, que é única Misericórdia vilafranquense.bém em conta os problemas arrancar a para as tentar evitar. “A actu- hamos muito como é a tauro- entre as cidades à volta da Passou, ainda, pela Casa-estruturais e de localização da al biblioteca tem bastantes maquia, em tempos que não grande metrópole”, salientou Museu Mário Coelho e pelaactual. O estudo de transfor- expensas problemas de infiltrações, são fáceis também para esta D. Duarte, destacando a exposição “Arte e Toiros”mação dos antigos silos do principalmente na zona supe- área”. Lembrando que a praça forma como a Câmara (trabalhos de Maria Sobrallado Norte da fábrica numa totais da rior de leitura para crianças e de toiros vila-franquense Municipal “tem sabido man- Mendonça) e jantou nabiblioteca com 6 pisos e vista jovens. Já tentámos tudo, mas transporta o nome de uma - ter este espírito e esta Tertúlia “A Rambóia”.panorâmica para o Tejo já foi Câmara” é um problema estrutural e daelaborado pelo arquitecto construção inicial. O ano pa-Miguel Arruda. A estimativa ssado ainda fiquei convencidoinicial apontava para um que poderia estar a entrarcusto de cerca de 6 milhões João de água pelas condutas do arde euros, entretanto reduzido condicionado, mas acabámospara perto de 5, 5 milhões. Carvalho por descobrir que entra em tal“Era essencial, nesta altura, quantidade que tem que sertermos um concurso para que um problema da construção inicial”, aponta. João de ANA RODRIGUES Carvalho garante que os serviços camarários limpam 961 863 946 muito regularmente os sis- temas de drenagem do telha- do e que a água continua a R. Bento Jesus entrar. “É um problema estru- Limpezas gerais e domésticas | Escritórios, Caraça tural. Pode haver uma brecha Lt. 48 - 4ºDto que não conseguimos identi- condomínios | Limpezas ficar e que faz aquelas esco- industriais e comerciais | Vila F. de Xira rrências nas paredes”, con- Desfile com Maria Teresa Palha Gestão de condomínios clui. e Alberto Mesquita brunovieira-bv@live.com.pt J.T.

×