O guarani após dispersão nas Missões

612 visualizações

Publicada em

Aula sobre O índio Guarani, suas mazelas sociais, depois da expulsão dos Jesuítas, e como são vistos e entendidos pela sociedade hoje.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
612
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
11
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O guarani após dispersão nas Missões

  1. 1. O Guarani após o fim das Reduções Jesuíticas
  2. 2. Jean Baptiste Debret Título da Obra: Bugres, Província de Santa Catarina, 1834 Técnicas e Dimensões: litografia sobre papel, 23 X 32
  3. 3. Observe a pintura de Debret Como são os índios? Como vivem? Porque você acha que a obra têm esse título? Observe que a pintura foi confeccionada no século XIX, que traço da cultura europeia está explicito na pintura.
  4. 4. Diversas fontes da literatura europeia ocidental (portuguesas, francesas, italianas) trazem a tradução do termo bugre sempre associado a conceitos ofensivos, à sodomia, à heresia. Finalmente, este termo vem a ser associado aos índios encontrados na América e, simultaneamente, no Brasil. No Brasil, os costumes dos índios, os hábitos alimentares, o fato de andarem nus, a cor da pele, os traços faciais, a "imoralidade" e a relação com o meio ambiente seriam vistos como sinais de proximidade ou mesmo plena imersão na natureza, configurando uma pré-humanidade que mal se distingue da animalidade —esta entendida como prova da privação das luzes da fé religiosa.( Guisard, 1999).
  5. 5. Qual era a Situação após expulsão dos padres Jesuítas? • Fome, desorganização política da coroa portuguesa • Os índios entregues a própria sorte • Saques, prostituição, trabalho mal remunerado( quase escravo).
  6. 6. A fome, a desorganização politico- administrativa impeliam centenas de guarani-missioneiros que sem direção, invadiam as fazendas à procura de alimentação O medo tomava conta dos brancos, e estes íam buscar refúgio junto ao governandor do Continete do Rio Grande de São Pedro. Este põe a milícia portuguesa no mato, a fim de prear os índios( QUEVEDO. 1998. Pg.13).
  7. 7. Os guaranis são de estatura média; têm a pele bronzeada, cabelos pretos e muito finos; e geralmente feios. Os traços e a estrutura de seus corpos apresentam, em geral, as características da raça americana; mas o que me parece distingui- los particularmente como tribo é o comprimento do nariz e a suavidade de suas fisionomias. As mulheres têm o rosto extremamente achatado. As rugas da velhice são mais pronunciadas que em nossa raça. (Saint-Hilaire, 2002,)
  8. 8. Como o viajante francês via os índios Guaranis • Concepção eurocêntrica de que os índios, eram inferiores • Visão estereotipada, pautada na brancura de pele, como sinal de civilidade • Menosprezo pelas mulheres guaranis
  9. 9. É verdade que, mesmo no estado atual, ele quase não desfruta conforto. Podendo partilhar com uma companheira sua choupana mal construída e pior cuidada, possuindo alguns farrapos, vendo um pedaço de carne suspenso ao seu teto, tendo sua cuia cheia de mate, será mais feliz que o mais rico e poderoso branco, rodeado de bajuladores e atraído pelas seduções. Contudo, esse mínimo conforto é suficiente para prendê-lo a uma sociedade, que tende a destruí-lo; pois, para poder matar sua fome, é preciso que ele trabalhe, que se submeta e se deixe oprimir. ( Saint-Hilarie. 2002. Pg 302).
  10. 10. Para entender: • O viajante não deixou passar despercebido a situação deplorável em que os índios se encontravam • Porém sua visão sobre os nativos, principalmente as mulheres, deve ser analisada com cuidado, levando em conta seus costumes, e sua bagagem cultural
  11. 11. Sobre a continuidade dos hábitos das reduções: • A maioria dos índios continuou a observar a religiosidade, apesar de constantes casos de prostituição, adultério e saques. • Os índios continuaram a aprender tocar instrumentos musicais • Porém não mais habitavam casas mas sim choupanas em regiões periféricas as cidades. • Os índios se alistavam no exército, em sua maioria, deixando a região, praticamente improdutiva, pois o serviço militar os impedia de cultivar a terra.
  12. 12. Por que essa gente demonstra pela arte musical grande despendores. Como os índios não ouviam o som dos instrumentos, pelos quais eram apaixonados, senão nas cerimônias religiosas, logo adotaram a música como parte essencial do culto divino. Ela lhes fez amar as cerimônias religiosas, tornando-os cristãos tanto quanto podiam ser. Após a expulsão dos jesuítas, o gosto pelos instrumentos persistiu entre os guaranis, por assim dizer sem mestres; continuaram a aprender música que talvez tenha contribuído tanto para fazê-los soldados, como outrora cristãos. (SAINT-HILAIRE. 2002. Pg. 331).
  13. 13. As construções dessa estância são consideráveis; a capela, sobretudo, muito grande. Existem aqui índios e brancos que fazem parte daqueles que atravessaram ultimamente o Uruguai; à noite, põem-se a dançar com as índias, enquanto um deles toca violão e canta, segundo o costume, com voz lamentável. (Saint- Hilaire. 2002. Pg 351). Campos do Itaroquem
  14. 14. Cenair Maicá Canção Guarani Caminham guaranis pelas estradas Tempos de gente se arrastando a pé Resto de raça dos meus sete povos Últimas crias do sangue Sepé. Fazem balaios de taquaras bravas Em pobre rancho que parecem ninhos Como se visem aves migratórias A mendigar alguns mireis pelos caminhos. O balaio foi taquara, a taquara foi a lança Que restou dos sete povos quando o pago era criança Vão os índios pela estrada como aguapé pelos rios Cantam versos tristes nos seus balaios vazios.
  15. 15. Seguem os índios o destino peregrinos dos sem terras Tropeçando nos caminhos já sem luz Afogados na fumaça do progresso Junto aos animais em debandada. Das florestas virgens violentadas Pelos que vieram pelos que vieram sob o símbolo da cruz. Quem os vê na humildade dos perdidos Na senda amarga que abraço um dia Não acredita que seus braços um dia Levantou catedrais dos sete povos Vende balaio o índio que plantava Um meu novo mundo no império das missões Balaios de taquara que eram lanças Marcando a historia das sete reduções
  16. 16. A partir das informações, imagens, e a musica de Cenair Maicá. Descreva a vida dos Guaranis do fim das reduções e os guaranis que moram hoje nas missões. Você acha que eles dispõe de tudo que precisam, como é sua vida em sociedade? Sua cultura foi alterada? Ou preservada.
  17. 17. .

×