História do ceará

2.806 visualizações

Publicada em

Publicada em: Arte e fotografia
0 comentários
4 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.806
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
10
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
245
Comentários
0
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

História do ceará

  1. 1. As principais causas da seca do nordeste são naturais. A região está localizada numa área em que as chuvas ocorrem poucas vezes durante o ano. Esta área recebepouca influência de massas de ar úmidas e frias vindas do sul. Logo, permanece durante muito tempo, no sertãonordestino, uma massa de ar quente e seca, não gerando precipitações pluviométricas (chuvas). O desmatamento na região da Zona da Mata tambémcontribui para o aumento da temperatura na região do sertão nordestino.
  2. 2. SECA ,FOME E MISÉRIA: UM PROBLEMA SOCIAL. A seca, além de ser um problema climático, é uma situação que gera dificuldades sociais para as pessoas que habitam a região. Com a falta de água, torna-se difícil o desenvolvimento da agricultura e a criação de animais.
  3. 3. A seca provoca a falta de recursos econômicos,gerando fome e miséria no sertão nordestino.Muitas vezes, as pessoas precisam andar durante horas, sob sol e calor forte, para pegar água, muitas vezes suja e contaminada.
  4. 4. SECACaracterísticas da região - Baixo índice pluviométrico anual (pouca chuva); - Baixa umidade; - Clima semiárido; - Solo seco e rachado; - Vegetação com presença de arbustos com galhosretorcidos e poucas folhas (caatinga); - Temperaturas elevadas em grande parte do ano.
  5. 5. MEDIDAS DE COMBATE A SECA
  6. 6. ENCHENTES Também estão ligadas ao desmatamento da vegetação nativa de encosta, especialmente para a monocultura da cana, resultando na perda da capacidade de retenção de água, erosão do solo e sedimentação do curso de rios. Outro problema sério é a falta deplanejamento urbano adequado em pequenas e grandes cidades, ao longo de áreas inundáveis que são ocupadas pelos rios duranteepisódios periódicos de intensa chuva. Tais fatores, somados a chuvas extremas relacionadas a mudanças no sistema climático, significam que a probabilidade de um acidente com represas é muito maior, especialmente onde as represas mais antigas predominam.
  7. 7. ENCHENTESDiretamente ligada a uma série de rompimento debarragens.O rompimento dessas represas reflete a falta de precauçõesadequadas durante a construção e manutenção de barragenspúblicas e privadas, no segundo caso tipicamente paragrandes plantações de cana-de-açúcar. Na região Nordeste,é estimado que haja no mínimo 100.000 pequenas emédias represas, tanto antigas quanto novas, a maioria delasconstruídas com muito pouco ou mesmo nenhum cuidadocom segurança ou impactos ambientais.
  8. 8. ENCHENTES Não importando a causa, as enchentes costumam provocar doenças, causar prejuízos e atrapalhar o trânsito, entre outras consequências. -Leptospirose. É uma doença grave, causada pela urina do ratomisturada à água das enxurradas, quando em contato com a pele. As outras doenças relacionadas ao lixo doméstico (cisticercose, cólera, disenteria, febre tifóide, filariose, giardíase, leishmaniose, pestebubônica, salmonelose, toxoplasmose, tracoma, triquinose, etc.), por ele fazer parte das enchentes urbanas, também merecem ser consideradas.Danos materiais. São de várias naturezas: desde a destruição parcial outotal dos imóveis, veículos, móveis e utensílios domésticos; perdas naslavouras e produtos perecíveis armazenados; interrupções de energia e outros.
  9. 9. ENCHENTES
  10. 10. SOBREVIVÊNCIACom a redução das chuvas, o tempo fica mais quente e solomais árido, diminui a colheita, o trabalho, a renda, eaumentam desemprego, necessidades, fome, riscos, doenças,etc, isto é, aumentam nas dificuldades de sobrevivência.Diante de tanta insegurança e risco os agricultores recorremà migração, de toda a família ou de parte dela. Geralmentesaem os homens e mais jovens de maior vigor físico, paraoutras regiões, zonas ou cidades em busca de trabalho emelhores condições de vida.E assim vão formando os flagelados ou refugiadosambientais, que funcionam como reservatório de mão-de-obra barata e desqualificada, logo suscetível à exploração, quedeixam para trás as muitas viúvas-de-maridos-vivos.
  11. 11. Campos de Concentração no Ceará: Mais cruéis que a seca
  12. 12. CAMPOS DE CONCENTRAÇÃOO objetivo dos campos era evitar que os retirantesalcançassem Fortaleza, trazendo “o caos, a miséria,a moléstia e a sujeira”, como informavam osboletins do poder público à época. Em 1915,criou-se o campo de concentração (era assimmesmo que se chamava) do Alagadiço, nosarredores da capital cearense e também em outroslugares como no Crato.
  13. 13. CAMPOS DE CONCENTRAÇÃOLá chegou a juntar 8 milesfarrapados, que recebiamalguma comida e permaneciamvigiados por soldados. Asegregação dos miseráveis eralei, mas chegou um momento em queo flagelo em massa era tãochocante, com uma média de 150mortes diárias, que o governo doEstado ordenou, em 18 de
  14. 14. CAMPOS DE COMNCENTRAÇÃOA história das secas que castigam apopulação do Nordeste desde pelomenos 1877, deixou um rastro detragédias e mortes assombroso. Nuncafoi feito um levantamento a respeitodos números de nordestinos queperderam as vidas por causa da fomenestes períodos.Os levantamentos parciais, noentanto, são assustadores. Somenteentre 1877 e 1913, portanto ainda semos números da seca de 1915, o governo
  15. 15. PERSONAGENS HISTÓRICOSPESCADORO pescador que vive de sua própriaprodução, pode ser encontradofacilmente no Ceará; nos feriados enas altas temporadas, costumamganhar bem mais do que a médiaanual. Porém, a subsistência destestrabalhadores pode estarameaçada pela pesca esportiva depessoas sem licença e semconsciência ambiental, que pescam
  16. 16. PERSONAGENS HISTÓRICOSRENDEIRAÉ difícil precisar a origem exata darenascença. Certeza, apenas, que a renda queganhou novas tramas, pontos ecaracterísticas no Nordeste brasileiro surgiuna Europa. As divergências em sua maioriasurgem quando se fala do País onde ela teriase originado. Que tanto na Itália quanto naBélgica, até hoje, existe um produto muitosimilar. Tempos atrás, as peças também eramvistas na Irlanda. Foram as freirasmissionárias que trouxeram a arte para oBrasil em meados do século passado. Daí emdiante não teve jeito: a renascença virou
  17. 17. PERSONAGENS HISTÓRICOSVAQUEIROO Vaqueiro pode cuidar do seu própriorebanho, porém o mais comum, é que omesmo seja empregado de umafazenda onde vive como "morador". Omesmo tem como pagamento do seutrabalho um salário específico ou"tirar a sorte" na produção, onde, deforma previamente acertada com ofazendeiro, um percentual dosfilhotes que nascerem, serãopropriedade do vaqueiro; por exemplo:a cada quatro filhotes um é
  18. 18. PERSONAGENS HISTÓRICOSAGRICULTORA maioria dos produtores rurais nordestinoshabita e desenvolve atividades econômicasem pequenas e médias propriedades em todaextensão do território, a mão-de-obra érealizada pelos componentes da família.Essas propriedades, quase sempre, sãodesprovidas de recursos tecnológicos(máquinas agrícolas, ordenha mecânica einsumos agrícolas) e técnicos (suportetécnico de um profissional como, por exemplo,um agrônomo), desse modo, apresentam níveisbaixos de produtividade, apesar disso, cercade 70% de todo alimento que abastece omercado interno brasileiro é derivado de
  19. 19. PERSONAGENS HISTÓRICOSSANFONEIROForam os chineses que criaram o precursor doacordeom, posto que este só seria inventandoem 1829, por Cyrillus Debian, austríaco, que oregistrou com o nome de Acordeom.O acordeom chegou ao Brasil através dosimigrantes alemães e italianos. Presençaforte no interior do Brasil, o instrumento eracomumente utilizado como forma derepresentação das tradições daquelascomunidades, através da execução de ritmosdiversos, como o fado, a valsa, a polca.Muito difundido no país na década de 50,agradava a todos os gostos devido à suaversatilidade. É nesse contexto que surge a
  20. 20. "A História é testemunha dopassado, luz da verdade, vida damemória, mestra da vida,anunciadora dos tempos antigos."(Cícero)

×