Presença dos insetos Parisoschoenus obesulus e Bolax sp. em uma população1
natural de macaúba (Acrocomia aculeata) Acaiaca...
5
Doutora em Botânica e Ecofisiologia, pesquisadora – UFV/ Viçosa. e-mail: naomikuki@hotmail.com33
MATERIAL E MÉTODOS34
Os...
65
66
67
68
69
70
71
72
73
74
75
76
77
78
79
No mesmo período indivíduos adultos da ordem Coleóptera: Scarabaeidae (Figura...
Scarabaeidae) atacando as folhas da amoreira (Morus alba L.). Embora, em Vermont, EUA na100
região Neotropical, relatos de...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Presença dos insetos parisoschoenus obesulus e bolax sp. em uma população natural de macaúba (acrocomia aculeata) montooya s g

370 visualizações

Publicada em

Artigo publicado nos anais do Congresso Brasileiro de Macaúba, em 2013.

Publicada em: Ciências
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
370
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
50
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Presença dos insetos parisoschoenus obesulus e bolax sp. em uma população natural de macaúba (acrocomia aculeata) montooya s g

  1. 1. Presença dos insetos Parisoschoenus obesulus e Bolax sp. em uma população1 natural de macaúba (Acrocomia aculeata) Acaiaca - MG, Brasil.2 SEBASTIAN GIRALDO MONTOYA; SÉRGIO YOSHIMITSU MOTOIKE; HELOISA ROCHA3 DO NASCIMENTO; KACILDA NAOMI KUKI.4 5 INTRODUÇÃO6 A espécie Acrocomia aculeata é uma palmeira nativa das regiões neotropicais e comumente7 habita áreas abertas e com alta incidência solar. Apesar de povoar regiões com solos arenosos e8 baixo índice hídrico, desenvolve-se melhor em locais onde há solos férteis (Gray, 2005; Motta,9 2002). A palmeira macaúba possui alto potencial para a extração de óleo combustível. Embora seja10 considerada selvagem, a espécie, encontra-se em processo de domesticação.11 Quando adulta a palmeira pode atingir até 15 m de altura e 50 cm de diâmetro. Nas axilas12 das folhas pinadas e plumosas surgem as espatas florais que apresentam até 2 m de comprimento13 quando maduras. Os frutos são esféricos ou ligeiramente achatados (2,5 – 5 cm de diâmetro externo14 transversal), quando maduro composto por epicarpo quebradiço, mesocarpo fibroso, endocarpo15 duro, fortemente aderido ao mesocarpo e a amêndoa oleaginosa embranquecida é comestível.16 Durante a abertura das espatas florais da macaúba, insetos, principalmente do gênero17 Coleóptera e Trigona, são frequentemente visualizados. Os insetos polinizadores participam18 ativamente no sucesso reprodutivo das plantas e consequentemente da dispersão da espécie vegetal.19 Entretanto, outros insetos, em seus mais variados estágios de desenvolvimento, são considerados20 pragas por interferirem no crescimento dos frutos). Estes ataques, do ponto e vista filotécnico,21 ocasionam consideráveis perdas econômicas, como observado em palmeiras de importância22 econômica como o coco (Cocos nucifera), o dendê (Elaeis guinensses) e o açaí (Euterpe oleracea).23 A identificação de insetos em plantas em processo de domesticação e promissoras como a macaúba,24 permite estabelecer estratégias de controle às possíveis pragas, favorecendo a viabilidade produtiva25 e econômica da espécie. Dentro deste contexto o objetivo do trabalho foi identificar a presença de26 insetos em atividade nas plantas de macaúba, e que futuramente possam ser considerados pragas27 para a cultura.28 1 Doutorando do programa de Fitotecnia – UFV/ Viçosa. e-mail: smagistergm@gmail.com29 2 Professor Adjunto do Departamento de Fitotecnia – UFV/ Viçosa. e-mail: motoike@ufv,br30 3 Mestranda do programa de Fitotecnia – UFV/ Viçosa. e-mail: helornasc@gmail.com31 4 Doutorando do programa de Entomologia – UFV/ Viçosa. e-mail: oliveiramacedocleber@gmail.com32 1
  2. 2. 5 Doutora em Botânica e Ecofisiologia, pesquisadora – UFV/ Viçosa. e-mail: naomikuki@hotmail.com33 MATERIAL E MÉTODOS34 Os insetos da família coleóptera foram evidenciados durante o monitoramento em uma35 população nativa de macaúba no município de Acaiaca, Minas Gerais, (Lat: 20° 21' 54'' Sul Lon:36 43° 8' 12'' Oeste).37 Indivíduos adultos de insetos pertencentes à ordem Coleóptera foram visualizados e38 capturados nas inflorescências e nas folhas da palmeira macaúba e inseridos em frascos de vidro de39 50 mL com algodão impregnado por acetona pura. Após o sacrifício, o material foi armazenado em40 geladeira e posteriormente levado para o departamento de Entomologia da Universidade Federal de41 Viçosa (UFV) onde se iniciou a identificação dos mesmos.42 No referido trabalho, realizou-se a caracterização do desenvolvimento dos frutos de43 macaúba, período que abrangeu a época de floração (dezembro 2011 – janeiro 2012), polinização e44 crescimento dos frutos, quando foi possível registrar a atividade de P. obesulus e Bolax sp.45 46 RESULTADOS E DISCUSSÃO47 No período de dezembro de 2011 e janeiro de 2012 foi observada a presença de coleópteros48 nas inflorescências abertas e em frutos recém-formados de macaúba. Os indivíduos adultos49 apresentavam atividade diurna, sendo mais ativos e abundantes entre as 8 h e 10 h da manhã. Os50 insetos foram identificados como pertencentes à família Cuculionidae, espécie Parisoschoenus51 obesulus (Figura 1d). A presença do inseto coincidiu com a observação de vários frutos recém-52 formados perfurados e abortados (Figura 1c). É possível que exista uma relação entre o inseto e o53 abortamento dos frutos.54 Parisoschoenus obesulus Casey (Coleóptera: Curculionidae) é também conhecido como55 gorgulho dos frutos (Moura, et al., 2009). Segundo Bondar (1940a), o adulto de P. obesulus é de56 cor castanho claro - avermelhado a castanho escuro ou preto, com o protorax frequentemente mais57 claro do que o resto do corpo. É coberto por uma densa pilosidade fulvo doirada, sendo caduca no58 dorso do protorax. Os élitros possuem oito estrias fundas longitudinais. Nos espaços intervalares59 existem duas carreiras de pelos doirados que se unem posteriormente formando uma só fileira. P.60 obesulus é muito frequente e nocivo à frutificação do coqueiro no Estado da Bahia, sendo seu ciclo61 de desenvolvimento de 20 a 25 dias. Um dos problemas da cultura do coqueiro no Estado de São62 Paulo é a baixa porcentagem de formação de frutos devida, entre outras causas, ao ataque de insetos63 não identificados, sendo um deles o “gorgulho” (Curculionidae) (Tonet e Pelinson 1999).64 c 2
  3. 3. 65 66 67 68 69 70 71 72 73 74 75 76 77 78 79 No mesmo período indivíduos adultos da ordem Coleóptera: Scarabaeidae (Figura 2a)80 foram observados predando as folhas das palmeiras. Estes insetos foram identificados como81 pertencentes ao gênero Bolax, espécie Bolax sp. As plantas afetadas foram severamente desfolhadas82 podendo ser observado à exposição das nervuras (Figura 2b).83 84 85 86 87 88 89 90 91 92 93 94 95 Diferentes coleópteros herbívoros foram documentados. Kirk (1982) relataram dezesseis96 espécies das famílias Cerambycidae, Chrysomelidae, Curculionidae e Scolytidae de uma97 comunidade de trinta espécies de insetos associados à samambaia na Nova Guiné. Fonseca e98 Fonseca (1986) evidenciaram a presença de adultos Bolax flavolineatus (Mann.) (Coleóptera:99 Figura 1: (a) Flor feminina de macaúba perfurada por P. obesulus. (b) Perfuração na base das sépalas e queda da flor feminina. (c) Frutos abortados de macaúba, duas semanas após abertura da espata (d) P. obesulus perfurando frutos de macaúba com uma semana após abertura da espata. Figura 2. (a) Indivíduos adultos de Bolax sp. na parte inferior dos folíolos de macaúba capturados neste estudo. (b) vista inferior de folha de macaúba, desfolhação causada por Bolax sp. 3
  4. 4. Scarabaeidae) atacando as folhas da amoreira (Morus alba L.). Embora, em Vermont, EUA na100 região Neotropical, relatos de Coleóptera ou outros insetos herbívoros são bastante raros.101 102 Este tipo de informação prevê problemas entomológicos que podem prejudicar a cultura da103 macaúba. Altos índices de populações desses insetos podem determinar se a cultura será viável ou104 não numa região específica. Igualmente, essas informações serão base para outras investigações105 entomológicas e ecológicas na estimação da potencialidade desses indivíduos como pragas.106 107 REFÊRENCIAS108 109 BONDAR, G. Insetos nocivos e moléstias do coqueiro (Cocos nucifera L.) no Brasil. Salvador,110 Tipografia Naval, 156p. 1940a.111 112 FONSECA, A.S. E T.C. FONSECA. A cultura da amoreira e criação do bicho da seda:113 Sericicultura. São Paulo, Nobel, 246p. 1986.114 GRAY, M. Palm and Cycad Societies of Australia. Disponível em:115 <http://www.pacsoa.org.au/palms/Acrocomia/aculeata.html> Acesso em: 29 set 2013.116 117 KIRK, A. Insects associated with bracken fern Pteridium aquilinum (Polypodiaceae) in Papua New118 Guinea and their possible use in biological control. Acta Oecol. v. 3: 434-359 p. 1982.119 MOTTA, P. E. F.; CURI N.; OLIVEIRA-FILHO, A. T.; GOME J. B. V. Ocorrência da macaúba120 em Minas Gerais: relação com atributos climáticos, pedológicos e vegetacionais. Pesquisa121 Agropecuária Brasileira. Brasilia. v. 37, n 7, 1023-1031. 2002.122 MISSOURI BOTANICAL GARDEN. Acrocomia aculeata Disponível em:123 <http.//www.mobot.mobot.org/cgi-bin/search> Acesso em: 16 out. 2005.124 125 MOURA J, I, L.; FERREIRA, J, M, S.; SGRILLO R, B.; VALLE R. R.; ALMEIDA A. A. F.;126 CIVIDANES, F, J.; DELABIE, J. H. C. Parisoschoenus obesulus Casey (Coleóptera:127 Curculionidae) não É Praga de Frutos Novos do Coqueiro. Crop Protection. 2009.128 129 TONET RM, PELINSON GJ. A situação da cultura do coqueiro no Estado de São Paulo. In: SÃO130 JOSÉ AR, SOUZA IVB, MOURA JIL, REBOUÇAS TNH, editores. Coco: Produção e mercado.131 Vitória da Conquista (Brasil): UESB. 222-238p. 1999.132 4

×