Países desenvolvidos vs países em desenvolvimento
Próximos SlideShare
Carregando em...5
×

Curtiu isso? Compartilhe com sua rede

Compartilhar

Países desenvolvidos vs países em desenvolvimento

  • 11,112 visualizações
Uploaded on

 

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Tem certeza que quer?
    Sua mensagem vai aqui
  • Muito bom!
    Tem certeza que quer?
    Sua mensagem vai aqui
No Downloads

Visualizações

Visualizações totais
11,112
No Slideshare
10,953
A partir de incorporações
159
Número de incorporações
6

Ações

Compartilhamentos
Downloads
232
Comentários
1
Curtidas
2

Incorporar 159

http://viajandonageo.blogspot.com.br 73
http://www.mundogeo789.blogspot.pt 37
http://mundogeo789.blogspot.pt 34
http://viajandonageo.blogspot.com 12
http://www.viajandonageo.blogspot.com.br 2
http://viajandonageo.blogspot.se 1

Conteúdo do relatório

Sinalizado como impróprio Sinalizar como impróprio
Sinalizar como impróprio

Selecione a razão para sinalizar essa apresentação como imprópria.

Cancelar
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Agrupamento de Escolas de Albufeira Resumo – Geografia – 9º ano de escolaridade Países desenvolvidos vs países em desenvolvimento Desde a Revolução industrial que se agrupam os países em dois grupos: Países desenvolvidos e Países em desenvolvimento (subdesenvolvidos). Com a revolução industrial em meados do século XVIII veio o crescimento económico e o desenvolvimento de alguns países. Como consequência, os vários países passaram a estar agrupados em dois grupos. Para que se possa dizer que um país é desenvolvido ou não, temos sempre de o comparar com outro para se estabelecerem referências. Assim, um país em desenvolvimento nos anos 80 pode ter-se tornado num país desenvolvido na actualidade. O Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento edita anualmente um relatório completo (o relatório do Desenvolvimento Humano) sobre todos os países do Mundo e sobre indicadores de desenvolvimento dos países. A seguinte citação revela bem o quanto é vaga a definição de desenvolvimento de um país... "(...) Mesmo as pessoas mais pobres dos países mais ricos têm, geralmente, rendimentos muito mais elevados do que as pessoas pobres dos países em desenvolvimento (…)" No mundo em que vivemos existem grandes contrastes e desigualdades porque nem todos os países apresentam a mesma riqueza e qualidade de vida. De uma forma geral podemos dividir o mundo em dois grandes grupos de países:
  • 2. Desenvolvimento Para se considerar que há desenvolvimento é necessário que as necessidades básicas da população estejam satisfeitas. Estas necessidades básicas ou primárias são as que asseguram a sobrevivência do ser humano, como a alimentação, o vestuário, a habitação, a educação e a saúde. Numa situação normal, os indivíduos tendem a adquirir primeiro os bens necessários para satisfazer as suas necessidades básicas e só depois é que virão os bens relacionados com as necessidades secundárias. Estas necessidades secundárias ou supérfluas são as que não são essenciais para a sobrevivência do ser humano mas que irão contribuir para o seu bem-estar. Neste campo podemos incluir a roupa de marca, estudos além da escolaridade mínima obrigatória, automóveis, etc. É difícil encontrar uma sociedade onde ambas as necessidades se encontram satisfeitas. Até nos países desenvolvidos as necessidades básicas podem não se encontrar completamente asseguradas. Por isso poderemos ocasionalmente encontrar desalojados e mendigos. Muitas vezes fala-se de desenvolvimento como sinónimo de crescimento económico. No entanto tratam-se de duas noções distintas, na medida em que pode haver crescimento económico sem haver um verdadeiro desenvolvimento. Indicadores de Desenvolvimento: O desenvolvimento de um país é avaliado através de um conjunto de características quantitativas e qualitativas designados por indicadores: o de natureza económica o de natureza social Natureza Económica:
  • 3. Natureza Social: Contudo estes indicadores sendo dados estatísticos, correspondem a uma média, daí não serem iguais para todas as pessoas. Índice de Desenvolvimento Humano: Resulta da combinação de 3 factores:
  • 4. IDH O Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento elabora o relatório baseado no Índice de Desenvolvimento Humano (IDH). O IDH é calculado deste 1990 pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento visando medir a qualidade de vida da população dos países ou regiões a partir de critérios mais abrangentes do que os de natureza económica. Este é o único índice utilizado mundialmente para medir o desenvolvimento dos países. O IDH é o resultado fundamentalmente de 4 parâmetros: O PIB (Produto Interno Bruto) por habitante; a taxa de alfabetização de adultos; a taxa de escolarização bruta; a esperança média de vida à nascença. Desta forma podemos observar que ronda os 3 princípios básicos do ser humano... O poder económico, a educação e a saúde. Haverá outras vertentes que não são contempladas no IDH, tais como o respeito ou não pelos Direitos Humanos, pela liberdade de expressão ou outros valores da democracia, no entanto dá uma boa aproximação à avaliação do grau de desenvolvimento humano e aos profundos contrates que encontramos por este mundo fora... O IDH varia entre 0 e 1. Valores superiores a 0,8 são considerados elevados. Entre 0,5 e 0,8 são médios e inferiores a 0,5 são baixos. Recentemente o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento considerou outro intervalo, acima de 0,900 é considerado um desenvolvimento humano muito elevado.
  • 5. De acordo com o relatório, países considerados com um desenvolvimento humano muito elevado (>0,900) geralmente correspondem a países desenvolvidos enquanto os outros geralmente correspondem aos paídes em desenvolvimento. Generalizando, podemos afirmar que o continente com o IDH mais baixo é o africano enquanto que os países com o IDH mais alto geralmente se situam no hemisfério norte. A União Europeia apresenta valores mais altos que 0,8. Dentro destes países existe alguma disparidade de valores, coexistindo países como a Suécia com valores altos e Portugal com valores mais baixos mas sempre superiores a 0,8. No relatório de 2004 Portugal estava no lugar 26, a lista abre com a Noruega e, termina com Serra Leoa, no continente africano: Desenvolvimento humano elevado Ordem IDH 1 2 3 4 5 6 7 ... 26 País Noruega Suécia Austrália Canadá Holanda Bélgica Islândia ... Portugal Desenvolvimento humano médio
  • 6. Ordem IDH 56 57 58 59 60 61 62 63 ... 141 País Bulgária Fed. Russa Líbia Malásia Macedónia Panamá Bielorrússia Tonga ... Camarões Desenvolvimento humano baixo Ordem IDH 142 ... 170 171 172 173 174 175 176 177 País Paquistão ... Etiópia Moçambique Guiné-Bissau Burundi Mali Burkina Faso Níger Serra Leoa Indicadores económicos e nível de vida Um país é considerado rico ou pobre conforme o seu valor de PIB (Produto Interno Bruto) e o PNB (Produto Nacional Bruto). O PIB é o produto interno bruto. Este é o valor total de bens obtidos pelos sectores primário, secundário e terciário durante um ano. Corresponde à produção gerada por todas as empresas que existem no país. O PNB é a soma de valores acrescentados produzidos dentro e fora do território pelo período de um ano. Inclui o que as empresas com filiais no estrangeiro produzem. À medida que um país se desenvolve, normalmente, aumenta o nível de vida dos seus habitantes. No entanto, existe diferença entre o crescimento económico e o desenvolvimento económico de um país. Crescimento económico: traduz-se na produção; não se preocupa directamente com o bem-estar das pessoas; não se preocupa com o ambiente.
  • 7. Desenvolvimento económico: necessita de crescimento económico; preocupa-se com o bem-estar das pessoas; procura reduzir as desigualdades sociais; procura garantir os direitos humanos; preocupa-se com o ambiente e com as gerações futuras. Portugal é um país desenvolvido mas que ainda apresenta muitas assimetrias pelo país fora. Algumas zonas com forte industrialização ou grande influência turística apresentam valores mais altos de poder de compra enquanto que as zonas mais marcadas pelo sector primário, como a agricultura, apresentam valores mais modestos de poder de compra. Geralmente num país com um rendimento muito elevado, o sector terciário (comércio e serviços) é o dominante em termos do PIB total, seguido pelo sector secundário e por último o sector primário. Num país com um rendimento baixo podemos verificar a situação inversa sendo o sector primário dominante seguido pelo sector secundário e por fim o terciário. -Se dividirmos o PIB pelo nº de habitantes obtemos o PIB/habitante -Se dividirmos o PNB por habitante temos o PNB/habitante Diferenças entre crescimento económico e desenvolvimento: Crescimento Económico: Traduz a riqueza material de um país e isso verifica-se através do aumento do PIB. Contudo nem sempre um alto crescimento económico, ou melhor um elevado PIB corresponde a um país desenvolvido, pois esse dinheiro é gasto muitas vezes na compra de armamento ou em bens supérfluos do que só uma pequena parte do país beneficia (caso dos países produtores de petróleo) Desenvolvimento Económico: É avaliado pelo nível de bem estar e qualidade de vida dos cidadãos (alimentação, saúde, reformas, assistência social, etc.) -Portanto um crescimento económico não é sinal de desenvolvimento, mas para que haja desenvolvimento tem que haver crescimento económico. Evolução da População nos PD (Países Desenvolvidos)
  • 8. Nestes países na actualidade, existe um grande envelhecimento da população. Como causas desse envelhecimento temos : o controlo da natalidade iniciado nos princípios do sex XX o aumento da EMV em resultado da redução da TM. As consequências desse envelhecimento são: diminuição do espírito empreendedor redução da mão-de-obra activa encargos para o estado em construção de lares, pagamentos de reformas, assistência médica e medicamentosa Evolução da População nos PMD (Países menos Desenvolvidos) Estes países na actualidade (principalmente continente africano) assiste-se a um grande aumento de população jovem.
  • 9. As causas de isso acontecer resultam da: manutenção de uma elevada taxa de natalidade grande descida da taxa de mortalidade a partir dos meados do sec XX devido à ajuda humanitário dos PD. Como consequências de tanta população jovem temos: falta de alimentos problemas para os governos para a construção de escolas aumento do desemprego Em resultado de tudo isto nestes países há: mais mais mais mais fome, miséria conflitos criminalidade Indicadores sociais e qualidade de vida Se o crescimento económico levar a um desenvolvimento económico, teremos uma melhoria directa na qualidade de vida das populações. A qualidade de vida traduz-se nas conduções em termos de habitação, de serviços de saúde e de educação, de liberdade de circulação e de expressão, qualidade do ar, entre outros. No fundo, é o grau de satisfação de uma sociedade. A qualidade de vida é um reflexo da qualidade dos serviços a que a sociedade tem acesso. Os serviços podem ser distribuídos em: educação; saúde; justiça; segurança social; cultura; segurança e defesa; transportes e comunicações; investigação científica; ambiente e ordenamento do território, etc. Emprego O nível de emprego de um país é importante para a sua economia. O governo obtém as suas receitas pelos impostos, multas ou taxas aplicadas. Deste modo, o nível de desemprego irá fazer com que se diminua consideravelmente as receitas governamentais.
  • 10. As receitas governamentais são importantes para gerir as despesas dos diversos sectores ao seu cargo como a segurança social, a saúde, a educação, a justiça, ou as finanças. Alimentação A riqueza não é uniformemente distribuída pelo mundo nem o acesso aos alimentos básicos e a preços acessíveis. Nos países desenvolvidos, como o acesso aos alimentos é muito mais facilitado e o poder de compra permite obter muito mais alimento, existe uma tendência para a sobrenutrição, criando doenças como a obesidade ou a hipertensão. Nos países em desenvolvimento pode existir uma dificuldade em obter ou comprar os alimentos necessários, criando situações de fome e subnutrição. Existem diferenças entre a subnutrição e a fome. A fome implica uma carência de alimentos tanto em quantidade como em qualidade enquanto que a subnutrição implica uma carência de calorias e proteínas na alimentação. A quantidade de calorias necessárias para um necessário equilíbrio varia de acordo com várias características, nomeadamente: o o o o o peso; actividade física; sexo; idade; e clima em que se habita. A FAO (Organização para a Alimentação e Agricultura) promoveu uma Cimeira na cidade de Roma no mês de Junho de 2002 em que ficou estipulado que os países iriam concertar os seus esforços para reduzir para metade as vítimas mundiais da fome. Até este momento, ainda não foi possível atingir essa meta devido a vários factores como as guerras e as alterações climáticas. Educação Os países desenvolvidos geralmente investem mais na qualificação dos seus trabalhadores, dotando-os de ferramentas que lhes permitam considerar como mão-de-obra qualificada. Os países em desenvolvimento não investem tanto na educação pelo que os seus trabalhadores são maioritariamente não qualificados. As carências económicas nos países em desenvolvimento levam a que os filhos tenham de abandonar mais cedo a escolarização de forma a poderem contribuir monetariamente para a família. Ainda existem alguns países onde as raparigas são vedadas ao ensino, de forma a poderem ficar em casa a tratar das tarefas domésticas. Saúde O estado da saúde indica muito sobre o nível de desenvolvimento de um país. Normalmente, quanto melhores são os cuidados de saúde mais longos serão a esperança média de vida de uma população e menor será a taxa de mortalidade infantil.
  • 11. Desta forma muitos países desenvolvem esforços de forma a melhorarem as condições gerais de saúde da população como é o caso da vacinação ou o rastreamento dentário feito nas escolas. Tradicionalmente, o plano nacional de vacinação corre muito bem, no entanto, só recentemente é que o país tem vindo a desenvolver alguns esforços ao nível dentário. O bem-estar De uma forma geral podemos medir a satisfação e o nível de conforto da população de um país pelo seu bem-estar. O bem-estar mede a qualidade de vida segundo os seguintes campos: o o o o Segurança da população; integração social; realização pessoal; reconhecimento social. A segurança da população está directamente ligada com o nível de criminalidade que possa ocorrer no país. A integração social implica a posição e a forma como cada indivíduo ocupa o seio do grupo familiar, de amizades, de colegas de trabalho, etc... A realização pessoal refere-se ao facto de permitir que o indivíduo atinja os seus objectivos de vida como por exemplo o de tirar um curso superior. O reconhecimento social refere-se à forma como a sociedade vê as pessoas nos seus diversos papéis, ou seja, como a sociedade encara os professores, médicos, escriturários ou até como a sociedade vê a mulher ou o idoso. Direitos humanos Os direitos humanos são os direitos e liberdades básicos de todos os seres humanos. Normalmente o conceito de direitos humanos tem a ideia também de liberdade de pensamento e de expressão, e a igualdade perante a lei. A Declaração Universal dos Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas afirma: " Todos os seres humanos nascem livres e iguais em dignidade e em direitos. Dotados de razão e de consciência, devem agir uns para com os outros em espírito de fraternidade." Qualidade de Vida: É ter maior ou menor autonomia para aceder a bens e serviços indispensáveis, tais como: saúde educação cultura emprego lazer
  • 12. Bem Estar: Prende-se com nível de realização pessoal e passa pela: integração social, segurança auto-realização reconhecimento social Nível de desenvolvimento por regiões mundiais De acordo com o desenvolvimento humano podemos agrupar os países em 3 grupos: Países de desenvolvimento humano elevado; Países de desenvolvimento humano médio; Países de desenvolvimento humano baixo. O desenvolvimento humano elevado pode ser dividido em 3 grupos: 1. O G7; grupo de 7 países mais ricos que inclui os EUA, O Canadá, a França, a Alemanha, a Itália, o Reino Unido e o Japão. Actualmente este grupo está a ser alargado e já inclui a Rússia sobre a designação de G8. 2. Grupo de países desenvolvidos de rendimento médio que inclui países como Portugal, Espanha, Irlanda, Noruega, Suécia, Finlândia, Grécia, Austrália e a Nova Zelândia. 3. Grupo de países desenvolvidos de rendimento baixo que inclui países como a Federação Russa, a Estónia, a Letónia, a Lituânia, a Bielorrússia, a Úcrânia, entre outros... O desenvolvimento humano médio também pode ser designado por Novos Países Industrializados (NPI); representado por países como o México, o Brasil, a China, Singapura, Tailândia e a Índia. O desenvolvimento humano baixo pode ser dividido em: 1. Países em desenvolvimento representados por países como a África do Sul, Tunísia, Egipto, Turquia, Paquistão, entre outros... 2. Países menos desenvolvidos representados por países como Angola e Moçambique. O subdesenvolvimento constitui um grave problema com que muitos dos países do mundo se debatem na actualidade. Factores: Os condicionalismos históricos (países que foram colónias dos PD)
  • 13. As condições Naturais (climas quentes,secos,húmidos que são obstáculos a actividades económicas como a agricultura e até o turismo. Sucessivas Catástrofes Naturais (seca,inundações,furacões...) Quais são as causas actuais do subdesenvolvimento? As condições naturais são igualmente um factor importante a ter em conta. No entanto existem mais causas: Explosão Demográfica (problemas de fome,infra-estruturas...) Agricultura Tradicional (produção menor que a população) Ecónomia Frágil (processo de matérias-primas agrícolas, recursos mineiros e energéticos é feito por empresas multinacionais) Esta lógica de trocas comerciais é aindas negativa, por gerar uma dependência económica relativamente a esses produtos, o que faz com que a oscilação dos preços tem enormes implicações nestas economias. O baixo nível de escolaridade (o que faz com que existe fraca formação profissional) A debilidade das infra-estruturas económicas (rede viária,aeroportos,rede ferroviária) A crescente dívida externa (empréstimso,juros altíssimos) A Instabilidade social. Nível de Desenvolvimento e o Crescimento demográfico Países menos Desenvolvidos: Confrontam-se com o sucessivo aumento da sua população, o que condiciona o seu desenvolvimento. E a tendência do produção < população não é acompanhada pelo aumento dos recursos alimentares. Países mais Desenvolvidos: Produção > População Opõe situações de fome e carência alimentar mas também tem alguns problemas como o excesso alimentar (sobrenutrição) e consumismo exagerado. Políticas Demográficas: Política Natalista: Pretende aumentar os índices de natalidade, como é o caso dos países desenvolvidos aplicarem esta política devido ao envelhecimento da população. Política Antinatalista: Visa reduzir significativamente as taxas de natalidade verificadas como é o caso dos países menos desenvolvidos. Propõe-se a:
  • 14. Subsídios aos casais com um só filho e agravamento dos impostos a casais com muitos filhos. Campanhas de sensibilização para os casamentos tardios para a integração da mulher no mercado de trabalho Aumento nível de instrução Programas Planeamento familiar Legalização do Aborto Esterelização Na China: Aplica-se a política do filho único que cria incentivos nomeadamente nos cuidados de saúde gratuitos para o filho, prioridade no acesso ao emprego e habitação para casais com um filho. No Japão: Aplica-se a Lei da Eugénica "É permitida a interrupção da gravidez e a esterilização, em simultâneo com o prolongamento da jornada de trabalho, a redução do período de descanso e criando condições para casamentos tardios." Bom trabalho! Profª Lídia Mendes