Concorde Ss Flight

7.675 visualizações

Publicada em

Publicada em: Esportes, Tecnologia
3 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
7.675
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
91
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
140
Comentários
3
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Concorde Ss Flight

  1. ‘ Aerospatiale – Concorde Em números
  2. A primeira e única aeronave de passageiros supersônica a fazer vôos regulares e capaz de voar 2 vezes a velocidade do som.
  3. O primeiro protótipo ficou pronto em 1969. Devido aos custos milionários e à crise do petróleo nesta época, foram produzidas somente 16 aeronaves, que operavam pela British Airways e pela Air France.
  4. <ul><li>Muitas barreira impediam-no de voar, </li></ul><ul><li>como o problema do ruído que ao </li></ul><ul><li>decolar em cidades quebrava os vidros </li></ul><ul><li>das casas e a grande emissão de </li></ul><ul><li>poluentes. </li></ul>
  5. Tudo nele é impressionante!
  6. Velocidade: 1380 MPH = 2.220 km/h Altitude: 55.500 mil pés = 16.914 Metros
  7. A esta a ltitude, pode-se ver a curvatura da terra. .
  8. Impressionante! No painel à direita, tem um vão que separa o painel e a cabine de passageiros. Quando a aeronave está em solo, não se consegue colocar a mão naquele vão, pois é apertado. Em vôo, na sua velocidade de cruzeiro, o material aeronáutico de que é feito, o Concorde se dilata devido à velocidade e à temperatura, e assim, se consegue colocar a mão naquele vão.
  9.  
  10.  
  11.  
  12. Cada motor do Concorde tem a “potência” de 38 mil libras de empuxo. Somando os 4 motores são 152 mil libras de empuxo. Para comparar, o Focker 100, antiga aeronave da TAM que carregava o mesmo número de passageiros, tem 13,8 mil libras, somando os dois motores são 27,6 mil libras Ambas aeronaves transportam 128 passageiros + 2 pilotos e o concorde mais o eng. de vôo.
  13. Na decolagem consumia 22 toneladas de combustível por hora e durante o cruzeiro consumia 5 toneladas hora a 2 vezes a velocidade do som.
  14. Seus tanques de combustíveis comportavam 199,500 litros de querosene de aviação. Seu consumo era de 25,629 litros por hora.
  15. O concorde é uma aeronave transatlântica. E com os tanques cheios voa até 6.230 kms.
  16. Quando vazio, pesava 78.7000 KG Cheio de combustível e com a carga e os passageiros decolava com 111.000 KG.
  17. Somente fazia a rota Londres/New York/ Paris/New York e vv. Chegou a fazer outras rotas no passado.
  18. Paris – New york fazia em 3 horas e 45 minutos Já um Boeing 747-400 fazia em 8 horas.
  19. Ao cruzar a velocidade do som a 344 metros por segundo ou a 1.228 km/h o estrondo era tão grande que só podia ser feito em alto mar, longe da costa.
  20. Ao decolar de NY precisava fazer uma curva muito rápida para direita para evitar o barulho nas casas e ir direto ao atlântico.
  21. Sua Velocidade de decolagem é de 321 km/h E de aterrissagem é de 296 km/h
  22. Pequeno o assento? Os milionários não se importavam em pagar os 12 mil dólares pelo trecho Londres/NY (somente de ida).
  23. Pousava em um ângulo tão inclinado que Precisava baixar o nariz para que os pilotos pudessem enxergar a pista.
  24. À medida que acelerava, o nariz era colocado na posição reta.
  25. Tudo que é bom não dura para sempre. Essa foto foi tirada no Rio de Janeiro em 1975. 25 anos depois esta mesma aeronave, a F-BTSC, caiu na frança, colocando fim à era supersônica
  26.  
  27. <ul><li>Depois de mais de 25 anos de vôos sem acidentes, a aeronave cai em Paris, matando todos a bordo. </li></ul><ul><li>E a causa do acidente não foi problemas mecânicos, mas sim uma peça de outro avião de tinha caído na pista, que veio a atingir o motor do avião. </li></ul>
  28. No dia 27 de junho de 2003, o Concorde de número F-BVFC voou pela última vez, acabando assim com a era supersônica.
  29.  
  30. A bela aeronave virou peça de museu.
  31. FIM
  32. <ul><li>Pictures copyright: www.airliners.net </li></ul><ul><li>By Bernardo Bonetto </li></ul><ul><li>[email_address] </li></ul><ul><li>Seguem mais alguns comentários técnicos elaborados por Werner Adelmann, para quem se interessar. </li></ul>
  33. Gostaria de fazer, depois da apresentação alguns comentários e ratificações: A cabine de Comando mostra claramente a época em que foi concebido. Nada de fly by wire como hoje com screens de multifunções. Como o avião voava acima da velocidade do som, tinha que ser dotado de turbinas de reação pura. Um estudo termodinâmico do ciclo térmico das turbinas mostra que a transformação da energia térmica proporcionada pelo combustível em empuxo não é totalmente aproveitada, razão prque surgiram as turbinas fan que mecanicamente aproveitam esta sobra de energia. Como porém, esta energia é aproveitada por um fan (ventilador) isto não é possivel para velocidades acima da velocidade do som. Formaria uma barreira. Se aumenta o empuxo na decolagem de turbinas de reação com a tecnologia after burner em que se injeta combustível na saída dos gases da turbina aumentando seu volume. Por outro lado em voo, a saida dos gases das turbinas deve ser um pouco maior que a velocidade do avião, devendo no caso Concorde ser também maior que duas vezes a velocidade do som, o que custa mais uma vez inefeciência no ciclo térmico. Como a potência de uma turbina é função da velocidade para duas vezes a potencia total mencionada de 38.000 lbs de empuxo corresponde a : 38.000 lbs * 0,543 kg/lb * 616,66 m/s 75 kgm/s ou seja: 160.000 Hp Dados referentes ao Concorde Algumas Correções e Esclarecimentos
  34. Comparando isto com a potência de 27.600 lbs de empuxo mencionadas para o Focker que voa somente 800 km/h que é igual a 222,22 m/s teremos para este equipamento: 27.600 lbs * 0,543 kg/lb * 222,22 m/s 75 kgm/s ou seja: 44.405 Hp Como o consumo depende da potência desenvolvida e ainda por apresentar a turbina do Concorde menor rendimento podemos dizer que seu consumo horário é da ordem de 4 a 5 vezes maior que do Focker que transporta o mesmo número de passageiros. Na comparação com um Jumbo seu consumo por passageiro/km é das ordem de três vezes maior, chegando perto de quatro em comparação com um Boing 777. Outra coisa que gostaria de chamar a atenção é que o Concorde voava a Mach 2, ou seja duas vezes a velocidade do som, que é expressa em Mach (em homenagem ao austríaco Ernst Mach), pois a velocidade do som num meio fluido depende da pressão e temperatura do ambiente e não é uma constante. A resistência de corpos que se deslocam a velociades supersônicas não é simpplemente uma função da velocidade, mas existem módulos de menor resistência, aproximadamente nos múltiplos do valor de Mach. Assim aviões militares voam a Mach 3, que é a próxima etapa de baixa resistência. Dados referentes ao Concorde Algumas Correções e Esclarecimentos
  35. Finalmente quanto ao acidente em París com o Concorde, assistí a um relato na televisão na Europa do Piloto Chefe dos Concordes da British Airways, que não satisfeito com as declarações da Air France chegou as seguintes conclusões: 1) A manutenção havia esquecido de colocar uma peça (spacer) entre as rodas do lado direito do trem de pouso central, o que fez com que durante a decolagem os pneus se tocaram, causando danos de maneiras que um pneu largou uma tira que atingiu a asa perfurando o tanque de combustível que vazou sobre a saida dos gases da turbina e criando uma considerável chama. 2) Como o vôo era Charter, não foram, tomadas as devidas providências com a bagagem dos passageiros, de maneiras que o avião decolou com 2 ton além do limite máximo permitido. 3) O comandante decolou no sentido do vento, preocupado com o barulho da decolagem, sobre a densa população nos arredores de París. 4) A mando do comandante o avião foi abastecido com a capacidade total, embora o vôo curto (Paris – New York) não necessitasse de toda esta capacidade de combustível. 5) Devido ao problema com os pneus (mencionado no ítem 1) na decolagem o comandante perdeu a reta da pista, e ultrapassando o ponto de abordagem, arrancou o avião, ficando o mesmo instavél na decolagem. 6) Os últimos momentos (gravados na conversa da tripulação com a Torre de Comando) foram dramáticos e chocantes. A torre vendo o fogo no avião e achando que era a turbina quadro comunicou ao comandante, que devido a instabilidade da decolagem relutou em cortar a mesma. Quando finalmente o fez, não conseguiu mais manter o avião sob controle. Embora o aeroporto de Le Bourget já estivesse preparado para receber o Concorde em emergência o mesmo bateu num prédio de 5 andares, explodindo imediatamente. Dados referentes ao Concorde Algumas Correções e Esclarecimentos

×