EDUCACÃO FINANCEIRA - SLIDES

350 visualizações

Publicada em

Publicada em: Carreiras
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
350
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
7
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

EDUCACÃO FINANCEIRA - SLIDES

  1. 1. Abril de 2011 Ana Cristina Carvalhal – anaccarvalhal@ua.pt Sandra Sequeira – sandrasequeira@ua.pt
  2. 2. “Educação Financeira pessoal é saber como ganhar, gastar, poupar e investir o seu dinheiro para ter melhor qualidade de vida.” In “Cartilha de Finanças” - Unisinos e Acis
  3. 3. 3 Quando se vivem crises económicas, são os cidadãos desprovidos dos conceitos financeiros básicos que estão em maior desvantagem e vulneráveis aos riscos do mercado. Neste sentido, a introdução e o desenvolvimento de conteúdos relacionados com a Educação Financeira no Sistema Educativo torna-se, cada vez mais, uma necessidade à qual a escola deve responder.
  4. 4. 4 Gerir um orçamento, saber como gastar o dinheiro, poupar, investir, desenvolver espírito de iniciativa, ser-se pago por aquilo que se vale, gerir o crédito ou como doar são algumas das competências com que pode brindar o seu rebento. Para desenvolver estas competências, deve conhecer-se os instrumentos e as técnicas associadas às mesmas e isso “ensina-se e aprende-se, não é de todo inato”.
  5. 5. 5 A escola actual deverá ter por base uma formação integral do cidadão, fornecendo-lhe uma preparação para uma intervenção activa e responsável na sociedade pluralista. A globalização proporciona um aumento do nível de vida, contudo, será que esta realidade é acessível a toda a população? Na era da globalização, a educação tem que ser vista como uma preocupação presente e de continuidade, perspectivando e preparando o futuro, na medida em que forma a mentalidade das pessoas, estreita laços que forjam a unidade, o progresso e a identificação cultural.
  6. 6. 6 é imperioso induzir estratégias nos seus alunos no sentido de activar potencialidades e desenvolver competências, de modo a que construam um conhecimento básico e uma estrutura cognitiva, que lhes permita abarcar, enfrentar e acompanhar o ritmo impressionante a que novos conhecimentos e novas técnicas vão chegando. A escola deve proporcionar acções, num apelo ao concreto e à experiência, através das quais as crianças possam vivenciar criações que movem o espírito para a iniciativa e para o progresso.
  7. 7. Poupar Seguir o dinheiro Ser pago de acordo com o seu valor Como gastar de forma sensata Como falar sobre dinheiro Como Gerir um Orçamento Como investir Desenvolver espírito de iniciativa e empresarial Gerir o crédito Doar ou Como usar o dinheiro para ajudar a mudar o mundo! ASFAC (Associação de Instituições de Crédito Especializado)
  8. 8. Três conteúdos essenciais Noção de caro e de barato Distinção entre vontade e necessidade A importância do controlo dos gastos
  9. 9. ETAPA I – COMPREENSÃO DAS FINANÇAS – 1.º Passo O que é o Dinheiro e para que serve: História sobre a origem do dinheiro e sua utilidade de troca; Identificação das moedas e notas que usamos no nosso país; Formas de troca que podem ser utilizadas na economia moderna para a troca (cheques, cartões bancários, transferências bancárias).
  10. 10. ETAPA I – COMPREENSÃO DAS FINANÇAS – 2.º Passo De onde vem o dinheiro: Formas de se obter o dinheiro (ordenado, lucros, prestação de serviços); Necessidade de se ter dinheiro.
  11. 11. ETAPA I – COMPREENSÃO DAS FINANÇAS – 3.º Passo Como cuidar do dinheiro: Formas de se manter o dinheiro em segurança; Importância de se manter registos financeiros; Importância de se ter um fundo de poupança e outro para se gastar.
  12. 12. ETAPA II – CONSCIENCIALIZAÇÃO DAS FINANÇAS – 4.º Passo Para onde vai o dinheiro:  Porque tem de se pagar o que se adquire;  Gastos dos adultos com o agregado familiar;  Como fazer melhores escolhas para os gastos diminuírem.
  13. 13. ETAPA II – CONSCIENCIALIZAÇÃO DAS FINANÇAS – 5.º Passo A importância de se guardar dinheiro:  Como juntar reservas financeiras;  Importância das reservas financeiras para os gastos em situações de emergência e para a realização de planos de futuro;  Como aumentar as reservas financeiras no mercado financeiro.
  14. 14. ETAPA II – CONSCIENCIALIZAÇÃO DAS FINANÇAS – 6.º Passo Como lidar com as dívidas: Diferenças entre dívidas “boas” (planeadas e administradas) e dívidas “más” (imprevistas e incontroláveis).
  15. 15. ETAPA III – RESPONSABILIZAÇÃO FINANCEIRA – 7.º Passo Conceitos de Ética Social: Diferenças de vencimentos entre os diversos grupos sociais e as dimensões éticas das decisões financeiras; Solidariedade; Cidadania responsável e participativa.
  16. 16. CALCULAR COM DINHEIRO Quem tem mais dinheiro? Quanto a mais? Matemática
  17. 17. CALCULAR COM DINHEIRO (Cont.) Quanto dinheiro é preciso juntar a 15 € para a menina poder comprar o livro? Quanto dinheiro restará no mealheiro depois do menino retirar 9 € para comprar o livro? Matemática
  18. 18. COMPRAR CARTEIRAS DE CROMOS O Presidente da Junta quer oferecer uma carteira de cromos a cada um dos alunos do 1.º ano da escola da Raquel. Que dinheiro gastará? O Presidente da Junta quer oferecer uma carteira de cromos a cada um dos alunos dos 1.º e 2.º anos da escola da Raquel. Que dinheiro gastará? O Presidente da Junta quer oferecer uma carteira de cromos a cada um dos alunos da escola da Raquel. Que dinheiro gastará? Matemática
  19. 19. QUEM ESTÁ A PENSAR BEM? Quatro amigos – Raquel, Mário, Ana e Luís – não estão de acordo relativamente ao dinheiro que cada um tem. Quem está a pensar bem? Determina, aproximadamente, o total de dinheiro que têm os quatro amigos. Qual a diferença entre o dinheiro de Mário e o de Ana? E entre o de Mário e o de Raquel? Matemática
  20. 20. Ou se tem chuva e não se tem sol ou se tem sol e não se tem chuva! Ou se calça a luva e não se põe o anel, ou se põe o anel e não se calça a luva! Quem sobe nos ares não fica no chão, quem fica no chão não sobe nos ares. É uma grande pena que não se possa estar ao mesmo tempo nos dois lugares! Ou guardo o dinheiro e não compro o doce, ou compro o doce e gasto o dinheiro. Ou isto ou aquilo, ou isto ou aquilo... e vivo escolhendo o dia inteiro! Não sei se brinco, não sei se estudo, se saio correndo ou fico tranquilo. Mas não consegui entender ainda qual é melhor: se é isto ou aquilo. OU ISTO OU AQUILO Letra: Cecília Meirelles Música: Luís Pedro Fonseca e Lena d'Água Português/Expressão Musical
  21. 21. PODER DE COMPRA Matemática/Estudo do Meio As crianças analisam algumas profissões e os salários usualmente associados às mesmas. Com base em salários mensais, os alunos avaliam os custos de oportunidade para decisões de elaboração de orçamentos.  Reconhecer que um orçamento equilibrado é importante para trabalhadores com todos os tipos de rendimentos.  Distinguir rendimento bruto de rendimento líquido.  Identificar modos de equilibrar um orçamento.
  22. 22. ORGANIZAR AS COMPRAS Matemática/Expressão Plástica As crianças elaboram uma lista de compras e comparam preços pela internet entre várias superfícies comerciais. Constroem um cartaz que represente quanto se pouparia ao optar pelos produtos mais baratos. Analisam o modo como os consumidores pagam pelos bens e serviços; discutem as vantagens e desvantagens de usar pagamento a pronto e a crédito e participam numa actividade que reforça a sua compreensão do custo do crédito.  Identificar os custos de oportunidade associados ao pagamento a pronto e a crédito.  Explicar as vantagens e desvantagens do crédito.  Identificar situações adequadas ao pagamento a pronto ou a crédito.
  23. 23. 23 Português/Matemática/TIC Guardar coisas 6% Poupar água/luz 29% Juntar dinheiro para comprar coisas caras 19% Guardar dinheiro para comprar coisas para mim 19% Não comprar coisas desnecessárias 23% Juntar/Guardar (Banco/ Mealheiro) 4% Além da noção de que poupar é “não gastar muito”, há noções mais concretas e específicas: por um lado temos referências à poupança de dinheiro/coisas e por outro, às necessidades ecológica de poupanças. Faz-se um levantamento das concepções das crianças sobre “o que é poupar”. Em conjunto com as crianças, analisam-se as respostas e constrói-se um gráfico com os dados obtidos. O QUE É POUPAR?
  24. 24. 24 Expressão Plástica/Português Dialoga-se com as crianças sobre as diferenças sociais e económicas. Em conjunto com as crianças, elabora-se um cartaz ou folheto que represente situações onde as diferenças sociais são profundas e nítidas. DIFERENÇAS ECONÓMICAS
  25. 25. 25 Diagnóstico In: www.asfac.pt/index.php?action=3 (ASFAC)
  26. 26. 26 Ensinar a distinguir as coisas que se compram porque se “quer” daquelas que se compram por “necessidade”. Fazer compreender o quão importante é não desperdiçar dinheiro. Apresentar moedas e notas verdadeiras, explorando diferenças de tamanho e cor. As compras devem respeitar uma lista elaborada previamente com a contribuição da criança. Ensinar a controlar o consumo por impulso, mostrando como elaborar uma lista de compras e segui-la no supermercado. Mostrar as diferenças entre coisas “caras” e “baratas” em diferentes ambientes (padaria, farmácia, papelaria, etc.), durante uma ida (real ou simulada) às compras. Debater sobre assuntos económicos abertamente, como o estado do país, uma decisão governamental, a compra de um material para a escola. Explicar que nem tudo o que é demonstrado em publicidade tem um valor real.
  27. 27. 27 Promover a comparação de preços, ensinar a contar o troco e como funcionam os descontos. Fazer entender a importância de não desperdiçar e de gerir o seu dinheiro. Por volta dos 5/6 anos dar-lhe a responsabilidade de ter dinheiro. Explicar como funcionam os cartões de crédito. Dar semanada ou mesada à criança (conforme a idade). Isso irá ajudá-la a tomar decisões e fazer escolhas, mesmo que em pequena escala. Incentivar a juntar dinheiro num mealheiro. Conhecer alguns desejos da criança para demonstrar quanto terá de guardar para chegar ao valor do que pretende. Desenvolver jogos e brincadeiras que estimulem as crianças a pensar em como utilizar dinheiro e como é importante poupar. Permitir o uso da semanada ou mesada como um instrumento de amadurecimento financeiro da criança e não uma fonte de conflitos.
  28. 28. 28 Fixar um dia para o pagamento da semanada ou mesada, cumprindo-o rigorosamente. Ajudar a estabelecer relação entre ganho de dinheiro e o trabalho, explicando o tipo de trabalho que pais, professores, avós, têm para ganhar um ordenado. Estimular a criança a participar no orçamento familiar, incentivando-a a dar sugestões sobre formas de reduzir despesas. Reforçar a ideia de que a responsabilidade social e a ética devem estar sempre presentes no ganho e no uso do dinheiro. Procurar envolver toda a família no processo de Educação Financeira da criança, explicando as razões de se imporem limites e pedindo que colaborem. Ensinar a importância de investir, propondo, por exemplo, uma meta de investimento e incentivar a criança a alcançá-la. Ensinar a visualizar alternativas – assim, ela começará a saber o que fazer com o dinheiro e não ficará pela primeira opção que lhe surgir. Ensinar a criança a dividir a mesada em duas partes: uma para gastar e outra para poupar.
  29. 29. Abril de 2011

×