Princípios para uma deontologia profissional

425 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
425
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Princípios para uma deontologia profissional

  1. 1. Introducao O presente trabalho é da cadeira de Etica profissional com objectivo de compreender os principios de uma teodologia profissional como uma norma fundamental. Este trabalho duma forma sucinda podemos considerar um resumo que apenas serviu de intrepretacao dos principios teodologicos.
  2. 2. Princípios para uma deontologia profissional Podemos afirmar que o objetivo da deontologia profissional é reger os comportamentos dos membros de uma profissão para alcançar a excelência no trabalho, tendo em vista o reconhecimento pelos pares, garantir a confiança do público e proteger a reputação da profissão. Segundo MOREIRA (1999), acredita que a sanção pela violação de normas deontológicas é fundamental. Faz parte de um processo de "despertar para a ética" que deve ser assumido pelas organizações, sobretudo a partir do momento em que os diversos grupos sociais começaram a exercer pressão no sentido de se construir uma sociedade mais solidária, respeitadora dos direitos humanos e amiga do ambiente. Em resumo:  a deontologia determina o dever que regula uma dada situação;  o sujeito apenas reflete sobre o melhor meio de agir em conformidade com ele: utiliza- se o raciocínio "normativo", que identifica e aplica uma norma que corporiza um dado valor;  é, por isso, uma forma de hetero-regulação: o bom comportamento decorre da execução de uma norma, de uma obrigação imposta do exterior. Segundo LANDMANN (1985), afirma que os aspectos de cada profissão, uma boa Deontologia profissional deve ter o seguinte esquema básico de conduta profissional: 1. Na área da profissão, terá como norma fundamental: Zelar, com sua competência e honestidade, pelo bom nome ou reputação da profissão. Sublinhamos competência e honestidade pois a reputação da Profissão não deve ser procurada por si mesma ou a qualquer preço, mas deve ser a consequência natural da competência e honestidade de seus membros e do grupo como um todo, na busca honesta comprometida e inteligente do bem comum para a sociedade como um todo, como os meios que essa profissão proporciona.
  3. 3. Exemplo:  Um professor por norma deve zelar os alunos, com compentencia e honestidade nos processos de ensino e aprendizagem como um bem comum para a sociedade; 2. Na área da ordem profissional, ou seja, na relação com seus pares e colegas de profissão, a norma fundamental será: Culto de lealdade e solidariedade profissional evitando críticas levianas, competição e concorrência desleal. Sem descambar, naturalmente para o acobertamento de toda e qualquer ação dos colegas e sem nunca ferir a verdade, a justiça, a moral ou o bem comum. Mais Máfias, pactos de silêncio, e sociedades secretas, não são necessárias. Vida a propósito, as páginas candentes de Jayme Landmann em "Ética Médica sem Máscaras". Exemplo: o Substituir a autoridade pela responsabilidade; o Estabelecer um acordo quanto a standards comuns clarificando valores profissionais; o Minimizar os desvios pessoais na actuação profissional; o Fornecer um modelo de conduta que assegura a independência do trabalhador em relação à entidade empregadora em nome do serviço prestado a outros. 3. Na área da clientela profissional, os que os que são os usuários dos serviços profissionais/verdadeiro coração da Deontologia Profissional, deverá haver três normas fundamentais: a) execução íntegra do serviço conforme o combinado com o usuário. Sempre naturalmente que o pedido seja moralmente lícito no plano objetivo e não vá contra o bem comum ou de terceiros ou do próprio solicitante.
  4. 4. Exemplo:  Se do ponto de vista técnico o pedido é menos seguro ou menos bom ou tem conseqüências não previstas pelo solicitante, deve o profissional esclarecer o cliente mostrando as inconveniências existentes e os procedimentos para melhor execução, após o que pode deixar o cliente decidir e assumir toda a responsabilidade pelas consequências. b) a remuneração justa: nunca por motivo algum, deve ser excessiva. Nada impede que se prestem serviços a menor preço ou mesmo gratuitamente, em casos de necessidade financeira do usuário. Exemplo:  Não é melhor argumento de que e hoje ganho é porque estudou e trabalhou para chegar onde está. se pude estudar para chegar onde está, estudouà custa da nação, à qual deve agora servir como um cidadão comum sem autonomeação e autojustificação como um privilegiado, um pequeno super-homem, indiferente ou superior ao bem Comum do Povo. c) o segredo profissional: o que se vem a conhecer de íntimo e pessoal no exercício da profissão faz parte do que se domina de segredo natural ou segredo confiado e só se pode usar para melhor prestação de serviço e não para outros fins, a não ser em casos de grave e urgente perigo para o cliente, para si, para terceiros o para o bem comum.
  5. 5. Conclusao Neste tema, concluimos que a deontologia é um conjunto de comportamentos exigíveis aos profissionais, muitas vezes não codificados em regulamentação jurídica. É uma obrigação prática baseada na livre ação da pessoa e no seu caráter moral. E como principios interprofissional, encontramos a teondologia dividida em areas distintas como:  área da profissão, terá como norma fundamental;  área da ordem profissional, ou seja, na relação com seus pares e colegas de profissão;  área da clientela profissional, os que os que são os usuários dos serviços profissionais.
  6. 6. Bibliografia MOREIRA, José Manuel. A contas com a ética empresarial. Cascais: Principia. 1999. LANDMANN, J. Ética Médica sem Máscaras, Ed. Guanabara, 1985.

×