Trabalho De Historia

4.000 visualizações

Publicada em

Publicada em: Turismo, Negócios
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.000
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
90
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
38
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • Falta adicionar um fundo.
  • Neste dispositivo deverá ter uma breve introdução com apenas 4 linhas e uma imagem apelativa.
  • Aspectos a focar: ultimato ingles(1890) Crise económica em Portugal Sucessivos adiantamentos de dinheiro ao Rei.
  • Continuação das razoes da crise monárquica: crise económica em Portugal(1891-1892)
  • Continuação das razoes da crise monárquica: sucessivos adiantamentos ao Rei
  • Quando?;Onde?; por quem?
  • Revolta de 31 de janeiro-Porque?
  • Revolta de 31 de Janeiro o que é que resultou?
  • Nota: (perguntar ao pai): Existindo ainda pessoas, que continuam a chamar rua de santo antónio.
  • Falta completar este diapositivo…não sei como posso completar esta breve introdução ao tema.
  • 1908 sucedendo assim ao trono D.Manuel(1908-1910)
  • Falta completar esquema
  • Falta completar esta breve introdução à implantação da republica…não sei como faze-lo…
  • Ajeitar as imagens
  • Trabalho De Historia

    1. 1. Da queda da Monarquia à implantação da República
    2. 2. <ul><li>No final do século XIX a Europa enfrentava uma crise económico-financeira que teve o seu reflexo em Portugal. O descontentamento social manifestou-se através da organização de manifestações e greves. </li></ul><ul><li>Assim, começa a crise e a queda da monarquia… </li></ul>
    3. 3. D.Carlos <ul><li>Penúltimo Rei de Portugal, cujo nome completo é : </li></ul><ul><li>Carlos Fernando Luís Maria Victor Miguel Rafael Gabriel Gonzaga Xavier Francisco de Assis José Simão de Bragança Sabóia Bourbon e Saxe-Coburgo-Gota </li></ul>
    4. 4. <ul><li>Seu cognome era O Diplomata (devido às múltiplas visitas feitas a Madrid, Paris e Londres) ou O Oceanógrafo (pela sua paixão pela oceanografia partilhada com o seu pai e com o príncipe do Mónaco) </li></ul><ul><li>Foi ainda um talentoso pintor,assinando apenas como ”Carlos Fernando.” </li></ul>O Sobreiro (1905), pintura de D. Carlos I .
    5. 5. Razões da crise monárquica <ul><li>Na Europa, crescia o interesse pelos territórios em África, fonte de matérias-primas para a indústria. Em 1884-1885, esses países (Grã-Bretanha, França e Alemanha)reuniram-se na Conferência de Berlim e decidiram que os territórios africanos seriam dos países mais industrializados, e não dos que os haviam descoberto. </li></ul>
    6. 6. <ul><li>Em 1890, a Inglaterra apresenta ao rei D. Carlos I um Ultimato : ou os portugueses desocupavam os territórios entre Angola e Moçambique ou o governo inglês declarava guerra a Portugal. </li></ul>Razões da crise monárquica
    7. 7. <ul><li>Portugal reage apresentando o Mapa Cor-de-Rosa , no qual exige os territórios entre Angola e Moçambique. </li></ul><ul><li>Para grande descontentamento da população, o governo português aceitou este Ultimato. </li></ul>Razões da crise monárquica
    8. 8. <ul><li>Para além do elevado descontentamento social, a crise que Portugal atravessava não ajudava em nada. Os bancos e as empresas foram à falência, a dívida pública continuou a aumentar, ocorreu a desvalorização da moeda e o consequente aumento dos impostos. </li></ul>Razões da crise monárquica
    9. 9. <ul><li>Por fim, para que fossem pagas as dívidas públicas eram dados sucessivos adiantamentos ao Rei, para além dos elevados impostos já estabelecidos, facto que agravou a condição sobretudo do operariado. Ao mesmo tempo o desemprego também aumentou. </li></ul>Razões da crise monárquica
    10. 10. Revolução de 31 de Janeiro <ul><li>A revolta de 31 de Janeiro de 1891 teve início na cidade do Porto, liderada por sargentos tinha como objectivo alcançar a Câmara Municipal do Porto para proclamar o governo provisório da República. </li></ul>
    11. 11. Revolução de 31 de Janeiro <ul><li>Este movimento deveu-se a um levantamento militar contra as cedências do Governo (e da Coroa) e ao ultimato inglês de 1890 por causa do Mapa Cor-de-Rosa , que pretendia ligar, por terra, Angola a Moçambique. </li></ul>
    12. 12. Revolução de 31 de Janeiro <ul><li>As figuras fundamentais que impulsionaram a &quot;Revolta do Porto&quot; foram o capitão António Amaral Leitão, o alferes Rodolfo Malheiro, o tenente Coelho, o Dr. Alves da Veiga, o actor Verdial e Santos Cardoso, além de vultos eminentes da cultura como João Chagas, Aurélio da Paz dos Reis, Sampaio Bruno, Basílio Teles, entre outros. </li></ul>
    13. 13. Revolução de 31 de Janeiro <ul><li>A reacção oficial seria implacável, tendo os revoltosos sido julgados por Conselhos de Guerra, a bordo de navios de guerra, ao largo de Leixões. Para além de civis, foram julgados 505 militares. Seriam condenados a penas entre 18 meses e 15 anos de prisão mais de duzentas pessoas. </li></ul>
    14. 14. Revolução de 31 de Janeiro <ul><li>Em homenagem a esta revolta, logo que a República foi implantada em Portugal, a então designada Rua de Santo António foi rebaptizada para Rua de 31 de Janeiro. </li></ul>
    15. 15. Difusão das doutrinas socialistas e republicanas <ul><li>Na década de 1870 fundaram-se em Portugal dois partidos políticos: o Partido Republicano e o Partido Socialista ou Operário. </li></ul><ul><li>Partidos estes que contribuíram para o derrube da monarquia. </li></ul>
    16. 16. O Partido Republicano <ul><li>O Partido Republicano tinha como principal objectivo incidir na crítica à corrupção política, à monarquia e ao clero. Defendendo assim uma descentralização politica e económica e a dinamização do poder local . </li></ul>
    17. 17. <ul><li>Os principais adeptos e aqueles que difundiram o partido republicano foram: Ramalho Ortigão, Teófilo Braga, Sampaio Bruno e Guerra Junqueiro. Contavam com o apoio da média burguesia, do operariado e das actividades revolucionárias de sociedades secretas. </li></ul>
    18. 18. O Partido Socialista <ul><li>Apesar de também querer derrubar a monarquia defendia outro tipo objectivos como a crítica à sociedade capitalista e a não aceitação da propriedade privada dos meios de produção. Não teve muitos apoiantes mas contava com parte do operariado. </li></ul>
    19. 19. O Regicídio <ul><li>Em 1908 deu-se o atentado à família real com a morte do rei D.Carlos e do herdeiro Príncipe Luís Filipe. </li></ul>
    20. 20. Com o assassinato do Rei e do Príncipe herdeiro Sucedeu assim, o segundo filho do Rei D.Manuel II
    21. 21. D.Manuel II <ul><li>Último Rei de Portugal cujo nome é: </li></ul><ul><li>Manuel Maria Filipe Carlos Amélio Luís Miguel Rafael Gabriel Gonzaga Xavier Francisco de Assis Eugénio de Saxe-Coburgo Gota e Bragança </li></ul>
    22. 22. <ul><li>Seu cognome era O Patriota ou O Desventurado. </li></ul><ul><li>Como inteligente que era viu que não lhe estava ao alcance controlar as forças republicanas e por isso deixou o país tomar o seu rumo. </li></ul>
    23. 23. A implantação da República <ul><li>A República Portuguesa foi proclamada em Lisboa no dia 5 de Outubro de 1910. </li></ul>
    24. 24. Governo Provisório <ul><li>Após a revolução republicana formou-se um governo provisório presidido por Teófilo Braga. </li></ul><ul><li>Elaboração da Constituição de 1911( Sistema de Democracia Parlamentar ) ; </li></ul><ul><li>Eleição do 1º Presidente da República constitucional Manuel Arriaga. </li></ul>
    25. 25. A 1ª República <ul><li>O regime republicano tem uma legitimidade constitucional e democrática. </li></ul><ul><li>Continuou, no entanto, certas limitações aos direitos políticos de toda a população: tinham direito ao voto apenas os homens que soubessem ler e escrever, que eram uma pequena minoria. </li></ul>
    26. 26. Os novos símbolos <ul><li>A Bandeira </li></ul><ul><li>O Hino “A Portuguesa” </li></ul><ul><li>A moeda: O Escudo </li></ul>
    27. 27. A 1ª República <ul><li>O governo provisório aprovou uma série de leis importantes e inovadoras. </li></ul><ul><li>Exemplos: </li></ul><ul><li>Leis da Família, Lei da separação do Estado da Igreja, Lei da greve. </li></ul>
    28. 28. Leis da Família <ul><li>Igualdade de direitos dos homens e das mulheres no casamento; </li></ul><ul><li>Instituição do divórcio ; </li></ul><ul><li>Reconhecimento do casamento civil como sendo o único válido. </li></ul>
    29. 29. Leis da Separação do Estado da Igreja <ul><li>Proibição do ensino religioso nas escolas ; </li></ul><ul><li>Expulsão das ordens religiosas ; </li></ul><ul><li>Nacionalização das propriedades da Igreja. </li></ul>
    30. 30. Lei da Greve <ul><li>Regulamenta o direito à greve. </li></ul><ul><li>Com estas e outras medidas o operariado foi o grupo social que mais benefícios obteve ao contrário da classe média, que constituía nos primeiros anos o suporte do regime republicano. </li></ul>
    31. 31. Acção governativa da 1ª República <ul><li>Aspecto económico-financeiro : </li></ul><ul><li>Modernização da agricultura: apesar disso, a produção agrícola continuava deficitária, sobretudo a produção de cereais. </li></ul><ul><li>A industrialização, os meios de transporte a a comunicações registavam um atraso relativamente ao países da Europa Ocidental. </li></ul>
    32. 32. Realizações culturais e educativas <ul><li>Combate ao analfabetismo; </li></ul><ul><li>Ensino técnico: agrícola, comercial e industrial ; </li></ul><ul><li>Foram fundadas duas Universidades: Lisboa e Porto ; </li></ul><ul><li>O ministério da Instrução pública foi criado em 1913. </li></ul>
    33. 33. Porque fracassou <ul><li>As principais causas de insucesso e que levaram à queda da 1ª República foram a instabilidade política (45 governos e 8 presidentes), o agravamento da situação económico-financeira e a consequente agitação social. </li></ul>

    ×