Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amapá
Diretor-geral: Klenilmar Lopes
Docente: Fátima dos Santos
Dis...
Introdução

O presente trabalho tem como objetivo geral mostrar a cerca do tema poluição
e como objetivo específico o que ...
irão se acabar tornando a vida insustentável na Terra extinguindo,
possivelmente, a raça humana.
Isso deve ficar esclareci...
negativamente na vida do ser humano. O dia 14 do mês de agosto foi o dia
designado para que represente O dia do Combate a ...
O QUE É POLUIÇÃO?

O termo “poluição” refere-se à degradação do ambiente por um ou mais fatores
prejudiciais à saúde deste...
QUAIS OS TIPOS?
Poluição sonora: a poluição sonora é aquela causada pelo excesso de ruídos
como aqueles causados pelos car...
Poluição do solo: todo resíduo que é despejado no solo sem cuidado algum
(o que não é o caso de aterros sanitários, por ex...
desaprovação de 55% da população quanto à forma como os resíduos são
gerenciados. E quase 80% da população européia concor...
a asma e também afetar os olhos, o nariz e a garganta. A sujidade e a fuligem
do ar podem entrar para os olhos das pessoas...
que passa ele vem se agravando mais e mais, causando aumento na
temperatura do planeta, além de o ecossistema sofrer grand...


Mutações genéticas;



Necrose de tecidos;



Propagação de doenças infecciosas

A RELAÇÃO DE POLUIÇÃO AO ESTADO DO A...
componentes do grupo ao qual foi estipulado que perante a pesquisa haveria
uma relação com da mesma com o Estado do Amapá....
-

remoção de areia (caixa de areia)

Tratamento primário:
-

decantação de sólidos;

-

remoção de lodo (decantador primá...
Como já foi mencionado, a qualidade da água de um manancial depende dos
usos e atividades que se desenvolvem em sua bacia ...
proporcionam a preservação. E fomentação da vegetação, às margens
dos recursos hídricos, garantindo a proteção da fauna e ...
(e) Controle da Erosão do Solo
A erosão do solo resulta no carreamento de partículas do mesmo para os
corpos d'água, alter...
Uma forma de reduzir a carga poluidora de indústrias é promover
alterações no processamento, de modo a diminuir a produção...
Conclusão:
Através dessa desse trabalho percebemos a importância do controle da
poluição no nosso dia a dia, além das conc...
Assim, para que consigamos garantir um futuro digno ao nosso planeta e,
consequentemente, às gerações de populações vindou...
repentinamente e com isso aumenta a preocupação da população e dos órgãos
competentes e também vários outros acontecimento...
REFERENCIAS:
IMPLANTAÇÃO DE SOLUÇÕES PARA A DIMINUIÇÃO DA POLUIÇÃO
Disponível em: <http://www.ufv.br/dea/lqa/controle.htm>...
ANEXOS:

Poluição do ar

Diminuição do gás carbônico.

22
Fumaça- um malefício para a saúde

Poluição dos rios

23
Poluição dos rios

Poluição visual

24
Poluição visual

Poluição no Amapá

25
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

A poluição e sua relação com o estado do amapá

2.242 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.242
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
13
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
19
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A poluição e sua relação com o estado do amapá

  1. 1. Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amapá Diretor-geral: Klenilmar Lopes Docente: Fátima dos Santos Discentes: Bianca de Almeida Farias Jean Francisco de Oliveira Carvalho Ribeiro Maria Eduarda Costa do Nascimento Yasmin Lorrane de Souza Araujo Componente Curricular: Geografia Curso: Técnico em Edificações Módulo/Série: 1º Ano Turma: 2011-A Data: 29/10/2013 Macapá-AP 2013
  2. 2. Introdução O presente trabalho tem como objetivo geral mostrar a cerca do tema poluição e como objetivo específico o que ele vem a causar na vida do ser humano, como acontece isso, como isso afeta a vida em geral e como podemos amenizá-lo para que isso não contribua também para outros fatores que possam vir a danificar a vida e o meio ambiente. Mostraremos a relação de poluição com o estado do Amapá, que por estar na fase de crescimento, tanto na parte estrutural quanto populacional, se houve uma mudança brusca no que se refere a poluição, se a partir do seu processo de desenvolvimento houve essa influência para que ocorresse o aumento da poluição no estado. Faremos essa relação entre poluição e sua influência no estado do Amapá após fazermos umas conceituações ao que significa poluição. O termo poluição é algo de bastante importância e bastante complexo, definimos poluição como o ato de estarmos, através de resíduos, digamos que “sujando” o meio ao qual vivemos, mas esse termo vai muito, além disso. Há além da definição geral, outras definições sobre o que seria poluição ao qual entra a questão das suas subdivisões ou tipos de poluição. Esses tipos variam de acordo com o meio ao qual é designado como, por exemplo, a poluição atmosférica, poluição que ocorre na atmosfera do planeta e causa a diminuição da camada de ozônio, assim como outros tipos. Voltando a parte da relação com o estado do Amapá, faremos um levantamento para verificar se a partir do processo de urbanização, expansão, desenvolvimento em geral se houve também um aumento, diminuição ou até uma estabilidade da poluição dentro do estado do Amapá e se há órgãos que tenham planos que visam o combate da poluição dentro do estado ou até mesmo o governo estar propondo programas que visam o controle ou até o fim da poluição tudo isso visando o não só o bem do estado, mas como o bem da biodiversidade do planeta. Perceberemos através desse trabalho que há uma relação do termo poluição com outros temas como a atmosfera, a água, o solo, e que ela pode influenciar na vida dos seres que neles habitam e que se ocorrer um possível desequilíbrio nesses chamados ecossistemas isso irá influenciar na vida existente no planeta terra. Há muitas pessoas que não dão a mínima importância para temas relacionados à preservação da natureza, infelizmente, que pensam que os recursos que temos, apesar de serem abundantes, não irão sofrer nenhum tipo de extinção, mas segundo estudos de diversos cientistas, se não houver um controle para que ocorra a diminuição de emissão de poluentes nos ecossistemas do planeta Terra, todos os recursos disponíveis no nosso planeta 2
  3. 3. irão se acabar tornando a vida insustentável na Terra extinguindo, possivelmente, a raça humana. Isso deve ficar esclarecido na mente de cada ser humano que neste planeta habita que um simples tema relaciona vários outros, e que tem que haver o controle da poluição na nossa vida. A partir de varias pesquisas relacionadas ao tema verificamos que há locais onde o grau de poluição cresce repentinamente e com isso aumenta a preocupação da população e dos órgãos competentes e também vários outros acontecimentos como, por exemplo, a chuva acida que ocorre nas regiões metropolitanas do estado de São Paulo e a diminuição da camada de Ozônio no planeta. Dentro da questão de como a poluição pode interferir na vida do ser humano veremos as principais doenças causadas por essa poluição ocorrida no nosso cotidiano, são elas as principais causas dessa interferência do ser causando malefícios ao nosso organismo podendo até nos levar a óbito. São doenças respiratórias, que implicam diretamente as nossas vias aéreas e também pelo uso do ar condicionado sem a sua devida manutenção, doenças causadas por ácaros, considerados os poluentes biológicos, e também pelo alto grau de poluição nas grandes cidades que influenciam diretamente no corpo do ser humano que se não forem logo tratados terão até um serio problema ou a contaminação de outros seres saudáveis. Nestes tempos de constante preocupação com o aquecimento global e suas conseqüências, o combate à poluição torna-se uma missão a ser cumprida diariamente. Com frequência a população em geral culpa as autoridades e as indústrias pela poluição do meio-ambiente, transferindo-lhes a responsabilidade pelos danos causados à natureza. Entretanto, na guerra para salvar o planeta, a população é o principal soldado. Atitudes simples do cotidiano podem contribuir de forma significativa para minimizar a poluição. Faça sua parte: Separe o lixo reciclável, não coloque pilhas e baterias na coleta seletiva. Há postos específicos para isto, evite fazer frituras e sempre jogue o óleo de cozinha utilizado nos postos de coleta apropriados, use papel reciclado, economize água e luz, troque as sacolas plásticas de supermercado por sacolas reutilizáveis, sempre que possível, deixe o automóvel na garagem. Dê preferência aos transportes coletivos e às caminhadas, use e incentive o uso da bicicleta como meio de transporte, e reivindique junto às autoridades locais a construção de ciclovias, plante árvores nativas. São atitudes como essas que visam o bem do meio ambiente ao qual vivemos, e a partir disso foi criado o dia do combate a poluição para que haja uma conscientização da população para a diminuição não só da poluição, mas como de outros meios que podem vir a prejudicar o meio ambiente e influenciando 3
  4. 4. negativamente na vida do ser humano. O dia 14 do mês de agosto foi o dia designado para que represente O dia do Combate a Poluição, o dia que é direcionado a ajudar a diminuir essa emissão de poluentes no planeta Terra visando a preservação da biosfera. Prosseguiremos então com a elaboração da nossa pesquisa através de tudo que enunciamos anteriormente para a melhor compreensão do que seria o significado dessa palavra poluição, suas subdivisões, suas características e como ela vem a influenciar a vida de nós seres humanos. 4
  5. 5. O QUE É POLUIÇÃO? O termo “poluição” refere-se à degradação do ambiente por um ou mais fatores prejudiciais à saúde deste. Ela pode ser causada pela liberação de matéria, e também de energia (luz, calor, som): os chamados poluentes. Poluição sonora, térmica, atmosférica, por elementos radioativos, por substâncias não biodegradáveis, por derramamento de petróleo e por eutrofização, são alguns exemplos. Problemas neuropsíquicos e surdez; alterações drásticas nas taxas de natalidade e mortalidade de populações, gerando impactos na cadeia trófica; morte de rios e lagos; efeito estufa; morte por asfixia; destruição da camada de ozônio; chuvas ácidas e destruição de monumentos e acidificação do solo e da água; inversão térmica; mutações genéticas; necrose de tecidos; propagação de doenças infecciosas, dentre outras, são apenas algumas das consequências da poluição. O marco desse problema foi a Revolução Industrial, trazendo consigo a urbanização e a industrialização. Com a consolidação do capitalismo, propiciado por este momento histórico, o incentivo à produção e acúmulo de riquezas, aliada à necessidade aparente de se adquirir produtos novos a todo o momento, fez com que a idéia de progresso surgisse ligada à exploração e destruição de recursos naturais. Como se não bastasse este fato, a grande produção de lixo gerado por esta forma de consumo ligada ao desperdício e descarte, faz com que tenhamos consequências sérias. A fome e a má qualidade de vida de alguns, em detrimento da riqueza de outros, mostra que nosso planeta realmente não está bem. Em um mundo onde a maior parte de lixo produzido é de origem orgânica, muitas pessoas têm, como única fonte de alimento, aquele oriundo de lixões a céu aberto. Assim, para que consigamos garantir um futuro digno ao nosso planeta e, consequentemente, às gerações de populações vindouras, devemos repensar nossa forma de nos relacionarmos com o mundo. O simples fato de, por exemplo, evitarmos sacolas e materiais descartáveis feitos de plástico, poderia ter impedido a formação da camada flutuante de 1000 km com 10 metros de profundidade que compromete a vida de organismos que têm o Oceano Pacífico como habitat. 5
  6. 6. QUAIS OS TIPOS? Poluição sonora: a poluição sonora é aquela causada pelo excesso de ruídos como aqueles causados pelos carros, máquinas e etc., bastante comuns nos grandes centros urbanos e aos quais o homem, de certa forma, acabou se acostumando (o que na signifique que não seja prejudicial). Segundo a OMS (Organização Mundial de Saúde) o limite máximo tolerável para a saúde humana é de 65dB. O efeito sobre a saúde humana dependerá, contudo, do nível de ruído e do tempo de exposição. Por exemplo, uma pessoa que trabalhe 8 horas por dia, todos os dias, com ruídos do nível de 85dB, após dois anos, apresentará, com certeza, problemas auditivos causados pela poluição sonora. Uma forma de amenizar a poluição sonora é a utilização de equipamentos de segurança (fones de ouvido, por exemplo) e a aplicação de tecnologias menos ruidosas ou que abafem os ruídos. Poluição visual: outra grande fonte de poluição, principalmente nos meios urbanos é a poluição visual. As imagens de outdoors, cartazes, e diversos outros meios de comunicação servem para transmitir informações, entretanto, o uso excessivo destes recursos pode ser considerado poluição. O tema “poluição visual” é algo ainda bastante novo e, talvez por isso, ainda muito controverso. De um lado, estão os que defendem que o excesso de propagandas e informações causa inúmeros problemas (como stress, desconforto visual, distração para os motoristas, etc.) e de outro estão aqueles que acreditam que isso tudo não passa de um “policiamento estético” do meio urbano. Poluição atmosférica: a poluição atmosférica é aquele que afeta as condições do ar que respiramos. Suas principais fontes são as indústrias e os automóveis que lançam diversos tipos de gases na atmosfera como o dióxido de carbono, óxidos de enxofre e materiais particulados. Estes gases podem causar diversos danos à saúde humana como doenças respiratórias e alergias que são especialmente graves para crianças e idosos. Poluição da água: a poluição dos corpos hídricos (rios, lagos, etc.) é talvez a mais comum de todas as poluições. Durante toda a sua historia o homem sempre procurou locais próximos a cursos d’água para se estabelecer e acabou comprometendo a qualidade das águas ao lançar esgotos de indústrias, residências, e toda sorte de empreendimentos. Atualmente existem leis que proíbem este tipo de destinação para os esgotos, mas ainda são muitos os locais onde isso acontece devido, dentre outras coisas, à fiscalização deficiente. Outro agravante é que praticamente toda forma de poluição atmosférica e do solo acaba indo parar na água quando ocorrem as chuvas. 6
  7. 7. Poluição do solo: todo resíduo que é despejado no solo sem cuidado algum (o que não é o caso de aterros sanitários, por exemplo) caracteriza um tipo de poluição. Os conhecidos “lixões”, locais para onde eram levados os resíduos produzidos em uma cidade, e que hoje em dia são ilegais, constituem uma fonte de poluição do solo assim como os agrotóxicos e defensivos agrícolas que, se usados indiscriminadamente podem provocar a contaminação do solo e, na ocorrência de chuva, dos corpos hídricos (quando a água da chuva arrasta para os rios e lençóis freáticos toda a poluição que estava no solo). Poluição Nuclear: A poluição nuclear é causada pela destinação incorreta ou vazamento de resíduos radioativos proveniente de diversas fontes que utilizam a energia nuclear, como, por exemplo, as usinas nucleares ou aparelhos de raios-x, e se caracteriza pelo alto grau de periculosidade devido à capacidade de causar alterações nas estruturas das células provocando, assim, alterações no organismo como um todo. Na prática, o lixo nuclear polui menos do que o lixo comum produzido pelas indústrias e residências porque o primeiro possui um rigoroso controle de destinação e gerenciamento enquanto que o segundo encontra-se em qualquer lugar e, embora legalmente devesse, não é bem gerenciado. A grande e importante diferença é que o lixo nuclear possui a capacidade de permanecer ativo por milhares de anos exigindo o monitoramento constante e, no caso de acidentes as conseqüências são muito piores podendo, inclusive, causar danos por várias gerações, como no caso do acidente com o Césio-137 em Goiânia para o qual foi criada uma Superintendência permanente para tratar das vítimas do acidente (Superintendência Leide das Neves). O principal argumento da corrente contra a energia nuclear é justamente o perigo de que acidentes como esse, voltem a acontecer. Com a criação de novas usinas termonucleares para geração de energia a quantidade de resíduos que deverá ser estocada, também aumentará. Esses resíduos são provenientes não apenas das usinas termonucleares, mas durante todo o processo, desde a fase de mineração até a fase final de reprocessamento do combustível nuclear, quando o urânio não queimado do reator e o plutônio gerado são separados dos produtos formados na fissão. Esses resíduos serão classificados de acordo com o nível de radioatividade sendo classificados como baixa média ou alta atividade e armazenados segundo normas da CNEN (Comissão Nacional de Energia Nuclear). Mas, mesmo assim permanecerão por um bom tempo como uma potencial fonte de poluição e perigo. De fato, a grande resistência atual quanto à utilização da energia nuclear concentra-se na produção e gerenciamento dos resíduos radioativos gerados pelas usinas. A França, que atualmente tem cerca de 80% de suas necessidades energéticas supridas por usinas nucleares, conta com a 7
  8. 8. desaprovação de 55% da população quanto à forma como os resíduos são gerenciados. E quase 80% da população européia concordam que não há uma forma segura de descartar os resíduos nucleares. Entretanto, antecipando-se às iniciativas da Comunidade Européia de tentar acelerar as discussões a respeito, a França lança mão de incentivos fiscais para as cidades que se dispuserem a receber os resíduos gerados por suas usinas nucleares e aprova uma lei onde estipula que os resíduos serão armazenados em abrigos subterrâneos, traçando um cronograma para cumprir seu objetivo até 2015. Inclusive, um dos argumentos daqueles que são a favor da implementação de um programa energético baseado na energia nuclear argumentam que a tecnologia evoluiu muito nos últimos anos tornando as usinas termonucleares muito mais seguras. Com certeza, se compararmos as termoelétricas movidas à energia nuclear com aquelas movidas a carvão, que respondem por 53% da energia gerada nos EUA, por exemplo, chegaremos à conclusão óbvia de que a primeira polui muito menos, visto que a segunda emite níveis de CO 2 (dióxido de carbono) altíssimos, sendo um dos principais responsáveis pelo efeito estufa. Conclusão óbvia, mas que, porém não exclui as formas de energia alternativas como a energia eólica ou biomassa (ver bicombustíveis) que, de fato não poluem. Só o Japão produz anualmente mais de 1 tonelada de resíduos radioativos que são enviados para França e Reino Unido para o reprocessamento. Ou seja, a energia nuclear polui sim. O que acontece é que isso pode ser evitado armazenando-se e monitorando os resíduos. Situação que, porém, eleva e muito, os custos da energia nuclear. QUAIS AS CONSEQUENCIAS PARA O SER HUMANO? Doenças: - Os raios ultravioletas do sol “invadiram” a terra provocando graves tipos de cancros de pele. - Os olhos poderão ser afetados levando á cegueira. - O sistema imunitário também poderá ser afetado, sendo possível que se torne menos resistente a certas infecções virais. A Poluição provocada pelos carros não afeta apenas a atmosfera; pode também por em risco a nossa saúde. O Smog (nevoeiro fotoquímico) e outros poluentes do Ar podem causar irritações de pele, problemas respiratórios como 8
  9. 9. a asma e também afetar os olhos, o nariz e a garganta. A sujidade e a fuligem do ar podem entrar para os olhos das pessoas ou causar irritações na pele. O chumbo dos fumos dos tubos de escape pode danificar os rins e o sistema nervoso. O monóxido de carbono impede o sangue de absorver oxigênio em quantidade suficiente. As pessoas sentem-se cansadas e não conseguem pensar ou agir com rapidez. Níveis muito altos do chumbo no ar são perigosos para as mulheres grávidas e podem ainda prejudicar o desenvolvimento normal do Cérebro das crianças. Minúsculas partículas de carbono não queimado são produzidas com o uso de gasóleo e suspeita-se que sejam causadoras de cancro. As pessoas que vivem ou trabalham perto de locais com tráfego pesado podem sofrer de dores de cabeça e até mesmo danos auditivos permanentes por causa do ruído dos motores dos veículos. Assim, apelamos a toda a população do Mundo inteiro, que não poluam o Ambiente, pois é preciso proteger o nosso futuro. São vários os elementos que condicionam a vida humana e que contribuem para a boa saúde dos indivíduos, o ar é um deles. Quando este ar se encontra poluído o nível de vida das populações desce. Mas de que forma é que os poluentes afetam o Homem? Que parte concreta do corpo humano é atingida e que doenças estes poluentes acarretam? E quais as faixas etárias ou grupos mais atingidos? Bom, segundo estudos: Os efeitos dos poluentes podem ir desde desconforto até à morte. Para medi-los são feitos testes a curto e em longo prazo. As partículas poluentes podem ter efeitos imediatos provocando a irritação das vias respiratórias podendo haver mesmo necessidade de hospitalização. Nem todos os indivíduos são afetados do mesmo modo pelos poluentes; um indivíduo que se encontre em quimiostasia, isto é, perfeitamente saudável, só irá sentir os efeitos da poluição em longo prazo. Contudo, um indivíduo que não esteja saudável a sua resistência aos poluentes pode diminuir em curto prazo. Do mesmo modo, as crianças, idosas e grávidas têm uma maior probabilidade de serem afetadas pela poluição. QUAIS AS CONSEQUÊNCIAS PARA O MEIO AMBIENTE? São muitas as consequências que são geradas pela poluição, o aumento da poluição, muitas vezes causadas por ações humanas, gera grande preocupação por suas consequências causar grandes danos à natureza e também ao homem. Todos os dias nos pegamos reclamando do elevado grau na temperatura, ou da grande quantidade de chuva em pouco tempo, esses são alguns exemplos resultantes das consequências que a poluição nos traz. Uma grande preocupação quanto à poluição, é o efeito estufa, que a cada dia 9
  10. 10. que passa ele vem se agravando mais e mais, causando aumento na temperatura do planeta, além de o ecossistema sofrer grandes mudanças, as quais ameaçam o planeta a se deteriorar aos poucos. Estudos da Comissão Mundial de Água e de outros organismos internacionais demonstram que cerca de 3 bilhões de habitantes em nosso planeta estão vivendo sem o mínimo necessário de condições sanitárias. Um milhão não tem acesso à água potável, outra grande consequência pelo auto índice de poluição, que devido aos graves problemas, muitas cidades estão ficando expostas à diversas doenças que prejudicam a saúde da população, exemplos como diarreia, esquistossomose, hepatite e febre tifoide, doenças que segundo pesquisas constatada, matam mais de 5 milhões de pessoas por ano, quantidade de doentes que ultrapassam o porte de abrigo dos sistemas de saúde dos países. O ar, outro fator indispensável à sobrevivência dos seres humanos, como também de todo e qualquer ser vivo, está sendo comprometido principalmente devido a grande frota de veículos automotores, assim como as indústrias, que acabam liberando diversos poluentes na atmosfera, estando entre eles o monóxido de carbono (CO), dióxido de enxofre (SO2), ozônio (O3), óxido de nitrogênio (NOX), hidrocarbonetos (HC), que ao se misturarem com o oxigênio (o ar), gera a produção de gases totalmente prejudicial ao bem estar das pessoas, causando grandes e consideráveis danos na saúde. São muitas as consequências geradas pelo alto índice de poluição, danos na atmosfera, problemas ambientais, deficiência sanitária, além de que todas essas consequências faz com que outras maiores sejam desencadeadas, afetando não apenas a toda população, como também o planeta todo. As principais consequências da poluição são as que seguem:  Problemas neuropsíquicos e surdez;  Alterações drásticas nas taxas de natalidade e mortalidade de populações, gerando impactos na cadeia trófica;  Morte de rios e lagos;  Efeito estufa;  Morte por asfixia;  Destruição da camada de ozônio;  Chuvas ácidas e destruição de monumentos e acidificação do solo e da água;  Inversão térmica; 10
  11. 11.  Mutações genéticas;  Necrose de tecidos;  Propagação de doenças infecciosas A RELAÇÃO DE POLUIÇÃO AO ESTADO DO AMAPÁ: Para o presidente da Associação Brasileira de Entidades Estaduais de Meio Ambiente, Hélio Gurgel, o atraso de três Estados para a conclusão dos PCPVs não deve ser encarado negativamente. MANAUS - Três Estados brasileiros ainda não conseguiram finalizar seu Plano de Controle de Poluição Veicular (PCPV), entre eles Amapá, Pará e Roraima. A elaboração do documento deveria ser concluída até o dia 30 de junho. O atraso foi apontado em levantamento da Associação Brasileira de Entidades Estaduais de Meio Ambiente (Abema). A implantação desse projeto foi instituída em 2009 pelo Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama), órgão ligado ao Ministério do Meio Ambiente, com a meta de reduzir os índices de poluição nos grandes centros urbanos brasileiros. De acordo com a norma de 2009, o Distrito Federal (DF) e os Estados devem indicar quais medidas tomarão para melhorar a qualidade do ar de suas cidades. Cabe aos planos, por exemplo, definir se é necessário ou não implantar o programa de manutenção e inspeção veicular. Para o presidente da Abema, Hélio Gurgel, o atraso de três Estados para a conclusão dos PCPVs não deve ser encarado negativamente. A Secretaria de Estado de Meio Ambiente do Estado do Pará informou que vai apresentar seu plano até o dia 11 de setembro, conforme portaria publicada pela própria Secretaria no Diário Oficial do Estado. O coordenador de Meio Ambiente do Instituto de Meio Ambiente e Ordenamento Territorial (Imap) do Estado do Amapá, Paulo Couto, afirmou que o PCPV do Estado ainda não possui previsão para ser finalizado. A Fundação Estadual do Meio Ambiente e Recursos Hídricos do Estado de Roraima também não tem previsão para o término do projeto. O QUE FOI TRABALHADO: No trabalho foram utilizados meios virtuais para o levantamento de dados para a devida execução da pesquisa, parte fundamental para a elaboração do mesmo. A montagem do trabalho foi dada a partir do censo com os 11
  12. 12. componentes do grupo ao qual foi estipulado que perante a pesquisa haveria uma relação com da mesma com o Estado do Amapá. INSTRUMENTOS UTILIZADOS PARA A ELABORAÇÃO DO TRABALHO: Para a elaboração do trabalho tivemos de realizar pesquisas virtuais para que houvesse um levantamento de dados e assim concluirmos com sucesso nossa pesquisa. O instrumento mais utilizado foi a internet como já citado, mas também a parte experimental para a demonstração das devidas situações sobre o assunto poluição. IMPLANTAÇÃO DE SOLUÇÕES PARA A DIMINUIÇÃO DA POLUIÇÃO: Principais sistemas/medidas de controle de efluentes líquidos (a) Implantação de Sistemas de Coleta e Tratamento de Esgoto e efluentes A medida mais eficaz de controle da poluição da água é a implantação de sistemas de coleta e tratamento de esgotos domésticos e industriais. Com os mesmos, evita-se que despejos brutos sejam lançados nos corpos d'água, poluindo-os. Na falta de sistemas coletivos de esgotamento, têm sido usadas soluções tipo fossa / sumidouro, as quais, embora, algumas vezes, apresentem resultados satisfatórios, podem se tornar fontes de poluição de mananciais subterrâneos e superficiais. As soluções coletivas são mais eficazes que as individuais. Na implantação de sistemas de coleta e tratamento de esgotos, devem-se escolher criteriosamente os corpos receptores para os efluentes tratados, em função de sua capacidade de receber a carga poluidora, bem como da qualidade necessária aos seus usos. O grau de tratamento a ser aplicado aos esgotos dependerá das capacidades de depuração dos corpos d'água receptores. É importante considerar, nessa análise, os pontos de tomadas de água e os fins a que a mesma se destina. São vários os processos de tratamento, os quais são utilizados em função da composição do esgoto e das características que se desejam para o efluente da estação depuradora, as quais dependem da capacidade do corpo receptor de receber carga poluidora. E dos usos da água a jusante do local de lançamento. Os processos de tratamento de esgoto podem ser agrupados nos seguintes níveis: Tratamento preliminar: - remoção de sólidos grosseiros (grade); 12
  13. 13. - remoção de areia (caixa de areia) Tratamento primário: - decantação de sólidos; - remoção de lodo (decantador primário); - digestão do lodo (digestor); - secagem do lodo (leitos de secagem, adensamento, desidratação). Tratamento secundário: - remoção da matéria orgânica (tratamento biológico); - decantação do lodo (decantador secundário); - eliminação de microrganismos patogênicos (desinfecção). Tratamento terciário: remoção de: nutrientes, metais pesados, compostos não biodegradáveis, microrganismos patogênicos. (b) Coleta e Destino Adequado do lixo A adoção de práticas corretas de coleta e tratamento e/ou disposição final do lixo constitui medida de controle da poluição da água. Depósitos inadequados de resíduos sólidos, no solo ou diretamente em corpos d'água, podem resultar na poluição da água. Um dos problemas da disposição de lixo no solo, mesmo em aterros sanitários, é a produção do chorume, líquido resultante da decomposição dos resíduos mais a água infiltrada a partir de precipitações, o qual tem alta demanda de oxigênio. Em aterros sanitários, devem ser executados drenos para o chorume, o qual deve ser tratado antes do lançamento em recursos hídricos. (c) Controle da utilização de fertilizantes e agrotóxicos Deve-se evitar a utilização desses produtos químicos em áreas próximas aos recursos hídricos. As embalagens e restos dos produtos devem ser enterrados em locais afastados dos corpos d'água e os equipamentos de aplicação não devem ser lavados diretamente nos mananciais. Conforme já ressaltado, a conscientização dos usuários e dos aplicadores desses produtos é indispensável para a redução dos impactos ambientais decorrentes dos mesmos. (d) Disciplinamento do uso e da ocupação do solo 13
  14. 14. Como já foi mencionado, a qualidade da água de um manancial depende dos usos e atividades que se desenvolvem em sua bacia hidrográfica. Assim, é importante que se adotem medidas visando a disciplinar o uso e a ocupação do solo na bacia, tendo como objetivo assegurar a qualidade desejada para o corpo d'água. Entre essas medidas, destacam-se: Plano de utilização integrada do solo e da água da bacia hidrográfica, constando de Macrozoneamento, com a definição de usos para as diversas áreas, em função das características ambientais e do potencial poluidor dos mesmos; Estabelecimento dos múltiplos usos da água, procurando-se evitar utilizações conflitantes; Os usos do solo devem ser definidos em função da infraestrutura sanitária existente (principalmente, sistemas de esgotamento) e da capacidade dos corpos d'água de "absorver" as cargas poluidoras resultantes; Identificação das áreas especiais e adoção de restrições aos seus usos: áreas marginais aos recursos hídricos, encostas; áreas de recarga de aquíferos; alagados e pântanos; manguezais; etc.; Controle da ocupação do solo, considerando a infraestrutura sanitária existente e as características do meio. Como exemplo, cita-se a definição de taxas de ocupação de terrenos, densidades, áreas mínimas dos lotes, percentuais de áreas livres, recuos, entre outros índices urbanísticos, em função da existência, ou não, da infraestrutura sanitária (sistemas de abastecimento de água e de esgotamento sanitário). Onde existirem sistemas coletores de esgoto, pode-se permitir uma ocupação com maior intensidade, ao contrário das áreas onde se faz necessária a utilização de soluções individuais para destino dos despejos. As faixas de proteção, às margens de recursos hídricos, têm sido utilizadas como forma de garantir a preservação da mata ciliar e como medida de proteção para os mananciais. Essas faixas, embora não constituindo uma medida de eficiência total, representam uma providência válida de preservação de recursos hídricos superficiais, sendo suas principais vantagens (MOTA, 2000): asseguram proteção sanitária aos reservatórios e cursos d'água, impedindo o acesso superficial e sub-superficial de poluentes; garantem a adequada drenagem das águas pluviais, protegendo as áreas adjacentes da ocorrência de cheias; 14
  15. 15. proporcionam a preservação. E fomentação da vegetação, às margens dos recursos hídricos, garantindo a proteção da fauna e flora típicas; o sombreamento resultante da vegetação contribui, também, para a manutenção da temperatura da água adequada à fauna aquática; representam ação preventiva contra a erosão e o consequente assoreamento das coleções de água; podem constituir áreas para recreação ou de preservação paisagística e ecológica. As faixas de proteção devem ser definidas em função das características dos mananciais e das áreas adjacentes, podendo ter larguras fixas ou variáveis. Muitos estados e cidades brasileiras dispõem de legislação estabelecendo larguras para as faixas de proteção às margens de recursos hídricos. Não existindo leis específicas, devem ser observados o Código Florestal e a Resolução No 04/85, do Conselho Nacional do Meio Ambiente (CONAMA). O Código Florestal (Lei N. 4771, de 15 de setembro de 1965, modificada pela Lei N. 7803, de 18 de julho de 1989), define como de preservação permanente as florestas e demais formas de vegetação natural situadas ao longo de cursos d'água, em faixa marginal com largura mínima de: - 30 metros, para cursos d'água com menos de 10 metros de largura; 50 metros, para cursos d'água que tenham de 10 a 50 metros de largura; 100 metros, para cursos d'água que tenham de 50 a 200 metros de largura; 200 metros, para cursos d'água que tenham de 200 a 600 metros de largura; 500 metros, para cursos d'água que tenham largura superior a 600 metros. A Resolução N. 04, de 18 de setembro de 1985, do CONAMA, considera como reservas ecológicas as florestas e demais formas de vegetação situadas ao redor de lagoas, lagos e reservatórios naturais e artificiais, numa faixa marginal com largura de: - 30 metros, para os situados em áreas urbanas; 100 metros, para os situados em áreas rurais, exceto os corpos d'água com até 20 hectares de. Superfície, cuja faixa será de 50 metros; - 100 metros, para as represas hidrelétricas. 15
  16. 16. (e) Controle da Erosão do Solo A erosão do solo resulta no carreamento de partículas do mesmo para os corpos d'água, alterando a sua qualidade (turbidez, principalmente) e provocando o assoreamento. As medidas de controle da erosão do solo contribuem para a proteção da água. (f) Reuso da Água A reutilização de águas residuais pode ser considerada como uma medida de controle da poluição, pois, com a adoção de tal prática, evita-se o lançamento de esgotos nos corpos d'água. Essa é uma solução indicada, principalmente, para regiões onde há carência de água, por duas razões principais: garante o suprimento para outros fins, liberando os mananciais para o abastecimento humano; evita a disposição de esgotos em mananciais, os quais, muitas vezes, secam durante grande pane do ano. Mesmo tratados, os esgotos oferecem riscos ao ambiente. O reuso dos mesmos, de forma controlada, pode significar a proteção de recursos hídricos. Na adoção do reuso de águas residuais, devem ser tomados alguns cuidados para evitar problemas ambientais, recomendando-se, entre outros: afastamento adequado de mananciais de superfície; distância satisfatória para o lençol freático; tratamento prévio do esgoto, em função do tipo de reutilização. (g) Afastamento das Fontes de Poluição Algumas fontes de poluição devem situar-se a distâncias adequadas de mananciais superficiais e subterrâneos, como medida preventiva de controle da poluição. Alguns exemplos podem ser citados: Sistemas de disposição de esgotos no solo (fossas secas, sumidouros, valas de infiltração, lagoas de estabilização) devem ficar a uma distância de, no mínimo, 1,50m do nível máximo do lençol freático. Fossas secas devem distar, no mínimo, 15 metros de poços e de mananciais superficiais de água. Sumidouros e valas de infiltração devem ficar a, no mínimo, 20 metros de poços e de outros mananciais de água. Aterros sanitários, cemitérios, lagoas de estabilização, e outros sistemas poluidores, devem ter distância satisfatória (no mínimo, 500 metros) de poços e de recursos hídricos superficiais, a ser estabelecida em função das condições do solo e dos usos da água. (h) Modificações no Processamento Industrial 16
  17. 17. Uma forma de reduzir a carga poluidora de indústrias é promover alterações no processamento, de modo a diminuir a produção de despejos e eliminar ou minimizar a quantidade de poluentes. Entre essas medidas, citamse: modificações das matérias primas, mudanças nos processos de fabricação, reciclagem das águas; reaproveitamento de resíduos sólidos. 17
  18. 18. Conclusão: Através dessa desse trabalho percebemos a importância do controle da poluição no nosso dia a dia, além das conceituações de alguns termos relacionados ao tema poluição, percebemos a relação que esse tema tem com estado do Amapá que por ser uma área não muito devastada pela ação humana, infelizmente não possui um plano de controle dessa poluição, foram trabalhados também medidas que possam talvez amenizar essas consequências nada benéficas para a vida do ser humano, tudo isso visando não só na saúde do ser humano, mas sim na preservação dessa biodiversidade existente no nosso planeta. Varias serão as consequências se não tivermos um controle dessa poluição, ela ira afetar principalmente a vida dos seres humanos que por depender dos recursos que a natureza oferece serão os primeiros a sofrer com as mudanças que a poluição fará, pois ela afetara primeiro a natureza que posteriormente afetara a vida do ser humano. A parte de montagem do trabalho se deu a partir de censos em grupo aos quais se estipulou que haveria essa relação do tema poluição com o estado do Amapá e para a coleta de dados para o mesmo se deu a partir do uso de meios virtuais, logo que, o grupo teve de tomar base o conteúdo para a execução de devidas partes do trabalho como o processo experimental que será feito pelos componentes do grupo. A poluição é um tema bastante delicado de se trabalhar e de extrema importância, pois é a partir dela que define o destino da sustentabilidade e da vida em geral. Ela é capaz de extinguir uma raça que levou milênios para surgir e para se desenvolver se não for prevenida, consequências que impactam na vida do ser humano, doenças, fenômenos naturais da poluição como chuva acida, e outras consequências mais. O marco desse problema foi a Revolução Industrial, trazendo consigo a urbanização e a industrialização. Com a consolidação do capitalismo, propiciado por este momento histórico, o incentivo à produção e acúmulo de riquezas, aliada à necessidade aparente de se adquirir produtos novos a todo o momento, fez com que a ideia de progresso surgisse ligada à exploração e destruição de recursos naturais. Como se não bastasse este fato, a grande produção de lixo gerado por esta forma de consumo ligada ao desperdício e descarte, faz com que tenhamos consequências sérias. A fome e a má qualidade de vida de alguns, em detrimento da riqueza de outros, mostra que nosso planeta realmente não está bem. Em um mundo onde a maior parte de lixo produzido é de origem orgânica, muitas pessoas têm, como única fonte de alimento, aquele oriundo de lixões a céu aberto. 18
  19. 19. Assim, para que consigamos garantir um futuro digno ao nosso planeta e, consequentemente, às gerações de populações vindouras, devemos repensar nossa forma de nos relacionarmos com o mundo. O simples fato de, por exemplo, evitarmos sacolas e materiais descartáveis feitos de plástico, poderia ter impedido a formação da camada flutuante de 1000 km com 10 metros de profundidade que compromete a vida de organismos que têm o Oceano Pacífico como habitat. Meios recicláveis devem ser de máxima utilização nos dias de hoje. Eles ajudam a diminuir esse índice de poluição ajudam a criar uma vida mais sustentável para o nosso planeta assim como já criaram hoje o papel reciclado, a utilização de garrafas pet, que são quase que indestrutíveis na decomposição natural da matéria pela natureza, para a criação de novas garrafas ou para outros fins como a criação de bens recicláveis, como vassouras recicláveis, são atitudes como essas que podem ajudar a diminuição ou até a extinção da poluição. São muitas as consequências que são geradas pela poluição, o aumento da poluição, muitas vezes causadas por ações humanas, gera grande preocupação por suas consequências causar grandes danos à natureza e também ao homem. Todos os dias nos pegamos reclamando do elevado grau na temperatura, ou da grande quantidade de chuva em pouco tempo, esses são alguns exemplos resultantes das consequências que a poluição nos traz. Uma grande preocupação quanto à poluição, é o efeito estufa, que a cada dia que passa ele vem se agravando mais e mais, causando aumento na temperatura do planeta, além de o ecossistema sofrer grandes mudanças, as quais ameaçam o planeta a se deteriorar aos poucos. Perceberemos através desse trabalho que há uma relação do termo poluição com outros temas como a atmosfera, a água, o solo, e que ela pode influenciar na vida dos seres que neles habitam e que se ocorrer um possível desequilíbrio nesses chamados ecossistemas isso irá influenciar na vida existente no planeta terra. Há muitas pessoas que não dão a mínima importância para temas relacionados à preservação da natureza, infelizmente, que pensam que os recursos que temos, apesar de serem abundantes, não irão sofrer nenhum tipo de extinção, mas segundo estudos de diversos cientistas, se não houver um controle para que ocorra a diminuição de emissão de poluentes nos ecossistemas do planeta Terra, todos os recursos disponíveis no nosso planeta irão se acabar tornando a vida insustentável na Terra extinguindo, possivelmente, a raça humana. Isso deve ficar esclarecido na mente de cada ser humano que neste planeta habita que um simples tema relaciona vários outros, e que tem que haver o controle da poluição na nossa vida. A partir de varias pesquisas relacionadas ao tema verificamos que há locais onde o grau de poluição cresce 19
  20. 20. repentinamente e com isso aumenta a preocupação da população e dos órgãos competentes e também vários outros acontecimentos como, por exemplo, a chuva acida que ocorre nas regiões metropolitanas do estado de São Paulo e a diminuição da camada de Ozônio no planeta. Dentro da questão de como a poluição pode interferir na vida do ser humano veremos as principais doenças causadas por essa poluição ocorrida no nosso cotidiano, são elas as principais causas dessa interferência do ser causando malefícios ao nosso organismo podendo até nos levar a óbito. 20
  21. 21. REFERENCIAS: IMPLANTAÇÃO DE SOLUÇÕES PARA A DIMINUIÇÃO DA POLUIÇÃO Disponível em: <http://www.ufv.br/dea/lqa/controle.htm>. Acesso em: 20 set. 2013. AMAPÁ não tem uma política de preservação Disponível em: <file:///D:/Bibliotecas/Documents/IFAP/Geografia/Geografia/Amap%E1,%20Par %E1%20e%20Roraima%20n%E3o%20t%EAm%20plano%20de%20controle% 20de%20polui%E7%E3o%20%20%20Meio%20Ambiente%20%20%20Amaz% F4nia%20%20%20Nota%20%20%20D24am.com.htm>. Acesso em: 16 set. 2013. CONSEQUÊNCIAS da poluição Disponível em: <file:///D:/Bibliotecas/Documents/IFAP/Consequ%EAncias%20da%20polui%E7 %E3o%20%20chuvas%20%E1cidas,%20efeito%20estufa,%20entre%20outros %20%20%20Educa%E7%E3o.htm>. Acesso em: 16 set. 2013. A POLUIÇÃO Disponível em: <file:///D:/Bibliotecas/Documents/IFAP/A%20Polui%E7%E3o.htm>. Acesso em: 30 set. 2013. POLUIÇÃO Disponível em: <http://www.brasilescola.com/biologia/poluicao.htm>. Acesso em: 30 set. 2013. POLUIÇÃO Disponível em: <http://apoluicao.blogspot.com.br/>. Acesso em: 30 set. 2013. 21
  22. 22. ANEXOS: Poluição do ar Diminuição do gás carbônico. 22
  23. 23. Fumaça- um malefício para a saúde Poluição dos rios 23
  24. 24. Poluição dos rios Poluição visual 24
  25. 25. Poluição visual Poluição no Amapá 25

×