Gas de folhelho

469 visualizações

Publicada em

Extração de gás de folhelho e impactos ambientais. Engenharia ambiental.

Publicada em: Ciências
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
469
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
16
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Gas de folhelho

  1. 1. Fernando Ribeiro de Souza, Bárbara Emilly, Laura Frota, Lucas Esteves, Sthenio Navarro, Suellen Olívia Seminário de Engenharia Ambiental Básica – UFOP. Junho, 2014.
  2. 2. Introdução Impactos e riscos na exploração e produção Avaliação dos riscos e impactos Perspectivas sobre a exploração no Brasil Considerações finais
  3. 3. Introdução
  4. 4. Introdução
  5. 5. Introdução
  6. 6. Combustível fóssil de baixa emissão Extração relativamente barata Segurança energética
  7. 7. Globalmente...
  8. 8. Tecnológicamente complexo Extração relativamente cara Tecnológicamente acessível Extração relativamente barata Onshore (shale gás) Offshore (pré-sal)
  9. 9. “…I’ve asked Secretary Chu, my Energy Secretary, to work with other agencies, the natural gas industry, states, and environmental experts to improve the safety of this shale gas extraction process.” PRESIDENT OBAMA, MARCH 30, 2011
  10. 10. Impactos e riscos na exploração e produção de gás de folhelho
  11. 11. Tópicos de preocupação pública...
  12. 12. Propagação e comunicação de fraturas com água subterrânea? Sismos induzidos? Emissões de metano? Quais são as interações fundamentais entre o folhelho- fluidos de fracking? Tecnologias de tratamentos de água. Proteção durante perfuração e revestimento de poços. Manejo e tratamento de rejeitos contaminados. Tópicos de preocupação pública...
  13. 13. Extração Fratura Hidráulica Perfuração Horizontal Impactos hídricos
  14. 14. Consequências Grandes volumes de água 1 a 5 milhões de litros de água em jatos de alta pressão (até 20 milhões poço). Água ácida (com produtos químicos)  destino? Impactos hídricos
  15. 15. Processos invasivos da camada geológica portadora do gás. Derrame de resíduos pode contaminar lençóis freáticos, rios, lagos. Impactos hídricos
  16. 16. Afeta negativamente a qualidade do ar local em algumas regiões, como resultado da liberação de compostos orgânicos voláteis. “Pegada” maior de carbono do que o petróleo, o carvão e gás convencional, em pelo menos um período de 20 anos. Impactos atmosféricos e mudanças climáticas
  17. 17. Vulnerabilidade de aquíferos Alteração do habitat Reativação de falhas e fraturas Impactos ecológicos
  18. 18. Impactos ecológicos Declinio da produção com o tempo Extração itnerante Saúde humana
  19. 19. A
  20. 20. A
  21. 21. Perguntas?
  22. 22. ADVANCED RESOURCES INTERNATIONAL INC. EIA/ARI World Shale Gas and Shale Oil Resource Assessment. Technically Recoverable Shale Gas and Shale Oil Resources: an Assessment of 137 Shale Formations in 41 Countries Outside the United States. 2013. BADKAR, M; LUBIN, G. 3 Disappointing Conclusions About The Shale Gas Revolution - Business Insider. Jornal online The Economist. 2011. Disponível em: < http://www.businessinsider.com/economics-shale-gas-bourdaire-2011-5 > Acesso em 12 jun 2014. BARBOSA, V. Brazil tem uma das 10 maiores reservas de gás de xisto. Revista online Info. 2013. Disponível em: < http://info.abril.com.br/noticias/tecnologias-verdes/2013/11/brasil-tem-uma-das-10-maiores-reservas-de-gas-de- xisto.shtml > Acesso em 13 jun 2014. BOWEN, Z. H.; FARAG, A. 2013. Ecological Considerations in Shale Gas Development. Workshop on Risks of Unconventional Shale Gas Development. National Academy of Sciences. 31 de Maio, Washington. CALEIRO, J. P. Revista online Exame. Disponível em: < http://exame.abril.com.br/economia/ao-vivo/anp-leiloa-240- blocos-de-gas-natural-tradicional-e-de-xisto > Acesso em 13 jun 2014. COLBORN, T.; KWIATKOWSKI, C.; SCHULTZ, K. & BACHRAN, M. 2011.Natural Gas Operations From a Public Health Perspective. Human and Ecology Risk Assessment, v. 17, p. 1039- 1056. COMENTÁRIOS E SUGESTÕES À CONSULTA PÚBLICA Nº 30/2013 DA AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO. Disponível em: <http://www.socioambiental.org/sites/blog.socioambiental.org/files/blog/pdfs/nota_xisto_isa.pdf> Acesso em 13 jun 2014. COUTINHO, G.M. Estudo de gás de folhelho na formação Ponta Grossa, Bacia do Paraná. 2013. 65f. Projeto de geofísica. Universidade Federal Fluminense, Rio de Janeiro, 2014. Referências Bibliográficas
  23. 23. CPRM. O gás do ‘xisto’. Brasília. 2013. Disponível em: < http://www.cprm.gov.br/publique/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=2618&sid=129 > Acesso em: 13 jun 2014. CREA-RS. O controverso gás de folhelho. Setembro e outubro 2013. p. 26-29. Disponível em: < http://www.crea- rs.org.br/site/arquivo/revistas/CR98.pdf > Acesso em: 13 jun 2014. DIAGNÓSTICO SOBRE O FRATURAMENTO HIDRÁULICO DA EXPLORAÇÃO DE GÁS NÃO-CONVENCIONAL NO BRASIL – Nov. 2013 Disponível em: < http://www.socioambiental.org/sites/blog.socioambiental.org/files/nsa/arquivos/diagnostico_vf.pdf > Acesso em: 15 jun 2014. GIANINI, T. O Brasil está atrasado na exploração de uma fonte de energia limpa. São Paulo, Veja, 17.03.2012. Disponível em: < http://veja.abril.com.br/blog/ricardo-setti/tema-livre/o-brasil-esta-atrasado-na-exploracao-de-uma-fonte-de- energia-limpa-o-gas-de-xisto-em-ascensao-nos-eua/ > Acesso em: 14 jun 2014. JACOBI, P. O folhelho, o óleo, o gás e o Brasil. Brasília. Jornal Online O Globo. 2013. Disponível em: < http://www.geologo.com.br/MAINLINK.ASP?VAIPARA=O%20Folhelho,%20o%20oleo,%20o%20gas%20e%20o%20Brasil > Acesso em: 14 jun 2014. JACOMO, J. C. P. Os hidrocarbonetos não convencionais: uma análise da exploração do gás de folhelho na Argentina a luz da exploração Norte Americana. 2014. Disponível em: < www.ppe.ufrj.br/ppe/production/tesis/pinguelli.pdf > Acesso em: 15 jun 2014. LAW B. E.; CURTIS J.B. 2002. Introduction To Unconventional Petroleum Systems, AAPG Bulletin, v.86, no.11, November 2002. 1851-1852. Referências Bibliográficas
  24. 24. LINLEY, D. Fracking under pressure. The environmental and social impacts and risks of shale gas development. 2011. Sustainalytics Series. MILANI, E. J. et al. 2001 Petróleo na margem continental brasileira: Geologia, Exploração, Resultados E Perspectivas. Brazilian Journal of Geophysics v18(3), 2001. MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. 2013. Parecer do Grupo de Trabalho Interinstitucional de Atividades de Exploração de Petróleo e Gás – GTPEG Nº 3. NEVES, L. Fenômeno nos EUA, gás de folhelho pode ser grande vilão do meio ambiente. Rio de Janeiro. 2012. Disponível em: < http://co2menos.blogspot.com.br/2012/03/gas-de-folhelho-fenomeno-nos-eua-pode.html> Acesso em: 13 jun 2014. NPC GLOBAL. Unconventional Gas – Working DocTHument of the NPC Global Oil & gas Study [S.1.]. 2007. OLIVEIRA, G. 6 Respostas sobre a roche que substitui o petróleo. Revista online Época. 2013. Disponível em: < http://revistaepoca.globo.com/ideias/noticia/2013/05/6-respostas-sobre-rocha-que-substitui-o-petroleo.html > Acesso em 13 jun 2014. PATELLA, L. Gás de folhelho:herói ou vilão? Porto Alegre, Conselho em Revista, 10(98):26-30. Set./out. 2013. Il. RAHN, B. G. & RIHA, S. J. 2012. Toward strategic management of shale gas development: Regional, collective impacts on water resources. Environmental Science & Policy, v. 17, p. 12-23. RIDLINGTON, E. & RUMPLER, J. 2013. Fracking by the Numbers Key Impacts of Dirty Drilling at the State and National Level. Environment Colorado Research & Policy Center. Referências Bibliográficas
  25. 25. SETTI, R. O brasil está atrasado na exploração de uma fonte de energia limpa – o gás de xisto, em ascensão nos EUA. Revista Veja. 2012. Disponível em: < http://veja.abril.com.br/blog/ricardo-setti/tema-livre/o-brasil-esta-atrasado-na- exploracao-de-uma-fonte-de-energia-limpa-o-gas-de-xisto-em-ascensao-nos-eua/ > Acesso em 13 jun 2014. SLONECKER, E. T; MILHEIM, L. E.; ROIG-SILVA, C. M.; MALIZIA, A. R.; MARR, D. A. & FISHER, G. B. Landscape Consequences of Natural Gas Extraction in Bradford and Washington Counties, Pennsylvania, 2004 – 2010. U.S. Geological Survey Open-File Report 2012–1154 SMITH, C. 2011, Seab Natural Gas Subcommittee, Shale Gas. Apresentação PowerPoint, U. S. Department of Energy: Oil and Natural Gas. SUMI, L. 2005. Our drinking water at risk. Oil and Gas Accountability Project. TAIOLI, F. Gás de Folhelho no Brasil – Perspectivas e Dúvidas. Anais da 65a Reunião Anual da SBPC – Recife, PE. 2013. Disponível em: < http://www.sbpcnet.org.br/livro/65ra/PDFs/arq_2939_1011.pdf >. Acesso em 14 jun 2014. THOMAZ, J. E. – Fundamentos da Engenharia de Petroleo. 4 ed. [S.1.]: Interciencia 2004. VALLE, R. Gás de xisto no Brasil, os problemas que se avizinham. Webpage Instituto Socioambiental. Disponível em: <http://www.socioambiental.org/pt-br/blog/blog-do-ppds/gas-de-xisto-no-brasil-os-problemas-que-se-avizinham > Acesso em 13 jun 2014. Referências Bibliográficas
  26. 26. Marey. P. 2013. Disponível em: < https://economie.rabobank.com/Documents/2013/FMR%20achtergrondstukken%20Visie/The%20Shale%20Gas%20Revolution%20131113.pdf > Acesso 6 de Jul 2014. Yergin, D. 2013. Politico Magazine. Disponível em: < http://www.politico.com/magazine/story/2013/11/congratulations- america-youre-almost-energy-independent-now-what-98985.html > Acesso 6 de Jul 2014. Referências Bibliográficas Apresentação

×