7º ano: Apostila 04 / Modulo 15
Professor Claudio Henrique Ramos Sales
GEOGRAFIA
1
2
3
ComplexoAmazônico
ComplexoCentro-Sul
ComplexoNordeste
COMPLEXO
NORDESTE
As características das sub-regiões nordestinas são
de fundamental importância para a compreensão
das relações sociais ali ...
ZONA
DA
MATA
A Região Nordeste é dividida em quatro sub regiões:
meio-norte, zona da mata, agreste
e sertão.
1) Meio Norte
2)Sertão
3)Agreste
4)Zona da Mata
Cada uma das quatro
sub-regiões apresentam
características distintas.
1) Meio Norte
2)Sertão
3)Agreste
4)Zona da Mata
Cada uma das quatro
sub-regiões apresentam
características distintas.
 Ocupa a porção leste da região Nordeste;
 O clima é tropical úmido (quente e chuvoso);
 Pluviosidade elevada (muita ch...
 Um ambiente quente e úmido favoreceu o
desenvolvimento da floresta Tropical, uma mata
exuberante e com grande diversidad...
 Localiza-se na porção do litoral nordestino que se
estende do Rio Grande do Norte até o sul da
Bahia.
 O solo de massap...
 A Mata Atlântica, uma floresta tropical, atualmente reduzida a
10% da vegetação original. O desmatamento dessa área
come...
 A construção de engenhos e de estradas que interligavam residências e
portos, facilitando o transporte de mercadorias e ...
 A cultura de tabaco instalou-se desde o séc. XVI ao redor do Recôncavo
Baiano, e era utilizada como moeda de troca no tr...
 A Zona da Mata ainda enfrenta inúmeros problemas
sociais (mortalidade infantil, analfabetismo e baixo
rendimento mensal)...
 Porém, desde a chegada dos colonizadores
ao Brasil, essa floresta tropical vem sendo
devastada;
 Atualmente, ela se enc...
IRRIGAÇÃO DE
CANA-DE-AÇÚCAR
PATOS/ PB
SALVADOR - BAHIA
RECIFE - PERNAMBUCO
• Na região Nordeste, a Zona da Mata é a região mais
populosa, mais urbanizada e mais industrializada.
• Suas principais c...
 A zona da Mata é a sub-região mais importante
economicamente da Região Nordeste e abriga
diversos ramos da indústria.
EXPLORAÇÃO DE SAL EM
MOSSORÓ - RN
EXPLORAÇÃO DE PETRÓLEO NA
BAHIA
AGRESTE
1) Meio Norte
2)Sertão
3)Agreste
4)Zona da Mata
Cada uma das quatro
sub-regiões apresentam
características distintas.
• Sub-região a oeste da Zona da Mata;
• Nela, o clima vai se tornando mais seco e, como
consequência, a paisagem também mu...
PLANALTO DA BORBOREMA
PICO DO JABRE – PLANALTO DA
BORBOREMA
 É uma estreita e alongada faixa, no sentido longitudinal, do
Rio Grande do Norte até a Bahia. Zona de transição climátic...
 Desde o período colonial, assumiu a função de fornecedora de
alimentos, couro e animais para a Zona da Mata Açucareira.
...
 No agreste setentrional, a base da economia é a policultura e
a pecuária leiteira.
 No Agreste Baiano, na parte meridio...
 Nas áreas de menor umidade são cultivados o algodão e o sisal, fibra
vegetal utilizada na construção de cordas e sacos.
...
 Estrutura fundiária composta por pequenas e médias
propriedades familiares que praticam policultura e
pecuária extensiva...
FESTA JUNINA EM
CARUARU - PE
FESTA JUNINA EM CARUARU -
PE
FESTA JUNINA EM CAMPINA GRANDE - PB
 O Agreste não sedia nenhuma capital,
mas abriga polos urbanos importantes,
como:
 Caruaru em Pernambuco,
 Campina Gran...
FEIRA DE SANTANA - BA
ARAPIRACA - ALAGOAS
CARUARU - PERNAMBUCO
CAMPINA GRANDE -
PARAÍBA
SERTÃO
1) Meio Norte
2)Sertão
3)Agreste
4)Zona da Mata
Cada uma das quatro
sub-regiões apresentam
características distintas.
SERTÃO
- Caracteriza-se pelo predomínio do clima semiárido, com ocasionais períodos
de estiagem, razão pela qual essa regi...
 É a maior sub-região do Nordeste;
 Compreende áreas de clima tropical semiárido com
temperaturas elevadas (média de 24 ...
 Devido a esse regime escasso de chuvas, o Sertão
apresenta paisagens muito diferentes da Zona-da-
Mata e do Agreste;
 S...
 Do litoral para o interior é a terceira sub-região do Nordeste
brasileiro. O clima é semiárido e a vegetação é a caating...
Os rios do sertão são intermitentes (temporários), permanecendo
alguns meses com água, e outros completamente secos. Daí ...
 Existem algumas áreas que recebem chuvas ao longo de todo
ano, apropriadas para o cultivo de milho, feijão e cana-de-
aç...
 A seca no sertão ocorre devido a dois fatores:
- O regime das massas de ar;
- Influência do relevo.
 Entre os meses de ...
 A ocorrência de chuvas nas demais áreas do Sertão
acontecem devido aos ventos alísios que sopram do
hemisfério Norte. Qu...
 Na região Nordeste encontram-se o Planalto da
Borborema e a Chapada Diamantina, que funcionam
como um bloqueio dos vento...
PLANALTO DA BORBOREMA
CHAPADA DIAMANTINA
CHAPADA DIAMANTINA
 O sertão é abrangido pelo domínio da caatinga
(que em tupi-guarani significa mata branca).
 Sua aparência esbranquiçada...
 A fauna também é diversificada, com várias
espécies de mamíferos, aves, répteis e anfíbios.
 A hidrografia do sertão é caracterizada pelo regime de
chuvas do semiárido;
 Vários rios são temporários (secam durante...
RIO SÃO FRANCISCO
AÇUDE
AÇUDE
CARACTERISTICAS
ECONÔMICAS DO SERTÃO
 Baseia-se na agricultura e na pecuária, que sofrem
diretamente os impactos das condições
climáticas, sobretudo nas estia...
 Praticada de forma extensiva em grandes
latifúndios;
 Também praticada em pequenas propriedades
com rebanho pouco numer...
• É desenvolvida a agricultura de subsistência,
basicamente nas pequenas propriedades rurais,
com técnicas tradicionais;
•...
Cultivo de soja irrigada no
sertão do Piauí.
Mulheres raspando
mandioca - Pernambuco
 É favorecida pela irrigação;
 Já se produz uva, melão, manga, maracujá,
goiaba, entre outras;
 A fruticultura desponta...
Assentamento Marrecas - Piauí
Cultivo de uva
Petrolina - PE
Cultivo de
melão no
Sertão
 A escassez prejudica principalmente os pequenos
agricultores, que possuem poucos recursos;
 Os grandes agricultores pos...
 As longas estiagens provocam prejuízos aos
pequenos agricultores que, para manterem o
sustento de suas famílias migram p...
• Desde a época do Império, o Brasil procura
minimizar os efeitos da seca no Sertão. Em 1847,
Dom Pedro II se dispôs até a...
 Clima semiárido: chuvas de entre 400 a 800 mm e temperatura entre
24º C a 28º C;
 Economia baseada na agropecuária (bov...
1) Meio Norte
2)Sertão
3)Agreste
4)Zona da Mata
Cada uma das quatro
sub-regiões apresentam
características distintas.
• Área de transição entre o clima semiárido de Sertão
e o clima equatorial da floresta Amazônica;
• O clima vai se tornand...
 Faixa de transição entre o clima semiárido e equatorial – caatinga e Amazônia;
 O ponto mais específico é no Maranhão c...
 Também conhecido como Nordeste Ocidental, é formado
por uma significativa porção dos estados do Maranhão e
do Piauí, de ...
 No Piauí, a paisagem é marcada pela presença de carnaúbas,
no Maranhão, predomina o babaçu.
 As principais praças comer...
 Nas últimas décadas, o cultivo da soja, algodão e arroz, provenientes
do Centro-Oeste, alcançaram os chapadões do Maranh...
Cerrado
Mata dos Cocais
Floresta Amazônica
 O cerrado ocupa áreas do Maranhão e do Piauí e
vem sendo intensamente transformado pela
agropecuária;
A Mata dos Cocais é a vegetação típica do Meio
Norte, onde predominam as palmeiras do babaçu e
carnaúba
 O extremo oeste do Meio-Norte apresenta
características de clima equatorial, como as da
região Norte.
 As temperaturas ...
• Folha e troncos: são utilizados para fazer a estrutura das
casas e os telhados, cestas, outros utensílios e objetos
de a...
A renda é gerada de diversas formas:
Na Mata dos Cocais:
 Atividade extrativa vegetal;
 Criação extensiva de gado
• Nas margens dos principais rios, onde os solos são mais
úmidos, desenvolve-se o cultivo de arroz de várzea,
principalmen...
• O Complexo Portuário e Industrial de São Luís, que
congrega os portos de Itaqui e da Madeira, têm
colaborado para impuls...
Modulo 15  - O Complexo Nordeste
Modulo 15  - O Complexo Nordeste
Modulo 15  - O Complexo Nordeste
Modulo 15  - O Complexo Nordeste
Modulo 15  - O Complexo Nordeste
Modulo 15  - O Complexo Nordeste
Modulo 15  - O Complexo Nordeste
Modulo 15  - O Complexo Nordeste
Modulo 15  - O Complexo Nordeste
Modulo 15  - O Complexo Nordeste
Modulo 15  - O Complexo Nordeste
Modulo 15  - O Complexo Nordeste
Modulo 15  - O Complexo Nordeste
Modulo 15  - O Complexo Nordeste
Modulo 15  - O Complexo Nordeste
Modulo 15  - O Complexo Nordeste
Modulo 15  - O Complexo Nordeste
Modulo 15  - O Complexo Nordeste
Modulo 15  - O Complexo Nordeste
Modulo 15  - O Complexo Nordeste
Modulo 15  - O Complexo Nordeste
Modulo 15  - O Complexo Nordeste
Modulo 15  - O Complexo Nordeste
Modulo 15  - O Complexo Nordeste
Modulo 15  - O Complexo Nordeste
Modulo 15  - O Complexo Nordeste
Modulo 15  - O Complexo Nordeste
Modulo 15  - O Complexo Nordeste
Modulo 15  - O Complexo Nordeste
Modulo 15  - O Complexo Nordeste
Modulo 15  - O Complexo Nordeste
Modulo 15  - O Complexo Nordeste
Modulo 15  - O Complexo Nordeste
Modulo 15  - O Complexo Nordeste
Modulo 15  - O Complexo Nordeste
Modulo 15  - O Complexo Nordeste
Modulo 15  - O Complexo Nordeste
Modulo 15  - O Complexo Nordeste
Modulo 15  - O Complexo Nordeste
Modulo 15  - O Complexo Nordeste
Modulo 15  - O Complexo Nordeste
Modulo 15  - O Complexo Nordeste
Modulo 15  - O Complexo Nordeste
Modulo 15  - O Complexo Nordeste
Modulo 15  - O Complexo Nordeste
Modulo 15  - O Complexo Nordeste
Modulo 15  - O Complexo Nordeste
Modulo 15  - O Complexo Nordeste
Modulo 15  - O Complexo Nordeste
Modulo 15  - O Complexo Nordeste
Modulo 15  - O Complexo Nordeste
Modulo 15  - O Complexo Nordeste
Modulo 15  - O Complexo Nordeste
Modulo 15  - O Complexo Nordeste
Modulo 15  - O Complexo Nordeste
Modulo 15  - O Complexo Nordeste
Modulo 15  - O Complexo Nordeste
Modulo 15  - O Complexo Nordeste
Modulo 15  - O Complexo Nordeste
Modulo 15  - O Complexo Nordeste
Modulo 15  - O Complexo Nordeste
Modulo 15  - O Complexo Nordeste
Modulo 15  - O Complexo Nordeste
Modulo 15  - O Complexo Nordeste
Modulo 15  - O Complexo Nordeste
Modulo 15  - O Complexo Nordeste
Modulo 15  - O Complexo Nordeste
Modulo 15  - O Complexo Nordeste
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Modulo 15 - O Complexo Nordeste

620 visualizações

Publicada em

Modulo 15 O Complexo Nordeste

modulo 15 o complexo nordeste ,complexos regionais ,complexo nordeste ,nordeste ,regionalização

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
620
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
65
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Modulo 15 - O Complexo Nordeste

  1. 1. 7º ano: Apostila 04 / Modulo 15 Professor Claudio Henrique Ramos Sales GEOGRAFIA
  2. 2. 1 2 3 ComplexoAmazônico ComplexoCentro-Sul ComplexoNordeste
  3. 3. COMPLEXO NORDESTE
  4. 4. As características das sub-regiões nordestinas são de fundamental importância para a compreensão das relações sociais ali estabelecidas, outros aspectos de grande importância devem ser entendidos, para que uma análise da região seja feita sem preconceitos e distorções.
  5. 5. ZONA DA MATA
  6. 6. A Região Nordeste é dividida em quatro sub regiões: meio-norte, zona da mata, agreste e sertão.
  7. 7. 1) Meio Norte 2)Sertão 3)Agreste 4)Zona da Mata Cada uma das quatro sub-regiões apresentam características distintas.
  8. 8. 1) Meio Norte 2)Sertão 3)Agreste 4)Zona da Mata Cada uma das quatro sub-regiões apresentam características distintas.
  9. 9.  Ocupa a porção leste da região Nordeste;  O clima é tropical úmido (quente e chuvoso);  Pluviosidade elevada (muita chuva) – em torno de 1.800 a 2.000 milímetros (mm). Obs.: milímetro é a unidade utilizada para medir a quantidade de chuva num local. 1mm de chuva equivale a 1 litro de água por metro quadrado.;  Temperaturas médias também altas, variando entre 24 °C e 26 °C.
  10. 10.  Um ambiente quente e úmido favoreceu o desenvolvimento da floresta Tropical, uma mata exuberante e com grande diversidade de espécies.  Essa floresta ocupava grande parte dessa sub-região, que por isso, recebeu o nome de Zona da Mata.
  11. 11.  Localiza-se na porção do litoral nordestino que se estende do Rio Grande do Norte até o sul da Bahia.  O solo de massapê, bastante fértil, rico em matéria orgânica.  O clima é tropical litorâneo úmido, com pluviometria entre 1.800 a 2.000 mm, com temperaturas oscilando entre 24ºC e 26ºC.
  12. 12.  A Mata Atlântica, uma floresta tropical, atualmente reduzida a 10% da vegetação original. O desmatamento dessa área começou no séc. XVI, com a extração do pau-brasil, em seguida pela expansão canavieira, pela cultura do tabaco e do cacau, a criação de gado e o processo de urbanização.  A produção de cana-de-açúcar, praticada em latifúndios, com mão de obra escrava, no sistema de monocultura, era destinada ao mercado consumidor europeu.
  13. 13.  A construção de engenhos e de estradas que interligavam residências e portos, facilitando o transporte de mercadorias e de escravos trazidos da África.  Algumas cidades surgiram ao redor dos engenhos, a exemplo de Maceió.  No século XVII, o açúcar produzido nas Antilhas, começou a concorrer com o açúcar brasileiro.  As criações de gado, posteriormente deslocadas para o Agreste e para o Sertão, surgiram para atender as necessidades de carne, couro e animais de tração da zona açucareira.
  14. 14.  A cultura de tabaco instalou-se desde o séc. XVI ao redor do Recôncavo Baiano, e era utilizada como moeda de troca no tráfico de escravos.  Cultivado na Zona da Mata do sul da Bahia, o cacau instalou-se, principalmente, em cidades como Ilhéus e Itabuna. Até a década de 1980 a Bahia era um dos maiores produtores, quando uma praga (vassoura de bruxa) devastou as plantações, ocasionando desemprego e diminuição da atividade econômica.  A descoberta de petróleo no Recôncavo Baiano, estimulou a implantação de indústrias, do comércio e do setor de prestação de serviços.
  15. 15.  A Zona da Mata ainda enfrenta inúmeros problemas sociais (mortalidade infantil, analfabetismo e baixo rendimento mensal).  A implementação da BR-101, na Bahia, tem contribuído para o aumento da devastação da Mata Atlântica.
  16. 16.  Porém, desde a chegada dos colonizadores ao Brasil, essa floresta tropical vem sendo devastada;  Atualmente, ela se encontra com extensas áreas substituídas por grandes lavouras monocultoras, principalmente de cana-de- açúcar e de cacau, e por áreas urbanas.
  17. 17. IRRIGAÇÃO DE CANA-DE-AÇÚCAR PATOS/ PB
  18. 18. SALVADOR - BAHIA
  19. 19. RECIFE - PERNAMBUCO
  20. 20. • Na região Nordeste, a Zona da Mata é a região mais populosa, mais urbanizada e mais industrializada. • Suas principais cidades são as capitais dos estados banhadas pelo Atlântico Leste: • Salvador, Recife, Maceió, Natal, João Pessoa e Aracaju; • Salvador e Recife são as maiores concentrações urbanas dessa sub-região.
  21. 21.  A zona da Mata é a sub-região mais importante economicamente da Região Nordeste e abriga diversos ramos da indústria.
  22. 22. EXPLORAÇÃO DE SAL EM MOSSORÓ - RN
  23. 23. EXPLORAÇÃO DE PETRÓLEO NA BAHIA
  24. 24. AGRESTE
  25. 25. 1) Meio Norte 2)Sertão 3)Agreste 4)Zona da Mata Cada uma das quatro sub-regiões apresentam características distintas.
  26. 26. • Sub-região a oeste da Zona da Mata; • Nela, o clima vai se tornando mais seco e, como consequência, a paisagem também muda; • Essa mudança climática dá origem a uma faixa de transição, denominada Agreste, que se estende entre as sub-regiões da Zona da Mata e o Sertão. • Possui um período de estiagem e outro úmido bem definidos.
  27. 27. PLANALTO DA BORBOREMA
  28. 28. PICO DO JABRE – PLANALTO DA BORBOREMA
  29. 29.  É uma estreita e alongada faixa, no sentido longitudinal, do Rio Grande do Norte até a Bahia. Zona de transição climática entre o clima úmido do litoral e o semiárido do sertão.  O solo é pedregoso, com cobertura vegetal escassa e de pequeno porte, nas áreas úmidas, encontramos a Mata Atlântica.  Os altos planaltos barram as massas de ar úmidas vindas do oceano Atlântico, ocasionando as chuvas orográficas. É uma das possíveis justificativas para as secas do sertão nordestino.
  30. 30.  Desde o período colonial, assumiu a função de fornecedora de alimentos, couro e animais para a Zona da Mata Açucareira.  A vegetação original também não foi preservada.  A expansão e desenvolvimento da policultura fizeram com que as criações de gado se transferiram ainda mais para o interior, chegando ao Sertão e ao Vale do Rio São Francisco, conhecido como “rio dos currais”.  Produtos agrícolas, como milho, arroz, feijão, algodão e café, continuam sendo produzidos no Agreste.
  31. 31.  No agreste setentrional, a base da economia é a policultura e a pecuária leiteira.  No Agreste Baiano, na parte meridional, a pecuária de corte predomina sobre a agricultura.  Nas cidades de Campina Grande, na Paraíba, Garanhuns, em Pernambuco, e Vitória da Conquista, na Bahia, áreas mais elevadas do agreste, as temperaturas no inverno são inferiores a 15°C.  As precipitações satisfatórias do agreste, viabilizando o cultivo de laranja, fumo, verduras, café, milho e feijão.
  32. 32.  Nas áreas de menor umidade são cultivados o algodão e o sisal, fibra vegetal utilizada na construção de cordas e sacos.  Nos brejos, onde a umidade é bastante elevada, cultiva-se a cana- de-açúcar e frutas em geral.  A localização privilegiada do Agreste, entre os portos e o Sertão, foi de grande importância para o surgimento de empórios comerciais.  O Agreste está sujeito a uma forte pressão demográfica por causa dos movimentos migratórios originados do Sertão, provocando a subdivisão das propriedades, chamada de “colcha de retalhos”.
  33. 33.  Estrutura fundiária composta por pequenas e médias propriedades familiares que praticam policultura e pecuária extensiva;  Acultura é muito rica e compõe forte atrativo turístico;  Possui os maiores festivais juninos do mundo, com destaque para Campina Grande e Caruaru;
  34. 34. FESTA JUNINA EM CARUARU - PE
  35. 35. FESTA JUNINA EM CARUARU - PE
  36. 36. FESTA JUNINA EM CAMPINA GRANDE - PB
  37. 37.  O Agreste não sedia nenhuma capital, mas abriga polos urbanos importantes, como:  Caruaru em Pernambuco,  Campina Grande na Paraíba,  Feira de Santana na Bahia e  Arapiraca em Alagoas
  38. 38. FEIRA DE SANTANA - BA
  39. 39. ARAPIRACA - ALAGOAS
  40. 40. CARUARU - PERNAMBUCO
  41. 41. CAMPINA GRANDE - PARAÍBA
  42. 42. SERTÃO
  43. 43. 1) Meio Norte 2)Sertão 3)Agreste 4)Zona da Mata Cada uma das quatro sub-regiões apresentam características distintas.
  44. 44. SERTÃO - Caracteriza-se pelo predomínio do clima semiárido, com ocasionais períodos de estiagem, razão pela qual essa região é também conhecida como "polígono das secas". - A palavra Sertão tem origem durante a colonização do Brasil pelos portugueses. Ao saírem do litoral brasileiro e se interiorizarem, perceberam uma grande diferença climática nessa região semiárida. Por isso a chamavam de "desertão", ocasionado pelo clima quente e seco. Logo, essa denominação foi sendo entendida como "de sertão", ficando apenas a palavra Sertão. - O primeiro processo do país de interiorização ocorreu nessa região, entre os séculos XVI e XVII, com o deslocamento da criação de gado do litoral, devido à pressão exercida pela expansão da lavoura de cana-de-açúcar, que era o principal produto de exportação da economia colonial. A área foi conquistada por povoadores com escassos recursos e o desenvolvimento da pecuária possibilitou o desbravamento nos sertões.
  45. 45.  É a maior sub-região do Nordeste;  Compreende áreas de clima tropical semiárido com temperaturas elevadas (média de 24 °C a 28 °C);  Apresenta duas estações bem definidas: uma seca e outra chuvosa;  As chuvas se concentram em apenas três ou quatro meses do ano;  Em algumas áreas a pluviosidade atinge a média de 750 mm anuais, e em algumas áreas chove menos de 500 mm ao ano.
  46. 46.  Devido a esse regime escasso de chuvas, o Sertão apresenta paisagens muito diferentes da Zona-da- Mata e do Agreste;  Sua vegetação é resistente e adaptada à seca: - Para evitar a perda de umidade muitas plantas perdem as folhas; - Outras apresentam apenas espinhos; - Muitas espécies armazenam água nos caules ou raízes para utilizar no período mais seco.
  47. 47.  Do litoral para o interior é a terceira sub-região do Nordeste brasileiro. O clima é semiárido e a vegetação é a caatinga, acinzentada pela estiagem, com predomínio das xerófitas, plantas que se adaptam a escassez de água.  As chuvas são inferiores a 1.000 milímetros.  O Polígono das Secas, corresponde a uma área de 10% do território brasileiro. O desmatamento, o aquecimento global e o efeito estufa, estão provocando o aumento das áreas afetadas pela estiagem.
  48. 48. Os rios do sertão são intermitentes (temporários), permanecendo alguns meses com água, e outros completamente secos. Daí surge a necessidade da construção de açudes, com a finalidade de acumular água para enfrentar os períodos de seca. A economia do sertão, sempre baseou-se na criação de gado e na produção de algodão, esta principalmente no Ceará e no Rio Grande do Norte. As técnicas de irrigação, possibilitaram a fruticultura, como a manga, o abacaxi, o melão e a uva, vendidas para o mercado externo.
  49. 49.  Existem algumas áreas que recebem chuvas ao longo de todo ano, apropriadas para o cultivo de milho, feijão e cana-de- açúcar, no Vale do Cariri, no Ceará, de Triunfo, em Pernambuco, e de Teixeira, na Paraíba, verdadeiros oásis verdejantes.
  50. 50.  A seca no sertão ocorre devido a dois fatores: - O regime das massas de ar; - Influência do relevo.  Entre os meses de outubro e março podem, ocasionalmente, ocorrer na porção sul do Sertão chuvas provocadas pela ação das frentes frias que atingem o Sudeste.
  51. 51.  A ocorrência de chuvas nas demais áreas do Sertão acontecem devido aos ventos alísios que sopram do hemisfério Norte. Quando são mais intensos, esses ventos provocam chuvas no Sertão entre os meses de março e maio.
  52. 52.  Na região Nordeste encontram-se o Planalto da Borborema e a Chapada Diamantina, que funcionam como um bloqueio dos ventos quentes e úmidos do leste.  Ao se aproximar dessas elevações, o ar quente e úmido ascende e resfria, procando chuvas na porção leste dessas barreiras (no Agreste e Zona-da-Mata). Quando esses ventos chegam ao Sertão já estão com pouca umidade, o que dificulta as chuvas
  53. 53. PLANALTO DA BORBOREMA
  54. 54. CHAPADA DIAMANTINA
  55. 55. CHAPADA DIAMANTINA
  56. 56.  O sertão é abrangido pelo domínio da caatinga (que em tupi-guarani significa mata branca).  Sua aparência esbranquiçada e sem folhas ocorre apenas nos períodos de estiagens, nos curtos períodos de chuva a aparência da caatinga se modifica.
  57. 57.  A fauna também é diversificada, com várias espécies de mamíferos, aves, répteis e anfíbios.
  58. 58.  A hidrografia do sertão é caracterizada pelo regime de chuvas do semiárido;  Vários rios são temporários (secam durante as grandes estiagens) da mesma forma que enchem rapidamente na época das chuvas;  Existe grande número de açudes para armazenar água;  Um importante rio perene (que não seca) é o São Francisco
  59. 59. RIO SÃO FRANCISCO
  60. 60. AÇUDE
  61. 61. AÇUDE
  62. 62. CARACTERISTICAS ECONÔMICAS DO SERTÃO
  63. 63.  Baseia-se na agricultura e na pecuária, que sofrem diretamente os impactos das condições climáticas, sobretudo nas estiagens.
  64. 64.  Praticada de forma extensiva em grandes latifúndios;  Também praticada em pequenas propriedades com rebanho pouco numeroso;  Destaque para a criação de caprinos, que são mais resistentes ao clima semiárido;  O Nordeste possui o maior rebanho caprino do país, com cerca de 10 milhões.
  65. 65. • É desenvolvida a agricultura de subsistência, basicamente nas pequenas propriedades rurais, com técnicas tradicionais; • Áreas mais úmidas, como encostas das serras e vales fluviais são favoráveis à agricultura; • Nessas áreas cultiva-se: milho, feijão, arroz e mandioca. • Nas lavouras comerciais destaca-se o algodão e a soja irrigada (no oeste da Bahia), principalmente para atender ao mercado externo
  66. 66. Cultivo de soja irrigada no sertão do Piauí.
  67. 67. Mulheres raspando mandioca - Pernambuco
  68. 68.  É favorecida pela irrigação;  Já se produz uva, melão, manga, maracujá, goiaba, entre outras;  A fruticultura desponta como um dos setores mais promissores da região Nordeste, e tem gerado milhares de emprego, beneficiando muitas famílias.
  69. 69. Assentamento Marrecas - Piauí
  70. 70. Cultivo de uva Petrolina - PE
  71. 71. Cultivo de melão no Sertão
  72. 72.  A escassez prejudica principalmente os pequenos agricultores, que possuem poucos recursos;  Os grandes agricultores possuem renda o suficiente para pagar os gastos com irrigação.  Para amenizar os efeitos da seca o sertanejo conta com poços artesianos e açudes.
  73. 73.  As longas estiagens provocam prejuízos aos pequenos agricultores que, para manterem o sustento de suas famílias migram para outras áreas.  Essa situação foi retratada pelo pintor brasileiro Cândido Portinari.
  74. 74. • Desde a época do Império, o Brasil procura minimizar os efeitos da seca no Sertão. Em 1847, Dom Pedro II se dispôs até a vender as jóias da coroa para levar água do Rio São Francisco para a região; • No século XX a transposição foi cogitada mais três vezes: em 1980, 1990 e 2000. • Obra do Governo Federal iniciou as obras em julho de 2007.
  75. 75.  Clima semiárido: chuvas de entre 400 a 800 mm e temperatura entre 24º C a 28º C;  Economia baseada na agropecuária (bovina e caprinos > do Brasil);  Agricultura de subsistência; nas pequenas propriedades rurais com técnicas tradicionais;  Em poucas áreas, destaca-se o cultivo comercial de algodão e soja;  A seca gera um transtorno sem fim, prejudicando a vida das pessoas do campo. Alguns projetos são pensados, como: adutoras, transposição do rio São Francisco. A quem diga que no subsolo do polígono da seca, haja mais de 2,1 bilhões de m³ de água no lençol subterrâneo
  76. 76. 1) Meio Norte 2)Sertão 3)Agreste 4)Zona da Mata Cada uma das quatro sub-regiões apresentam características distintas.
  77. 77. • Área de transição entre o clima semiárido de Sertão e o clima equatorial da floresta Amazônica; • O clima vai se tornando mais úmido do Sertão em direção ao oeste, e a caatinga cede lugar a outros tipos de vegetação: - Primeiramente o cerrado, depois a mata dos cocais (que se caracteriza como uma vegetação de transição) e, por fim, a floresta Amazônica.
  78. 78.  Faixa de transição entre o clima semiárido e equatorial – caatinga e Amazônia;  O ponto mais específico é no Maranhão com a mata dos Cocais, uma vegetação que destaca como principal vegetação o babaçu e a carnaúba;  A atividade é voltada para a extração da árvore, pois a mesma tem como apelido, a “árvore da vida”, pois dela tudo se aproveita;  Nas várzeas dos rios, a mata é substituída pelo cultivo do arroz. Também a espaço para a soja, mandioca, milho e algodão;  A soja utiliza alta tecnologia introduzida por migrantes gaúchos, com pivôs de irrigação, fertilizantes, sementes selecionadas, máquinas modernas, etc;  Faz parte hoje do Corredor de Exportação Norte, extensa área geográfica que conta com cidades atendidas por um sistema de transportes, integrando rodovias, hidrovias e ferrovias.
  79. 79.  Também conhecido como Nordeste Ocidental, é formado por uma significativa porção dos estados do Maranhão e do Piauí, de transição climática entre o Sertão semiárido e a Amazônia úmida.  A Floresta Equatorial predomina no oeste do Meio-Norte, o Cerrado ao sul, a Caatinga a Leste e a Mata dos Cocais de Babaçu no centro-oeste. A Mata dos Cocais de Babaçu, mata de transição entre a Caatinga e a Floresta Amazônica.
  80. 80.  No Piauí, a paisagem é marcada pela presença de carnaúbas, no Maranhão, predomina o babaçu.  As principais praças comerciais e centros de redistribuição dos produtos adquiridos no sudeste com direção a Amazônia são as cidades de Teresina, no Piauí, e Imperatriz, no Maranhão.  A pecuária foi a base para o povoamento do Piauí e Maranhão, que juntamente com o arroz ocupam lugar de destaque na agropecuária regional.
  81. 81.  Nas últimas décadas, o cultivo da soja, algodão e arroz, provenientes do Centro-Oeste, alcançaram os chapadões do Maranhão e do Piauí, introduzindo a agricultura mecanizada. Essa atividade tem atraído um grande número de agricultores sulistas, principalmente para Balsas no Maranhão e em alguns municípios do Piauí.  São Luís tem passado por grandes transformações, pois foram construídos os terminais portuários de Itaqui e Ponta da Madeira, responsáveis pela exportação de produtos agrícolas, como a soja, e minério proveniente da Serra dos Carajás, no Pará.
  82. 82. Cerrado
  83. 83. Mata dos Cocais
  84. 84. Floresta Amazônica
  85. 85.  O cerrado ocupa áreas do Maranhão e do Piauí e vem sendo intensamente transformado pela agropecuária;
  86. 86. A Mata dos Cocais é a vegetação típica do Meio Norte, onde predominam as palmeiras do babaçu e carnaúba
  87. 87.  O extremo oeste do Meio-Norte apresenta características de clima equatorial, como as da região Norte.  As temperaturas elevadas e o alto índice de pluviosidade (cerca de 2000 mm) são garantidos pela presença da floresta Amazônica, que libera muita umidade.
  88. 88. • Folha e troncos: são utilizados para fazer a estrutura das casas e os telhados, cestas, outros utensílios e objetos de artesanato; • Casca dos frutos: carvão para os fogões das residências e dos fornos de cerâmica; • Polpa do babaçu: mingau, base da alimentação de crianças; • Amêndoa do babaçu: óleo usado como combustível e lubrificante; • Folha da carnaúba: cêra natural de alto valor comercial, empregada em vários ramos industriais.
  89. 89. A renda é gerada de diversas formas: Na Mata dos Cocais:  Atividade extrativa vegetal;  Criação extensiva de gado
  90. 90. • Nas margens dos principais rios, onde os solos são mais úmidos, desenvolve-se o cultivo de arroz de várzea, principalmente no Maranhão, que é um dos maiores produtores do país; • Nas áreas mais secas é cultivado mandioca, milho e algodão; • A soja foi introduzida por migrantes, principalmente gaúchos, que utilizam alta tecnologia.
  91. 91. • O Complexo Portuário e Industrial de São Luís, que congrega os portos de Itaqui e da Madeira, têm colaborado para impulsionar o crescimento dessa sub-região. • O Porto de Itaqui é fundamental para as exportações agrícolas; • No Porto da Madeira é embarcado todo o minério de ferro, cobre e manganês extraído na Serra dos Carajás, no Pará.

×