Uso de plantas nos cultos Afro-brasileiros no Distrito Federal e Entorno.

1.775 visualizações

Publicada em

Publicada em: Espiritual
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.775
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
22
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Uso de plantas nos cultos Afro-brasileiros no Distrito Federal e Entorno.

  1. 1. FACULDADES INTEGRADAS DA TERRA DE BRASÍLIA CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Uso de plantas nos cultos Afro-brasileiros no Distrito Federal e Entorno. Jonathan Vieira Novais Recanto das Emas 2006.
  2. 2. Faculdades Integradas da Terra de Brasília – FTB Curso de Ciências Biológicas Uso de plantas nos cultos Afro-brasileiros no Distrito Federal e Entorno. Jonathan Vieira Novais Monografia de Conclusão de Curso, como requisito parcial para obtenção do título de Licenciado em Ciências Biológicas. Recanto das Emas 2006
  3. 3. Trabalho realizado junto à coordenação de Ciências Biológicas das Faculdades Integradas da Terra de Brasília. Sob a orientação da Professora MsC. Renata Corrêa Martins. Aprovado por: _____________________________________________ MsC. Renata Corrêa Martins Universidade de Brasília – UNB / Jardim Botânico de Brasília Orientadora e Presidente da Banca _____________________________________________ Professor MSc. Alberto Jorge da Rocha Silva Faculdades Integradas da Terra de Brasília – FTB Co - Orientador _____________________________________________ Prof.ª Dra. Kátia Regina Ferraz Vicentini Faculdades Integradas da Terra de Brasília – FTB Membro titular da Banca
  4. 4. A todos os tripulantes da oikos nave Terra, em especial aos divinos e completos vegetais, aos ancestrais, a todos belos irmãos inorgânicos...
  5. 5. AGRADECIMENTOS Seria impossível agradecer somente a uma pessoa, começo então dizendo que não há nada melhor do que acordar com alguém que participe arduamente com você de todos os episódios das vivências terrenas, e este trabalho realmente ensinou-me o valor do companheirismo, então digo um obrigado especial a minha linda esposa Cláudia e ao filhote Christian. Meus amorosos, apoiadores e sonhadores pais Imaculada e Juarez, ao meu sogro Mario e sogra Eni, pelo carinho e sobre tudo a confiança em mim depositada. As minhas irmãs Dolores e Danielle. A faculdade, digo aos grandes empresários do ensino, por favor, façam algo para melhorar o ensino deste país, se empenhem mais, em ajudar estas pequenas moléculas de carbono que somos os sonhadores homens. Deixo aqui meus votos de amizade a todos os companheiros de sala e professores do curso, adorei trocar tantas experiências com vocês, estes anos foram sementes, e a colheita está por vir. Deixo meus votos de agradecimento e felicidade aos orientadores Renata Martins e Alberto Silva que foram ativos em me oferecer à sabedoria que já possuem, compartilhando comigo o tempo, que muitas vezes acredito eu, se absteram de exercer outras atividades. A querida Carolyn Proença por dispor o seu sempre requisitado tempo para me esclarecer e proporcionar um pouco da luz do seu conhecimento e professora Kátia Vicentini pela referência e o bom exemplo, obrigado por participar da banca. Finalizo, agradecendo a todos os entrevistados, estes me proporcionaram momentos de grande aprendizado ao lado deles e sem eles não teria construído todo este trabalho, aprendi com eles a agradecer dizendo assim: “Que Olorum e todos Orixás abençoe, todos vocês e que a felicidade inunde o coração de todos”.
  6. 6. SUMÁRIO RESUMO ..................................................................................................................... 7 INTRODUÇÃO ........................................................................................................... 8 OBJETIVOS .............................................................................................................. 12 MATERIAL E MÉTODOS ...................................................................................... 13 RESULTADOS E DISCUSSÃO .............................................................................. 17 CONCLUSÃO ........................................................................................................... 79 REFERENCIAL BIBLIOGRÁFICO: .................................................................... 80 GLOSSÁRIO DE NOMES OU TERMOS AFRO-BRASILEIROS ................................................................ 84 APÊNDICE - A – ANUÊNCIA PREVIA ....................................................................................................... 87 APÊNDICE B – QUESTIONÁRIOS ............................................................................................................... 88 C- LEVANTAMENTO DAS ESPÉCIES VEGETAIS ÚTEIS, NOS CULTOS AFRO-BRASILEIROS NO DISTRITO FEDERAL E ENTORNO. ............................................................................................................. 91 ANEXO I – OSSAIM O ORIXÁ DAS FOLHAS ........................................................................................... 93
  7. 7. RESUMO O conhecimento tradicional das culturas de origem africana, possui num contexto uma valorização direta aos vegetais e este conhecimento pode ser evidenciado pela pesquisa etnobotânica. Este estudo foi conduzido no Distrito Federal e Entorno. O levantamento etnobotânico teve como alvo os sacerdotes das casas de santo (Candomblé). Foram realizadas entrevistas semi-estruturadas, com o uso de questionários, buscando informações sobre os empregos dados as plantas, voltando a entrevita para quais plantas são utilizadas e suas indicações de uso. Observou-se que as espécies vegetais são em sua maioria exóticas ao bioma Cerrado. O emprego de espécies nativas do Cerrado reflete que houve a adaptação ou a inclusão destas plantas nos cultos afro brasileiros no DF e entorno. Evidenciou-se considerável utilização dos vegetais. Os usos foram categorizados em dez formas distintas de aplicação, são elas: amaci, banho, defumador, sacudimento, culinária, assentamento, iniciação e ornamental. As partes vegetais utilizadas são; folhas, frutos, flores e raízes, predominando o uso das folhas. A categoria com maior citação foram banhos. Foram citados 114 espécies, 88 gêneros e 50 famílias, sendo 102 indentificadas e 12 indetermindas. Com este estudo pode se perceber a necessidade de se ampliar às pesquisas nos cultos de matriz africana principalmente nas casas de santo presentes nas regiões, onde o bioma cerrado é a vegetação nativa. Palavras-chave: etnobotânica, uso tradicional, cerrado, cultos afro-brasileiros.
  8. 8. 8 INTRODUÇÃO O termo Etnobiologia é relativamente recente. Essa terminologia surgiu como um braço da etnociência que vem ganhando impulso nestes últimos anos com o aumento dos trabalhos publicados, e a necessidade de se conhecer como os homens lidam com os recursos naturais tradicionalmente. Segundo Posey (1987), entende-se etnobiologia como sendo o estudo do conhecimento e das conceituações desenvolvidas por qualquer sociedade a respeito da biodiversidade e do meio ambiente; em outras palavras, é o estudo do papel da natureza no sistema de crenças e de adaptação do homem a determinados ambientes. Neste sentido, a Etnobiologia relaciona-se com a ecologia humana, mas enfatiza as categorias e conceitos cognitivos utilizados pelos povos em estudo (Posey, 1987). Partindo então da visão compartimentada da ciência sobre o mundo natural, surge o termo "Etnobotânica", citado pela primeira vez por Harshberger em 1895 (Amorozo, 1996). Em etnobotânica, são analisadas as relações entre os seres humanos e os vegetais, procurando responder questões como: quais plantas são conhecidas, quais plantas estão disponíveis, quais plantas são reconhecidas como recursos, como o conhecimento etnobotânico tradicional está distribuído na população, como os indivíduos diferenciam e classificam a vegetação, como esta é utilizada e manejada e quais os benefícios derivados das plantas (Alcorn, 1995). Atualmente o aproveitamento botânico feito pelas diversas culturas vem sendo amplamente pesquisado, despertando interesses de vários segmentos da comunidade científica; toda essa necessidade baseia-se no fato de que o conhecimento tradicional possui, em seu contexto prático, uma base eficiente e de grande sucesso para os muitos fins que as plantas são destinadas.
  9. 9. A utilização dos recursos oriundos da biodiversidade e a produção de conhecimento sobre eles não é privilégio exclusivo de nenhum grupo social ou cultural. Os dados da Organização Mundial da Saúde destacam que, em decorrência da pobreza e da falta de acesso à medicina moderna, 65 – 80 % da população mundial que vive em países em desenvolvimento, depende essencialmente das plantas para o cuidado primário 9 à saúde (Vasconcellos, 2003). Os vegetais possuem valores de extrema abrangência no contexto de seu uso. Das diversas culturas que utilizam as plantas para tratamentos terapêuticos, ritualísticos, alimentares, decorativos, aromáticos e dentre outros, incluem-se as religiões de matriz africana. Os usos litúrgicos, mitológicos e ritualísticos das plantas dentro dos cultos afro– brasileiros estão presentes fortemente dentro de sua essência, ou seja, no que tange a aspectos básicos do conhecimento, aquilo que é tido pelos praticantes como fundamentos tradicionais da religião, as plantas manifestam-se como sendo a base para todo o culto religioso. Acredita-se que em média, mais de quatro milhões de africanos foram obrigados a cruzar o oceano, amontoados nos porões infectos e sufocantes dos navios negreiros, em direção a uma vida desumana de escravidão no chamado ‘novo mundo’. Este número estima-se que seja equivalente à cerca de 40% do contingente de negros que desembarcaram nas Américas entre o final do século XV e o século XIX (A cor da cultura, 2006). Uma quantidade significativa de africanos que aportaram no país veio da Bacia do rio Congo, de Moçambique, do Golfo da Guiné e de Angola e foram distribuídos por quase todo o território brasileiro para realizar o trabalho braçal nos engenhos e nas usinas de cana, nas minas e nas plantações de café. Ainda hoje é possível identificar a herança da
  10. 10. diversidade cultural africana em estados como Maranhão, Bahia, Pernambuco e Rio de Janeiro por onde passaram centenas de negros do antigo Daomé, e Bahia, conhecida pela 10 influência iorubá (A cor da cultura, 2006). As nações de origem dos cultos afros praticados no Brasil desrespeitam a origem africana, ou seja, os bantus são negros que tiveram origem de uma região que vai de Camarões até a África do Sul, existem cerca de 400 grupos étnicos nessa região. O povo Ketu é proveniente do reino Yorubá que compreende o sul e o centro da atual Republica do Benin, parte da Republica do Togo e sudoeste da Nigéria. O povo Yorubá ou Iorubas estão distribuídos numa vasta região que abrange a Nigéria, o Nigér, o Togo e parte do Benin, os Yorubá costumavam deslocar-se em grupos reduzidos, formando núcleos familiares, nos quais era comum a presença de um sacerdote, os povos Yorubá compunham-se por tribos, como exemplo, temos os Ijexás junto do rio Òsun (Oxum). A distribuição aleatória dos grupos africanos pelo país originou diferentes tradições religiosas, como o candomblé de nação “ketu”, “oyó” e “ijexá” nos terreiros baianos, o batuque gaúcho, o xangô pernambucano e a mina maranhense. Muitas destas linhas mesclam elementos iorubas, bantos e jejes, assim como suas variadas línguas, culturas e crenças religiosas num fenômeno que passou a ser conhecido como a diáspora africana (A cor da cultura, 2006). Com a criação e construção de Brasília na região Centro-Oeste, surge entre outras tantas manifestações religiosas, os cultos afro-brasileiros na região do DF e entorno. Em geral as casas de santo localizam-se nas áreas rurais, por estas proporcionarem maiores extensões de terra e em alguns casos cursos d’água. A adaptação das plantas nativas para somatizar, ou substituir o conjunto de espécies usadas nos cultos, fortaleceu a aproximação dos praticantes com a vegetação do Cerrado, o que proporciona uma valorização e uma busca constante em preservar as espécies nativas. A diversidade de paisagens determina uma grande florística, que coloca a flora do bioma Cerrado como a mais rica entre as savanas do mundo, com 6.429 espécies já catalogadas (Mendonça et al. 1998). O Cerrado foi eleito com um dos mais ricos e ameaçados ecossistemas do mundo. Sabe-se que atualmente de um total de 1.783.200 Km² originais de Cerrado, restam intactos somente 356.630 km², ou apenas 20 % do bioma original, justificando a preocupação que se tem sobre este bioma (Scariot et al., 2005). Muitas espécies nativas do bioma Cerrado possuem usos tradicionais, incluindo diversas categorias de uso tais como alimentícias, medicinais, construção, artesanato e
  11. 11. ritualísticas. Entretanto, o usuário comum ainda é a população regional cuja atividade é 11 essencialmente extrativista (Ribeiro et al., 1994). Os cultos afros aqui tratados desrespeitam ao Candomblé, este possui distintas origens e consolidações de acordo com a nação, neste trabalho tem-se as nações Angola, Ketu, Nagô, Jejê. Sabe-se que atualmente alguns cultos são de origem ou de influência dos cultos africanos como é o caso da Santeria Cubana, os Voduns, a Umbanda dentre outros. Consoante ao baixo número de trabalhos envolvendo a diversidade do conhecimento tradicional dentro nas religiões de matriz africana, no contexto do aproveitamento das plantas, o presente trabalho é o resultado do levantamento das plantas utilizadas nos cultos afro-brasileiros no Distrito Federal e entorno.
  12. 12. 12 OBJETIVOS Estudar o uso das plantas dentro dos cultos de matriz africana no Distrito Federal e entorno e considerar as plantas nativas do bioma cerrado utilizadas, identificar o uso dos vegetais e as formas de empregos através de identificar informantes e localizá-los, utilizando como critério a distribuição deles na área de estudo; identificar as categorias de uso e a distribuição das espécies nas mesmas; realizar coleta, herborização e identificação do material botânico coletado; elaborar lista das espécies e descrição de uso. Sabendo da proximidade e da significância das plantas aos cultos, o presente trabalho busca dentro das casas de santo, conhecer os vegetais utilizados e aumentar o conhecimento que se tem das plantas empregadas nos cultos afros inseridos na região do Centro-Oeste.
  13. 13. 13 MATERIAL E MÉTODOS A - IDENTIFICAÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E INFORMANTES - Área De Estudo “Figura 1 – Mapa Das Áreas Visitadas” Figura 1 – Mapa de áreas visitada (fonte: Maplink, 2006). A área de estudo escolhida foi o Distrito Federal (DF) e o Entorno. O DF possui aproximadamente 5.822,1 km², está localizado na região Centro-Oeste e possui como limites, Planaltina de Goiás (Norte), Formosa (Nordeste e Leste), Minas gerais (Leste), Cristalina e Luziânia (Sul), Santo Antônio do Descoberto (Oeste e Sudoeste), Corumbá de Goiás (Oeste) e Padre Bernardo (Noroeste). Suas características são: planalto de topografias suaves e vegetação de cerrados, com altitude média de 1.172 metros, clima tropical e os rios principais são o Paranoá, Preto, Santo Antônio do Descoberto e São Bartolomeu.
  14. 14. O Entorno deve ser entendido como sendo os municípios próximos ao Distrito Federal e que pertencem ao Estado de Goiás e Minas Gerais. Os municípios do entorno visitados foram: Santo Antônio do Descoberto, Valparaíso e Luziânia todos municípios do Estado 14 de Goiás, todos possuindo como vegetação típica o Cerrado. A Constituição brasileira veda a divisão do DF em municípios, logo então cria-se no DF as regiões administrativas ou popularmente conhecidas como cidades satélites, que possuem administradores locais e que são subordinadas ao governo do DF. A flora do DF tem um promissor potencial econômico com espécies forrageiras, medicinais, alimentícias, corticeiras, taníferas, melíferas e ornamentais. As regiões administrativas do DF visitadas foram: Gama e Park Way. · Gama: Região Administrativa criada em 12/10/1960 · Park Way: Região Administrativa criada em 29/12/2003 · Santo Antônio do Descoberto localiza-se no leste goiano, possui aproximadamente 938,309 km² e esta à 200 Km de Goiânia e 45 Km do centro do centro do DF. · Valparaíso de Goiás fundado em 15 de junho de 1995, localiza-se no leste goiano, possui aproximadamente 60.000 km² e esta à 190 Km de Goiânia e 35 Km do centro do DF. · Luziânia possui fundação em 13 de dezembro de 1746 localiza-se no leste goiano, possui aproximadamente 3.961,536 km² e esta à 214 Km de Goiânia e 62,80 Km do centro do DF. As casas escolhidas foram previamente selecionadas a partir de uma lista de casas de santo fornecida pela Srª Luciana V. P. Gonçalves da Fundação Palmares do Ministério da Cultura e por contados diretos com as casas de santo.
  15. 15. Em todas as casas contatadas o projeto foi apresentado aos sacerdotes responsáveis. As casas que aceitaram participar do trabalho receberam a “Anuência prévia” (Apêndice 15 A), respeitando assim a integridade do conhecimento de cada informante. Os locais selecionados e as respectivas casas visitadas foram: A. Gama, “Inzo Hamba Ua Maza Hangolo”, Núcleo Rural Monjolo, Chácara Inaê 11/13. B. Luziânia, “Ilé Axé Oyâ Bamilá”, Avenida – 10, Parque Estrela Dalva, Quadra 54, Chácara – 11. C. Park Way, “Ilê Axé Iji Dan”, Quadra – 13 Conjunto – 02 Chácara – 44. D. Santo Antônio do Descoberto, “Ilê Axé Bará leji”, Mansões Bittencourt Quadra 40c. E. Valparaíso de Goiás, Etapa – E. Casa da Vô Onofra. Quadra 05 Casa 16 CEP: 72876 - 525. B – LEVANTAMENTO E ANÁLISE DOS DADOS Efetuou-se entrevistas semi-estruturadas com cinco informantes (Apêndice A). As entrevistas foram preparadas atendendo ao cotidiano das comunidades trabalhadas, oferecendo liberdade de descrever o uso, aplicação das plantas e acompanhar a coleta dos vegetais. Todas as plantas foram coletas na presença do entrevistado, que comentavam durante a coleta as formas de aplicações, as características de uso, as variações do uso, as experiências vividas com a planta. As informações coletadas foram descritas no preenchimento dos questionários. Durante o processo de apresentação das plantas, descreviam-se o nome popular e o nome que algumas plantas possuem religiosamente, ou seja, no dialeto da nação de origem.
  16. 16. Para avaliar a importância relativa de uso, utilizou-se o critério analítico de Friedman 16 (Albuquerque, 1995), adaptado para este trabalho: Nº de entrevistados que citaram usos principais CUP= ______________________________________________ x 100 Nº de entrevistados que citaram a espécies Nº de entrevistados que citaram uso da espécie FC= ____________________________________________________ Nº de entrevistados que mencionaram a espécie mais citada CUPc = CUP X FC Onde: CUP = percentagem de concordância de usos principais FC = fator de correção CUPc = percentagem de concordância de usos principais corrigidos C – COLETA, HERBORIZAÇÃO E IDENTIFICAÇÃO DE MATERIAL BOTÂNICO. As plantas foram coletadas, herborizadas e identificadas. A identificação foi realizada no Herbário da Universidade de Brasília (UB), por comparação e consulta de especialistas, com a colaboração da professora Drª Carolyn Elinore Barnes Proença, curadora do herbário da UnB (UB). Também se utilizou de literatura especializada. Foi elaborada ficha descritiva (Apêndice B) para cada vegetal, obedecendo a uma seqüência alfabética por nome popular, e cada planta esta distribuída em uma categoria. As categorias foram criadas com base nos dados coletados.
  17. 17. 17 RESULTADOS E DISCUSSÃO A - INFORMANTES E ÁREA DE ESTUDO · Gama, “Inzo Hamba Ua Maza Hangolo”, Núcleo Rural Monjolo, Chácara Inaê 11/13. Na região administrativa Gama, encontra-se a casa da Mãe N’gua Carmem de Angorô, com 54 anos de idade, nascido no Estado de Pernambuco no município de Recife, residente há 22 anos no local. Com ensino superior completo em direito, atividade profissional e ocupação no serviço público, atualmente é aposentada e compartilha o local de moradia com mais cinco pessoas. Sua nação é Angola. Todo conhecimento adquirido sobre o uso de plantas é proveniente da prática religiosa, sua área é de aproximadamente 80.000 m. Importância das plantas para o entrevistado: “Não há nada sem a folha para o Orixá, não existe candomblé sem folha” (Mãe Carmem de Angorô). · Park Way, “Ilê Axé Iji Dan”, Quadra – 13 Conjunto – 02 Chácara – 44. Na região administrativa Park Way, encontra-se a casa Mãe Iracema de Obaluaê, com 72 anos de idade, natural da Paraíba, do município de Campina Grande, residente há 21 anos no local. Com primário completo, atividade profissional e ocupação exclusiva no Candomblé, compartilham o local de moradia com mais seis pessoas. Sua nação é Ketu, todo conhecimento adquirido sobre o uso de plantas é proveniente da prática religiosa, sua área é de aproximadamente 10.000 m. Importância das plantas para o entrevistado: “É muito importante, pois sem folha não tem como haver iniciação do filho, não há candomblé sem folha” (Mãe Iracema de Obaluaê).
  18. 18. · Município de Luziânia, “Ilé Axé Oyâ Bamilá”, Avenida – 10, Parque Estrela 18 Dalva, Quadra 54, Chácara – 11. Cep: 72800-000 No município de Luziânia encontra-se a casa da Mãe Inalda, com 56 anos de idade, nascida no estado de Pernambuco, residente há 31 anos no local. Com 2º grau completo, compartilha o local de moradia com mais quatro pessoas. Na mesma área de sua residência encontra-se o Axé, local de culto e celebração de festas aos Orixás, sua nação é Nagô, e também à prática do culto a Jurema. Todo conhecimento adquirido sobre o uso de plantas é proveniente da prática religiosa, sua área é de aproximadamente 2.000 m² com grande diversidade de vegetais distribuídos por toda a chácara. Importância das plantas para o entrevistado: “As plantas são fundamentais para tudo, se não houver plantas não existe candomblé” (Mãe Inalda). · Município de Santo Antônio do Descoberto, “Ilê Axé Bará leji”, Mansões Bitencourt Quadra 40c. No município de Santo Antônio do Descoberto encontra-se a casa do Pai Uibacy Domingos D’ Ávila (Pai Tito de Omolu), com 62 anos de idade, nascido no estado do Rio Grande do Sul, residente há 34 anos no local. Com ensino superior completo em Administração de empresas, atividade profissional e ocupação exclusivamente dedicada à religião e ao culto a Ifá, compartilham o local de moradia com mais 42 pessoas, sendo estas, filhos de santo vinculados a casa, caseiro e cônjuge. Sua nação é Ketu, e também à prática do Candomblé de Caboclo, todo conhecimento adquirido sobre o uso de plantas é proveniente da prática religiosa. Sua área é de aproximadamente 30.000 m² com grande diversidade de vegetais distribuídos por toda a chácara.
  19. 19. Importância das plantas para o entrevistado: “Fundamental, não há Orixá sem folha. É 19 um símbolo da ancestralidade do indivíduo” (Pai Tito de Omolu). · Município de Valparaíso de Goiás, Casa da Vó Onofra Etapa – E Quadra 05 Casa 16 CEP: 72876 - 525. No município de Valparaíso de Goiás encontra-se a casa da Vó Onofra Maria da Silva, com 67 anos de idade, nascido no estado de Minas Gerais, do município de Araxá, residente há 10 anos no local. Não possui escolaridade concluída, atividade profissional e ocupação no serviço público, compartilha o local de moradia com mais seis pessoas. Sua nação é Angola, todo conhecimento adquirido sobre o uso de plantas é proveniente da prática religiosa, sua área é de aproximadamente 20 m² . Importância das plantas para o entrevistado: “Muito importante para o culto, à folha ajuda as pessoas” (Vó Onofra).
  20. 20. 20 B – ESPÉCIES UTILIZADAS E FORMAS DE USO Durante as entrevistas foram citadas 114 plantas pelo seu nome popular, que possuem aplicações litúrgicas e medicinais. Os vegetais são empregados em amacís, banhos, defumação, sacudimento, culinária, medicinal, iniciação, assentamento. O estudo constatou que as plantas são utilizadas em dez categorias de uso ritualístico, na figura 2, as categorias estão separadas pela seqüência de ”A” a “J”, as plantas indicadas para cada categoria estão agrupadas. Numero de plantas citadas por categoría A= Amaci B= Banho C= Defumador D= Medicinal E= Sacudimento F= Culinária G= Assentamento H= Iniciação I= Ornamental J= Ebós e Cerimônias 20 Figura 2 – Número de citações por categoria de uso. 74 6 46 5 14 49 28 9 14 0 10 20 30 40 50 60 70 80 J I H G F E D C B A Categorías Número de citação
  21. 21. 21 As categorias são; A) amací: compreende um preparado especial à base de ervas maceradas em água. É usado para banhar os iniciados. Uma grande variedade de ervas pode entrar na composição dos amacís. A seleção das espécies é feita pelo pai ou mãe de santo, respeitando o Orixá regente. Nesse sentido, as plantas que são empregadas no amací são aquelas que pertencem à divindade. A utilização do amací visa conferir maior interação entre o orixá e o iniciado, fortalecendo os laços. (Albuquerque, 1995). Exemplos de plantas citadas nesta categoria: Abre caminho, Algodão e Colônia. B) banho: consiste de um ritual que visa fortalecer, limpar e proteger os adeptos (iniciados), ou visitantes que buscam ajuda nas casas de santo. O banho de limpeza possui grande popularidade cultural, por ser de fácil manipulação. Comumente são feitos com ervas indicadas pelos pais e mães de santo, maceradas com água fria e jogadas sobre o corpo. É importante ressaltar que não são todos os banhos indicados que podem ser usados para lavar a cabeça, sendo necessário à orientação direta dos pais e mães de santo. Vale ressaltar que há os banhos de atração, que são banhos relacionados a processo de conquista voltado para auxiliar relacionamentos. Exemplos de plantas citadas nesta categoria: Comigo ninguém pode, Laranjeira e Manacá. C) defumador: é um preparado de ervas secas, com propriedades curativas e de proteção, sendo muito usado nesta categoria o Fumo (Nicotiana tabacum), associado á outras ervas. Representa traço marcante da cultura ameríndia adaptada aos cultos africanos no Brasil (Albuquerque, 1995).
  22. 22. 22 Exemplos de plantas citadas nesta categoria: Acóco, Alecrim e Cravo da Índia. D) medicinal: as plantas e seus empregos dentro dos cultos não se limitam ao uso ritualístico, sendo difundido o uso medicinal de algumas espécies. Comumente são plantas indicas na medicina popular. Exemplos de plantas citadas nesta categoria: Canela, Guaco e Jenipapo. E) sacudimento: processos ritualísticos de limpeza, visando aliviar tensões locais e psicológicas, causadas por energias negativas acumuladas no individuo. Chamado de sacudimento por ser uma forma de balançar as energias, muito parecido com a popular “Benzedura”. Exemplos de plantas citadas nesta categoria: Pequi, Mangueira espada e Espada de São Jorge. F) culinária: as comidas preparadas nas casas de santo possuem um valor sacral, ou seja, cada orixá possui sua comida, e tanto nas celebrações como nos rituais cotidianos, estes preparados culinários levam diversas plantas. Estas podem ser usadas para temperar, decorar e outros. Exemplos de plantas citadas nesta categoria: Dendê, Folha da fortuna e Manjericão. G) assentamento e fundamento: objetos, símbolos e elementos necessários para estabelecer e representar o Orixá, é onde está assentado a sua força dinâmica, ficando depositado em locais específicos do terreiro; cada orixá possui seu espaço, sua casa, dentro do terreiro. Os fundamentos são as obrigações feitas para o orixá. Exemplos de plantas citadas nesta categoria: Jaqueira, Louquinho miúdo e Erva vintém. H) iniciação: os rituais de iniciação possuem uma total complexidade de fundamentos, que são as bases da liturgia dos cultos afro-brasileiros. No processo
  23. 23. de iniciação do filho de santo diversas plantas são utilizadas. São exemplos do emprego dos vegetais na iniciação; cama de folha do orixá, esteira, pós, entre 23 outros. Exemplos de plantas citadas nesta categoria: Capeba, Graviola e Inhame. I) ornamental: esta categoria é destinada às plantas que são usadas na decoração da casa em dias de festa, celebrações, como também para a proteção da casa. As plantas são distribuídas em pontos estratégicos, em portas e na entrada do terreiro. Exemplos de plantas citadas nesta categoria: Iroko, Jurema preta e Obi/ Noz de cola. J) ebós e Cerimônias: Nesta categoria, enquadram-se as plantas que são empregadas em Ebós. Os Ebós são trabalhos de complexa manipulação em locais fora do terreiro, popularmente chamados de “Despacho”. As plantas também são usadas em Celebrações ou ocasiões especiais, como por exemplo, as celebrações fúnebres. Há também bebidas que são preparadas para cerimônias com ingredientes de procedência vegetal e que possuem propriedades curativas. Exemplos de plantas citadas nesta categoria: Maracujá selvagem / ewe dan, Obò/Odán e Timbó. As plantas usadas nos cultos afros são empregadas nas preparações de amácis; banhos de defesa, de limpeza, de purificação. Em preparações de ambientes; de comidas; bebidas e remédios. Nas cremações em incensários, aromatizantes, e nos ritos e cultos diretos aos Orixás.
  24. 24. 24 Dentre as dez categorias de uso, a mais citada foi o “Banho” (B), registrando 74 espécies destinadas a este emprego como mostrado na figura 2. A categoria que menos foi citada foi o “Sacudimento” (E) com um total de cinco plantas. Há também dentre as citações, plantas que são destinadas exclusivamente para a mesma aplicação, como é o caso do “Abre Caminho, Tira Teima ou Quebra Demanda”, da Família Lamiaceae, que foi indicada pelos cinco informantes para o mesmo uso. Temos outras que possuem uma aplicação diversificada, sendo citadas em mais de uma categoria, até preencher um total de seis aplicações como foi o caso do “Akokô” (Newbouldia laevis), que possui uma importância muito grande dentro do culto, pois os informantes relataram a necessidade de tê-la, para praticamente todos os tipos de trabalhos. A maioria das plantas é exótica ao bioma Cerrado ou ao Brasil. No presente levantamento pode-se verificar a presença de aproximadamente 14 plantas estão distribuídas no bioma Cerrado. São exemplos de espécies nativas que possuem aproveitamento nos cultos afro-brasileiros, o Pequi (Caryocar brasiliense), a Quaresmeira (Tibouchina granulosa), a Canela de Velho (Miconia albicans), o São Gonsalino (Casearia sylvestris) e o Jatobá (Hymenaea courbaril). O Pequi, além de sua importância e apreço alimentar, é utilizado em sacudimentos, assentamento e em banhos. É considerada uma planta com ligação ao Orixá Exu e é tida como quente e forte. A Quaresmeira é aplicada para se fazer cama de folha dos Orixás Omolu e Nanã. A Canela de Velho é muito utilizada em banhos de limpeza. O fruto do Jatobá possui funções ritualísticas, sendo utilizado em fundamentos do Orixá Xangô, como também o chá das folhas e a polpa do fruto possuem propriedades medicinais voltadas para problemas de anemia.
  25. 25. As plantas exóticas são de origem africana como é o caso do Iroko (Chlorophora excelsa), que é considerada árvore sagrada pelos praticantes das religiões de matriz 25 africana. O uso de espécies originárias da África como a Noz de cola ou Obi (Cola acuminata), é de grande significado etnobotânico, pela permanência como planta tradicional e de uso obrigatório em algumas situações ritualísticas (Albuquerque, 1995). Segundo Albuquerque (1997) a família Lamiaceae apresenta grande aceitação para usos ritualísticos, principalmente em banhos, devido ao seu potencial aromático. Para 12 nomes citados na Tabela - 2, não foi possível identificar as espécies correspondentes devido à dificuldade em encontrar material botânico. Verificaram-se casos em que o mesmo nome popular é utilizado para plantas distintas, em outros casos as plantas recebem o mesmo nome popular, talvez pela semelhança botânica, como é o caso do (Piper arboreum) e o (Piper aromaticum) “Pimenta de Macaco”. As duas são de mesma família (Piperaceae) e são em comum utilizadas para banhos As plantas que obtiveram maior importância relativa de uso foram: Boldo ou Tapete de Oxalá (Plectranhtus barbatus) (100), Abre Caminho (indeterminada) (100), Colônia (Alpinia zerumbet) (80), Folha da fortuna (Bryophyllum pinnatum) Oken) (80), Alecrim (Rosmarinus officinalis)(80), Acocô (Newbouldia laevis) (80), Boldo do Chile (Plectranthus neochilus) (60), todas espécies exóticas cultivadas, o que demonstra a conservação das espécies nos cultos. A preservação do conhecimento sobre o uso dessas plantas, leva a crer que mesmo as migrações dos praticantes e dos sacerdotes para outros estados como o DF e Entorno, comparando estes aos historicamente mais tradicionais como Bahia e Recife, mostra que o processo de consolidação do culto no contexto do uso de plantas vem sendo mantido.
  26. 26. A família Lamiaceae (Labiatae) foi a que apresentou maior diversidade, com dez espécies e sete gêneros; seguida de Asteraceae (Compositae) com sete espécies e seis gêneros; Piperaceae com cinco espécies e dois gêneros; Moraceae, Anacardiaceae e Euphorbiaceae com quatro espécies e quatro gêneros; Dracaenaceae com três espécies e dois gêneros; Lauraceae com três espécies e três gêneros; Leguminosae com três espécies e dois gêneros; Solanaceae com três espécies e três gêneros; as demais com um registro 26 de espécie (Tabela - 1). Albuquerque (1999) relata que a freqüência de algumas espécies nos estudos feitos em casas de santo no Brasil se mostra constante, como o Kalanchoe brasiliensis (Saião ou Folha-da-costa), Rosmarinus officinalis (Alecrim) e a Cola acuminata (Obi ou Noz de cola). Muitas das espécies vegetais utilizadas nos cultos afros são também utilizadas popularmente em diversas regiões do país. Segundo Silva & Andrade (2006) em estudo etnobotânico com comunidades da região litorânea de Pernambuco, estas utilizam 372 espécies, alguns destas, como é o caso do Urucum (Bixa orellana), o Melão de São Caetano (Mormodica charantia ), Pinhão roxo (Jatropha gossypiifolia), Liamba (Vitex agnus-castus) dentre outras, são citadas no presente trabalho. Outros trabalhos elaborados dentro do contexto de plantas empregadas nos cultos afros, descrevem o uso terapêutico, como Camargo (1998), que cita este emprego para espécies como a Liamba (Vitex agnus-castus), a Jurema (Mimosa hostilis Benth.) e a Arruda (Ruta graveolens). Segundo Azevedo (2006), o uso de algumas espécies é bem difundido pelos praticantes dos cultos afros em cidades como a do Rio de Janeiro. Comparado o uso de algumas espécies neste trabalho, vimos que espécies como a Colônia (Alpinia zerumbet),
  27. 27. a Aroeira (Schinus terebinthifolius) e o Alecrim (Rosmarinus officinalis) são 27 freqüentemente citadas para o uso religioso (Azevedo, 2006). Embora algumas espécies nativas de cerrado não tenham atingido os índices mais altos de importância relativa de uso, o fato de estarem presentes nos cultos e de serem citadas, para usos diversificados, pode indicar que estas plantas foram adaptadas ou absorvidas pelos cultos, seja pela ausência de outras plantas ou pela incorporação destas aos mesmos. Exemplos destas plantas são: a Quaresmeira (Tibouchina granulosa), a Canela de Velho (Miconia albicans) e o Jatobá (Hymenaea courbaril). De acordo com Trindade et al. (2000), os vegetais cultivados têm um emprego sacro no candomblé, entretanto afirmam que a utilização de vegetais colhidos em área não cultivada é indispensável ao culto religioso.
  28. 28. Tabela 1 – Famílias botânicas, nome científico e respectivo nome popular das plantas utilizada nos cultos afro-brasileiros no DF e Entorno; 28 Família Nome cientifico Nome popular Aloaceae Aloe arborescens Mill. Babosa Amaranthaceae Alternanthera dentata (Moench) Stuchl. Terramicina, Penicilina ou Ewe lebo Anacardiaceae Astronium fraxinifolium Schott Mangifera indica L. Schinus terebinthifolius Raddi Spondias mombin L. São Gonsalino Mangueira Aroeira Cajá Annonaceae Annona muricata L. Xylopia aromatica Mart. Graviola Pindaíba ou Lelecum Apiaceae Foeniculum vulgare Mill. Erva doce Apocynaceae Allamanda puberula A.DC. Peltastes isthmicus Woodson Ewe seré Inhame Araceae Dieffenbachia amoena Hort. ex Gentil Pistia stratiotes L. Comigo ninguém pode Alface d’ água / Ojouri Arecaceae Elaeis guineensis Jacq. Dendê Asteraceae Bidens pilosa L. Melampodium divaricatum DC. Mikania glomerata Spreng. Vernonia brasiliana (L.) Druce Vernonia condensata Baker Artemisia absinthium L. Centratrerum Cass. Carrapicho Oripepé Guaco Assa peixe Alumã / Ewe oro Absinto Balaio de velho Bignoniaceae Newbouldia laevis Seem. Tecoma stans (L.) H.B. & K. Akokô Trombeta Bixaceae Bixa orellana L. Urucum Caesalpinaceae Hymenaea courbaril L. Jatobá Caprifoliaceae Caprifoliaceae Sambucus L. Sambucus australis Cham. & Schltdl. Pararraio Sabugueiro Caryocaraceae Caryocar brasiliense St.Hil. Pequi Caryophyllaceae Drymaria cordata Willd. ex Schult. Erva Vintém Cecropiaceae Cecropia peltata L. Embaúba ou Pau Polvora Chrysobalanaceae Licania tomentosa Kuntze Oiti Costaceae Costus spicatus Sw. Cana-do-Brejo Crassulaceae Bryophyllum pinnatum Kurz Kalanchoe brasiliensis Cambess. Folha da fortuna Sião Cucurbitaceae Momordica charantia L. Melão de São Caetano Dracaenaceae Dracaena fragrans Ker Gawl.. Dracaena Vand. ex L. Sansevieria trifasciata Hort. ex Prain Peregum Amarelo Peregum Branco ou Pau D’ água Espada de São Jorge Euphorbiaceae Croton perdicipes St.Hil. Euphorbia tirucalli L. Jatropha gossypiifolia L. Ricinus communis L. Pé de Perdiz Aveloz ou Gravetinho Pinhão Roxo Mamona Flacourtiaceae Carpotroche brasiliensis Endl. Casearia sylvestris Sw. Mata Piolho São Gonsalino Geraniaceae Geranium moschatum Burm.f. Malva Rosa, Malva Cheirosa, Malva Lamiaceae Lavandula officinalis Chaix Melissa officinalis L. Ocimum basilicum L. Ocimum gratissimum L. Plectranthus amboinicus (Lour.) Spreng. Plectranthus barbatus Andrews Plectranthus neochilus Schltr. Pogostemon cablin Benth. Rosmarinus officinalis L. Lavanda do Campo Melissa Manjericão Alfavaca, Ewe kiiobis Hortelã da Folha Grossa Boldo ou Tapete de Oxalá Boldo do Chile Pacthuli Alecrim
  29. 29. 29 Vitex agnus-castus L. Liamba Lauraceae Cinnamomum zeylanicum Blume Laurus nobilis L. Persea americana Mill. Canela Louro Abacate Leguminosae Caesalpinia ferrea Mart. Mimosa hostilis Benth. Mimosa L. Jucá ou Pau Ferro Jurema Preta Jurema Branca Liliaceae Cordyline terminalis Kunth Peregum Vermelho ou Peregum Roxo Loranthaceae Struthanthus flexicaulis Mart. Erva de passarinho Malvaceae Gossypium hirsutum L. Algodão Melastomataceae Miconia albicans Steud. Tibouchina granulosa (Desr.) Cogn. Canela de Velho Quaresmeira Moraceae Artocarpus integrifolius L.f. Chlorophora excelsa Benth. & Hook.f. Ficus doliaria Mart. Morus nigra L. Jaqueira Iroko Guameleira Amora Musaceae Musaceae Musa L. Bananeira Branca Myrtaceae Eugenia uniflora L. Syzygium aromaticum (L.) Merr. & L.M.Perry Pitanga Cravo da Índia Nyctaginaceae Boerhavia diffusa L. Bredo de Santo Antônio ou Pega Pinto Oxalidaceae Averrhoa carambola L. Carambola Passifloraceae Passiflora edulis Sims Passiflora L. Maracujá Maracujá Selvagem Phytolaccaceae Petiveria alliacea L. Guiné ou Tipi Piperaceae Piper aduncum L. Piper arboreum Aubl. Piper aromaticum Willd. Piper tuberculatum Jacq. Pothomorphe umbellata (L.) Miq. Bete fêmea / Pimenta de macaco Bete cheiroso / Bete macho João Barandi/ Pimenta de macaco Jaborandi (Falso - Jaborandi) Capeba Plumbaginaceae Plumbago scandens L. Louquinho Miúdo Poaceae Saccharum officinarum L. Cana de Exu Punicaceae Punica granatum L. Romã Rosaceae Rosa alba L. Rosa Branca Rubiaceae Coffea arabica L. Genipa americana L. Café Jenipapo Rutaceae Ruta graveolens L. Arruda Solanaceae Brunfelsia uniflora D.Don Nicotiana tabacum L. Solanum lycocarpum A.St.-Hil. Manacá Fumo ou Tabaco Lobeira Sterculiaceae Cola acuminata Schott & Endl. Noz de cola ou Obi Verbenaceae Lippia alba (Mill.) N.E.Br. ex Britton & P.Wilson Erva Cidreira Vitaceae Cissus verticillata (L.) Nicolson & C.E.Jarvis Insulina Zingiberaceae Alpinia zerumbet (Pers.) B.L.Burtt & R.M.Sm. Hedychium coronarium J.Koenig Colônia Lírio Branco
  30. 30. 30 Tabela 2 - Plantas utilizadas tradicionalmente nos cultos afro-brasileiros no Distrito Federal e Entorno, e seus respectivos usos; Convenção para categoria de uso: A= Amaci, B = Banho, C= Defumador, D= Medicinal, E= Sacudimento, F= Culinária, G= Assentamento, H= Iniciação, I= Ornamental, J= Ebós e Cerimônias Nº de usos = Número de uso citado. Nome popular ou ritualístico Nome científico Família A B C D E F G H I J Nº de usos CUP Fc CUPc Abacateiro Persea americana Miller Lauraceae X 1 100 0,2 20 Abre caminho / Quebra demanda / Tira teima Indeterminada Lamiaceae X 1 100 1,0 100 Acóco Newbouldia laevis Seem Bignoniaceae X X X X X X 6 66,6 0,8 53,28 Afomã/ Erva de passarinho Struthanthus flexicaulis Mart Loranthaceae X 1 100 0,2 20 Alecrim Rosmarinus officinalis L. Lamiaceae X X X X 4 100 0,8 80 Alecrim do Campo Indeterminada Indeterminada X X X 3 100 0,2 20 Alumã / Ewe oro Vernonia condensata Baker Asteraceae X 1 100 0,2 20 Alface d’ água / Ojouri Pistia stratiotes L. Araceae X X 2 100 0,2 20 Alfavacão / Alfavaca de caboclo/ Ocimum gratissimum L. Lamiaceae X X X X 4 100 0,6 60 Ewe kiiobis Alfazema Indeterminada Indeterminada X X X 3 100 0,2 20 Alfazema do Campo Lavandula officinalis Chaix Lamiaceae X 1 100 0,2 20 Algodão Gossypium hirsutum L. Malvaceae X X X X 4 100 0,4 40 Amora Morus nigra L. Moraceae X X X 3 100 0,4 40 Aroeira Schinus terebinthifolius Raddi Anacardiaceae X X X X 4 100 0,8 80 Arruda Ruta graveolens L. Rutaceae X X 2 100 0,2 20 Artemísia Artemisia absinthium L. Asteraceae X X 2 100 0,2 20 Assa peixe Vernonia brasiliana (L.) Druce Asteraceae X X 2 100 0,2 20 Aveloz / Gravetinho Euphorbia tirucali L. Euphorbiaceae X 1 100 0,2 20 Babosa / Flor da babosa Aloe arborescens Mill. Aloaceae X 1 100 0,4 40 Balaio de velho Centrathrerum Cass. Asteraceae X X X 3 100 0,6 60 Bananeira Branca Musa sp. Musaceae X 1 100 0,2 20 Bete cheiroso / Bete macho Piper arboreum Aubl. Piperaceae X X X 3 100 0,4 40 Bete fêmea / Pimenta de macaco Piper aduncum L. Piperaceae X X X 3 66,6 0,2 53,68 Boldo ou Tapete de Oxalá Plectranhtus barbatus Andrews Lamiaceae X X X X 4 100 1,0 100 Boldo do Chile Plectranthus neochilus Schltr. Lamiaceae X X X X 4 100 0,6 60 Bredo de santo Antonio / Pega pinto Boerhavia diffusa L. Nyctaginaceae X X 2 100 0,2 20 Café Coffea arabica L. Rubiaceae X X X 3 100 0,4 40 Cajá Spondias mombin L. Anacardiaceae X X X X 4 100 0,2 20 Cana de exu Saccharum officinarum L. Poaceae X X 2 100 0,2 20 Cana do Brejo / Canela de índio Costus spicatus (Jacq.) Sw. Costaceae X X X X 4 100 0,6 60
  31. 31. 31 Nome popular ou ritualístico Nome científico Família A B C D E F G H I J Nº de ind. CUP Fc CUPc Câncerosa Indeterminada Indeterminada X X 2 100 0,2 20 Candeia branca Indeterminada Indeterminada X X 2 100 0,2 20 Canela Cinnamomum zeylanicum Breyn. Lauraceae X X X X X 5 100 0,6 60 Canela de velho Miconia albicans Steud. Melastomataceae X 1 100 0,4 40 Capeba Pothomorphe umbellata (L.) Miq. Piperaceae X X X X 4 100 0,4 40 Carambola Averrhoa carambola L. Oxalidaceae X X 2 100 0,2 20 Carrapicho Bidens pilosa L. Asteraceae X X 2 100 0,4 40 Chega até mim Indeterminada Indeterminada X 1 100 0,2 20 Colônia Alpinia zerumbet (Pers.) B.L.Burtt & R.M.Sm. Zingiberaceae X X X X X 5 100 0,8 80 Comigo ninguém pode Dieffenbachia amoena Hort. ex Gentil Araceae X 1 100 0,6 60 Corredeira branca Indeterminada Indeterminada X X 2 100 0,2 20 Cravo da Índia Syzygium aromaticum ( L. ) Merr. & L.M.Perry Myrtaceae X X X X 4 100 0,2 20 Dama da noite Indeterminada Indeterminada X 1 100 0,2 20 Dandá d’ água Indeterminada Indeterminada X 1 100 0,2 20 Dandá d’ terra Indeterminada Indeterminada X X 2 100 0,2 20 Dendê Elaeis guineensis Jacq. Arecaceae X X 2 100 0,2 20 Embaúba / pau polvora Cecropia peltata Trecúl Cecropiaceae X X 2 100 0,2 20 Erva cidreira Lippia alba (Mill.) N.E.Br. ex Britton & P.Wilson Verbenaceae X X 2 100 0,6 60 Erva doce Foeniculum vulgare Mill. Apiaceae X X 2 100 0,2 20 Erva tostão Boerhavia diffusa L. Nyctaginaceae X 1 100 0,2 20 Erva vintém Drymaria cordata (L.) Roem. & Schult. Caryophyllaceae X X X 3 100 0,2 20 Espada de São Jorge Sansevieria trifasciata Hort. ex Prain Dracaenaceae X 1 100 0,4 40 Ewe seré Alamanda puberula A.DC. Apocynaceae X X 2 100 0,2 20 Folha da fortuna Bryophyllum pinnatum (Lam.) Oken Crassulaceae X X X X X 5 100 0,8 80 Fumo Nicotiana tabacum L. Solanaceae X 1 100 0,2 20 Gameleira Ficus doliaria Mart. Moraceae X X 2 100 0,4 40 Graviola Annona muricata L. Annonaceae X 1 100 0,2 20 Guaco Mikania glomerata Spreng. Asteraceae X X 2 100 0,2 20 Guiné / Tipi Petiveria alliacea L. Phytolaccaceae X 1 100 0,4 40 Hortelã da folha grossa Plectranthus amboinicus (Lour.) Spreng. Lamiaceae X 1 100 0,2 20 Inhame Peltaste isthmicus Woodson Apocynaceae X 1 100 0,2 20 Insulina Cissus verticillata (L.) Nicolson & C.E.Jarvis Vitaceae X 1 100 0,4 40
  32. 32. 32 Nome popular ou ritualístico Nome científico Família A B C D E F G H I J Nº de ind. CUP Fc CUPc Iroko Chlorophora excelsa Benth. & Hook.f. Moraceae X X 2 100 0,2 20 Jaborandi (Falso - Jaborandi) Piper tuberculatum Jacq. Piperaceae X X X 3 100 0,4 40 Jambo Indeterminada Indeterminada X 1 100 0,2 20 Jaqueira Artocarpus integrifolius L.f. Moraceae X 1 100 0,2 20 Jatobá Hymenae courbaril L. Caesalpinaceae X X 2 100 0,2 20 Jenipapo Genipa americana L. Rubiaceae X X X 3 100 0,2 20 João Barandi/ Pimenta de macaco Piper aromaticum Willd. Piperaceae X 1 100 0,4 40 Jucá / pau ferro Caesalpinia ferrea Mart. Leguminosae X X 2 100 0,4 40 Jurema branca Mimosa sp. Mimosaceae X X 2 100 0,2 20 Jurema preta / Jurema sagrada Mimosa hostilis Benth. Mimosaceae X X X X 4 100 0,6 60 Laranjeira Citrus sinensis L. Rutaceae X 1 100 0,2 20 Liamba Vitex agnus-castus L. Lamiaceae X X 2 100 0,4 40 Lírio branco Hedychium coronarium J.Koenig Zingiberaceae X X 2 100 0,4 40 Lobeira Solanum lycocarpum A.St.-Hil. Solanaceae X X 2 100 0,4 40 Louquinho miúdo Plumbago scandens L. Plumbaginaceae X 1 100 0,2 20 Louro Laurus nobilis L. Lauraceae X X X 3 100 0,2 20 Malva Cheirosa / Malva Rosa Geranium moschatum Burm.f. Geraniaceae X X X 3 100 0,6 60 Mamona Ricinus communis L. Euphorbiaceae X 1 100 0,2 20 Manacá Brunfelsia uniflora (Pohl) D. Don Solanaceae X 1 100 0,2 20 Mangueira Espada Mangifera indica L. Anacardiaceae X X X X 4 100 0,4 40 Manjericão / Manjericão Miúdo Ocimum basilicum L. Lamiaceae X X X 3 100 0,4 40 Maracujá Passiflora edulis Sims. Passifloraceae X 1 100 0,2 20 Maracujá selvagem / ewe dan Passiflora sp. Passifloraceae X X X 3 100 0,2 20 Mata piolho Carpotroche brasiliensis Endl. Flacourtiaceae X X 2 100 0,2 20 Melão de São Caetano Momordica charantia L. Cucurbitaceae X X 2 100 0,2 20 Melissa Melissa officinalis L. Lamiaceae X X X 3 100 0,2 20 Obi/ Noz de cola Cola acuminata Schott & Endl. Sterculiaceae X X X X X X 6 100 0,2 20 Obò/Odán Peltastes isthmicus Woodson Apocynaceae X X X X X X 6 100 0,6 60 Oiti Licania tomentosa Kuntze ou Fritsch Chrysobalanaceae X 1 100 0,2 20 Onda do mar Indeterminada Indeterminada X X 2 100 0,2 20 Oripepé Melampodium divaricatum DC. Meliaceae X X 2 100 0,2 20 Pacthuli Pogostemon cablin Benth. Lamiaceae X X 2 100 0,2 20 Pararraio Melia azedarach L. Caprifoliaceae X X 2 100 0,2 20 Pé de perdiz Croton perdicipes A. St.-Hil. Euphorbiaceae X X 2 100 0,2 20
  33. 33. 33 Nome popular ou ritualístico Nome científico Família A B C D E F G H I J Nº de ind. CUP Fc CUPc Pequi Caryocar brasiliense St.Hil. Caryocaraceae X X X X 4 100 0,4 40 Peregum Amarelo Dracaena fragans Ker Gawl. Dracaenaceae X 1 100 0,2 20 Peregum Branco / Peregum / Pau d’água / peregum verde Dracaena sp. Dracaenaceae X X X X X X 6 66,6 0,6 53,28 Peregum Vermelho / Roxo Cordyline terminals (L.) Kunth Liliaceae X X X X X 5 100 0,4 40 Pindaíba / lelecum Xylopia aromatica Mart. Annonaceae X X 2 100 0,2 20 Pinhão roxo Jatropha gossypiifolia L. Euphorbiaceae X X X 3 100 0,4 40 Pitanga Eugenia uniflora L. Myrtaceae X X 2 100 0,2 20 Quaresmeira Tibouchina granulosa Cogn. ex Britton Melastomataceae X 1 100 0,2 20 Romã Punica granatum L. Punicaceae X X 2 100 0,2 20 Rosa branca Rosa alba L. Rosaceae X X 2 100 0,2 20 Sabugueiro Sambucus australis Cham. & Schltdl. Caprifoliaceae X X X X 4 100 0,4 40 Saião Kalanchoe brasiliensis Camb. Crassulaceae X X 2 100 0,2 20 São Gonçalinho Casearia sylvestris Sw. Flacourtiaceae X X X 3 100 0,2 20 São Gonsalinho Astronium fraxinifolium Schott Anacardiaceae X X 2 100 0,2 20 Terramicina/ Penicilina vegetal / Alternanthera dentata (Moench) Stuchlik Amaranthaceae X X X 1 100 0,4 40 Ewe lebo Timbó Serjania lethalis Sapindaceae X 1 100 0,2 20 Trombeta Tecoma stans (L.) H.B. & K. Bignoniaceae X X 2 100 0,2 20 Urucum Bixa orellana L. Bixaceae X X X 3 100 0,4 40
  34. 34. 34 C - LISTA DAS ESPÉCIES E DESCRIÇÃO DE USO 1. Abacateiro Família: Lauraceae Nome científico: Persea americana Miller Parte usada: Folha e fruto. Restrição de uso: Não foi informada. Uso ritualístico: Não indicado Outros empregos: Folha usada em forma de cataplasma na cabeça, para dores na mesma e os frutos são considerados bons para os rins. Categoria: D 2. Abre caminho / Quebra demanda / Tira teima Família: Lamiaceae Nome científico: Indeterminada Parte usada: Folha Restrição de uso: Coletar antes do nascer do sol, quando usada para banhos. Uso ritualístico: Planta macerada com água fria, e utilizada em banhos de limpeza. Ebós e assentamento. Outros empregos: Não informado. Categoria: B 3. “Acocô” Família: Bignoniaceae Nome científico: Newbouldia laevis Seem. Parte usada: Folha
  35. 35. 35 Restrição de uso de uso: Coletar antes do nascer do sol, quando usada para banhos. Uso ritualístico: Assentamento de todos os Orixás, iniciação e matança. Utilizada junto ao “Óbó”, em “Ebós” para atrair dinheiro. Planta macerada com água fria, e utilizada em banhos de limpeza junto ao “Óbó”. Folha seca usada como defumador. Outros empregos: Enfeitar pratos. Categoria: B, C, F, G, H, J. 4. Afomã ou Erva de passarinho Família: Loranthaceae Nome científico: Struthanthus flexicaulis Mart. Parte usada: Folha e flores. Restrição de uso: Coletar antes do nascer do sol, quando usada para banhos. Uso ritualístico: Planta macerada e cozida, utilizada em banhos de limpeza. Outros empregos: Não informado. Categoria: B. 5. Alecrim Família: Lamiaceae Nome científico: Rosmarinus officinalis L. Parte usada: Folha e caule. Restrição de uso: Coletar antes do nascer do sol, quando usada para banhos. Uso ritualístico: Planta macerada com água fria, para banhos de limpeza. Folha usada como defumador.
  36. 36. Outros empregos: O chá é usado como calmante e cicatrizante. A folha cozida combate à 36 queda de cabelo. A planta também é utilizada como tempero. Categoria: B, C, D, F. 6. Alecrim do campo Família: Indeterminada Nome científico: Indeterminada Parte usada: Folha Restrição de uso: Coletar antes do nascer do sol, quando usada para banhos. Uso ritualístico: Planta macerada com água fria, para banhos de limpeza. Folha usada como defumador. Cama de folha para o Orixá Ogum. Outros empregos: Não informado. Categoria: B, C, G. 7. Alface d’água / “Ojuori” Família: Araceae Nome científico: Pistia stratiotes L. Parte usada: Folha Restrição de uso: Coletar antes do nascer do sol, quando usada para banhos. Uso ritualístico: Planta macerada com água fria, para banhos de limpeza e de atração. Outros empregos: Usada para lavar os olhos em casos de inflamações. Categoria: B, D. 8. Alfavaca / Alfavacão / Alfavaca de Caboclo / “Ewé Kiiobis” Família: Lamiaceae Nome científico: Ocimum gratissimum L.
  37. 37. 37 Parte usada: Folha Restrição de uso: Coletar antes do nascer do sol, quando usada para banhos. Uso ritualístico: Planta macerada com água fria, para banhos de limpeza, e no assentamento para o Orixá Oxossi. Outros empregos: O chá é usado contra gripe, pode ser usado associado ao manjericão. Folha usada como tempero para carne. Categoria: B, G, D, F. 9. Alfazema Família: Indeterminada Nome científico: Indeterminada Parte usada: Folha Restrição de uso: Coletar antes do nascer do sol, quando usada para banhos. Uso ritualístico: Planta macerada com água fria, para banhos de limpeza, Amaci e atração. Folha usada como defumador. Outros empregos: Não informado. Categoria: A, B, C. 10. Alfazema do campo Família: Lamiaceae Nome científico: Lavandula officinalis Chaix Parte usada: Folha Restrição de uso: Coletar antes do nascer do sol, quando usada para banhos. Uso ritualístico: Planta macerada com água fria, para banhos de limpeza. Outros empregos: Não informado. Não informado.
  38. 38. 38 Categoria: B. 11. Algodão Família: Malvaceae Nome científico: Gossypium hirsutum L. Parte usada: Folha Restrição de uso: Coletar antes do nascer do sol, quando usada para banhos. Uso ritualístico: Planta macerada com água fria, para banhos de limpeza e Amacis. Cama de folha de Orixá. Associada a folha da Aroeira e Alfazema, maceradas e cozidas em banhos de limpeza. Outros empregos: O chá é usado para combater infecções uterinas. Categoria: A, B, D, G. 12. Alomã / Ewé oro Família: Asteraceae Nome científico: Vernonia condensata Baker Parte usada: Folhas Restrição de uso: Não indicado Uso ritualístico: Planta macerada com água fria, para banhos de limpeza e assentamento do Orixá Omolu. Outros empregos: O chá é usado para combater cólicas intestinais, problemas de estomago, fígado e dores de barriga. Categoria: D 13. Amora Família: Moraceae
  39. 39. 39 Nome científico: Morus nigra L. Parte usada: Folha Restrição de uso: Não indicado Uso ritualístico: Utilizado em fundamentos para Eguns, sacudimento, limpeza do lar e obrigação fúnebre. Outros empregos: O chá é usado como regulador hormonal para menopausa e insônia. Categoria: E, G, J. 14. Aroeira Família: Anacardiaceae Nome científico: Schinus terebinthifolius Raddi Parte usada: Folha Restrição de uso: Colher antes do nascer do sol. Uso ritualístico: Planta macerada com água fria, para banhos de limpeza. Iniciação, Amaci, sacudimento, cama de folha e assentamento do Orixá Ogum. Outros empregos: Não informado. Não indicado. Categoria: A, B, H, E, G. 15. Arruda Família: Rutaceae Nome científico: Ruta graveolens L. Parte usada: Folha Restrição de uso: Não lavar a cabeça durante o banho e o chá possuí propriedades abortivas. Uso ritualístico: Planta macerada com água fria, para banhos de limpeza. Outros empregos: Chá para gargarejo contra infecções na boca.
  40. 40. 40 Categoria: B, D. 16. Artemísia Família: Asteraceae Nome científico: Artemisia absinthium L. Parte usada de uso: Folha Restrição de uso: Planta abortiva e tóxica, quantidade máxima de três xícaras de chá por dia. (Lorenzi, 2002). Uso ritualístico: Planta macerada com água fria, para banhos de limpeza e assentamento para o Orixá Oxum e Iemanjá. Outros empregos: Não informado. Não indicado. Categoria: B, G. 17. Assa peixe Família: Asteraceae Nome científico: Vernonia brasiliana (L.) Druce Parte usada: Folha Restrição de uso: Não indicado Uso ritualístico: Limpeza da casa em celebrações fúnebres. Outros empregos: Usada na elaboração de xarope para gripe. Categoria: D, J. 18. Aveloz / Gravetinho Família: Euphorbiaceae Nome científico: Euphorbia tirucali L. Parte usada: Folha
  41. 41. 41 Restrição de uso: Planta tóxica Uso ritualístico: Utiliza em assentamento para o Orixá Exu. Outros empregos: Não informado. Não indicado. Categoria: G. 19. Babosa Família: Aloaceae Nome científico: Aloe arborescens Mill. Parte usada: Folha e Flor Restrição de uso: Não indicado Uso ritualístico: Outros empregos: É usada a baba que há entre as folhas para o cabelo, faz –se banho de assento para problemas de hemorróida, e o chá das flores é usado para combater pneumonia. Categoria: D 20. Balai de velho, Balaim de velho e Balaio. Família: Asteraceae Nome científico: Centratherum sp. Parte usada: Folha, raiz e flores. Restrição: Coletar antes do nascer do sol, quando usada para banhos. Uso ritualístico: Planta macerada com água fria, para banhos de limpeza, em assentamentos e fundamentos. Outros empregos: É utilizado o chá da raiz, das flores e das folhas para curar problemas orgânicos. Categoria: B, D, G.
  42. 42. 42 21. Bananeira Branca Família: Musaceae Nome científico: Musa sp. Parte usada: Folha Restrição de uso: Planta macerada com água fria, para banhos de limpeza. Uso ritualístico: Outros empregos: A folha é utilizada para enrolar a comida chamada de Acaçá. Categoria: F. 22. Bete Cheiroso, Bete Macho e Abranda Mundo. Família: Piperaceae Nome científico: Piper arboreum Aubl. Parte usada: Folha Restrição: Coletar antes do nascer do sol, quando usada para banhos. Uso ritualístico: Planta macerada com água fria, para banhos de limpeza, assentamento e iniciação para todos os orixás. Outros empregos: Não informado Categoria: B, G, H. 23. Bete Fêmea ou Pimenta de Macaco Família: Piper aduncum L. Nome científico: Piperaceae Parte usada: Folha e fruto. Restrição de uso: Coletar antes do nascer do sol, quando usada para banhos.
  43. 43. Uso ritualístico: A folha da planta macerada com água fria, para banhos de limpeza. 43 Assentamento e iniciação para Iemanjá. Os frutos são utilizados em fundamentos. Outros empregos: Não informado Categoria: B, G, H. 24. Boldo ou Tapete de Oxalá Família: Lamiaceae Nome científico: Plectranhtus barbatus Andrews Parte usada: Folha Restrição de uso: Coletar antes do nascer do sol, quando usada para banhos. Uso ritualístico: Planta macerada com água fria para banhos de limpeza e dor de cabeça, assentamentos, fundamentos e iniciação de filhos de Oxalá. Outros empregos: O chá é utilizado para combater problemas de fígado e estômago. Categoria: B, D, G, H. 25. Boldo do Chile Família: Lamiaceae Nome científico: Plectranthus neochilus Schltr. Parte usada: Folha Restrição de uso: Coletar antes do nascer do sol, quando usada para banhos. Uso ritualístico: Planta macerada com água fria, para banhos de limpeza, cama de Orixá para Nanã, Oxalá e Oxumaré. Outros empregos: O chá é utilizado para combater problemas de fígado e estômago. Categoria: B, G, H. 26. Bredo de Santo Antonio Pega Pinto ou Ewé Tipola
  44. 44. 44 Família: Nyctaginaceae Nome científico: Boerhavia diffusa L. Parte usada: Folha Restrição de uso: Coletar antes do nascer do sol, quando usada para banhos. Uso ritualístico: Planta macerada com água fria, para banhos de limpeza e assentamento do Orixá Ogum. Outros empregos: Não informado Categoria: B, G. 27. Café Família: Rubiaceae Nome científico: Coffea arabica L. Parte usada: Folha Restrição de uso: Coletar antes do nascer do sol, quando usada para banhos. Uso ritualístico: Planta macerada com água fria, para banhos de limpeza e em cerimônias fúnebres. Também utilizada em rituais para Ossanha. Outros empregos: Não informado Categoria: B, G, H. 28. Cajá Família: Anacardiaceae Nome científico: Spondias mombin L. Parte usada: Folha Restrição de uso: Coletar antes do nascer do sol, quando usada para banhos.
  45. 45. Uso ritualístico: Planta macerada com água fria, para banhos de limpeza, entra em todos os 45 banhos, fundamentos e Amacís. Outros empregos: Não informado Categoria: A, B, G, H. 29. Cana de Exú Família: Poaceae Nome científico: Saccharum officinarum L. Parte usada: Folha Restrição de uso: Coletar antes do nascer do sol, quando usada para banhos. Uso ritualístico: Planta macerada com água fria, para banhos de limpeza, assentamento e Ebós para o Orixá Exu. Outros empregos: Não informado Categoria: B, J. 30. Cana do Brejo ou Canela de índio. Família: Costaceae Nome científico: Costus spicatus (Jacq.) Sw. Parte usada: Folha, raiz, frutos e galhos. Restrição de uso: Coletar antes do nascer do sol, quando usada para banhos. Uso ritualístico: Planta macerada com água fria, para banhos de limpeza, cama de folha para Nanã, Oxumaré e Oxalá. Utilizada no Amací do Candomblé de Jurema. Outros empregos: O chá da folha combate problemas renais. Categoria: A, B, D, H.
  46. 46. 46 31. Câncerosa Família: Indeterminada Nome científico: Indeterminada Parte usada: Folha Restrição de uso: Coletar antes do nascer do sol, quando usada para banhos, é uma planta tóxica. Uso ritualístico: Planta utilizada em Ebós para o Orixá Omolu. Outros empregos: Faz-se remédio para câncer. Categoria:D, J. 32. Candeia Branca Família: Indeterminada Nome científico: Indeterminada Parte usada: Folha Restrição de uso: Coletar antes do nascer do sol, quando usada para banhos. Uso ritualístico: Planta macerada com água fria, para banhos de limpeza e assentamento do Orixá Oxalá e Exu. Outros empregos: Não informado Categoria: B, G. 33. Canela Família: Lauraceae Nome científico: Cinnamomum zeylanicum Breyn. Parte usada: Folha Restrição de uso: Coletar antes do nascer do sol, quando usada para banhos.
  47. 47. Uso ritualístico: Planta macerada com água fria, para banhos de limpeza, fundamentos, 47 Amaci e também é usada para forrar o chão em dias de festivos. Outros empregos: O chá é muito apreciado usado para Problemas de estômago. Categoria: A, B, D, G, I. 34. Canela de velho Família: Melastomataceae Nome científico: Miconia albicans Steud. Parte usada: Folha Restrição de uso: Coletar antes do nascer do sol, quando usada para banhos. Uso ritualístico: Planta macerada com água fria, para banhos de limpeza. Outros empregos: Não informado. Não informado Categoria: B. 35. Capeba Família: Piperaceae Nome científico: Pothomorphe umbellata (L.) Miq. Parte usada: Folha Restrição de uso: Coletar antes do nascer do sol, quando usada para banhos. Uso ritualístico: Planta macerada com água fria, para banhos de limpeza, assentamento, iniciação e em cerimônias fúnebres. Outros empregos: Não informado. Não informado Categoria: B, G, H, J. 36. Carambola Família: Oxalidaceae
  48. 48. 48 Nome científico: Averrhoa carambola L. Parte usada: Folha Restrição de uso: Coletar antes do nascer do sol, quando usada para banhos. Uso ritualístico: Planta macerada com água fria, para banhos de limpeza e cerimônias. Outros empregos: Chá utilizado para problemas renais. Categoria: B, J. 37. Carrapicho ou Carrapicho Rasteiro Família: Asteraceae Nome científico: Bidens pilosa L. Parte usada: Folha, raiz e flor. Restrição de uso: Coletar antes do nascer do sol, quando usada para banhos. Uso ritualístico: Planta macerada com água fria, para banhos de limpeza e assentamento do Orixá Omolu. Outros empregos: Chá é utilizado para dar banhos em crianças com icterícia e para combater infecções uterinas. Categoria: B, D. 38. Chega até mim Família: Indeterminada Nome científico: Indeterminada Parte usada: Folha Restrição de uso: Coletar antes do nascer do sol, quando usada para banhos. Uso ritualístico: Planta macerada com água fria, para banhos de atração. Outros empregos: Não informado.
  49. 49. 49 Categoria: B. 39. Colônia Família: Zingiberaceae Nome científico: Alpinia zerumbet (Pers.) B.L.Burtt & R.M.Sm. Parte usada: Folha, raiz e flor. Restrição de uso: Coletar antes do nascer do sol, quando usada para banhos. Uso ritualístico: Planta macerada com água fria, para banhos de limpeza, Amací e iniciação. Cama de folha para o Orixá Oxum. Assentamento dos Orixás Oxalá e Nanã. Outros empregos: O chá da raiz e folhas é usado para problemas renais, como tônico cardíaco e calmante. O chá das flores é usado para diabetes. Categoria: A, B, D, G, H. 40. Comigo ninguém pode Família: Araceae Nome científico: Dieffenbachia amoena Hort. Ex Gentil Parte usada: Folha Restrição de uso: Pode causar irritação na pele, coletar antes do nascer do sol, quando usada para banhos. Uso ritualístico: Planta macerada com água fria, para banhos de limpeza. Outros empregos: Não informado Categoria: B. 41. Corredeira branca Família: Indeterminada Nome científico: Indeterminada
  50. 50. 50 Parte usada: Folha Restrição de uso: Coletar antes do nascer do sol, quando usada para banhos. Uso ritualístico: Planta macerada com água fria, para banhos de limpeza e assentamento de Omolu. Outros empregos: Não informado Categoria: B, G. 42. Cravo da Índia Família: Myrtaceae Nome científico: Syzygium aromaticum (L.) Merr. & L.M.Perry Parte usada: Folha Restrição de uso: Coletar antes do nascer do sol, quando usada para banhos. Uso ritualístico: Planta macerada com água fria, para banhos de limpeza, defumador, cama de folha para Orixá Omolu. Outros empregos: Chá utilizado para cólicas menstruais e para diminuir o fluxo da menstruação. Categoria: B, C, D, H. 43. Dandá d' terra Família: Indeterminada Nome científico: Indeterminada Parte usada: Raiz Restrição de uso: Não informado Uso ritualístico: Fundamento usando a batata ralada para o Orixá xangô. Outros empregos: Não informado
  51. 51. 51 Categoria: G 44. Dandá d' água Família: Indeterminada Nome científico: Indeterminada Parte usada: Raiz Restrição de uso: Coletar antes do nascer do sol, quando usada para banhos. Uso ritualístico: Fundamento e banho usando a batata ralada para o Orixá Oxalá. Outros empregos: Não informado Categoria: B, G. 45. Dama da noite Família: Indeterminada Nome científico: Indeterminada Parte usada: Folha Restrição de uso: Coletar antes do nascer do sol, quando usada para banhos. Uso ritualístico: Planta macerada com água fria, para banha de atração. Outros empregos: Não informado Categoria: B. 46. Dendê Família: Arecaceae Nome científico: Elaeis guineensis Jacq. Parte usada: Folha Restrição de uso: Não indicado.
  52. 52. Uso ritualístico: As folhas são utilizadas para decorar a casa nos dias festivos. O azeite é 52 apreciado no preparo de alguns pratos, podendo ou não ser usado de acordo com o Orixá. Outros empregos: Não informado Categoria: F, I. 47. Embaúba ou Pau Pólvora Família: Cecropiaceae Nome científico: Cecropia peltata Trecúl Parte usada: Folha Restrição de uso: Coletar antes do nascer do sol, quando usada para banhos. Uso ritualístico: Planta macerada com água fria, para banha de limpeza, assentamento para os Orixás Xangô e Obá. Outros empregos: Não informado Categoria: B, G. 48. Erva Doce Família: Apiaceae Nome científico: Foeniculum vulgare Mill. Parte usada: Folha Restrição de uso: Não informado. Uso ritualístico: Defumador Outros empregos: O chá é utilizado como calmante. Categoria: C, D 49. Erva Cidreira Família: Verbenaceae
  53. 53. 53 Nome científico: Lippia alba (Mill.) N.E.Br. Ex Britton & P.Wilson Parte usada: Folha Restrição de uso: Não informado. Uso ritualístico: Amaci. Outros empregos: O chá é utilizado como calmante e alívio em problemas cardíacos, combater gripe e o mal-estar. Categoria: A, D. 50. Erva Tostão Família: Nyctaginaceae Nome científico: Boerhavia diffusa L. Parte usada: Folha Restrição de uso: Não informado. Uso ritualístico: Amaci Outros empregos: Não informado Categoria: A. 51. Erva Vintém Família: Caryophyllaceae Nome científico: Drymaria cordata (L.) Roem. & Schult. Parte usada: Folha Restrição de uso: Coletar antes do nascer do sol, quando usada para banhos. Uso ritualístico: Planta macerada com água fria, para banhos de limpeza, assentamento e Ebós ao Orixá Xangô. Outros empregos: Não informado
  54. 54. 54 Categoria: B, G, J. 52. Espada de São Jorge Família: Dracaenaceae Nome científico: Sansevieria trifasciata Hort. Ex Prain Parte usada: Folha Restrição de uso: Não informado. Uso ritualístico: Sacudimento Outros empregos: Não informado Categoria: E 53. Ewe sere Família: Apocynaceae Nome científico: Alamanda puberula A.DC. Parte usada: Folha Restrição de uso: Coletar antes do nascer do sol, quando usada para banhos. Uso ritualístico: Planta macerada com água fria, para banhos de limpeza, assentamento para o Orixá Xangô. Outros empregos: Não informado Categoria: B, G. 54. Folha da Fortuna Família: Crassulaceae Nome científico: Bryophyllum pinnatum (Lam.) Oken Parte usada: Folha. Restrição de uso: Coletar antes do nascer do sol, quando usada para banhos.
  55. 55. Uso ritualístico: Planta macerada com água fria, para banhos de limpeza, enfeitar comidas de Orixá, cama de folha para os Orixás Xangô e Oxalá, assentamento dos Orixás Ifá e Exu, em 55 Amaci e Iniciação. Outros empregos: Não informado Categoria: A, B, F, G, H. 55. Fumo ou Tabaco Família: Solanaceae Nome científico: Nicotiana tabacum L. Parte usada: Folha Restrição de uso: Coletar antes do nascer do sol, quando usada para banhos. Uso ritualístico: Planta macerada com água fria, para banhos de limpeza. O uso indicado como presente no culto a Jurema. Outros empregos: Não informado Categoria: B. 56. Gameleira Família: Moraceae Nome científico: Ficus doliaria Mart. Parte usada: Folha Restrição de uso: Uso ritualístico: Amaci e em assentamento. É considerada uma folha sagrada do Orixá Iroko. Outros empregos: Não informado Categoria: A, G. 57. Graviola
  56. 56. 56 Família: Annonaceae Nome científico: Annona muricata L. Parte usada: Folha Restrição de uso: Uso ritualístico: Utilizada para preparar cama de folha, para o Orixá Iroko. Outros empregos: Não informado Categoria: H. 58. Guaco Família: Asteraceae Nome científico: Mikania glomerata Spreng. Parte usada: Folha Restrição de uso: Não informado Uso ritualístico: Planta utilizada para preparar cama de folha. Outros empregos: O chá para combater gripe e problemas respiratórios. Categoria: D, H. 59. Guiné ou Tipi Família: Phytolaccaceae Nome científico: Petiveria amboinicus Parte usada: Folha Restrição de uso: Coletar antes do nascer do sol, quando usada para banhos. Uso ritualístico: Planta macerada com água fria, para banhos de limpeza. Outros empregos: Não informado Categoria: B.
  57. 57. 57 60. Hortelã da folha graúda ou Hortelã da folha grossa Família: Lamiaceae Nome científico: Plectranthus amboinicus (Lour.) Spreng. Parte usada: Folha Restrição de uso: Não informado. Uso ritualístico: Não informado Outros empregos: O chá é utilizado para combater gripe, resfriados. É indicado para ser utilizado junto ao mel, como um xarope. Categoria: D. 61. Inhame Família: Apocynaceae Nome científico: Peltaste isthmicus Woodson Parte usada: Folha Restrição de uso: Não informado. Uso ritualístico: Planta utilizada para cama de folha do Orixá Ogum. Outros empregos: Não informado. Categoria: H. 62. Insulina Família: Vitaceae Nome científico: Cissus verticillata (L.) Nicolson & C. E. Jarvis Parte usada: Folha e gavinha. Restrição de uso: Não informado. Uso ritualístico: Não informado.
  58. 58. 58 Outros empregos: Chá é utilizado para problemas de diabete Categoria: D. 63. Iroko Família: Moraceae Nome científico: Chlorophora excelsa Benth. & Hook. F. Parte usada: Folha Restrição de uso: Uso ritualístico: Planta utilizada para decoração e como cama de folha para o Orixá Iroko. Outros empregos: Não informado Categoria: H, I. 64. Jaborandi, Falso Jaborandi ou Pimenta de Macaco Família: Piperaceae Nome científico: Piper tuberculatum Jacq. Parte usada: Folha e flor. Restrição de uso: Uso ritualístico: Planta macerada com água fria, para banhos de limpeza e para assentamento do Orixá e Oxossi. Outros empregos: A planta macerada com água fria é utilizada para os cabelos. Categoria: D, B, G. 65. Jambo Família: Planta não identificada. Nome científico: Planta não identificada Parte usada: Folha
  59. 59. 59 Restrição de uso: Não informado. Uso ritualístico: Planta utilizada para fundamentos de Orixá. Outros empregos: Não informado Categoria: G. 66. Jaqueira Família: Moraceae Nome científico: Artocarpus integrifolius L. Parte usada: Folha Restrição de uso: Não informado. Uso ritualístico: Planta utilizada para fundamentos e assentamento dos Orixás Iroko e Exu. Outros empregos: Não informado Categoria: G. 67. Jatobá Família: Caesalpinaceae Nome científico: Hymenae courbaril L. Parte usada: Folha e fruto Restrição de uso: Coletar as folhas antes do nascer do sol. Uso ritualístico: O fruto da planta é utilizado em fundamentos para o Orixá Xangô. Outros empregos: O chá e o fruto são indicados para problemas de anemia. Categoria: D, G. 68. Jenipapo Família: Rubiaceae Nome científico: Genipa americana L.
  60. 60. 60 Parte usada: Folha e fruto Restrição de uso: Uso ritualístico: A folhas da planta é utilizada em fundamentos do Orixá Omolu. Outros empregos: O fruto associado com mel é indicado para combater anemia, quando usado pela manha em jejum. O fruto é muito apreciado na culinária como doce. Categoria: D, F, G. 69. João Barandi ou Pimenta de Macaco Família: Piperaceae Nome científico: Piper aromaticum Willd. Parte usada: Folha Restrição de uso: Uso ritualístico: Planta cozida em água, para banhos de limpeza. Outros empregos: Não informado Categoria: B. 70. Jucá ou Pau Ferro Família: Leguminosaceae Nome científico: Caesalpinia ferrea Mart. Parte usada: Folha e casca. Restrição de uso: Coletar as folhas antes do nascer do sol. Uso ritualístico: Planta macerada com água fria, para banhos de limpeza destinados ao Orixá Ogum. Outros empregos: O chá da casca é utilizado para diabetes. Categoria: B, D.
  61. 61. 61 71. Jurema Branca Família: Mimosaceae Nome científico: Mimosa sp. Parte usada: Casca Restrição de uso: Coletar antes do nascer do sol. Uso ritualístico: A casca da planta é utilizada para elaborar bebida sagrada utilizada no Candomblé de Caboclo. Outros empregos: Não informado Categoria: D, J. 72. Jurema Preta Família: Mimosaceae Nome científico: Mimosa hostilis Benth. Parte usada: Casca e entre casca e raiz Restrição de uso: Coletar antes do nascer do sol. Uso ritualístico: A casca da planta é utilizada para elaborar bebida sagrada utilizada no Candomblé de Caboclo. A folha é utilizada no Amaci do Catimbó Jurema. Outros empregos: Planta ornamental. A entrecasca é utilizada para aliviar dor de dente, e para elaborar beberagem de propriedades curativas chamada "Jurema". Categoria: A, D, I, J. 73. Laranjeira Família: Rutaceae Nome científico: Citrus sinensis Osbeck
  62. 62. 62 Parte usada: Flor Restrição de uso: Não informado. Uso ritualístico: Flor da planta macerada com água fria, para banhos de limpeza. Outros empregos: Não informado. Categoria: B. 74. Liamba Família: Verbenaceae Nome científico: Vitex agnus-castus L. Parte usada: Folha Restrição de uso: Uso ritualístico: Planta macerada com água fria, para banhos de atração. Outros empregos: A folha da planta é utilizada na elaboração da beberagem "Jurema". Categoria: B, D. 75. Lírio Branco Família: Zingiberaceae Nome científico: Hedychium coronarium J. Koenig Parte usada: Folha Restrição de uso: Uso ritualístico: Planta macerada com água fria, para banhos de limpeza destinado ao Orixá Oxalá. Cama de folha do Orixá Oxalá. Outros empregos: Não informado Categoria: B, H. 76. Lobeira
  63. 63. 63 Família: Solanaceae Nome científico: Solanum lycocarpum A. St. Hil. Parte usada: Folha, flor, raiz e fruto. Restrição de uso: Uso ritualístico: Planta utilizada em assentamento para o Orixá Exu. Outros empregos: O chá da folha é utilizado para fazer banho de assento para hemorróida. O fruto cozido é utilizado para diabete e o chá da flor para resfriado. Categoria: D, G. 77. Louquinho miúdo ou loquinho Família: Plumbaginaceae Nome científico: Plumbago scadens L. Parte usada: Folha Restrição de uso: Não informado Uso ritualístico: Assentamento do Orixá Exu. Outros empregos: Não informado Categoria: G. 78. Louro Família: Lauraceae Nome científico: Laurus nobilis L. Parte usada: Folha Restrição de uso: Não informado Uso ritualístico: Planta macerada com água fria, para banhos de limpeza. Cama de folha o Orixá Iansã.
  64. 64. Outros empregos: O chá da folha é utilizado para dores de cabeça. As folhas são usadas na 64 culinária como tempero. Categoria: B, D, H. 79. Malva, Malva Cheirosa ou Malva Rosa Família: Geraniaceae Nome científico: Geranium moschatum Burn. F. Parte usada: Folha Restrição de uso: Coletar antes do nascer do sol, quando usada para banhos. Uso ritualístico: Planta macerada com água fria, para banhos de limpeza e atração. Amaci. Outros empregos: O chá é utilizado para gripes e para infecções uterinas. Esta planta também é utilizada no culto Catimbó-Jurema. Categoria: A, B, D. 80. Mamona Família: Euphorbiaceae Nome científico: Ricinus communis L. Parte usada: Folha Restrição de uso: Uso ritualístico: As folhas são utilizadas para enrolar acaçá do Orixá Exu. Outros empregos: Não informado Categoria: F. 81. Manacá Família: Solanaceae Nome científico: Brunfelsia uniflora (Pohl) D. Don
  65. 65. 65 Parte usada: Folha e flor. Restrição de uso: Não informado Uso ritualístico: Planta macerada com água fria, para banhos de limpeza. Outros empregos: Não informado Categoria: B. 82. Mangueira Espada Família: Anacardiaceae Nome científico: Mangifera indica L. Parte usada: Folha Restrição de uso: Não informado Uso ritualístico: Planta macerada com água fria, para banhos de limpeza. Amací, sacudimento e cama de folha para o Orixá Ogum. Outros empregos: Não informado Categoria: A, B, E, H. 83. Manjericão miúdo Família: Lamiaceae Nome científico: Ocimum basilicum L. Parte usada: Folha Restrição de uso: Uso ritualístico: Planta macerada com água fria, para banhos de limpeza. Outros empregos: O chá é utilizado para gripe e pode ser associado com alfavaca, às folhas também são usadas como tempero. Categoria: B, D, F.
  66. 66. 66 84. Maracujá Família: Passifloraceae Nome científico: Passiflora edulis Sims. Parte usada: Folha Restrição de uso: Não informado Uso ritualístico: Planta macerada com água fria, para banhos de limpeza. Outros empregos: Não informado Categoria: B. 85. Maracujá selvagem ou Ewe dan Família: Passifloraceae Nome científico: Passiflora sp. Parte usada: Folha e galhos. Restrição de uso: Coletar antes do nascer do sol, quando usada para banhos. Uso ritualístico: Planta macerada com água fria, para banho destinado ao Orixá Oxumaré. Ebós e assentamentos. Outros empregos: Não informado Categoria: B, G, J. 86. Mata piolho Família: Flacourtiaceae Nome científico: Carpotroche brasiliensis Endl. Parte usada: Folha Restrição de uso: Coletar antes do nascer do sol, quando usada para banhos.
  67. 67. Uso ritualístico: Planta macerada com água fria, para banhos destinados ao Orixá 67 Omolu.Assentamento Outros empregos: Não informado Categoria: B, G. 87. Melão de São Caetano Família: Cucurbitaceae Nome científico: Mormodica charantia L. Origem: Parte usada: Folha e galho. Restrição de uso: Coletar antes do nascer do sol, quando usada para banhos. Uso ritualístico: Planta macerada com água fria, para banhos de limpeza. Outros empregos: O chá pode ser usado como banho para aliviar irritações na pele e cabeça. Categoria: B, D. 88. Melissa, Ewe Cerim ou Folha de Ifá Família: Lamiaceae Nome científico: Melissa officinalis L. Parte usada: Folha, flor e galho. Restrição de uso: Coletar antes do nascer do sol, quando usada para banhos. Uso ritualístico: Planta macerada com água fria, para banhos de limpeza. Assentamento. Outros empregos: O chá é utilizado para problemas cardíacos. Categoria: B, D, G. 89. Obí ou Noz de Cola Família: Sterculiaceae
  68. 68. 68 Nome científico: Cola acuminata Schott Endl. Parte usada: Folha e fruto. Restrição de uso: Não informado. Uso ritualístico: As sementes possui propriedades curativas, acreditam que elas sejam rejuvenescedoras. O fruto é utilizado em todos os rituais para os Orixás. Outros empregos: As folhas são maceradas com água fria, para diminuir queda de cabelo. Categoria: A, D, G, H, I, J. 90. Obò ou Odán Família: Apocynaceae Nome científico: Peltastes isthmicus Woodson. Parte usada: Folha. Restrição de uso: Coletar antes do nascer do sol, quando usada para banhos. Uso ritualístico: Planta macerada com água fria, para banhos de limpeza, cama de folha e para os Orixás Xangô e Oxum, utilizada em Ebós para chamar dinheiro, associada ao Acóco. Enfeitar pratos de oferenda. Assentamento do Orixá Xangô. Outros empregos: . Categoria: B, F, G, H, I, J. 91. Oiti Família: Chrysobalanaceae Nome científico: Licania tomentosa Kuntze Parte usada: Folha. Restrição de uso: Coletar antes do nascer do sol, quando usada para banhos.
  69. 69. Uso ritualístico: Planta macerada com água fria, para banhos destinados ao Candomblé de 69 Caboclo. Outros empregos: Não informado. Categoria: B. 92. Onda do mar Família: Não identificada. Nome científico: Não identificada. Parte usada: Folha. Restrição de uso: Coletar antes do nascer do sol, quando usada para banhos. Uso ritualístico: Planta macerada com água fria, para banhos de limpeza e em assentamento do Orixá Iemanjá. Outros empregos: Não informado. Categoria: B, G. 93. Oripepe Família: Asteraceae Nome científico: Melampodium divaricatum DC. Parte usada: Folha. Restrição de uso: Coletar antes do nascer do sol, quando usada para banhos. Uso ritualístico: Planta macerada com água fria, para banhos de limpeza e assentamento do Orixá Oxum. Outros empregos: relatado que a planta possui propriedades anestésicas. Categoria: B, D. 94. Pacthuli
  70. 70. 70 Família: Lamiaceae Nome científico: Pogostemon cablin Benth. Parte usada: Folha. Restrição de uso: Coletar antes do nascer do sol, quando usada para banhos. Uso ritualístico: Planta macerada com água fria, para banhos de limpeza, atração e assentamento do Orixá Oxum. Outros empregos: A planta macerada com água libera forte aroma, que é utilizado como aromatizante de roupas. Categoria: B, G. 95. Pararraio Família: Caprifoliaceae Nome científico: Melia azedarach L. Parte usada: Folha. Restrição de uso: Não indicado. Uso ritualístico: Amací do Orixá Iansã. Outros empregos: O chá pode ser usado como banho para aliviar irritações na pele e cabeça. Categoria: A 96. Pé de perdiz Família: Euphorbiaceae Nome científico: Croton perdicipes A. St. Hill. Parte usada: Folha. Restrição de uso: Coletar antes do nascer do sol, quando usada para banhos. Uso ritualístico: Amací do Orixá Iansã.
  71. 71. Outros empregos: O chá pode ser usado como banho para aliviar irritações na pele e cabeça. 71 Categoria: A 97. Piqui ou Pequi Família: Caryocaraceae Nome científico: Caryocar brasiliense St.Hil Parte usada: Folha. Restrição de uso: Não informado. Uso ritualístico: Sacudimento e assentamento do Orixá Exu. Outros empregos: O chá pode ser usado como banho para aliviar irritações na pele e cabeça. Categoria: B, E, F, G. 98. Peregum amarelo Família: Dracaenaceae Nome científico: Dracaena fragans Ker Gawl. Parte usada: Folha. Restrição de uso: Não informado. Uso ritualístico: Cama de folha para o Orixá Oxumaré. Outros empregos: Não informado. Categoria: H. 99. Peregum, Pau D' água, Peperegum ou Peregum Branco Família: Dracaenaceae Nome científico: Dracaena sp. Parte usada: Folha. Restrição de uso: Não informado.
  72. 72. Uso ritualístico: Cama de folha para o Orixá Oxalá, sacudimento, a folha da planta macerada com água fria, para banhos de limpeza e assentamento do Orixá Oxossi e Ogum. Utilizada 72 em Ebós e como ornamental para proteção do terreiro. Outros empregos: Não informado. Categoria: B, E, G, H, I, J. 100. Peregum vermelho, Peperegum roxo ou Peregum roxo Família: Liliaceae Nome científico: Cordyline terminalis (L.) Kunth Parte usada: Folha. Restrição de uso: Coletar antes do nascer do sol, quando usada para banhos. Uso ritualístico: Planta macerada com água fria, para banhos de limpeza. Usada para sacudimento. Banhos para Egum. Utilizada como ornamental para proteção do terreiro, para fazer cama ou esteira de Orixá. Outros empregos: Não informado. Categoria: B, E, G, H, I. 101. Pindaíba ou Lelecum Família: Annonaceae Nome científico:Xylopia aromatica Mart. Parte usada: Folha e sementes. Restrição de uso: Coletar antes do nascer do sol, quando usada para banhos. Uso ritualístico: A folha e o pó da semente é utilizado em assentamento. Outros empregos: Utilizada como tempero. Categoria: F, G.
  73. 73. 73 102. Pinhão roxo ou Pião roxo Família: Euphorbiaceae Nome científico:Jatropha gossypiifolia L. Parte usada: Folha. Restrição de uso: Coletar antes do nascer do sol, quando usada para banhos. Planta tóxica não pode ser ingerida. Uso ritualístico: Planta macerada com água fria, para banhos de limpeza e em assentamento do Orixá Ogum e Exu. Amaci. Outros empregos: Não informado. Categoria: A, B, G. 103. Pitanga Família: Myrtaceae Nome científico:Eugenia uniflora L. Parte usada: Folha. Restrição de uso: Coletar antes do nascer do sol, quando usada para banhos. Uso ritualístico: Amací. Planta macerada com água fria, para banhos de limpeza. Outros empregos: Não informado. Categoria: A, B. 104. Quaresmeira Família: Melastomataceae Nome científico: Tibouchina granulosa Cogn. Ex Britton Parte usada: Folha. Restrição de uso: Não informado.
  74. 74. 74 Uso ritualístico: Cama de folha do Orixá Omolu e Nanã. Outros empregos: Não informado. Categoria: H. 105. Romã Família: Punicaceae Nome científico:Punica granatum L. Parte usada: Folha e fruto Restrição de uso: Coletar antes do nascer do sol, quando usada para banhos. Uso ritualístico: Cama de folha para o Orixá Oxalá e Oxum. Outros empregos: O chá da casca do fruto é utilizado para inflamação na garganta, e contra gripe. A poupa que envolve a semente é utilizada para anemia. Categoria: D, H. 106. Rosa Branca Família: Rosaceae Nome científico: Rosa alba L. . Parte usada: Flor. Restrição de uso: Coletar antes do nascer do sol, quando usada para banhos. Uso ritualístico: Flores da planta macerada com água fria, para banhos de limpeza. Outros empregos: O chá das flores pode ser tomado como calmante. Categoria: B, D. 107. Sabugueiro Família: Caprifoliaceae Nome científico: Sambucus australis Cham. & Schltdl.
  75. 75. 75 Parte usada: Folha. Restrição de uso: Coletar antes do nascer do sol, quando usada para banhos. Uso ritualístico: Amací. Planta macerada com água fria, para banhos de limpeza. Assentamento. Outros empregos: O chá é recomendado para gripe, resfriado, febre e sarampo. Também utilizar a planta macerada para cabelos, catapora. Categoria: A, B, D, G. 108. Saião Família: Crassulaceae Nome científico:Kalanchoe brasiliensis Camb. Parte usada: Folha. Restrição de uso: Coletar antes do nascer do sol, quando usada para banhos. Uso ritualístico: Planta macerada com água fria, para banhos de limpeza. Outros empregos: Chá é recomendado para cicatrização. Categoria: B, D. 109. São Gonsalinho Família: Flacourtiaceae Nome científico:Casearia sylvestris Sw. Parte usada: Folha. Restrição de uso: Coletar antes do nascer do sol, quando usada para banhos. Uso ritualístico: Planta macerada com água fria, para banhos de limpeza e em fundamentos. Outros empregos: As folhas cozidas são recomendadas para deixar o cabelo liso. Categoria: B, D, G.
  76. 76. 76 110. São gonsalino Família: Anacardiaceae Nome científico: Astronium fraxinifolium Schott Parte usada: Folha. Restrição de uso: Coletar antes do nascer do sol, quando usada para banhos. Uso ritualístico: Planta macerada com água fria, para banhos de limpeza e em assentamento de Ogum e Oxossi. Outros empregos: Não informado. Categoria: B, G. 111. Terramicina/ Penicilina vegetal / Ewe lebo Família: Amaranthaceae Nome científico: Alternanthera dentata (Moench) Stuchlik Parte usada: Folha. Restrição de uso: Coletar antes do nascer do sol, quando usada para banhos. Restrição de uso: Coletar antes do nascer do sol, quando usada para banhos. Uso ritualístico: Planta macerada com água fria, para banhos de limpeza, assentamento para o Orixá Oxum. Outros empregos: Chá é recomendado para infecção por possuir propriedades antiinflamatórias. Categoria: B, D, G. 112. Timbó Família: Sapindaceae
  77. 77. 77 Nome científico: Serjania lethalis A.St.-Hil. Parte usada: Folha, flor, fruto, galho, raiz. Restrição de uso: Planta tóxica, não pode ser ingerida. Uso ritualístico: Planta utilizada em Ebós. Outros empregos: Não informado. Categoria: J. 113. Trombeta Família: Bignoniaceae Nome científico: Tecoma stans (L.) H.B. & K. Parte usada: Folha. Restrição de uso: Coletar antes do nascer do sol, quando usada para banhos. Uso ritualístico: Planta macerada com água fria, para banhos de limpeza e em cama de folha para os Orixás Oxossi e Oxum. Outros empregos: Não informado. Categoria: B, H. 114. Urucum Família: Bixaceae Nome científico:Bixa orellana L. Parte usada: Folha. Restrição de uso: Coletar antes do nascer do sol, quando usada para banhos. Uso ritualístico: Planta macerada com água fria, para banhos de limpeza. Assentamento e fundamento do Orixá Exu. Outros empregos: O fruto é utilizado como tempero.
  78. 78. 78 Categoria: B, F, G.
  79. 79. 79 CONCLUSÃO Foram estudadas 114 plantas, sendo 102 identificadas e 12 indeterminadas, pertencentes a 50 famílias botânicas, utilizadas em cinco casas de santo, distribuídas no Distrito Federal e Entorno. Isso demonstra uma grande diversidade de conhecimento e usos de plantas. Dentre as famílias botânicas, Lamiaceae, por suas propriedades aromáticas e seu fácil cultivo, foi a mais representativa, com 10 espécies registradas. Os vegetais utilizados foram enquadrados nas seguintes categorias de uso: amaci, banho, defumador, medicinal, sacudimento, culinária, assentamento, iniciação, ornamental, ebós e cerimônias, sendo que a categoria com maior número de indicação foi “Banhos”, na qual o uso dos vegetais para banhos de limpeza é muito difundido, por ser de fácil manipulação e podendo ser freqüentemente usado. A maior parte das espécies são exóticas cultivadas, sendo que grande parte destas foram trazidas pelos negros, isso demonstrando que os aspectos tradicionais da cultura afro nos cultos de matriz africana, vem conservando estas espécies, fortalecendo o processo da transmissão do conhecimento e, conseqüentemente, garantindo a importância das plantas nos cultos. A utilização de espécies nativas do bioma Cerrado reflete uma adaptação ou inclusão destas plantas nos cultos afro-brasileiros no DF e entorno, demonstrando a substituição de determinados recursos vegetais exóticos não disponíveis, por plantas nativas, o que pode estar determinando a constituição de um vínculo entre os cultos e o bioma, gerando novos conhecimentos e novas práticas. As plantas empregadas nos cultos são fundamentais e possuem um valor sagrado, sendo a elas dadas o título de possuidoras de energia (Axé) necessária para toda a variedade de trabalhos dentro dos cultos.
  80. 80. 80 REFERENCIAL BIBLIOGRÁFICO: AZEVEDO, S. K. S., SILVA, I. M. Plantas medicinais e de uso religioso comercializadas em mercados e feiras livres no Rio de Janeiro, RJ, Brasil. Acta Bot. Bras., jan./mar. 2006, vol.20, no.1, ISSN 0102-3306. A Cor da Cultura. Disponível em http://www.acordacultura.com.br Acessado em 14 de agosto de 2006. Albuquerque, U. P. 1995. Formas de uso de espécies vegetais dos cultos Afro-brasileiros em Recife-PE. Biológica brasilica, 6(1/2):111-120. Albuquerque, U. P. 1999. Referências para o estudo da Etnobotânica dos descendentes culturais do africano no Brasil. Acta farmacêutica bonaerense. Vol. 18 Nº 4. Albuquerque, U. P. 1997. Levantamento das espécies vegetais empregadas nos cultos afro-brasileiros em Recife-PE. Biológica brasilica, V. 7. 14pp. Alcorn, J. B.1995. The scope and aims of ethnobotany in a developing world. In: Schultes, R.E.; Reis, S. V. (Ed.) Ethnobotany: evolution of a discipline. Portland: Dioscorides Press. 23 – 29pp.
  81. 81. Amorozo, M.C.M. 1996. A abordagem etnobotânica na pesquisa de plantas medicinais. 81 In: Di Stasi, L. C (ed.) Plantas medicinais: arte e ciência. Ed. Unesp. Brasileirinho de Maria Bethânia. Disponível em www.mariabethania.com.br. Acessado em 20 de agosto de 2006. Camargo, M. T. L. de A., 1998. As plantas na medicina popular e nos rituais afro-brasileiros. Investigações folclóricas, Vol. 13, Buenos Aires, Argentina. Coelho, M. de A., 1996. Geografia do Brasil. 4. ed. Ver., atual. E ampl. –São Paulo: Moderna. 97 p. Fatumbi, P. V, 1995. Ewé: o uso das plantas na sociedade iorubá. São Paulo. Ed. Companhia das Letras. Conceição, M. 1980. As plantas medicinais no ano 2000. Brasília. Tao Livraria e Editora Ltda. Dias, B. F. S. 1990. Conservação da Natureza no Cerrado Brasileiro. In: Pinto, M. N., (org). Cerrado: Caracterização, ocupação e perspectiva. Brasília: UNB/SEMATEC.
  82. 82. Machado, R.B., Ramos, Neto, M. B. Pereira, P.G.P., Caldas, E.F., Gonçalves, D.A., Santos, N.S. Tabor, K., Steininger, M. 2004. Estimativas de perda da área do Cerrado brasileiro. 82 Relatório Técnico. Conservação Internacional, Brasília, DF. Mendonça, R. C.; Felfili J. M.; Walter, B. M. T.; Silva Júnior, M. C.; Rezende A. V.; Figueiras T. S. & Silva, P. E. N., 1998. Flora vascular do cerrado. In: Sano, S. M., & Almeida, SD. P., (Eds). Cerrado: ambiente e flora. Planaltina, DF, Brasil: Embrapa- CPAC. Scariot, A., Souza-Silva, J. C., Felfili, J. M., (Org.) 2005. Cerrado: Ecologia, Biodiversidade e Conservação. Brasília: Ministério do Meio Ambiente. Silva, A. J. da R., Andrade, L. de H. C., 2006. Cultural significance of plantas in communities located in the coastal forest zone of the State of Pernambuco, Brazil. Human Ecology, Vol. 34, Nº 3, June 2006. Silva Júnior, M. C. da 2005. 100 Árvores do Cerrado: guia de campo. Brasília, Ed. Rede de Sementes do Cerrado. Posey, D. A. 1987. “Introdução – Etnobiologia: teoria e pratica”. In: Ribeiro, B. (org). SUMA Etnobiologia Brasileira. Vol. 1 (Etnobiologia) FINEP/Vozes, Petrópolis – RJ. Prandi, R. 2001. Mitologia dos Orixás. São Paulo. Ed. Companhia das Letras.
  83. 83. Ribeiro, J. F., Silva, J. A. da Fonseca, C. E.I., Almeida, S.P., Proença, C.B., Silva, J.A., Sano, M. 1994. Espécies arbóreas de usos múltiplos na Região do Cerrado. In: Congresso Brasileiro de Sistemas Agroflorestais. Anais: EMBRAPA – CNPF, Porto Velho. v.1, p. 335- 83 356. Trindade, O.J.S.; Bandeira, F.B.; Rêgo, J.C.; Sobrinho, J.L.; Pacheco, L.M. & Barreto, M.M. 2000. Farmácia e Cosmologia: A Etnobotânica do Candomblé na Bahia. Etnoecológica 4(6): 11-32. Vasconcellos, A. G. 2003. Propriedade intelectual dos conhecimentos associados à biodiversidade, com ênfase nos derivados de plantas medicinais – desafio para a inovação biotecnologia no Brasil. Tese de Doutorado, Rio de Janeiro: Pós – Graduação do Programa de Biotecnologia Vegetal da Universidade Federal do Rio de Janeiro. P. 179 MapLink. Rotas entre cidades. Disponível em www.maplink.uol.com.br, acessado em 28 de outubro de 2006.
  84. 84. 84 GLOSSÁRIO DE NOMES OU TERMOS AFRO-BRASILEIROS A Acaçá – bolinho de amido embrulhado em folha de bananeira Akokô ou Acóco – Planta usada na coroação de reis e sagração de sacerdotes de alta hierarquia. Aroni – duende de uma perna só que habita a floresta e conhece o uso das ervas. Angola - Culto afro-brasileiro de origem banto. Ariaxé - banho ritual realizada no período iniciático. Abô - preparado feito com folhas sagradas maceradas em água, visa conferir proteção. Assentamento - objetos, símbolos e de elementos da natureza que representam o orixá e onde está assentada sua força dinâmica, ficando depositados em locais apropriados no terreiro. Axé - força mágica, dinâmica e vitalizadora dos orixás; local sagrado; fundamento terreiro, força vital que transforma o mundo. B Babaojê - sacerdote do culto aos Eguns. Babalaô - Sacerdote de Ifá Babalorixá - Chefe do terreiro, o mesmo que Pai de Santo. Bori – sacrifício à cabeça; primeiro rito de iniciação no candomblé. C Caboclos - Espíritos cultuados nos candomblés de caboclo, Catimbós, Umbanda, e outros de influência ameríndia representam indígenas brasileiros que alcançaram uma certa posição espiritual. Casa de santo - Equivalente a terreiro ou casa de candomblé Catimbó - Culto afro-brasileiro de influência indígena Comida de santo - Alimentos votivos preparados especialmente para os Orixás. D Despacho - Oferenda aos Orixás. E Ebós – Sacrifício, oferenda, despacho.Ver despacho. Egum - Espírito de morto; ancestral. Exu – orixá mensageiro; dono das encruzilhadas e guardião da porta de entrada da casa; sempre o primeiro ser homenageado. Euê ou Ewé – Folha Eua ou Yèwá – orixá das fontes; dona dos cemitérios.

×