Caminhada do Advento

483 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
483
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Caminhada do Advento

  1. 1. Juventude Mariana Vicentina do Sobreiro "Com(o) Maria, para a Vida e pela Vida" CAMINHADA PARA O ADVENTO Et venient thesauri cunctarum gentium (Ag 2, 7) t 0. NOTA INTRODUTÓRIA Desde uma antiga tradição que remonta ao século VII a Igreja optou por sintetizar, nas Antífonas do Magnificat dos dias que antecedem o Natal, os elementos fundamentais da Cristologia já presentes no Antigo Testamento e que anunciavam a vinda de Cristo. São estas Antífonas do Ó que servirão de base à nossa reflexão reflexão. Apenas escolheremos quatro das sete, pela limitação do tempo, embora a todos desafiemos a tomar estas Antífonas como parte da sua oração e meditação pessoal. Como é hábito, as costumadas bases de trabalho são a Sagrada Escritura, particularmente os excertos que fazem referência à invocação que meditamos, bem como um texto do Magistério que medite igualmente sobre a invocação abordada.
  2. 2. O Sapientia DOMINGO I Passo Bíblico: Sb 8, 1-4 [A Sabedoria] estende-se com vigor de uma extremidade à outra e tudo governa com bondade. 2Eu a amei e busquei desde a minha juventude, procurei tomá-la por esposa e enamorei-me da sua formosura. 3A sua intimidade com Deus pro clama a nobreza da sua origem, pois o Senhor do universo a amou. 4É que ela está iniciada na ciência de Deus e é ela quem escolhe as suas obras. 1 Da Audiência Geral do Papa Emérito Bento XVI de 22 de Outubro de 2008: O Apóstolo [São Paulo] contempla fascinado o segredo escondido do CrucificadoRessuscitado e, através dos sofrimentos experimentados por Cristo na sua humanidade (dimensão terrena), remonta àquela existência eterna em que Ele é um só com o Pai (dimensão pré-temporal): "Quando chegou a plenitude dos tempos ele escreve Deus enviou o seu Filho, nascido de mulher, nascido sujeito à Lei, para resgatar aqueles que estavam sob o jugo da Lei e para que recebêssemos a adopção de filhos" (Gl 4, 4-5). Estas duas dimensões, a preexistência eterna no Pai e a descida do Senhor na encarnação, anunciam-se já no Antigo Testamento, na figura da Sabedoria. Encontramos nos Livros sapienciais do Antigo Testamento alguns textos que exaltam o papel da Sabedoria preexistente à criação do mundo. É neste sentido que devem ser lidos trechos como este, do Salmo 90: "Antes que nascessem as montanhas, e se transformassem a terra e o universo, desde os séculos dos séculos Vós sois, ó Deus" (v. 2); ou trechos como aquele que fala da Sabedoria criadora. "O Senhor criou-me como primícias das suas obras, desde o princípio, antes que criasse qualquer coisa. Desde a eternidade fui constituída, desde as origens, antes dos primórdios da terra" (Pr 8, 22-23). É sugestivo também o elogio da Sabedoria, contido no livro homónimo: "A Sabedoria estende o seu vigor de uma extremidade à outra e governa o universo com suavidade" (Sb 8, 1). Reflexão: A Sabedoria recorda-nos que o Verbo sai da boca do Pai para se tornar carne no meio de nós, no seio da Virgem Maria. Como nas palavras do Credo, este título da Sabedoria apresenta-nos o Filho Unigénito de Deus, nascido do Pai antes de todos os séculos: Deus de Deus, luz de luz, Deus verdadeiro de Deus verdadeiro; gerado, não criado, consubstancial ao Pai. Este estende e manifesta todo o Amor que o Pai tem pela Humanidade e, por isso, como diz a Sagrada Escritura, o seu deleite é estar com os Filhos dos Homens. Que a Sabedoria nos ensine a ver o dedo de Deus na sua obra e nos revele o “caminho da prudência”. 2
  3. 3. DOMINGO II O Radix Jesse Passo Bíblico: Is 11, 10-16 Naquele dia, a raiz de Jessé, estandarte dos povos, será procurada pelas nações e será gloriosa a sua morada. Naquele dia, o Senhor levantará de novo a sua mão para resgatar o resto do seu povo, os sobreviventes da Assíria e do Egipto, dos territórios de Patros, de Cuche, de Elam, de Chinear, de Hamat e das ilhas do mar. Levantará o seu estandarte diante das nações, para juntar os exilados de Israel e reunir os dispersos de Judá dos quatro cantos da terra. Cessará a inveja de Efraim e terminarão os rancores de Judá: Efraim não mais invejará Judá, nem Judá terá rancor contra Efraim. Atacarão, pelo ocidente, os filisteus, e, juntos, saquearão os povos a oriente. Conquistarão os povos da Idumeia e Moab, e os de Amon prestar-lhes-ão obediência. O Senhor secará o braço de mar do Egipto, e levantará a mão contra o Eufrates; com o seu sopro ardente ferirá os seus sete canais, que se passarão a pé enxuto. E haverá uma estrada para o resto do seu povo que escapar da Assíria, tal como existiu para Israel, no dia em que subiu da terra do Egipto. Da Audiência Geral de 19 de Dezembro de 2001 do Beato João Paulo II, Papa: Como o antigo Israel, a Comunidade eclesial faz-se voz dos homens e das mulheres de todos os tempos para cantar o advento do Salvador. Reza de cada vez: "Ó Sabedoria que sai da boca do Altíssimo", "ó Guia da casa de Israel", "ó Raiz de Jessé", "ó Chave de David", ó Astro nascente", "ó Sol de justiça", "ó Rei das nações, Emanuel, Deus-connosco". Em cada uma destas apaixonadas invocações, carregadas de referências bíblicas, sentimos o desejo ardente que os crentes sentem de ver realizadas as suas expectativas de paz. Por isso imploram o dom do nascimento do Salvador prometido. Mas, ao mesmo tempo, sentem com clareza que isso requer um empenho concreto em predispor-Lhe uma morada digna, não só na sua alma, mas também no ambiente que os circunda. Numa palavra, invocar a vinda d'Aquele que traz a paz ao mundo requer que nos abramos docilmente à verdade libertadora e à força renovadora do Evangelho. Reflexão: Isaías é o profeta que apresenta o servo sofredor como Messias, sinal de salvação para os povos. O ramo que brota da raiz de Jessé é Maria e o rebento desse ramo o Salvador, Jesus Cristo. Este rebento nasce da vontade exclusiva de Deus, floresceu em Maria pela graça do Espírito Santo e jamais conhecerá a corrupção. Concluindo, o “Vinde” proclama a soberania do Rei dos reis. 3
  4. 4. DOMINGO III O Clavis David Passo Bíblico: Is 22, 15-26 Isto diz o Senhor Deus do universo: «Vai ter com Chebna, esse tal administrador do palácio real, que lavra para si próprio, lá em cima, um sepulcro e escava na pedra uma morada, e diz-lhe: ‘Que estás aqui a fazer, que parentes tens tu, para estares a lavrar um sepulcro? Vê bem, homem forte! O Senhor vai arremessar-te de uma só vez, e arrojar-te com violência, far-te-á girar e dar voltas como um arco numa planície imensa. Ali morrerás, ali ficarão os teus coches de gala, ó vergonha da corte do teu senhor! Vou depor-te do teu cargo, destituir-te do teu posto. Naquele dia, chamarei o meu servo Eliaquim, filho de Hilquias. Vesti-lo-ei com a tua túnica, cingi-lo-ei com a tua faixa, porei nas suas mãos o teu poder; será como pai para os habitantes de Jerusalém, para o povo de Judá. Porei sobre os seus ombros a chave do palácio de David: o que ele abrir ninguém fechará, o que ele fechar ninguém abrirá. Fixá-lo-ei como prego em lugar firme, será como um trono de glória para a casa de seu pai.’» Mas penduram-se nele todos os nobres da casa de seu pai, filhos e netos, tal como se penduram num prego os utensílios de cozinha, desde os copos aos jarros. Naquele dia – oráculo do Senhor do universo – o prego fixado em lugar firme cederá, a carga que dele pendia soltar-se-á, cairá e será feita em pedaços. O Senhor assim o declarou. Da Homília do Papa Bento XVI de 29 de Junho de 2012 na Solenidade dos Santos Pedro e Paulo: Detenhamo-nos agora no símbolo das chaves, de que nos fala o Evangelho. Ecoa nele o oráculo do profeta Isaías a Eliaquim, de quem se diz: «Porei sobre os seus ombros a chave do palácio de David; o que ele abrir, ninguém fechará; o que ele fechar, ninguém abrirá» (Is 22, 22). A chave representa a autoridade sobre a casa de David. Entretanto, no Evangelho, há outra palavra de Jesus, mas dirigida aos escribas e fariseus, censurando-os por terem fechado aos homens o Reino dos Céus (cf. Mt 23, 13). Também este dito nos ajuda a compreender a promessa feita a Pedro: como fiel administrador da mensagem de Cristo, compete-lhe abrir a porta do Reino dos Céus e decidir se alguém será aí acolhido ou rejeitado (cf. Ap 3, 7). As duas imagens – a das chaves e a de ligar e desligar – possuem significado semelhante e reforçam-se mutuamente. A expressão «ligar e desligar» pertencia à linguagem rabínica, aplicando-se tanto no contexto das decisões doutrinais como no do poder disciplinar, ou seja, a faculdade de infligir ou levantar a excomunhão. O paralelismo «na terra (...) nos Céus» assegura que as decisões de Pedro, no exercício desta sua função eclesial, têm valor também diante de Deus. Reflexão: Esta antífona retoma o símbolo do poder das chaves. Quem tem as chaves tem o poder de abrir e fechar. Jesus recebe este poder do Pai e simbolicamente permite que a Igreja também o tenha (Mt 16,19; Mt 18,18; Jo 20,23). Quem se vê diante da porta aberta pode encontrar a luz e seguir na claridade da paz. O Messias liberta os homens ao abrir e fechar a porta do Reino do Céu. 4
  5. 5. O Rex gentium DOMINGO IV Passo Bíblico: Ag 2, 1-9 No segundo ano do rei Dario, no vigésimo primeiro dia do sétimo mês, a palavra do Senhor fez-se ouvir por meio do profeta Ageu, nestes termos: «Fala ao governador de Judá, Zorobabel, filho de Salatiel, ao Sumo Sacerdote Josué, filho de Joçadac, e ao resto do povo: Quem é que resta entre vós que tenha visto este templo na sua glória passada? E como o vedes agora? Não vos parece que não é nada? Mas agora coragem, Zorobabel! Coragem, Josué, Sumo Sacerdote, filho de Joçadac! Coragem, povo todo do país! Mãos à obra! Pois Eu estou convosco – oráculo do Senhor do universo. Segundo a aliança que fiz convosco quando saístes do Egipto, o meu espírito permanece no meio de vós. Não temais. Porque assim fala o Senhor do universo: Ainda um pouco de tempo e Eu abalarei o céu e a terra, os mares e os continentes. Sacudirei todas as nações para que afluam os tesouros de todos os povos e encherei de glória este templo – diz o Senhor do universo. A prata e o ouro pertencem-me – diz o Senhor do universo. O esplendor futuro deste templo será maior que o primeiro – oráculo do Senhor do universo – e neste lugar Eu darei a paz» – diz o Senhor do universo. Da Audiência Geral de 22 de Dezembro de 1982 do Beato João Paulo II, Papa: Não podemos portanto transformar e degradar o Natal numa festa de inútil desperdício, numa manifestação assinalada pelo fácil consumismo: o Natal é a festa da Humildade, da Pobreza, do Despojamento, do Aviltamento do Filho de Deus, que vem para nos dar o seu infinito Amor; deve portanto ser celebrada com autêntico espírito de partilha, de comparticipação com os irmãos, que têm necessidade da nossa ajuda afectuosa. Deve ser uma etapa fundamental para a meditação sobre o nosso comportamento para com o "Deus que vem"; e este Deus que vem podemos encontrá-lo numa criança indefesa que chora; num doente que sente faltarem-lhe inexoravelmente as forças do próprio corpo; num ancião, que depois de ter trabalhado durante toda a vida, se encontra de facto marginalizado e tolerado na nossa sociedade moderna, baseada sobre a produtividade e sobre o êxito. Nas Vésperas de hoje a Igreja eleva a Cristo esta esplêndida oração: Ó Cristo, Rei das nações, esperado e desejado durante séculos pela humanidade ferida e dividida pelo pecado; tu que és a pedra angular sobre a qual a humanidade pode reconstruir-se e receber uma definitiva e iluminadora guia para o seu caminho na história; vós que uniste, mediante a tua doação, sacrificai ao Pai, os povos divididos; vem e salva o homem, miserável e grande, feito por ti "com o pó da terra" e que traz em si a tua imagem e semelhança! Reflexão: Esta antífona canta o Filho de Deus com a pedra angular, a pedra principal de qualquer construção. No Antigo Testamento, o Senhor é chamado como sendo a Rocha. O rei das nações vai restituir ao homem pecador a imagem e semelhança de Deus. Cristo, pela redenção, congregará na unidade todos os filhos dispersos e assim haverá um só rebanho e um só pastor. Ela também nos recorda que viemos do “pó e para o pó voltaremos”. 5

×