SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 57
Baixar para ler offline
Mineralogical composition of the clay fraction of soils derived from granitoids of the Sudetes and Fore-Sudetic Block, southwest Poland 
European Journal of Soil Science, October 2012. 
Por Weber, J.; Tyszka, R.; Kocowicz, A.; Szadorski, J.; Debicka, M. & Jamroz, E. 
F.C. Pifano, F.R. De Souza, 
J. Taboada, T. Da Mata
Introdução 
O intemperirmo tem papel fundamental na formação dos solos. Entre os produtos finais do intemperismo encontram-se os argilominerais. 
Cuja composição depende principalmente da rocha parental e da ação do intemperismo de minerais primários. Bem como... saturação em água do solo tempo de exposição  variação dos processos/taxas topografia  condicionando um microclima fatores climáticos  afetam a lixiviação de sílica e álcalis ação biológica  retenção de elementos no solo e taxa/tipo de intemperismo
Introdução 
Existe uma falta de artigos sobre a relação entre o intemperismo de granitóides e a a amplitude dos solos e composição dos argilominerais derivados. 
Neste âmbito, é interessante propor uma análise de argilominerais e propriedades de solos derivados de tonalitos, granodioritos, granitos e leucogranitos, localizados em condições climáticas, topográficas e biotas similares.
Objetivos do artigo 
Determinar como a rocha parental (granitóides) influencia no material do solo através da análise das propriedades físico-químicas, composição química e mineralogia dos horizontes superiores do solo, material intemperizado e rocha plutônica sólida.
 Coleta de amostras de perfis de solos nos Sudetos e bloco ante-sudético, sudoeste da Polônia 
Materiais e Métodos
Materiais e Métodos: condições locais 
Temperatura média anual: 7-8 C 
Pluviosidade média anual: 600 nm (a neve cobre a área por 70 dias no ano) 
Precipitação > Evaporação: 
promove o lixiviamento de componentes alcalinos para horizontes mais profundos, reduzindo o pH do solo e a saturação em bases.
Relembrando... granitóides 
Rochas plutônicas ácidas 
Composições mineralógicas diferentes que refletem mudanças graudais no conteúdo de plagioclásio e alcali-feldspato 
Le Maitre (2002)
Granitóides 
Menos de 10% P do total P+A 
Leucogranitos 
(álcali-feldspato granito) 
Le Maitre (2002): baseado na quantidade de plagioclásio no total de feldspato.
Granitóides 
Entre 10 e 65% P no total P+A 
Granitos 
Sienogranito e monogranito 
Le Maitre (2002): baseado na quantidade de plagioclásio no total de feldspato.
Granitóides 
Entre 65 e 90% P no total P+A 
Granodioritos 
Le Maitre (2002): baseado na quantidade de plagioclásio no total de feldspato.
Granitóides 
Mais de 90% P no total P+A 
Tonalitos 
Le Maitre (2002): baseado na quantidade de plagioclásio no total de feldspato.
Materiais e Métodos: geomorfologia 
Solos sujeitos à glaciação pleistocênica 
(Período glacial Riss – 352k anos a 130k anos) 
Últimos 130k anos: 
denudação sob condições úmidas temperadas 
formação de colinas sobre rochas ígneas, cobertas por uma fina camada de solo sujeita a pedogênese. 
Modificado de Emig & Geistdörfer, 2008
Materiais e Métodos: procedimento 
Os pedons foram coletados no topo de pequenas colinas desenvolvidas em granitóides. 
Área relativamente pequena (300 km) 
 limita a influência de outros fatores formadores de solo. 
Pequena amplitude altimétrica (182-433 m) 
 permite assumir que os efeitos de varições climáticas são mínimos. 
Vegetados por grama 
2 locais de amostragem para solos derivados de um tipo de granitóide. 
Amostras coletados do: 
•Horizonte superficial A. 
•Parte mais profunda intemperizada perto ao leito rochoso (C ou B). 
•Material terroso existente em rachaduras de rochas sólidas (BR ou CR). 
•Amostras da rocha parental (R).
Propriedades do solo determinadas 
Textura – tamanho das partículas (por um método hidrométrico);
Propriedades do solo determinadas 
Textura 
pH em 1 M KCl ;
Propriedades do solo determinadas 
Textura 
pH 
Conteúdo total de carbono orgâico – TOC (com um analisador CS- MAT 5500);
Propriedades do solo determinadas 
Textura 
pH 
TOC 
Acidez trocável – EA (medido em uma solução não- tampão de 1 M de KCl); 
Saturação em base – BS (calculados por acidez e cátions base trocáveis).
Propriedades do solo determinadas 
Textura 
pH 
TOC 
EA e BS 
Cátions base trocáveis – EB (extraídos com 1 M NH4Ac – K,Na e Ca por AES e Mg por ASS); 
Capacidade de troca efetiva de cátions – CEC.
Análise petrográfica microscópica 
25 lâminas – 6 leucogranitos; 4 granitos; 10 granodioritos; 5 tonalitos. 
Análise modal por imagens digitalizadas 
em seções mais intemperizadas foram feitas aproximações baseadas na forma, cor, textura, etc... 
A fração argilosa do solo (<2μm) foi analisada com difratômetro de raio X. 
e tratada com 30% H2O2 para remover matéria orgânica 
A composição química foi analisada com espectrômetro XRF (EPSILON 5). 
A quantidade total de elemntos foi convertida para massa sólida, permitindo a elminação da matéria orgânica dos cálculos.
Resultados
Resultados 
Características dos solos: 
oRasos (até 65 cm de profundidade); 
oArgila 1-10% (> em horizontes mais profundos) 
oTextura areia margosa, marga arenosa ou marga síltica 
oGrande conteúdo de partículas esqueletais (>2mm) 
Os solos investigados foram classificados como Regossolo Háplico e Regossolo Câmbico (FAO, 2006). 
Modificado de: World reference base for soil resource 2006. A framework for international classification, correlation and communication. FAO.
Resultados 
Alto TOC (conteúdo orgânico de carbono). 
 Típico de solos formados em rochas sólidas sob as condições climáticas dos Sudetos e do bloco Ante-Sudético. 
pH entre 3.3-4.6  não foi relacionado à rocha parental 
Ausência de relações claras entre reação do solo e profundidade 
Salvo pequeno aumento no pH de horizontes superficiais para rocha parental foi observado 5/8 pedons. 
Nenhuma relação clara entre cátions base trocáveis, saturação em base e a rocha parental.
Composição Química Total 
63-70% SiO2 
14-16% Al2O3 
3.3-5.2% Fe2O3 
0.7-4.2% CaO 
1.3-2.6% MgO 
75-77% SiO2 
12-13% Al2O3 
0.07-0.9% Fe2O3 
0.06-0.7% CaO 
0.01-0.2% MgO 
Granodioritos e tonalitos 
Leucogranitos e granitos 
< > > > >
Composição Química Total 
Conteúdos maiores de SiO2, Al2O3 e Fe2O3 no material coletado do solo do que em rochas; 
Maior conteúdo de CaO apenas em solos derivados de leucogranitos e granitos; 
Conteúdos maiores de Na e K em rochas (variam de 0.93-3.8% K2O e 2.38-4.67% Na2O)
Difratogramas de horizontes A e BC de diferentes pedons 
Composição mineral das frações <2μm
Solos derivados de leucogranito 
fração argila do solo constituída principalmente de: 
AD = amostra seca ao ar; GL = amostra saturada em tilenoglicol; HT = amostra aquecida a 550◦C.
Solos derivados de leucogranito 
fração argila: 
 caolinita (picos de 0.72 nm desaparecendo depois de aquecimento) 
AD = amostra seca a ar; GL = amostra saturada em tilenoglicol; HT = amostra aquecida a 550◦C.
Solos derivados de leucogranito 
fração argila: 
 caolinita 
 ilita (picos de 1.01nm) 
AD = amostra seca a ar; GL = amostra saturada em tilenoglicol; HT = amostra aquecida a 550◦C.
Solos derivados de leucogranito 
fração argila: 
 caolinita 
 ilita 
 vermiculita (indicada em BC por picos de 1.42-1.43 nm mudando para 1.0 nm após aquecimento) 
AD = amostra seca a ar; GL = amostra saturada em tilenoglicol; HT = amostra aquecida a 550◦C.
Solos derivados de leucogranito 
fração argila: 
 caolinita 
 ilita 
 vermiculita 
Horizontes superficiais vs profundos: linhas de difração mais fracas de ilita e caolinita (picos 0.50 e 0.36nm) 
AD = amostra seca a ar; GL = amostra saturada em tilenoglicol; HT = amostra aquecida a 550◦C.
Solos derivados de granitos 
fração argila do solo constituída principalmente de: 
AD = amostra seca ao ar; GL = amostra saturada em tilenoglicol; HT = amostra aquecida a 550◦C.
Solos derivados de granitos 
fração argila: 
 ilita (picos de 1.0-1.01nm) 
AD = amostra seca ao ar; GL = amostra saturada em tilenoglicol; HT = amostra aquecida a 550◦C.
Solos derivados de granitos 
fração argila: 
 ilita 
 caolinita (picos de 0.71- 0.72nm desaparecendo depois de aquecimento) 
AD = amostra seca ao ar; GL = amostra saturada em tilenoglicol; HT = amostra aquecida a 550◦C.
Solos derivados de granitos 
fração argila: 
 ilita 
 caolinita 
<< vermiculita (picos de 1.42- 1.45nm mudando para 1.0 nm após aqucimento) 
AD = amostra seca ao ar; GL = amostra saturada em tilenoglicol; HT = amostra aquecida a 550◦C.
Solos derivados de granitos 
fração argila: 
 ilita 
 caolinita 
 vermiculita 
Horizontes superficiais vs profundos: 
Nenhuma diferença consireável. 
AD = amostra seca ao ar; GL = amostra saturada em tilenoglicol; HT = amostra aquecida a 550◦C.
Solos derivados de granodioritos 
fração argila do solo constituída principalmente de: 
AD = amostra seca ao ar; GL = amostra saturada em tilenoglicol; HT = amostra aquecida a 550◦C.
Solos derivados de granodioritos 
fração argila: 
 caolinita 
Horizonte superficial: picos de 1.40- 1.41nm mudando para 1.0nm após aquecimento. 
Horizonte profundos: picos de 0.72 e 0.36 nm. 
AD = amostra seca ao ar; GL = amostra saturada em tilenoglicol; HT = amostra aquecida a 550◦C.
Solos derivados de granodioritos 
fração argila: 
 caolinita 
 ilita em horizontes superficiais com picos de 1.0- 1.01nm. 
AD = amostra seca ao ar; GL = amostra saturada em tilenoglicol; HT = amostra aquecida a 550◦C.
Solos derivados de granodioritos 
fração argila: 
 caolinita 
 ilita 
 vermiculita em horizontes profundos com picos de 1.41- 1.42 nm mudando para 1.0 após aquecimento). 
AD = amostra seca ao ar; GL = amostra saturada em tilenoglicol; HT = amostra aquecida a 550◦C.
Solos derivados de granodioritos 
fração argila: 
 caolinita 
 ilita 
 vermiculita 
 smectita ocasionalmente com picos de 1.41nm mudando para 1.68 após saturação com de etilenoglicol 
AD = amostra seca ao ar; GL = amostra saturada em tilenoglicol; HT = amostra aquecida a 550◦C.
Solos derivados de tonalitos 
fração argila do solo constituída principalmente de: 
AD = amostra seca ao ar; GL = amostra saturada em tilenoglicol; HT = amostra aquecida a 550◦C.
Solos derivados de tonalitos 
fração argila: 
 vermiculita (1.41-1.42nm mudando para 1.0 após aquecimento) 
AD = amostra seca ao ar; GL = amostra saturada em tilenoglicol; HT = amostra aquecida a 550◦C.
Solos derivados de tonalitos 
fração argila: 
 vermiculita 
 clorita (1.41-1.42 nm mudando para 1.2nm após aquecimento) 
AD = amostra seca ao ar; GL = amostra saturada em tilenoglicol; HT = amostra aquecida a 550◦C.
Solos derivados de tonalitos 
fração argila: 
 vermiculita 
 clorita 
 caolinita (0.71nm) 
AD = amostra seca ao ar; GL = amostra saturada em tilenoglicol; HT = amostra aquecida a 550◦C.
Solos derivados de tonalitos 
fração argila: 
 vermiculita 
 clorita 
 caolinita 
conteúdo muito menor de ilita comparado com os demais pedons 
AD = amostra seca ao ar; GL = amostra saturada em tilenoglicol; HT = amostra aquecida a 550◦C.
Discussão dos resultados 
•Os perfis de tonalitos não indicaram maiores profundidades que os perfis de leucogranitos. Explicado pela posição geomorfológica mais elevada. 
Contém Ca-Feldspato > álcali-feldspatos 
 “intemperiza mais rápido” 
•Os perfis investigados nas partes superiores das colinas não excederam 65 cm. Nestes locais, minerais mais rapidamente intemperizáveis contribuem para uma denudação mais rápida e a espessura de solos desenvolvidos de rochas diferentes sob condições similares pode ser similar. 
“mais vulneráveis à denudação”
Discussão dos resultados 
•> SiO2 e K2O 
•< Al2O3, Fe2O3, CaO e MgO 
Leucogranitos e Granitos 
•> Al2O3, Fe2O3, CaO, MgO, Na2O 
•> P2O5 
Granodiorito e Tonalito 
Consequência da pequena quantidade de mica e falta de minerais máficos. 
Indicam maiores conteúdo de plagioclásio, biottita, apatita, hornblenda e matéria orgânica (P). 
dominados por outros fatores, tais como fatores climáticos e matéria orgânica. 
As diferenças químicas e mineralógicas dos granitóides não afetam propriedades como pH, conteúdo total de cátion báse ou saturação em base. 
Solos derivados de:
Discussão dos resultados 
Fração argila 
Leucogranitos , Granitos e Granodioritos 
Tonalitos 
Dominada por ilita 
Dominada por vermiculita 
Distinguídos dos outros granitóides pelo grande conteúdo de biotita (5-10%) – prinicpal mineral formador de vermiculita durante o intemperismo. 
(mais intensa na presença de Mg-biotita e cátions base trocáveis) 
• Vermiculita só foi observada em partes mais profundas dos pedons. 
• Horizontes superiores representam um estágio mais avançado de intemperismo e, neste caso são dominados por Iilita. 
indica a transição de vermiculita para ilita. 
.
Discussão dos resultados 
Em geral, ilita é transformada em vermiculita... 
Mudanças na mineralogia da fração argila são mais expressivas no horizontes A... 
•Condições de boa drenagem  favorecem a formação de ilita e caolinita. 
•Condições mais úmidas  promovem a formação de vermiculita e ilita. 
•Matéria orgânica  favorecem a formação de vermiculita. 
... Entretanto, a vermiculita pode formar ilita quando ocorre suficiente de íons K+ em solução, causando mudanças na ocupação intercamadas. 
Uma quantidade maior de caolinita em horizontes superficiais se deve a esta ser produto do último estágio do intemperismo de aluminossilicatos, especialmente K-feldspatos.
Conclusões 
Menores conteúdos de Fe, Ca e Mg no material derivado de leucogranitos e granitos do que aquele derivado de granodioritos e tonalitos. 
 O que era esperado devido à composição química original destes. 
Segundo os autores, diferenças na composição química do material intemperizado analisado não influenciaram nas propriedades físico-químicas do solo.
Conclusões 
Entretanto, diferenças na composição resultam na variação da composição mineralógica da fração argila: diferentes quantidades de ilita, caolinita e vermiculita presentes em todos os perfis do solo examinados. 
Presença de vermiculita em horizontes mais profundosde e sua queda significativa ou ausência em horiontes superficiais 
 sugere processos de transformação da vermiculita em ilita, ao longo do tempo, sob condições de clima temperado da Baixa Silésia, sudoeste da Polônia. 
Fração Argila 
Leucogranitos , Granitos e Granodioritos 
Tonalitos 
Dominada por ilita 
Dominada por vermiculita
Bibliografia 
Weber, J.; Tyszka, R.; Kocowicz, A.; Szadorski, J.; Debicka, M. & Jamroz, E. (2012). Mineralogical composition of the clay fraction of soils derived from granitoids of the Sudetes and Fore-Sudetic Block, southwest Poland. European Journal of Soil Science. 63 (1), 762-772. 
Food And Agriculture Organization Of The United Nations - FAO. (2006). World reference base for soil resources 2006. A framework for international classification, correlation and communication. World Soil Resources Reports. 103 (1), 92; 103; 108.
Bibliografia: imagens 
Weber, J.; Tyszka, R.; Kocowicz, A.; Szadorski, J.; Debicka, M. & Jamroz, E. (2012). Mineralogical composition of the clay fraction of soils derived from granitoids of the Sudetes and Fore-Sudetic Block, southwest Poland. European Journal of Soil Science. 63 (1), 762-772. 
Food And Agriculture Organization Of The United Nations - FAO. (2006). World reference base for soil resources 2006. A framework for international classification, correlation and communication. World Soil Resources Reports. 103 (1), 92; 103; 108.
Bibliografia 
Day 1 at Bingie Bingie Point. 2014. Day 1 at Bingie Bingie Point. [ONLINE] Available at:http://www.geosci.usyd.edu.au/users/prey/FieldTrips/SouthCoastExcu01/DayOne.html. [Accessed 28 January 2014]. 
Granite - Wikipedia, the free encyclopedia. 2014. Granite - Wikipedia, the free encyclopedia. [ONLINE] Available at: http://en.wikipedia.org/wiki/Granite. [Accessed 28 January 2014]. 
Les Granodiorites de la Sierra Nevada. 2014. Les Granodiorites de la Sierra Nevada. [ONLINE] Available at:http://christian.nicollet.free.fr/page/enseignement/LicenceSN/SNevada.html. [Accessed 28 January 2014]. 
Grapesa : Catálogo. 2014. Grapesa : Catálogo. [ONLINE] Available at:http://www.grapesa.com/es/catalogo.php?id=9. [Accessed 28 January 2014].
Questões? 
“Maior conteúdo de CaO apenas em solos derivados de leucogranitos e granitos;” 
????
Questões? 
Porque as diferenças nos granitóides não influenciaram nas propriedades físico-químicas do solo derivado?
Questões?

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mecanica do solo. slide
Mecanica do solo. slideMecanica do solo. slide
Mecanica do solo. slide
engenhar
 
Trabalho de mec. dos solos i
Trabalho de mec. dos solos iTrabalho de mec. dos solos i
Trabalho de mec. dos solos i
engenhar
 
Aula 05 sistema brasileiro de classificação de solos
Aula 05   sistema brasileiro de classificação de solosAula 05   sistema brasileiro de classificação de solos
Aula 05 sistema brasileiro de classificação de solos
Jadson Belem de Moura
 
Aula classificação dos solos
Aula classificação dos solosAula classificação dos solos
Aula classificação dos solos
karolpoa
 
A acidez do solo ativa e potencial
A acidez do solo   ativa e potencialA acidez do solo   ativa e potencial
A acidez do solo ativa e potencial
Aline Monteiro
 
Propriedade das particulas sólidas dos solos apresentação
Propriedade das particulas sólidas dos solos   apresentaçãoPropriedade das particulas sólidas dos solos   apresentação
Propriedade das particulas sólidas dos solos apresentação
engenhar
 
Trabalho particulas solidas do solo
Trabalho particulas solidas do soloTrabalho particulas solidas do solo
Trabalho particulas solidas do solo
engenhar
 
Conheça os três tipos principais de solo areia, silte e argila fórum da co...
Conheça os três tipos principais de solo  areia, silte e argila   fórum da co...Conheça os três tipos principais de solo  areia, silte e argila   fórum da co...
Conheça os três tipos principais de solo areia, silte e argila fórum da co...
ABC Ambiental
 
Apostila de Mecânica dos Solos
Apostila de Mecânica dos SolosApostila de Mecânica dos Solos
Apostila de Mecânica dos Solos
Bruno Castilho
 

Mais procurados (20)

Solos 4
Solos 4Solos 4
Solos 4
 
Petroleo
PetroleoPetroleo
Petroleo
 
Mec solo ms
Mec solo msMec solo ms
Mec solo ms
 
Intemperismo
IntemperismoIntemperismo
Intemperismo
 
Mecanica do solo. slide
Mecanica do solo. slideMecanica do solo. slide
Mecanica do solo. slide
 
Morfologia do solo
Morfologia do soloMorfologia do solo
Morfologia do solo
 
Aula sobre "Fatores de formação do solo", Faculdade de Agronomia da UFRGS
Aula sobre "Fatores de formação do solo", Faculdade de Agronomia da UFRGSAula sobre "Fatores de formação do solo", Faculdade de Agronomia da UFRGS
Aula sobre "Fatores de formação do solo", Faculdade de Agronomia da UFRGS
 
Os fatores e processos de formação dos solos
Os fatores e processos de formação dos solosOs fatores e processos de formação dos solos
Os fatores e processos de formação dos solos
 
Acidez do solo e calagem
Acidez do solo e calagemAcidez do solo e calagem
Acidez do solo e calagem
 
Mecânica dos solos
Mecânica dos solosMecânica dos solos
Mecânica dos solos
 
Trabalho de mec. dos solos i
Trabalho de mec. dos solos iTrabalho de mec. dos solos i
Trabalho de mec. dos solos i
 
Solo
Solo Solo
Solo
 
Aula 05 sistema brasileiro de classificação de solos
Aula 05   sistema brasileiro de classificação de solosAula 05   sistema brasileiro de classificação de solos
Aula 05 sistema brasileiro de classificação de solos
 
Aula classificação dos solos
Aula classificação dos solosAula classificação dos solos
Aula classificação dos solos
 
Sistema unificado-de-classificacao-dos-solos (s.u.c.s)
Sistema unificado-de-classificacao-dos-solos (s.u.c.s)Sistema unificado-de-classificacao-dos-solos (s.u.c.s)
Sistema unificado-de-classificacao-dos-solos (s.u.c.s)
 
A acidez do solo ativa e potencial
A acidez do solo   ativa e potencialA acidez do solo   ativa e potencial
A acidez do solo ativa e potencial
 
Propriedade das particulas sólidas dos solos apresentação
Propriedade das particulas sólidas dos solos   apresentaçãoPropriedade das particulas sólidas dos solos   apresentação
Propriedade das particulas sólidas dos solos apresentação
 
Trabalho particulas solidas do solo
Trabalho particulas solidas do soloTrabalho particulas solidas do solo
Trabalho particulas solidas do solo
 
Conheça os três tipos principais de solo areia, silte e argila fórum da co...
Conheça os três tipos principais de solo  areia, silte e argila   fórum da co...Conheça os três tipos principais de solo  areia, silte e argila   fórum da co...
Conheça os três tipos principais de solo areia, silte e argila fórum da co...
 
Apostila de Mecânica dos Solos
Apostila de Mecânica dos SolosApostila de Mecânica dos Solos
Apostila de Mecânica dos Solos
 

Destaque

Función óxidos óxidos básicos
Función  óxidos   óxidos  básicosFunción  óxidos   óxidos  básicos
Función óxidos óxidos básicos
Giuliana Tinoco
 
G019 110926073413-phpapp01
G019 110926073413-phpapp01G019 110926073413-phpapp01
G019 110926073413-phpapp01
barambo
 
EH_Fall16_Research
EH_Fall16_ResearchEH_Fall16_Research
EH_Fall16_Research
Ericka Hayes
 
Nomenclatura ácidos base sais e óxidos. 2010
Nomenclatura ácidos  base sais e óxidos. 2010Nomenclatura ácidos  base sais e óxidos. 2010
Nomenclatura ácidos base sais e óxidos. 2010
Abraão Matos
 

Destaque (20)

Rochas magmáticas
Rochas magmáticasRochas magmáticas
Rochas magmáticas
 
Función óxidos óxidos básicos
Función  óxidos   óxidos  básicosFunción  óxidos   óxidos  básicos
Función óxidos óxidos básicos
 
Lpsc 2016-presentation
Lpsc 2016-presentationLpsc 2016-presentation
Lpsc 2016-presentation
 
Younes Sina, Uk Huh, The University of Tennessee, knoxville, Ion Implantation...
Younes Sina, Uk Huh, The University of Tennessee, knoxville, Ion Implantation...Younes Sina, Uk Huh, The University of Tennessee, knoxville, Ion Implantation...
Younes Sina, Uk Huh, The University of Tennessee, knoxville, Ion Implantation...
 
Bonduelle - Rapport Financier 2008/2009
Bonduelle - Rapport Financier 2008/2009Bonduelle - Rapport Financier 2008/2009
Bonduelle - Rapport Financier 2008/2009
 
Younes Sina, Ion implantation and thermal annealing of α-Al2O3 single crystals
Younes Sina, Ion implantation and thermal annealing of α-Al2O3 single crystalsYounes Sina, Ion implantation and thermal annealing of α-Al2O3 single crystals
Younes Sina, Ion implantation and thermal annealing of α-Al2O3 single crystals
 
Postenlauf Metalle & Salze
Postenlauf Metalle & SalzePostenlauf Metalle & Salze
Postenlauf Metalle & Salze
 
G019 110926073413-phpapp01
G019 110926073413-phpapp01G019 110926073413-phpapp01
G019 110926073413-phpapp01
 
EH_Fall16_Research
EH_Fall16_ResearchEH_Fall16_Research
EH_Fall16_Research
 
Ceramicos
CeramicosCeramicos
Ceramicos
 
Janela da exata
Janela da exataJanela da exata
Janela da exata
 
Daytona Beach Conference Aluminum Oxide And Silicon Nitride Thin Films As (2)
Daytona Beach Conference  Aluminum Oxide And Silicon Nitride Thin Films As (2)Daytona Beach Conference  Aluminum Oxide And Silicon Nitride Thin Films As (2)
Daytona Beach Conference Aluminum Oxide And Silicon Nitride Thin Films As (2)
 
Speleothems in sandstone caves 45th Brazilian Congress of Geology
Speleothems in sandstone caves 45th Brazilian Congress of GeologySpeleothems in sandstone caves 45th Brazilian Congress of Geology
Speleothems in sandstone caves 45th Brazilian Congress of Geology
 
Recursos Minerais
Recursos MineraisRecursos Minerais
Recursos Minerais
 
Ceramica 140621192036-phpapp01
Ceramica 140621192036-phpapp01Ceramica 140621192036-phpapp01
Ceramica 140621192036-phpapp01
 
Nomenclatura ácidos base sais e óxidos. 2010
Nomenclatura ácidos  base sais e óxidos. 2010Nomenclatura ácidos  base sais e óxidos. 2010
Nomenclatura ácidos base sais e óxidos. 2010
 
Sinterização em escala de bancada de finos de minério de ferro com alto teor ...
Sinterização em escala de bancada de finos de minério de ferro com alto teor ...Sinterização em escala de bancada de finos de minério de ferro com alto teor ...
Sinterização em escala de bancada de finos de minério de ferro com alto teor ...
 
Sesión de aprendizaje 2º jorge acosta
Sesión de aprendizaje  2º jorge acostaSesión de aprendizaje  2º jorge acosta
Sesión de aprendizaje 2º jorge acosta
 
Desgaste abrasivo - parte 2
Desgaste abrasivo - parte 2Desgaste abrasivo - parte 2
Desgaste abrasivo - parte 2
 
Produccion de h2 a partir de alcoholes
Produccion de h2 a partir de alcoholes Produccion de h2 a partir de alcoholes
Produccion de h2 a partir de alcoholes
 

Semelhante a Seminário de Pedologia

Boletim 02
Boletim 02Boletim 02
Boletim 02
mvezzone
 
IEG 201-Aula21-Depósitos Minerais de Origem Supergênica.pptx
IEG 201-Aula21-Depósitos Minerais de Origem Supergênica.pptxIEG 201-Aula21-Depósitos Minerais de Origem Supergênica.pptx
IEG 201-Aula21-Depósitos Minerais de Origem Supergênica.pptx
Alayana2023
 
Os fatores e processos de formação dos solos
Os fatores e processos de formação dos solosOs fatores e processos de formação dos solos
Os fatores e processos de formação dos solos
Jadson Belem de Moura
 
25 gestão de resíduos de gesso
25   gestão de resíduos de gesso25   gestão de resíduos de gesso
25 gestão de resíduos de gesso
Petiano Camilo Bin
 

Semelhante a Seminário de Pedologia (20)

Fertilidade e manejo do uso do solo de cerrado
Fertilidade e manejo do uso do solo de cerradoFertilidade e manejo do uso do solo de cerrado
Fertilidade e manejo do uso do solo de cerrado
 
UNIDADE II - CARACTERÍSTICAS BÁSICAS DO SOLO
UNIDADE II - CARACTERÍSTICAS BÁSICAS DO SOLOUNIDADE II - CARACTERÍSTICAS BÁSICAS DO SOLO
UNIDADE II - CARACTERÍSTICAS BÁSICAS DO SOLO
 
gpr cont 1.ppt
gpr cont 1.pptgpr cont 1.ppt
gpr cont 1.ppt
 
Intemperismo e Erosão e Movimento de Massa - Capítulos 7 e 12
Intemperismo e Erosão e Movimento de Massa - Capítulos 7 e 12Intemperismo e Erosão e Movimento de Massa - Capítulos 7 e 12
Intemperismo e Erosão e Movimento de Massa - Capítulos 7 e 12
 
CARACTERIZAÇÃO DE MATERIAL MINERAL DA REGIÃO DO PARACURI COMO ADSORVENTE
CARACTERIZAÇÃO DE MATERIAL MINERAL DA REGIÃO DO PARACURI COMO ADSORVENTECARACTERIZAÇÃO DE MATERIAL MINERAL DA REGIÃO DO PARACURI COMO ADSORVENTE
CARACTERIZAÇÃO DE MATERIAL MINERAL DA REGIÃO DO PARACURI COMO ADSORVENTE
 
Estudo do potencial do argilomineral de icoarací (pa) como material adsorvente
Estudo do potencial do argilomineral de icoarací (pa) como material adsorventeEstudo do potencial do argilomineral de icoarací (pa) como material adsorvente
Estudo do potencial do argilomineral de icoarací (pa) como material adsorvente
 
Boletim 02
Boletim 02Boletim 02
Boletim 02
 
Boletim 02 interpretação de analise de solo
Boletim 02 interpretação de analise de soloBoletim 02 interpretação de analise de solo
Boletim 02 interpretação de analise de solo
 
Boletim 02
Boletim 02Boletim 02
Boletim 02
 
IEG 201-Aula21-Depósitos Minerais de Origem Supergênica.pptx
IEG 201-Aula21-Depósitos Minerais de Origem Supergênica.pptxIEG 201-Aula21-Depósitos Minerais de Origem Supergênica.pptx
IEG 201-Aula21-Depósitos Minerais de Origem Supergênica.pptx
 
Os fatores e processos de formação dos solos
Os fatores e processos de formação dos solosOs fatores e processos de formação dos solos
Os fatores e processos de formação dos solos
 
Fatores de formação do solo
Fatores de formação do soloFatores de formação do solo
Fatores de formação do solo
 
Nbr 13441 rochas e solos
Nbr 13441   rochas e solosNbr 13441   rochas e solos
Nbr 13441 rochas e solos
 
Matrizes Aquosas2017.pdf
Matrizes Aquosas2017.pdfMatrizes Aquosas2017.pdf
Matrizes Aquosas2017.pdf
 
Intemperismo apresentação
Intemperismo apresentaçãoIntemperismo apresentação
Intemperismo apresentação
 
Calagem e-gessagem-2012
Calagem e-gessagem-2012Calagem e-gessagem-2012
Calagem e-gessagem-2012
 
Introdução a ciência do solo
Introdução a ciência do soloIntrodução a ciência do solo
Introdução a ciência do solo
 
Metais Pesados em Solos de Áreas Recuperadas
Metais Pesados em Solos de Áreas RecuperadasMetais Pesados em Solos de Áreas Recuperadas
Metais Pesados em Solos de Áreas Recuperadas
 
25 gestão de resíduos de gesso
25   gestão de resíduos de gesso25   gestão de resíduos de gesso
25 gestão de resíduos de gesso
 
Aula 6 ecologia_gestao_solo_carbono
Aula 6 ecologia_gestao_solo_carbonoAula 6 ecologia_gestao_solo_carbono
Aula 6 ecologia_gestao_solo_carbono
 

Mais de Fernando Ribeiro de Souza (7)

Gas de folhelho
Gas de folhelhoGas de folhelho
Gas de folhelho
 
Extração de urânio e poluição em Caetite
Extração de urânio e poluição em CaetiteExtração de urânio e poluição em Caetite
Extração de urânio e poluição em Caetite
 
Seminário classificação de rochas carbonáticas
Seminário classificação de rochas carbonáticasSeminário classificação de rochas carbonáticas
Seminário classificação de rochas carbonáticas
 
Engenharia geológica - método observacional
Engenharia geológica - método observacionalEngenharia geológica - método observacional
Engenharia geológica - método observacional
 
Bacia de santos: extração de petróleo e gás
Bacia de santos: extração de petróleo e gásBacia de santos: extração de petróleo e gás
Bacia de santos: extração de petróleo e gás
 
Extração de itabirito em MG
Extração de itabirito em MGExtração de itabirito em MG
Extração de itabirito em MG
 
Sydney opera house
Sydney opera houseSydney opera house
Sydney opera house
 

Último

O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
VALMIRARIBEIRO1
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
aulasgege
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Kelly Mendes
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
profbrunogeo95
 

Último (20)

Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdfApostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Projeto envolvendo as borboletas - poema.doc
Projeto envolvendo as borboletas - poema.docProjeto envolvendo as borboletas - poema.doc
Projeto envolvendo as borboletas - poema.doc
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
Insegurança nunca mais tem afeta pessoas
Insegurança nunca mais tem afeta pessoasInsegurança nunca mais tem afeta pessoas
Insegurança nunca mais tem afeta pessoas
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
 
transcrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguatranscrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de língua
 
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptAs teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
 

Seminário de Pedologia

  • 1. Mineralogical composition of the clay fraction of soils derived from granitoids of the Sudetes and Fore-Sudetic Block, southwest Poland European Journal of Soil Science, October 2012. Por Weber, J.; Tyszka, R.; Kocowicz, A.; Szadorski, J.; Debicka, M. & Jamroz, E. F.C. Pifano, F.R. De Souza, J. Taboada, T. Da Mata
  • 2. Introdução O intemperirmo tem papel fundamental na formação dos solos. Entre os produtos finais do intemperismo encontram-se os argilominerais. Cuja composição depende principalmente da rocha parental e da ação do intemperismo de minerais primários. Bem como... saturação em água do solo tempo de exposição  variação dos processos/taxas topografia  condicionando um microclima fatores climáticos  afetam a lixiviação de sílica e álcalis ação biológica  retenção de elementos no solo e taxa/tipo de intemperismo
  • 3. Introdução Existe uma falta de artigos sobre a relação entre o intemperismo de granitóides e a a amplitude dos solos e composição dos argilominerais derivados. Neste âmbito, é interessante propor uma análise de argilominerais e propriedades de solos derivados de tonalitos, granodioritos, granitos e leucogranitos, localizados em condições climáticas, topográficas e biotas similares.
  • 4. Objetivos do artigo Determinar como a rocha parental (granitóides) influencia no material do solo através da análise das propriedades físico-químicas, composição química e mineralogia dos horizontes superiores do solo, material intemperizado e rocha plutônica sólida.
  • 5.  Coleta de amostras de perfis de solos nos Sudetos e bloco ante-sudético, sudoeste da Polônia Materiais e Métodos
  • 6. Materiais e Métodos: condições locais Temperatura média anual: 7-8 C Pluviosidade média anual: 600 nm (a neve cobre a área por 70 dias no ano) Precipitação > Evaporação: promove o lixiviamento de componentes alcalinos para horizontes mais profundos, reduzindo o pH do solo e a saturação em bases.
  • 7. Relembrando... granitóides Rochas plutônicas ácidas Composições mineralógicas diferentes que refletem mudanças graudais no conteúdo de plagioclásio e alcali-feldspato Le Maitre (2002)
  • 8. Granitóides Menos de 10% P do total P+A Leucogranitos (álcali-feldspato granito) Le Maitre (2002): baseado na quantidade de plagioclásio no total de feldspato.
  • 9. Granitóides Entre 10 e 65% P no total P+A Granitos Sienogranito e monogranito Le Maitre (2002): baseado na quantidade de plagioclásio no total de feldspato.
  • 10. Granitóides Entre 65 e 90% P no total P+A Granodioritos Le Maitre (2002): baseado na quantidade de plagioclásio no total de feldspato.
  • 11. Granitóides Mais de 90% P no total P+A Tonalitos Le Maitre (2002): baseado na quantidade de plagioclásio no total de feldspato.
  • 12. Materiais e Métodos: geomorfologia Solos sujeitos à glaciação pleistocênica (Período glacial Riss – 352k anos a 130k anos) Últimos 130k anos: denudação sob condições úmidas temperadas formação de colinas sobre rochas ígneas, cobertas por uma fina camada de solo sujeita a pedogênese. Modificado de Emig & Geistdörfer, 2008
  • 13. Materiais e Métodos: procedimento Os pedons foram coletados no topo de pequenas colinas desenvolvidas em granitóides. Área relativamente pequena (300 km)  limita a influência de outros fatores formadores de solo. Pequena amplitude altimétrica (182-433 m)  permite assumir que os efeitos de varições climáticas são mínimos. Vegetados por grama 2 locais de amostragem para solos derivados de um tipo de granitóide. Amostras coletados do: •Horizonte superficial A. •Parte mais profunda intemperizada perto ao leito rochoso (C ou B). •Material terroso existente em rachaduras de rochas sólidas (BR ou CR). •Amostras da rocha parental (R).
  • 14. Propriedades do solo determinadas Textura – tamanho das partículas (por um método hidrométrico);
  • 15. Propriedades do solo determinadas Textura pH em 1 M KCl ;
  • 16. Propriedades do solo determinadas Textura pH Conteúdo total de carbono orgâico – TOC (com um analisador CS- MAT 5500);
  • 17. Propriedades do solo determinadas Textura pH TOC Acidez trocável – EA (medido em uma solução não- tampão de 1 M de KCl); Saturação em base – BS (calculados por acidez e cátions base trocáveis).
  • 18. Propriedades do solo determinadas Textura pH TOC EA e BS Cátions base trocáveis – EB (extraídos com 1 M NH4Ac – K,Na e Ca por AES e Mg por ASS); Capacidade de troca efetiva de cátions – CEC.
  • 19. Análise petrográfica microscópica 25 lâminas – 6 leucogranitos; 4 granitos; 10 granodioritos; 5 tonalitos. Análise modal por imagens digitalizadas em seções mais intemperizadas foram feitas aproximações baseadas na forma, cor, textura, etc... A fração argilosa do solo (<2μm) foi analisada com difratômetro de raio X. e tratada com 30% H2O2 para remover matéria orgânica A composição química foi analisada com espectrômetro XRF (EPSILON 5). A quantidade total de elemntos foi convertida para massa sólida, permitindo a elminação da matéria orgânica dos cálculos.
  • 21. Resultados Características dos solos: oRasos (até 65 cm de profundidade); oArgila 1-10% (> em horizontes mais profundos) oTextura areia margosa, marga arenosa ou marga síltica oGrande conteúdo de partículas esqueletais (>2mm) Os solos investigados foram classificados como Regossolo Háplico e Regossolo Câmbico (FAO, 2006). Modificado de: World reference base for soil resource 2006. A framework for international classification, correlation and communication. FAO.
  • 22. Resultados Alto TOC (conteúdo orgânico de carbono).  Típico de solos formados em rochas sólidas sob as condições climáticas dos Sudetos e do bloco Ante-Sudético. pH entre 3.3-4.6  não foi relacionado à rocha parental Ausência de relações claras entre reação do solo e profundidade Salvo pequeno aumento no pH de horizontes superficiais para rocha parental foi observado 5/8 pedons. Nenhuma relação clara entre cátions base trocáveis, saturação em base e a rocha parental.
  • 23. Composição Química Total 63-70% SiO2 14-16% Al2O3 3.3-5.2% Fe2O3 0.7-4.2% CaO 1.3-2.6% MgO 75-77% SiO2 12-13% Al2O3 0.07-0.9% Fe2O3 0.06-0.7% CaO 0.01-0.2% MgO Granodioritos e tonalitos Leucogranitos e granitos < > > > >
  • 24. Composição Química Total Conteúdos maiores de SiO2, Al2O3 e Fe2O3 no material coletado do solo do que em rochas; Maior conteúdo de CaO apenas em solos derivados de leucogranitos e granitos; Conteúdos maiores de Na e K em rochas (variam de 0.93-3.8% K2O e 2.38-4.67% Na2O)
  • 25. Difratogramas de horizontes A e BC de diferentes pedons Composição mineral das frações <2μm
  • 26. Solos derivados de leucogranito fração argila do solo constituída principalmente de: AD = amostra seca ao ar; GL = amostra saturada em tilenoglicol; HT = amostra aquecida a 550◦C.
  • 27. Solos derivados de leucogranito fração argila:  caolinita (picos de 0.72 nm desaparecendo depois de aquecimento) AD = amostra seca a ar; GL = amostra saturada em tilenoglicol; HT = amostra aquecida a 550◦C.
  • 28. Solos derivados de leucogranito fração argila:  caolinita  ilita (picos de 1.01nm) AD = amostra seca a ar; GL = amostra saturada em tilenoglicol; HT = amostra aquecida a 550◦C.
  • 29. Solos derivados de leucogranito fração argila:  caolinita  ilita  vermiculita (indicada em BC por picos de 1.42-1.43 nm mudando para 1.0 nm após aquecimento) AD = amostra seca a ar; GL = amostra saturada em tilenoglicol; HT = amostra aquecida a 550◦C.
  • 30. Solos derivados de leucogranito fração argila:  caolinita  ilita  vermiculita Horizontes superficiais vs profundos: linhas de difração mais fracas de ilita e caolinita (picos 0.50 e 0.36nm) AD = amostra seca a ar; GL = amostra saturada em tilenoglicol; HT = amostra aquecida a 550◦C.
  • 31. Solos derivados de granitos fração argila do solo constituída principalmente de: AD = amostra seca ao ar; GL = amostra saturada em tilenoglicol; HT = amostra aquecida a 550◦C.
  • 32. Solos derivados de granitos fração argila:  ilita (picos de 1.0-1.01nm) AD = amostra seca ao ar; GL = amostra saturada em tilenoglicol; HT = amostra aquecida a 550◦C.
  • 33. Solos derivados de granitos fração argila:  ilita  caolinita (picos de 0.71- 0.72nm desaparecendo depois de aquecimento) AD = amostra seca ao ar; GL = amostra saturada em tilenoglicol; HT = amostra aquecida a 550◦C.
  • 34. Solos derivados de granitos fração argila:  ilita  caolinita << vermiculita (picos de 1.42- 1.45nm mudando para 1.0 nm após aqucimento) AD = amostra seca ao ar; GL = amostra saturada em tilenoglicol; HT = amostra aquecida a 550◦C.
  • 35. Solos derivados de granitos fração argila:  ilita  caolinita  vermiculita Horizontes superficiais vs profundos: Nenhuma diferença consireável. AD = amostra seca ao ar; GL = amostra saturada em tilenoglicol; HT = amostra aquecida a 550◦C.
  • 36. Solos derivados de granodioritos fração argila do solo constituída principalmente de: AD = amostra seca ao ar; GL = amostra saturada em tilenoglicol; HT = amostra aquecida a 550◦C.
  • 37. Solos derivados de granodioritos fração argila:  caolinita Horizonte superficial: picos de 1.40- 1.41nm mudando para 1.0nm após aquecimento. Horizonte profundos: picos de 0.72 e 0.36 nm. AD = amostra seca ao ar; GL = amostra saturada em tilenoglicol; HT = amostra aquecida a 550◦C.
  • 38. Solos derivados de granodioritos fração argila:  caolinita  ilita em horizontes superficiais com picos de 1.0- 1.01nm. AD = amostra seca ao ar; GL = amostra saturada em tilenoglicol; HT = amostra aquecida a 550◦C.
  • 39. Solos derivados de granodioritos fração argila:  caolinita  ilita  vermiculita em horizontes profundos com picos de 1.41- 1.42 nm mudando para 1.0 após aquecimento). AD = amostra seca ao ar; GL = amostra saturada em tilenoglicol; HT = amostra aquecida a 550◦C.
  • 40. Solos derivados de granodioritos fração argila:  caolinita  ilita  vermiculita  smectita ocasionalmente com picos de 1.41nm mudando para 1.68 após saturação com de etilenoglicol AD = amostra seca ao ar; GL = amostra saturada em tilenoglicol; HT = amostra aquecida a 550◦C.
  • 41. Solos derivados de tonalitos fração argila do solo constituída principalmente de: AD = amostra seca ao ar; GL = amostra saturada em tilenoglicol; HT = amostra aquecida a 550◦C.
  • 42. Solos derivados de tonalitos fração argila:  vermiculita (1.41-1.42nm mudando para 1.0 após aquecimento) AD = amostra seca ao ar; GL = amostra saturada em tilenoglicol; HT = amostra aquecida a 550◦C.
  • 43. Solos derivados de tonalitos fração argila:  vermiculita  clorita (1.41-1.42 nm mudando para 1.2nm após aquecimento) AD = amostra seca ao ar; GL = amostra saturada em tilenoglicol; HT = amostra aquecida a 550◦C.
  • 44. Solos derivados de tonalitos fração argila:  vermiculita  clorita  caolinita (0.71nm) AD = amostra seca ao ar; GL = amostra saturada em tilenoglicol; HT = amostra aquecida a 550◦C.
  • 45. Solos derivados de tonalitos fração argila:  vermiculita  clorita  caolinita conteúdo muito menor de ilita comparado com os demais pedons AD = amostra seca ao ar; GL = amostra saturada em tilenoglicol; HT = amostra aquecida a 550◦C.
  • 46. Discussão dos resultados •Os perfis de tonalitos não indicaram maiores profundidades que os perfis de leucogranitos. Explicado pela posição geomorfológica mais elevada. Contém Ca-Feldspato > álcali-feldspatos  “intemperiza mais rápido” •Os perfis investigados nas partes superiores das colinas não excederam 65 cm. Nestes locais, minerais mais rapidamente intemperizáveis contribuem para uma denudação mais rápida e a espessura de solos desenvolvidos de rochas diferentes sob condições similares pode ser similar. “mais vulneráveis à denudação”
  • 47. Discussão dos resultados •> SiO2 e K2O •< Al2O3, Fe2O3, CaO e MgO Leucogranitos e Granitos •> Al2O3, Fe2O3, CaO, MgO, Na2O •> P2O5 Granodiorito e Tonalito Consequência da pequena quantidade de mica e falta de minerais máficos. Indicam maiores conteúdo de plagioclásio, biottita, apatita, hornblenda e matéria orgânica (P). dominados por outros fatores, tais como fatores climáticos e matéria orgânica. As diferenças químicas e mineralógicas dos granitóides não afetam propriedades como pH, conteúdo total de cátion báse ou saturação em base. Solos derivados de:
  • 48. Discussão dos resultados Fração argila Leucogranitos , Granitos e Granodioritos Tonalitos Dominada por ilita Dominada por vermiculita Distinguídos dos outros granitóides pelo grande conteúdo de biotita (5-10%) – prinicpal mineral formador de vermiculita durante o intemperismo. (mais intensa na presença de Mg-biotita e cátions base trocáveis) • Vermiculita só foi observada em partes mais profundas dos pedons. • Horizontes superiores representam um estágio mais avançado de intemperismo e, neste caso são dominados por Iilita. indica a transição de vermiculita para ilita. .
  • 49. Discussão dos resultados Em geral, ilita é transformada em vermiculita... Mudanças na mineralogia da fração argila são mais expressivas no horizontes A... •Condições de boa drenagem  favorecem a formação de ilita e caolinita. •Condições mais úmidas  promovem a formação de vermiculita e ilita. •Matéria orgânica  favorecem a formação de vermiculita. ... Entretanto, a vermiculita pode formar ilita quando ocorre suficiente de íons K+ em solução, causando mudanças na ocupação intercamadas. Uma quantidade maior de caolinita em horizontes superficiais se deve a esta ser produto do último estágio do intemperismo de aluminossilicatos, especialmente K-feldspatos.
  • 50. Conclusões Menores conteúdos de Fe, Ca e Mg no material derivado de leucogranitos e granitos do que aquele derivado de granodioritos e tonalitos.  O que era esperado devido à composição química original destes. Segundo os autores, diferenças na composição química do material intemperizado analisado não influenciaram nas propriedades físico-químicas do solo.
  • 51. Conclusões Entretanto, diferenças na composição resultam na variação da composição mineralógica da fração argila: diferentes quantidades de ilita, caolinita e vermiculita presentes em todos os perfis do solo examinados. Presença de vermiculita em horizontes mais profundosde e sua queda significativa ou ausência em horiontes superficiais  sugere processos de transformação da vermiculita em ilita, ao longo do tempo, sob condições de clima temperado da Baixa Silésia, sudoeste da Polônia. Fração Argila Leucogranitos , Granitos e Granodioritos Tonalitos Dominada por ilita Dominada por vermiculita
  • 52. Bibliografia Weber, J.; Tyszka, R.; Kocowicz, A.; Szadorski, J.; Debicka, M. & Jamroz, E. (2012). Mineralogical composition of the clay fraction of soils derived from granitoids of the Sudetes and Fore-Sudetic Block, southwest Poland. European Journal of Soil Science. 63 (1), 762-772. Food And Agriculture Organization Of The United Nations - FAO. (2006). World reference base for soil resources 2006. A framework for international classification, correlation and communication. World Soil Resources Reports. 103 (1), 92; 103; 108.
  • 53. Bibliografia: imagens Weber, J.; Tyszka, R.; Kocowicz, A.; Szadorski, J.; Debicka, M. & Jamroz, E. (2012). Mineralogical composition of the clay fraction of soils derived from granitoids of the Sudetes and Fore-Sudetic Block, southwest Poland. European Journal of Soil Science. 63 (1), 762-772. Food And Agriculture Organization Of The United Nations - FAO. (2006). World reference base for soil resources 2006. A framework for international classification, correlation and communication. World Soil Resources Reports. 103 (1), 92; 103; 108.
  • 54. Bibliografia Day 1 at Bingie Bingie Point. 2014. Day 1 at Bingie Bingie Point. [ONLINE] Available at:http://www.geosci.usyd.edu.au/users/prey/FieldTrips/SouthCoastExcu01/DayOne.html. [Accessed 28 January 2014]. Granite - Wikipedia, the free encyclopedia. 2014. Granite - Wikipedia, the free encyclopedia. [ONLINE] Available at: http://en.wikipedia.org/wiki/Granite. [Accessed 28 January 2014]. Les Granodiorites de la Sierra Nevada. 2014. Les Granodiorites de la Sierra Nevada. [ONLINE] Available at:http://christian.nicollet.free.fr/page/enseignement/LicenceSN/SNevada.html. [Accessed 28 January 2014]. Grapesa : Catálogo. 2014. Grapesa : Catálogo. [ONLINE] Available at:http://www.grapesa.com/es/catalogo.php?id=9. [Accessed 28 January 2014].
  • 55. Questões? “Maior conteúdo de CaO apenas em solos derivados de leucogranitos e granitos;” ????
  • 56. Questões? Porque as diferenças nos granitóides não influenciaram nas propriedades físico-químicas do solo derivado?