Oração Relativa e a sua aplicação no contexto Pedagógico-didáctico
1
A importância do Latim na aprendizagem do Português
P...
Oração Relativa e a sua aplicação no contexto Pedagógico-didáctico
2
vê-se relegado para um plano secundário»5
.A extinção...
Oração Relativa e a sua aplicação no contexto Pedagógico-didáctico
3
de uma grande transformação no ensino,que se reflecti...
Oração Relativa e a sua aplicação no contexto Pedagógico-didáctico
4
linguística portuguesas9
. Raul Gomes no seu estudo «...
Oração Relativa e a sua aplicação no contexto Pedagógico-didáctico
5
alargamento e fundamento dos conhecimentos sobre a lí...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Importância do latim na aprendizagem do português

951 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
951
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
12
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Importância do latim na aprendizagem do português

  1. 1. Oração Relativa e a sua aplicação no contexto Pedagógico-didáctico 1 A importância do Latim na aprendizagem do Português Pretendemos com esta reflexão aferir a importância que o estudo do Latim poderá ter na aprendizagem da língua materna, não sem antes fazermos, num primeiro momento, a análise do estado em que se encontra a língua Latina, actualmente, em Portugal e, num segundo, a aferição, com base no contexto político e em vários argumentos, da forma como o ensino do Latim é perspectivado actualmente. Maria Helena da Rocha Pereira, numa comunicação intitulada «Portugal e a Herança Clássica»1 salienta que «a herança greco-latina atravessa toda a cultura ocidental». Todos sabemos que foi na Antiguidade Clássica que surgiram,por exemplo, a retórica, várias formas de arte,o direito, a democracia, a religião, a ginástica. Podemos verificar em muitodo que nos rodeia uma grande «dívida que temos para com esse mundo»2 .Quer isto dizer que, por um lado,a culturagreco-latina marca o nosso conhecimento do mundo, a nossa própria cultura e o modo como nos organizámos em sociedade. Por outro lado, leva-nos a colocar uma questão: como é que o Homem de hoje pode ignorar este legado, que contém um valor tão precioso? De facto, uma grande parte da sociedade fá-lo e o panorama actual não se mostra nada favorável para aslínguas grega elatina, como constata Carlos Ascenso André3 :«É inegável que as décadas mais recentes têm sido testemunhas de um crescente menosprezo pelas línguas clássicas; o prestígio de outrora está em decadência; lenta e paulatinamente, instala-se a tendência para as considerar um luxo - inútil». Note-se que a este desprezo a que as línguase, por consequência, as cultura classicas têm sido alvo, junta-se, por um lado, o facto de a sociedade actual, que se encontra dominada pela tecnologia e pela economia, expurgar tudo o que não se enquadre nestes domínios e, por outro, a valorização crescente concedida às línguas «modernas [que](…) apadrinhadas[por]bons guardiões político-económicos se conseguiram impor»4 . No contexto pedagógico-didáctico,a questão relacionada com o gradual desaparecimento do Latim assume-se como um problema sério. Actualmente, «o aprendizado das línguas clássicas, outrora centro nevrálgico do processo educativo, 1 Maria Helena da Rocha Pereira, «Portugal e a Herança Clássica» -p.11 2 Simon Goldhill, «Amor, Sexo, e Tragédia» 3 Carlos Ascenso André, «Apresentação» - p.182 4 Raul Gomes, «Aprender Ensinando» - p.287
  2. 2. Oração Relativa e a sua aplicação no contexto Pedagógico-didáctico 2 vê-se relegado para um plano secundário»5 .A extinção progressiva do ensino do Latim também é reafirmada por Manuel Cerejeira Abreu Carneiro, numa comunicação intitulada «Como Renovar o ensino do latim – algumas sugestões»,onde mostra como essa extinçãose tem processado, a nível oficial, no ensino secundário, operada através da implementação de uma série de reformas. Apresentaremos de seguida, algumas dessas reformas, enquadrando-as no contexto político, social e económico que esteve na base de cada uma. A primeira reforma aplicada por José Coelho, em 1905, levou à redução drástica do número de horas semanais de Latim nos cursos gerais,ainda durante a época da monarquiae resultou de um longo processo de transformação do ensino secundário que veio acentuar a vertente científica em detrimento da humanista que vigorava na época.Recordemos que esta surge como reacção à reforma que se encontrava em vigor, da autoria de Jaime Moniz, que foi alvo de durascríticas por parte dos pais dos estudantes, que alegavam que estes «eram obrigados a um excesso de trabalho que, naturalmente, lhes desagradava, com horas demasiadas em algumas disciplinas, programas sobrecarregados, o peso exagerado do Latim ao longo do curso, a ausência de bifurcação em letras e ciências»6 . Neste âmbito, a reforma de José Coelho manteveas disciplinas da reforma de 1895, às quais acrescentou uma nova, Educação Física, reduziu o número de horas semanais deLatim e levou àbifurcação dos cursos gerais em Letras e Ciências. Relativamente ao acessoao ensino secundário, este privilegiava os filhos da burguesia urbana e as classes socialmente mais elevadas7 . Por sua vez, a reforma de 1972introduzida por Veiga Simão, durante governo de Marcelo Caetano,conduziu o Latim à condição de disciplina de opção. Na base desta reforma estiveram vários acontecimentos, dos quais destacamos apenas os mais importantes, nomeadamente, a saída de Salazar do governo, que é substituído por Marcelo Caetano e o episódio da inauguração do edifício das Matemáticas da Universidade de Coimbra8 . Cenários que levaram Veiga Simão a tornar-se o precursor 5 Carlos Ascenso André, ibidem – pp. 183-184. 6 Rómulo de Carvalho, «História do ensino em Portugal: desde a fundação da nacionalidade até ao fim do regime de Salazar-Caetano» - p. 644 7 Importa realçar que a percentagem de mulheres que ingressavam no ensino secundário era muito reduzida. 8 No dia 17 de Abril 1969 estavam reunidos num salão do novo edifício das Matemáticas da Universidade de Coimbra, que ia ser inaugurado, Américo Tomás, altas figuras do Estado e do mundo universitário. Durante a cerimónia de abertura, havia um programa de discursos a cumprir e que todos
  3. 3. Oração Relativa e a sua aplicação no contexto Pedagógico-didáctico 3 de uma grande transformação no ensino,que se reflectiu, mais especificamente, na reestruturaçãoda Junta Nacional da Educação,na remodelação do Gabinete de Estudos e Planeamento, na concentraçãodas funções pedagógicas e disciplinares em três grandes Direcções-Gerais do Ensino, Superior, Secundário e Básico, na reformado instituto dos meios Audiovisuais de Educação Permanente, na criaçãodo Secretariado para a Juventude, destinado a estimular e apoiar as actividades Juvenis no preenchimento dos tempos livres. No que respeita ao acesso ao ensino, fomentou um aumentosignificativo do número de alunos a frequentar os estabelecimentos de ensino públicos primários, enquantono ensino secundário, só os filhos de famílias economicamente abastadas é que tinham a possibilidades de prosseguirem. Com efeito/Na realidade, o ensino desta épocacaracterizava-se por uma elevada taxa de analfabetismo. Finalmente, depois do 25 de Abril de 1974,as Universidades renovaram os seus cursos e respectivos planos de estudo. Em particular permitiu-se a concessão do grau de licenciatura em Estudos Portugueses sem exigir Latim no currículo, ou seja, muitos professores de português formaram-se sem terem conhecimentos da língua de Cícero. Actualmente, esta situação foi parcialmente resolvida, porque algumas universidades, utilizando o seu direito da autonomia, restabeleceram a necessidade da aprendizagem do Latim como pré-requisito essencial para a formação de professores de Português. No entanto, as reformas anteriormente referidas contribuíram, e muito, para a diminuição da frequência da disciplina de Latim no ensino secundário. Deve-se explicitar que areforma do ensino de 1974 surgiu num contexto de mudança, tendo como «pano de fundo» o golpe militar de 25 de Abril de 1974 que pôs termo ao regime ditatorial implantado em 1926. Esta revolução levou àdemocratização do ensino, que por sua vez conduziu ao aumento do número de alunos e da sua heterogeneidade. Um estudo realizado por Raul Gomes demonstra a posição dos alunos relativamente ao estudo do Latim, estes apontam-nocomo sendo muito difícil, complexo e sem qualquer tipo de utilidade prática. Estes consideram o seu estudo dispensável e propõem a sua substituição por cadeiras como informática, literatura ou aguardavam respeitosamente. No entanto, Alberto Martins, estudante universitário, durante um intervalo de uma das comunicações pediu para falar, com o intuito de expor os problemas que afectavam o ensino da época, atitude que o levo à prisão. A comunidade estudantil revoltou-se, de tal modo, que o governo acabou por voltar ao caminho anterior, ou seja, ao da modernização do sistema de ensino.
  4. 4. Oração Relativa e a sua aplicação no contexto Pedagógico-didáctico 4 linguística portuguesas9 . Raul Gomes no seu estudo «Aprender Ensinando»10 expõeas três principais razõesapresentadas pelos alunos que explicam a desmotivação em relação ao estudo da língua latina, as quais passamos a citar:«a inexistência de bases científicas a nível de língua materna»; «um programa demasiado extenso para a disciplina de língua latina»; «o facto de o latim ser uma língua difícil e sem interesse porque não proporciona a conversação». Perante este cenário, o professor de Latimdevetentar adaptar o seu modo de ensinaralterandoestratégias ea orientação das suas práticas pedagógicas. Para além do papel do professor, quedeve ajudar a colmatar as barreiras, anteriormente referidas, concordamos com a posição de Raúl Gomes no sentido de que encontradas as razões das dificuldades sentidas pelos alunos do secundário, devemos apresentar possíveis soluções «a inexistência de bases científicas a nível de língua materna». Na actualidade,o processo de ensino-aprendizagem da língua Latina deverpartir, sempre que possível, da língua portuguesa para a latina. Neste âmbito, importa referir que as comunicações de Manuel Cerejeira Abreu Carneiro, «Como Renovar o ensino do latim – algumas sugestões»e de Raul Gomes,«Aprender Ensinando»apresentam algumas propostas bastante interessantes, que poderão conferir uma dinâmica diferente às aulas de latim e ajudarão a aprofundar a compreensão da língua materna. A selecção dos conteúdos de cultura que deverão ser leccionados em articulação com os conteúdos linguísticos, como uma possível solução para o segundo problema.Como proposta de resolução para o terceiro problemapensamos que o estudo do latim deve ser apresentado como algo necessário para a formação profissional de muitos alunos e para a formação de personalidades capazes de assumirem o seu lugar na sociedade. Para além disso, o professor deve estimular, sempre que possível, a conversação em Latim no contexto didáctico. Em suma, todas estas medidas visam estimular a motivação do aluno para a aprendizagem do latim. Apesar da situação do Latim não ser nada favorável defendemos a importância do seu estudo para a aprendizagem do Português. Neste âmbito, é importante destacar o facto de 60 % do nosso vocabulário derivar do Latim. O estudo desta língua clássica ajuda a proporcionar, por um lado, a aprendizagem de uma língua nova e, por outro, o 9 Para além destes factores, o insucesso nesta disciplina constitui-se como uma razão bastante plausível para explicar a aversão ao latim. 10 Raul Gomes, «Aprender Ensinando» - p. 292
  5. 5. Oração Relativa e a sua aplicação no contexto Pedagógico-didáctico 5 alargamento e fundamento dos conhecimentos sobre a língua portuguesa; contribui para o enriquecimento do léxico da língua materna e evita o seu empobrecimento. Em particular, a aprendizagem da morfologia e da sintaxe latinasajuda a ter conhecimentos seguros nessas áreas no Português. Assim, as dificuldades sentidas na aprendizagem da língua de Virgílioobrigando a uma reflexão atentaque pode contribuir para melhorar o entendimento das estruturas do português. Desse modo, pode contribuir para a diminuição do insucesso escolar na disciplina de língua Portuguesa, motivo que leva vários professores e especialistas desta áreaa defenderem a necessidade de introdução desta língua clássica no currículo do ensino secundário. Por outro lado, é muito necessáriopara prosseguimento profissional de muitos jovens em diversas áreas, um professor de Português deveria possuir obrigatoriamente conhecimentos de Latim. Tome-se como exemplo, os alunos de Direito, História que necessitam de ter conhecimentos de Latim. Para alémdisso, o Latim é útil para o estudo comparado das línguas românicas. Por outro lado, o estudo do Latim é essencial para a compreensão de terminologias técnicas e científicas. Em suma, acreditamos que o homem moderno deve compreender que o conhecimento e estudo da língua de Vergílio «representa, em larga medida, o chão onde pomos os pés. É um chão sólido, podemos construir em cima dele o que quer que seja»11 . 11 Jorge Deserto, «Do emprego das línguas clássicas ao emprego com as línguas clássicas» - p. 4

×