Geografia do Mato Grosso do Sul - Clima. Blog do Prof. Marco Aurélio Gondim. www.gondim.net

9.623 visualizações

Publicada em

Geografia do Mato Grosso do Sul - Clima. Blog do Prof. Marco Aurélio Gondim. www.gondim.net

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
9.623
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6.865
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
46
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Geografia do Mato Grosso do Sul - Clima. Blog do Prof. Marco Aurélio Gondim. www.gondim.net

  1. 1. MATO GROSSO DO SUL CLIMAProf. Marco Aurélio Gondim www.gondim.net
  2. 2. TIPOS CLIMÁTICOS (LYSIA BERNARDES)• PREDOMINANTE • EXTREMO SUL DO• Semelhante ao da MS região Centro-Oeste: • Subtropical: – Tropical semi-úmido – Chuvas mais bem• Duas estações distribuídas e temperaturas mais definidas: brandas. – Quente chuvosa e fria seca
  3. 3. Climas do MS - IBGE
  4. 4. REGIÕES SUBCLIMÁTICAS (BAGNOULS & GAUSSEN)1/3Termoxeroquimênica atenuada• Região da Bodoquena, região centro-norte do Estado enos arredores de Paranaíba.• Temperaturas médias do mês mais frio: 20°C - 24°C.• Precipitações anuais: 1.500 mm.• Período seco: 3 meses.
  5. 5. REGIÕES SUBCLIMÁTICAS (BAGNOULS & GAUSSEN)2/3Mesoxeroquimênica modificada• Região sudoeste, centro-sul e nordeste do Estado.• Temperaturas médias do mês mais frio: 18°C - 20°C.• Precipitações anuais: 1.000 - 1.700 mm.• Período seco: 5 meses.
  6. 6. REGIÕES SUBCLIMÁTICAS (BAGNOULS & GAUSSEN)3/3Eumesaxérica• Região sul do Estado.• Temperaturas médias do mês mais frio: 14°C - 15°C, podendo chegar a 4°C - 6°C.• Precipitações anuais: 1.400 - 1.700 mm.• Período seco: ausente.
  7. 7. Massas de ar
  8. 8. MASSAS DE AR E CLIMAS
  9. 9. Massa Equatorial Continental ( mEc )• Com características quente ( baixa latitude) e úmida (área de muitos rios e domínio da floresta equatorial) originada na Amazônia ocidental, exerce influência em quase todo país durante o verão do hemisfério sul.É responsável pelas altas temperaturas e altos índices pluviométricos da região da Amazônia .
  10. 10. Massas de ar
  11. 11. Massa tropical atlântica ( mta)• Também de características quente e úmida origina-se no atlântico Sul e atua em toda faixa litorânea brasileira que se vai do Nordeste ao sul do Brasil. O encontro desta massa de ar com a Polar atlântica que chega da Argentina principalmente durante o inverno, provoca as tão famosas e odiadas frentes frias tão freqüentes não só aqui em nossa cidade, como em toda região sul e sudeste. Também nessas regiões, o encontro desta massa com as áreas de relevos mais elevados da Serra do Mar provocam as chuvas orográficas ou de relevo durante todo ano.
  12. 12. Massas de ar
  13. 13. Massa polar Atlântica – ( mpa)• Por ser formada no oceano no litoral sul da Argentina , apresenta características fria e úmida. Ao penetrar no Brasil, pode tomar três direções distintas, provocando os seguintes fenômenos : Frentes frias quando sobe pelo litoral e encontra a mTa (já explicado anteriormente ) "Friagem” –quando penetrando pelas planícies da área central do país chega ao oeste da Amazônia causando queda brusca de temperatura .E finalmente quando sobe pelos vales e serras do Sul do Brasil provoca a formação de geada , precipitação de neve ou fortes ventos como o Minuano e o Pampeiro
  14. 14. Massas de ar
  15. 15. Massa Tropical Continental ( mTc)• Origina-se na área de depressão do Chaco Paraguaio , área de altas temperaturas e pouca umidade portanto apresenta características quente e seca. Atua principalmente na região do centro-oeste e em partes do sul e sudeste durante os períodos de outono inverno. Pode provocar ainda o bloqueio atmosférico que impede a chegada de massa de ar frio vindo do sul nos meses de maio e junho caracterizando o que se denomina de veranico .
  16. 16. MASSAS DE AR
  17. 17. Massa Equatorial Atlântica ( mEa)• Massa quente e úmida, se forma na porção do atlântico próximo a região equatorial. Durante o verão do hemisfério sul pode descer e penetrar pelo litoral das regiões Norte e Nordeste causando chuvas.
  18. 18. INFLUÊNCIA DAS MASSAS DE AR (JOÃO AFONSO ZAVATINI)NORDESTE NOROESTE EXTREMO SUDOESTEDO ESTADO SUL DO ESTADO Correntes de Correntes de Frentes Frentes polaresleste, atuação leste, polares, menosdas mPa, mTc combinadas combinadas intensas, por e mEc com a mTc com as causa das correntes de correntes de oeste, e menor leste e oeste participação das de leste.
  19. 19. TEMPERATURAS MÉDIAS ANUAIS25°C norte do município de Corumbá, na divisa com a Bolívia e o estado de Mato Grosso24°C faixa diagonal, norte-oeste do estado, englobando partes dos municípios de Miranda, Corumbá, Coxim, Sonora, entre outros23°C faixa diagonal, sudoeste-noroeste, englobando os divisores de água do estado, tendo ainda uma porção menor desta característica climática, no leste do estado22º C abrange a maior parte do estado, com temperatura de 22ºC, numa faixa que engloba todo o sul, o centro e parte do nordeste do estado
  20. 20. ÍNDICE PLUVIOMÉTRICO Localiza-se no município de Ponta Porã, pequena parte na Serra de1600 mm Bodoquena, no município de Costa Rica e nas proximidades do município de Bandeirantes. Distribuem-se na sua maior parte pelo sul do estado, atingindo uma1400 mm pequena porção da área central. Existem ainda pontos isolados no sudeste e nordeste do estado. É uma faixa bem distribuída que atinge grande parte do estado, com1200 mm faixa continua partindo do sudoeste, atravessando a parte central e distribuindo-se para o oeste, sudeste e nordeste do estado. É uma faixa que atinge grande parte do Pantanal no norte do estado,1000 mm alcançando uma estreita parte do sudoeste no município de Porto Murtinho. Existe também um bolsão isolado no leste do estado, atingindo parte dos municípios de Três Lagoas, Água Clara, Ribas do Rio Pardo, entre outros. É uma pequena faixa que atinge parte do município de Corumbá e800 mm estende para a fronteira com a Bolívia.
  21. 21. VARIAÇÃO PLUVIOMÉTRICA
  22. 22. REFERÊNCIA• IBGE• História e Geografia do Mato Grosso do Sul – Gressler, Vasconcelos, Souza• Potencialidades sul-mato-grossenses. Valter Mangini Barros
  23. 23. Prof. Marco Aurélio Gondim www.marcoaurelio.tk

×