Intercom2015

278 visualizações

Publicada em

Trabalho apresentado no GP Geografias da Comunicação do XV Encontro dos Grupos de Pesquisa em Comunicação, evento componente do XXXVIII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
278
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Intercom2015

  1. 1. O Geojornalismo como modelo do sistema pós-industrial Liana Vidigal Rocha Universidade Federal do Tocantins
  2. 2. Introdução  Os veículos de comunicação levam informação ao público e o segmento que melhor desempennha essa função é o Jornalismo.  Seu principal produto é a notícia.  Com a evolução da tecnologia, o segmento entra na fase pós- industrial.  Entre os modelos surgidos nessa fase, destaca-se o Geojornalismo, uma vertente do Jornalismo de Dados, produzido a partir de ferramentas e informações ligadas à geolocalização, imagens de satélite, dados geográficos e mapas digitais.
  3. 3. Objetivos e Metodologia  Apresentar o Geojornalismo como um modelo do sistema pós- industrial;  Mostrar que o mapeamento pode ser encarado como uma forma eficiente de organizar o conteúdo amparado principalmente no uso das novas tecnologias.  Revisão de Literatura  Observação  Descrição de Exemplos
  4. 4. A evolução do Jornalismo Segundo Marcondes Filho (2002), o Jornalismo passou por fases distintas. São elas: • Pré-História (1631-1789); • Primeiro Jornalismo (1789-1830); • Segundo Jornalismo (1830-1900); • Terceiro Jornalismo (1900-1960); • Quarto Jornalismo (1960 – atualidade).
  5. 5. Modelo Industrial  Jornalismo → modelo de negócio transformado em uma “indústria poderosa, respeitável e rentável” (COSTA, 2014).  Indústria da Informação • Modelo fordista; • Estrutura centralizada, hierarquizada e inflexível; • Controle dos procedimentos internos e do que é publicado; • Tirania do tempo, dos formatos, das economias e das hierarquias superiores.
  6. 6. Aumenta a demanda por conteúdo e gêneros narrativos diferentes. Uso da Tecnologia Produção/Distribuição/Acesso ao conteúdo → processos mais simplificados. Empresas tradicionais de Comunicação → não controlam mais as notícias. Redes sociais e dispositivos móveis → influenciam na construção e na circulação das notícias. Recirculação da informação
  7. 7. Jornalismo Pós-Industrial Jornalismo organizado de acordo com “novos métodos de trabalho e processos viabilizados pelas mídias digitais”. Prevê o uso intensivo de bases de dados, além da interação com múltiplas fontes e com o público. Praticado por pessoas “livres das pressões comerciais e protocolares”. O especialista produz conteúdo mais contextualizado. Empresas perdem receita, mas ganham em distribuição. O público ganha força.
  8. 8. Fase Atual  Novos modelos de Jornalismo  Novo ecossistema → indivíduos, massas e máquinas • Indivíduos → novos poderes; prosumer; jornalismo participativo; • Massas → mídia social; interação; comunidades virtuais; • Máquinas → fartura de dados e métodos de análise. Surge o Jornalismo de Dados
  9. 9. Geojornalismo  Novas tecnologias + Geolocalização + Jornalismo  Utiliza informações de banco de dados, ferramentas de geolocalização, mapas digitais e imagens de satélite.  Geolocalização → recurso que determina a localização geográfica de um objeto ou usuário por meio de navegadores.  Exemplo →
  10. 10. Produção de Conteúdo  Em 2008, o Google Earth narrou a trajetória do presidente eleito Barack Obama desde Honolulu, local onde nasceu, até a sua chegada à Casa Branca, em Washington, após o resultado das eleições.
  11. 11. Mapas digitais e Geo-Tags A TV do Catar, Al Jazeera, utilizou mapas digitais na cobertura das eleições de 2010 no Iraque. Ao clicar nos marcadores (geo- tags), abria-se uma janela com dados que remetiam o usuário para o website da emissora. Esse recurso permitiu georreferenciar a cobertura.
  12. 12. #Geojournalism#  Perfil no Twitter: (@geojournalism)  “Jornalismo feito com ferramentas geoweb e imagens de satélite”  Extensão do site http://geojournalism.org/  Plataforma que reúne informações com o objetivo de ajudar profissionais a “produzir histórias multimídia, mapas simples e visualização de dados”.  O Geojornalismo facilita o mapeamento e a organização de conteúdo.
  13. 13. Considerações  Na fase pós-industrial, novos veículos surgem e a concorrência aumenta.  Jornalistas ganham novas funções e novos postos de trabalho (mídias digitais).  Bancos de dados abastecem os veículos.  Fluxo de informação contínuo, aberto e dinâmico.  Os custos de produção caem.  Canais multimídia oferecem formatos diferenciados.  O público é diverso, exigente e participativo.
  14. 14. Considerações Finais O Geojornalismo é um modelo do sistema pós-industrial, porque...  Faz uso da tecnologia para elaborar narrativas e formatos diferenciados; Apresenta relevante quantidade e qualidade de dados;  Amplia as possibilidades de trabalho para o jornalista e  Permite a convergência entre áreas até então pouco prováveis.
  15. 15. Obrigada! lividigal@uol.com.br

×