Lua de joana matilde

9.396 visualizações

Publicada em

2 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
9.396
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
8
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
106
Comentários
2
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Lua de joana matilde

  1. 1. Projecto Individual de Leitura<br /> Escola Manoel de Oliveira<br /> Ano Lectivo 2009/2010<br /> Professora: Lisete Rainha <br /> Trabalho realizado por:<br /> Sara Matilde nº 23 7ºC <br />
  2. 2. A LUA DE JOANA<br /> Esta história, retrata a vida de Joana, uma adolescente que perdeu a melhor amiga (Marta) porque esta começou a consumir drogas e morreu por overdose. Joana, para se sentir mais próxima de Marta, sua amiga de há muitos anos, começou a escrever-lhe cartas, uma espécie de diário, que contava o seu dia-a-dia, e o quanto sentia a sua falta.<br />
  3. 3. A LUA DE JOANA<br />Joana tinha no seu quarto um baloiço em forma de lua pendurado no tecto. Quando Joana queria pensar colocava-a em posição de quarto crescente e, quando estava triste, rodava-a para quarto minguante. <br /> Joana era uma óptima aluna, mas para ultrapassar todos os problemas contava com a sua avó. Os pais de Joana consideravam-na como uma pessoa adulta e responsável. Como estes estavam constantemente ocupados, raramente lhe davam atenção.<br />
  4. 4. A LUA DE JOANA<br /> Joana tinha um irmão chamado Jorge, ao qual chamava “Pré-Histórico” ou outras vezes “Traumatizado”. Eles raramente se falavam, porque o “Pré-Histórico” passava os dias inteiros no seu quarto trancado a ouvir música a altos berros.<br />Quando Marta morrera, a sua mãe deu a Joana algumas coisas, porque eram melhores amigas. Entre elas havia uma raquete de ténis, um estojo de desenho, uns caleidoscópios que Joana invejara, etc.<br />
  5. 5. A LUA DE JOANA<br /> A avó de Joana andava muito doente, até que um dia teve de ir de urgência ao hospital. Passado um tempo, morreu. Joana não tinha ninguém no mundo, e por isso, conheçeu a Rita, uma amiga da Marta, e o Diogo, irmão da Marta.<br />Começou a conviver com eles, até descobriu que ambos se drogavam. E Joana perguntou-se a si própria, como é que Diogo, conseguiu cair no mesmo erro que a irmã tinha caído. Em contrapartida, ambos disseram-lhe que não havia problema, porque “sabiam quando parar”.<br />
  6. 6. A LUA DE JOANA<br />Entretanto, Joana decidiu fazer uma tatuagem com um relógio parado nas zero horas, porque estava revoltada com o facto de o pai nunca ter tempo para ela. Um dia, Joana viu Diogo a drogar-se, e decidiu exprimentar um pouco. Passado uns dias, nas suas cartas, contou a Marta que não conseguia parar. <br />Começou a vender as suas coisas mais valiosas, para que tivesse dinheiro para comprar a droga. Vendeu os seus CD’s que tanto adorava, a pulseira de ouro que a avó lhe tinha dado quando tinha nascido, etc.<br />
  7. 7. A LUA DE JOANA<br /> No final, Joana morre por overdose. O seu pai acaba de ler as cartas que estavam na gaveta, desapertou a correia do seu relógio, e pensou.Sim, agora tinha todo o tempo do mundo. Para quê?<br />
  8. 8. A LUA DE JOANA<br /> Algumas citações do livro:<br />“Vou parar de escrever. Dói-me a mão, dói-me o corpo, dói-me o pensamento. Dói-me a coragem que não tenho.” <br />“ …o ano passado, nunca imaginei que fosse tão fácil uma pessoa passar-se para o lado de lá, o lado para onde tu passaste, o lado que eu sabia que era ERRADO!”<br />“ Então, num momento completamente louco, desvairada, passei-me da cabeça e pedi-lhe para experimentar um bocado, só para ver que efeito aquilo tinha.” <br />
  9. 9. A LUA DE JOANA <br />Na minha opinião, acho incrível uma pessoa conseguir estragar a sua vida, apenas numa fracção de segundo, quando sabemos que estamos a cometer um erro, mas como Joana disse no livro, passa-nos uma “coisa” pela cabeça que nos diz para o fazer.<br />Como passar disto:<br />… para isto:<br />Ou seja, uma aluna excelente, exemplar, boa rapariga, atinada…<br />Uma rapariga sem restrições e sem consciência, “possúida” pelas drogas.<br />
  10. 10. FIM<br />

×