As construções que se afastam das estruturas
regulares e que visam transmitir à frase mais

concisão, expressividade ou el...
 Elipse: é a omissão de um termo ou oração que

facilmente subentender no contexto. É uma
espécie de economia de palavras...
 PLEONASMO: é o emprego de palavras com

o fim de reforçar o enfatizar a expressão.

Exemplo:
* Foi o que vi com os meus ...
 Polissíndeto: é a repetição intencional do

conectivo coordenativo (geralmente a
conjunção e). É particularmente eficaz ...
 Inversão: Consiste em alterar a ordem

normal dos termos ou orações com o fim
de lhes dar destaque.

Exemplo:
* “Passari...
 Anacoluto: É a quebra ou interrupção do fio

da frase, ficando termos sintaticamente
desligados do período, sem função. ...
 Silepse: Ocorre esta figura quando efetuamos a

concordância não com os termos expressos mas
com a ideia a eles associad...
 Onomatopeia: Consiste no aproveitamento de

palavras cuja pronúncia imita o som ou a voz
natural dos seres. É um recurso...
 Repetição: Consiste em reiterar (repetir) palavras

ou orações para intensificar ou enfatizar a
afirmação ou sugerir ins...
Figuras de construção
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Figuras de construção

3.169 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.169
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
70
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Figuras de construção

  1. 1. As construções que se afastam das estruturas regulares e que visam transmitir à frase mais concisão, expressividade ou elegância, dá-se o nome de figuras de construção ou sintaxe.
  2. 2.  Elipse: é a omissão de um termo ou oração que facilmente subentender no contexto. É uma espécie de economia de palavras. Exemplo: * João estava com pressa. Preferiu não entrar. * As mãos erram pequenas e os dedos, delicados.
  3. 3.  PLEONASMO: é o emprego de palavras com o fim de reforçar o enfatizar a expressão. Exemplo: * Foi o que vi com os meus próprios olhos. * Detalhes tão pequenos de nós dois.
  4. 4.  Polissíndeto: é a repetição intencional do conectivo coordenativo (geralmente a conjunção e). É particularmente eficaz para sugerir movimentos contínuos ou séries de ações que se sucedem rapidamente. Exemplo: * “Trejeita, e canta, e ri nervosamente.” * “Mão gentil, mas cruel, mas traiçoeira.”
  5. 5.  Inversão: Consiste em alterar a ordem normal dos termos ou orações com o fim de lhes dar destaque. Exemplo: * “Passarinho, desisti de ter.” * “Tão leve estou que sombra tenho.”
  6. 6.  Anacoluto: É a quebra ou interrupção do fio da frase, ficando termos sintaticamente desligados do período, sem função. O termo sem nexo sintático coloca-se, em geral, no início da frase para se lhe dar realce. Exemplo: * “Essas criadas de hoje não se pode confiar nelas.” * A rua onde moras, nela é que desejo morar.
  7. 7.  Silepse: Ocorre esta figura quando efetuamos a concordância não com os termos expressos mas com a ideia a eles associada em nossa mente. A silepse, ou concordância ideológica, pode ser: a) De gênero: Vossa Majestade será informado acerca de tudo. b) De número: “Corria gente de todos os lados, e gritavam.” c) De pessoa: Ele e eu temos a mesma opinião.
  8. 8.  Onomatopeia: Consiste no aproveitamento de palavras cuja pronúncia imita o som ou a voz natural dos seres. É um recurso fonêmico ou melódico que a língua proporciona ao escritor. Exemplo: * “ Pedrinho, sem mais palavras, deu rédea e, lept! lept! arrancou estrada afora.”
  9. 9.  Repetição: Consiste em reiterar (repetir) palavras ou orações para intensificar ou enfatizar a afirmação ou sugerir insistência, progressão: Exemplo: * “O surdo pede que repitam, que repitam a última frase.” * “Tudo, tudo parado: parado e morto.”

×