3demanda

194 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
194
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
47
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

3demanda

  1. 1. A DEMANDAO Conceito de Demanda Individual A demanda (ou procura) de um indivíduo por um determinado bem (ou serviço) refere-seà quantidade desse bem que ele está disposto e capacitado a comprar, por unidade de tempo. A quantidade que um consumidor irá adquirir de um determinado bem depende de váriosfatores, dentre os quais destacamos:• O Preço do Bem;• A Renda, ou Salário do Consumidor;• O Gosto e Preferência do Consumidor;• O Preço dos Bens Relacionados.Outros fatores poderiam ser relacionados, mas estes parecem ser os mais importantes, uma vez que sãoválidos para a maioria dos bens. Façamos, então, uma breve análise desses determinantes da demanda:a) A Demanda e o Preço do Bem A quantidade demandada (procurada) de um bem é influenciada por seu preço.Normalmente, é de se esperar que o consumidor desejará adquirir uma quantidade maior deum bem quanto menor for o seu preço. Alternativamente, quanto maior for o preço, menor seráa quantidade que o consumidor desejará adquirir desse bem.b) A Demanda e a Renda do Consumidor Para a maioria dos bens, é de se esperar que uma elevação na renda do consumidoresteja associada a uma elevação nas quantidades compradas desses bens. Essa é a regrageral e os bens que têm essa particularidade são chamados de “Bens Normais”. Os exemplosincluem a maioria dos alimentos, roupas, aparelhos de som, aparelhos domésticos etc. Existemduas possíveis exceções a esse padrão geral. E o caso dos “Bens Inferiores” e dos “Bens deConsumo Saciado”. Os “Bens Inferiores” são aqueles cujo consumo varia inversamente a variações na renda,dentro de uma certa faixa de renda. Isso significa dizer que a quantidade adquirida desse tipode produto diminui com o aumento da renda; caso haja uma diminuição na renda, a quantidadeadquirida desse produto aumenta. Como exemplo de bens inferiores podemos citar o pão, a batata, a carne de segunda e“roupas usadas” adquiridas por famílias pobres. Assim, à medida que a renda do consumidor se eleva, ele passa a ter condiçõesfinanceiras para comprar bens de melhor qualidade. A idéia é a de que o consumidor trocaesses produtos por outros de qualidade superior (por exemplo, carne de segunda por carne deprimeira) tão logo tenha condições de fazê-lo. Os “Bens de Consumo Saciado”, por sua vez, são aqueles para os quais o desejo doconsumidor está completamente satisfeito após um determinado nível de renda. Aumentos darenda para além desse nível não terão nenhum efeito nas quantidades compradas dessesbens.
  2. 2. c) A Demanda e o Gosto e Preferência do Consumidor A quantidade demandada de um determinado bem depende dos hábitos e preferênciasdo consumidor. Estes, por sua vez, dependem de uma série de circunstâncias tais como idade,sexo, tradições culturais, religião e até educação. Mudanças nesses hábitos e preferênciaspodem provocar mudanças nas quantidades demandadas desse bem.d) A Demanda e o Preço dos Bens Relacionados A demanda de um produto pode ser afetada pela variação no preço de outros bens. Issoocorre em relação aos “Bens Complementares” e aos “Bens Substitutos”. Os Bens Complementares são aqueles que tendem a ser utilizados em conjunto. Nessecaso, a elevação no preço de um deles produz uma redução na demanda do outro, e umadiminuição no preço de um conduz a um aumento na demanda do outro. É o caso, por exemplodo pão e da manteiga. Assim, um aumento no preço do pão tende a reduzir a quantidadeadquirida de manteiga. Os Bens Substitutos, por sua vez, são aqueles cujo consumo de um pode substituir oconsumo do outro. Nesse caso, a elevação no preço de um provocara a elevação na demandado outro, e uma baixa no preço de um conduzirá, naturalmente, a uma diminuição na demandade outro. A manteiga e a margarina enquadram-se nessa classificação. Assim, um aumento nopreço da manteiga terá, por certo, algum impacto (no caso, um aumento) na demanda demargarina.“Coeteris Paribus” Observando os determinantes da demanda, verificamos que todos variamsimultaneamente, ficando difícil avaliar o efeito que cada um exerce sobre a demanda. Para tentar contornar esse problema vamos nos valer da imposição da condição“Coeteris Paribus”, que é uma expressão latina que significa “tudo o mais permanecendoconstante”. Permitiremos, por exemplo, que o preço de um produto se modifique, fazendo asuposição de que a renda do consumidor, seus hábitos e preferências, o preço dos bensrelacionados e suas expectativas permaneçam inalterados. Assim procedendo, conseguiremosidentificar o efeito que somente as mudanças de preço provocam nas quantidadesdemandadas de uma determinada mercadoria. Dizemos então que a demanda dessamercadoria depende de seu preço, “Coeteris Paribus”. Da mesma forma, se quisermos saber como mudanças na renda afetam a demandafazemos a suposição de que apenas a renda varia, enquanto mantemos os outros fatoresdeterminantes da demanda constantes. Dizemos então que a demanda depende da renda,“Coeteris Paribus”. Naturalmente, esse procedimento pode ser estendido a todos os outros elementos queinfluenciam a procura.Relação entre Quantidade Demandada e Preço Nesta seção enfocaremos a relação entre quantidade demandada e preço, mantendo osoutros determinantes da demanda — renda, gosto e preços dos bens complementares esubstitutos — constantes. Dito de outra forma, enfocaremos a maneira pela qual compradores
  3. 3. reagem a diferentes preços,”coeteris paribus”, ou seja, mantendo inalteradas sua disposição ecapacidade de comprar.Escala de Demanda Individual Imagine ser possível indagar a um consumidor qualquer, cujo salário mensal constitui suarenda, quantos litros de leite ele estará disposto a adquirir, semanalmente, ao preço de,digamos, R$ 4,00 por litro. Dada sua renda, seu gosto etc., ele poderá responder que, a esse preço, estará dispostoa comprar, no máximo, 2 litros de leite por semana. Se diminuirmos o preço para R$ 3,00 erefizermos a pergunta, talvez, a um preço mais baixo, ele esteja disposto a adquirir umaquantidade maior, no máximo, quem sabe 4 litros de leite. A pergunta poderá ser repetida paraoutros preços, cujas respostas poderão ser as seguintes: Quadro Escala de Demanda Preço Quantidade (R$/unidade) (litros/semana) Ponto 4,00 2 A 3,00 4 B 2,00 6 C 1,00 8 D Essa lista, mostrando a quantidade Máxima de leite que o consumidor estará disposto acomprar, a cada preço, chama-se “Escala de Demanda”. Uma escala de demanda nos mostraa relação existente entre as variáveis preço e quantidade, e deverá ser lida da seguintemaneira: se o preço for R$ 4,00 a quantidade máxima que o consumidor estará disposto aadquirir será de 2 litros de leite por semana; se o preço for de R$ 3,00, a quantidadedemandada de leite será de 4 litros semanais, e assim por diante. Verificamos então que àmedida que o preço diminui, a quantidade demandada de leite aumenta. Alternativamente, àmedida que o preço aumenta, a quantidade demandada diminui.

×